Busca

Tag

Vida

Degustação

DEGUSTAÇÃO

Numa analogia com um grande restaurante

A vida teria uma quantidade diversa de clientes

Glutões, famintos, anoréxicos, bulímicos

Aqueles que comem de tudo sem critério ou medida

Os que não ingerem quase nada por medo de peso extra

Os que engolem de tudo desenfreadamente e logo vomitam, descartam

Aqueles cujo organismo não dá conta de processar muito bem o alimento

Os que querem apenas variedade, sem qualidade

Os que ficam pegando rebarbas dos pratos alheios

Os que preferem somente a degustação, não pagam o preço do “prato”

Passam fome…

E aqueles sábios e experientes que sabem o que querem

Buscam exatamente o que precisam para se alimentar

Não se encantam mais só pela apresentação ou aroma do prato

Buscam prazer e valor nutritivo num prato que seja seu

Que tenham plantado ou pescado

Querem alimento para o corpo e para a alma

Estão sempre bem alimentados

Sabem que degustação por degustação não traz satisfação…

Alda M S Santos

Nossa bagunça

NOSSA BAGUNÇA

Uma ampla sala arejada com poltronas aconchegantes

Um quarto quentinho, macio e acolhedor

Uma cozinha receptiva, com aroma de café e pão de queijo

Uma rede na varanda com uma vista da Serra

Um quintal com flores, frutos e balanço na goiabeira

Um gramado para brincar, dançar, se exercitar

Um sótão para guardar as bagunças e ferramentas…

Cada qual tem seu sonho de casa, de moradia

Mas para um lar todos têm o mesmo desejo

Que seja amoroso, pacífico, harmonioso

E isso independe da casa em que se mora

Depende muito de com quem se mora

E da sabedoria em manter organizados nossos ambientes internos

Nossa “casa” não é sempre um amplo espaço arejado

Mas também não pode ser toda ela um sótão bagunçado

Um lar “arrumado”, ou não, está diretamente ligado

Ao modo como cada pessoa presente ali

Lida com a bagunça que traz dentro de si

E com a bagunça que o outro traz consigo

Alda M S Santos

Te carreguei no colo

TE CARREGUEI NO COLO

Criados para suportar toda adversidade

Nosso corpo é flexível

Nossa mente é adaptável

Nossa alma é renovável

Nosso coração é elástico, capacidade ilimitada

Muitas vezes desconhecemos esse fato

Constantemente colocados à prova

Numa análise preliminar

Pensamos tombar facilmente

Numa avaliação mais minuciosa

Em retrospectiva, descobrimos nossa força

A força que vem do Criador

Que olha por nós e nos ampara todo o tempo

Que nunca nos abandona, mesmo quando estamos muito pesados

Pelas dores e adversidades do viver

“Nos momentos mais difíceis de sua vida

Eu te carreguei no colo”…

Alda M S Santos

Se quebrar…

SE QUEBRAR…

E se quebrar?

Se quebrar, pode até se lamentar

Mas logo pegue, cole, conserte, refaça

Jogue fora o que puder ferir

Substitua o que não servir mais

Recupere o que é essencial

Retire devagar e com carinho o que estiver inteiro

A essência sempre permanece intacta

O dano pode estar apenas na superfície, no invólucro

O conteúdo profundo é blindado pelo amor

Não importa o tempo de existência

Mesmo que pareça quebrado

O que é profundo e verdadeiro atravessa décadas

E permanece guardado misturado às areias do tempo

Protegido nas perfumadas gavetas secretas de nossa alma

Registrado tal qual marca de ferro quente na pele

Quebrou? E daí?

Aproveite a oportunidade para renovar o viver…

Alda M S Santos

Respeitando limites

RESPEITANDO LIMITES

Nem estacionada e nem correndo

Sigo a vida no ritmo que me satisfaz

Com aqueles que mereci para estarem nessa jornada comigo

Junto daqueles que me conquistaram com amor e carinho

Dia e noite, faça chuva ou faça sol

Nas tempestades ou nas bonanças, caminhamos

Se estaciono, enferrujo, atrofio

Se corro, posso me contundir, machucar, ferir

E ser obrigada a parar antes do fim

Quero seguir caminhando, sempre em frente

Mãos dadas, objetivos comuns, almas afins

Respeitando os limites físicos

Mas também os intelectuais, os emocionais

A mente, o coração, a alma também têm ritmo próprio

E cada qual sabe bem aquele que lhe cabe

E faz feliz…

Sigo caminhando…

Alda M S Santos

Mexidos e remexidos

MEXIDOS E REMEXIDOS

Sabe aqueles dias que nos sentimos um suco remexido

Daqueles que estavam “descansados”

Com o conteúdo sólido, denso, depositado no fundo

E o que é leve dando cor, leveza e sabor

Misturado, à mostra ou na superfície, facilitando a vida?

Aí vem algo e balança tudo

E o que “pesa” mistura-se novamente

Como vento que levanta a poeira assentada

Lança as folhas para todos os lados

Derruba galhos, agita lagos, lagoas e mares

Novo trabalho de descanso e repouso é exigido

Para a vida seguir leve, colorida e saborosa

Ainda que o pesado que repousa lá no fundo

Seja aquilo que dá vida e sustentação a todo o resto…

Alda M S Santos

Que haja vida em nós

QUE HAJA VIDA EM NÓS

Tantas vidas valiosas se perdendo todos os dias

Levadas de modos tão estúpidos e cruéis

Nos tiram o chão, o ar, nos deixam à mercê do acaso

Fazem-nos crer que não valemos grande coisa

Que não temos controle de nada

Somos um grão de areia nessa imensa galáxia

Que podemos simplesmente sair para trabalhar e não voltar

Sem sequer poder nos despedir, nos desculpar

Dar um último abraço ou beijo

Ou fazer uma bela declaração de amor

Com palavras, com uma delicadeza, um olhar ou um aceno

Mas será que há mesmo acaso?

Qual nossa responsabilidade sobre nossas vidas

E sobre as vidas dos que nos são caros

Ou que são caros para os outros?

Quero crer que um propósito há nisso tudo

Que ainda podemos seguir, abraçar, amar, viver

Porque no dia em que não acreditarmos mais nisso

A vida já terá se acabado em nós

Com ou sem tragédias

E isso é pior que morrer…

Que a fé e o amor prevaleçam

Que os aprendizados aconteçam

Que as mágoas arrefeçam

E que sempre haja vida em nós para recomeçar

Quantas vezes forem necessárias…

Alda M S Santos

Foto Serra da Moeda – MG

Ritmo da vida

RITMO DA VIDA

Havia um burburinho por ali

No entorno ouvia gargalhadas de algumas pessoas

Numa mesa algumas mulheres sorriam contando casos

Na outra um casal se falava com os olhos e as mãos

Um grupo de homens assistia ao futebol num canto

A música que se ouvia vinha de uma pequena banda ao vivo

Um senhor sério conversava com duas mulheres bem mais jovens

Os três pareciam isolados em si mesmos

Garçons e garçonetes frenéticos procuravam atender a todos

Numa mesa, virada para a rua, estava uma mulher olhando a Lua

Bonita, vestida de si mesma, parecia esperar alguém

Olhava o relógio todo o tempo e enxugava os olhos

Chamou o garçom, entregou a ele um guardanapo onde escreveu algo

Ele se encaminhou e entregou a mensagem ao violeiro da banda

Ele ruborizou, saiu de lá, foi até a mulher

E saíram dançando entre as mesas sob aplausos

Um guardanapo caiu no chão

Havia uma marca de beijo de batom, lágrimas e um “vamos dançar”?

Seguiram dançando ao ritmo que a vida impunha

Quantas histórias haviam ali?

A vida é assim, ela impõe o ritmo

Mas somos nós que escolhemos se, como

Quando e com quem dançar…

Alda M S Santos

Deixe-se seduzir

DEIXE-SE SEDUZIR

Ela vem cheia de charme

Luz, brilho, cantos e encantos

Sedutora, tira você para dançar

Gira pelo salão, pelas ruas, na contramão

Sobe e desce, oferece flores, perfumes e delicadezas

Faz que vai, volta, te abraça

Você a segue no sol ou na chuva

Dia ou noite, cedo ou tarde

Anda sobre águas, mergulha, vai longe

Você quer fugir, às vezes, quer desistir, tem medo

Mas ela não deixa você se abater

Habilidosa, sabe de seu valor, sua supremacia

É soberana, poderosa, instintiva

E usa de todos os artifícios para manter sua atenção e desejo

Quer venha nua ou coberta de riquezas

Ela te vence, te embriaga, te encanta, te seduz

E você se entrega…

Ela é a vida, que nunca desiste de você

Não desista dela

Deixe-se seduzir…

Alda M S Santos

Porteira fechada

PORTEIRA FECHADA

A vida nos é dada de porteira fechada

Como propriedades negociadas com tudo que carregam porteira para dentro

Recebemos ao nascer um pacote pronto, sem escolhas

Mas não precisa ser assim para sempre

Aos poucos vamos “negociando” o que ela nos deu

Fazendo trocas, descartes, novas aquisições

Vamos fazendo valer nossas escolhas, desejos

Descobrindo o que nossa “terra” produz melhor

Ou aquilo que ela não é boa em cultivar

Adubando o que cresce, enriquece, matando pragas

E dando a essa “propriedade” chamada vida

Que é só nossa, querendo ou não

A nossa cara, nossas características

Tudo que temos ou somos é resultado de nosso trabalho

Na propriedade que recebemos a princípio

Há alguns anos ou décadas…

A porteira veio fechada

Abri-la e fazê-la crescer cabe a cada um de nós…

Alda M S Santos

Antes de morrer

ANTES DE MORRER

Revendo minha lista de coisas a fazer antes de morrer

Já teve pouquíssimos itens, aumentou muitos

Agora sofre perdas e substituições

Uns são simplesmente apagados por inadequação

Por acreditar que o tempo não será suficiente

Por maturidade, decepção e/ou cansaço

Ou por pura covardia mesmo…

Nesse ínterim, outros itens mais “adequados” são inseridos

Menor exigência, maior fé, mais autoconhecimento

Mais autoproteção, menos ansiedade, mais sabedoria

A cada item alcançado, um novo é acrescentado

Afinal, o tempo ainda não parou

A areia desce na ampulheta invisível da vida

Tento acompanhá-la no meu ritmo

E a lista está ali, pedindo para ser completada

Antes de morrer…

Alda M S Santos

Perdendo vida

PERDENDO VIDA

Perder documentos, óculos, carteira, chaves

Num bolso, na bolsa, no transporte público ou na rua

Talvez se recupere, talvez não

E a vida continua…

Mas perder ideias, sonhos, ideais, pessoas, sentimentos

Escondidos num coração ou numa alma

Que não se mostra para o mundo

Que teme a dor, a rejeição, o sofrimento

É muito mais danoso, é perder o rumo, é perder vida

E talvez de modo irreversível

Todo cuidado é pouco com o que deixamos se perder de nós por aí …

Alda M S Santos

Loucuras

LOUCURAS

A loucura é o tempero da vida

A pimenta que dá o toque especial ao prato principal

O sabor agridoce que nos inebria

Loucura é a válvula de escape em meio a tanta “realidade”

O sorriso e a lágrima entre o saudável e o doente

A gargalhada ou o grito que diferem felizes e infelizes

Entre cada ato tido como maluco

Ou em cada inércia tida como sã

Moram a alegria e o prazer de viver

A loucura é o traço sutil a distinguir o certo do errado

Mas é também a linha tênue entre a insanidade e a felicidade…

Loucura responsável é saudável!

Alda M S Santos

Vejo em você

VEJO EM VOCÊ

Vejo em você o que preciso para crescer

Para ser melhor a cada dia

E não são só coisas boas que me possibilitam isso

O que há de negativo em você também me ensina a evoluir

Me permite desenvolver o que é falho também em mim

Aprendo quando você me faz sofrer, me faz chorar

Aprendo quando você me leva ao êxtase, à alegria extrema

Sou melhor quando preciso esquecer um pouco de mim

E me concentrar no que você insiste em me mostrar

Vejo em você vários caminhos que me desnorteiam

Mas que também me ensinam a responsabilidade das escolhas

Vejo em você, Vida, tudo que preciso para ser eu mesma

Um ser humano em evolução que busca no amor a sua luz

Por isso ainda insisto em ficar com você!

Obrigada, Vida!

Alda M S Santos

Isso é se eternizar…

ISSO É SE ETERNIZAR…

Pode ser que um dia nosso nome esteja gravado por aí

Pode ser que esteja escrito noutros lugares

Além da pedra de nossa lápide

Pode estar gravado nos documentos de filhos e netos

Nas escrituras de imóveis, nos registros de bens diversos

Pode estar gravado em letras garrafais e douradas

Dando nome a uma empresa importante

Ou a uma rua, escola, viaduto ou teatro

Pode estar impresso nos diários da vida de alguém

Na capa de um livro, na porta de uma sala ou consultório

Mas se não estiver gravado feito tatuagem nos corações daqueles que ficaram

Que fizeram parte de nossas vidas

Que amamos, que nos amaram

Marcado como digital firmada dia a dia nas delicadezas

Nenhuma gravação em letras douradas terá valia

E nossa passagem por aqui estará apagada para sempre

Pode ser que eu esteja gravada em vocês

Com as letras suaves da doçura e do amor

E vocês certamente estarão gravados em mim

E seremos eternos a cada vez que a lembrança de nosso nome

De nosso sorriso, abraço ou carinho

Fizer pulsar mais forte um coração

Isso é se eternizar…

Alda M S Santos

Tributo a Brumadinho: lama ou flores?

TRIBUTO A BRUMADINHO: LAMA OU FLORES?

Cada um dá o que tem, aquilo que dispõe

Se o que recebemos foi dor

Façamos uma oração a quem sabe de todas as coisas

Se o que recebemos foi lama

Joguemos pétalas de rosas

Se o coração apertar e as lágrimas brotarem incessantemente

Deixemos rolar…

Elas lavam o caminho para o novo nascer

Desintoxicam…

Ainda que machuque, mesmo que demore

O que é bom, verdadeiro, que vem da alma

Sempre encontra uma área fértil em meio à destruição

Para renascer…

Isso vale para flores, para sentimentos, para pessoas

O amor não morre em meio a tanta dor

E essa vida, lama nenhuma tira ou mata

Vão em paz, fiquemos em paz…

Que cada um de vocês que permanece aqui em nossos corações

Brotem lindos e viçosos onde não há mais qualquer dor…

Alda M S Santos

Fotos Band, G1 e R7

Construindo história

CONSTRUINDO HISTÓRIA

Tudo tem história, tudo produz história

Algumas admiradas, escritas, lidas por todos

Retratam crescimento, luta, coragem, sobrevivência

Vontade de reviver, sentir os mesmos aromas, ouvir os mesmos sons

Outras que nos envergonham, nos fazem querer pedir perdão

Apagar, deletar da memória, dos registros oficiais ou não

Voltar lá atrás e consertar um momento, uma página, um capítulo

Que poderia ter produzido vidas diferentes a muitas pessoas

Uma humanidade menos desumana

Aí percebemos que a história já construída não permite muito

À história passada só nos cabe isso: aprender com ela

Quer tenha sido boa ou não, deixado saudades ou decepção

Possibilita apenas muito aprendizado para a história que será lida ou admirada amanhã

Aquelas que hoje escrevemos

Que ainda estão em processo de construção dentro da gente

Somos como uma cidade histórica

Carregamos em nós um passado bonito e de lutas

Mas a cidade não para, assim como nós

E não serve apenas para admiração

A história continua…que valha a pena ser lida!

Alda M S Santos

Meu tempo

MEU TEMPO

Meu tempo já não é mais o mesmo

Menos ansiedade ou afobação

Um leque maior de opções, sem tanta obrigação

Correria só por lazer ou diversão

O número de coisas a adquirir importa cada vez menos

É preferível despertar emoções saudáveis e bons sentimentos

Já aceito melhor a qualidade em detrimento da quantidade

Aprecio novos lugares, mas sei bem que “com quem” vale mais do que “onde”

Já não tenho tempo a perder remoendo raivas, ciúmes

Sofrendo culpas, me martirizando pelo que não tenho controle

Sei que dar soco em ponta de faca só fere a mim mesma

Prefiro me encontrar nos sorrisos, nos abraços

No carinho sincero, no amor declarado mesmo no silêncio

Assumo o produto de minhas escolhas, erros e acertos

Para o bem ou para o mal

Aceito melhor os tempos das outras pessoas diferentes de mim

Valorizo o amor que se apresenta

Não cobro, não peço, não imploro nada

Doar o que temos é o melhor modo de conquistar o que precisamos

Estou aprendendo que nadar contra a corrente suga a energia

Mas não é pior que seguir um curso indesejado e indefinido

Que quase sempre não leva a lugar algum …

Meu tempo não é mais o mesmo

Mas ainda estou aprendendo a lidar com ele

Qualquer hora dessas eu consigo

E atinjo todas essas metas!

Alda M S Santos

Coleções

COLEÇÕES

Há coleções de todo tipo

De figurinhas, de selos, de joias

De carros, de jogos, de souvenir

De roupas, calçados, discos e livros

Há até quem colecione pessoas

Coleções para diversão, para exibição

Há coleções menos “concretas”

Coleções de sorrisos, de lembranças, de lágrimas

De delicadezas, de cores e perfumes

Há coleções de olhares, de poemas, de fotografias

Há coleções para serem exibidas

Há coleções para serem guardadas e protegidas no coração

Aquelas nos fazem “grandes” perante o outro

Estas nos fazem grandes perante nós mesmos…

Alda M S Santos

Minha idade não permite

MINHA IDADE NÃO PERMITE

A única coisa que a idade não permite

Seja ela pouca ou muita, iniciando ou já avançada

Masculina ou feminina, é a infelicidade

Se a felicidade pede, não é a idade que deverá impedir

Se a felicidade pede, não é o olhar maldoso do outro que irá impedir

Se a felicidade pede e não fere a consciência

Se a felicidade pede e não está retirando nada de ninguém

Se a felicidade pede e não põe em risco a felicidade do outro

Não é a idade que poderá impedir

Corpo e mente devem estar em uníssono, em sintonia

Para ouvir o que a alma precisa realmente para ser feliz

E não abrir mão da felicidade por preconceitos próprios ou alheios

A idade, seja ela qual for, não só permite

A idade pede, exige que façamos o que nos faz bem

A idade apenas nos mostra que o tempo tá passando veloz

E cabe a nós fazê-lo correr o mais prazerosamente possível

Para nós e para os outros

Enquanto há vida…

Minha idade não me permite ser infeliz!

Alda M S Santos

Panorâmica

PANORÂMICA

Quero uma panorâmica da minha vida

Que capture tudo do início ao fim em 360 graus

Cores, diversos matizes, claros e escuros, foscos e brilhantes

Pontos em relevo, reentrâncias, 3D, transparências

Áreas secas, outras molhadas, oásis e desertos

Com direito a giros, emoções, sorrisos e lágrimas

Liberdade para extasiar, tontear, sem desabar

Quero nela todos aqueles que fizeram parte do meu viver

E revelar num grande mosaico

A minha simples passagem por aqui

Quero uma panorâmica da minha vida…

Alda M S Santos

Se eu puder escolher

SE EU PUDER ESCOLHER

Se tudo na vida nos rouba tempo

Que eu possa escolher como ser roubada

Que meu tempo seja subtraído

Fazendo coisas que me dão prazer

Que dão prazer aos outros, aos que me fazem bem

E quando eu não puder impedir lágrimas e decepções

Que ao menos possa ter quem enxugá-las

E, para cada lágrima que porventura eu venha despertar em alguém,

Que tenha, em contrapartida, deixado a lembrança de um sorriso, um abraço, um beijo, um cuidado

Que logo roube seu lugar e faça o tempo ser precioso

Se eu puder escolher

Escolho focar e ficar no que fez e faz bem

De perto ou de longe…

Alda M S Santos

Sempre em busca

SEMPRE EM BUSCA

Viver é estar sempre em busca

Ainda que não se saiba exatamente de quê

Mesmo que todos o vejam como preenchido

Aquele a quem nada falta

Por mais que sinta gratidão à vida

A tudo que foi permitido ter, ao que aprendeu a ser

Aquilo que foi conquistado, mantido, até mesmo aquilo que foi perdido

Aquilo que te fez o que hoje é

Tudo só foi e é possível por ter estado sempre em busca

Por nunca ter desistido ou estacionado na aparente completude

Só você sabe os motores que te movem

As necessidades que te (des)orientam, seus medos

Só você sabe seu tempos, suas urgências, suas carências

Ainda que não sejam verbalizadas ou compreendidas

São elas que te mantêm sempre em busca

São elas que dão a aparência de alguém a quem nada falta

Apesar de toda sua inquietude…

Todos veem “tudo” que você tem

São suas buscas e lutas que nem todos veem

Quem está vivo está sempre a buscar…

Alda M S Santos

Namastê

NAMASTÊ

O Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em você

E quando isso ocorre só coisas boas podem acontecer

O belo que existe em mim saúda o belo que existe em você

Minha essência humana saúda sua essência humana

Minha porção divina saúda sua porção divina

A partir daí somos imbatíveis, invencíveis

Porque ao acionarmos o bem que há em cada um de nós

Não sobra espaço para o mal, o negativo fica sem lugar

As sombras não causam medo, os monstros não atemorizam

A escuridão é iluminada pela luz

Aquela que, mesmo escondida, mora dentro de mim, dentro de você

Basta acender!

Namastê!

Alda M S Santos

Faça amor com a vida

FAÇA AMOR COM A VIDA

Chegue lentamente, tire as sandálias

Caminhe devagar, sinta a maciez da areia fina

Deixe seus pés se afundarem

Abra os braços, tire os óculos, feche os olhos

Inspire, expire!

Inspire energia, expire o cansaço

Inspire o calor, expire toda dor

Dê um giro sobre si mesmo, olhe para o alto

Dê um grito de paz, mesmo em seu silêncio, se preferir

Corra para o mar, mergulhe, lave toda negatividade

Seja esponja do bem, seja grato, tenha bons pensamentos

Sinta a brisa, a pele se arrepiar, o prazer em estar vivo

Sorria, abrace, beije, faça amor com a vida…

Viva e deixe viver!

Alda M S Santos

Meu barquinho

MEU BARQUINHO

Bom mesmo é navegar

Com a força dos braços nos remos

Com as velas empurradas pelos ventos

Ou motores fortes a rasgar as águas

O que vale é navegar…

Desbravar nossos mares escuros

Irrigar nossa esperança de novas descobertas

Cuidando para evitar naufrágios

E, se acontecer, saber sobreviver, resistir e seguir

O que vale é navegar

Mas encontrar um porto seguro para descansar

Repor as energias e agradecer

É tão importante quanto…

Sigo navegando e atracando

Com meu pequeno barquinho

Ora sendo apoio, ora buscando apoio…

O que vale é seguir o curso…

Alda M S Santos

Belezas

BELEZAS

A beleza de dentro

Admira a beleza de fora

Uma abastece a outra

É uma magia que vibra

Encanta e irradia…

A beleza de fora

Invade e preenche

Os vazios da beleza de dentro

Uma complementa a outra

É um espetáculo ímpar

Que gera vida, amor que contagia

Que ousa curar os males de fora

Que se atreve a sanar os males de dentro…

Alda M S Santos

Felizes para sempre

FELIZES PARA SEMPRE

Quem disse que o “felizes para sempre” não existe?

Simplesmente ele é entremeado de vários momentos infelizes

Contos de fada terminam no ponto do “foram felizes para sempre”

E vida real não para! Segue!

E tem muitas quedas e entraves, decepções, mágoas

Aqueles nos quais pensamos que é o final do “sempre”

Mas o sempre é até a morte, talvez além dela

A vida é um contínuo, um fluxo constante

Mesmo que a gente pareça estacionados…

Existem vários felizes para sempre

Vários motivos vão se impondo

Vários começos, vários fins

Muitos recomeços

Quando vamos nos redescobrindo dia a dia

E, em nós, infinitos felizes para sempre

Só precisamos observar bem…

Alda M S Santos

O último raio de sol

O ÚLTIMO RAIO DE SOL

Os últimos raios de sol estão brilhando no horizonte

Irradiam e refletem todo o trabalho de um dia nas águas do oceano

Descansam ali toda a energia despendida em forma de luz e calor

Deitam nele suas esperanças de um novo amanhecer

Um olhar ao longe também repousa

Ela acalma o seu coração diante desse espetáculo gratuito a lhe dizer:

A vida é cíclica, tudo vai, tudo volta

Tenha calma na alma

Que a paz reinará!

Alda M S Santos

Aqui tem brasileiros

AQUI TEM BRASILEIROS

Brancos, negros, índios

Deliciosa e encantadora miscigenação

Sangue guerreiro, sangue vermelho, sangue brasileiro

Cultura ímpar, sem igual, que se eterniza em cada um de nós

Que se solidariza, se humaniza, se enraíza

Mulatos, mamelucos, cafuzos

Confusos… mas sempre brasileiros

Do Oiapoque ao Chuí…

Dos fios de cabelos loiros, negros, crioulos, sarará

O coração bate no ritmo da alegria, da esperança

Independente da cor da pele, do que carrega no bolso ou no coração

Ou das batidas dos tambores ou atabaques da vida

A cor da alma é a cor do amor…

Aqui tem brasileiros, aqui tem raça!

Alda M S Santos

Sol e chuva

SOL E CHUVA

Entardecer, o dia vai ceder o lugar para a noite

Ora sol, ora chuva, ora sol e chuva

Nessa disputa entre secos e molhados, quem vencerá?

Sei que o espetáculo sou eu quem curto

Cada flor, cada folha, cada matinho mais verde e brilhante

A cadelinha se espreguiça em busca de um carinho

Canarinhos já não se recolhem

Comem, voam, namoram na chuva e sol

Sequer se preocupam, acostumados a qualquer mudança

E às intempéries da natureza…

São resilientes!

Não carregam pesos desnecessários

São apenas o que são, criaturas do Criador

E se alegram por isso

Voam livres… vivem…

Alda M S Santos

Nadando em águas profundas

NADANDO EM ÁGUAS PROFUNDAS

O que leva um exímio nadador a se afogar

Não é a inabilidade, imperícia ou falta de treino

O que leva alguém a se afogar é a escassez ou o excesso de confiança em si mesmo

É a inércia perante as águas bravias que causa pavor

Falta-lhe a tranquilidade para lembrar o que possui

Tentar relaxar, mover-se ritmadamente e respirar devagar

Ou é o excesso de confiança que o faz se aventurar onde é perigoso e não mais conseguir voltar…

Quando nos afogamos mergulhados em problemas e tristezas

Advindos de mares profundos nos quais mergulhamos

Levados pelas circunstâncias ou por vontade própria

Quase sempre são por esses dois motivos:

Excesso ou falta de autoconfiança e coragem

Ambos podem ser danosos para o nadador e para quem tentar salvá-lo…

Que nossas águas sejam claras, que saibamos mergulhar e nadar bem…

Alda M S Santos

Brotos de amor

BROTOS DE AMOR
A chuvinha está como a gente, vez ou outra
Será que está a nos copiar?
Cai intensa, forte, contínua, dura uns bons minutos
E para…
O tempo abre, o sol aquece, também dura pouco tempo
E a chuvinha volta a cair intensa…
Parece conosco quando temos muito a chorar
A alma para lavar, muitas mágoas presas a soltar
E, fortes, insistimos em manter nosso sorriso aberto
Algumas recaídas, mais lágrimas e soluços
E novamente sol, sorrisos…
E nesse troca-troca a vida se renova
Se abastece de água e calor, de lágrimas e sorrisos
Irrigando a semente de um amanhã promissor
Que brota insistente nas terras onde se plantou amor…
Alda M S Santos

Retrospectiva

RETROSPECTIVA

Em retrospectiva analiso os últimos 365 dias

O que se destacou nesse ano que merece ser relembrado

As alegrias vividas, os sofrimentos superados

Outros jogados para um cantinho escuro

A força que surgiu de onde parecia ser só fragilidade

Os sorrisos que brotaram em meio a decepções

As lágrimas, os apertos e medos, mudanças e renovações

Quantas vezes fui salva do mal ou da morte sem saber

Quantas outras fui salva da vida por escolher

A quantos pude salvar, levar amor, compaixão

Ou apenas um pouco de alegria, um pedaço de pão

O quanto pude construir para mim, para os outros

Causei algum mal, destruí algo, derrubei muros, construí pontes?

Como água, soube desviar de obstáculos ou entrei onde não devia?

A bagagem que hoje carrego pesa mais que antes

Ou tem mais levezas, menos traumas ou culpas?

Uma coisa é certa: não desisti

Que posso levar para o próximo ano?

Quem estará comigo?

Independente de quem ou do que estiver comigo

Sei que Ele estará, não me desampara nunca

Nele está minha gratidão, minha fé, minha coragem

Que venha 2019!

Que seja feliz para todos nós!

Alda M S Santos

Oferendas

OFERENDAS

Quero lançar ao mar tudo o que de negativo vivi

Não que eu entenda suas águas como depósito de lixo

Mas poderosas para dissolver lágrimas e amenizar dores e decepções

Levá-las para longe e trazer de volta apenas esperança e força

Quero lançar ao mar tudo que de bom eu vivi

Não é que eu seja mal agradecida ou queira me desfazer das bênçãos recebidas

Oferto com um forte desejo de partilhar com os outros o que recebi, conquistei

Amor, compaixão, carinho, perdão e amizade

Nesse vai e vem das ondas do mar

Cada um de nós deseja apenas um certo equilíbrio

Uma alma em paz para nós e para os outros

Que em cada pé que suas águas salgadas tocarem

Haja mais esperança, fé, respeito

Mais igualdade, menos preconceito, mais amor

E que um sorriso iluminado de paz possa reinar

Essas são minhas oferendas ao mar, à vida

Oferendas que vão e voltam

Com as ondas do mar…

Alda M S Santos

Fechado para balanço

FECHADO PARA BALANÇO

Tempo de balanço, de averiguar saldos

Entradas e saídas, déficits e superávits

Faturamento, prejuízos, reposições e trocas

Todo bom negócio realiza para equilibrar a balança comercial

Todo bom ser humano precisa para equilíbrio da balança emocional

Tempo de levantamento de dados na mente

Os excessos ou faltas que causaram curtos-circuitos

Hora de sondar o coração

Aquelas batidas aceleradas ou quase paradas

Verificar o que gerou ganho para a alma

Remanejar o que não possibilitou crescimento

Manter e aumentar o estoque do que fez bem

Descartar só em último caso

Pois tudo que fez parte de nós sempre há como reaproveitar

E portas abertas novamente

Seguindo corajosamente no sinal verde,

Brecando sabiamente no vermelho

E muita, muita atenção ao amarelo

A vida que está em nós precisa girar…

O amor precisa fluir, sem destruir …

Alda M S Santos

Enquanto houver amor

ENQUANTO HOUVER AMOR

Enquanto houver um ser humano que se preocupa com o outro

Que cuida, que orienta, que alimenta

Não só o corpo, mas que nutre a alma

De pequenas gentilezas, daquele carinho sutil

Daquele interesse que demonstra bem-querer

Daquele olhar que entende o que se esconde atrás de um sorriso

Ou de um “tudo bem” de quem não está nada bem

Que aceita as diferenças do outro

Que ama exatamente as diferenças

Que abraça, sorri, chora junto

Mas principalmente, está junto

Aconteça o que acontecer…

Assim será Natal sempre!

Natal é isso: amor-família, amor-cuidado

Amor-simplicidade, amor que é prioridade

Amor-solidário, amor-fraterno

Em qualquer família que façamos parte

Para qualquer ser que aceitemos como família

Estaremos exercendo o amor do Pai

Aquele que Ele quer de nós

Todos os 365 dias do ano…

Gratidão sempre!

Alda M S Santos

Em cada coração, uma manjedoura

EM CADA CORAÇÃO, UMA MANJEDOURA

Ele está nos asilos, nos dormitórios

Em cada semblante saudoso e olhar sofrido de um idoso

Ele está nos orfanatos, nos pequenos órfãos

Nos olhinhos brilhantes e esperançosos

Ele está nos hospitais, nos leitos

Na batalha daqueles cujo corpo luta pela vida

Ele está nos presídios, na revolta das celas

Onde a maldade e os erros reinaram e a esperança míngua

Ele está debaixo das marquises

Em meio aquela tranqueira dos moradores de rua

Como sempre, Ele está onde mais precisam Dele

Ele está onde há uma alma que luta pela vida

Ele está aqui e nem sempre é notado

Ele está onde sempre esteve: amparando e resgatando necessitados

“Ele está à porta de nosso coração e bate

Se abrirmos Ele entrará e ceará conosco”

É Natal!

Ele quer renascer em cada um de nós!

Onde quer que a gente esteja, estejamos como estiver

Que façamos de nossos corações sua manjedoura

E tudo poderá ser melhor!

Alda M S Santos

Nosso Sol

NOSSO SOL

Giramos em órbita gravitacional em torno de nosso Sol

Em contínuos movimentos de translação gerando nossas estações

Ora quente, ora frio, escuro ou claro

Tranquilos ou tempestuosos

Somos mantidos ali todo o tempo, seguros

Sabedores do que poderemos enfrentar

Em forma elíptica ou circular, seguimos

Como um astro ou planeta que sabe sua trajetória constante

Ou que “se perde” no espaço sideral se escapar de sua órbita

A questão é sempre saber quem ou o que é nosso Sol

Aquele do qual não podemos nos afastar

Aquele que sustenta nossas atividades e sonhos

Que mantém nossa órbita imaginária em curso

Que nos faz brilhar

Que ativa sempre nossa vida,

E não nos deixa escapar…

Alda M S Santos

Roda da vida

RODA DA VIDA

Intensa e contínua circularidade da vida

Tempos, fases, ciclos

Onde se encontram diversas gerações, todas as idades

Um verdadeiro entra e sai nessa roda

Um trajeto completado

Fim da linha? Reinício?

Linha de largada, linha de chegada

O que as difere?

A disposição, esperanças, expectativas

Frustrações, sensação de dever cumprido?

Entra mês, sai mês, dezembro, janeiro

Fim, início ou continuidade?

Tempo contado, marcado, demarcado

Para quê?

Será que assim temos a sensação de um mínimo de controle

Sobre aquilo que não sabemos quando irá se acabar?

Sei que em qualquer etapa é possível dar uma parada

Reavaliar a trajetória, redirecionar

Só não podemos estacionar

Sempre seremos levados na roda da vida…

Quanto tempo temos?

Alda M S Santos

Vai lá…

VAI LÁ…

Era chegada a hora

Um abraço de despedida

Um beijo de “até breve”

E ouvia as expectativas

“Você é forte, é capaz”!

Entre medos e receios de última hora

“Será que isso é mesmo necessário”?

Ou “não posso ficar mais um pouco”?

E ouviu mais um incentivo

“Foi uma escolha de amor. Vá”!

Angústia, medo de não ter forças, saudades antecipadas

“Estarei contigo e te tratei de volta na hora certa”!

Mais um abraço de puro amor

“Se precisar de Mim, ore, chame meu nome, Eu te ouvirei”!

E ela desceu pronta para a batalha

“Vai lá e arrasa! Faça valer a pena “!

E de passo em passo, uma oração

Entre erros e acertos, buscava por Ele

Tentando cumprir sua missão de amor…

Até breve!

Alda M S Santos

Na varanda

NA VARANDA

Sentada na varanda ela vê a vida passar noutro ritmo

Com uma trilha sonora diferente, rica

Cantos, sem vozes, algazarra e encantos

Sob cores fortes, intensas, naturais

Observa o enredo matutino que se desenrola no telão da vida

Tudo ali fala, o silêncio grita, há comunicação

As palavras são supérfluas, desnecessárias

Canarinhos entram e saem do ninho sob o telhado

Conversam entre si, renovam e festejam a vida de seus ovinhos

Calangos passam correndo, saracuras idem

Beija-flores se refestelam e passeiam de flor em flor no jardim

Borboletas e joaninhas fazem a polinização

Lagartas sapecam quem ousa encostar nelas

A cadelinha se estira na grama macia e úmida

O sol reina sobre todos, debaixo de um céu de intenso azul

Cada qual sabe bem seu papel e o executa com alegria

E ela ali, a observar…

Busca dentro de si aquela mesma harmonia

Aquela “certeza” leve de também executar bem seu papel

Na tantas vezes complexa trama da vida…

Alda M S Santos

Quero um romance

QUERO UM ROMANCE

Quero um romance, mas que seja especial

Não qualquer romancezinho água com açúcar

Quero um romance com minha existência

Daquele tipo que me tire de órbita

Mas me traga de volta, não me deixe num universo paralelo qualquer

Quero um romance com minha existência

Daqueles que não me aprisionem

Ao contrário, que abram minhas próprias algemas

Que me instiguem a não me acovardar atrás de trincheiras

Que me encorajem a enfrentar a vida em campo aberto

Quero um romance com minha existência

Daqueles que aceitem meus gritos e medos

Interpretem meus silêncios, aceitem minhas limitações

Me incentivem a usar minhas próprias asas

A voar para novos ares com segurança

Quero um romance com minha existência

Daqueles que me façam ser melhor sempre

Que me apontem pontos positivos e falhas

Sem contudo minar minha autoestima

Quero um romance com minha existência

Daqueles que me levem a mergulhar em rios gelados

Que me convidem ao cinema, a um parque, à Lua

Mas que, sobretudo, produzam comigo o enredo do meu próprio filme…

Quero um romance com minha existência

Quero um romance comigo mesma…

Alda M S Santos

Verde-vivo

VERDE-VIVO

A chuva fora torrencial, derrubara árvores, ninhos e sonhos

Pássaros saíam a cantar, comemorando o que restou de bom

Humanos se fechavam a reclamar, contabilizando o que perderam

A chuva ainda insistia, agora leve, fininha

Mas o sol se infiltrava, sem pedir licença, soberano, dono da vida

Renovando calor e colorindo de verde-vivo a esperança

Como alguém que tenta sorrir banhado em lágrimas

Formando um arco-íris maravilhoso escorrendo no rosto

Como a árvore que brota sob o corte do machado

É a vida mostrando sua força, suas faces e fases

É a natureza vital se impondo…

Se não fomos o “machado” que destruiu a vida

Que derrubou florestas inteiras ou jardins

Ou até mesmo uma flor

Sempre mais fácil seguir

Se fomos, vamos reconstruir…

A vida sempre se impõe!

Alda M S Santos

Parque de diversões

PARQUE DE DIVERSÕES

Há brinquedos para todos nesse grande parque de diversões

Afoitos, aventureiros, intensos, pura adrenalina

Cautelosos, ponderados, tranquilos, medrosos

Crianças, jovens, adultos e idosos

Há inclusive espaço para quem não quer brincar

Para quem se diverte vendo a roda gigante subir e girar

Ouvindo os gritos de quem se aventura na montanha-russa

Observando o leve e sem graça vai e vem do carrossel

Atento às gargalhadas do palácio do riso

Ou aos semblantes assustados de quem sai da casa de terror

Há lugar para quem se assenta no banco no jardim

E observa os casais enamorados com rosas e bichos de pelúcia

As crianças agitadas com algodão-doce colorido e bolas enormes de sorvetes

Há lugar para todos: individuais ou coletivos

Há também quem queira tomar a vez do outro

Burlar a ordem, a lei, bagunçar a diversão

Ainda que não haja desejo de brincar

Esse parque de diversões chamado vida não para

Com ou sem a gente

Ele continua sempre….

Alda M S Santos

Sozinhos

SOZINHOS

Medo inexplicável e insondável todos temos da solidão

Já que em momentos cruciais do existir estamos sós

Viemos para esse mundo, abrimos os olhos, vemos a luz, choramos …

Por mais gente que esteja ao nosso redor nesse momento

Chegamos sós…

E passamos a vida em busca de companhia, de afinidades

De um modo de afastar a solidão…

Será que temos a consciência que o momento da solidão voltará

Que será difícil, doloroso?

E que ter alguém ao longo do caminho poderia amenizar isso?

Na hora de partir, de voltar para o lugar de onde viemos

No momento em que fecharemos os olhos para esse mundo

Teremos apenas a solidão de companheira, iremos sós

Voltaremos também sozinhos

Para um lugar que mesmo imaginado, até sonhado

É, ainda assim, desconhecido…

Quanto mais amigos ficarmos dessa companheira, a solidão

Menos sozinhos estaremos…

Ser amigo da solidão, é não perder-se de si mesmo…

Alda M S Santos

Hora de partir…

HORA DE PARTIR…

Era chegada a hora de partir

Para onde não sabia

Apenas sentia, ouvia o chamado

Um chamado incessante de um novo lugar

Desconhecia o caminho, o destino

Sabia apenas que precisava ir…

Sequer tinha conhecimento se teria companhia

Mas era chegado o momento

Despiu-se do passado, foi nua

As novas vestes viriam com o tempo

As únicas vestimentas que levaria consigo

Seriam aquelas que acalentaram, aqueceram a alma

Tornando-a sensível e forte

Ou aquelas que iriam clarear e perfumar sua nova trilha

Jogou para trás as velhas sandálias

E seguiu nua, calçada de coragem

Em busca de novo destino…

Alda M S Santos

Defeitos

DEFEITOS

Aqueles dias que só conseguimos enxergar nossos defeitos

Sequer temos vontade de sair do quarto

Cabelos rebeldes, rugas, dores aqui e ali

Olhos úmidos, ausência de brilho no sorriso

O espelho diz verdades desagradáveis…

Uma avaliação mais profunda mostra sensações ruins

Tristeza com ingratidões, ciúmes, mágoas, desesperança

Saudades de tempos idos, de tempos não vindos

Melhor voltar para a cama e cobrir-se toda

Na expectativa de esconder o que dói

Dormir, talvez sonhar com um “amanhecer” melhor

Buscar lá dentro, bem lá no fundo

O equilíbrio da balança entre qualidades e defeitos

Aquela coragem que sempre faz tudo seguir, sempre em frente

A autoestima necessária para nos tornar melhor para os outros

Mas, especialmente, para nos fazer melhor para nós mesmos

Uma atitude de bondade e compaixão deve começar pelo mais próximo:

Nós mesmos!

Alda M S Santos

Abra as janelas

ABRA AS JANELAS

As portas estão passadas a chave

Janelas cerradas, persianas baixadas

Espaços interiores fechados, escuros, protegidos

Não deixam a vida entrar, acontecer

Abra as persianas devagar…

Deixe a luz de fora entrar aos poucos

Para não cegar com a claridade do exterior

Olhe lá fora através da vidraça

As cores, o brilho, a intensidade

Encante-se!

Abra as vidraças aos poucos…

Deixe a brisa balançar seus cabelos

O sol aquecer sua pele, arrepiar-se

Respire fundo o ar puro de rosas

Se vier uma tosse não faz mal

Desintoxique-se!

Abra bem as janelas da sua alma

Deixe sair o ar viciado que já não se renova

Deixe a vida renascer!

Depois das janelas abertas

Logo as portas também se destrancarão e se abrirão

Apenas vigie o que entra e o que sai

Portas são para isso mesmo…

Abra as janelas e as portas do seu coração

Areje a alma, a mente

Proteja o que é valioso de intrusos, expulse-os

Convide a luz do céu existente em cada ser para entrar

Sentar e fazer de seu interior sua mais nova morada

Abra as janelas, sente-se, escreva sua história…

Alda M S Santos

Humanos aranhas

HUMANOS ARANHAS

Somos humanos aranhas a tecer

Alguns tecendo teias fortes como o aço

Outros teias frágeis, mas impregnantes

Há os que tecem, sem objetivos de captura, apenas proteção

E ainda aqueles que sequer são capazes de construir teias

Esses, especialistas em se tornar presas de outras aranhas

Grudados em outras teias…

Há também as “aranhas” que buscam presas em outras teias

Já capturados por outras aranhas

Estamos, de todo modo, presos em alguma teia

De seda ou de aço, não importa

Cuidando da que construímos e de quem “capturamos”

Ou nos adaptando à teia em que fomos capturados

A liberdade consiste em escolher a “prisão”

A teia na qual estaremos nos fazendo de livres…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: