Busca

Tag

Preteridos?

PRETERIDOS?

Aquelas vezes que nos entristecemos, nos rebelamos

Por termos sido preteridos em algo

Quando alguém ganhou o que achamos que deveria ser nosso

Quando parece que fomos “roubados”

O emprego que não pôde ser nosso

O concurso em que não classificamos

O sorteio que não nos contemplou

O namorado que preferiu seguir outra

Aquele amigo que escolheu outros amigos

A família que nem sempre compreende nossos anseios

Os filhos que têm seus próprios caminhos e não precisam mais de nós

O amor que decidiu não amar mais…

Parece que o mundo fica contra nós

Que a roda gira na contramão

Que sempre alguém ganha e a gente só perde…

Mas se olharmos bem todas as vezes que nos julgamos preteridos

Veremos que foi, na verdade, uma proteção, um cuidado divino para conosco

A amizade não era sincera, o emprego traria inimizades

O namorado era pura mentira e ilusão

O amor não era suficientemente forte e verdadeiro

O concurso nos afastaria de quem amamos…

É Deus nos protegendo e amparando

Recolhendo os brinquedos perigosos que poderiam nos derrubar

Regulando as “doçuras” para proteger a saúde

Como um pai que tapa as tomadas para o filho não levar choque…

E, se insistimos, acabamos por nos arrepender ou ficarmos com dívidas eternas

Que talvez nem tenhamos cacife para pagar.

Confiemos em quem sabe tudo de nós e nos ampara

Como a toda criatura, por menor e mais insignificante que pareça…

Preteridos, não, protegidos!

Alda M S Santos

Amor desperdiçado?

AMOR DESPERDIÇADO?

“Tanto amei a quem não foi digno de amor”

“Tanto fiz e me dediquei a quem não valia tal grandeza”

“Joguei pérolas aos porcos”

Quantas vezes nos sentimos assim?

Lamentamos o amor, a amizade, o carinho doado

A quem não soube aproveitar

A quem fez pouco caso do recebido

A quem não valorizou atitudes de desprendimento ou sacrifício

A quem não foi leal à entrega e bondade

A quem traiu nossa confiança e dedicação

Será que realmente perdemos por doar?

Olhemos para Ele!

Será que se arrepende de tanto amor doado a quem não fez por merecer?

Temos sido dignos de tamanha grandeza e pureza de amor?

Quem somos nós para reclamar amor doado, não valorizado?

Uma coisa é certa: quem doa amor nunca perde

Nunca!

Quem não sabe receber tem muito a aprender…

Alda M S Santos

Um círculo

UM CÍRCULO

Histórias que se cruzaram há 4 anos

Primeiro os casais, logo suas famílias

Encontros de estudos, de conversas

De trocas de experiências, de histórias de vida…

Uns mais tímidos, mais contidos, outros mais extrovertidos

Uns mais sérios, outros brincalhões

Tão diferentes entre si quanto as pessoas podem ser

Tão semelhantes na humanidade, na fé em Deus

Diversos e iguais na condição de casais, de famílias

Sempre dispostos a ajudar, a estender a mão

Juntos pelo prazer da partilha, de socializar alegrias e dificuldades

A aprender, a tomar para si um problema do outro

Nas famílias que crescem e se renovam, nas orações partilhadas

Somos um círculo da família ECC

Acham que foi por acaso?

Somos Aliança Renovada!

Muito prazer! Amo estar com vocês!

Alda M S Santos

Somos filhos do mesmo Pai?

SOMOS FILHOS DO MESMO PAI?

“En que mundo vives? Fe en esto? Anda ya…”

Fui questionada num blog ao defender a fé em Deus.

Caminhando numa avenida movimentada, observando tudo a minha volta, lembrei-me disso.

Armava uma chuva forte, céu escuro, ventos fortes.

Um ser humano “qualquer” estava enrolado nos lençóis sob uma marquise.

Uma madame desceu de um carro com seu cachorrinho no colo todo agasalhado.

Vendedores de guarda-chuvas gritavam seu produto.

Ambulantes de ocasião, ofereciam seus serviços.

Em carros escuros e com ar condicionado executivos negociavam nos tablets e nos arranha-céus.

Num ponto de coletivos pessoas se espremiam pra caber num ônibus já lotado.

Um táxi embarcava um único passageiro.

Vários homens de terno e sapatos finos passavam sem ver outros de bermudas e chinelos.

Um casal de pedintes fumava e namorava num cantinho.

Na porta do hospital um médico com roupa verde de bloco cirúrgico tomava um suco no carrinho de lanches.

Na recepção do pronto socorro público cada semblante mais carregado de dor que o outro.

Crianças vestidas de adultas eram levadas por babás em seus carros de luxo.

Outras, quase nuas, esmolavam junto às mães debaixo de uma árvore.

Um senhor velhinho, tal qual caracol, sentado sob seus cobertores e apetrechos, carregava “sua casa”.

Outro juntava todos os lixos que recolhia num carrinho para vender.

Um casal idoso, de mãos dadas, apoiava um ao outro em suas bengalas e limitações.

Um “louco” deitado num canto falava coisas desconexas sobre a guerra das ruas.

Alguns riam, outros ignoravam.

Fiquei olhando um tempo e ele disse: “porque tá chorando, moça bonita?”

Sequer percebi que chorava…

“Vai passar, sou assim mesmo”- respondi sorrindo.

“Vá com Deus, e sorria, menina”!

Tanta desigualdade! Será que somos mesmo todos filhos do mesmo Pai?

O quanto será que cada um ali já lutou nessa vida?

Respondo à pergunta que me foi feita:

“É nesse mundo que vivo!”

Mesmo as pessoas mais desvalidas têm fé!

Sem ela não somos nada nem ninguém!

Segui meu caminho, entrei num hospital público para consulta.

A chuva já caía…mas eu já estava molhada mesmo…

Alda M S Santos

Qual a questão?

QUAL A QUESTÃO?

Não é uma questão de vencer a qualquer custo

É uma questão de saber quais “armas” são válidas

Não é uma questão de ter a quem culpar

É uma questão de assumir as próprias responsabilidades

Não é uma questão de vencer ou perder

É uma questão de ficar bem consigo mesmo numa ou noutra situação

Não é uma questão de quem vive ou quem morre

Por quem se vive ou por quem se morre

É uma questão de vida e morte para todos

É uma questão de porquê se vive e porquê se morre

Mas, principalmente, de como se vive ou como se morre

Pois não há quem vença sempre

Não há tampouco quem viva para sempre…

Em cada vitória trazemos uma derrota acoplada

Em cada derrota há sempre algo de positivo e vitorioso a considerar

É tudo uma questão de ir aprendendo a viver

Enquanto houver vida, amor, esperança e confiança…

Alda M S Santos

Amor infinito

AMOR INFINITO

Do alto tudo parece mais claro, mais nítido

Que será que Ele vê daqui todo o tempo?

Riqueza e miséria, fartura e carência, falta e desperdício

Violência e delicadezas, amor e ódio

Um povo sofrido e lutador

Uma nação maltratada por alguns

A fé e coragem para prosseguir de muitos

Uma parte desanimada quase jogando a toalha

Aqueles que resistem e insistem no bem

Os que estão iludidos por alguém

Uma batalha sem fim para alcançar as alturas

Que Ele vê?

Daqui tento em minha pequenez

Enxergar com “Seu” olhar

E vejo Seus braços abertos em cruz

Na maravilha simbólica do Cristo Redentor

Vejo amor grandioso e esperança

Ele nos vê e nos ampara de toda parte

Reflito comigo na Sua bondade de pai

O que eu vi não é nem um milésimo do que Ele sente por nós…

Há esperança!

Que possamos sentir sua Luz, seu Amor, sua Proteção…

Alda M S Santos

Sempre comigo

SEMPRE COMIGO

Vontade de te falar sobre todas as coisas que se passam comigo

Dividir contigo meus medos, minhas angústias

Saudade de te contar minhas vitórias, as boas caminhadas

Partilhar aqueles tropeções, machucados, feridas abertas

Sinto falta de ouvir seus conselhos calados

Ou que vêm pelas palavras ou ações dos outros

Quero contar como tenho vivido, o que tem acontecido comigo e com os meus

Sinto falta da sua presença!

Fecho os olhos, de joelhos, faço uma oração

Recordo-me que assim te trago para dentro de mim

E, novamente, te noto perto, sinto sua presença

E te conto tudo…

Lembro-me que a necessidade de contar é minha

Você já sabe tudo de mim, melhor do que eu, mas me ouve

Conhece tudo, tudo, minhas capacidades e limitações

Erros e acertos, e me ampara…

Apenas agradeço e faço um único pedido:

Meu Deus, esteja sempre comigo!

Alda M S Santos

Presente

PRESENTE

“Abre bem as portas do seu coração

E deixe a luz do céu entrar…”

A harmonia é conquistada no dia a dia

Na fé e na esperança que se demonstra

No carinho compartilhado, nas bênçãos recebidas

Na capacidade de doação e entrega

No respeito mútuo e na aceitação do que somos, do que temos

Deus nos presenteia todo o tempo

Muitas vezes com o mesmo presente, que tantas vezes desconhecemos

Vamos abrir nosso embrulho diariamente

Nossa família, nossa vida, nosso amor…

Alda M S Santos

ECC: o terceiro elemento

ECC: O TERCEIRO ELEMENTO

Não é para passar receitas, tampouco trocar figurinhas

É para possibilitar um retiro para dentro de si, para dentro do outro

É permitir reflexões, orações, um espaço para o casal

É dar-se tempo para reavaliações individuais, aos pares

É poder se colocar no lugar do parceiro

É buscar o que muitas vezes está perdido dentro de si

Em meio às tempestades do dia a dia

É, acima de tudo, abrir espaço para enxergar o terceiro elemento essencial numa relação: Jesus Cristo

Esse é o Encontro de Casais com Cristo

Que Ele esteja conosco!

Alda M S Santos

Essa força estranha

ESSA FORÇA ESTRANHA

De onde vem essa força?

A força que faz tantos carregarem um peso

Muitas vezes maior que o próprio?

De onde vem essa força

Que faz sorrir, onde tantos derramam rios de lágrimas?

De onde vem essa força

Que nasce, cresce, se espalha e se renova

E a tantos contagia, surpreende?

De onde vem essa força

Que brota em terrenos aparentemente áridos e inférteis?

De onde vem essa força

Que cresce nos vazios alheios que preenche

De onde vem essa força estranha

Se não de dentro de nós mesmos?

É sempre lá que a força está,

Sempre!

Pode estar em repouso, mas existe

Pode ser leve como uma esperança, voar, flutuar

Apenas precisa de algo que a acione

Em alguns é um sorriso, um abraço, uma família

Um trabalho prazeroso, uma mão que se estende

Uma amizade sincera, um amor incondicional

Talvez até uma grande decepção ou tristeza

Palavras de fé e estímulo, um olhar amoroso

Até mesmo por ter alguém que deles necessitem

Atividades de amor, solidariedade e compaixão, Deus…

A força está em cada um de nós

Cada qual tem algo especial que a faz mirrar ou crescer

De onde vem sua força?

Alda M S Santos

Quebra-cabeça

QUEBRA-CABEÇA

Imagino que Deus tenha diante de si um quebra-cabeças gigante

Daqueles de milhares e milhares de peças

De todas as cores, tamanhos e formatos

Que Ele vai escolhendo uma a uma, montando, encaixando com amor e cuidado junto conosco

Respeitando nossas decisões e escolhas…

Sabendo do que realmente precisamos

Ele encaixa peças importantes, disponibiliza outras, retira umas completamente fora de contexto

E nós daqui tentando encaixar o que não cabe, bagunçando tudo

Entortando peças, inutilizando umas, estragando outras

Quando nosso quebra-cabeças estiver difícil de montar

Paremos um pouco, aguardemos, respiremos fundo

Melhor colocá-lo sobre a mesa e esperar

Deixar espaço para enxergar as peças que Ele tira e coloca à nossa disposição

Ele tem a visão geral de interdependência que nós não temos

Ele sabe a peça que nos falta, a que sobra

As peças que não são do nosso tabuleiro

Que nunca se encaixarão, são de outro quebra-cabeças

Às vezes o agir consiste em parar e esperar

Aguardar a peça faltosa, abrir mão daquela que está torta

Isso é sabedoria e maturidade!

Alda M S Santos

Qual nosso limite?

QUAL NOSSO LIMITE?

Numa única vida, de um único ser

Existe um limite daquilo que ele consegue lidar, suportar

Sem se derrubar, sem pedir trégua?

Quantas causas consegue abraçar

Quantas amizades é capaz de dar atenção, tempo, cultivar

Quantos necessitados logra ajudar, se preocupar, estender a mão

Quantas lutas tem forças para travar

Quantas guerras dá conta de apaziguar

Quantas decepções e mágoas consegue abrandar sem ensandecer

A quantas pessoas está apto para amar, se entregar, se doar

Tudo isso de modo verdadeiro e intenso, sem enlouquecer

Sem detonar a si mesmo, sem deixar ninguém na mão?

Existe um estoque que vai baixando

Ou é como mina d’água que, se protegida pelas matas ciliares, jorra sem parar?

Temos matas ciliares o bastante, temos lençol freático extenso?

Qual nosso limite?

Alda M S Santos

Um dia de cada vez…

UM DIA DE CADA VEZ

Quando a felicidade estiver muito próxima da tristeza

Quando a força exigida para manter-se de pé

Estiver fragilizando ainda mais as pernas

Melhor deixar-se “cair”, reconhecer-se frágil

Talvez até impotente naquele momento

Sentar-se à beira da estrada, descansar de tantas dores e cobranças

Dos outros, de si mesmo, principalmente

Abastecer-se de fé e coragem, reconhecer-se humano

E quando a força for chegando aos poucos, se renovando

Levantar, voltar a seguir, um passo de cada vez, degrau por degrau

Lembrando do aprendizado que ficou para não cair ou derrubar novamente

Construindo pacientemente um novo caminho para si

Nem tão longo, nem tão difícil ou penoso

Abrindo os olhos para a luz que se apresenta à frente

Enxergando e vencendo apenas um dia de cada vez…

Alda M S Santos

Viver e deixar viver…

VIVER E DEIXAR VIVER…

Ser sorridente não é estar sempre disposta ou feliz

Ser amorosa não é ser tola

Ser intensa não é ser incansável

Ser amiga não é aceitar tudo

Ser responsável não é assumir falhas alheias

Ser inteligente não é ser infalível

Ser família não é ser excludente, esquecer dos outros

Ser confiante não é ser assim tão facilmente enganada, como pensam

Ter esperança, ter fé não é ser bitolada, desprovida de raciocínio

Ser amor, ter um amor, não é se anular

Ao contrário, é ver no amor do outro

Motivo para ainda mais se amar…

E se doar…

Ser mulher, humana, é encontrar a si mesma

Em todas as suas fragilidades e forças, erros e acertos

É transformar lágrimas em aprendizado

É se regalar nas alegrias, mas não negar a dor, a saudade

É sofrer se preciso for, pelo tempo necessário para se recompor

Mas nem por isso estacionar…

É usar as decepções como liga para nova construção

É ser carinho sempre, é usar a arma mais poderosa do universo:

O amor!

Aquela que só nós podemos carregar, destravar, apontar, atirar

Viver e deixar viver…

Alda M S Santos

Só tem amor quem sabe amar

SÓ TEM AMOR QUEM SABE AMAR

Missão dada, missão cumprida

Mais um ano de Encontro de Jovens com Cristo-EJC

Emoção e busca por um caminho de amor e paz, de Jesus, de Deus

Que o amor do Pai sentido tão de perto possa nos guiar sempre!

“Só tem amor quem sabe amar”…

Alda M S Santos

Parcerias

PARCERIAS

Inúmeras podem ser as parcerias

João e Maria, Romeu e Julieta

Queijo com goiabada, arroz com feijão

Bola e criança, sorvete e calor

Chocolate quente e edredom, amizade e confidência

Cinema e pipoca, Tom e Jerry

Mas nenhuma parceria é tão perfeita

Nenhuma é tão essencial

Nenhuma delas nos gera tanta alegria

Ou torna as demais “pequenas” e insatisfatórias

Quanto a parceria que temos com Ele

Feliz é quem tem a Paz de estar em Par com Deus”…

Alda M S Santos

A IGREJA QUE SOMOS

A IGREJA QUE SOMOS

Igreja não se faz sozinha

Igreja não é só templo de pedra

A igreja não são eles, não são os outros

A igreja que queremos

Somos nós que construímos

Um pouquinho Dele em cada coração

Que se alastra e se propaga para outros corações

Que incendeia com a luz do Espírito Santo, que contagia

Sem demagogia, sem hipocrisia

Com humildade e humanidade

Como nos propósitos dos jovens do EJC- Encontro de Jovens com Cristo

“Ficar mais próxima de Deus”

“Complementar meu caminho até o Pai”

“Agradecer e fazer o bem”

Todos temos nossos objetivos

E podemos escolher: participar, ajudar, não atrapalhar, ou só criticar

A igreja “melhor” do mundo

É aquela que brota em nossos corações

E nos torna melhores, cada dia mais humanos…

Alda M S Santos

Noite estrelada

NOITE ESTRELADA

Há sonhos belos como uma noite escura

Como um céu salpicado de estrelas brilhantes, reluzentes

Atraindo, despertando esperanças, expectativas

Mas, como as estrelas, “apagam-se” ao amanhecer

Seu brilho não se sustenta perante à dura realidade do dia

Assim como as estrelas se escondem

Diante do brilho intenso dos raios de sol

Muitos sonhos se escondem atrás dos medos

E covardias que tiram seu brilho

Alda M S Santos

Abusos sexuais: “as feridas nunca prescrevem”

ABUSOS SEXUAIS: “AS FERIDAS NUNCA PRESCREVEM”

Abusos de qualquer tipo contra pessoas já são terríveis

Abusos sexuais, idem, contra crianças, uma atrocidade

Vindos daqueles que deveriam protegê-las do mal

É, no mínimo, uma monstruosidade!

Vindo de pais, tios, avós, irmãos, padrastos e familiares é vergonhoso!

Vindo dos mentores da fé: padres, pastores e religiosos

Nos quais elas e familiares depositam confiança e acolhimento na dor

Tidos como representantes de Deus na terra

É desumano, aterrador, revoltante, desanimador!

Mas nunca devemos nos esquecer que as “igrejas” e as famílias

São formadas por pessoas e, como tais, passíveis de patologias graves

De maldades severas, sendo ou tornando-se desumanas!

Escandalizar-nos com isso é aceitável, é necessário, urgente

Até para cobrar posturas mais duras para coibir tais práticas

Mas generalizar não é inteligente ou benéfico!

Famílias não deixam de ser uma boa instituição porque algumas são negligentes ou maldosas.

A fé ou a igreja, sejam elas quais forem, não deixam de ser um apoio moral, de ter seu valor espiritual,

Porque nela há membros transgressores e monstruosos!

Acabar com os frutos podres, onde quer que estejam, é a atitude correta!

Como disse o Papa Francisco citando São Paulo “Se um membro sofre, todos sofrem com ele”.

Dói saber que quem deveria nos salvar de monstros podem ser os próprios monstros!

Como cristãos devemos cobrar posturas humanas e corretas não só nos lares, nas famílias, nas escolas, nos hospitais,

Mas também na igreja que frequentamos, que somos, que acreditamos

E não pecar por omissão, acobertamento ou indiferença!

A melhor igreja é aquela que carregamos no peito e ajudamos a construir…

Sem hipocrisias! O que temos feito para proteger nossos lares, nossas famílias e as famílias dos outros?

As feridas não prescrevem nunca!

Alda M S Santos

Pedras…pedreiras…pedregulhos

PEDRAS…PEDREIRAS…PEDREGULHOS

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando não me importam tanto, pequenas

Colocadas com intuito de me fazer perder tempo

Rotineiras, como um contratempo no trânsito

Não merecem muita atenção, desvio

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando atrapalham a caminhada, perturbam

Incomodam como alguém a fazer pouco de nós

Pego e jogo para longe de mim ou me afasto

Pedras no meu caminho, que fazer?

Quando impedem a passagem, grandes

Preocupantes, pesadas, difíceis de remover

Como um pesadelo reincidente e assustador

Com calma, tento escalar e transpor

Peço ajuda, uma mão amiga a me puxar

Pedras no meu caminho, que fazer?

Gigantescas, intransponíveis, como parte do ambiente

Com lascas cortantes como ingratidão ou abandono

Como uma doença incurável ou a perda de alguém

Sento na pedra, choro, reflito e oro…

Pedras no meu caminho, que fazer?

Penso em todas as vezes em que Ele nos salvou

Me salvou de outros abismos e me devolveu o chão

Agradeço, e a encaro com mais ânimo

Já não parece tão intransponível assim

Afinal, Ele sabe tudo de montanhas, escaladas

Ingratidão, abandono, amor e desamor

Pedras e “Pedros” de todos os tipos

Seres humanos…

Ele sabe de tudo e de todos!

Ele é maior que qualquer pedra, pedreira ou pedregulho!

Alda M S Santos

 

 

 

Pedro negou “só” três vezes

PEDRO NEGOU “SÓ” TRÊS VEZES

Diante de um medo profundo

Covardia, mau caráter, falha humana, fraqueza

Para cumprir o que diziam as escrituras

A razão em si não nos importamos tanto

O que ficou para todos nós foi que Pedro O negou três vezes

Diante do risco iminente de prisão e morte

Ele se acovardou, negou O amigo, O protetor

Que se encontrava em apuros

Aquele que o amou e o ensinou a amar acima de tudo

Somos tão bons para julgar!

E nós?

Quantas vezes o temos negado

Ao virar as costas a um necessitado

Ao dizer que uma criança carente é problema do governo

Ao abandonar nossos idosos ou não estender a mão, podendo fazê-lo

Ao priorizar nosso bem estar independente dos outros

Ao desistir de amigos e familiares

Ao abandonar quem em nós confiou

Quem muito de nós esperou?

Quantas vezes fugimos por medo ou covardia?

Quantas vezes seguidas mais destruímos que construímos

Nas nossas vidas e nas vidas dos outros?

Pedro negou Jesus três vezes somente

Quantas vezes O temos negligenciado em cada irmão que Ele habita?

Quantas vezes não nos misturamos na precariedade que Ele sempre encontra morada?

Afinal, somos “superiores”, já fizemos “nossa parte”

Nos salvamos. Será?

Seria menos vergonhoso se fôssemos Pedro!

Alda M S Santos

Depois do fim

DEPOIS DO FIM
Irei até aquela curva lá na frente
Com esse propósito, sigo sem parar na caminhada à beira-mar
Areia macia a afundar meus pés deixando pegadas
Sempre me lembro da parábola “Pegadas na Areia” quando o faço
Na curva, o caminho, que parecia acabar, continua…
Que há depois daqueles coqueiros?
E aquele coqueiro envergado pelo vento é meu próximo objetivo
Entro no mar, devagar, água fria na pele quente, gostoso…
Choque térmico de vida!
Fujo correndo de uma onda enorme
Umas pessoas riem, de mim ou para mim?
Não importa, retribuo e sigo até o rochedo, o coqueiro ficou para trás
As rochas disformes seriam o fim da caminhada
Subo nas pedras, as ondas ali arrebentam agitadas
Parecem querer despertar as pedras para a vida
Ajudá-las a sair dali, arrancá-las da mesmice, andar pelo mundo
Piso devagar, são cortantes e escorregadias
Sento, reflito, cair dali seria o fim, muito alto e perigoso
Quantas pessoas já pularam dali querendo ir além disso aqui?
Do outro lado o caminho continua com areia, coqueiros, rochas e curvas…
Depois do fim sempre há outro caminho
Ainda que a gente não consiga vislumbrá-lo
Olho para trás lá embaixo, minhas pegadas se apagaram
Queria tanto estar no colo Dele!
Uma brisa suave balança meus cabelos, acaricia minha pele
Sim! Ele está aqui!
Retomo meu caminho de volta, não estou só!
Alda M S Santos

Praia de Lopes Mendes-Ilha Grande- Brasil

Um dia nosso sol irá se por

UM DIA NOSSO SOL IRÁ SE POR…

Um dia nosso sol irá se por

Seu brilho descerá calmamente atrás da serra

Com cores lindas se apagando no firmamento

Um dia nosso sol irá se por

Nossos dias serão um entardecer infinito

Com ou sem arrependimentos por quem aqueceu ou deixou de aquecer

E isso não mais irá importar

Um dia nosso sol irá se por

Nossos sorrisos não iluminarão mais nossos rostos

Nossa alegria não mais irrigará nossos corações

Um dia nosso sol irá se por

Levará consigo o chiado de quando quase se afogou em nossas lágrimas

Sem expectativas de um amanhecer por aqui

Deixando um rastro de luz, vida e brilho por onde passou

Um dia nosso sol irá se por

Mas não será hoje

E quando isso acontecer, não irá doer

Não importarão as partes escuras enfrentadas

As lembranças nas sementes que fez germinar

E a luminosidade que deixou noutros corações

Serão o suficiente para nascer noutro lugar

Um dia nosso sol irá se por

Mas não será hoje…

Um dia, quando eu me apagar por aqui

Espero nascer um pouco em você, em vocês

Que me amaram e que eu um dia amei…

Alda M S Santos

Por onde a vida flui…

POR ONDE A VIDA FLUI

Uns aprendem a andar, outros a correr

Uns aprendem a cair, outros a levantar

Uns aprendem a subir, outros a descer

Uns aprendem a ir, outros a voltar

Uns aprender a descansar, outros a trabalhar

Uns aprendem a sempre seguir, leves, sem “pesos”, a nada se prendem

Sequer olham para trás, para quem porventura deixou

Ou tenha sido deixado pelo caminho…

Querem apenas chegar, sem atrasos ou contratempos

Outros aprendem que nesses vaivéns, aparentemente antagônicos,

Estão a marcha da vida, a linha do trem

Por onde a vida flui, nem sempre veloz

Nem sempre silenciosa, nem sempre fácil

Porém, mais certa da chegada, a qualquer tempo…

Alda M S Santos

Na dolorosa despedida

NA DOLOROSA DESPEDIDA…

Chegou a hora de ir, tinha medo, não se sentia pronta ainda.

-Não posso ficar mais um tempo aqui?

-Você é quem escolhe, mas sabemos que é chegada a hora.

-Tenho medo! E se eu errar, me perder, cair, te decepcionar?

-Poderá sempre recorrer a mim, poderá aprender, mudar!

-Olhando daqui tudo parece fácil, claro, tenho você, mas lá fora é assustador!

-Confie! Você é fruto do amor, aprendeu muito, é perspicaz.

-Será? E se me ferir, machucar os outros, não conseguir consertar as coisas, cair nos mesmos buracos deles?

-Olhe para dentro de si, ore, busque tudo de bom e amoroso que tem aí dentro!

-Mas você não estará lá comigo! E quando me sentir desamparada?

-Você está levando anjos preciosos contigo! Cuide deles! Deixe-se cuidar!

-Mas lá é nebuloso, há outros que nos enganam, que querem nos levar para longe de nós, de ti.

-Eu sempre estarei contigo todo o tempo, dentro de você!

-E se eu não conseguir vê-lo? Como saber?

-Procure-me naqueles que precisarem de você. Se forem do bem, você me verá neles.

-E se forem do mal não devo me demorar neles…

-Sim. Ajude até o ponto em que tenha certeza do que é certo e não corra riscos…

-E se eu quiser voltar? Se me cansar, estiver ferida, quiser colo, sentir saudades?

-Estarei aqui. Conheço sua força e seus limites. Saberei o momento de te trazer de volta!

-E vá logo, minha filha, e lembre-se: EU AMO VOCÊ!

Ela recebeu um abraço demorado, um olhar de puro amor de PAI MISERICORDIOSO, e desceu.

Alda M S Santos

Sorry!

SORRY!

Pelas vezes em que, acreditando ser útil, mais atrapalhei

Pelas vezes em que briguei e me rebelei sem motivos

Sorry!

Pelas vezes em que tentando ser forte e especial, tornei-me frágil

Por achar-me “superior”, capaz de ajudar, quando eu que precisava de ajuda

Sorry!

Pelas vezes que te culpei por não me aceitar, não cuidar de mim

Quando na verdade eu que me descuidava

Sorry!

Pelas vezes em que não reconheci que você me conhece como ninguém

Por não notar que sabe tudo de mim, que lê meus pensamentos

Sorry!

Pelas vezes em que não aceitei suas mãos estendidas

Por ter cobrado mais que de fato merecia

Sorry!

Pelas vezes em que caí e não percebi as oportunidades de crescimento

Pelas estradas escuras do caminho em que me recusei a abrir os olhos

Sorry!

Pelas vezes em que não valorizei ou cuidei tão bem daquilo tão precioso que me confiou

Por não ter percebido que se eu fraquejasse, outros fraquejariam comigo

Sorry!

Pelas vezes em que mais destruí que construí o que mais aprecia

Por não ter visto seu pedido de amor naqueles que de mim careciam

Sorry!

Por ainda, às vezes, acreditar não merecer tanto amor

Por não ter ainda entendido que me amas acima de tudo

Sorry!

Por ainda cair, por julgar seu amor de acordo com meus parâmetros humanos falhos

Por não ter notado em cada gesto, mesmo duro, uma prova de amor incondicional

Sorry!

Pelas vezes em que deixei que fosse embora de mim

Por nem sempre te buscar por estar nua, por medo ou vergonha

Sem perceber que exatamente aí que você age

Sorry!

Por ter deixado que “meu brilho” te ofuscasse para os outros

Sorry!

Obrigada!

Por nunca desistir de mim, meu Deus!

Obrigada! Eu te amo! Eu confio em ti!

Alda M S Santos

Ainda assim, é mágico

AINDA ASSIM, É MÁGICO

É mágico viver

Aspirando o verde brilhante da esperança que sempre brota

Ainda que esteja semeada no solo árido de outros corações

É mágico viver

Invadidos pelo bálsamo do amor que acalma o nosso interior

Ainda que precisemos enfrentar a acidez diária de uma alma ferida

É mágico viver

Mesmo escondidos atrás de barricadas do “tô nem aí”

Protegendo-nos de balas nada doces lançadas contra nós

É mágico viver

Colando cada pedacinho que se quebra, que matam em nós a cada decepção

Mesmo sabendo que colar não nos protegerá de novas trincas e cicatrizes

É mágico viver

Lendo os textos da vida, nossos, dos outros, tentando compreender seus contextos

Ainda que os pretextos ouvidos não se encaixem muito bem

É mágico viver

Fazendo de cada amanhecer um rio de novas oportunidades

Ainda que nosso sol se esqueça de brilhar e as sombras sejam assustadoras

É mágico viver

Buscando pintar no rosto e na alma uma história colorida, bonita e encantadora

Ainda que em nossa paleta falte cores primárias

E precisemos criar e ousar…

É mágico viver

Corajosamente, sabendo que a única certeza que temos é do morrer

E sendo, por isso mesmo, grandes palhaços do viver…

Ainda assim, é mágico viver!

Alda M S Santos

Erro de Deus?

ERRO DE DEUS?

“Se há algo que Deus errou ao criar o mundo foi tê-lo entregue à “administração” masculina.”

A vendedora ambulante me dizia quando fui comprar toucas de lã e meias de cano longo.

Afirmou que quase não vendiam por serem usadas com botas e homens não queriam saber de trabalhar.

Falei que precisaria das meias longas, pois seriam brindes para a Festa Junina dos idosos dos asilos que meu grupo ajudava.

“Aposto que são apenas mulheres que ajudam!”

Expliquei que havia alguns homens no grupo, mas que a maioria era mesmo mulheres.

“Tenho minhas dúvidas quanto a Deus ter criado Eva a partir da costela de Adão.”

Sorri solidária.

“Como pode parte da costela ser algo bem melhor?”- não se conformava!

Apesar de brincar, parecia muito chateada e certamente carregava nas costas algum homem preguiçoso e folgado.

“O mundo será melhor quando as mulheres puderem tomar a frente de tudo”!

Consegui algumas meias e um bom desconto nas toucas.

“Para ajudar”- ela disse!

Fui embora pensando naquilo, quase esbarrei no carrinho de picolé de um senhor bem velhinho, bem pequeno, sorridente.

“Um picolé, moça distraída?”

Sorri e agradeci. Olhei para seus pés. Elogiei as botas que usava…

Pus-me a pensar nos homens e mulheres ao longo de minha vida.

O mundo seria melhor se fosse mais feminino.

Era mesmo uma questão de gênero!

Não de gênero físico, mas de gênero da alma.

Almas femininas são mais sensíveis e fortes, paradoxalmente, e administrariam bem melhor esse mundo!

Alda M S Santos

Caiu, quebrou…e agora?

CAIU, QUEBROU…E AGORA?

Bela, frágil, delicada

Caiu, quebrou, vários pedaços cortantes

Entornou, molhou, feriu, machucou, sangrou

E agora?

Junta tudo, enrola num jornal, põe para o lixeiro

Cristal quebrado não tem conserto!

Caiu, quebrou…e agora?

Guarda todos os cacos num cantinho como lembrança, revisita, faz um concerto dentro de si

Afinal, teve seus dias de glória, conta uma história especial e bonita

Caiu, quebrou…e agora?

Segue faltando pedaço, adapta-se ao que restou, meio vazio, meio cheio, entornando por aí

Caiu, quebrou…e agora?

Cola cada pedacinho como der, com cuidado para não mais se ferir

E continua a servir o doce vinho, o amargo Campari

Ou a borbulhante champanhe

Celebrando a vida…

Cada “cicatriz” a torna única, original, ímpar

Sinal de queda, mas também de vitória, aprendizado e sobrevivência…

Caiu, quebrou…e agora?

Cole! Seja o cristal ou a vida!

Alda M S Santos

Fardos nossos

FARDOS NOSSOS

Muito ouvimos que Deus não nos dá fardo maior que nossas costas

Doenças do corpo e da alma, desamor, injustiças, violência

Assaltos, estupros, sequestros, amigos que lavam as mãos

Inimigos disfarçados de amigos, perdas

Falta de fé, de coragem, de lucidez…

Acreditamos e lutamos para carregar cada fardo que recebemos

Até ajudamos os outros a carregar seus fardos

Deus certamente conta também com as costas amigas que dividem o peso conosco

Amigos, amores, familiares…

Que nos ajudam nas encostas e ladeiras íngremes

Nas tempestades mais fortes, nas noites escuras como breu

Onde pesadelos nos assombram, monstros nos perseguem

E a força parece faltar, as pernas tremem, as lágrimas escorrem sem cessar

Quando queremos e pedimos que o mundo gire muito rápido

E nos lance para fora da galáxia…

Ninguém pode sentir o peso do fardo do outro

Calcular a dimensão da dor alheia

Ou a profundidade da ferida e do quanto ela sangra…

Mas pode ajudar, estender a mão, aceitar ajuda…

Ser o “anjo” na vida do outro é tornar leves dois fardos

O deles e o nosso!

É preciso pés no chão, fé no coração

Essa humildade Deus espera de nós!

Com ela temos mais chances de ser felizes…

Eu creio!

Alda M S Santos

Verdades e mentiras

VERDADES E MENTIRAS

Uma mentira repetida muitas vezes

Continua sendo uma mentira

Mesmo sendo uma mentira “benéfica”

Uma verdade ignorada muitas vezes

Nunca deixará de ser uma verdade

Ainda que seja uma verdade dolorosa

Porém, a mentira atrai os falsos, os de caráter duvidoso

A verdade é ímã para o que é autêntico e real

Isso nós podemos escolher…

O que ser para nós e para os outros

O que manter ou atrair para perto de nós!

Alda M S Santos

#carinhologos

Deus nos quer crianças

DEUS NOS QUER CRIANÇAS

Na infância somos crianças autênticas e felizes

Encontramos alegria nas pequenas coisas…

Um bichinho de estimação, uma brincadeira qualquer…

Crescemos, buscamos felicidade onde não se encontra

Esquecemos o quanto é simples ser feliz

Deus nos torna pais e mães para nos relembrar

O quanto a felicidade se encontra no brilho de um sorriso puro e inocente

Os filhos crescem…

Deus manda os netos, sobrinhos-netos, para exercerem o mesmo papel

Renovarem a fé, alegria e esperança

Uma aula de reforço de simplicidade e pureza

Quando não conseguimos mais notar ou acompanhar as crianças

Nós mesmos nos tornamos crianças na velhice…

Deus quer pra nós a alegria, pureza, simplicidade, confiança e inocência das crianças…

Ele sabe o que é bom para nós!

Alda M S Santos

Uma nova chance

UMA NOVA CHANCE

Uma vida ameaçada, uma vida em risco

Uma arma de fogo, um olhar de sangue, triste, mau

Lágrimas, desespero, pedidos de clemência

E tudo ficou escuro…

Quanto tempo? Não se sabe…

Um ano se foi…a lembrança fica

A vida foi poupada- por quem, por quê?

Por quem a ameaçou, sim

Por Deus, com certeza!

Para entender seu amor e constante proteção!

O escuro ainda retorna, incomoda, dói

Uma nova chance foi dada

E precisa ser aproveitada!

Quantas vezes temos a vida poupada sem percebermos

Quantas novas chances foram-nos dadas e não aproveitadas

Quantos anjos Deus já nos enviou e nos salvaram de perigos iminentes apenas por amor

Quantos “anjos” agem de longe por nós, para nós, machucam-se, sem sequer notarmos?

Que o escuro que ainda aparece e amedronta

Seja apenas para fazer a luz ser mais brilhante…

Que o amor e bondade vençam sempre!

Em todos os corações…🙏😇

Alda M S Santos

Na própria pele

NA PRÓPRIA PELE

Não dá para dimensionar o que se passa com o outro

Se sensíveis formos, apenas podemos especular, ter uma ideia

Mas, saber mesmo, só sentindo na própria pele

Só chorando as mesmas lágrimas

Só pisando e se cortando nos mesmos cacos de vidro

Só queimando sob o mesmo sol ou frio

Só desanimando na mesma queda ou escorando nas mesmas porteiras entreabertas da esperança

Só ardendo o peito com as mesmas angústias

Só aguentando as mesmas faltas, lidando com as mesmas falhas

Só sofrendo as mesmas perdas

Só estando sob o jugo das mesmas ameaças

Só tendo suportado o peso doloroso da mesma arma

Só sufocando pelos mesmos medos ou aflições…

Só assim sabemos, só assim não permitimos aos outros o mesmo mal

Só assim protegemos a quem amamos

Só assim nos humanizamos mais e mais…

Alda M S Santos

Estruturas frágeis

ESTRUTURAS FRÁGEIS

Nem todo mal, dano ou dificuldade

Daqueles que abalam as nossas vidas

Devastam tudo, destroem, “roubam” o que temos de mais valioso

Chegam de uma só vez, como uma tragédia da natureza

Derrubando tudo como furacões ou tsunamis

Muito do que abala nossa estrutura física, mental, emocional

Chega devagarzinho, vai dando pequenos sinais

Nem por isso o mal é menor ou menos doloroso

Como um vazamento subterrâneo de água

Ou um formigueiro que cria buracos no solo

Que, se não interrompido a tempo, derruba uma casa inteira, uma via pública, uma cidade

Aparecem trincas, ignoradas, afundamentos, não percebidos

Abalos sísmicos, não considerados…

O físico, a mente, as emoções também dão sinais quando nossas estruturas internas estão em risco

Dores, febres, esquecimentos, angústias, tristezas excessivas

Sono que não passa ou insônia constante

Insatisfação com tudo, falta de estímulo, desânimo, vícios

Tudo precisa ser considerado para manter firmes nossas estruturas

Somos um prédio com várias conexões interligadas e interdependentes

Muitas vezes com outras estruturas de outros prédios dependentes de nós

Uma delas que falha pode comprometer e ruir tudo

E tornar difícil ou impossível a recuperação

Ao vermos um belo prédio não enxergamos a estrutura que o sustenta

Se está suficientemente forte ou cheia de trincas

Ou se apenas um sopro pode derrubá-lo

Pois talvez o mal esteja comprometendo justamente a percepção dos sinais, do perigo que nos ronda

E costumamos enxergar melhor falhas nos outros que em nós mesmos

Saibamos cuidar de nós mesmos e, melhor ainda, identificarmos isso nos outros

Assim, evitamos criar rachaduras comprometedoras nas estruturas alheias..

Alda M S Santos

Sabe aquele olhar?

SABE AQUELE OLHAR?

Sabe aquele olhar juiz, acusador, em que o seu se abaixa, culpado?

Não, não é ele que me instiga a ser melhor!

Sabe aquele olhar carrasco, cortante, que o seu enfrenta temeroso, desafiador?

Não, não é ele que preciso para seguir mais corajosa!

Sabe aquele olhar de desnuda “aprovação” e admiração em que o seu se retrai, encabulado?

Não, não é ele que quero como estímulo primeiro!

Sabe aquele olhar de volúpia e desejo do qual o seu se afasta, invadido, irritado?

Não, não é ele que preciso para me sentir mais eu!

Sabe aquele olhar?

Aquele em que você se vê refletido como é e não se envergonha,

Tampouco se sente acusado, culpado ou pseudo-admirado,

Sente-se apenas como é de verdade, sem máscaras, sem medos, sem subterfúgios

Aquele olhar que você encara de frente, mergulha fundo e sente apenas o amor refletido?

Um olhar que você seria capaz de seguir por toda a eternidade

Independente das pedras perfurantes, mares perigosos, matas fechadas?

Esse é o olhar que imagino que Ele nos ofereceria

Se estivéssemos prontos a enxergá-lo!

Sabe esse olhar? É Ele que quero, busco e preciso!

Alda M S Santos

Alma vira-latas

ALMA VIRA-LATAS

Há pessoas que têm alma vira-latas

Acostumadas a se virar sozinhas, dormir no chão duro e quente ou no mato molhado

Alimentar-se do que recebem, do que encontram nas “latas” da vida, resistir

Aquecer-se enroscadas em si mesmas, voltar ao útero

Aproveitar até a última gota do que a vida oferece e parece inútil

Descartando o que faz mal, seguindo…

Não têm pedigree, não têm raça definida

Mas têm força descomunal contra adversidades

Adquirem resistência, criam anticorpos contra variados antígenos

Desenvolvem adaptabilidade às mudanças bruscas de tempo

Abrigam-se sob o gigante firmamento, arrancam bicho de pé nos dentes

Não é fácil derrubar uma alma vira-latas convicta do que é, de sua força

Elas atraem umas às outras com a doçura do olhar fiel, com a fé numa proteção Maior

E enfrentam a vida como uma adversária que merece respeito

Sem sangue azul, SRD, sem berço, sem nobreza

São as almas vira-latas as mais nobres que existem!

Alda M S Santos

Cavalo ou São Jorge?

CAVALO OU SÃO JORGE?

“Enquanto existir cavalo São Jorge não anda a pé”

Há quem tenha dons de cavalo, sem ofensas

E há quem tenha “habilidades” de São Jorge

Diz-se dos aproveitadores que estão sempre procurando algo ou alguém em quem se montar

E seguir mais levemente seu caminho

Independente do peso que coloquem sobre as costas do outro

Sem querer fazer apologia aos folgados

Tampouco ser carrasco da solidariedade

Carregar nas costas ou fazer por alguém algo que poderiam fazer sozinhos não é ajudar

É impedir o crescimento de quem se torna eterno dependente

É usar com que não precisa o lombo forte de cavalo para quem realmente necessitaria…

Todos temos nossos momentos de carregar alguém

Isso é ter compaixão, ser amigo, ser amor, ser irmão..

Mas também precisamos de um colinho de vez em quando

Montar num lombo macio e quentinho alivia muitos males

Descansa as pernas, acalma o coração, traz leveza à alma

E quem está acostumado a ser sempre o cavalo

Quase nunca é visto como cavaleiro cansado

A recíproca também é verdadeira…

É preciso equilíbrio nessa montaria!

Salve, São Jorge!

Alda M S Santos

Deus dá o frio conforme o cobertor

DEUS DÁ O FRIO CONFORME O COBERTOR

Diz o ditado: “Deus dá o frio conforme o cobertor”

Bem sabe Ele o que cada um de nós precisa para viver

Uns até parecem ganhar mais que outros

Mas acredito que cada um ganhe de acordo com suas necessidades de aprendizado

E o que cada um faz com o frio ou cobertor que recebe

É que o diferencia dos outros humanos

Que o faz mais ou menos feliz e realizado

Há quem ignore o frio, se rebele contra ele ou faça pouco caso do cobertor

Mas há quem consiga até diminuir o frio de seus semelhantes

Entre tantos males e bênçãos de nossa (des)humanidade

Nem sempre podemos escolher o que recebemos

Mas escolhemos o que fazer com o que temos, com o que nos dão

Há quem despreze uma manta térmica bem quentinha

Mas há quem descubra a força do amor e solidariedade

E faça milagres com um cobertor fininho

Deus não nos desampara, apenas nos deixa escolher nosso caminho…

Alda M S Santos

Descarrilhou?

DESCARRILHOU?

É fácil ser bom quando tudo parece perfeito

Quando o trem da vida segue nos trilhos

O céu está limpo, jardim florido, pássaros a cantar

Quando somos queridos e amados, quando notamos justiça a nossa volta

Os amigos nos abraçam, há borboletas no jardim e no estômago

A fé prevalece, Deus é Pai, somos agradecidos…

Porém…

Provamos realmente que somos bons e sábios

Se conseguirmos manter certa paz, serenidade e confiança

Quando a saúde física perturba, a emocional oscila

Quando o trabalho é muito cansativo, o chefe nos desvaloriza

Os filhos são rebeldes, com ou sem razão, os pais precisam de ajuda e não pedem ou reconhecem

Os amigos nos abandonam ou não podem estar por perto

O cônjuge nem sempre compreende nossas angústias

O céu escurece, o mundo cai, sem perfumes, sem sorrisos, sem beija-flores

Quando nos decepcionamos, perdemos algo que amamos, nosso time tropeça

Quando nos sentimos lesados e todos parecem se tornar nossos inimigos

Deus não nos ama mais, nos rebelamos, queremos consertar tudo à força…

Nessas horas é difícil ser bom, pacífico

Mas de que vale uma bondade apenas quando tudo parece bem

Se ela é mais necessária quando tudo vai mal?

Se o trem da vida descarrilhar, melhores peritos temos que nos tornar

Para os vagões não desgovernarem e atropelarem todos a nossa volta!

Alda M S Santos

O que nos move?

O QUE NOS MOVE?

Seres distintos que somos todos

Iguais apenas em nossa humanidade

Essa máquina complexa: corpo, mente, alma

Possuímos os mesmos combustíveis a mover nosso motor diariamente:

A dedicação ao trabalho

O conforto da fé

Carinho das amizades sinceras

Calor de um amor verdadeiro

Alegrias e dores da maternidade/paternidade

Gratidão pela família unida

Satisfação com o estudo e aprendizado

Prazer em cultivar corpo e mente saudáveis

Bem estar em fazer o bem, sempre que possível

Consciência tranquila e cuidado para não machucar ninguém

Acúmulo de bens materiais

Diversões variadas…

As preferências por um ou outro

Leva-nos a tecer a trama complexa da vida

A costurar esse tecido que nos ampara, liberta ou aprisiona

A dependência maior de um ou de outro é que nos difere

E nos torna mais ou menos felizes…

O que nos move?

Alda M S Santos

Anjos e demônios

ANJOS E DEMÔNIOS

Sempre elegemos em nosso meio nossos anjos, nossos deuses salvadores

E também nossos demônios, nossa perdição

Numa hora é um medicamento milagroso, um alimento que cura tudo

Uma religião que salva ou condena a todos, uma máquina poderosa

Pessoas, comuns como qualquer outra, endeusadas ou endiabradas

E ali botamos nossas vidas, nossas esperanças ou desilusões

O lastimável é que nos baseamos na lei do menor esforço

Aquilo que poderá nos manter vivos e bem sem precisar sair do conforto do sofá

Independente do que estiver sendo destruído conosco ou com os outros para que esse “milagre” aconteça

Sem qualquer dor na consciência, sem atingir a alma

Quantas vezes fomos endeusados ou endemoninhados

Por nós mesmos, pelos outros

Qualquer método de salvação ou condenação

Que desconsidere a importância de nossa real participação é ineficaz

Existem anjos e demônios lá fora, muitos…

Mas os que têm poder de mudar qualquer coisa em nossas vidas

Aqueles que podemos temer ou nos quais depositar nossas esperanças

Moram dentro de nós mesmos

E ora parecem anjos, ora parecem demônios

Dependendo da situação em que se encontrem, em que atuarão

Cabe a nós despertá-los ou adormecê-los

Se quisermos nossa paz interior…

Alda M S Santos

O Sagrado de todo dia

O SAGRADO DE TODO DIA

Foi por você esse amor de tal magnitude

Foi por você que Ele se entregou

Foi por acreditar na sua capacidade de se arrepender, aprender, amar e se doar

Que Ele se fez humano, enfrentou seu calvário

Foi por você, que tantas vezes duvida de si mesmo, desiste

Que tantas vezes destrói o que Ele te deixou de mais valioso

Que vira as costas ao Sagrado diário de seu lar

Que Ele carregou sua cruz, doou sua própria vida

Foi por você! Foi por mim!

Foi por todos nós!

Façamos com que não tenha sido em vão…

Alda M S Santos

Sorte?

SORTE?

“Você é uma pessoa de sorte”!

“Você acha”?-respondemos para evitar polêmicas.

E enumeram os “motivos” da sorte.

Quase sempre envolvem aquisição material, pessoal, física ou emocional.

Desconsideram as horas e anos de dedicação ao trabalho,

Esquecem o quanto de abdicação houve em prol dos estudos ou educação dos filhos,

Ignoram o quanto de lazer foi perdido em busca de algo prioritário naquele momento,

Não levam em conta o cuidado com alimentação e cuidados físicos,

Sequer imaginam quantas noites de lágrimas e dúvidas foram necessárias para fazer uma escolha, conquistar ou manter algo desejado

Não sabem que relacionamentos perfeitos, familiar, de amor ou amizade também têm altos e baixos

Precisam ser cultivados dia-a-dia para se manterem viçosos

Sorte? Tem certeza?

Eu atribuo a bênçãos divinas, dedicação e trabalho, associados a boas escolhas e recomeços…

É o que desejo a todos…

Alda M S Santos

Humildade

HUMILDADE

“Quem se humilha será exaltado, e quem se exalta será humilhado”.

Humildade: uma das mais difíceis virtudes, a que Jesus mais demonstrou…

Quase sempre confundida ou associada a defeitos de gente simplória, frágil ou pobre em recursos materiais ou culturais

Na verdade, é uma qualidade muito positiva de quem sabe não ser melhor que ninguém

Se formos verdadeiramente honestos

Se nos imbuirmos de coragem bastante

Se abrirmos mão de nossos adorados escrúpulos

Se mergulharmos sem receios no fundo de nossa alma

Enxergá-la nua e crua, aberta e clara, sem sombras

Se retirarmos os véus, as vendas que amenizam nossas falhas

Que mascaram, maquiam nossas feiúras

E observarmos nossa alma em sua nudez total

Veremos que não somos melhores que ninguém

Quando muito, possuímos defeitos diferentes…

Reconhecer isso é o primeiro passo para respeitar as falhas, fraquezas e feiúras alheias

Julgar e condenar um erro alheio, o pecado do outro

Não nos isenta ou expia dos nossos próprios pecados, apenas nos faz soberbos

Reconhecer e agir de acordo com essa verdade é ser humilde…

Alda M S Santos

Louva a Deus

LOUVA A DEUS

Louva a Deus quem vai à igreja, quem canta, quem se encanta com o que Ele criou

Mas louva mais a Deus quem trabalha, quem luta, quem preserva sua criação, quem não destrói seu irmão

Louva a Deus quem O entende como um Deus de amor, que jejua, se arrepende, é grato, prega Sua palavra

Mas louva mais a Deus quem vive de acordo com ela e acolhe os que mais precisam, quem alimenta o que tem fome

Louva a Deus quem O ama sobre todas as coisas e tem a bondade e sabedoria de seguir seus mandamentos

Mas louva mais a Deus quem é humilde, quem ama a seu próximo como a si mesmo, quem não se mostra superior a ninguém

Louva a Deus quem se prostra de joelhos, mãos postas, olhos cerrados e ora com fé

Mas louva mais a Deus quem mergulha nessas águas de amor, abre os olhos, levanta e age de acordo com seus dons e os ensinamentos d’Ele

Louva a Deus quem sabe-se Seu filho, que sente-se parte da família d’Ele, quem cultiva o que recebeu

Louva a Deus quem entende e é grato por um amor assim tão grande…

Alda M S Santos

São José: Protetor das famílias

SÃO JOSÉ: PROTETOR DAS FAMÍLIAS

Aquele que aceitou a honra de ser esposo da mãe de Cristo

Aquele que assumiu o papel de pai e educador do Filho de Deus

Que a Ele ensinou os primeiros passos, as palavras, a profissão

Aquele que amou e lutou por sua diferente família

Que foi o líder da Família de Deus na terra

Aquele que é o Protetor das Famílias

A quem, junto com o Pai, Filho e Espírito Santo, admiramos e pedimos a bênção para todas as famílias do mundo!

Alda M S Santos

Quando acordas

QUANDO ACORDAS

Aquele primeiro pensamento que vem à sua mente quando acordas

Seja quando os raios de sol invadem sua janela ou quando a chuva tamborila no telhado

Seja quando tudo é sorriso, luz e brilho ou quando são lágrimas e sombras

Talvez o mesmo por dias, meses, anos a fio

Te estimula a seguir em frente, te anima, encoraja

Te faz sorrir para a vida, para os outros, ser alguém melhor

Acreditar que tudo pode ser possível, ser mais forte

Ou esse pensamento te entristece, desestimula, acovarda, te faz menos do que é?

Tantas vezes tirando até mesmo o desejo de levantar-se da cama?

Se é fonte de força, fé, amor, coragem e esperança

Não abra mão dele…torne-o real, alimente-o

Mas se apenas te joga para baixo, te faz desacreditar em seu poder de dar a volta por cima

Tá na hora de mudar o pensamento, substituir por algo mais benéfico

Ou mudar de atitude…

Alda M S Santos

Relaxe: nada está sob controle

RELAXE: NADA ESTÁ SOB CONTROLE

Relaxe! Seja leve, deixe a vida no seu curso, deixe-se flutuar

Tentar manter o controle de tudo é desgastante

Muitas e muitas coisas se interdependem, não nos cabe mudar, mas nos ajeitar

E manter a ilusão de que tudo controlamos é pesado, frustrante

Relaxe! O melhor da vida está nas surpresas, na esperança

Segurar firmemente algo pode impedir de circular o sangue da renovação

Cercear o crescimento que vem com a liberdade contida na confiança

E, por mais que a gente faça, a vida tem seus próprios caminhos, dias melhores virão

Relaxe! Nada está sob nosso controle!

Confie no controle Superior! Sorria!

E faça disso sua alegria…

Alda M S Santos

Intolerância e barbárie

INTOLERÂNCIA E BARBÁRIE

Não existe crueldade maior do que aquela que se cobre com manto religioso

Aquela que se vale do “interpretado” do Sagrado para justificar barbáries

Para esconder, até de si mesmo, suas próprias misérias e mazelas, humanas ou desumanas

As guerras religiosas ou “santas” estão aí há mais de vinte séculos

Matando em nome de Deus, lavando as mãos em nome do Pai

Assumindo incapacidade de ações finalizadoras do caos,

A inércia, imperícia e inoperância humana apoiando-se numa “ordem divina”

Não mata o outro apenas quem puxa o gatilho, lança bombas ou mísseis

Também é corresponsável aquele que não impede, tendo poder para tanto,

Ou que justifica a maldade valendo-se de textos Sagrados mal interpretados

Escondendo-se no véu da hipocrisia, da pureza e perfeição inexistentes

O mesmo se aplica à morte diária que permitimos ao nosso lado

Quando não estendemos a mão para ajudar “pecadores”, como se fôssemos puros ou perfeitos

Ou quando expulsamos ou excluímos de nosso meio quem necessita de ajuda

Ele foi “embora” há mais de 2000 anos

Mas deixou seu legado de amor que ainda precisamos aprender todos os dias

Jesus nunca excluiu ninguém! Nunca ordenou ou permitiu qualquer morte ou excomunhão!

Ao contrário, Suas lições foram sempre baseadas no amor e no perdão.

Não podemos fazer nada contra essa guerra? Façamos em nossas guerras particulares!

Se quisermos encontrá-Lo, não será nos templos de pedra que estará

Mas nos corações sofridos e renegados nesse mundo de barbáries (des)humanas!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: