Busca

Tag

solidariedade

Se ele bate em harmonia…

SE ELE BATE EM HARMONIA…

Aprender a ouvir o próprio coração

Tudo que de melhor possa haver fica ali

Está lá guardado, “batendo” todo o tempo

Como em código morse para decifrarmos

É através dele que Deus fala conosco

Através dele sabemos quando estamos no caminho certo

Se não dói, se está leve, se fica em harmonia com o outro

Se não há culpas, medos ou traumas

Se ao menos conseguimos ouvi-lo bater em paz

Está tudo na direção correta

É Deus dizendo para seguir em frente…

Alda M S Santos

Fraternidade: eu faço parte

FRATERNIDADE: EU FAÇO PARTE

Queremos um mundo novo!

Onde abraços possam aquecer

Famílias com menos brigas, mais união

E o medo não nos impeça de crescer

Queremos um mundo novo!

Onde haja esperança e afeto

Humanos mais solidários e bondosos

E que todos tenham direito a um teto

Queremos um mundo novo!

Onde o amor possa livre reinar

Um mundo com justiça social

Onde o pão seja para todos

E sorrisos possam cativar

Queremos um mundo novo!

Onde a violência seja eliminada

A caridade seja o novo lema

Nenhuma arma seja usada

A não ser um belo poema

Queremos um mundo novo!

Onde a vida seja prioridade

Ninguém seja excluído por qualquer condição

Que a lei seja a igualdade

E que Jesus more em cada coração

Queremos um mundo novo!

Mas percebi que um mundo novo depende de mim

Depende também de você

Fraternidade: eu faço parte!

E você?

Queremos um mundo novo!

Alda M S Santos

Apresentação na Matriz São Sebastião e Santa Edwiges- BH

Amor

AMOR

Amor é assim, vai, multiplica-se

Volta redobrado…

Amor que cura, que se cura

Que é luz lá e cá

Amor que é Páscoa

Amor que é vida nova!

#carinhologos

Páscoa no Lar Santa Zita

Mutirão de amor

MUTIRÃO DE AMOR

Mutirão de limpeza, de solidariedade

Mutirão de amigos, de fé, um propósito

Ser úteis, fazer o bem, estar em paz

Não importa quando ou onde

Se o propósito for bom

Se unir amigos em prol de alguém

Quanto mais, melhor

É assim que a gente vence

Aquilo que parece invencível

“Aquilo que parecia impossível

Aquilo que parecia não ter saída…”

Com Deus somos um milagre, somos invencíveis”

Alda M S Santos

Demasiado tarde?

DEMASIADO TARDE?

Seria demasiado tarde

Para acreditar na humanidade?

Idosos, grávidas e crianças de pé no metrô, esquecidos em sua condição especial

Mas lá fora uma mulher protege outras duas desconhecidas em seu guarda-chuva

Uns veículos velozes e descuidados espirram enxurrada nos pedestres

Outros param e cedem a preferência

Descaso, desamor, desrespeito e indiferença com o outro

Podemos ver isso por todos os lados nos mínimos gestos

Mas apenas um sorriso solícito de um funcionário

Um dar-se as mãos para atravessar a rua

Uma carona solidária, um olhar compreensivo

Um simples ato de carregar as sacolas pesadas de alguém

Qualquer sinal de preocupação e cuidado desinteressados

Fazem-nos crer que não é tarde demais

A humanidade ainda tem jeito!

Precisamos focar no que nos faz mais felizes

Há muita gente do bem, boas ações

Apenas o mal tem sido mais visualizado, semeado

Divulgado e propagado…

Vamos divulgar e propagar o bem

Plantar o amor verdadeiro em gestos simples…

Alda M S Santos

E as lágrimas secaram…

E AS LÁGRIMAS SECARAM…

Sentada num canto ela dizia que já sofreu demais

Tanto chorou, e chorou, que hoje,

Por maior que fosse a dor, não tinha o alívio das lágrimas

Secaram todas, afirmava

Décadas e décadas vividas, evidenciadas em cada ruga

No corpo frágil que parecia muito leve

Para carregar tamanho peso…

Que será que carrega a pesar tanto?

Algo que fez, que deixou de fazer, ou permitiu que fizessem consigo?

Males que causou aos outros, a si mesma, arrependimentos,

Sonhos que não viveu, impediu que outros vivessem

Caminhos que não trilhou, portas que arrombou

Lições que não aprendeu ou não ensinou

Ou saudades, alegrias perdidas, não mais vividas?

Observo os mais velhos, e considero a sabedoria da natureza

Ao ir limitando a memória dos idosos

Um modo de poupar energia

E aliviar um pouco o sofrimento daquilo que não tem mais jeito,

Pois lágrimas e sorrisos, ambos podem fazer bem ou mal

Dependendo do modo que se olhe para eles,

E da expectativa que se tenha pela frente…

Alda M S Santos

Toque de amor

TOQUE DE AMOR

Uma geme na cama, dormindo ou acordada

A outra, de frente para o corredor, sempre observa quem se aproxima

A primeira tem feridas nas pernas, artroses múltiplas

A outra, após AVC, não fala mais, não é alfabetizada

Comunica-se com gestos e com o olhar

Há ainda outra que canta e gosta de dançar, apesar das limitações

Todas moram num lar para idosos

São bem cuidadas, medicadas, alimentadas

Uma agradece baixinho, reduzindo os gemidos,

O abraço, o beijo, o carinho que recebe

A outra fala de amor com os olhos

Recebe e retribui os abraços

Devolve os carinhos no rosto delicadamente

Todos lá não só gostam do toque, do carinho, da atenção

Mas precisam dele para viver

Só notamos verdadeiramente a falta que o calor humano faz

Quando nos defrontamos com quem mais carece dele …

O toque carinhoso de outra pessoa

É o que nos faz sentir humanos, vivos…

Alda M S Santos

#carinhologos

O bem e o mal

O BEM E O MAL

O mal pode ser contagioso,

mas o bem também pode

Vence aquele que for melhor propagado!

Alda M S Santos

#carinhologos 💖

A alma chora e agradece

A ALMA CHORA E AGRADECE

Fadigado o corpo luta para sobreviver à lama

Esgotada a alma chora

Chora por aqueles que se foram

Chora pelo descaso, pela insignificância da vida

Chora por si mesma…

Ao redor tudo é destruição

Quanto ouro vale uma vida?

Mais especificamente, quantas vidas são necessárias

Para pagar pela mineração?

Fundão, Feijão, decepção, repetição

Não foi aprendida a lição?

E a alma estremece, quase desiste, chora

E se entrega, agradecida, nos braços daquele que a acolhe

Uma alma que entende outra alma

Corações em sintonia, dor, alegria

E a alma chora, agradece…

Alda M S Santos

Queria viver…

QUERIA VIVER…

Queria um dia chegar aos 103 anos como a Dona Geralda

Mas só se for para ter a lucidez e clareza de ideias dela

Ainda que o corpo não obedeça mais tão bem aos comandos

Queria ter grandes alegrias nos pequenos momentos como a Dona Clarice e seus bichos

Passar o tempo realizando sonhos como a Dona Cristina se alfabetizando

Ou sempre buscando inovação como a minha xará Alda com seu tablet…

Queria viver talvez 95 anos como Dona Altina

Com o prazer de cantar, ter fé e ser grata à vida, ainda que seus olhos não mais enxerguem

Queria manter o dom de fazer poemas e declamar como Dona Yara

Não ter vergonha de chorar como a Dona Eugênia quando tudo doer

Ou de ser receptiva a carinhos e afagos como Dona Tereza, sempre vaidosa

Ter aquele sorriso puro e ingênuo de quem sabe todas as coisas como Dona Elvira,

Mas que prefere se concentrar nas boas…

Mas, queria mesmo, viver muito

Só se fosse para manter-me leve, sem grandes culpas

Aprendendo um pouquinho com cada uma delas

Com o dom de ser poesia na vida de todos

E a capacidade de perdoar, de dar e receber amor

Pois só assim viver vale a pena

Independente da quantidade em anos…

Alda M S Santos

#carinhologos

Artistas

ARTISTAS

Uma dupla de amigos “artistas”

Senhor Edilson, 75 anos, morador do Lar Frei Otto

Eu, uma professora “desenhista” e voluntária no lar

Eu desenho, ele colore…

A cada visita temos essa troca de carinho

Nós dois ficamos felizes…

Até a árvore que caiu lá fora e deixou o lar sem energia

Impedindo a distração com a TV não importou tanto

O tempo passa rápido quando fazemos o que gostamos

Aquilo que nos faz bem tem efeito cascata

O que fica de bom em cada um de nós

Transborda para todos a nossa volta…

Até a próxima, amigo Didi!

Alda M S Santos

Voluntário: uma ramificação do bem

VOLUNTÁRIO: UMA RAMIFICAÇÃO DO BEM

Pense em algo que dá trabalho

Aquilo que tira você da mesmice

Que te leva a lugares inimagináveis

Que te emociona e engrandece

Que mostra lados diversos da vida

Que te aperta o coração, faz chorar, faz sorrir

Acrescente alegria, satisfação, prazer

Junte trabalho manual, pedidos, orações

Perca a vergonha de pedir ajuda para ajudar os outros

Distribua carinho, abraços, beijos, doces palavras

Encontre amigos e pessoas afins

Doem -se! Sem cobranças!

Unam -se em prol de alguém

Não desanimem!

Nada esperem em troca!

Sejam gratos, nunca superiores!

Cada um de nós tem suas falhas e carências…

Acredite que um mundo melhor começa dentro de você

Nasce em sua alma e se ramifica nas almas alheias

E, quando menos esperar, perceberá reciprocidade

A mola propulsora de tudo que é bom!

Ao preencher o que “falta” nos outros

Preenchemos também muitos vácuos em nós…

Isso é trabalho voluntário!

Isso é trabalho de amor!

Assim somos #carinhologos!

Seja um ramo de amor, seja voluntário!

Alda M S Santos

Amor ponto a ponto

AMOR PONTO A PONTO

Ponto a ponto vamos tecendo uma história de amor

Uma arte feita a mão, com carinho em cada laço e arremate

Em cada cor, em cada brilho

Uma estrela de Natal para aqueles que têm tão pouco

Silenciosamente pensando nas histórias daqueles que a receberão

Em oração por cada um, por suas lutas e dificuldades

Pela alegria que demonstram ao receber tão simples gesto

“Você que fez? Que anjinha boa”!

Diz o ditado que mentes e mãos vazias são oficinas do diabo

Mas prefiro acreditar em Madre Teresa de Calcutá

“Mãos que servem são mais santas do que lábios que rezam”

Creio que as mãos e os lábios juntos em bom trabalho são mais preciosos ainda

Um pouco de cada um faz a diferença para todos

Que essa estrela de amor traga consigo muita luz, saúde e alegrias

Feliz Natal, amores!

#carinhologos

Você é forte!

VOCÊ É FORTE!

“Você é forte! Supera!”

Já ouvi isso muitas vezes ao longo da vida

Tantas vezes sinto-me tão frágil

Mas a força que temos só se manifesta quando exigida

E ela existe mesmo quando as lágrimas caem sem cessar

Ainda que o medo assombre, que os pesadelos atormentem

Que a realidade não corresponda aos sonhos

Não pode dizer-se forte quem nunca foi submetido à fragilidade

Quem nunca escondeu a dor atrás de um sorriso

Tantas vezes retiramos forças da solidão, da escuridão

Outras vezes é do silêncio à beira de um rio

Numa oração, numa caminhada

Nas atividades incansáveis do bem

Noutras nos abastecemos no abraço de alguém querido

Ser forte é buscar no seu entorno ou dentro de si

Motivos para prosseguir

Cada qual encontra seu motivo, sem machucar o outro

Eu o encontro ao estender a mão aos que precisam

Enquanto cuido dos outros

Deus cuida de mim…

É! Posso dizer que sou forte na minha fragilidade…

Tenho um Bom Protetor!

Sou grata!

Alda M S Santos

#carinhologos

Então…é Natal!

ENTÃO…É NATAL!

Então…é Natal!

Corações mais solidários, mais receptivos, mais abertos

Humanidade à flor da pele, contagiante, espírito do bem

Disseminação de amor e compaixão

Abraços, carinho, prosa boa, atenção

Peito apertado, fragilizado, presentes, presença

O amor está no ar…

O amor está em cada um de nós

É Natal!

Ele começa de verdade quando o permitimos brotar em nós

Alastrar, crescer e se multiplicar no outro

Se bem plantado e cuidado

O Natal pode durar o ano todo, uma vida inteira

Que Ele renasça em cada um de nós todos os dias

Feliz Natal, amores!

Alda M S Santos

#carinhologos

Somos filhos do mesmo Pai?

SOMOS FILHOS DO MESMO PAI?

“En que mundo vives? Fe en esto? Anda ya…”

Fui questionada num blog ao defender a fé em Deus.

Caminhando numa avenida movimentada, observando tudo a minha volta, lembrei-me disso.

Armava uma chuva forte, céu escuro, ventos fortes.

Um ser humano “qualquer” estava enrolado nos lençóis sob uma marquise.

Uma madame desceu de um carro com seu cachorrinho no colo todo agasalhado.

Vendedores de guarda-chuvas gritavam seu produto.

Ambulantes de ocasião, ofereciam seus serviços.

Em carros escuros e com ar condicionado executivos negociavam nos tablets e nos arranha-céus.

Num ponto de coletivos pessoas se espremiam pra caber num ônibus já lotado.

Um táxi embarcava um único passageiro.

Vários homens de terno e sapatos finos passavam sem ver outros de bermudas e chinelos.

Um casal de pedintes fumava e namorava num cantinho.

Na porta do hospital um médico com roupa verde de bloco cirúrgico tomava um suco no carrinho de lanches.

Na recepção do pronto socorro público cada semblante mais carregado de dor que o outro.

Crianças vestidas de adultas eram levadas por babás em seus carros de luxo.

Outras, quase nuas, esmolavam junto às mães debaixo de uma árvore.

Um senhor velhinho, tal qual caracol, sentado sob seus cobertores e apetrechos, carregava “sua casa”.

Outro juntava todos os lixos que recolhia num carrinho para vender.

Um casal idoso, de mãos dadas, apoiava um ao outro em suas bengalas e limitações.

Um “louco” deitado num canto falava coisas desconexas sobre a guerra das ruas.

Alguns riam, outros ignoravam.

Fiquei olhando um tempo e ele disse: “porque tá chorando, moça bonita?”

Sequer percebi que chorava…

“Vai passar, sou assim mesmo”- respondi sorrindo.

“Vá com Deus, e sorria, menina”!

Tanta desigualdade! Será que somos mesmo todos filhos do mesmo Pai?

O quanto será que cada um ali já lutou nessa vida?

Respondo à pergunta que me foi feita:

“É nesse mundo que vivo!”

Mesmo as pessoas mais desvalidas têm fé!

Sem ela não somos nada nem ninguém!

Segui meu caminho, entrei num hospital público para consulta.

A chuva já caía…mas eu já estava molhada mesmo…

Alda M S Santos

Fazer o bem, viver o bem

FAZER O BEM, VIVER O BEM

“Uma pessoa do bem, que ajuda a tantos não merece passar por isso”

Fala contínua pós-tragédias, particularmente quando atingem indivíduos “do bem”

Fazer o bem não livra ninguém de ser atingido pelo mal

É um modo caridoso de ser e de viver

Uma maneira de ser generoso consigo mesmo através dos outros

Uma vida tentando ser fiel a seus princípios

Que, infelizmente, não imuniza contra as maldades existentes por aí

Mas torna seus autores mais fortes e resistentes para enfrentá-las

Num mundo de cabeça para baixo

Ser bondoso, ético e correto, o que deveria ser visto como natural

É encarado com incredulidade.

Espanto com o mal deveria ser geral, independente de quem atinja…

Cercarmo-nos do bem, fazer o bem

Tornar mais equilibrada a luta do bem contra o mal

É na verdade uma maneira de tentar neutralizar o negativo existente por aí

Que sabemos que tem sempre muitos adeptos

Infelizmente…

Alda M S Santos

Passando o tempo

PASSANDO O TEMPO

– Vem cá, amiguinha, senta aqui do meu lado!

– Que lindos coloridos!

– Estou com saudades de você! Venha ver!

Não é uma escola, tampouco um ateliê.

É um lar para idosos…

Ele vive num quarto com outros três companheiros.

Fala das dificuldades de locomoção dos outros.

Ocupa-se fazendo seus coloridos em desenhos diversos.

Possui um kit de lápis de cor e livros de colorir “para passar o tempo”.

“As pessoas gostam e eu dou, não vendo não!”-diz orgulhoso

Num caderno em branco, pede para eu fazer um desenho para ele.

-Não demore a voltar. Vou colorir esse para você!

Os caminhos que percorreram até chegar ali são muitos!

As histórias se resumem a amor, dor, arrependimentos, resignação, esperanças e saudades…

O que precisam de todos nós não é tanto: carinho e atenção.

Que não os deixemos na mão!

Alda M S Santos

Mundo daltônico

MUNDO DALTÔNICO

Há tantas e tantas cores por aí em seus variados matizes

À disposição de nossos olhos, querendo inundar nossas almas

Mesclando amor e alegria, carinho e bondade

Mas nem sempre deixamos entrar esse arco-íris em nós

Criamos uma barreira daltônica amedrontada na alma

Ou o próprio mundo o está bloqueando

Ficamos mergulhados, recolhidos, encolhidos

Ofuscando em cinza e marrom nossas cores vibrantes

E assim, dificultamos a troca das cores de nosso arco-íris interno

Com o mundo que escurece para muitos cá fora

Façamos assim

Minhas cores com suas cores, ainda que poucas

São capazes de fazer um mundo mais belo e multicor

A brilhar e fazer o amor em nós transbordar

Vazando nos olhos doces e sinceros

Nos quais gostamos de mergulhar, tal qual em mar azul

Ainda que na dor e carência…

Espalhemos nossas cores fazendo da vida uma tela de amor…

Alda M S Santos

#carinhologos

Meu país tem jeito!

MEU PAÍS TEM JEITO!

Meu país tem muitas pessoas carentes, sofridas, na miséria, mesmo

De todas as idades e gênero

Muita desigualdade, é verdade!

Mas meu país tem também pessoas maravilhosas, caridosas

Meu país tem pessoas que trabalham muito,

Por si e pelos outros

Que acreditam que quem faz um mundo melhor

Inclusive o próprio país

São aqueles que o habitam e nele acreditam

Um pouquinho de cada um pode nos salvar

Meu país, como os demais, não tem só problemas

O Brasil tem muitas pessoas que nele investem

Que se preocupam com algo além de seus próprios umbigos

Olhar nessa perspectiva nos faz lutar e acreditar

Que nosso país tem jeito, sim!

Alda M S Santos

#carinhologos

Alma livre

ALMA LIVRE

Ela é uma poetisa que hoje mora num lar de idosos

Extremamente educada, delicada e gentil

Idade já avançada, mente alerta, olhar “invasor“, observador

Como só os poetas de alma podem ser

Ela me olhava conversar com um idoso de longe sentada em sua cadeira

Apoiada no andador, o corpo não mais acompanha a agilidade da mente e dos sentimentos

Olhava por cima dos óculos todos os demais em roda

Interagindo com a música como podiam

Cantando, dançando, ouvindo, fazendo parte…

Cheguei até ela, fiz um carinho do qual fui correspondida

Perguntei pelos poemas, se ainda escrevia aquelas preciosidades que já declamou para nós outras vezes

“Ah, não! Não tenho mais cabeça e memória para isso, faltam palavras”

“Mas para escrever poemas não precisa memória, precisa sensibilidade e sentimentos que a senhora tem de sobra ”- retruquei

Ela deu um lindo sorriso, fez-me um carinho no rosto

“Que linda e gentil você é! Estava vendo como era atenciosa com aquele senhor.”

“Ele é uma ‘peça’, gosta de conversar. Falava das filhas”- completei

“Mas não são todos que têm paciência com ele! E seu blog, ainda escreve?”

Essa foi a pergunta de quem disse não ter a mente boa…

Falei sobre o blog pra ela há tempos…

Uma alma delicada de poeta naquele corpo frágil, num lar para idosos

Será que se sente presa ali, no próprio corpo, naquele lar, ou a alma é livre?

Não tive coragem de perguntar, mas acho que ela percebeu o que eu sentia/temia

Sorriu e me beijou o rosto, agradeceu a presença

Não tem como não pensarmos no nosso próprio futuro…

Cada Carinhólogo certamente se faz essa pergunta!

Alda M S Santos

#carinhologos

Fazendo troça

FAZENDO TROÇA

“Em pé sem cair, sentada sem dormir”

Assim ela me responde fazendo troça

Quando pergunto se está tudo bem

Não sabe onde foi parar a juventude

Deve estar presa em cada marca vincada no rosto

Nos cabelos brancos, na boca pintada,

Na vaidade feminina que nunca acaba

Num sorriso sapeca ao dizer que abraço de outra mulher dá choque

Ou ao concordar que o antídoto teria que ser um abraço masculino

Numa vida entre tantos outros idosos naquele lar

Afazeres limitados pela condição física, mental ou financeira

Afinidades com alguns, desavenças com outros

Ainda conseguem sorrir, aceitar carinho

Serem gratos à vida…

Alda M S Santos

#carinhologos

Muletas e braços

MULETAS E BRAÇOS

Ora braços, ora muletas

Esse é o rodízio, essa é a alternância da vida

Quem está acostumado a ser apenas braços

Terá dificuldades quando precisar se tornar muletas

E a recíproca também é válida

Braços se apóiam, precisam da segurança da muleta

Para manterem firme o corpo todo

Precisam confiar no apoio que recebem para se entregar

Para não tombar…

Muletas precisam ser fortes e aguentar o peso

Suportar com firmeza o corpo que recai sobre elas

Enquanto forem necessárias!

E a vida segue sempre em frente

Ora braços, ora muletas

Ora caminhos, ora caminhantes

Ora fragilidade, ora força

Ora ombros, ora cabecinha…

Alda M S Santos

Obrigada por doar vida!

OBRIGADA POR DOAR VIDA!

“Obrigada por doar vida!”- falou a atendente simpática.

Tão simples, tão necessário, tão essencial, tão insubstituível!

Envergonhada, confesso que foi a primeira vez.

Mais duas pessoas na sala fazendo o mesmo

Eu observava a bolsa se enchendo de sangue

Enquanto abria e fechava a mão

Gotas preciosas para tantos que precisam…

Coloquei junto meu amor e desejo que pudesse realmente salvar a vida de alguém

Particularmente da prima que me levou a tal ato

Anteriormente, eu não tinha o peso mínimo necessário.

Há uns três anos já me sobram alguns quilos além do mínimo exigido

Mas sempre houve algo que impedia quando solicitada

Além do medo de agulhas que superei

Não havia mais nada a impedir

Fiquei realmente emocionada por saber que um ato tão simples

Pode salvar a vida de, no mínimo, três pessoas!

Uma primeira vez, de muitas que virão, emocionante!

Há muitas maneiras de salvar uma vida

Doar sangue é uma delas e que pouco exige!

Doe sangue, doe amor, doe vida!

Alda M S Santos

Qual nosso limite?

QUAL NOSSO LIMITE?

Numa única vida, de um único ser

Existe um limite daquilo que ele consegue lidar, suportar

Sem se derrubar, sem pedir trégua?

Quantas causas consegue abraçar

Quantas amizades é capaz de dar atenção, tempo, cultivar

Quantos necessitados logra ajudar, se preocupar, estender a mão

Quantas lutas tem forças para travar

Quantas guerras dá conta de apaziguar

Quantas decepções e mágoas consegue abrandar sem ensandecer

A quantas pessoas está apto para amar, se entregar, se doar

Tudo isso de modo verdadeiro e intenso, sem enlouquecer

Sem detonar a si mesmo, sem deixar ninguém na mão?

Existe um estoque que vai baixando

Ou é como mina d’água que, se protegida pelas matas ciliares, jorra sem parar?

Temos matas ciliares o bastante, temos lençol freático extenso?

Qual nosso limite?

Alda M S Santos

A um abraço de distância

A UM ABRAÇO DE DISTÂNCIA

Para que precisamos buscar tantas coisas?

Para que nos desgastamos tanto para adquirir objetos que nem necessitamos

Roupas, carro, casa, passeios

Para quê?

Para que lutamos tanto por pessoas ou situações que não são nossos

Não precisam de nós, não nos querem

Se tudo isso sozinho de nada vale e traz sofrimentos

Para quê?

Se tudo que nos faz bem, nos faz felizes

Se tudo que acalenta nossa alma carente de verdades e simplicidade

Enternece nosso coração, alarga nosso sorriso

Não estiver a um abraço de distância

Ao alcance de nossos braços quentes

Cuidado com carinho em nossa mente e coração?

Alda M S Santos

#carinhologos

Um grupo, um violão

UM GRUPO, UM VIOLÃO

Um grupo, várias vozes, um violão

Uma roda, ao ar livre, numa tarde gostosa no sabadão

Nem precisa ser muito afinado, não

Basta que tenha vontade, carinho, amor e atenção

Que as músicas sejam de uma época saudosa, refinada seleção

Que tragam boas lembranças e animação

Que despertem desejo de cantar, de dançar pelo salão

Que haja poesia nos versos singelos e amorosos da canção

Que sequer se importem com qualquer limitação

Que a gente perceba em cada voz que vibra o pulsar do coração

Em cada sorriso que se abre a luz que brota da gratidão

Em cada palavra terna a sincera satisfação

Em cada abraço, a troca do amor precioso, o amor irmão!

Alda M S Santos

#carinhologos

É bom?

É BOM?

É bom quando nos torna pessoas do bem, quando desperta nossa melhor versão,

Mas se é algo que nos impede de ser ou fazer o que gostamos

Se é algo que nos desestrutura, mais entristece que alegra

Não é bom!

É bom quando aumenta nossa fé em Deus e na humanidade, aproxima pessoas e nos orgulhamos em fazer parte,

Mas se é algo que nos envergonha, frustra, amedronta

Não é bom!

É bom quando nos desperta para o amor e a solidariedade, a compaixão e a fraternidade,

Mas se nos faz criar “dívidas” sociais, familiares e emocionais muito pesadas,

Não é bom!

É bom quando queremos e podemos divulgar em “rede nacional”, contagiar a todos e levar a paz, amor e segurança que sentimos,

Mas se nos afasta dos outros, daqueles que amamos e nos querem bem

Mas, principalmente, se nos leva para longe de nós mesmos,

Para um lugar dúbio e sem volta

Se nos distancia daquilo que sempre tivemos orgulho em ser e fazer

Não! Definitivamente não é bom!

Oscilando entre o que é bom e o que não é, vamos vivendo

Caindo menos, derrubando menos ainda, ajudando, aprendendo, seguindo…

Viver é bom quase sempre!

Alda M S Santos

#carinhologos

Nossos copos

NOSSOS COPOS

“Você pensa no quanto os outros podem te ajudar, mas não no quanto eles podem se prejudicar fazendo isso”.

Essa era a discussão entre dois jovens.

Quantas vezes para manter nosso copo cheio

Esvaziamos os copos dos outros?

Quantas vezes para manter os copos dos outros cheios

Esvaziamos nossos próprios copos?

Quem gosta de sempre receber quase nunca se satisfaz

Sempre irá contar com o abastecimento que vem de fora

Quem gosta de sempre doar sempre irá fazê-lo, mesmo desfalcado

Vivemos num constante encher e esvaziar, ora mais, ora menos

Uma relação saudável é aquela em que ambos os copos se autoabastecem

E não esvaziam o copo de ninguém!

Alda M S Santos

Amar ao próximo

AMAR AO PRÓXIMO

A preocupação excessiva em ganhar a grande guerra

Nos faz perder as pequenas batalhas do dia a dia

A preocupação com a conquista de uma felicidade eterna

Nos faz perder as pequenas alegrias diárias que irrigam nossa alma de amor

A preocupação em não fraquejar, em ser sempre forte

Nos faz sufocar com lágrimas presas que nos trariam grandes aprendizados, se liberadas

A preocupação em parecer sempre bem, sempre sorrisos

Nos impede de receber ou oferecer um carinho amigo, um abraço acolhedor

O cuidado excessivo em não contar com o ovo na barriga da galinha

Nos impede de comemorar pequenas vitórias

A preocupação em fazer um bem enorme e histórico

Não pode nos impedir de um bem pequeno todo dia

A preocupação em sempre agradar e satisfazer a todos

Não pode nos impedir de cuidar de nós mesmos

O amor que se doa, para ser verdadeiro começa em estar bem conosco mesmos…

Sinceridade e aceitação do que se é, independente dos outros

É fundamental nesse processo…

Amar é uma lição que se aprende de dentro para fora

Amar ao próximo começa conosco mesmos…

Alda M S Santos

#carinhologos

Dança Circular

DANCA CIRCULAR

Dança Circular é um trabalho antigo e tradicional.

Através de movimentos em roda, em pé ou sentados, libera a energia, canta, interage e se diverte…

Com idosos é ainda mais produtivo, pois os faz resgatar a autoestima, a alegria e o prazer de viver, principalmente em grupo.

Independentemente de saudades ou problemas de saúde.

Foi o que fizemos no Abrigo Frei Otto Ssvp, com Luka Benjamim e #carinhologos

Alda M S Santos

💕❤️😍🙏

Pedro negou “só” três vezes

PEDRO NEGOU “SÓ” TRÊS VEZES

Diante de um medo profundo

Covardia, mau caráter, falha humana, fraqueza

Para cumprir o que diziam as escrituras

A razão em si não nos importamos tanto

O que ficou para todos nós foi que Pedro O negou três vezes

Diante do risco iminente de prisão e morte

Ele se acovardou, negou O amigo, O protetor

Que se encontrava em apuros

Aquele que o amou e o ensinou a amar acima de tudo

Somos tão bons para julgar!

E nós?

Quantas vezes o temos negado

Ao virar as costas a um necessitado

Ao dizer que uma criança carente é problema do governo

Ao abandonar nossos idosos ou não estender a mão, podendo fazê-lo

Ao priorizar nosso bem estar independente dos outros

Ao desistir de amigos e familiares

Ao abandonar quem em nós confiou

Quem muito de nós esperou?

Quantas vezes fugimos por medo ou covardia?

Quantas vezes seguidas mais destruímos que construímos

Nas nossas vidas e nas vidas dos outros?

Pedro negou Jesus três vezes somente

Quantas vezes O temos negligenciado em cada irmão que Ele habita?

Quantas vezes não nos misturamos na precariedade que Ele sempre encontra morada?

Afinal, somos “superiores”, já fizemos “nossa parte”

Nos salvamos. Será?

Seria menos vergonhoso se fôssemos Pedro!

Alda M S Santos

Desertos e seus oásis

DESERTOS E SEUS OÁSIS

Imagine o que é ouvir de alguém

“Hoje sei que sou importante

Mas nem sempre foi assim

Já me achei doente, a problemática, descartável

Já me acharam um nada, uma qualquer

Já quis morrer, já quiseram que eu morresse…”

Se já é doloroso ouvir isso de um ser humano

Imagine para quem viveu, para quem compartilha, agora, tal sentimento

Imaginar-se passando por um deserto desses

Seco, sem trilhas, sem vida, irrigado apenas por lágrimas

Despertadas pelas tempestades de areia quente que enfrentou

Onde os possíveis acompanhantes eram “inimigos”

Imagine, então, o que seria causar esse deserto em alguém

Ou, pior, ter retirado os oásis que ela poderia recorrer pelo caminho

Para irrigar os lagos secos dentro de si e renovar a vida?

Qual nossa responsabilidade de ouvinte?

Ser, senão a água ou o camelo que a retira de lá

Tentar ser, pelo menos, os arbustos do caminho

Onde possa se abrigar do sol quente e descansar sob seus galhos

Ser a fonte de energia que ela precisa para prosseguir

Ser apenas outro ser humano que entende de desertos, de oásis

Mostrando que, devagar, um passo de cada vez

É possível sair de lá e, mais que sobreviver

Querer viver!

Alda M S Santos

Enquanto isso…

ENQUANTO ISSO…

Enquanto o rio não corre para cima

Vou descendo nas suas loucas corredeiras

Enquanto não conseguimos tirar leite de pedras

Vou amaciando uns corações mais flexíveis e receptivos

Enquanto vamos brigando por um mundo mais justo e fraterno

Vou estendendo a mão, desviando dos buracos, ajudando, sendo ajudada

Enquanto procuro pela rosa mais cheirosa, bonita e perfeita

Vou cuidando das lindas flores do meu jardim

Enquanto a escuridão da noite cai sobre todos

Busco uma estrela cadente e faço um pedido

Enquanto o amor não vence todos os obstáculos

Percebo que o impossível é especialidade Dele

Enquanto a tempestade assustadora não passa

Observo sua beleza, seu poder de destruição e reconstrução

E escrevo um poema…

Alda M S Santos

Estoque baixo?

ESTOQUE BAIXO?

Estender a mão é sempre um risco

É submeter-se à avaliação, é dar a cara a tapas

Ora rotulados de superiores, de “ego enorme”

Ora de inferiores, carentes e de baixa autoestima

Na verdade, estender a mão ao outro é estendê-la a nós mesmos

E nos reconciliarmos com nossas próprias falhas

Nossos vazios e necessidades

Enxergar o que o outro precisa é ter sentido aquela falta em algum momento

É temer evidenciar aquilo num futuro

É abastecer duas almas simultaneamente

Estender a mão oferecendo algo é dúbio

Pode ser doar aquilo que temos sobrando em estoque

Mas também é, por vezes, um modo de receber

Aquilo que estamos necessitados no hoje

Ou não queremos deixar baixar o estoque para o futuro…

Alda M S Santos

#carinhologos

Coisinha beijoqueira

COISINHA BEIJOQUEIRA

-Já vem você né, coisinha?

Ela diz entre a braveza e a surpresa escondida num meio sorriso.

– Oi! Sou eu! Estava com saudades- digo, me aproximando devagar.

-Pode ficar aí. Não chega aqui, não!- diz ajeitando os cabelos.

– Quero ver você de perto. Só conversar. Sabe que te amo, amor da minha vida?

– É? Amor da minha vida?- um sorriso divertido abre as portas e eu chego.

– Como você está?- abraço a idosa e beijo suas bochechas.

Ela sorri, conta suas dores e fantasias, pergunta se fui de carro, pede para levá-la a minha casa.

Tento convencê-la a tomar um banho:

– Pra ficar mais linda, cheirosa!

– Você é a coisinha beijoqueira!

– Sim! Mas só beijo porque te amo! 💕

Ela sorri feliz em meio às suas lamúrias, mas nada de aceitar o banho…

Mas eu a amo assim mesmo!

Quanto sofrimento ela deve ter suportado nessa vida?

Não importa por quanto tempo dure o sorriso, o importante é despertá-lo!

Lá e cá!

Alda M S Santos

Onde está teu tesouro?

ONDE ESTÁ O TEU TESOURO?

Busque todo o tempo suas relíquias

Procure em seu dia a dia o que lhe dá ânimo e disposição

Invista sempre naquilo que te dá força e coragem pra seguir

Preferencialmente, algo que envolva o outro, que espalhe amor

Encontre nesse agir o teu tesouro diário

Pois ali está o teu maior estímulo, o seu coração

Uma razão pela qual vale a pena viver

“Onde está o teu tesouro, ali também está teu coração”

Alda M S Santos

#carinhologos

Quanto vale um sorriso?

QUANTO VALE UM SORRISO?

Um chapéu, uma maquiagem caipira, bandeirinhas, uma quadrilha

Canjica, caldos, paçoca, pipoca alimentando o corpo

Acertando o bocão, derrubando pinos de boliche

No anzol, pescando mais que alguns peixinhos

Satisfação de transpor limites do corpo

Pipocando o prazer de ser valorizado, de fazer parte

Como crianças, comemorando cada vitória, cada prenda

Resgatando (des)afinadamente a poesia das canções antigas

Pingo a pingo a serotonina invade cada corpo que mexe e remexe

Desafiando as limitações físicas e mentais

Não há cadeiras de roda, bengalas ou andadores que façam frente a essa força

O prazer de viver irriga a alma, reflete no olhar

Sorrisos valiosos regados a música, dança, amor e alegria

Quanto vale um sorriso desses?

Alda M S Santos

#carinhologos

Digam o que quiserem, um carinho sempre faz bem…

DIGAM O QUE QUISEREM, UM CARINHO SEMPRE FAZ BEM…

Digam o que quiserem, um carinho sempre faz bem

Na cadeira de rodas ela agora passa suas horas

Não fala, não anda, dependente dos outros para tudo

Cheguei, me abaixei, fiz “festa” por encontrá-la fora da cama

Beijei seu rosto de pele negra, enrugada, 92 anos, macia

Beijei também suas mãos, uma envolta em faixa para não arrancar as sondas

Falei que senti saudades, que a amava, que Jesus a protegia

Sorriu feliz, olhos úmidos, querendo falar comigo – “ela só quer, só pensa em namorar”,

Fiz muito carinho em seu rosto, relembrando canções que cantávamos

“Ela está feliz, sorrindo, gosta de você, não aceita carinho assim de todos”- diz uma cuidadora

Falei que éramos amigas e que ela já havia me contado do antigo namorado que ficava horas batendo papo com sua mãe

Dizia que ele era um homem branco como eu e muito bonito- sorria, sapeca, enquanto eu relatava os bons tempos dela

Pode parecer muito pouco, mas esse carinho e cuidado faz bem para quem recebe

Mas fico tão emocionada que acredito que faz melhor ainda mais para mim…

Esse alimento da alma é tão necessário quanto o pão do dia a dia que alimenta o corpo

Um carinho sempre faz bem e não tem contraindicações

Digam o que disserem…

Alda M S Santos

Não temos esse poder!

NÃO TEMOS ESSE PODER!

Não temos poder de tirar o sofrimento de ninguém

Mas podemos desviar o foco da dor, qualquer uma

Por poucos segundos que seja

Independe se com uma “palhaçada”, uma canção ou uma flor

Um abraço fraterno, uma palavra de estímulo ou ouvido atento

Um olhar de aprovação, um toque afetuoso ou um silêncio cúmplice

O que queremos é desviar o foco daquilo que fere, corta, machuca, sangra

Queremos despertar sorrisos e afastar a tristeza

Quer seja no outro, quer seja em nós mesmos

Pelo máximo de tempo que conseguirmos

Esse poder todos nós temos…

Alda M S Santos

#carinhologos

Por detrás de cada sorriso

POR DETRÁS DE CADA SORRISO

Que há por detrás de seu sorriso?

Todo sorriso carrega algo especial, encantador

Objetiva levar alegria, trazer júbilo consigo

Mas nem sempre é assim

Que há por detrás de seu sorriso?

Esse sorriso largo, colorido e iluminado

É um modo de se proteger, de se curar

De dizer que é forte, que vai superar?

Que há por detrás do seu sorriso?

Você é capaz de assumir, de identificar

No seu, nos dos outros?

Ou prefere não se preocupar?

Que há por detrás de seu sorriso?

Felicidade, paz, fé, alegria, inocência

Animação, sapequice, sensualidade

Ou traumas, medos, culpas, saudades

Dor, decepção, tristeza, fuga?

Escondido atrás de um sorriso que pretende levar amor

Há quase sempre um forte desejo de trazê-lo de volta na mesma proporção

De apagar ou amenizar algum mal que poderia ser fatal

Que há por detrás de seu sorriso?

Independente do que seja, não abra mão dele

Amarelo, triste, feliz, brilhante, opaco, que não chega aos olhos, não importa

Ele é a porta de entrada para tudo que há de bom…

Alda M S Santos

#carinhologos

Você não pode abraçar o mundo!

VOCÊ NÃO PODE ABRAÇAR O MUNDO!

Você não pode abraçar o mundo todo

Mas pode abraçar quem está a seu lado

Você não pode alimentar a todos que têm fome

Mas pode contribuir mais, evitando desperdícios

Você não pode aquecer a todos no inverno

Mas pode, além de cobertor, doar calor humano

Você pode não resolver os problemas de todo indivíduo

Mas pode evitar ser um problema a mais para tantos

Pode amenizar as dores de muitos com aquilo que talvez possa lhe parecer pouco

Mas pode ser o “tudo” de alguém

Pode ser os olhos de quem não vê a beleza, o brilho

Os ouvidos de quem não é ouvido, compreendido

O toque delicado em quem se sente excluído

O cuidado de amor que devolve a alguém a autoestima perdida

A palavra de estímulo para quem está desanimado

A mão acolhedora que ampara aquele que cai

O olhar e sorriso de amizade e carinho para quem se sente só

A cor, o brilho, o perfume, a boa lembrança no mundo tão cinzento de alguém

E, sim, o abraço fraterno a quem pouco tem…

Ainda que não possamos abraçar o mundo

Podemos “abraçar” o que dermos conta…

O bem contagia e se propaga

E pode atingir o mundo em efeito cascata

Enchendo também nosso mundo de cor, brilho, perfume e boas lembranças

Além de nos tornar cada dia mais fortes, mais humanos…

Um mínimo parecidos com Ele

Quem doa amor, abraço e carinho, no ato de “preencher” o outro, preenche-se

Podemos, sim, assim, abraçar o mundo!

Alda M S Santos

Quem disse que palhaços não choram?

QUEM DISSE QUE PALHAÇOS NÃO CHORAM?

Que dizer a uma pessoa que perde alguém querido?

Que dizer a uma mãe que perde o filho jovem tragicamente,

Uma amiga Carinhóloga, doce, engraçada, divertida e solidária?

Que dizer? O de sempre nessas ocasiões?

Que eles não mereciam, que não parece certo, que não é certo!

Que ele agora está com o Pai, que aos poucos ela aprenderá a lidar com a saudade?

Que Deus sabe o que faz, que a vida é assim mesmo, que tem direito de chorar?

Que deve ser forte e confiar nos desígnios do Alto?

Parece tudo vazio por ser verdadeiro, mas nada trazer alento…

Que dizer? Tudo isso? Nada disso?

Que imaginamos a dor, mas que não temos o poder de tirá-la com as mãos?

Que mães não têm poder de segurar a vida do filho

Quando o Pai o chama de volta?

Quem disse que palhaços não choram?

Que fazer para o sorriso voltar a brilhar?

Não sabemos! Não sei!

Podemos te abraçar, te beijar, dar carinho, chorar e orar junto.

Estar disponíveis, ser colo, ser ombro, ser alma afim,

Ser irmãos, enfim.

E aguardar juntos a dor arrefecer…

Somos todos pequenos, impotentes,

Mas, estou aqui, estamos aqui!

Conte conosco,somos palhaços Carinhólogos

Nos sorrisos, nas lágrimas, nos abraços…

Alda M S Santos

#carinhologos

Quando abraço cura

QUANDO ABRAÇO CURA

Quando enxugar a lágrima do outro

Reduz o fluxo delas nas nossas faces

Quando um olhar de apreço ao outro

Aumenta nosso apreço por nós mesmos

Quando se atentar para o problema do outro

Tira o foco de nossos próprios problemas

Quando levar um abraço solidário e fraterno

Nos mostra que um carinho ameniza muitos males

Principalmente a indiferença, o descaso e o desamor

Pode não matar a fome do corpo

Mas sacia parte da fome da alma

Aumenta nossa autoestima, agiganta a fé na humanidade

E dá energia e esperança em dias melhores…

Abraços bons são os gratuitos e verdadeiros

Porque vêm com carinho de alma para alma…

Alda M S Santos

#AbraçosGrátis #CarinhólogosSolidáriosDeBH #Carinhólogos

Por que Nossa Senhora?

POR QUE NOSSA SENHORA?

-“E quem não é devoto de Maria?”

A maioria quase absoluta dos idosos do Lar Santa Zita é de católicos

Mas é o que menos importa, todos são filhos ou mães

E numa homenagem às mães

Aquela escolhida por Deus para ser a mãe de Jesus, Nosso Salvador,

É a homenageada principal!

Ninguém é obrigado a participar, respeitamos

Como em qualquer outra atividade

Mas a quase totalidade que tem Maria como Nossa Senhora, mãe de todos nós

Merece também respeito e consideração!

Quem conhece e ama o Filho, ama a Mãe

Sabe que Maria nos leva a Jesus, que nos leva ao Pai…

Coração de mulher, de mãe, que confiou nos desígnios de Deus para nos salvar

Sofreu a maior dor que uma mulher pode sofrer: perder o próprio filho

É uma honra poder chamá-la de Minha Mãe, de Nossa Senhora

E tê-la para interceder por nós todo o tempo

Nossa Senhora, rogai por nós e por todas as mães,

Amém!

Alda M S Santos

#carinhologos

Não faz sentido?

NÃO FAZ SENTIDO?

Quando estivermos meio perdidos

Sem conseguir encontrar o sentido da vida

Talvez estejamos procurando no lugar errado

Melhor afastar um pouco o foco de nós mesmos

Lançar o olhar para fora, para o outro, perto ou longe de nós

O sentido pode estar no que podemos fazer por eles

E encontrando-o ali, como mágica

O encontramos novamente em nós

Tudo volta a fazer sentido…

Alda M S Santos

#carinhologos

Fazemos o bem, proclamamos o bem

FAZEMOS O BEM, PROCLAMAMOS O BEM

“A mão direita não deve saber do que faz a esquerda”

“Não se deve fazer propaganda do bem que se faz”- ouvimos

A TV, jornais, outdoors, rádios, web, toda a mídia, em tudo se vê o mal propagado

Por que o bem deveria ficar calado, se esconder?

O mal tem vencido muitas vezes e adquirido adeptos, porque é amplamente divulgado

O bem precisa “aparecer” para poder contagiar…

Calado, inerte, compactua com aquilo que nada de bom produz

O Carinhólogos Solidários de BH divulga seu trabalho, sim!

E é assim que conseguimos doadores e ajudantes para nossos idosos

Atraímos novos membros, sensibilizamos corações…

Concordo, em parte, em manter sigilo, se a divulgação for apenas por vaidade pessoal

Mas se for para contagiar e propagar o bem

Nossa mão direita faz, alicia a esquerda, contamina de amor o corpo todo

Contagia a alma, grita aos quatro ventos

E agora convida você, suas duas mãos

Apela para o seu coração:

Vamos ajudar?

@carinhologossolidarios

@carinhologos

Alda M S Santos

Na própria pele

NA PRÓPRIA PELE

Não dá para dimensionar o que se passa com o outro

Se sensíveis formos, apenas podemos especular, ter uma ideia

Mas, saber mesmo, só sentindo na própria pele

Só chorando as mesmas lágrimas

Só pisando e se cortando nos mesmos cacos de vidro

Só queimando sob o mesmo sol ou frio

Só desanimando na mesma queda ou escorando nas mesmas porteiras entreabertas da esperança

Só ardendo o peito com as mesmas angústias

Só aguentando as mesmas faltas, lidando com as mesmas falhas

Só sofrendo as mesmas perdas

Só estando sob o jugo das mesmas ameaças

Só tendo suportado o peso doloroso da mesma arma

Só sufocando pelos mesmos medos ou aflições…

Só assim sabemos, só assim não permitimos aos outros o mesmo mal

Só assim protegemos a quem amamos

Só assim nos humanizamos mais e mais…

Alda M S Santos

Aprendizado

APRENDIZADO

Observamos neles a gratidão nas mínimas coisas:

“Deus é muito bom, pois manda vocês para nos alegrar”

A fé inabalável em Cristo:

“Sinto dores, não enxergo mais, tenho 94 anos, e fico aqui enquanto Jesus quiser, ele sabe de tudo”

A capacidade de reflexão, resignação e até uma certa incompreensão dos males

“Não sei porque minhas vistas ficaram assim, nunca fiz mal a ninguém nessa vida”

O arrependimento perante certas atitudes que causaram infelicidade aos outros

“Nunca esperei passar por isso, causar mal a alguém no final da minha vida”

A certeza de que aqui se colhe o que se planta

“Nessa cadeira passo meus dias, mas não reclamo, se devo algo, pago”

E a cada visita aprendemos que ali estão seres humanos que acertaram, que erraram

Vindos de famílias destruídas, por si mesmos, pelos outros

E procuram viver com dignidade e esperança o que lhes resta de vida

Os sentimentos maiores notados ali são: resignação, arrependimento, fé, uma certa nostalgia

E amor, mesmo que em forma de saudade

A nós, não cabe julgar, mas levar todo amor e carinho que pudermos…

Alda M S Santos

#carinhologos

Mil cairão, dez mil cairão, todos cairão

MIL CAIRÃO, DEZ MIL CAIRÃO, TODOS CAIRÃO

Qual a responsabilidade de quem fica de pé?

“Mil cairão ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas não chegará a ti” (Salmos 91)

Ou de quem, aparentemente, ainda não caiu?

Vida de momentos, de tombos, de quedas

De por-se de pé, de levantar

Nem sempre estamos de pé

Nem sempre estamos no chão

Mas na hora em que estivermos de pé

Cabe-nos estender a mão

Ser a alavanca que ajuda a levantar

Se não para ser bom e justo

Para, no mínimo, ter quem nos estenda a mão

Quando for nossa hora de estar caído…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: