Busca

Tag

natureza

Névoa

NÉVOA

Caía uma névoa fininha

Daquelas que embaçam o tempo

Esfriam até nossos ossos

Da varanda, tomando uma xícara de café recém coado eu observava

Como a natureza tem a capacidade de atingir nossas emoções!

Quando fica assim sinto-me em outro mundo

Dizem que é o momento em que a tristeza e depressão têm seu auge

Tem-se a percepção de que a Terra parou…

Poucos passarinhos se arriscavam a sair de suas casas

A cigarra sossegou seu canto

Beija-flor aparecia e beijava mais rápido que o normal

Para logo se recolher e se aquecer

Parece que a ordem geral em suspense era: recolham-se!

Uns recolhiam-se para dentro de suas casas

Outros, para dentro de suas lembranças e emoções

Outros para os recônditos de suas almas inquietas

Muitos não achavam para onde se recolher

Perdidos…

Esses que costumam não achar o caminho de volta…

Gosto de tempo assim!

Saio admirando as flores molhadas

Os bichos recolhidos, as pessoas que passam apressadas

Ou aquelas que nem se importam com aquela névoa

Que insistia em atingir os ossos

Volto e vou acender o fogão à lenha

Aquecendo…

Alda M S Santos

Sem fronteiras

SEM FRONTEIRAS

Voam na imensidão do azul do céu

Não têm limites, não têm fronteiras

Sozinhas, em pares ou em grandes grupos

No céu dançam um lindo ballet

Em silêncio ou cantando, se comunicando

Simplesmente, voam…

Sem destino? Não sei!

Parecem livres, despretensiosas

Pousam numa árvore frondosa

Fazem muito barulho

Será uma reunião de revisão de rota?

Algum perigo? Temem algo?

Ou será apenas uma pausa para descanso?

Param todas na beira de um lago

Molham-se, hidratam-se, banham-se

E seguem seu caminho no espaço…

Haverá algo que possa interromper seu curso, seu voo?

Vão e voltam, fazem estações

Sem fronteiras….

Daqui de baixo a tudo observo, invejo tal liberdade de ser, de pouco precisar

Voo com elas… vou longe… e volto…

Pés no chão, coração no espaço…

Alda M S Santos

Águas passadas

ÁGUAS PASSADAS

Águas passadas não movem moinhos

Diz sabiamente o ditado popular

Por que sempre voltamos ao mesmo moinho

Acreditando encontrar as mesmas águas a movê-lo

Ou buscando naquelas novas águas que agora o fazem rodar

As mesmas características anteriores?

Se o moinho é o mesmo, e continua sendo movido à água

Algo semelhante haverá entre essas e as águas passadas.

Buscamos nova familiarização, nova sintonia

O que nem sempre nos atentamos

É para o fato que o moinho também se modificou,

Não é o mesmo moinho de outrora

Tem fissuras, partes escurecidas, está mais silencioso ou barulhento

As mesmas águas que passaram e foram embora rio abaixo

Fizeram seu trabalho na roda do moinho

Deixaram ali sua marca…

Águas passadas não movem moinho

É verdade!

Mas o deixam cada vez mais forte e eficiente

E capaz de aproveitar melhor a força das novas águas …

Águas passadas são lições aprendidas

Nos livros dos moinhos de nossa existência…

Alda M S Santos

Mergulhos

MERGULHOS

Água: um delicioso e assustador mistério

Oceanos, mares, lagos, lagoas, rios, cachoeiras, poços

Caindo do céu, escorrendo nas pedras, formando lençóis freáticos

Minando da terra, evaporando no ar

Abastecendo a terra de vida nesse ciclo sem fim…

Leves, pesadas, fortes ou tempestuosas

Convidativas ao mergulho, a nelas se aventurar

E ali, deslizando suavemente, cada vez mais longe

Se perder…ou se encontrar…

Alda M S Santos

De gota em gota

DE GOTA EM GOTA

De gota em gota ela cai lá fora

A terra sedenta a recebe de boca aberta

Suavemente é engolida, absorvida por sementes e mudas

Os brotos crescem a olhos vistos

A piscina já não se importa

Ali, desnecessária, “completa”

Está cheia, transborda, não tem carências …

O que é excesso para uns

Quase sempre é falta para outros

De gota em gota se mata uma sede

Mas uma tempestade também pode matar…

De gota em gota a chuvinha cai lá fora

Alimenta sonhos, desejos e esperanças

De gota em gota…

Alda M S Santos

Precisando de cuidados?

PRECISANDO DE CUIDADOS?

Num jardim há flores de todos os tipos

Cores, perfumes, texturas, tamanhos, resistência

Umas preferem o Sol, outras a sombra

Algumas precisam de muita irrigação, outras bem pouca

Umas são do dia, outras da noite

A floração também é muito variada

Algumas são bem frágeis, necessitam proteção

Inclusive exigindo sacrifício de outras, que se doam

Para garantir sua sobrevivência

Tratamento igual para todas poderá levá-las à morte

Única coisa que deve ser igual para todas é a dedicação do jardineiro

Conhecer bem cada uma e do que ela necessita

Aceitá-las em suas peculiaridades que as tornam únicas e belas

Até mesmo impedir que umas sufoquem as outras

Cada planta no jardim exige um cuidado e proteção especial

Assim é com as flores,

Assim é com as pessoas…

Somos flores, boa parte do tempo, precisando de cuidados

Somos também jardineiros, devendo cuidar…

Cuidemos de nós e dos outros, quando flores, quando jardineiros…

Alda M S Santos

Dores e delícias do viver

DORES E DELÍCIAS DO VIVER

É dor ou delícia?

Dispor de um céu infinito para voar

E encontrar alimento num cativeiro alheio?

É dor ou delícia?

Ter asas leves e fortes capazes de alçar voo nos sonhos do coração

E precisar manter os pés firmes e pesados no chão?

É dor ou delícia?

Avistar um deslumbrante e convidativo horizonte além-mar a desbravar

E desejar um porto distante e inalcançável a um barquinho de papel?

É dor ou delícia?

Flutuar nas águas límpidas e leves do amor incondicional

E, afoito, se afogar nas águas turvas e densas da ilusão?

Viver é se molhar e se secar, tornar a se molhar e tornar a se secar

No brilho líquido e vibrante dos sorrisos e das lágrimas

Que nos tomam todo o tempo de delícias e dores….

É dor ou delícia?

Cada qual que responda por si…

Alda M S Santos

Pescaria

PESCARIA

Não estou nervosa, não estou tensa

Mas algo me leva a pescar…

Na beira do lago coloco a isca, lanço o anzol

Pesco a beleza que se transmuta em sons, movimentos e cores

Uma revoada de pássaros que canta no céu

Uma vaca que muge ao longe

O vento que balança as árvores e derruba frutos

As galinhas que cacarejam fugindo dos cães

A água que escorre numa bica e cai no lago

Uma tilápia que nada apressada na água calma

Pesco a beleza visual que dança descuidada sob meus olhos

Pesco o amor do criador em cada criatura

Uso apenas o anzol do desejo de paz

No qual coloco a isca da sensibilidade

Ouço alguém me chamar lá dentro

E saio com o cesto da alma carregado nessa pescaria…

Aceitam um pescado?

Alda M S Santos

Há esperança

HÁ ESPERANÇA

Há esperança, ah, esperança…

Aquela que vai, voa, se perde, volta

Flutua e pousa insegura em sua mão

Ah, esperança…

De asas leves, voo verdejante

Machucada, temerosa, insistente

Repousa em sua alma, batendo asas no ritmo de seu coração

Há esperança!

Voa na brisa suave, deixa-se levar nos vendavais

Ou apenas se recolhe num canto…

Espera, paciente, que alguém nela espere

Como toda esperança será a última a morrer

Ah, esperança…

Há esperança?

Alda M S Santos

Deixe-se levar

DEIXE-SE LEVAR

Deixe-se balançar ao sabor do vento que sopra forte

Ora para um lado, ora para o outro

Deixe-se encharcar pelas águas que inundam

Ora as doces do céu, ora as salgadas do oceano

Deixe-se emocionar pelos sentimentos dentro de si

Não resistir, não fincar pé, não engolir choro gera resiliência

A capacidade de envergar, mas não quebrar, nos fortalece

Quanto maior a capacidade de se flexibilizar

De mover-se ao sabor do que é maior, mais forte do que nós

Mais engrossamos nosso tronco, nossas raízes, nossa essência

Preservamos o que é importante…

As grandes árvores balançam ao sabor das ventanias

E suas raízes são cada vez mais profundas

Seu equilíbrio entre flexibilidade e rigidez é que garante sua sobrevivência…

Alda M S Santos

Pura sedução

PURA SEDUÇÃO

Ele vai, ele vem

Infinitamente, lindamente

Ora mais calmo, ora mais revolto

Leva o que encontra na areia da praia

O que em suas águas salgadas se dilui

Ou que serve de alimento a quem faz de suas águas seu habitat

Por lá se mistura, fica, se esvai …

O que faz mal ou é inútil ele devolve

Não quer para si…

Mar que recebe, atrai, absorve nosso olhar

Seduz-nos com seu encanto molhado, com seu canto ritmado

Olhar que grita silêncios que mais ninguém ouve

Silêncios que mais ninguém entende

Nossos pensamentos, nossos sentimentos ele escuta

Faz com eles uma bela sinfonia marítima

Por vezes transforma-os numa intensa e constante maresia

Noutras numa grande ressaca viciante

Mas ninguém passa incólume pelo mar…

Difícil é resistir ao desejo de ali ficar…

Pura sedução!

Alda M S Santos

Sinto-me parte

SINTO-ME PARTE

Sou parte desse universo tão infinito

Em meio à natureza pura e simples

Quando me sinto um tudo

Ou quando me assemelho a um nada

Sinto-me parte desse universo

Que parece muitas vezes tão aleatório

Noutras tao cuidadosamente planejado

Cada pedra, cada galho, cada mato seco

Cada inseto irritante que pica

Cada árvore centenária que balança ao sabor do vento

O riacho que se desfaz em cachoeiras nas rochas

Sinto-me parte…

Mesmo no silêncio ora tranquilizador, ora constrangedor

Que contrasta com meu barulho interior

Tudo parece tão bem encaixado ali

Todos representam tão bem seu papel

Ainda que meus barulhos sem nexo

Pareçam intrusos num roteiro de sons

Que demonstram total harmonia

Sinto- me parte…

Não sei se sou a parte aleatória ou a cuidadosamente planejada

Sei apenas que sinto-me parte…

Alda M S Santos

PRIMAVERANDO

PRIMAVERANDO

Doce expectativa, espera tranquila

Raízes que se desenvolvem e grudam no tronco da mangueira

Buscam ali os nutrientes que precisam para crescer

Sem causar danos, perfeita harmonia

Numa manhã, alguns botões surgem

Se abrem para a luz, para o calor do sol

Tal qual meu sorriso a saudá-las

Brancas, lilases, rosas, amarelas e mescladas

Passo a vigiar, parecem demorar mais

Noutra manhã, mais cores, perfume, ternura

Beleza pura e delicadeza que encantam

Que necessitam para ser tão belas assim?

Precisam antes terem sido plantadas no coração

No desejo de quem as ofereceu ou recebeu

No carinho de quem cuidou e por elas esperou

Precisam do tempo, do repouso, da paciência, da reclusão

Fases que a maioria não nota, sequer considera

Querem apenas a beleza da flor, que antes foi raiz, galhos, folhas

Quem curte apenas a orquídea em flor perde todo um processo de vida

Que germina, brota, cresce, luta pela sobrevivência

A flor é mesmo bela, digna de admiração e encanto

Mas quem acompanha todas as etapas do desabrochar, do primaverar

Sabe mesmo ser jardim!

Vale para jardins de flores ou de pessoas…

Alda M S Santos

Ecos de amor

ECOS DE AMOR

Na beira do nada tudo que é lançado se propaga

Mas se encontra qualquer “obstáculo”

Há reflexão instantânea do que é emitido

Tal qual eco que reverbera ao ouvinte pouco depois do som direto

Tal qual bumerangue que retorna para as mãos do emissor

Tal qual o mar que devolve na areia tudo que recebe

Se o que se emite é dor há reflexão de dor

Se o que se lança é amor é amor que voltará

Nem sempre tão rápido quanto o eco

Mas tudo que emitimos acaba por nos retornar

Pode reverberar e voltar em confusas reflexões

Meio inaudíveis ou incompreensíveis

Talvez nos confunda no retorno, mas volta

Emissões de pessimismo trarão ecos de apatia e desânimo

Sons de um “eu te amo” sempre retornarão como ecos de amor

Ainda que disfarçados de carinho, compaixão, sorriso ou saudade…

Sons de amor, ecos de amor

Sempre!

Alda M S Santos

Quando primavera

QUANDO PRIMAVERA

Quando sou primavera

Sou flor, cheiro, cor

Beleza, harmonia…

Atraio, encanto,

Perfumo e embelezo.

Porém, não sou primavera todo o tempo

Venho de invernos frios, longos e solitários…

Quase destruída nos verões de muitos ventos e tempestades.

Abandonada e recolhida em mim mesma nos outonos em que perdi boa parte de mim…

Reconstruí, floresci, renasci….

Enfim, primavera!

Trago comigo arraigados

Meus verões, outonos e invernos…e com eles

Quem me acompanhou.

Com eles quero dividir

Minhas flores, minhas alegrias, meu perfume, minhas cores, meu encanto!

Sabiamente, me abasteço para o próximo outono.

Ele sempre vem!

Alda M S Santos

Repostando

Descompasso

DESCOMPASSO

Em qual estação estamos lá fora?

E cá dentro?

Estamos no mesmo compasso

Ou há flores perfumadas, cores vivas e macias na primavera lá fora

Enquanto cá dentro perdemos folhas e poupamos a raiz em secos e terrosos outonos?

Em qual estação estamos?

Mergulhamos em mornos oceanos e cachoeiras refrescantes

No verão quente, colorido e cheio de energia lá de fora

Ou hibernamos em longos, frios e escuros invernos cá dentro?

Somos atingidos pela força e vitalidade da estação lá de fora

Flores, perfumes, cores, calor, animação e alegria

Ou somos contagiados apenas pelo frio, pela neve, pelo repouso, pelas ventanias?

Dançamos, brincamos e amamos na chuva

Ou apenas fugimos das tempestades?

Esse constante descompasso entre a estação interna e externa

Tem sido capaz de promover a dança da vida

Ou passamos a festa toda sentados numa cadeira?

Viver todas as estações em plenitude é que importa

Independente se estamos no mesmo compasso da música lá de fora

A música cá de dentro é que precisa tocar e nos satisfazer…

Alda M S Santos

Autossustentáveis

AUTOSSUSTENTÁVEIS

Buscamos por um ambiente autossustentável

Uma água que siga seu ciclo e se renove

Árvores que nasçam, cresçam, se reproduzam e morram

Não sem antes nos fornecer seus frutos, sombra e madeira

Sem nos deixar na mão

Animais que nos sirvam de algum modo, que sejam “úteis”

Vegetais, animais e minerais à nossa mercê

Água, terra, fogo, ar, puros e infinitos para nosso prazer

Outros humanos a nos agradar e “servir”

E qual nossa parte nisso tudo?

Apenas usufruir sem contribuir?

Arriscando secar qualquer fonte de água, alimento ou amor?

Precisamos de humanos autossustentáveis

Brancos, amarelos, negros, vermelhos ou azuis

Ou, no mínimo, que não destruam irremediavelmente

Tudo aquilo de que precisam para se manter…

Como espécie e como indivíduos

A começar por si mesmos…

Alda M S Santos

Noite estrelada

NOITE ESTRELADA

Há sonhos belos como uma noite escura

Como um céu salpicado de estrelas brilhantes, reluzentes

Atraindo, despertando esperanças, expectativas

Mas, como as estrelas, “apagam-se” ao amanhecer

Seu brilho não se sustenta perante à dura realidade do dia

Assim como as estrelas se escondem

Diante do brilho intenso dos raios de sol

Muitos sonhos se escondem atrás dos medos

E covardias que tiram seu brilho

Alda M S Santos

Mata nativa

MATA NATIVA

É sabido que a paz não está

Em lugares físicos ou espaços externos

Quem a busca fora de si perde tempo

Ela se encontra dentro de nós

Mas um lugar tranquilo, amado, com cheiro de mato

Onde nos sentimos parte integrante desse universo

Tão dual: tão simples e tão complexo

Pode nos reconectar a nós mesmos

Tal qual mata nativa tão perfeita ali

Matar a saudade de nossa essência tantas vezes perdida ou “escondida”

Noutros cantos que nem sempre temos acesso

Dentro de outros seres, muitas vezes inacessíveis

Nem sempre receptivos

Mata que mata ansiedade, mata que desperta anseios

Sempre a nos lembrar

Somos gente, somos nativos, somos vida, somos parte…

Alda M S Santos

Ela caminha

ELA CAMINHA
À beira-mar ela caminha
Olha longe no horizonte
Sempre gostou muito de caminhadas
Nas avenidas, nas estradinhas de terra
Na beira de um rio, nas matas, montanhas…
O corpo é exigido, a mente trabalha, vai relaxando
A alma se abastece de belezas, de levezas
Busca um veleiro que navega sozinho ao longe
Quem estará ali? Será feliz?
Uma gaivota que mergulha atrás de alimento
Uma lancha de transporte de aluguel num cais improvisado
O vento desarruma seu cabelo, arranca o chapéu
Levanta sua saída de praia, refresca a alma
As ondas quebram a seus pés espumando e se recolhem de volta ao mar
“Tragam coisas boas, levem as ruins”, ela profetiza
Chuta a água, chuta os problemas, inspira e expira fundo
Sente os músculos sendo exigidos
Tensão, relaxamento, prazer…
Vê uma família de golfinhos nadando despreocupada
Um casal enamorado se exercita debaixo de um coqueiro
Como seria morar ali?
O encanto seria o mesmo?
Faria essa caminhada diária?
E ela segue…
Caminhando, chutando a água, refletindo
Sugando da natureza tudo que consegue de maravilhoso
Aprende com ela, seu ir e vir constante…
Enchendo-se de coisas boas, esvaziando-se do que faz mal…
Ela caminha…
Alda M S Santos 

Paradoxal e intensa relação

PARADOXAL E INTENSA RELAÇÃO
Paradoxal encantamento e admiração
Associados a um medo gigantesco
Contraditória e intensa atração atrelada
À incapacidade de profunda proximidade e enfrentamento
Fascinante e envolvente como o canto de uma sereia
Assustadora como noite sem lua e estrelas
Chama, esfria e esquenta, encoraja e atemoriza
Atrai e repele, vai e vem
Tão necessária quanto o oxigênio
Tão completa, tão essencial
Amor incomparável
Doce ou salgada, parada ou corrente
Amor bandido, amor sem fim
Complexa essa minha relação
Jamais saberia viver sem ela
Mas nunca poderia mergulhar fundo nessas águas
Sob o risco de não mais voltar…
Vou, assim, “mergulhando”, mas com os pés firmes no chão…
Alda M S Santos

Um dia nosso sol irá se por

UM DIA NOSSO SOL IRÁ SE POR…

Um dia nosso sol irá se por

Seu brilho descerá calmamente atrás da serra

Com cores lindas se apagando no firmamento

Um dia nosso sol irá se por

Nossos dias serão um entardecer infinito

Com ou sem arrependimentos por quem aqueceu ou deixou de aquecer

E isso não mais irá importar

Um dia nosso sol irá se por

Nossos sorrisos não iluminarão mais nossos rostos

Nossa alegria não mais irrigará nossos corações

Um dia nosso sol irá se por

Levará consigo o chiado de quando quase se afogou em nossas lágrimas

Sem expectativas de um amanhecer por aqui

Deixando um rastro de luz, vida e brilho por onde passou

Um dia nosso sol irá se por

Mas não será hoje

E quando isso acontecer, não irá doer

Não importarão as partes escuras enfrentadas

As lembranças nas sementes que fez germinar

E a luminosidade que deixou noutros corações

Serão o suficiente para nascer noutro lugar

Um dia nosso sol irá se por

Mas não será hoje…

Um dia, quando eu me apagar por aqui

Espero nascer um pouco em você, em vocês

Que me amaram e que eu um dia amei…

Alda M S Santos

A lua de sangue

A LUA DE SANGUE

Em alto mar, numa escuna que travou do nada

O condutor disse que ficaríamos ali para ver a lua vermelha

Mar estava agitado, turbulento

Parecia querer atrair a atenção de volta para si

E teve, quando ficamos sem saber quanto tempo demoraríamos naquele entrevero

Comentários tensos ou bem humorados em vários idiomas

E o céu, lindo nas cores do pôr do sol, não nos dava visão da lua

Escondida atrás das matas altas da ilha

Desistimos de procurar por ela que não queria ser vista

E observamos o que se mostrava para nós no momento

Mar, céu, sol poente, e o balançar das ondas no casco da escuna

Que logo voltou a funcionar e nos trouxe para nossa realidade

Vermelha, azul, verde, amarela, multicor ou cinzenta…

Aquela que preferirmos focar…

Alda M S Santos

É natural…

É NATURAL…

É natural amar e querer reciprocidade no amor

É antinatural exigir o que deve ser gratuito

É natural buscar a paz, a tranquilidade

É antinatural fazê-lo em detrimentos dos outros

É natural sorrir, encantar, contagiar, espalhar vitalidade

É antinatural querer que todos sejam iguais nesse processo

É natural conquistar, evoluir, crescer

É antinatural passar por cima dos outros para consegui-lo

É natural chorar, sofrer, sentir dor

É antinatural causar isso nos outros

É natural valorizar a saúde, a vida, a sobrevivência, nossa e dos outros

É antinatural colocar tudo isso em risco conscientemente

É natural confiar, acreditar, ter fé e esperança, se entregar

É antinatural desconfiar de tudo e de todos, temendo se prejudicar

É natural a vida que se impõe sempre

É antinatural não se importar com ela

Alda M S Santos

O sol brilha para todos

O SOL BRILHA PARA TODOS

No céu, no mar, na terra

Há espaço para todos

Aviões bimotores, helicópteros, teco-tecos, supersônicos

A enfrentar os ventos no céu

Barquinhos a vela, lanchas, escunas, navios e grandes veleiros

A navegar em águas calmas ou bravias

Bicicletas, motocicletas, carros, caminhões e ônibus

A trafegar no solo firme debaixo de nossos pés

O espaço, democrático, abriga a todos

Nossos corações também deveriam ser assim

Forte como o céu, a água ou a terra

Não excluir nada ou ninguém a priori

Elástico, deveria caber a todos que quisessem entrar e fazer dele sua morada

Como o sol que sempre brilha para todos

No céu, no mar, na terra…

Alda M S Santos

 

Mata adentro

MATA ADENTRO

Quanto mais para dentro da mata, mais queremos entrar

Mata adentro as trilhas diminuem

O caminho torna-se mais difícil

É preciso abrir espaços à foice

Mas o desejo de mergulhar no silêncio é grande

A pureza do ar quase sufoca, as árvores tornam-se mais grossas

A impressão de estar sendo vigiado aumenta

A sensação de invadir o desconhecido é animadora e aterradora

Nesgas de luz passam por entre os galhos e copa das árvores

Anjos e fantasmas se apresentam, a gente escolhe

A gente se abraça ou se enfrenta

O céu azul e branco continua lá em cima a insistir: prossiga!

Não se sabe o que buscar, apenas que é preciso seguir

Quando for chegado o que procura, saberá

E poderá descansar em paz!

Alda M S Santos

Sons do silêncio

SONS DO SILÊNCIO
Há muito silêncio aqui
Os galhos das árvores valsando ao sabor do vento
A chuva fina a tamborilar uma canção nostálgica no telhado
Canarinhos piando a disputar por espaço no comedouro
Enquanto outros se banham na poça d’água no chão e voam em revoada
Uma vaca muge reclamando ao longe no pasto
As asas vibrantes de um lindo beija-flor a sugar o néctar doce da vida
Indiferente a minha presença, encantada
Um machado fazendo ranger a madeira que cede com um choro de resistência
O fogo a crepitar no fogão a lenha onde o cozido borbulha e aromatiza o ambiente
Uma família de tucanos grasna no alto das árvores e saúda a vida
Um cachorro late pedindo carona atrás de um fusquinha conhecido
Um galo canta alto dizendo as horas, a galinha responde que tem ovo
Um abacate cai com um barulho surdo do alto do abacateiro e se racha ao chão
A tosse seca de um fumante que parece sufocar
As risadas das crianças descendo a rua de bicicleta, felizes, ignorando o chuvisco
Macacos gritam bem perto na mata
Uma saracura afoita passa correndo no quintal
Uma espectadora da vida ouve todos esses sons do silêncio
Em contraste com todos os barulhos que gritam dentro de si
Querendo fazer parte, ser parte desse mundo “animado”…
O mundo parece estar estacionado, mas há vida em tudo…
Qual o barulho que ela faz em seu silêncio?
Qual o grito que ela transmite?
Alguém ouve?
Alda M S Santos

Um grande evento

UM GRANDE EVENTO

A vida se faz de pequenos grandes eventos

Da nossa habilidade de eternizar momentos

Gravá-los no disco rígido de nossa memória

Tatuá-los na pele delicada de nossa alma

E ativá-los a qualquer tempo

Uma caminhada tranquila num fim de tarde

Uma conversa no banco da praça admirando o por-do-sol

Um mergulho no mar de nossas emoções mornas, quentes, calmas ou agitadas

Um choro de alegria e alívio depois de fortes emoções

Um lanche no carrinho de cachorro-quente

Um piquenique à beira de uma cachoeira gelada

Um abraço de carinho e saudade de alguém amado

Daqueles que te levantam do chão nas pontas dos pés

Um “eu te amo”, tão verdadeiro e desejado

Um beijo quente, de amor, de entrega, de confiança

Uma “taquicardia” de prazer diante de alguém que é importante para nós

Uma bala trocada que adoça a boca do outro

Um jantar na grama sob o céu salpicado de estrelas

Sonhos, desejos e planos antecipando alegrias

Um filme abraçadinhos no tapete comendo pipocas com batom

Um simples sorriso, um cumprimento ou beijo soprado de longe que a tudo contagia

Uma vida repleta de pequenos grandes eventos

Grandes, maravilhosos e eternos eventos…

Alda M S Santos

Por onde a vida flui…

POR ONDE A VIDA FLUI

Uns aprendem a andar, outros a correr

Uns aprendem a cair, outros a levantar

Uns aprendem a subir, outros a descer

Uns aprendem a ir, outros a voltar

Uns aprender a descansar, outros a trabalhar

Uns aprendem a sempre seguir, leves, sem “pesos”, a nada se prendem

Sequer olham para trás, para quem porventura deixou

Ou tenha sido deixado pelo caminho…

Querem apenas chegar, sem atrasos ou contratempos

Outros aprendem que nesses vaivéns, aparentemente antagônicos,

Estão a marcha da vida, a linha do trem

Por onde a vida flui, nem sempre veloz

Nem sempre silenciosa, nem sempre fácil

Porém, mais certa da chegada, a qualquer tempo…

Alda M S Santos

Somos natureza

SOMOS NATUREZA

Somos natureza, das árvores, somos flores

Perfumadas, encantadoras, suaves e delicadas

Mesmo com espinhos em autoproteção

Somos natureza, das árvores somos troncos

Levando a seiva que alimenta tanta vida

Sendo abrigo de outros que buscam por nosso aconchego

Somos natureza, das árvores somos folhas

Ora em completo esplendor, cor e brilho

Ora, sabiamente, caindo e cedendo a vez em benefício do todo

Somos natureza, das árvores somos frutos

A alimentar a quem de nós necessitar

Sempre produzindo sementes para perpetuar o existir

Somos natureza, das árvores somos raízes

Aquela que comanda a vida, lida bem com fartura e carestia

E preserva o que tem de essencial

Somos natureza, das árvores almejamos o verde intenso da esperança

Confiando que em seu entorno há tudo que necessita para viver

Ainda que no fundo de si mesma…

Somos natureza…

Das árvores falta-nos saber aceitar bem cada fase

Falta-nos a confiança na proteção da Criação…

Alda M S Santos

Praga urbana?

PRAGA URBANA?

Seria um pombo-correio?

Chegou pertinho de mim no jardim, joguei água

Querendo impedir que os cães o pegassem

Não voou, ficou me olhando, parecia pedir clemência com os olhos

Fechei a torneira, me abaixei e o peguei

Aquele olhar parecia falar, eu queria ouvir

E “ouvia” os argumentos dos outros para descartá-lo

“Isso é praga urbana, só transmite doenças”

“Que nojo! Mata! Bicho piolhento”

“Solta para os cachorros comerem”

“Isso prolifera igual praga, desequilíbrio ambiental”

“Só serve para distrair os velhinhos que os alimentam nas praças”

Lembrei de casos terríveis de extermínio de mamíferos e aves “nocivos”

E eu via apenas um pombo que me olhava

Que tinha asas para voar e me deixou pegá-lo

De onde veio? Por que estava só? Estaria nas últimas?

Praga urbana?

Para mim era apenas um pássaro

Não era um pombo-correio, mas me trouxe um recado

“Os humanos é que estão se tornando praga urbana

Em sua luta desenfreada para sobreviver roubam a vez de qualquer ser”

Eu o coloquei na beirada do balaústre

Ele continuou a me olhar: “confio em você”

Ficou ali muito tempo e depois voou para o muro

Trouxe seu recado:

“Não há na criação nenhum ser melhor que o outro”

Era mesmo um pombo-correio

Um ser da criação, símbolo da paz!

Praga urbana? Responsabilidade de quem?

Alda M S Santos

Flores no caminho

FLORES NO CAMINHO

São flores, doces, lindas, coloridas

Enfeitam, perfumam, ocupam todos os espaços possíveis

Alegram os caminhos nem sempre fáceis ou justos

São vida!

Pelo olhar adentram a alma, invadem recônditos escuros

Deixam uma suave fragrância de vida onde passam

Abrem um sorriso iluminado onde tocam, em quem presenteiam

Fazem minar nos olhos gotas brilhantes como orvalho

Mas também precisam ser podadas, cortadas

Ou podem sufocar tudo a sua volta, matar por asfixia

A sabedoria consiste em identificar o momento certo da poda

E o quanto é possível cortar sem matar

E seguir o caminho …

Na esperança de novo broto, mais forte e mais bonito

Nos ciclos vitais da natureza que brotam dentro de nós

A primavera vem mais bonita para quem soube apreciar o inverno

Não somente tolerá-lo!

Alda M S Santos

Pôr do Sol

PÔR DO SOL

Hora mais linda do dia, hora do sol se recolher no horizonte

Sereno, colorido e vibrante

Beleza poderosa, calmante, extasiante, reflexiva

Em meio à simplicidade e soberania da natureza

Só nos lembra do quanto somos pequenos e privilegiados

Perante tão grandiosa obra divina

Não importa como foi o dia, se sorrisos se abriram

Ou se lágrimas prevaleceram

Se foi de fé ou descrença, não importa

Sempre há esperança ao admirarmos o pôr do sol

É preciso saber se recolher, ceder a vez, adormecer

Para retornar em nova aurora, como novo presente recebido, nova energia

Independente se, encantados e sensibilizados, observamos ou não

Porque até mesmo para enxergar, apreciar e entender tal maravilha

Precisamos tê-lo aceso dentro de nós…

Alda M S Santos

Como um rio

COMO UM RIO

Quero viver como um rio quando “morto”

Não somente quando possui águas calmas, mornas, convidativas

Ou quando as águas furiosas e geladas arrebentam tudo a abrir caminhos

Mas quero, como o rio, viver no que deixar de mim depois de partir

No que deixou de si depois de seco

Na terra que irrigou, silenciosamente

Nas plantas que hidratou e gerou vida

Nos frutos do qual foi núcleo e a tantos alimentou

Nos corpos amantes que banhou sob o sol ou a lua

Nos rostos lavados, sorrisos despertados, saudades deixadas

Quero ser como o rio morto

Porque depois de morto, apenas o que deixou de vida,

Ainda que em diferentes formatos, com ou sem reconhecimento, é que fica,

Sem cobranças, avaliações ou acusações

O rio morre…

Mas a vida que salvou, que perpetuou pelo caminho

Seguirá silenciosa até desaparecer por completo…

Alda M S Santos

Naufrágios

NAUFRÁGIOS

Em naufrágios, quando ficamos à deriva

Não importa o tamanho da embarcação

Ou o valor da carga transportada

Navios, escunas, barquinhos…

Depois de tudo lançado ao mar pela força da tempestade

O que temos de mais valioso e poderá nos salvar é a tripulação

E o que trazemos dentro de nós…

Alda M S Santos

Má índole, oportunismo?

MÁ ÍNDOLE, OPORTUNISMO?

Chupim, Engana-tico-tico, Negrinho, os nomes são vários

A má índole é a mesma, se é que podemos atribuir essa “falha” a seres irracionais

O Chupim na época da reprodução, não constrói seu ninho

Aguarda o tico-tico fazer o seu com todo cuidado

E num momento em que ele se ausenta do ninho

Vai lá e bota seu ovo entre os ovos do tico-tico que estão sendo chocados

Tico-tico volta, não nota a diferença, alimenta e cria o Negrinho que nasce primeiro

Em detrimento de seus próprios filhotes que morrem de inanição

Pude ver isso no sítio! Até entre plantas e animais podemos encontrar aproveitadores e parasitas

A má índole e oportunismo, a falha de caráter atribuída aos humanos encontrada nos irracionais

Como muitos humanos, racionais, agem apenas querendo usufruir de um “ninho” pronto

Sem querer se dar ao trabalho de construir ou conquistar suas próprias coisas

Vivem de subtrair dos outros o que quer que seja

E quantos tico-ticos enganados por aí…

Qual deles tem menos “consciência” do que faz: humano ou pássaro?

Alda M S Santos

Plantei cacau na Páscoa!

PLANTEI CACAU NA PÁSCOA!

“Plantar uma árvore, ter um filho, escrever um livro, viver um amor.”

Acho que estou no caminho das tarefas cumpridas…

Brincadeiras à parte, é maravilhoso ver brotar o que a gente plantou

Cultivou, adubou com amor, irrigou com carinho

Deixar morrer, secar, não cuidar, ver ir embora

É sensação de impotência!

Plantei uma árvore de cacau na Páscoa, coincidentemente

Que o amor prevaleça, que a renovação aconteça !

Alda M S Santos

Somos água, somos vida!

SOMOS ÁGUA, SOMOS VIDA!

Água: tão natural, tão necessária à vida

Em rios, mares, lagos, geleiras, lençóis freáticos

Brota do chão, cai do céu, faz um ciclo completo: sólido, líquido ou gasoso

Representa 70% da Terra e está presente em tudo que tem vida

Pode ser linda, encantadora, mágica, assustadora, inebriante

Ninguém imagina uma existência sem água

Mas, como tudo, nada é completamente bom ou ruim

Essa ambiguidade faz parte da existência

Água está também em tragédias como tsunamis, maremotos, tempestades, enchentes, inundações, morte…

Também está escondida onde tudo parece seco

Nada é bom ou ruim por si só

A utilização que delas fazemos que as torna boas ou más

Benéficas ou maléficas…

O uso correto ou excessivo, adequado ou inadequado

Que faz de tudo motivo de vida ou de morte

Somos água, somos vida, brotamos a todo o tempo de nossos lençóis internos

Ora somos morte, ora renascimento, seguimos o curso

Podemos saciar a nós mesmos e aos outros, satisfazer a sede

Sempre com critério e sabedoria, pois água quando arrebenta comportas nada segura…

Alda M S Santos

Florescendo

FLORESCENDO

A vida é feita de cores, de flores, de amores

Quanto mais amor, mais cor, mais flor

Ou seria mais flor, mais amor, mais cor

A ordem não importa…

Oferecidas com alegria, por prazer, por vontade

Rosas, orquídeas, flores quaisquer

Doados com carinho, por desejo, por necessidade,

Amizades ou amores quaisquer

Sempre irão florescer, encantar

Perfumar, colorir o mundo…

Se houver o mesmo carinho e amor em quem recebe e sabe cultivar!

Alda M S Santos

Bosque particular

BOSQUE PARTICULAR

Se nossa vida fosse resumida num bosque, numa mata

Como ela seria?

Quantas árvores frondosas, antigas

De copa acolhedora, troncos maciços, galhos grossos e retorcidos teríamos conservado?

Seria fechada, cheiro de terra úmida, cantos de pássaros

Insetos, vento soprando suavemente?

Teria nesgas de luz do sol a passar insistente entre os galhos e iluminando o chão repleto de folhas e frutos?

Haveria árvores novas crescendo felizes entre as matriarcas?

Seria uma mata convidativa ou amedrontadora?

Teríamos arrancado alguma árvore antiga ou impedido uma nova de crescer?

A majestade de uma mata está na diversidade, na segurança

Na capacidade de acolhimento que nos fornece gratuitamente

Conservar árvores antigas é manter a possibilidade de se recostar e descansar

Cultivar árvores novas é a capacidade de seguir em frente, de nos renovarmos sempre

Natureza que sempre ensina…

Alda M S Santos

Tempestade se armando

TEMPESTADE SE ARMANDO

Nuvens escuras se atropelam no céu

Numa corrida frenética e assustadora

Pássaros se recolhem desarvorados

Mulheres correm a recolher roupas na cerca

Folhas parecem ter asas na forte ventania

Crianças brincam nos redemoinhos de poeira felizes

Beija-flores fazem uma refeição na flor que balança

Um pai chama o filho para dentro

Um boi muge ao longe, cães procuram abrigo

Macacos gritam na mata, uma seriema passa correndo

As árvores sabiamente dançam ao sabor do vento,

Sabem que não adianta resistir…

Relâmpagos riscam o céu, trovões gritam sua força

E a água cai forte e certa do que está fazendo…

Molha, lava e leva tudo numa beleza impressionante

A terra absorve o que dá conta e deixa ir o que sobra

Confia que tudo está em seus devidos lugares…

Quiséramos ter a sabedoria da natureza!

A tudo observo maravilhada, sinto-me parte

Levanto da rede, deixo o livro, e vou passar um café…

Aceitam?

Alda M S Santos

Ele sempre volta

ELE SEMPRE VOLTA

Estava escondido, encoberto, mas sempre lá

Sabe que é necessário, às vezes, ceder lugar, recolher-se

Deixar a natureza agir, molhar-se, hibernar

Confia em sua capacidade de resistir, de aquecer, mesmo entre nuvens

Ou debaixo de chuva constante

Sabe que tem seu lugar conquistado

Volta quente, lindo, brilhante como nunca

Alguns estranham, ficam ofuscados sob tanto brilho e calor

Outros, aceitam e saúdam o Sol em suas vidas

“Que bom que você voltou, senti falta do seu brilho e calor”

Quem soube aproveitar a chuva,

Se irrigar, abastecer seus mananciais

Lidar bem com a ausência do Sol

Saberá recebê-lo de braços abertos

Aquecer-se novamente, sabendo que somos assim mesmo

Nossa natureza é feita de presenças e ausências

De Sol e chuva, dia e noite, luz e sombras, sorrisos e lágrimas

Vive melhor quem aprende a lidar com elas

A estar preparado para esse constante vai e vem

Fácil? Nunca!

Mas a vida se impõe e vale cada aprendizado!

Alda M S Santos

Quando lagartas

QUANDO LAGARTAS

Difícil quem ache nelas beleza

Nas atemorizantes e assustadoras lagartas…

Amam as borboletas, matam as lagartas

Sem elas, contudo, não há o leve voo de extrema delicadeza

Das lindas e coloridas borboletas…

Somos muito assim

Nossa fase lagarta muitas vezes amedronta

Aos outros, a nós mesmos

Outras vezes não queremos sair, como afronta

E estacionamos na fase lagarta, no estágio casulo nos prendemos

Sentimos falsa proteção no “conhecido”

Não deixamos a vida fluir

Impedimos a metamorfose

E perdemos a beleza que cada fase tem

Se quisermos apreciar uma borboleta, sermos uma borboleta

Precisamos encarar de frente e com coragem nossas lagartas…

Alda M S Santos

Refrigérios

REFRIGÉRIOS

Um banho de cachoeira para refrescar o corpo

Uma brisa de bons pensamentos e lembranças doces para limpar a mente

Uma chuva de boas ações para nutrir o coração

Uma tempestade de nós para nós mesmos

Para sintonizar no amor e alegrar a alma

Conosco e com os demais

E encontrar a paz…

Alda M S Santos

Revoada

REVOADA

Eram alguns atrás da queda d’água, céu azul anil, mata fechada

Deitados nas pedras, víamos o bater de asas, ouvíamos o canto,

Reduzido pelo som da cachoeira

Foram chegando outros e outros, “grudando” na parede de pedra molhada

Parecia uma grande reunião ali

Asas fortes a enfrentar o peso da água e do vento

Num repente, começaram a voar em círculos, cantando

Rodeando a queda d’água, pela frente e por trás

Como se tivessem ensaiado o espetáculo

Um ritual sempre praticado

E eu a admirar tudo de dentro d’água, bem abaixo deles

Eram dezenas, talvez mais de uma centena

Criando um espetáculo coreográfico extasiante

A cachoeira Witu era o palco , a natureza, o cenário

Muitos coadjuvantes e, nós, quase fomos um.

Show terminado, saíram todos em maravilhosa revoada

Imaginamos o fechar das cortinas e os aplausos,

E nós ali arrebatados com tão grande leveza

Agraciados por tão estrondosa beleza…

Alda M S Santos

Nas pedras

NAS PEDRAS

Nas pedras, obstáculos

Limites de nosso ser, do nosso querer

Impedimento da liberdade, cerceamento

Nas pedras, escadas

Acesso à escalada , incentivo ao topo

Busca de coragem, de ir sempre mais, para o alto

Ainda que no alto encontremos apenas nós mesmos

E nos abracemos felizes…

Alda M S Santos

Como água

COMO ÁGUA

As mesmas duas moléculas de hidrogênio ligadas à uma de oxigênio: água

Mas o que é capaz de fazer sempre irá depender daquilo que encontrar pela frente

Com quais outras substâncias irá se associar

Dos obstáculos que enfrentará, das aglutinações,

Pode ser capaz de produzir, construir, transformar ou destruir,

Até mesmo brotar de áreas inesperadas, das pedras

Somos como água!

Sempre contornando obstáculos, desviando de áreas difíceis,

Encontrando composições atraentes, repelindo o negativo

Até mesmo uma queda tão alta, que pode aparentar total destruição

Pode gerar energia, vida,

E seguir abrindo caminhos em leitos de rios caudalosos por aí,

Desde que, como ela, sempre tenhamos preservadas nossas “moléculas”, nossa essência,

Independente das associações ou quebras da vida…

Alda M S Santos

Borboletas e rosas

BORBOLETAS E ROSAS

Cada flor com sua cor, seu encanto, seu néctar

Mel que alimenta, perfume que inebria, beleza que extasia

Borboletas que transitam, pólen que gera vida

Ainda assim, não é atraente a todos

Cada borboleta e beija-flor com suas preferências

Encantos e desencantos

Mas doçura sempre atrai doçura

Quem não está acostumado a doçuras tem dificuldade em ser doce

Em aceitar a doçura dos outros

Ainda que sejam as que mais dela necessitem

Mas tudo pode se transformar

Até mesmo uma borboleta, tão leve e linda

Já foi uma lagarta pavorosa um dia…

Alda M S Santos

Um ponto de paz

UM PONTO DE PAZ

Entre tantos altos e baixos dessa vida

O segredo é manter a estabilidade

Em cima, para não cair rápido demais

Embaixo, para gerar forças para nova subida…

Mas bom mesmo seria encontrar um ponto no meio desse caminho

Sem grandes euforias, sem grandes baques!

Simplesmente, um ponto de paz…

Alda M S Santos

O belo de todo dia

O BELO DE TODO DIA

Encantada com tanta beleza

Fixo o olhar deslumbrada

Fico extasiada, embriagada pelo belo que se derrama

Deságua em mim em gotas salgadas

Num momento, observo moradores locais

Que têm perto de si toda essa riqueza

Ao alcance dos olhos…

E parecem sequer notar!

Quantas belezas temos pertinho de nós

E nosso olhar viciado não percebe mais?

O belo de todo dia não mais atrai nosso olhar?

O olhar deslumbrado do outro para o que temos

Pode, às vezes, nos acordar…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: