Busca

Tag

lembranças

Delírios

DELÍRIOS

Em poucos minutos, flashs de imagens nos invadem

Dolorosas, sofridas, assustadoras

Amedrontam a alma da gente

Em poucos minutos, flashs de imagens nos invadem

Carinhosas, ternas, quentes, apaixonadas

Encantam a alma da gente

Acendem e apagam, chegam e se vão

Alternam-se desejos e delírios, bons e ruins

Mas deixam um rastro iluminado de esperança no caminho

Fazendo bater mais forte o coração…

Alda M S Santos

Nublado

NUBLADO

Quero um dia inteirinho de chuva

Daqueles cujo céu fique totalmente encoberto

Chuvinha constante, ora fininha, ora mais intensa

Daqueles que nos “autorizem” a ficar o dia todo sob as cobertas

Sem precisar justificar, sem precisar de um porquê

A nostalgia e introspecção comuns desses dias nos liberam para tal

Eles são, por si só, a razão do recolhimento

Sentindo o friozinho úmido lá de fora, as gotas da chuva escorrendo na janela

Cheirinho de terra molhada, flores agradecidas, pessoas correndo

Escondendo-se sob as marquises, dividindo guarda-chuvas

Umas felizes, outras praguejando, esbravejando

Os abraços molhados, os encontros, os reencontros

O amor, a saudade de infância que sempre fica no ar…

Crianças sempre amam, andam nas enxurradas, nada temem

Adoro observar as pessoas em dias assim

O cinza molhado ativa as cores ou ausência delas nas pessoas

Os cães sequer saem das casinhas

O bem-te-vi por certo também está em “casa”

Um pijama macio, uma meia velha, cabelos revoltos, uma xícara de chá

Um livro, um filme ou uma música

Uma história para escrever…

Sei lá…

Dias nublados e chuvosos são dias muito produtivos

Ainda que o produto seja apenas interno e invisível aos olhos de fora…

Alda M S Santos

Memórias em cinza

MEMÓRIAS EM CINZA

Um descuido, uma pequena distração

E uma casa pega fogo, literalmente

E tudo que se tem é consumido pelas chamas

Colchão, cama, móveis, roupas, calçados

Documentos, livros, fotografias, artigos pessoais

Memórias registradas em papel, pendrive, computadores

A cada minuto percebe-se algo que se foi

Levado para sempre, consumido pelo calor do fogo

Tudo é fumaça, fuligem, sujeira, dor, culpa, desespero

Aí percebemos o quanto de valioso possuíamos

E se tornou cinzas…

Passada a fase aguda do susto, do choque

Nota-se que algo valioso sempre fica

Aquilo que não se reconstrói quando se perde: a vida

Mantendo-a, é possível reconquistar o que foi perdido

Amigos verdadeiros e falsos serão revelados

Saberemos quem não nos abandona e podemos contar sempre

Novas memórias serão gravadas, misturadas às antigas

E, mais tarde, tudo estará de pé novamente…

O mesmo não se dá quando o “fogo” da doença ou da maldade destrói a mente, a alma

Quando apaga os circuitos cerebrais que registram em nós o que vivemos

Isso só recuperaremos nas mentes daqueles que conviveram conosco

Que nos amaram, ou não

E que têm de nós boas ou más lembranças registradas…

O amor é a borracha que apaga o mal

Mas também é o lápis que reescreve uma nova história…

Vamos reescrever!

A vida num instante pode se apagar

Ou se acender feito sol no horizonte…

Alda M S Santos

Boa ou doída lembrança?

BOA OU DOÍDA LEMBRANÇA?

Que despertamos na memória das pessoas:

Boa, ruim, doída ou gostosa lembrança?

Uma tia baiana que nos “cedeu” sua cama de casal numa visita

E que vi apenas uma vez, faz aniversário hoje…

Lembrar dela é lembrar dessa delicadeza

Com toda sua simplicidade, deixou marca boa, de cuidado, há mais de 25 anos

Temos em nós diferentes marcas, boas ou ruins

Impressas na alma tal ferro em brasa, tal digital

Que nos fazem gratos, saudosos, tristes ou resignados

Qual será a marca que temos deixado na alma dos outros

Daqueles que passaram por nós e ficaram para trás por variados motivos?

Será que são agradecidos ou inconformados?

Será que se lembrarão das delicadas ações

Das “camas” que cedemos, da amizade, do amor, do sorriso, do carinho

Do pouco que tínhamos ou podíamos, e cedemos, como tia Maria Helena fez

Ou da sovinice, maus tratos, críticas, reprovações, lágrimas?

Deixamos como lembrança algo amargo que querem apagar,

Ou doce, digno de ser lembrado e saboreado?

Qual a marca que deixamos naqueles que conosco conviveram?

Alda M S Santos

Eternidades que fazem de nós sua morada

ETERNIDADES QUE FAZEM DE NÓS SUA MORADA

Uma suave canção de ninar, braços suaves a nos embalar

Um brinquedo inseparável, cheiro de segurança quase palpável

Uma turma de amigos malucos, uma força a mais ao arrombar as portas pesadas do mundo adulto

Um primeiro amor impossível, uma paixão a nos ensinar as primeiras dores do coração

Um olhar, uma sintonia, almas que se encontram, se beijam, se afinam em deliciosa harmonia, parceria para a vida

Um choro, um pequeno ser, uma vida a nós entregue para cuidar e dia a dia nos refazer

Uma amizade, uma mão que se oferece, um olhar de apoio, aceitação que nos envaidece

São marcas, lembranças, memórias, saudades

Infância, adolescência, relacionamentos, maternidade, amizades

Pequenas grandes delícias que se eternizam em nosso ser

E nos fazem estar vivos quando tudo parecer morrer…

Alda M S Santos

Casa bagunçada

CASA BAGUNÇADA

Em nossa casa nos acostumamos com nossas bagunças e desordens

Quase sempre nos encontramos, com alguns tropeços, nas coisas esparramadas

É onde podemos ser nós mesmos, sem necessidade de impressionar ninguém

Onde nos sentimos bem, independente da simplicidade ou confusão

Conhecemos cada teia de aranha, cada móvel fora de lugar

Aqueles desgastados pelo uso ou empoeirados pelo desuso

Os que de nada valem mais, exceto pela lembrança de quem os usou

As toalhas molhadas sobre a cama, o perfume nas roupas no armário

Os chinelos sob os móveis, os pés de meia perdidos

A torneira da pia que pinga sem cessar, a trempe do fogão com defeito

A temperatura oscilante do chuveiro que não impede o banho demorado

O barulho estranho da geladeira como um alerta de sobrevida

Aquela quina onde sempre acertamos os dedos dos pés descalços

A poltrona preferida, o lugar marcado na mesa

O jeito secreto de girar a chave na fechadura que só nós sabemos

O livro lido e relido na rede, a estante cheia, a despensa quase vazia por distração

A cortina que pouco escurece, o vidro da janela manchado pela última chuva

A TV sempre ligada sem ninguém ouvir, o sol que entra pela fresta de tardinha e cria imagens mágicas

O tapete escorregadio, as roupas amarrotadas no varal

A lâmpada que pisca como boate, o cheiro de saudade grudado no travesseiro

O silêncio frio da noite em contraste com nossos barulhos

A manhã que traz esperança, sol e calor sob os lençóis…

Seja como for, essa “casa” é nossa…

Somos responsáveis por ela, cuidamos como podemos

Não queremos ter que “esconder” nada de visitantes

Precisamos ficar à vontade com quem chega

Sem nos sentirmos envergonhados por ser o que somos

Visitas com pretensões de se tornar moradores precisam fazer parte desse caos

E só nos sentiremos bem com alguém que aceite nossas bagunças

Ou, no mínimo, nos ajude a arrumá-las sem descaracterizá-las…

Alda M S Santos

Como não deixar se apagar?

COMO NÃO DEIXAR SE APAGAR?

Como não deixar se apagar em nós a imagem de quem se foi?

Como não nos apagarmos do coração dos outros quando formos embora?

Como conservar na memória a voz doce na tranquilidade ou a ofegante na irritação

A insegurança contida, o medo de nos decepcionar

O desejo constante de agradar, de manter nosso amor

Os ciúmes bobos, os calundus desnecessários

As brigas tolas, o amor nem sempre declarado

Como manter vivo na lembrança o olhar terno de admiração e cuidado, ou o faiscante de frustração

Como não deixar se apagar o sorriso sincero e atraente, a gargalhada gostosa

O andar ora inseguro e trôpego, ora confiante e sensual

Como não deixar ir embora o cheiro bom, o perfume tão único e especial

Como não deixar de sentir o calor de um abraço terno

O conforto de palavras sábias e de apoio, oferecidas ou recebidas

A doçura de um beijo amoroso

O suave peso da cabeça que chorou em nossos ombros

A força a nós ofertada, em diversos momentos, apenas por existir

Como não deixar se apagar em nós

O que foi impresso em cores tão fortes e quentes?

Preocupação desnecessária: o essencial, importante e verdadeiro não se apagam

Foram registrados em nós como marca feita pelo ferrete

Pela brasa incandescente do amor, mas singela como uma flor

Paradoxalmente dolorida e prazerosa…

Isso não se apaga tão facilmente

Nem em quem foi, tampouco em quem ficou…

Amor de qualquer tipo é eterno

Em qualquer dimensão! 🙏😇

Alda M S Santos

Que aroma tem sua história?

QUE AROMA TEM SUA HISTÓRIA?

Comida de fogão a lenha tem cheiro de casa de vó, de infância na roça

Plástico novo tem cheiro de surpresa, de expectativa, de brinquedo no Natal

Fumo de rolo tem cheiro do vovô, com seu lindo sorriso e olhos verdes por detrás da fumaça

Cachaça e rapadura têm cheiro da venda do meu tio, de homens cansados e suados

Velas queimando cheiram à igreja, ritos e celebrações

Terra molhada tem aroma de brincadeiras na rua até tarde

Alfazema tem aroma de sonhos da adolescência, de banho recém-tomado

Hortelã tem aroma e gosto de beijo, de timidez

Almíscar tem aroma de amor, de abraço, de entrega

Cheiros, perfumes, aromas e fragrâncias fazem nossa história

Nada fica tão marcado na memória como o que se assimila pelo olfato

Tudo isso remete a pessoas, lugares, tempos ou situações,

E atinge direto a emoção, boa ou ruim.

Ativa o coração, a alma.

São memórias, são histórias, são saudades,

Que a gente revive, querendo ou não…

Que aroma tem sua história?

Alda M S Santos

Esquecimento

ESQUECIMENTO

Esquecer…

Um alívio que muitos procuram

Apagar o que machuca, deixar para trás

Esquecer…

Necessidade real, do que às vezes parece tão irreal

Cargas pesadas, difíceis, dolorosas, mágoas

Esquecer…

O que deixou de fazer por covardia, o que fez sem querer, os medos

O que fizeram consigo, com ou sem permissão

O que você fez com os outros sem pensar bem

Esquecer…

Para isso, muitos buscam drogas, alucinógenos, leveza para o que pesa

Esquecer…

A verdade é que na tentativa de esquecer, busca-se entorpecimento

Cria-se, muitas vezes, mais lembranças dolorosas a serem esquecidas…

Esquecer…

Sem resolver dentro de si o que machuca

É como suturar uma ferida infeccionada que ainda sangra…

Alda M S Santos

Saudades

SAUDADES

Não sentimos saudades de algo ou alguém

O que nos angustia é a saudade de nós mesmos

Daquilo que éramos, do que sentíamos, da leveza

Do que dávamos conta, do que produzíamos, da energia

Da alegria espontânea, do amor, da proteção

Do encantamento perante a vida

Da sensação agradável e preciosa

Em relação a algo ou alguém que passou, que ficou lá atrás, mas deixou um laço em nós

E vez ou outra volta e nos lembra do que vivemos

Saudades da infância, da terra Natal, dos avós, dos filhos pequenos, dos amigos do colégio, da faculdade, dos amores…

Nostalgia, saudades de nós mesmos em outras épocas

Em outras situações mais amenas, mais ilusórias, mais esperançosas

E que se foram belas e rápidas como águas de uma cachoeira

Saudades…

Alda M S Santos

Queria voltar àquele tempo

QUERIA VOLTAR ÀQUELE TEMPO

Queria voltar àquele tempo

Onde os desejos eram simples e facilmente satisfeitos

Chupar bala puxa-puxa, subir em árvores, andar descalça, brincar na rua, tomar banho de bacia, dividir a cama com o irmão

Tempo de sentimentos puros e perfeitos…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amigos eram menos virtuais, mais reais

Estavam do outro lado da cerca de bambu

A apenas um abraço de distância

Tempo de amigos leais…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amores eram mais verdadeiros

Confidências, sorvete na pracinha, beijos roubados, “pegas” no portão

Tempo de amores mais parceiros…

Queria voltar àquele tempo

Onde as músicas eram pura poesia

Dançantes ou não, tocavam corpo e alma

Tempo de melodias que refletiam o que a gente sentia…

Queria voltar àquele tempo

Onde até sofrer era uma forma “doce” de viver

Sem precisar recorrer a antidepressivos

Tempo de magia, encanto e prazer…

Queria voltar àquele tempo,

E me sentir plenamente reviver…

Alda M S Santos

Dia da Saudade

DIA DA SAUDADE?

Dia da saudade não existe

Existe motivo da saudade

E esse é apenas viver

Quem vive sente saudades

Deixa saudades,

E isso acontece dia após dia

Até sermos apenas saudade…

Alda M S Santos

Saudade é bichinho intrometido

SAUDADE É BICHINHO INTROMETIDO

Saudade é bichinho meio intrometido

Sempre acha um lugarzinho para entrar

Mesmo que você o afaste firmemente

Ele costuma achar buraquinhos ou brechas

E ali se acomodar…

Se é num livro, ele torna-se personagem

Se for num filme, ele faz parte da cena

Num poema é a rima que falta

Numa canção é a harmonia da melodia

No sorriso é a dor camuflada

Nas lágrimas é o alívio desejado

Saudade é bichinho meio intrometido

Sempre acha um lugarzinho para entrar

E ali se acomodar…

Nas companhias, às vezes é a ausência

Nas ausências faz-se presença

No jardim é o mais suave perfume

No barulho é o silêncio dolorido,

No silêncio é o grito contido,

Saudade é bichinho meio intrometido

Sempre acha um lugarzinho para entrar

E como borboleta, ali se aboletar…

Cansado de tanto se impor,

Esse bichinho de nome saudade

Nas orações torna-se pedido

De ali ficar e morar para sempre…

Alda M S Santos

Caminho da roça

CAMINHO DA ROÇA

Uma estradinha de terra serpenteando por aí

Morro acima, ladeira abaixo, tanto faz

Árvores, flores, pasto, vegetação até onde a vista alcança

Insetos e pássaros cantando ritmicamente

Gado mugindo ao longe, cachorros a nos encontrar a meio caminho, receptivos

Cheiro de mato, de bichos, de flores, de vida

E nós, contando casos, relembrando histórias

Até chegar à fazenda dos tios queridos,

Gente boa até “encostar no barranco”

Onde tudo é encanto e magia…

Mudamos para a capital, pais e dois filhos, há 49 anos

Mas nossas raízes estão fincadas aqui

Esse caminho da roça sempre iremos fazer

Inverno ou verão, sol ou chuva

Até quando formos chamados para outra travessia…

Alda M S Santos

Minha avó

MINHA AVÓ

Pequena, magrinha, miudinha mesmo

Um abraço parece que irá quebrá-la

Minha avó, cabeça branquinha até onde minha memória alcança

Ela tem 95 anos, 6 filhos, 19 netos, 18 bisnetos e uma tataraneta

Olhos fundos, uma vida de força escondida ali!

Geniosa, contadora de casos, vida sofrida, cismada

Sempre trajando saia e blusa de mangas compridas, trabalhadeira

Faça frio ou calor, sol ou chuva

Mora sozinha por opção, sempre na janela a olhar quem passa,

Cuida da horta, das galinhas, da casa

Deita-se junto com o sol e levanta-se com ele

Nunca tira fotos, dificilmente sai de casa

Não usa perfume, tem cheiro gostoso de vó, aroma da minha infância!

Econômica na demonstração de afetos, de emoções

Mas quem a conhece reconhece o brilho no olhar

Quando estão perto quem ela ama

E a opacidade que toma conta quando vão embora

Até a janela da frente se fecha em protesto

Junto com o semblante e o coração

Fala muito na morte para espantar o medo que sente dela, do desconhecido

Bem humorada, diz que tem três coisas: velhice, feiúra e ruindade recolhida

Pra mim tem outras: força, fé, coragem e muito amor contido

Nas minhas lembranças mais antigas de vida, ela está

E ficará para sempre…

Te amo, vó!

Alda M S Santos

Minha terrinha

MINHA TERRINHA

Se um dia eu me perder

Aqui sempre será um bom lugar para juntar pedaços de mim

Olho para minha avó, 95 anos, suas rugas, sua frágil força, seu carinho contido,

Quantas histórias!

Tios, primos, parentes e amigos vários

“Troquei suas fraldas, curei seu umbigo, cuidei muito de você”

“Brincamos muito juntos, tenho saudades”

“Já exploramos uma boa parte disso tudo aqui”

“Você não mudou nada, mesmo sorriso, mesma carinha”

Todos têm algo a lembrar, a contar, a saudar

Cada cantinho, cada casa, cada espaço natural, cada montanha, mina d’água,

Aromas, o jeitinho de ser de cada um

Ver que todos envelhecemos, mas que nossa essência permanece

A despeito, ou até mesmo por causa, dos tropeços e entraves da vida

Dizem que uma parte de nós sempre fica onde se enterra nosso umbigo

E que irá ajudar a nos lembrar quem somos, nossos valores

A não nos esquecermos de nós,

Independente do que o mundo lá fora tenha feito conosco.

Sempre é bom voltar…

Alda M S Santos

Quem é ela?

QUEM É ELA?

Ela olha aqueles carros que se vão rua abaixo e acena

Levam consigo dois seres amados

Há pouco tempo desciam essa rua “quebrados” numa bike

Hoje seguem seu caminho sozinhos e ela fica

Coração apertado, lágrimas nos olhos

Tenta conciliar o orgulho pelos filhos bem criados e encaminhados

E a saudade da época em que estavam consigo todo o tempo

Pertinho, sendo cuidados, amados, protegidos…

É o caminho natural da vida, ela sabe bem

Difícil separar o que é, que sempre foi e está dentro de si

Do que ficou dentro deles e eles levam embora…

Sempre foi tantas mulheres, tantas coisas, que não sabe mais quem é de verdade!

Tenta não se abater, concentrar-se no orgulho de vê-los bem.

Não é mais tão necessária!

Precisa confiar, esperar e aceitar novos tempos

Eles sabem que sempre serão amados, protegidos e cuidados quando precisarem

A vida tem sua maneira de encaixar tudo em seus devidos lugares…

Alda M S Santos

Saudades

SAUDADES…

Saudades…

Sentimento ambíguo, pois só se tem saudade do que é ou foi bom

Mas que dói, maltrata, machuca

Nostalgia, tristeza, desejo do reencontro

Bom mesmo é quando podemos saciá-la

Aí é euforia, prazer, êxtase!

Caso contrário, as lembranças tentam suprir a falta

Saudade vive da expectativa do reencontro

Saudade rima com esperança

Esperança rima com amor!

Alda M S Santos

Apelidos

APELIDOS
Apelidos podem ser marcantes
Quase sempre o são, sejam os carinhosos, pela delicadeza
Sejam os depreciativos, pela crueldade
Tanto faz se colocados pelos pais, amigos ou amores
Inimigos ou desafetos quaisquer
Doçura, princesa, gata, sapeca, anjinha, fadinha
Expedita, encrenca, pequena, “aldaciosa”
Baixinha, pretinha, branca, vida…
Príncipe, gato, amor, rei, anjo, tesouro, preto…
Sempre nos remeterão a alguém ou alguma situação
E nos levarão para lugares revisitados dentro de nós…
Alda M S Santos

Que imagem carrega consigo?

QUE IMAGEM CARREGA CONSIGO?

Qual imagem carrega consigo na tela do celular,

Na carteira, no bolso, na bolsa, na mochila, tatuada na pele,

Entre as páginas de um livro como uma rosa eternizada?

Aquela que ao encarar sorri para você, por você,

Que tira você do eixo, do prumo, do esquadro,

Que fez da sua vida uma bagunça, sinalizou com uma reviravolta

Te ensinou a fazer malabarismos, a viver na corda bamba

Te fez acreditar que tudo pode ser melhor,

Te colocou numa via, tantas vezes, de mão-dupla, perigosa

Outras, mão-única, sem retorno

Que você deixou em casa, no trabalho, na escola,

Ou simplesmente jogada por aí em qualquer lugar?

Aquela imagem que não precisa de celular,

De carteira, bolso, bolsa, mochila ou livro,

Pois essa imagem você carrega gravada na mente,

No coração, na alma…

Qual imagem carrega consigo e é sua fonte vital?

Alda M S Santos

Será que ainda pensa em mim?

SERÁ QUE AINDA PENSA EM MIM?
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Faz tempo que parece que fui embora…
Será que ainda procura pelo meu bom dia para iniciar o seu
Pelas conversas sérias ou brincadeiras bobas
Pelos papos sem nexo ou silêncios complexos
Pelas brigas tolas, pelos abraços na pontinha dos pés…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Consegue enxergar meus olhos, meu sorriso
Minha alegria contagiante ou energia exagerada
Meu jeito desafinado de cantar, sensual de dançar
Profundo de escrever, agitado de andar
Sincero de dizer “amo você para sempre”…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Do meu jeito único de me vestir ou maquiar
Do meu perfume, dos meus cabelos revoltos,
Dos vestidos rodados, das roupas de ginástica
Do jeitinho acelerado de tudo fazer
Da maneira de rir de suas rabugices…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Ainda bem que não me deixou ir…
Mesmo que não queira você mora em mim
E eu morarei dentro de você para sempre…
Alda M S Santos

Histórias

HISTÓRIAS

Onde moram as histórias?

Numa praça em uma cidade centenária,

Numa obra de arte, numa música,

Numa fonte luminosa, num rio corrente,

Numa escultura, num livro, num poema,

Numa estrada, num caminho tantas vezes trilhado?

Parece que sim! Mas não!

As histórias moram dentro das pessoas!

Pessoas que as criaram,

Que as escreveram, que as viveram.

Esses espaços, objetos e ambientes,

É que têm o poder de ativar as lembranças, boas ou ruins.

Ao olhar para qualquer um deles,

Algo desperta dentro da gente.

Somos recheados de histórias, de saudades,

De desejo de reviver, de nostalgia…

Nós somos a história!

Alda M S Santos

Nossas casas

NOSSAS CASAS

Casas trazem em si as marcas dos que ali viveram

Uma foto antiga dos patriarcas na parede

Um assoalho surrado, uma porta gasta e encerada pela gordura da pele

Marcos das portas com linhas sinalizando alturas medidas ali

Uma toalha de crochê antiga na mesa

Batentes de janelas escritos a canivete sob o tom cinzento do fumo

Um crucifixo sobre um oratório com Nossa Senhora e uma vela acesa 

Uma Bíblia sempre aberta nos Salmos  

Uma gangorra que já muitos balançou

Numa árvore centenária muito querida

Caixas antigas com fotos e cartas amareladas

Um livro com uma rosa especial desidratada entre as páginas…

Somos uma casa de muitas moradas

Infinitas marcas trazemos em nós

A começar com o rosto sulcado de rugas 

Quantas histórias, quanta vida! 

Valorizemos as marcas deixadas em nossa “casa”.

Alda M S Santos

Camadas de nós

CAMADAS DE NÓS
Peles sobre peles, pelos sobre pelos,
O barro que esconde o brilho do ouro,

Ou do poder da garrafa de Aladim,

Os resíduos que recobrem a pedra não lapidada,

A poeira que se aloja na madeira de lei,

As lembranças que uma casa antiga carrega,

A química escura que gruda na prataria,

Os líquens que vivem nos troncos das árvores,

As camadas de tecidos que recobrem nossa pele

A fuligem que adere a todo ser vivente, ou não.

As camadas de emoções que escondem outras emoções…

São necessárias, são proteção, são autodefesa,

Uma vez retiradas, cuidadosamente, no tempo certo,

Tudo volta a brilhar….

Alda M S Santos

Janela de madeira 

JANELA DE MADEIRA

Na rua, uma casa simples

Na casa simples, uma janela de madeira,

Debruçada na janela de madeira, 

Uma pessoa a olhar a rua,

Onde passam muitas pessoas,

Quase todas queridas e aparentadas,

Que cumprimentam com um aceno, algumas palavras,

Muitas vezes, entram para tomar uma xícara de café recém-coado,

Comer uma bolacha ou uma quitanda.

E a vida transcorre simples, tranquila, feliz…

Até que alguém se vai…

E as saudades passam a apertar o peito de quem se foi, 

E a entristecer os olhos de quem ficou, 

A olhar pela janela de madeira…

Alda M S Santos

Quando a saudade bater 

QUANDO A SAUDADE BATER

Quando a saudade bater, não se deixe abater!

Busque consolo naquela foto bonita e de sorriso feliz.

Quando a saudade bater, 

Busque abrigo nas lembranças de uma boa prosa.

Quando a saudade bater,

Busque acolhimento na memória daquele abraço quente e macio.

Quando a saudade bater, 

Busque aquela refeição saborosa que partilharam

Quando a saudade bater,

Busque ouvir a música que os marcou. 

Quando a saudade bater, faça tudo isso…

Mas quando a saudade bater,

Pra não se abater,

Bom mesmo é ouvir a voz, sentir o cheiro,

Admirar o sorriso, abraçar apertado, tocar as mãos,

Conversar muito, afastar qualquer mal estar, 

Sorrir junto, estar junto…

Há coisas que só a presença 

É capaz de resolver…

Vamos lá?

Alda M S Santos

Se um dia eu me perder

SE UM DIA EU ME PERDER

Se um dia eu me perder 

Procure-me onde haja muito verde, muita mata, ar puro,

Se um dia eu me perder

Procure-me onde as águas sejam límpidas a refletir o céu,

Se um dia eu me perder

Procure-me num roseiral, em meio às borboletas azuis,

Se um dia eu me perder

Procure-me na alegria inocente de um grupo de crianças,

Se um dia eu me perder

Procure-me nos grãos de areia da praia ao pôr do sol,

Se um dia eu me perder,

E ainda assim não me encontrar,

Não busque em mim, olhe dentro de você, 

Se me procuras, é porque me amou,

Se me amou de verdade, eu também te amei,

Certamente uma parte bonita de mim estará gravada em você, 

Uma parte grande de você estará presa em mim, 

E poderá levar-me a me encontrar…em você, em mim,

Comigo, com você! 

Se um dia eu me perder de mim…

Alda M S Santos

A criança que eu fui (sou?)

A CRIANÇA QUE EU FUI (SOU?)

Flashs de um tempo passado

Com cheiro de suor, de pega-pega na rua,

Com sabor de bala Jujuba e som das cantigas de roda,

Curta duração dos dias que pareciam longos,

De amigos para sempre e brincadeiras na enxurrada, 

De joelhos esfolados e brigas “de mal pra sempre”, que duravam 2 horas…

“Caindo no Poço” e nosso bem,

Ao sabor de pera, uva ou maçã,  

Sempre nos tirando de lá…

Sempre…

Namoradinhos de mãos dadas, amigos de pacto de sangue…

De bem com o corpo e livre das armadilhas da mente…

Bom lembrar da infância,

Melhor ainda é ser uma criança de qualquer idade…

Alda M S Santos

Vestida para matar

VESTIDA PARA MATAR
Acordou, levantou-se, tirou trajes de dormir, banhou-se
Lavou pensamentos negativos
Deixou ir pelo ralo o medo e a covardia
Esfregou-se com a bucha da coragem e ânimo
Aqueceu sua pele do desejo de amar e vencer
Vestiu o mais lindo sorriso no rosto
Cobriu o corpo da estampa mais leve
Calçou sandálias macias para acompanhar qualquer passo
Maquiou-se com o amor que trazia no peito
Pendurou no pescoço o amuleto da esperança
Perfumou-se de lembranças doces
Encheu a boca de palavras de encorajamento e fé.
Ao vestir-se para matar, percebeu que queria viver,
Na terra, no ar, em jardins, em qualquer lugar…
E queria trazer vida a todos!
Alda M S Santos

No parque

NO PARQUE
Descem de mãos dadas aos gritos no tobogã
Um tiro ao alvo certeiro, ursinho conquistado, um beijinho recebido
Aquele abraço juntinho na roda-gigante
O frio na barriga no balanço
Gargalhadas no carrossel,
Uma lambida para desgrudar o algodão-doce da bochecha,
Uma pipoca doce roubada e compartilhada,
Tranquilidade na paz do por-do-sol no pedalinho,
Uma foto apertadinhos no lambe-lambe.
A volta pra casa no quadro da bicicleta.
Amor de domingo, amor antigo,
Amor dos sonhos…
Alda M S Santos

Como saber?

COMO SABER?
Vidas que caminharam juntas, em paralelas, se entrelaçaram.
Como saber significados que deixaram uma para a outra?
Como saber a importância que tiveram entre si?
Basta olhar o que ficou em cada uma delas, o que foi deixado no outro.
Vidas que se tocam, se amam, não se entrelaçam, e se vão, sem deixar sua marca.
Fica um jeito de ser do outro, um sorriso, um carinho, um conselho, uma palavra, uma lembrança…
Algo de pessoas que se amaram ficará sempre impregnado uma na outra, como um perfume suave…
Mas o melhor jeito de saber a importância que tiveram,
É a capacidade de se fazerem presentes, sempre, de alguma forma, principalmente nas adversidades,
Guardadinhas no coração…
Alda M S Santos

FOTOGRAFIAS

Uma foto, uma longa história escrita ali!
Sem textos, palavras ou letras quaisquer.
A vida numa imagem, acrescida da imaginação.
Real ou fictícia, sempre emocionante!
Umas falam, outras gritam, outras ainda sussurram.
Todas dizem algo, ativam algo, despertam algo,
Sorrisos, lágrimas, lamentos, saudades, alegrias…
Criam/recriam uma nova história no coração de quem as “lê”.
Eternas…
Inclusive aquelas “reveladas” apenas em nossas mentes.
Alda M S Santos

Cheiro de Amor

CHEIRO DE AMOR
Olfato cria lembranças marcantes e eternas
Mais que qualquer outro sentido
Cheiro de mãe, cheiro de colo, de casa de vó,
De infância, de escola, de domingo, de Natal,
Cheiro de praia, de roça, de rio, de mata,
De namoro, de amigos, de filhos,
De abraços quentinhos, de cheiro no cangote,
De beijos molhados de chuva, de suor…
De muitos cheiros se faz minha memória.
Um único comum a todos:
Cheiro de amor.
Alda M S Santos

Marcas impressas

MARCAS IMPRESSAS

Sempre vemos algo que dizemos: isso me lembra fulano…

Pode ser o jeito de sorrir, de jogar o cabelo

O modo de andar, de se vestir

A delicadeza das atitudes, o abraço, o beijo,

A voz, as palavras doces,

A fisionomia sisuda, o mau humor, a ansiedade.

A atenção, o carinho, a preocupação, 

A criatividade, a intensidade, as bochechas coradas

A animação ou desânimo, o jeito lento ou acelerado.

O modo de dançar, cantar ou encantar,

A fé, a coragem, a força de vontade, 

O perfume, o olhar, o batom rosa, a barba por fazer, aquela bebida…

Quais serão as marcas que deixamos impressas por aí?

Podem ser infinitas! 

Preferiríamos que fossem apenas as agradáveis!

Caminhemos com esse intuito!

Alda M S Santos

Apenas um pouquinho de afeto

APENAS UM POUQUINHO DE AFETO
Repetidas vezes pergunta meu nome completo. Eu respondo. E recita o seu.
Sento-me ao seu lado, seguro suas mãos, faço carinho.
E completa: “Nascida a 22 de março de 1922. Tenho 90 e muitos anos.”
“Você sabe quem descobriu o Brasil? Pedro Álvares Cabral em 22 de abril de 1500.”
“Tem que decorar, senão a professora briga e a mãe bate.”
“Cadê o banheiro? Não posso fazer xixi na calçola. Você me leva?”
“Que dia é hoje? Ah! Amanhã é domingo, dia de Jesus! Gosto de Jesus, nascido em Belém da Judéia, crescido e criado em Nazaré, por isso era chamado de Jesus Nazareno.”
“Aprendi na escola dominical. Ah, domingo é quando meus filhos vêm me ver.”
“Faz muito tempo que não aparecem. Que dia é hoje? A gente não pode obrigar, né?”
“Você é baiana? Chapéu de Maria Bonita. Parece baiana. Eu sou baiana, mas me trouxeram para cá. Mãos macias, eu gosto das suas mãos.”
“Meu marido voltou para lá. Será que levou meus filhos embora também?”
“Você tem mãe? Eu tinha! E tem filhos? Traz seus filhos aqui.”
“Vamos cantar música de louvor? Eu gosto, senão fico brava.”
E ela fala sem parar com poucas interferências minhas, exceto o carinho.
Cantamos Maria de Nazaré. Voz forte. Diz que cantou no coral da igreja. Sabe a música de cabo a rabo.
Levanto-me, sento ao lado de um senhor e começo a conversar com ele.
“Senta aqui! Você estava aqui! Fica perto de mim.”
Ao que ele responde: “Baiana, ela agora é minha, tem que dividir!”
Ela se cala e fica emburrada. Jogo beijos. Faz beicinho.
Deixo uma mão com ele, levanto, vou lá e a aperto.
São crianças brigando por um pouquinho de afeto.
Apenas um pouquinho de amor…
Alda M S Santos

Memórias

MEMÓRIAS
“Fomos Garotas de Copacabana. Viu como eu era bonita? Igual você!”
Ela ajeitava seus lençóis o tempo todo. O espaço que era só seu.
Foto acima da cama, com nome, data de nascimento: 20/09/1930.
Um pequeno armário com o crucifixo pendurado, poucos pertences e fotos, muitas fotos.
Todas espalhadas na cama. Mostrava e contava sua história.
“Minha irmã morreu no Rio. Não tenho mais pra onde ir.”
Toda uma vida, memórias registradas ali em preto e branco, em cores.
Uma Bíblia, um livro do Pe Marcelo, todos inchados de fotos, cartões de aniversário, cartas, envelopes…
“Para marcar onde li e pra Jesus proteger. Jesus protege, sabia? Está com minha irmã! ”
Sim, e conosco também!- respondi.
“O meu coração é só de Jesus. A minha alegria é a Santa Cruz.”
Cantava e me pedia para acompanhar. A companheira ranzinza do quarto reclamou.
“Vamos parar! Ela dá chinelada na gente”.
Fui lentamente até ela. Expulsou-me. Insisti. Devagar. Deixei, voltei.
No final, coloquei a faixa de Miss Guerreira, abracei a ranzinza, beijei suas bochechas, sorriu, ganhei um “obrigada, vai com Deus”!
Deixei-as com suas histórias em papel, poucos objetos e memórias, muitas se apagando.
E fui embora com as minhas.
Farão parte de minha história a partir de hoje.
Alda M S Santos

Marcado a ferro

MARCADO A FERRO

Estava de camiseta estilo nadador

Ombros e braços à mostra,

Uma bela tatuagem de uma garota de longos cabelos nas costas

E um nome que não pude ver.

Malhava no aparelho ao lado do meu

“Nem precisa registrar assim, não é?”

O quê?

“A tatoo. É minha garota!”- disse aquele senhor mais velho.

Há outros tipos de registros, concordei.

 “As pessoas escrevem suas histórias em nós de diversas formas”. – disse sorrindo.

Certamente! Umas escrevem a lápis, logo se apaga e não deixam marcas.

Outras escrevem à caneta, demora um pouco mais, mas também desmancham e deixam algumas marcas.

“E há aquelas que registram a ferro. Nunca mais conseguimos apagar”- ele completou.

Sim. Ficam impregnadas em nós. Registradas na pele, no coração e na alma. Nem que a gente queira consegue extirpar.

“É o caso dessa garota, minha filha, nem precisaria estar nas minhas costas. Ela se foi, mas está registrada a fundo lá dentro”.

Todos temos histórias registradas em nós!

“Você tem a pele limpa, mas certamente tem muitas histórias marcadas a ferro”.

Todos nós, senhor! Todos nós!

Alda M S Santos

Lobotomia 

LOBOTOMIA

“Por que a gente fica velha e lembra só de coisas que machucam o peito da gente?” -Perguntou-me uma idosa, lágrimas a escorrer no rosto enrugado, olhos cheios de histórias! 

Pessoas jovens também, querida! Precisamos levar a mente a pensar nas coisas boas que todos temos, respondi. 

“Mas até coisas boas ferem o coração, porque não existem mais”. 

Sei que não é fácil, mas a mente é flexível, precisamos levá-la para bons lugares. Curtir a saudade boa. Interagir com as companheiras, participar mais, digo.

“Quero não, perdi o gosto, estou aqui esperando pra morrer e sozinha. Queria fazer aquela operação que apaga o cérebro da gente, como chama mesmo”.?

Lobotomia?

“Essa mesmo! Aí a gente não sofre, apaga o que dói!”

Eu a abracei e brinquei: gosta de abraço? Não gosta de cantar? Vamos cantar? Se fizer lobotomia irá esquecer os abraços, as músicas! 

Ela riu e disse: “vou tentar lembrar do que é bom! Quando você volta? 

Quantos de nós não temos vontade de “apagar” em nós o que nos machuca?

O risco é apagar o que há de bom também!  

Melhor mesmo é conviver com nossas dores, nossos amores, nossas amizades, nossos atropelos.

E tentar produzir mais sorrisos que lágrimas, equilibrando a balança. 

Alda M S Santos

Além do horizonte

ALÉM DO HORIZONTE

Os anos passam, a tecnologia avança, as pessoas crescem

A medicina evolui, o amor e o romantismo se transformam…

Todos para melhor, certo? Há sérias controvérsias!

No que tange ao amor e ao romantismo houve transformações

Mas, para melhor? Analisemos!

Basta uma simples “apreciação” nos nomes pensados para atrair

Entre “bondes”, “gaiolas” “popozudas”, “safadões”, “créus”,

“Fogosas” e “quebra-barracos”

Ainda podemos encontrar “letras” que atingem fundo:

“Meu p. te ama”, “piranha recalcada”, “late, que eu to passando,”,

“Um otário para bancar”, “encaixa nela”…

Todas dessa estirpe!

Como diria o “ultrapassado” Roberto Carlos, são muitas emoções.

Como ficam o amor e o romantismo, a sedução, o namoro no portão?

A conquista, o dar-se as mãos, as poesias num cartão, as rosas?

“Aquelas rosas que não falam, mas exalam o perfume que roubam de ti”?

São as mesmas as “amadas amantes” de hoje?

Prefiro um amor velhinho e ultrapassado

“Esse amor demais antigo, Amor demais amigo, Que de tanto amor viveu”

Mesmo os amores não vividos eram lindos, poesia pura!

“Tentei deixar de amar, não consegui/Se alguma vez você pensar em mim

Não se esqueça de lembrar/Que eu nunca te esqueci”.

Alguém aí entendido de “bondes”, pode me informar

Onde passa o próximo com destino ao passado?

Vou a “120, 150, 200km por hora”…

“Além do horizonte deve ter algum lugar bonito pra viver em paz”

“Não deixo marcas no caminho pra não saber voltar”…

Alda M S Santos

Backup de nós

BACKUP DE NÓS

Assistindo ao filme “Diário de uma Paixão”

Reflito sobre a fragilidade de nossa existência.

Independente do tempo que vivemos por aqui,

Todos acumulamos muitos dados, muitas memórias.

Possuímos um disco rígido muito potente: o cérebro.

Assim como os computadores com seus HDs.

Como eles, também somos uma “máquina”.

Com o tempo, também podemos apresentar defeitos, avarias.

O HD pode não abrir, não permitir acesso, travar, deletar alguns dados, ou apagar de vez.

Todo especialista da informática aconselha: manter vários backups atualizados.

O mesmo vale para o nosso HD central.

E o fazemos sem perceber de um modo muito especial.

Em cada pessoa que convivemos vamos deixando arquivos

“Salvamos” nelas um pouco de nós: pais, filhos, cônjuge,

Amigos, amores, colegas, vizinhos, até em nossos desafetos

Em todos eles fazemos um pequeno backup de nós

Se um dia nosso HD vier a falhar podemos ser neles “restaurados”

Se ele se apagar de vez, nossa história estará registrada

Em todos aqueles que amamos, que nos amaram.

Devemos cuidar para fazer backups primorosos.

Voltando ao filme: vale a pena assistir.

Uma linda história de amor e backups!

Alda M S Santos

Please, dont’go!

PLEASE, DONT’GO

Bastaria uma análise preliminar

Para percebermos quantas pessoas perdemos ao longo da vida. 

Muitas se foram de nosso convívio…

Independente do motivo, fizeram falta.

Pessoas importantíssimas:

Um amigo da infância, 

Do amanhecer ao anoitecer.

Amigos/irmãos da adolescência,

Que aturavam nossas paixonites e segredos.

Colegas de faculdade, namorados grudados.

Amigos de todas as horas.

Pais, irmãos, cônjuge, filhos, familiares…

Quantos foram?

Imaginávamos o afastamento?

Que um dia não contaríamos mais com eles? 

Se tivéssemos pedido, teriam ficado? 

Quisera poder revisitá-los.

E aqueles ao nosso redor hoje?

Por quanto tempo ficarão? 

Ou também se perderão no tempo, nas lembranças? 

Qual a finalidade de cada um deles? 

Será que já vêm com tempo pré-estabelecido? 

Ou se pedíssemos,

Please, dont’go!

Eles ficariam?

Alda M S Santos

Quanto tempo?

QUANTO TEMPO? 

Em menos de duas horas ela arruma suas coisas …

Doa materiais, joga fora o descartável

Separa para si o inseparável

Quanto tempo leva para se desfazer de uma vida?

Muitas lembranças…

Uma vida inteira ali

Muitos amigos, colegas

Abraços, carinhos, sorrisos, desavenças

Tudo parece impregnado em suas células

 Seu lugar já foi ocupado

Brinca ao sentar no colo de sua substituta

“Você fará muita falta!”- dizem. 

“Tem você em cada cantinho daqui”.

“Lembrarei de você para sempre”. 

Será? Promessas já foram dívidas

Hoje, quase sempre, são palavras ao vento

Foram 27 anos ali. 

Quanto tempo leva para sermos apagados de vez? 

Quanto tempo leva para a rotatividade nos levar para longe?

Quanto tempo leva para esquecer?

A vida segue…

Mas ela sabe e responde por si: 

Nem todo o tempo do mundo! 

Dentro dela nada jamais se apaga.

Alda M S Santos

Espectros

ESPECTROS

Sempre fiquei encabulada com as pessoas idosas que vão perdendo a memória. 

Entre os muitos males que acometem os mais velhos, o que mais me intriga e amedronta é a perda da lucidez, da memória recente.

Meu avô, no final da vida, não se lembrava dos filhos, chamava minha mãe pelo meu nome, misturava dados importantes.

Nosso cérebro é ainda um mistério para a Ciência.

O que faz com que algo de nosso passado distante esteja nítido e algo dos últimos anos se apague? 

Será que “escolhemos”, inconscientemente, o que lembrar? 

Será que o que fica é a melhor parte, o que mais nos marcou ou o que não causa dor? 

Se fosse possível realmente escolher, quais momentos gostaríamos de eternizar em nós? 

Há realmente algo que desejemos apagar sem nos descaracterizar?

Ainda que estejamos marcados nas vidas daqueles que amamos, que convivemos, acho cruel essa perda das lembranças. 

Penso que ao se extraí-las, vão nos apagando aos poucos, viramos um espectro de nós mesmos. 

Pior que isso, só sermos apagados da mente daqueles que amamos. 

Exceto se morrermos cedo, certamente não estaremos incólumes! 

É consenso que ninguém quer perder nada.

Porém, sei que há dissenso, mas, a ter que perder algo, opto em manter minha mente, minha lucidez, minhas memórias.

 E, se possível, minha visão, para ler e escrever. 

Ah! Esqueci que não nos cabe escolher…

Alda M S Santos

Lembranças

LEMBRANÇAS

Muitas lembranças são associativas, quer dizer, nos remetem a algo ou alguém.

E isso as torna mais fortes, prazerosas e duradouras.

Aquela música suave ou dançante e letra tocante, 

O perfume que traz nítida à mente a pessoa ou situação,

Pés e pernas entrelaçados na areia,

Namoro e amassos na varanda,

O cheiro de bolo no forno, de churrasco no domingo, 

Cabelos esvoaçantes, um andar seguro, 

Um olhar penetrante, um estilo de ser e vestir…

Uma voz mais calma, um jeito rebelde e meio cri cri, o raciocínio rápido,

O sorriso contagiante, sincero e cativante,

Um filme com pipoca no sofá da sala, um livro na rede, poemas românticos,

Um bate papo demorado no portão,

Aquela pracinha, um sorvete ou açaí, uma carona, um beijo soprado

O último pedaço de pizza, a bala de hortelã passada num beijo,

A cerveja gelada e espumando, a coca com limão,

Um mingau de fubá com queijo, chá de capim cidreira, chuva no telhado, 

A leveza e o prazer de uma taça de vinho ou champagne,

Mensagens e SMS de carinho e cuidado,

Um abraço na pontinha dos pés que aperta o corpo e o coração…

Cada coisa nos remete a alguém…

Lembranças se associam às pessoas que foram importantes. 

Memórias que veem à tela da mente a qualquer hora e se fazem saudosas e eternas…

Alda M S Santos

Marcas de praia

MARCAS DE PRAIA

E a viagem acabou…

Será? O que restou?

Trazemos mais que marquinhas de biquíni no corpo,

Mais que uma pele dourada ou cabelos rebeldes,

Mais que fotos maravilhosas e sorridentes,

Mais que uma concha, tattoo ou souvenir,

Muito mais do que se pode ver.

Vai além do que está aparente.

Trazemos marcas impressas na alma,

Energia renovada, lembranças boas,

Carinho de um povo interessante e lutador,

Uma cultura diferenciada, lugares lindos.

Tudo isso vira massa a se moldar dentro de nós.

E o que ela se tornará só depende de nós mesmos,

Da combinação do que já somos com o que recebemos.

Nunca voltamos os mesmos de uma viagem.

Felizmente!

Alda M S Santos

Memórias

MEMÓRIAS

Memórias são lufadas de ar que ventilam nossos dias

Impedindo a asfixia em alguns momentos 

São gotas de energia a irrigar nossa emoção

Com sorrisos ou lágrimas 

São páginas amareladas de nosso viver 

Capítulos revisitados, reescritos

São combustível que mantêm girando o motor da vida

Chegam quando querem, invadem, alegram, 

E se vão…deixando saudades…

Assim, continuamos a produzir nossa história,

Novas memórias…

Alda M S Santos

Memórias

MEMÓRIAS 

Somos uma caixinha de memórias e lembranças

Todas bem guardadinhas!

Há uma certa ordem nessa arrumação.

A cada vez que uma delas é lembrada e revivida, ela fica por cima, na superfície.

Como numa busca virtual, mais fácil de ser acionada.

Aquelas que quase nunca mexemos ficam lá no fundo, últimas.

Quanto mais se mexe, mais se lembra.

Quanto mais se lembra, mais se vive. 

Daí a importância de lembrarmos das coisas boas.

Momentos de alegria e vitórias,

Lembranças de amor e prazer,

Períodos de amizade e carinho…

Instantes de abraços apertados e sorrisos falantes…

E estaremos formando novas boas lembranças.

Deixando as dores, medos e traumas submergirem.

Quando assustarmos, as coisas negativas quase não virão à tona.

Estarão no fim da busca, no fundo da caixa,

Sufocadas pelo poder da alegria e do amor. 

Um domingo frio, neblina, amor e cobertor,

Um sábado de sol, clube e amigos 

Ou uma segunda-feira de cansaço, risadas e trabalho,

Se tornarão deliciosas rotinas reais e da memória.

Se a busca na caixinha for feita com alguém que se ama, mais rica ela será.

Alguma lembrança boa?

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: