Busca

Tag

comportamento

Muito ou pouco?

MUITO OU POUCO?

É muito dinheiro nas mãos de poucos, pouco nas mãos de muitos

São muitos necessitados para tão poucos doadores

É muita estrada para tão poucos caminhantes

É muito cordão para tão pouca pérola

É muito futuro para tão pouca esperança

É muita destruição para tão pouca reconstrução

São muitos corações para tão pouco amor

É muito tanto faz para o amor de verdade

São muitos finais para poucos recomeços

É muita falação para tão pouca ação

É muita “razão” para tão pouco coração

É muito “irmão”, para tão pouco dar-se as mãos

É muita indiferença diante do que realmente faz a diferença…

Alda M S Santos

As folhas que perdemos

AS FOLHAS QUE PERDEMOS

Uma grande e frondosa árvore

Quantas folhas produziu, quantas flores e frutos gerou

Quantas folhas secaram, caíram, “perderam-se”?

Mas a cada folha seca que caiu

A cada estação ou jornada que enfrentou

Ela engrossou tronco, aumentou galhos

Fortaleceu e aprofundou raiz

Tornou-se mais copada e bela, mais resistente às intempéries

Não controlamos as folhas ou frutos que perdemos

Mas, como acontece com as árvores,

Onde folhas, flores e frutos

Caem aos seus pés, viram húmus e as nutrem através do solo

O mesmo se dá conosco…

Cada folha perdida, chorada, sentida ou não

Nos fortalece, firma nossa emoção

Nutre nossa alma e nos abastece de amor…

Na verdade, nenhuma folha se perde

Nunca!

Quanto mais folhas e frutos “perdemos”

Deixamos cair, irem “embora”

Mais fortes nos tornamos…

Somos árvores!

Alda M S Santos

Buraco negro

BURACO NEGRO

Um grande abismo gravitacional

Que atrai para si tudo que se aproxima

Como um buraco negro na galáxia

A anos-luz de distância da terra

Alimenta-se, absorve, suga para si tudo que passa perto

Bom ou ruim, produtivo ou não

Quantas vezes somos assim?

Sugando sem critério a sorte ou o azar do outro

Suas alegrias e tristezas

Sua energia positiva ou negativa

Sua luz, sua escuridão, seus lixos existenciais

No buraco negro do espaço tudo desaparece lá dentro

Não sei o que isso causa com o tempo

Quanto a nós, chega o momento do basta

Muita coisa negativa absorvida e não processada

Não desaparece em nós, não some

Causa explosões, reverte-se em doenças físicas e emocionais

Transtornos diversos na alma

Morte em vida…

Precisamos de critério ao absorver energias alheias

Receber apenas o que pudermos processar e devolver em forma de luz…

Não somos um buraco negro!

Alda M S Santos

Distribuindo responsabilidades

DISTRIBUINDO RESPONSABILIDADES

Depois de apontarmos diversos culpados

Pelo que somos, fazemos ou deixamos de ser ou fazer

Pela situação em que nos encontramos

Pais, filhos, cônjuges, amigos, familiares, chefes

A escola, o emprego, o clima, a igreja, Deus

Depois de apontados diversos responsáveis pelos nossos entraves

Nossos erros e acertos

Depois de termos nos dado os devidos descontos

Que fica de verdade para nós mesmos?

Qual a responsabilidade que assumimos pelo que somos

Pelo que fizemos com a vida que nos foi oferecida

Pelas escolhas que foram nossas?

Pelo bem ou mal que causamos?

Quem ainda pode ser responsabilizado

Além de nós mesmos?

Tendo tudo isso esclarecido e assumido

Fica mais fácil prosseguir evitando cair nos mesmos buracos

Fugindo da escuridão e da falsa luz que ofusca…

Alda M S Santos

Quando apreciamos a solidão

QUANDO APRECIAMOS A SOLIDÃO

Um longo caminho a se percorrer

Como seres sociais que somos, sempre buscando companhia

Até gostar verdadeiramente da solidão

Não de estar só, pois isso nunca iremos gostar

Mas de estarmos conosco mesmos e apreciar isso

Não na fuga para um filme, um livro, um jogo

Mas bater um papo com nosso ser de ontem, de anteontem

Colocá-los frente a frente com o eu de hoje

Sem desviar os olhos no espelho, com vergonhas escancaradas e encaradas

Fazer as pazes com nossas escolhas, erros e acertos

Uma troca de autocompreensão e perdão

Para podermos nos ver amanhã, no futuro

Sem medos, ansiedades ou arrependimentos

Na certeza que demos nosso melhor como ser humano

E essa consciência só é possível na solidão, no autoconhecimento

Quando nos sentamos com a criança, o jovem e adulto que fomos, e somos

Pois todas elas ainda estão em nós

Só assim estaremos aptos a ter boas companhias…

Alda M S Santos

De frente

DE FRENTE

Encarar a vida de frente

Mesmo que ela não seja sempre

Como uma tarde na praia, ao sol poente

E tantas vezes a brisa não seja tão gostosa

Daquelas que balançam nossos cabelos

Ou arrepiam suavemente nossa pele

Mas a ventania nos arraste para caminhos esburacados

E jogue areia em nossos olhos

Dificultando o ver, o prosseguir

Encarar a vida de frente

Não ignorando os percalços e entraves

Mas nos reabastecendo sempre

De amor, de sorrisos, abraços e beijos

Ainda que nas lembranças e esperança

De uma tarde na praia ao sol poente…

Alda M S Santos

Será que sou daqui?

SERÁ QUE SOU DAQUI?

Tantas vezes olho para cima

Um céu noturno, salpicado de estrelas

Uma lua de tantas fases e faces

Nuvens pesadas separando os mundos

Ou um lindo sol a uni-los

Um infinito de possibilidades

Uma via láctea ali estampada e convidativa

E sinto que não pertenço a esse mundo

Um mundo tantas vezes cruel e injusto

Desigual e repleto de males do corpo e da alma

Sinto que não sou daqui

Que há uma força a me atrair

Será que de lá eles olham para cá

E têm a mesma impressão?

Será que cada estrela não é um ente querido que se foi

Como falamos para as crianças?

Será que há uma porção minha do lado de lá

Que quer me levar embora daqui?

Ou sou eu que carrego comigo uma porção delas

E esteja querendo atraí-las para cá?

Será que temos algo a trocar, a compartilhar?

Sei que esse mundo é muito maior que isso aqui

E há muito a aprender, a ensinar

A pedir, a oferecer…

Quero voar, subir, encontrar com outros seres

Iguais ou não, encontrar com Ele

Correr sobre as águas, sentar num banco de nuvens

Bater um papo longo, ganhar um colinho

Quem sabe assim a gente se complete

E construa um mundo mais justo

Lá e cá?

Sinto que não sou daqui

Mas enquanto estiver aqui tentarei fazer o melhor…

Alda M S Santos

Legado

LEGADO

Sempre deixaremos um legado por aqui

Passar por esse local, tempo e espaço

Não nos permite ficar incólumes

Algo sempre ficará de nós para os demais

Temos por obrigação deixar o melhor de nós

Deixar mais do que recebemos

Processar tudo que vier para nós

Do ontem e do hoje e construir algo inovador

Transformar dores e angústias em crescimento

Mágoas e desrespeito em esperança

Amor em mais amor…

Não podemos perpetuar o mal, o negativo

Um mundo melhor se constrói

Não desconsiderando o que de ruim nos aconteceu

Mas usando esse aprendizado para não causar o mesmo mal

Naqueles que amamos ou convivem conosco

Ou também nos demais que partilham esse tempo terreno

Somos responsáveis simplesmente por estar aqui

Quanto mais sabemos, maior nossa responsabilidade!

Alda M S Santos

Conselheiros

CONSELHEIROS

Se quisermos saber se nosso conselho é bom mesmo,

Se nossas lições são dignas de serem colocadas em prática,

Se nossas críticas são válidas e construtivas

Basta pensar se o conselho serve para nós mesmos, de verdade

Se praticamos nossas próprias lições

Se as críticas não poderiam ser aplicadas também a nós

Porque opinar sobre a vida alheia é fácil

“Sentar no próprio rabo e puxar rabo alheio”- diria minha avó

Mas se tudo isso só vale para o outro

É melhor nos abstermos, recolhermos ao nosso canto e ficarmos em silêncio

Praticar em nossa vida nossos próprios conselhos

Só falar quando nós mesmos estivermos em condições para tal

Quando já tivermos escalado os galhos da árvore da sabedoria

Assim como “de boas intenções o inferno está cheio”

O mundo também está abarrotado de bons conselheiros…

Alda M S Santos

Quando você deixa de ser você

QUANDO VOCÊ DEIXA DE SER VOCÊ

Um dia te levam uma moeda, você deixa

Era apenas uma moeda…

Noutro levam um objeto, sua bolsa, esvaziam seus bolsos

Não faz mal, você conquista outros

Tiram um direito, mais outro, substituem por deveres

E você vai cumprindo todos eles fielmente

Logo estão levando outros valores

Suas ideias, sua liberdade, seu sorriso, seus sonhos, sua essência

Seus ideais estão perdidos nesse mundo nublado

Não há mais brilho ou cor, você está opaco

Você sente um vazio, um desconforto

Não se reconhece no espelho

Não consegue reagir…

Mas segue acreditando que é por uma boa causa

“Para melhorar tem que piorar”-dizem

A quota de sacrifícios é de todos- propagam

Levam pouco a pouco até sua história

E te convencem que você sempre esteve enganado

Apagam tudo que um dia você foi

Quando percebe estão esvaziando sua alma

E a preenchendo com aquilo que eles querem

Com aquilo que não é você

Então, você deixa de ser você

Quando isso acontece você já morreu

Você tornou-se apenas um deles

Apenas uma cópia que caminha na multidão…

Reaja! Não deixe te roubarem de você!

Alda M S Santos

Na onda

NA ONDA

Onda que chega, pesada, crescente

Forte, carregada de opiniões e palpites

Cega, radical, violenta, destrutiva

Daquelas com as quais não compactuamos

E querem nos arrastar consigo

Contra nossa vontade ou desejo

Naquela avalanche de negativismo

Precisamos fincar pé, lutar, nadar contra a corrente

Ou, simplesmente, deixar-nos levar

Não desperdiçar energia

Ver até onde dá pra ir sem nos ferir

E escolher o melhor momento para sair fora

Nadar de volta e retomar do local onde fomos arrastados

Encontrar o ponto essencial

Aquele que não fere nossos princípios e nossa consciência

Aquele que nos torna humanos

Uma hora toda onda passa e se desfaz…

Alda M S Santos

Com as mesmas armas?

COM AS MESMAS ARMAS?

Se quisermos vencer o que nos faz mal

Não será usando as mesmas armas que conseguiremos

Armas carregadas e recarregadas

Pentes repostos, violência sem fim

Mesmo que a arma seja o verbo desenfreado

A intolerância, a impaciência, o desamor

A palavra má e cortante que flui infinitamente

O bate-boca maléfico e improdutivo

Acusações e calúnias paralisantes

São tão fatais quanto um fuzil

O bom combate é feito no antagonismo

Silêncios em resposta a gritos

Paciência e sabedoria se contrapondo a ignorância

Tolerância e resiliência para enfrentar a rigidez e radicalismo

Bem nos ensina a oração de São Francisco de Assis

“Onde houver ódio que eu leve o amor”

Oh, mestre, ajudai-nos!

Alda M S Santos

Barreiras físicas

BARREIRAS FÍSICAS

Barreiras físicas não impedem um sonho

Muros, cercas, barricadas não barram um ideal

Barreiras físicas, quando muito, retardam o objetivo

Dificultam a travessia, tornam a chegada mais valorizada e especial

Mas quando o sonho e a esperança são grandes e valiosos

Não há barreira física que impeça o avanço

Daquilo que é pura emoção…

Sonhos possuem asas, voam alto e atravessam qualquer obstáculo!

Alda M S Santos

Quantos degraus?

QUANTOS DEGRAUS?

Quantos degraus até o céu?

A escada é sinuosa, rolante, escorregadia, antiderrapante?

Quem pode subir, há restrições, limites de entrada?

Podemos levar alguém, sermos levados por alguém?

E se nos cansarmos no caminho, tropeçarmos, cairmos?

Podemos voltar a subir ou perdemos a vez?

Os últimos serão os primeiros?

Quantos degraus até o céu?

A entrada é franca? Paga-se com quê?

Qual a “moeda” de troca?

Muitas perguntas… Sei lá!

Enquanto isso vou fazendo do agora o meu céu

Tal qual crianças a brincar, a pular amarelinha

Continuo subindo até o céu…

Alda M S Santos

Isso é amor

ISSO É AMOR

Os teus passos eu acompanho

Perto ou longe sempre está comigo

Suas vitórias me alegram, me orgulham

Quando acerta eu aplaudo

Quando erra, sofro, oriento

Quando cai, te estendo a mão

Quando se machuca, eu choro

O que te fere, me fere

Se dói em você, dói em mim

O que te engrandece, me engrandece

Se você se perde, te aponto o caminho

Mas quando é você que me fere, magoa

Sou eu que me sinto perdida, sem rumo

Pois, ao me afastar de ti, quebra-se a reciprocidade

E preciso buscar outro caminho até você

Isso é amor, todo tipo de amor!

Assim amamos em Ágape, Philia, Eros, Storge

Assim amo vocês!

Alda M S Santos

Desertificando

DESERTIFICANDO

Um planeta desértico estamos nos tornando

Picos de temperatura, amplitude racional, aridez emocional

Deserto de compaixão, de doação, sensação de solidão, abandono

Desconhecimento do outro, que parece tão longe ou inexistente

Perdidos e sem rumo, a esmo, presos à ingratidão

Grudados a “valores” questionáveis, a egos indomáveis

Mas como em todo deserto

Enquanto houver lembrança da umidade e frescor

Enquanto brilhar a esperança de um oásis

Enquanto estiver firme o desejo de mudança

Ainda será possível abrir os olhos e o coração

A despeito da ventania, da areia, do calor intenso

E, em marcha, seguir toda a humanidade

Um passo de cada vez

Um ser humano após o outro

Em busca de nova vida…

Alda M S Santos

Não estamos sozinhos

NÃO ESTAMOS SOZINHOS

Somos humanos cercados por outros humanos

Numa casa rodeada por outras casas

Numa cidade fronteiriça de outra cidade

Dentro de uma nação que se avizinha de outras nações

Habitantes do planeta Terra, ao lado de outros planetas e astros

Membros de uma galáxia gigantesca

Não estamos sozinhos!

Mesmo quando não nos sentimos mais que pequeninos grãos de areia

E parecemos estar muito sós, não estamos

Em nossa mais intensa introspecção temos a nós mesmos

E quando encontramos a nós mesmos

Somos capazes de identificar o outro tão perto de nós

E estender a mão, pegar uma mão…

Alda M S Santos

Teimosia

TEIMOSIA

Uma vida de teimosias, de bater de pé, de insistências

Um joelho esfolado que cicatriza

Um braço fraturado que se cola

Um coração partido que não se emenda

Teimosias…

Uma lágrima que escorre junto a um sorriso que ilumina

Tal qual arco-íris pós tempestade

Um corpo alquebrado que se refresca num rio caudaloso

Que se renova num abraço carinhoso

Teimosias…

Uma mente conturbada em curto-circuito

Uma alma repleta e, paradoxalmente, ainda cheia de espaço

Um ser humano pensado e criado para não desistir

Quando tudo parecer ruir

Teimosias…

Amor: a maior teimosia do mundo

Mas a única capaz de ainda garantir o viver…

Alda M S Santos

Muitas moradas

MUITAS MORADAS

“Há muitas moradas na casa de Meu Pai”

Nossos corações são uma casa de muitas moradas

Neles cabem os mais diversos moradores

Em diferentes graus de necessidade e profundidade

Em diversos níveis e capacidade de ensinamento e aprendizado

Nem sempre sabemos ou conseguimos controlar quem chega e quem se vai

Apenas tentamos organizá-los melhor, mais confortavelmente

Distribuindo melhor cada espaço

Evitando que alguns tomem posse de tudo

Estamos aprendendo a lidar com nossos inquilinos e proprietários

Aceitando tranquilamente os donos cativos por usucapião

E enfrentando as dores do eterno entra e sai

Apenas Ele sabe lidar bem com Seus moradores

Há perfeição, sabedoria e amor bastantes

Talvez um dia a gente aprenda melhor a morar e ser boa morada…

Alda M S Santos

Quimeras

QUIMERAS

Quiséramos ter estendido mais nossa infância

Ter congelado amigos dentro da gente

Do jeitinho que eram

Para nunca mais deixá-los partir

Quimeras…

Quiséramos ter curtido mais nossa adolescência

Sem tantos desejos de crescer

De ser independente, de acelerar o tempo

Apenas abraçar nossos “amigos para sempre”

Sermos apenas jovens desabrochando

Quimeras…

Quiséramos ter nos dedicado mais a nossos amores

Atendido mais nossos familiares

Prolongado sorrisos e abraços

Ter feito mais amor com a vida

Podido ser mais que simples adultos preocupados

Tendo sido mais leves em brancas e suaves nuvens de paz

Quimeras…

Quiséramos ter sido mais nós mesmos

Atendido mais nossas próprias vontades

Sem invadir as vontades e espaços dos outros

Cuidado melhor do que realmente importa

Sem contudo sermos egoístas,

Porque, afinal, sem desconsiderar tudo que conquistamos

E que faz parte de nós também

O que temos de real e verdadeiro, sempre

Somos nós mesmos…

Quimeras…

Meras quimeras…

Mas quiséramos…

Alda M S Santos

Apenas um bronco

APENAS UM BRONCO

“Queria ser apenas um bronco”

Daqueles dos confins do sertão

Ter toda a “ciência” da natureza

Do mesmo modo que tem a ciência da mente, das emoções

Sem complexidade, sem grandes devaneios

Ter toda a esperança advinda da fé

Toda a paz que a consciência da finitude da vida permite

Nada de grandes preocupações ou conjecturas

Nada de medos, culpas, traumas, desafios intransponíveis

Apenas a certeza que, mesmo em dias difíceis,

Tudo está em seu devido lugar

Não luta contra monstros imaginários

Aceita e abraça o que a vida apresenta

O sol nasce, se põe, a lua surge, as estrelas brilham

O galo acorda a todos, a chuva cai, as árvores produzem

Pessoas nascem, morrem, chegam e se vão

Algumas nos amam, outras não

Somos apenas parte de um universo maior

O rio segue seu curso…

E o bronco que nada tem de complexo

Simplesmente, vive…

Não entende das grandes (des)conexões que afetam os demais

Suas conexões físico/emocionais não se perdem

E, por isso mesmo, mantém-se inteiro

Bronco? Quisera ser…

Alda M S Santos

Olhe para mim

OLHE PARA MIM

Olhe para mim, mas olhe devagar

Preste atenção, demore-se…

Olhe e me enxergue verdadeiramente como sou

Um alguém que precisa de você, de carinho e atenção

Não me deixe ir embora, silenciar

Não quero fugir para dentro de mim, me afastar

Quero estar com você, sentir você

Sentir-me uma pessoa amada…

Não quero mergulhar no meu mundo

Quero fazer parte do seu mundo também

Sinto-me só, um ninguém nesse mundo

Do qual tantas vezes quis ir embora

Nesse seu mundo tão “perfeitinho” sinto-me um nada

Olhe para mim! Me abrace!

Por favor, me enxergue, faça-me ver propósito nessa vida

Que eu possa ser importante, necessária ao menos pra você

Preocupe-se comigo, me imponha limites de amor e cuidado

Olhe para mim!- é o grito silencioso de tantas crianças e jovens

Ao se rebelarem, enfurnarem-se no quarto

Quebrarem regras, ultrapassarem limites

Tantas vezes têm “tudo”, mas falta-lhes o essencial

Sentir-se alguém no mundo de alguém

Falta amor em atitudes simples

O amor é que nos faz ter prazer no viver

Aquele amor demonstrado no cuidado e atenção diários

O amor é que impede que tantos queiram acabar com a vida, com o inexistir

“Olhe para mim!”

Alguém perto de nós está gritando esse pedido…

Prestemos atenção!

Alda M S Santos

Somos todos responsáveis

SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS

A cada vez que ignorei um grito de socorro

A cada vez que não ouvi um silêncio sofrido

Eu também fui responsável

A cada vez que não me importei com as lágrimas

A cada vez que chamei de frescura a dor do outro

A cada vez que menosprezei o diferente

Eu também fui responsável

A cada vez que exigi que os outros fossem iguais a mim

A cada vez que desconsiderei as dificuldades individuais

Eu também fui responsável

A cada vez que ignorei e me calei

Quando gordos, homossexuais, feios, negros ou pobres foram ridicularizados

Eu também fui responsável

A cada vez que nada fiz, que pensei “esse problema não é meu”

Eu contribuí para que uma tragédia pudesse crescer

E ganhar forma dentro de alguém já doente e excluído

É fácil e cômodo culpar a política, a segurança, a educação, a estrutura familiar

São culpados sim!

Mas que possamos assumir com coragem nossa parcela de culpa

A cada vez que nos fechamos em nosso mundo particular

Que somos individualistas e egoístas

Que pensamos que “amar a teu próximo como a ti mesmo”

Parece coisa de otário

Ou que ajudar o outro mais carente é “dar o peixe” para preguiçoso

Nós também fomos responsáveis

Por inércia ou instigando o mal

Nós contribuímos para que uma tragédia pudesse acontecer

Bem pertinho de nós …

Muitas vezes desconsiderando que estamos no mesmo mundo

Que ele gira e balança todo o tempo

E nada garante que não explodirá algo em nosso colo!

Somos responsáveis por cada flor impedida de germinar

Pensemos nisso!

Somos todos responsáveis!

Alda M S Santos

Trapaças

TRAPAÇAS

Trapaças no trabalho, na rua, no trânsito, no esporte

Na fila do banco, na escola, nos hospitais

Trapaças na política, na igreja, até nas famílias

A palavra de ordem é levar vantagem

Toma-se o que não lhe pertence

Justifica-se de qualquer modo

Quem foi trapaceado?

Ah, isso é mero detalhe…

Quem se importa?

De tanto trapacear o certo tornou-se relativo

Raizes sólidas não mais existem em nada

O errado evaporou, não mais existe

Sequer nota-se quando alguém é trapaceado

Ou quando se é o autor da falcatrua

Exceto quando sofre a trapaça

Aí tudo muda de figura…

Sentir na pele o mal que alguém sofre

É o melhor meio de entender a dor do outro

E procurar evitá-la…

Alda M S Santos

Joga no chão

JOGA NO CHÃO

Tão velha, caindo aos pedaços

Paredes de adobe, ainda fortes

Telhado gasto, em ruínas, madeiras de sustentação abaladas

Assoalho rangendo, janelas caídas

Uma casa centenária, morada de muitos

Lar de uma família, muitas histórias

Quem vê de fora não nota as marcas que ela deixou nele

“Não compensa reformar, desperdício”

“Joga no chão e faz outra”

Mas ele não quer, afirma que ela está boa

Só refazer aqui, consertar ali…

Como jogar no chão uma história?

Seria o mesmo que jogar por terra o coração que está ali

Como se ao conservar a casa de pé

Estivesse conservando o amor que ali viveu

Respeitando a história que ainda vive dentro dele

Bom seria se não precisasse se preocupar com capital financeiro

Se o capital emocional fosse o bastante para mantê-la de pé

Conservá-la inteira, segura e habitável

Como o amor e o respeito pelos que ali viveram e se foram

E permanece inalterado dentro de si…

Ruínas… será?

Por dentro dele está tudo inteiro

Até que ponto o que está inteiro nele

Depende da sustentação dessa “casa velha”?

Ou o amor à sua história e aos antepassados que ali viveram

Depende exclusivamente de seu coração amoroso?

Alda M S Santos

Pobres de nós

POBRES DE NÓS

“Nem tudo que reluz é ouro”

A vida vai nos ensinando pouco a pouco

Tombo a tombo, escuridão a escuridão

Batalha por batalha, derrota ou vitória

Nem todo sorriso é felicidade

Pode ser também desejo de se manter forte

Nem toda lágrima é negativa

Pode ser a limpeza que faltava nesse terreno baldio que somos tantas vezes

Uma vida festeira pode carregar uma pessoa solitária

Buscando companhias na agitação do cotidiano

Nem toda bela estampa exterior revela um interior bonito

Nem toda imagem familiar de comercial de margarina

Revela uma vida tão simples, fácil e bonita

O que cada um de nós enxerga do outro

É apenas aquilo que o outro permite que seja visto

Por dentro, cada qual sabe de si

Suas lutas e dificuldades, suas derrotas diárias

E o quanto custa manter um sorriso ou segurar uma lágrima

Nem tudo que reluz é ouro

Mas todo ouro, mesmo fosco, não lapidado, carrega seu valor

Muitas vezes quem está ao nosso lado aparentemente “tão feliz”

Enfrenta males que sequer desconfiamos

São poucos que conseguem atravessar essa couraça protetora do cotidiano

E ver o que o outro realmente é ou precisa

Pobres de nós!

Alda M S Santos

Jogo da vida

JOGO DA VIDA

Tal qual bola branca no bilhar

Que sofre o golpe inicial do taco

E lança todas as demais bolas

Num bate e rebate

Num vai e volta frenético

Umas sempre interferindo na trajetória das outras

Rumo à caçapa ou fugindo dela

Por menor que seja o movimento

Cada “tacada” nossa atinge muitas outras vidas

Somos bolas e tacos nessa grande sinuca

Ora tacando, ora sendo tacados

Desviando ou caindo nas caçapas da vida

Não existe movimento “inocente”

Calculado ou não, planejado ou descuidado

Até a inércia é um movimento que afeta todo o jogo…

Alda M S Santos

Degustação

DEGUSTAÇÃO

Numa analogia com um grande restaurante

A vida teria uma quantidade diversa de clientes

Glutões, famintos, anoréxicos, bulímicos

Aqueles que comem de tudo sem critério ou medida

Os que não ingerem quase nada por medo de peso extra

Os que engolem de tudo desenfreadamente e logo vomitam, descartam

Aqueles cujo organismo não dá conta de processar muito bem o alimento

Os que querem apenas variedade, sem qualidade

Os que ficam pegando rebarbas dos pratos alheios

Os que preferem somente a degustação, não pagam o preço do “prato”

Passam fome…

E aqueles sábios e experientes que sabem o que querem

Buscam exatamente o que precisam para se alimentar

Não se encantam mais só pela apresentação ou aroma do prato

Buscam prazer e valor nutritivo num prato que seja seu

Que tenham plantado ou pescado

Querem alimento para o corpo e para a alma

Estão sempre bem alimentados

Sabem que degustação por degustação não traz satisfação…

Alda M S Santos

Algoz

ALGOZ

Não existe maior algoz que a própria consciência

Quase tão grande quanto o maior amor: o divino

Se ela funciona bem a luz de alerta se acende

Aprendizados acontecem, erros passam, a vida evolui

Se ela falha o maior amor entra em ação, poderoso

E permite novas oportunidades para recuperação

Se parecermos estacionados nos mesmos erros

As mesmas falhas repetindo -se infinitas vezes

É Deus agindo

A lição não foi aprendida

Se a consciência doer, ouça

Se tudo parecer se repetir, aproveite

O Maior e Melhor Professor está sempre a nos ensinar

Incansavelmente…

Alda M S Santos

Se quebrar…

SE QUEBRAR…

E se quebrar?

Se quebrar, pode até se lamentar

Mas logo pegue, cole, conserte, refaça

Jogue fora o que puder ferir

Substitua o que não servir mais

Recupere o que é essencial

Retire devagar e com carinho o que estiver inteiro

A essência sempre permanece intacta

O dano pode estar apenas na superfície, no invólucro

O conteúdo profundo é blindado pelo amor

Não importa o tempo de existência

Mesmo que pareça quebrado

O que é profundo e verdadeiro atravessa décadas

E permanece guardado misturado às areias do tempo

Protegido nas perfumadas gavetas secretas de nossa alma

Registrado tal qual marca de ferro quente na pele

Quebrou? E daí?

Aproveite a oportunidade para renovar o viver…

Alda M S Santos

Next!

NEXT!

A vida, muitas vezes, parece com aqueles cadastros online

Onde há lacunas obrigatórias a serem preenchidas

Não adianta ignorar, fingir que não viu

Recusar-se a cumprir a tarefa

Não há como prosseguir!

Sempre aparecerão os erros que impedem “a próxima página”

Ou os resolvemos, ou empacamos ali

São “problemas” cuja solução são a senha para o próximo passo

São erros(!) cujo alerta sinaliza que há algo impedindo a passagem

Que é preciso voltar atrás, corrigir, consertar, preencher

Ou, simplesmente, ficar ali estacionado

Não é vergonha pedir ajuda

Há erros e lacunas que não resolvemos sozinhos

Vergonha é repetir o mesmo erro até ser bloqueado

Next! Em frente! Enfrente!

Alda M S Santos

Que haja vida em nós

QUE HAJA VIDA EM NÓS

Tantas vidas valiosas se perdendo todos os dias

Levadas de modos tão estúpidos e cruéis

Nos tiram o chão, o ar, nos deixam à mercê do acaso

Fazem-nos crer que não valemos grande coisa

Que não temos controle de nada

Somos um grão de areia nessa imensa galáxia

Que podemos simplesmente sair para trabalhar e não voltar

Sem sequer poder nos despedir, nos desculpar

Dar um último abraço ou beijo

Ou fazer uma bela declaração de amor

Com palavras, com uma delicadeza, um olhar ou um aceno

Mas será que há mesmo acaso?

Qual nossa responsabilidade sobre nossas vidas

E sobre as vidas dos que nos são caros

Ou que são caros para os outros?

Quero crer que um propósito há nisso tudo

Que ainda podemos seguir, abraçar, amar, viver

Porque no dia em que não acreditarmos mais nisso

A vida já terá se acabado em nós

Com ou sem tragédias

E isso é pior que morrer…

Que a fé e o amor prevaleçam

Que os aprendizados aconteçam

Que as mágoas arrefeçam

E que sempre haja vida em nós para recomeçar

Quantas vezes forem necessárias…

Alda M S Santos

Foto Serra da Moeda – MG

Ritmo da vida

RITMO DA VIDA

Havia um burburinho por ali

No entorno ouvia gargalhadas de algumas pessoas

Numa mesa algumas mulheres sorriam contando casos

Na outra um casal se falava com os olhos e as mãos

Um grupo de homens assistia ao futebol num canto

A música que se ouvia vinha de uma pequena banda ao vivo

Um senhor sério conversava com duas mulheres bem mais jovens

Os três pareciam isolados em si mesmos

Garçons e garçonetes frenéticos procuravam atender a todos

Numa mesa, virada para a rua, estava uma mulher olhando a Lua

Bonita, vestida de si mesma, parecia esperar alguém

Olhava o relógio todo o tempo e enxugava os olhos

Chamou o garçom, entregou a ele um guardanapo onde escreveu algo

Ele se encaminhou e entregou a mensagem ao violeiro da banda

Ele ruborizou, saiu de lá, foi até a mulher

E saíram dançando entre as mesas sob aplausos

Um guardanapo caiu no chão

Havia uma marca de beijo de batom, lágrimas e um “vamos dançar”?

Seguiram dançando ao ritmo que a vida impunha

Quantas histórias haviam ali?

A vida é assim, ela impõe o ritmo

Mas somos nós que escolhemos se, como

Quando e com quem dançar…

Alda M S Santos

Deixe-se seduzir

DEIXE-SE SEDUZIR

Ela vem cheia de charme

Luz, brilho, cantos e encantos

Sedutora, tira você para dançar

Gira pelo salão, pelas ruas, na contramão

Sobe e desce, oferece flores, perfumes e delicadezas

Faz que vai, volta, te abraça

Você a segue no sol ou na chuva

Dia ou noite, cedo ou tarde

Anda sobre águas, mergulha, vai longe

Você quer fugir, às vezes, quer desistir, tem medo

Mas ela não deixa você se abater

Habilidosa, sabe de seu valor, sua supremacia

É soberana, poderosa, instintiva

E usa de todos os artifícios para manter sua atenção e desejo

Quer venha nua ou coberta de riquezas

Ela te vence, te embriaga, te encanta, te seduz

E você se entrega…

Ela é a vida, que nunca desiste de você

Não desista dela

Deixe-se seduzir…

Alda M S Santos

Porteira fechada

PORTEIRA FECHADA

A vida nos é dada de porteira fechada

Como propriedades negociadas com tudo que carregam porteira para dentro

Recebemos ao nascer um pacote pronto, sem escolhas

Mas não precisa ser assim para sempre

Aos poucos vamos “negociando” o que ela nos deu

Fazendo trocas, descartes, novas aquisições

Vamos fazendo valer nossas escolhas, desejos

Descobrindo o que nossa “terra” produz melhor

Ou aquilo que ela não é boa em cultivar

Adubando o que cresce, enriquece, matando pragas

E dando a essa “propriedade” chamada vida

Que é só nossa, querendo ou não

A nossa cara, nossas características

Tudo que temos ou somos é resultado de nosso trabalho

Na propriedade que recebemos a princípio

Há alguns anos ou décadas…

A porteira veio fechada

Abri-la e fazê-la crescer cabe a cada um de nós…

Alda M S Santos

Perdendo vida

PERDENDO VIDA

Perder documentos, óculos, carteira, chaves

Num bolso, na bolsa, no transporte público ou na rua

Talvez se recupere, talvez não

E a vida continua…

Mas perder ideias, sonhos, ideais, pessoas, sentimentos

Escondidos num coração ou numa alma

Que não se mostra para o mundo

Que teme a dor, a rejeição, o sofrimento

É muito mais danoso, é perder o rumo, é perder vida

E talvez de modo irreversível

Todo cuidado é pouco com o que deixamos se perder de nós por aí …

Alda M S Santos

Mudanças

MUDANÇAS

Mudar causa medo, insegurança

Expectativa, dores, desalento, esperança…

Mas não mudar pode ser muito pior

Quando tudo a nossa volta muda

Permanecer estático e agarrado ao passado

É deixar a derrota chegar sem lutar

Ninguém vive totalmente no presente

Dizem que vivemos 40% apenas no presente

O restante ficamos entre a saudade do passado e expectativas do futuro

E buscar esse equilíbrio é que é saudável

Mas nem sempre é fácil

Uns crescem, se vão, se viram sozinhos

Outros não mais precisam de nós ou nunca precisaram

Precisamos reaprender a viver dia a dia

A lidar com (des)amor,(in)gratidão, (in)felicidade

Concentrando um pouco mais em nós mesmos

Pois até pra seguir em frente e ajudar

Precisamos estar bem…

Alda M S Santos

Isso é se eternizar…

ISSO É SE ETERNIZAR…

Pode ser que um dia nosso nome esteja gravado por aí

Pode ser que esteja escrito noutros lugares

Além da pedra de nossa lápide

Pode estar gravado nos documentos de filhos e netos

Nas escrituras de imóveis, nos registros de bens diversos

Pode estar gravado em letras garrafais e douradas

Dando nome a uma empresa importante

Ou a uma rua, escola, viaduto ou teatro

Pode estar impresso nos diários da vida de alguém

Na capa de um livro, na porta de uma sala ou consultório

Mas se não estiver gravado feito tatuagem nos corações daqueles que ficaram

Que fizeram parte de nossas vidas

Que amamos, que nos amaram

Marcado como digital firmada dia a dia nas delicadezas

Nenhuma gravação em letras douradas terá valia

E nossa passagem por aqui estará apagada para sempre

Pode ser que eu esteja gravada em vocês

Com as letras suaves da doçura e do amor

E vocês certamente estarão gravados em mim

E seremos eternos a cada vez que a lembrança de nosso nome

De nosso sorriso, abraço ou carinho

Fizer pulsar mais forte um coração

Isso é se eternizar…

Alda M S Santos

Renovando…

RENOVANDO…

A vida nem sempre é como a gente quer

As pessoas e situações quase nunca correspondem às nossas expectativas

A dor muitas vezes se impõe, as forças minam

Sentimo-nos excluídos, esquecidos, desvalorizados, preteridos

Mas brota lá de dentro uma semente, a da sobrevivência

E a gente cuida, rega, aduba, se deixa cuidar e adubar

Enquanto formos capazes de levar um abraço, um cuidado

Enquanto formos capazes de respeitar e cuidar de toda vida existente

Enquanto formos capazes de sorrir um para o outro

Para nós mesmos, a despeito de todo e qualquer sofrimento

O amor prevalecerá, a vida se renovará

Cada dia mais bela e promissora…

Alda M S Santos

A alma chora e agradece

A ALMA CHORA E AGRADECE

Fadigado o corpo luta para sobreviver à lama

Esgotada a alma chora

Chora por aqueles que se foram

Chora pelo descaso, pela insignificância da vida

Chora por si mesma…

Ao redor tudo é destruição

Quanto ouro vale uma vida?

Mais especificamente, quantas vidas são necessárias

Para pagar pela mineração?

Fundão, Feijão, decepção, repetição

Não foi aprendida a lição?

E a alma estremece, quase desiste, chora

E se entrega, agradecida, nos braços daquele que a acolhe

Uma alma que entende outra alma

Corações em sintonia, dor, alegria

E a alma chora, agradece…

Alda M S Santos

Construindo história

CONSTRUINDO HISTÓRIA

Tudo tem história, tudo produz história

Algumas admiradas, escritas, lidas por todos

Retratam crescimento, luta, coragem, sobrevivência

Vontade de reviver, sentir os mesmos aromas, ouvir os mesmos sons

Outras que nos envergonham, nos fazem querer pedir perdão

Apagar, deletar da memória, dos registros oficiais ou não

Voltar lá atrás e consertar um momento, uma página, um capítulo

Que poderia ter produzido vidas diferentes a muitas pessoas

Uma humanidade menos desumana

Aí percebemos que a história já construída não permite muito

À história passada só nos cabe isso: aprender com ela

Quer tenha sido boa ou não, deixado saudades ou decepção

Possibilita apenas muito aprendizado para a história que será lida ou admirada amanhã

Aquelas que hoje escrevemos

Que ainda estão em processo de construção dentro da gente

Somos como uma cidade histórica

Carregamos em nós um passado bonito e de lutas

Mas a cidade não para, assim como nós

E não serve apenas para admiração

A história continua…que valha a pena ser lida!

Alda M S Santos

Quero a verdade

QUERO A VERDADE

Quero toda e qualquer verdade

Aquela que é escondida atrás de um sorriso

Ou disfarçada num olhar fosco e vago

Quero a verdade que tentamos deletar da memória

Que possa magoar ou nos ferir fundo

Vinda num silêncio tenso ou num grito angustiado

Quero a verdade doce que traz alegrias ou esperanças

Capaz de curar qualquer dor

Quero a verdade amenizada nos eufemismos

Ou revestida e clareada nas metáforas

Quero a verdade que ficou perdida nos buracos do caminho

Aquela que foi acovardada nos medos e decepções

Quero a verdade que nos move, que dá o brilho ao olhar

Aquela que nos impulsiona sempre para frente

A despeito de qualquer entrave, obstáculo ou subterfúgio

Quero a verdade mesmo que cause vergonha, traumas ou culpas

Aquela que soterramos nos escombros de nós mesmos

Quero a verdade sempre, ofereço a verdade sempre

Mesmo que ela termine com um “perdoe-me”, “te amo”, “tenho orgulho de você”

A verdade deve ser sempre a liga de todo tipo de relação saudável

De amizade, de trabalho, de amor

Quero a verdade sempre!

Alda M S Santos

Lavando a alma

LAVANDO A ALMA

No Sol que irradia e aquece a pele

Nas pedras que massageiam e acariciam os pés

Na água da cachoeira que refresca e limpa corpo e mente

Na chuva que inunda e fecunda ideias

Na Lua que cresce, diminui, some e volta, nunca desiste

Nas estrelas que brilham na escuridão do firmamento

No som do silêncio que desperta saudades

No carinho e cuidado daqueles que me cercam

Que precisam de mim, que deles necessito

Em tudo lavo minha alma, pouco a pouco

Pois a alma precisa de um sabonete especial chamado amor

E ele só encontramos naquilo que Ele criou…

Lavando minha alma sigo buscando a paz…

Alda M S Santos

Meu tempo

MEU TEMPO

Meu tempo já não é mais o mesmo

Menos ansiedade ou afobação

Um leque maior de opções, sem tanta obrigação

Correria só por lazer ou diversão

O número de coisas a adquirir importa cada vez menos

É preferível despertar emoções saudáveis e bons sentimentos

Já aceito melhor a qualidade em detrimento da quantidade

Aprecio novos lugares, mas sei bem que “com quem” vale mais do que “onde”

Já não tenho tempo a perder remoendo raivas, ciúmes

Sofrendo culpas, me martirizando pelo que não tenho controle

Sei que dar soco em ponta de faca só fere a mim mesma

Prefiro me encontrar nos sorrisos, nos abraços

No carinho sincero, no amor declarado mesmo no silêncio

Assumo o produto de minhas escolhas, erros e acertos

Para o bem ou para o mal

Aceito melhor os tempos das outras pessoas diferentes de mim

Valorizo o amor que se apresenta

Não cobro, não peço, não imploro nada

Doar o que temos é o melhor modo de conquistar o que precisamos

Estou aprendendo que nadar contra a corrente suga a energia

Mas não é pior que seguir um curso indesejado e indefinido

Que quase sempre não leva a lugar algum …

Meu tempo não é mais o mesmo

Mas ainda estou aprendendo a lidar com ele

Qualquer hora dessas eu consigo

E atinjo todas essas metas!

Alda M S Santos

Minha idade não permite

MINHA IDADE NÃO PERMITE

A única coisa que a idade não permite

Seja ela pouca ou muita, iniciando ou já avançada

Masculina ou feminina, é a infelicidade

Se a felicidade pede, não é a idade que deverá impedir

Se a felicidade pede, não é o olhar maldoso do outro que irá impedir

Se a felicidade pede e não fere a consciência

Se a felicidade pede e não está retirando nada de ninguém

Se a felicidade pede e não põe em risco a felicidade do outro

Não é a idade que poderá impedir

Corpo e mente devem estar em uníssono, em sintonia

Para ouvir o que a alma precisa realmente para ser feliz

E não abrir mão da felicidade por preconceitos próprios ou alheios

A idade, seja ela qual for, não só permite

A idade pede, exige que façamos o que nos faz bem

A idade apenas nos mostra que o tempo tá passando veloz

E cabe a nós fazê-lo correr o mais prazerosamente possível

Para nós e para os outros

Enquanto há vida…

Minha idade não me permite ser infeliz!

Alda M S Santos

Sabedoria da areia

SABEDORIA DA AREIA

Viver a sabedoria da areia

Absorver o que é bom, que cabe em si

Deixar de fora, na superfície, o que não dilui, não flui

Aceitar sobre si diferentes tipos de vida

Ser apoio, refrescância, acolhimento, calor

Viver a sabedoria da areia

Deixar-se moldar pelas ondas

Parecer desabar, desfazer-se e persistir

Na certeza de que nada é eterno

Nem a tormenta, nem a calmaria…

Alda M S Santos

As tochas estão acesas

AS TOCHAS ESTÃO ACESAS

“Bruxas” expulsas de algum “paraíso”

Julgadas e condenadas à fogueira

Onde ardiam a queimar o ”mal”

Junto dos livros subversivos, e todo seu material

Conhecimento sempre foi problema

Para quem, sem argumentos, precisa de fantoches

É mais fácil dobrar um povo alienado

Que aceite se curvar, ser manipulado

Proíbem uma fala, um jeito de ser, uma expressão

Logo será um livro, um jeito de trabalhar, uma profissão

Quando assustarmos já estará acesa a “fogueira”

Na qual arderão os conhecimentos das “bruxas” de plantão

As tochas estão acesas…

Alda M S Santos

Ao sabor do vento

AO SABOR DO VENTO

Um barco, uma âncora, uma bandeira a balançar

Seus olhos observam, sua alma voa

Ao sabor do vento navegam no oceano

Leva para lá e traz de volta para cá

E nesse constante remexer, nessa brisa refrescante

Ora é paz, calmaria, ora é tempestade, inconstância

Tenta encontrar seu lugar, se encaixar

Ser barco, ser âncora, ser vento, ser pouso…

Joga água salgada no rosto, aquece-se ao sol

Tenta lavar e aquecer também a alma

E o barco balança, a âncora repousa

O porto está longe e a bandeira balança ao sabor do vento

Fecha os olhos e, como ela, solta-se, entrega-se, deixa-se levar…

Alda M S Santos

Gosto de gente

GOSTO DE GENTE

Gosto de gente

De barulho de gente silenciosa

De silêncio de gente barulhenta

De ter gente por perto

Ainda que não interaja com elas

Gosto de observar, de aprender com o que vejo

Gente me inspira, me faz refletir, me atrai

Gosto de gente que acerta, que erra

Sobretudo que aprende com os erros, que se desculpa

Gosto de gente malucona, fora dos padrões

Gosto de conversar com gente de verdade

Gente que é real, instável ou insegura

Gente imperfeita como eu, meio fora de órbita

Mas conectada em outras “gentes”

Gosto de imaginar uma história para cada um que vejo

Tenho até vontade de confrontar dados

Ou seja, gosto de gente que não se envergonha de ser gente

Gosto de gente que se comunica com o olhar

Gosto de imaginar o que o olhar diz

Gosto de gente que não passa por cima de gente em hipótese alguma

Gosto de gente que respeita gente, que dá as mãos

Gosto de um pouco de solidão também

De caminhar sozinha à beira-mar ou no meio do mato

E ruminar tudo que vejo e sinto

Assim fica mais fácil lidar com gente que mora dentro da gente

Inclusive as muitas de nós…

Gosto de gente!

Alda M S Santos

Precisamos nos armar de amor

PRECISAMOS NOS ARMAR DE AMOR

Já estamos armados!

Fomos aos poucos sendo armados com a navalha da intolerância

Temos posse do sentimento de superioridade de todo tipo

Portamos conosco o veneno social e fatal do preconceito

Carregamos no bolso sem trancas ou cuidados a revolta e angústia contra males sofridos

Nossa aptidão para uso e manuseio está determinada pela pontaria

Exames psicológicos atestam nossa normalidade e direito à “defesa”

Tudo isso junto torna as armas de fogo apenas detalhes letais

Facas, espadas, revólveres e quaisquer outras armas

São apenas instrumentos do motor da intolerância que já trazemos licenciados em nós

Tendo esse motor uma pedra, um pau, uma garrafa

Até mesmo nosso corpo são armas letais

Com o motor do preconceito e da superioridade liberados

A diferença entre a posse e o porte de armas é circunstancial

Fica a cargo da raiva ou humor que você carrega no momento

De quem tiver atravessado seu caminho

Em casa, no trânsito, no trabalho, nas relações “amorosas” ou sociais

Já estamos armados!

Se quisermos mudar algo precisamos nos armar de amor…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: