Busca

Tag

Amor

Somos presente!

SOMOS PRESENTE!

O passado não muda, não volta

Todos sabemos!

Independente se foi florido ou esburacado

Se fomos felizes ou nem tanto

Se queremos esquecer ou voltar, reviver

Tanto faz! Ficou lá atrás!

Mas o modo de olhar para ele

Aquilo que ele deixou em nós, reciclado

A maneira que interfere no hoje

O jeito de nos mover ou de nos paralisar

As expectativas frustradas ou não que cria para o futuro

A maneira que o trabalhamos em nós faz toda diferença

No presente que abrimos todas as manhãs

No futuro que vislumbramos e aguardamos em expectativa a cada anoitecer

Nosso presente fica melhor e nosso futuro mais interessante

Quando fazemos as pazes com nosso passado

Não o esquecemos, não o ignoramos

Aprendemos com ele e somos gratos àquilo que nos tornou

Mas o deixamos onde deve ficar: guardado lá atrás

Somos presente!

Há sempre barcos indo, barcos chegando

Barco não nasceu para ficar atracado no porto.

Alda M S Santos

O mesmo jardim

O MESMO JARDIM

A escola passa, ficam os amigos

O trabalho passa, ficam os amigos

A família se modifica, constrói outros laços familiares, ficam os amigos

Infância, adolescência, vida adulta, tudo passa

Mas as relações ali cultivadas sob o adubo das afinidades

Enriquecidas com o húmus do respeito às diferenças

Fortalecidas nos momentos de sorriso ou mesmo de dor

Aquelas alimentadas com carinho, cuidado, bom humor

As regadas na fonte do amor diário

Essas são eternas…

Histórias que passam de vinte anos

Que brotam, minguam, rebrotam, geram mudas

Mesmo que busquem outros canteiros

Sempre farão parte do mesmo jardim

São espécies raras!

Somos abençoadas, somos amigas!

Alda M S Santos

Palhaços

PALHAÇOS

Palhaço não é só alegria, só sorrisos

Assim como médico não é só saúde e cura

Nem professor é só saber e ensinamentos

Palhaço, às vezes, é tristeza, amargura

Médico pode ser, na doença, apenas o remédio, o paliativo

Professor ser na ignorância a busca, leitura, aprendizado

O que os difere é a vontade de fazer diferente

É a coragem de não aceitar o “não” das desigualdades da vida

É buscar a saúde nas mais variadas formas de enfermidades

É buscar sabedoria nas mais diversas situações

É abrir um sorriso, ser e levar a alegria

Ainda que haja lágrimas e dor

Num mundo nem sempre colorido

Muitas vezes cinzento, sem saúde e sem saber

Pintar a cara, sorrir, querer aprender e ser a diferença …

Palhaço nem sempre está feliz

Mas palhaço é sempre carinho e alegria para quem vê

É aquele que leva, divide e multiplica o amor

Somos palhaços #carinhologossolidarios

Muito prazer!

Alda M S Santos

Trocas imperceptíveis

TROCAS IMPERCEPTÍVEIS

Tantas trocas quase imperceptíveis

Gentilezas por sorrisos, grosserias por afastamento

Doação por gratidão, negligência por saturação

Respeito por admiração, superioridade por antipatia

Sinceridade por empatia, abraços por beijos, doces por queijos

Interesse por aproximação, desrespeito por violência, mentira por desconfiança

Atenção por carinho, ingratidão por inimizades

Descuidos por tanto faz…

A vida nos devolve aquilo que oferecemos

Muitas vezes sequer percebemos

Atraímos o que emitimos

A reciprocidade advém da sintonia de pensamentos e ações

Sintonia é coisa de alma…

Alda M S Santos

Longe ou perto?

LONGE OU PERTO?

Longe ou perto é questão de perspectiva

Mais que um referencial em metros, é questão de sensações

Como saber se estamos longe ou perto Dele?

Estamos perto ou longe do que Ele nos ensinou?

Estar perto de Deus não é estar dentro de uma igreja

Nos sentimos perto quando estamos às voltas com quem amamos

Quando valorizamos o que recebemos, conquistamos e conservamos

Estamos perto quando construímos algo de bom

Para nós, para aqueles que têm menos que nós, que precisam

O peito fica, paradoxalmente, cheio e leve, tranquilo

Estamos longe quando destruímos o que Ele construiu

Em nossas vidas, nas vidas dos outros

Estamos longe quando nos omitimos…

Estamos perto, quando mesmo na solidão, nos conectamos com Ele

Podemos senti-lo na paz que reina em nosso coração

Estamos longe quando a sensação de culpa nos invade alertando para a proximidade do erro

Estamos longe quando nos afastamos de nós, envergonhados

Estamos perto quando podemos olhá-Lo nos olhos

Sem medos, nos arrepender e, com coragem, recomeçar…

Perto ou longe?

Alda M S Santos

Voluntário: uma ramificação do bem

VOLUNTÁRIO: UMA RAMIFICAÇÃO DO BEM

Pense em algo que dá trabalho

Aquilo que tira você da mesmice

Que te leva a lugares inimagináveis

Que te emociona e engrandece

Que mostra lados diversos da vida

Que te aperta o coração, faz chorar, faz sorrir

Acrescente alegria, satisfação, prazer

Junte trabalho manual, pedidos, orações

Perca a vergonha de pedir ajuda para ajudar os outros

Distribua carinho, abraços, beijos, doces palavras

Encontre amigos e pessoas afins

Doem -se! Sem cobranças!

Unam -se em prol de alguém

Não desanimem!

Nada esperem em troca!

Sejam gratos, nunca superiores!

Cada um de nós tem suas falhas e carências…

Acredite que um mundo melhor começa dentro de você

Nasce em sua alma e se ramifica nas almas alheias

E, quando menos esperar, perceberá reciprocidade

A mola propulsora de tudo que é bom!

Ao preencher o que “falta” nos outros

Preenchemos também muitos vácuos em nós…

Isso é trabalho voluntário!

Isso é trabalho de amor!

Assim somos #carinhologos!

Seja um ramo de amor, seja voluntário!

Alda M S Santos

Amor ponto a ponto

AMOR PONTO A PONTO

Ponto a ponto vamos tecendo uma história de amor

Uma arte feita a mão, com carinho em cada laço e arremate

Em cada cor, em cada brilho

Uma estrela de Natal para aqueles que têm tão pouco

Silenciosamente pensando nas histórias daqueles que a receberão

Em oração por cada um, por suas lutas e dificuldades

Pela alegria que demonstram ao receber tão simples gesto

“Você que fez? Que anjinha boa”!

Diz o ditado que mentes e mãos vazias são oficinas do diabo

Mas prefiro acreditar em Madre Teresa de Calcutá

“Mãos que servem são mais santas do que lábios que rezam”

Creio que as mãos e os lábios juntos em bom trabalho são mais preciosos ainda

Um pouco de cada um faz a diferença para todos

Que essa estrela de amor traga consigo muita luz, saúde e alegrias

Feliz Natal, amores!

#carinhologos

Amor desperdiçado?

AMOR DESPERDIÇADO?

“Tanto amei a quem não foi digno de amor”

“Tanto fiz e me dediquei a quem não valia tal grandeza”

“Joguei pérolas aos porcos”

Quantas vezes nos sentimos assim?

Lamentamos o amor, a amizade, o carinho doado

A quem não soube aproveitar

A quem fez pouco caso do recebido

A quem não valorizou atitudes de desprendimento ou sacrifício

A quem não foi leal à entrega e bondade

A quem traiu nossa confiança e dedicação

Será que realmente perdemos por doar?

Olhemos para Ele!

Será que se arrepende de tanto amor doado a quem não fez por merecer?

Temos sido dignos de tamanha grandeza e pureza de amor?

Quem somos nós para reclamar amor doado, não valorizado?

Uma coisa é certa: quem doa amor nunca perde

Nunca!

Quem não sabe receber tem muito a aprender…

Alda M S Santos

Você é forte!

VOCÊ É FORTE!

“Você é forte! Supera!”

Já ouvi isso muitas vezes ao longo da vida

Tantas vezes sinto-me tão frágil

Mas a força que temos só se manifesta quando exigida

E ela existe mesmo quando as lágrimas caem sem cessar

Ainda que o medo assombre, que os pesadelos atormentem

Que a realidade não corresponda aos sonhos

Não pode dizer-se forte quem nunca foi submetido à fragilidade

Quem nunca escondeu a dor atrás de um sorriso

Tantas vezes retiramos forças da solidão, da escuridão

Outras vezes é do silêncio à beira de um rio

Numa oração, numa caminhada

Nas atividades incansáveis do bem

Noutras nos abastecemos no abraço de alguém querido

Ser forte é buscar no seu entorno ou dentro de si

Motivos para prosseguir

Cada qual encontra seu motivo, sem machucar o outro

Eu o encontro ao estender a mão aos que precisam

Enquanto cuido dos outros

Deus cuida de mim…

É! Posso dizer que sou forte na minha fragilidade…

Tenho um Bom Protetor!

Sou grata!

Alda M S Santos

#carinhologos

Escrever…

ESCREVER…

Escrever uma história é se aventurar

É misturar ficção com realidade

É ler sonhos e desejos alheios

É traduzir e transcrever sentimentos

É reviver…

Escrever é viajar na imaginação

É abrir asas, flutuar, ver de cima, de fora

É mergulhar fundo e intensamente na emoção

É se eternizar…

Escrever é se tratar, se curar

É medicar, remediar, vacinar, fazer terapia

É uma catarse…

Escrever é lidar com medos, traumas, angústias, alegrias

É dar um drible na saudade, na dor, nas mágoas e decepções

É fixar aprendizado…

Escrever é também ler, ser lido, decifrar

É fazer-se entender numa história, é identificar-se nos versos do outro

É sintonizar…

Escrever é conversar consigo mesmo

É sensibilizar, é sorrir, é chorar

É um reencontro com seu próprio eu

Passando pelo eu do outro

É intensamente viver…

Alda M S Santos

Bom mesmo

BOM MESMO

É bom encontrar abrigo num dia de chuva

Mas bom mesmo é ser abrigo quando a casa cai

É bom ter amigos para sorrir, passear, nos divertir

Mas bom mesmo é ser/ter amigo quando o peito aperta, a alma dói

É bom ter para quem contar nossas alegrias e sucessos

Mas bom mesmo é ter com quem dividir nossas mágoas e angústias

É bom ter em quem confiar quando a subida ao topo é íngreme,

Mas bom mesmo é ser/ter apoio quando as pernas falham nas descidas

É bom ter alguém para amar, cuidar, dar carinho e atenção

Mas bom mesmo é ser digno de amor, de saudades, de boas lembranças

É bom olhar para o passado e relembrar uma vida recheada de delícias e lutas,

Ou para o futuro e ter boas expectativas

Mas bom mesmo é curtir um abraço saudoso no presente

É bom seguir por um caminho iluminado, florido, acompanhado

Mas bom mesmo é não nos perdermos de nós mesmos quando tudo escurecer…

É muito bom ter, mas bom mesmo é ser…

Sempre!

Alda M S Santos

Dá para explicar?

DÁ PARA EXPLICAR?

“Você conseguiria explicar isso para seus pais, para seus filhos

Sem pestanejar, sem titubear, sem subterfúgios

Com leveza, certeza, tranquilidade?

Essa é a pergunta que me faço antes de tomar qualquer decisão

Seja na vida profissional, pessoal, social ou religiosa”

Ouvi isso certa vez e achei muito sensato!

Se qualquer atitude tomada for envergonhar

Não der para explicar de modo claro, sem mentiras

Para aqueles que mais amamos e nos importamos

Para quem nos admira e se importa conosco

É sinal que não é uma boa opção

Se não dá para explicar sem medos ou receios de rejeições

As construções, escolhas, desconstruções e consequências

É uma atitude que não deve ser tomada

Certamente irá machucar alguém e ferir a própria consciência…

Certa vez ouvi uma pessoa amiga dizer

“Não queria isso, como vou explicar para meus filhos”?

Isso pode não ser tão fácil sempre

Mas é uma maneira sábia de lidar com indecisões

Com erros e acertos, com tropeços e quedas

Com as ventanias da vida…

Alda M S Santos

Nunca desistir de mim

NUNCA DESISTIR DE MIM

Seguir em frente, lutar sempre

Essa é minha promessa

Nem sempre fácil de manter

Curtir um dia de raios de sol que me aquecem

Mas também aceitar quando meu sol se esconder

Amar sob um céu estrelado e inspirador ou sobre nuvens de algodão

Mas aproveitar quando a Lua não aparecer e tudo for escuridão

Dançar na chuva entre abraços apertados e beijos molhados, aquecida

Mas saber suportar as fagulhas ameaçadoras das tempestades de gelo, sofrida

Enquanto nova alvorada não surge em mim, renascida

Retribuir o amor e carinho daqueles que me cercam e apoiam

Mas aceitar e respeitar o direito daqueles que não me querem por perto, não me amam

Sobretudo, amar a mim mesma, sempre

Ainda ou principalmente quando outros me abandonarem

Mesmo em minhas fragilidades, medos e carências

Ainda que erre, caia e não consiga levantar tão facilmente

Ou que nem sempre seja minha maior fã

E queira ficar escondida debaixo das cobertas…

Pois a promessa fundamental é, independente do que acontecer,

Cuidar do meu coração

E nunca desistir de mim mesma!

Alda M S Santos

Medos

MEDOS

Muitos e muitos medos me seguem

Medo de perder pessoas queridas

Medo de me perder das pessoas amadas

Medo de perder a saúde, a lucidez

Medo de não mais ser capaz de me compadecer pela dor do outro

Medo de perder minhas memórias e lembranças boas

Medo de me decepcionar com amigos e amores

Medo de esquecer ou ser esquecida por quem amo

Muitos medos…

Não é por ausência de fé em Deus

Nem por fraqueza ou fragilidade excessiva

Tampouco por falta de coragem de enfrentá-los

De todas as coisas que me dão medo

Que me causam insegurança e dor

Um aprendizado sempre fica:

O amor é o único medo cuja dor sei que vale o risco…

Alda M S Santos

Duelando

DUELANDO

De frente, de costas, de perto ou de longe

Confrontos visando resolver desagravos diversos

Armados: armas brancas, de fogo, palavras, cérebro, coração

E os digladiadores “modernos” continuam a duelar

Quem tombará primeiro?

Quem vence afinal?

Duelos de cunho físico ou emocional

Quem tem o gatilho mais rápido

Ou o chicote mais certeiro?

Qual a arma mais potente?

Qual a palavra mais poderosa?

Qual o prêmio desse entrave, dessa disputa?

Quem são afinal os adversários, quais as desavenças?

Num combate corpo a corpo, mente a mente, alma a alma

Vence aquele que se entrega

Aquele que usa a arma mais poderosa: o coração

Ainda que esteja fora do corpo, ele não nos deixa na mão

Ele sabe até onde pode ir sem matar, sem morrer…

Alda M S Santos

Passando o tempo

PASSANDO O TEMPO

– Vem cá, amiguinha, senta aqui do meu lado!

– Que lindos coloridos!

– Estou com saudades de você! Venha ver!

Não é uma escola, tampouco um ateliê.

É um lar para idosos…

Ele vive num quarto com outros três companheiros.

Fala das dificuldades de locomoção dos outros.

Ocupa-se fazendo seus coloridos em desenhos diversos.

Possui um kit de lápis de cor e livros de colorir “para passar o tempo”.

“As pessoas gostam e eu dou, não vendo não!”-diz orgulhoso

Num caderno em branco, pede para eu fazer um desenho para ele.

-Não demore a voltar. Vou colorir esse para você!

Os caminhos que percorreram até chegar ali são muitos!

As histórias se resumem a amor, dor, arrependimentos, resignação, esperanças e saudades…

O que precisam de todos nós não é tanto: carinho e atenção.

Que não os deixemos na mão!

Alda M S Santos

Ah, um carinho…

AH, UM CARINHO…

Quem não gosta, quem não quer?

Ah, um carinho….

Amolece os corações mais duros, enverga os mais resistentes

Atrai os desavisados, enlaça os distraídos

Derruba os céticos, acorda os descrentes

Ah, um carinho…

Quem não gosta, quem não quer?

Carinho com as mãos

Carinho com o olhar

Carinho com as palavras

Até fecha os olhinhos, se entrega

Confia…

Carinho que vai, carinho que volta

Ah, um carinho…

Quem não gosta, quem não quer?

Carinho que se doa é carinho que se recebe…

Alda M S Santos

Contágio

CONTÁGIO

Um espirro, uma tosse, coriza

Um contágio: influenza:

Simples, direto, certeiro…

Uma raiva, um grito, um descuido

Um contágio, desamor:

Depressão, caos, tristeza, rancor…

Uma delicadeza, um sorriso, um abraço

Um contágio, amizade, amor:

Carinho, luz, solidariedade, esperança…

Os vírus estão todos aí… no ar

Nossa imunidade é que determinará

Com qual iremos nos infectar…

Nossa resistência é que dirá

Contra qual devemos lutar

Ou a quais nos entregar…

Viver é contagioso!

Eu escolho me contaminar de amor…

Alda M S Santos

#carinhologos

Quando começa o amor

QUANDO COMEÇA O AMOR

Saberíamos dizer o exato momento

Em que passamos a amar alguém?

Em alguns casos é muito simples:

Pais, filhos, irmãos, avós…

Nesses o amor vem no sangue, no espírito, no DNA, na interdependência

Mas e o amor por aqueles que chegam depois

Amigos, outros parentes, amor romântico?

Quando nosso olhar “torna” alguém especial para nós

Quando esse alguém se destaca na multidão?

No cuidado prestado, na dedicação, no tempo a nós dispensado?

Entre tantos conhecidos e convívios, somos apenas um a mais

Em busca de um lugar ao sol, de uma sombra refrescante

Querendo ser especial para alguém…

Quando passamos a “selecionar” os que amaremos

Ou sermos selecionados por alguém?

É um ato racional ou acontece à nossa revelia, emocionalmente?

Uns apontam o olhar, o sorriso, a inteligência, a bondade, o modo tranquilo ou afoito de ser…

Outros apontam grandes feitos ou as pequenas doçuras do dia a dia

Será?

Penso que esses são apenas sinais a nos mostrar o caminho

Aquele que vale a pena seguir, trafegar…

Creio que passamos a amar alguém quando não temos apenas afinidades

Mas quando o outro nota nossas falhas e as aceita

Quando podemos ser nós mesmos, ainda que melhorando sempre

Isso cativa amores de amigos e amantes

Certo é que uma vez amor, sempre amor…

Ainda que em níveis e fases diferentes de loucura, sanidade e maturidade…

Quando começa não é tão importante

Vale mesmo é sua capacidade de se eternizar em nós, no outro…

Alda M S Santos

Tá triste?

TÁ TRISTE?

Tristeza que ameniza com um abraço desinteressado

Numa manhã com eles, aprendendo como se faz um bom queijo

Amenizando conflitos “infantis”

Acalmando uma lindeza que queria dar chinelada na cuidadora que furou seu bumbum

Batendo um bom papo, rindo, dando atenção

Oferecendo e recebendo carinho

E ouvindo aquela idosa que diz que abraço de outra mulher dá choque dizer:

“Pode abraçar, você está cheirosa, e seu abraço não me dá choque”

Riu muito quando respondi: “será que estou virando homem”?

“Então tire esse vestido bonito”!

Eles me fazem muito bem!

Qualquer tristeza ameniza ao estar com gente que precisa da gente…

Alda M S Santos

Apenas um abraço

APENAS UM ABRAÇO

Quando há muito a dizer

Quando quiser se fazer entender

Mas não houver meios, o tempo for escasso ou faltarem palavras

Dê apenas um abraço

Quando quiser evitar dúvidas ou mal entendidos

Se desculpar ou desfazer erros cometidos

Dê apenas um abraço

Quando quiser estabelecer uma conexão, deixar sua marca de amizade

De carinho, amor, gratidão ou saudade

Dê apenas um abraço

Abraço é linguagem verdadeira, recíproca e universal

É carinho que torna tudo mais leve e apaga qualquer mal

Dê apenas um abraço

E um “amo você” também não cairia mal …

Alda M S Santos

Minha arma me salvou

MINHA ARMA ME SALVOU

Tive uma arma na cabeça, levei coronhadas, desmaiei

Fui trancada no porta-malas e deixada na cidade vizinha por um jovem drogado

Idade? Não sei!

Apesar do medo e das lágrimas, de ter implorado para me deixar para trás, fui levada

Sei que acredito piamente que o que me salvou foi o olhar de piedade que lancei a ele

Aqueles olhos vermelhos que carregavam maldade e sofrimento

Olhar que nunca esqueço e que ainda assombra nos meus pesadelos

Era véspera do dia das mães, perguntei por sua mãe…

Se ali eu tivesse uma arma ou ódio no coração

Certamente não estaria mais aqui…

Nem por isso acredito que bandido bom é bandido morto

Não é que eu seja boazinha ou tola

Eu prefiro revidar apenas o amor…

Enquanto puder usarei apenas essa arma

Eu acredito na força poderosa do amor contra o que machuca

É essa arma que terá a capacidade de reduzir qualquer mal

Alda M S Santos

Quem ama (se)cuida!

QUEM AMA (SE)CUIDA!

Quem ama cuida, protege, defende

Não quer ver o outro sozinho, desamparado ou entristecido

Quem ama quer estar junto

Salvar dos riscos, iluminar os caminhos

Quem ama quer regar e fazer brotar sorrisos

Quer enxugar as lágrimas, dar o colo, o ombro, ser amigo

Quem ama vigia o sono, afasta os monstros, faz um despertar feliz

Acolhe nos pesadelos, realiza os sonhos, sabe o que diz

Quem ama guarda lembranças, um verso, um presente

Um cartão, uma joia, flores desidratadas, não mente

Quem ama compra briga para defender o outro, não se alia ao “inimigo”

Quem ama honra a palavra dada, não foge, é abrigo

Quem ama troca abraços, divide a cama, partilha desejos

Escreve poemas, fala bobeiras, faz serenatas, pede beijos

Quem ama quer viver o amor, confia, não tem ou mete medo

Quem ama não quer privar-se ou privá-lo do amor

Diz bem alto “te amo”, não quer segredo

Quem ama cuida do outro

Quem ama também se cuida!

Alda M S Santos

Costurando amor sem medidas

COSTURANDO AMOR SEM MEDIDAS

Costuro uma peça de amor sem medidas

Uso tecidos finos, grossos, lisos ou estampados

Ora com moldes pré-definidos ou pilotos recebidos

Ora unindo partes afins aleatoriamente

Muitas vezes com todo cuidado e técnica possíveis

Usando entretelas, drapeados, instintivamente, testando, criando

Faço um alinhavo para não deixar nada escapar

Tenho o cuidado com acabamentos em bainha e cós

Utilizo recurso do viés para dar leveza e flexibilidade a peças rígidas

E sigo cosendo, ora em linha reta, ora zigue-zagueando ou em pontos cruz, artisticamente

Quando a linha apresenta nó, desembaraço com cuidado

Prossigo em pontos cheios, variados, corto, reinicio

Muitas vezes a peça se rasga, preciso cerzir e prosseguir

Faço alguns caseados, prego botões

Emendo partes que recebo, tenho que tirar outras que não combinam

Enlaço, faço arremates…

A peça nunca parece pronta, ajeito direitos e avessos, vou e volto

Mas insisto e persisto, vou usando-a assim mesmo

Ela só será entregue no destino final

Para o grande “Estilista” da vida avaliar…

Alda M S Santos

Vira-latas

VIRA-LATAS
Somos mestiços, oriundos de várias raças
Uma mistura que nos torna SRD
Sem raça definida, carregamos características de vários povos
Ora somos fortes, resistentes e adaptáveis 
Pés-duros, confiáveis, amigos
Ora somos frágeis e de baixa autoestima
Acusados de tudo fazer, de virar latas por um pedaço de pão
De nos rebaixarmos para receber um carinho na cabeça
Dependentes da aprovação daqueles que consideramos mais, superiores
Mas carregamos conosco as misturas de uma raça não definida, híbrida
E o que de bom ou ruim isso possa acarretar
Com toda a força, fidelidade, inteligência, confiabilidade e resistência
De quem tudo já enfrentou
E de quem não se entrega assim tão facilmente
Um vira-latas morre lutando, acreditando na vida
Nunca deixando de amar…
Alda M S Santos

Quando eu for embora

QUANDO EU FOR EMBORA

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles que caminharam comigo

Que tiveram de mim a companhia diária?

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles aos quais dei meu melhor, mesmo falha, mesmo nos erros?

Ficará neles a lembrança do meu sorriso, do meu cuidado, do meu amor?

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles para os quais trabalhei, ensinei, me dediquei?

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles que buscaram em mim a inspiração e energia para continuar?

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles que me amaram…

Mas quem me amou de verdade?

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Aqueles que de mim precisaram, que usufruíram do que pude proporcionar

Que amaram não a mim exatamente, mas o que lhes possibilitei

Esses encontrarão logo substituto quando eu for embora

Sentirão falta de alguém como eu, não de mim…

Nós somos quem amamos e quem nos amou de verdade

Quando formos embora levaremos grande parte deles conosco

Deixaremos muito de nós com eles…

Quando eu for embora

Quem de mim sentirá falta?

Alda M S Santos

Do what you love

“DO WHAT YOU LOVE”

Faça o que você ama, diz a canção

Ainda que seja difícil, tente

Mesmo que o momento exija reflexão, introspecção, negação

Encare!

Faça o que você ama!

Chore, grite, silencie, permita-se sentir

Respeite seus tempos!

Faça o que você ama!

Busque a natureza, água, mato, bichos

Busque a sua natureza interior

Faça o que você ama!

Tome sol, tome chuva, tome coragem

Perca os medos, perca a vergonha, perca a preguiça

Só não perca o respeito por si, pelo outro

Faça o que você ama!

Mate as saudades, deixe lembranças jorrarem

Afogue as dores, faça boca a boca com a paixão

Faça o que você ama!

Abra bem os olhos para o que se mostra

Abra os braços para os abraços

Mergulhe na vida de cabeça!

Mas faça o que você ama!

Alda M S Santos

Mundo daltônico

MUNDO DALTÔNICO

Há tantas e tantas cores por aí em seus variados matizes

À disposição de nossos olhos, querendo inundar nossas almas

Mesclando amor e alegria, carinho e bondade

Mas nem sempre deixamos entrar esse arco-íris em nós

Criamos uma barreira daltônica amedrontada na alma

Ou o próprio mundo o está bloqueando

Ficamos mergulhados, recolhidos, encolhidos

Ofuscando em cinza e marrom nossas cores vibrantes

E assim, dificultamos a troca das cores de nosso arco-íris interno

Com o mundo que escurece para muitos cá fora

Façamos assim

Minhas cores com suas cores, ainda que poucas

São capazes de fazer um mundo mais belo e multicor

A brilhar e fazer o amor em nós transbordar

Vazando nos olhos doces e sinceros

Nos quais gostamos de mergulhar, tal qual em mar azul

Ainda que na dor e carência…

Espalhemos nossas cores fazendo da vida uma tela de amor…

Alda M S Santos

#carinhologos

Fecha os olhos e vê…

FECHA OS OLHOS E VÊ…

Os olhos estão abertos

O olhar é vago, olha ao longe

Tenta enxergar além do horizonte

Olha para um lado e para o outro

Vê, mas não enxerga

Busca por algo invisível aos olhos

O olhar busca por algo que só se vê com o coração

E os olhos do coração

Enxergam melhor quando fechados…

Saint Exupéry diz que “só se vê bem com o coração,

O essencial é invisível aos olhos”

Ela fecha os olhos e tudo vê…

Alda M S Santos

Eu amo mais!

EU AMO MAIS!

Era uma declaração de amor rasgada

Entre palavras soltas e quase cantadas

Eu te amo!

Era uma declaração de amor correspondida

Eu que amo!

Era uma declaração de amor entre sorrisos e cócegas

Eu amo mais e primeiro!

Era uma declaração de amor “competitiva”

Eu amo você mais que chocolate!

Era uma declaração de amor livre e sem medos

Amo mais que tudo! Nunca minto para você!

Era uma declaração de amor e promessa

Eu te amo para sempre!

Era uma declaração de amor que dispensava palavras

Recíproca e verdadeira

Bastava observar o carinho dos olhares e confiança…

Mas preferiam dizer:

Eu te amo mais!

Alda M S Santos

Felizmente?

FELIZMENTE?

Nos constantes vai-e-vens da vida

Parece que mal superamos uma partida súbita

Ou nos adaptamos a uma chegada inesperada

E as malas já estão prontas novamente…

Choramos ou sorrimos, ou ambos simultaneamente

Nos despedimos…

Minha avó sempre deixa uma mala pronta

“Para o caso de precisar partir”

Uma maneira de não ser pega desprevenida

São tantas as partidas e as chegadas

De pessoas, de desejos, de sentimentos, de expectativas ou esperanças

Que já deveríamos estar acostumados…

Nem tudo que vai, volta

Mas sempre algo está indo, algo está chegando

É nessa rotatividade que a vida se desfaz e se refaz

Felizmente?

Alda M S Santos

Reservado

RESERVADO

Num mundo que se assemelha a um gigante estacionamento

Onde há vagas demarcadas, ou não

Mas não temos lugar reservado, personalizado

E nem sempre há vagas ou espaço para todos

Gostamos mesmo é de estacionar nossos corações no mesmo lugar

Naquele espacinho onde nos cabe direitinho

Onde o sol aquece, mas não queima

Onde o silêncio aconchega e acalenta

Onde há sombra de uma boa cobertura sem esfriar

Onde estamos protegidos de tempestades e granizos

Onde não há qualquer dificuldade de manobras, sem medos

Onde nos encaixamos de olhos fechados sem erros

Com a certeza e prazer de ter chegado em casa…

Encontrar ocupada essa “vaga” não reservada, mas sempre utilizada

Com cones de proteção ou placas de estacionamento proibido

Ou sequer desconfiar que ela não esteja mais disponível para nós

É, no mínimo, angustiante…

Desejo de colocar uma placa de uso cativo com letras garrafais nas vagas que “ocupo”

RESERVADO!

Sujeito a reboque!

Alda M S Santos

Amor infinito

AMOR INFINITO

Do alto tudo parece mais claro, mais nítido

Que será que Ele vê daqui todo o tempo?

Riqueza e miséria, fartura e carência, falta e desperdício

Violência e delicadezas, amor e ódio

Um povo sofrido e lutador

Uma nação maltratada por alguns

A fé e coragem para prosseguir de muitos

Uma parte desanimada quase jogando a toalha

Aqueles que resistem e insistem no bem

Os que estão iludidos por alguém

Uma batalha sem fim para alcançar as alturas

Que Ele vê?

Daqui tento em minha pequenez

Enxergar com “Seu” olhar

E vejo Seus braços abertos em cruz

Na maravilha simbólica do Cristo Redentor

Vejo amor grandioso e esperança

Ele nos vê e nos ampara de toda parte

Reflito comigo na Sua bondade de pai

O que eu vi não é nem um milésimo do que Ele sente por nós…

Há esperança!

Que possamos sentir sua Luz, seu Amor, sua Proteção…

Alda M S Santos

Sempre comigo

SEMPRE COMIGO

Vontade de te falar sobre todas as coisas que se passam comigo

Dividir contigo meus medos, minhas angústias

Saudade de te contar minhas vitórias, as boas caminhadas

Partilhar aqueles tropeções, machucados, feridas abertas

Sinto falta de ouvir seus conselhos calados

Ou que vêm pelas palavras ou ações dos outros

Quero contar como tenho vivido, o que tem acontecido comigo e com os meus

Sinto falta da sua presença!

Fecho os olhos, de joelhos, faço uma oração

Recordo-me que assim te trago para dentro de mim

E, novamente, te noto perto, sinto sua presença

E te conto tudo…

Lembro-me que a necessidade de contar é minha

Você já sabe tudo de mim, melhor do que eu, mas me ouve

Conhece tudo, tudo, minhas capacidades e limitações

Erros e acertos, e me ampara…

Apenas agradeço e faço um único pedido:

Meu Deus, esteja sempre comigo!

Alda M S Santos

Redoma de vidro

REDOMA DE VIDRO

Não podemos colocá-los numa redoma de vidro, isolando-os do exterior

Não podemos embalá-los à vácuo, engaiolá-los

Não podemos fechá-los numa bolha, protegendo-os

Tampouco podemos voar por eles

Ou tapar todos os buracos e retirar as pedras do caminho

Mas podemos plantar flores perfumadas em canteiros centrais

Cultivar árvores frondosas para dar sombra à caminhada

Para que façam seus ninhos, repousem

Podemos falar sobre trilhas que não levam a lugar nenhum

Podemos alertar sobre os becos sem saída

Sobre voos em áreas turbulentas

Podemos prevenir sobre os “encantos” e estratégias dos inimigos do bem

Aqueles que devagarzinho invadem nossas contas,

Presencialmente ou virtualmente,

Bancárias, físicas, mentais, emocionais, psicológicas

E nos deixam no vermelho com dívidas a pagar

Sem asas para voar…

Não podemos viver pelos outros, nem por quem amamos

Mas àqueles que nos foram confiados

Devemos proteção e cuidado, somos responsáveis!

Alda M S Santos

Dia do idoso

DIA DO IDOSO

“Que você gostaria de ganhar de presente no Natal?”

“O que eu poderia pedir é uma coisa que já tenho: o amor que você(s) me dá(dão)…”

“Tudo bem! Esse você já tem e é de graça! Agora escolha algo que o dinheiro compre!”

E assim passamos uma tarde de carinho e amor com eles…

Não precisam mesmo de muito!

Os sonhos ali são muito menos materiais que emocionais

Precisam muito de atenção, uma conversa, um cuidado

Um toque de amor, um sorriso de gentileza, uma palavra doce

Precisam de gente que se importe com eles

Que cante, reze ou dance em seu ritmo

Até mesmo que silencie segurando sua mão…

Querem pessoas que sorriam junto, que ouçam suas lamúrias

Entendam e aceitem sua resistência ao banho

Sua memória falha, seu desejo de falar do passado

Que respeitem suas repetições e os excessos que os tornam mais belos

Eles são assim nos asilos, nos hospitais, nas praças ou em qualquer lugar

São idosos que, mais que qualquer um,

Precisam encontrar o amor de Deus, ainda que numa bronca ou cobrança

Refletido num irmão que lhes estende a mão

O abraço, um laço, o alimento, um vestido ou um sapato!

Viva os idosos que a vida nos permite conviver

Em todos os dias do ano!

Alda M S Santos

#carinhologos

PRIMAVERANDO

PRIMAVERANDO

Doce expectativa, espera tranquila

Raízes que se desenvolvem e grudam no tronco da mangueira

Buscam ali os nutrientes que precisam para crescer

Sem causar danos, perfeita harmonia

Numa manhã, alguns botões surgem

Se abrem para a luz, para o calor do sol

Tal qual meu sorriso a saudá-las

Brancas, lilases, rosas, amarelas e mescladas

Passo a vigiar, parecem demorar mais

Noutra manhã, mais cores, perfume, ternura

Beleza pura e delicadeza que encantam

Que necessitam para ser tão belas assim?

Precisam antes terem sido plantadas no coração

No desejo de quem as ofereceu ou recebeu

No carinho de quem cuidou e por elas esperou

Precisam do tempo, do repouso, da paciência, da reclusão

Fases que a maioria não nota, sequer considera

Querem apenas a beleza da flor, que antes foi raiz, galhos, folhas

Quem curte apenas a orquídea em flor perde todo um processo de vida

Que germina, brota, cresce, luta pela sobrevivência

A flor é mesmo bela, digna de admiração e encanto

Mas quem acompanha todas as etapas do desabrochar, do primaverar

Sabe mesmo ser jardim!

Vale para jardins de flores ou de pessoas…

Alda M S Santos

Umbigo enterrado

UMBIGO ENTERRADO

Diz-se de um lugar que a gente gosta muito

Que nosso umbigo foi ali enterrado

Que não conseguimos nos afastar

Meu umbigo foi repartido e enterrado em vários lugares que amo

E esse é um deles: a escola que completa 30 anos de existência

Dos quais fiz parte de 26 deles…

Aqui fiz do meu trabalho, do meu ganha-pão, a minha alegria

Aqui me diverti, eduquei, fiz amizades maravilhosas

Deixei marcas, fui marcada por crianças e adultos especiais

Meu umbigo está aqui!

Parabéns EMVAM, na pessoa de professores, funcionários, alunos e pais…

Alda M S Santos

Escritas

ESCRITAS

Escrevo no papel, a lápis para não borrar

Quando não há certeza do que calar ou dizer

Se precisar apagar e reescrever…

Escrevo no papel, a tinta para não apagar

Quando é certo e definitivo o que se quer expressar

Na vã tentativa e desejo de eternizar o sentimento descrito em palavras

Escrevo nas páginas inúmeras da alma

Com lágrimas, sorrisos, gritos e silêncios

Uso vermelho sangue, amarelo vida, cinza luto, verde esperança

Páginas borradas, reescritas, infinitas, multicores

E percebo que o que foi escrito ali é o pote de ouro além do arco-íris

Não há modo de apagar, é sempre belo e desejado

São versos ternos, eternos, com ou sem rima…

Escrevo no coração daqueles que compreendem

A poesia traduzida em versos de carinho e amor

E a querem infinita e eterna em si

Escrevo nas páginas infinitas da minha alma

Uma história de amor pela vida

A poesia que busco eternizar em mim…

Alda M S Santos

Instrumentos

INSTRUMENTOS

Somos instrumentos todo o tempo

Isso não é prerrogativa nossa

Não temos escolha

Porém, o tipo de instrumento que seremos

Isso só nós podemos optar

Ser aquele que não se importa

Ser aquele que só reclama, distribui discórdia e julgamentos

Ou, ao contrário, deixar o amor brotar e crescer

Semear leveza, plantar bondade

Auxiliar a reconciliar aqueles que estão meio divididos ou em desarmonia

Ser aquele que leva um sorriso de luz

Uma palavra de sensibilidade e compaixão

Um abraço quente que acalma

Uma mão que se estende e se doa, com humildade

Um olhar que acolhe e transmite paz…

Ser aquele que vale a pena conviver

Ser aquele que de verdade enxerga o outro

Pois só assim somos capazes de enxergar a nós mesmos…

Isso é amor fraternal!

Por ele vale a pena viver ou morrer…

Alda M S Santos

Um dia prometemos

UM DIA PROMETEMOS

Um dia prometemos que seria para sempre

Como prometemos tantas outras coisas

Que nunca deixaríamos o papai e a mamãe

Que nunca gostaríamos de um menino ou menina

Que beijar na boca é “eca”, que nunca faríamos isso

Que aquela amizade da infância nunca acabaria

Que os confidentes da adolescência seriam eternos amigos

Que aquela vocação seria nossa profissão

Que o primeiro namorado seria amor infinito…

Que o casamento seria até que a morte os separasse…

Que criaríamos nossos filhos para o mundo…

Na verdade o que realmente queríamos dizer é que gostaríamos que assim fosse

O que sentíamos como eterno naquele momento

O que se eternizou em momentos maravilhosos e inesquecíveis

Mas para tudo ser igualzinho ao momento da promessa

O tempo precisaria parar, e isso não acontece

Gira, rápido ou devagar, pessoas e situações mudam

E muitas vezes nos culpamos ou culpamos os outros…

Creio que a promessa que deveria valer para cada um de nós seria:

Acompanhar juntos os giros do mundo, não estacionar

Sendo fiel a nós mesmos, aos nossos sentimentos

Sem desrespeitar os sentimentos de ninguém…

Entendendo que mesmo que o amor se modifique, não diminui necessariamente

Que para mantê-lo saudável precisamos renová-lo, hidratá-lo, nutri-lo, cuidá-lo

Como fazemos com tudo que é vivo…

Um dia prometemos…

Alda M S Santos

À vontade

À VONTADE

Tão à vontade num chinelo de dedos

Quanto num salto Luiz XV

Tão confortável num moletom surrado

Quanto num vestido de gala cheio de brilhos

Tão sensual num baby-doll de algodão de florzinhas

Quanto numa lingerie de seda vermelha

Tão em paz num salão barulhento e dançante

Quanto no silêncio debaixo do edredom assistindo uma comédia

Tão satisfeita diante de um prato de arroz, frango com quiabo e angu

Quanto num restaurante degustando caviar

Tão alegre num voo para um destino paradisíaco e deslumbrante

Quanto na rede da varanda de uma casinha na roça

À vontade todos nós sempre buscamos estar

E estaremos somente quando encontrarmos a paz dentro de nós

Estar confortáveis e satisfeitos em qualquer situação do mundo

Não tem muita relação com o exterior

Estar à vontade no mundo e com os outros

Implica estar à vontade consigo mesmo em primeiro lugar

Isso nem sempre é fácil ou tranquilo, é vai e vem

É busca sem fim, constante, para a vida toda…

Alda M S Santos

Ecos de amor

ECOS DE AMOR

Na beira do nada tudo que é lançado se propaga

Mas se encontra qualquer “obstáculo”

Há reflexão instantânea do que é emitido

Tal qual eco que reverbera ao ouvinte pouco depois do som direto

Tal qual bumerangue que retorna para as mãos do emissor

Tal qual o mar que devolve na areia tudo que recebe

Se o que se emite é dor há reflexão de dor

Se o que se lança é amor é amor que voltará

Nem sempre tão rápido quanto o eco

Mas tudo que emitimos acaba por nos retornar

Pode reverberar e voltar em confusas reflexões

Meio inaudíveis ou incompreensíveis

Talvez nos confunda no retorno, mas volta

Emissões de pessimismo trarão ecos de apatia e desânimo

Sons de um “eu te amo” sempre retornarão como ecos de amor

Ainda que disfarçados de carinho, compaixão, sorriso ou saudade…

Sons de amor, ecos de amor

Sempre!

Alda M S Santos

Prefiro falar de amor

PREFIRO FALAR DE AMOR

“Por que você não fala de política nos seus textos e poemas?”

Porque prefiro falar de coisas que “domino” e nas quais me sinto bem.

“Mas você não pode se omitir, você é ‘influente’ na nossa comunidade, nas escolas, no trabalho social”.

Gosto de falar de amor, de vida, de solidariedade, de família.

“Você não acha que tem uma certa responsabilidade social quando escreve”?

Exatamente por isso eu escolho não misturar as coisas.

Falo do que gosto, do que percebo ou sinto nos outros.

Falo daquilo que penso poder ajudar ou, ao menos, não atrapalhar.

“Não está sendo ingênua achando que se calar diante da política é ajudar?”

Não! Prefiro me calar diante de assuntos que envolvem paixão.

Política, futebol e religião envolvem mais paixão que razão ou amor.

Prefiro falar de amor, de natureza, onde me sinto mais à vontade.

“Fazer boa política não é também um modo de amar os outros?”

Talvez! Mas eu escolho fazer o amor de outras maneiras menos ácidas.

“Mas você não tem uma posição política”?

Sim, claro! Mas não tenho desejo de convencer ninguém de nada!

Mesmo ouvindo certas barbaridades, a meu ver, prefiro me eximir de opiniões.

Já há muitos “entendidos” por aí para opinarem…

Cada qual atua no campo que gosta, na posição que domina.

Usa as habilidades recebidas, com a camisa que defende,

Ainda que apenas no coração…

Alda M S Santos

Qual nosso limite?

QUAL NOSSO LIMITE?

Numa única vida, de um único ser

Existe um limite daquilo que ele consegue lidar, suportar

Sem se derrubar, sem pedir trégua?

Quantas causas consegue abraçar

Quantas amizades é capaz de dar atenção, tempo, cultivar

Quantos necessitados logra ajudar, se preocupar, estender a mão

Quantas lutas tem forças para travar

Quantas guerras dá conta de apaziguar

Quantas decepções e mágoas consegue abrandar sem ensandecer

A quantas pessoas está apto para amar, se entregar, se doar

Tudo isso de modo verdadeiro e intenso, sem enlouquecer

Sem detonar a si mesmo, sem deixar ninguém na mão?

Existe um estoque que vai baixando

Ou é como mina d’água que, se protegida pelas matas ciliares, jorra sem parar?

Temos matas ciliares o bastante, temos lençol freático extenso?

Qual nosso limite?

Alda M S Santos

Enquanto existir o amor

ENQUANTO EXISTIR O AMOR…

Enquanto existir o amor, existirá vida

Casamentos acontecerão, igreja, vestidos de noiva, beijos,

Valsas, alianças, damas, bolo e bouquets, luas de mel

Alguns descrentes a zombar, o amor a ignorar

Haverá união, sonhos, famílias…

Esse ciclo do qual fazemos parte, girando e criando

Fazendo, crendo, desfazendo, amando

Muitos dizem ser o matrimônio uma instituição falida

Mas ele se perpetua há séculos

Ainda que o “para sempre” não seja até que a morte os separe

Ou que a morte realmente os separe antes do fim

Ou tantas outras coisas a dificultar, a por o amor à prova

O encontro de duas almas que se querem e se desejam

Que se atraem, lutam para estarem juntas se completam e se enriquecem

Duas pessoas que decidem juntas, ao menos a princípio,

E querem de verdade que seja além da morte

Sempre farão valer boa parte dessa viagem chamada vida…

Alda M S Santos

#casamentonatiefred

Viver e deixar viver…

VIVER E DEIXAR VIVER…

Ser sorridente não é estar sempre disposta ou feliz

Ser amorosa não é ser tola

Ser intensa não é ser incansável

Ser amiga não é aceitar tudo

Ser responsável não é assumir falhas alheias

Ser inteligente não é ser infalível

Ser família não é ser excludente, esquecer dos outros

Ser confiante não é ser assim tão facilmente enganada, como pensam

Ter esperança, ter fé não é ser bitolada, desprovida de raciocínio

Ser amor, ter um amor, não é se anular

Ao contrário, é ver no amor do outro

Motivo para ainda mais se amar…

E se doar…

Ser mulher, humana, é encontrar a si mesma

Em todas as suas fragilidades e forças, erros e acertos

É transformar lágrimas em aprendizado

É se regalar nas alegrias, mas não negar a dor, a saudade

É sofrer se preciso for, pelo tempo necessário para se recompor

Mas nem por isso estacionar…

É usar as decepções como liga para nova construção

É ser carinho sempre, é usar a arma mais poderosa do universo:

O amor!

Aquela que só nós podemos carregar, destravar, apontar, atirar

Viver e deixar viver…

Alda M S Santos

A um abraço de distância

A UM ABRAÇO DE DISTÂNCIA

Para que precisamos buscar tantas coisas?

Para que nos desgastamos tanto para adquirir objetos que nem necessitamos

Roupas, carro, casa, passeios

Para quê?

Para que lutamos tanto por pessoas ou situações que não são nossos

Não precisam de nós, não nos querem

Se tudo isso sozinho de nada vale e traz sofrimentos

Para quê?

Se tudo que nos faz bem, nos faz felizes

Se tudo que acalenta nossa alma carente de verdades e simplicidade

Enternece nosso coração, alarga nosso sorriso

Não estiver a um abraço de distância

Ao alcance de nossos braços quentes

Cuidado com carinho em nossa mente e coração?

Alda M S Santos

#carinhologos

Um grupo, um violão

UM GRUPO, UM VIOLÃO

Um grupo, várias vozes, um violão

Uma roda, ao ar livre, numa tarde gostosa no sabadão

Nem precisa ser muito afinado, não

Basta que tenha vontade, carinho, amor e atenção

Que as músicas sejam de uma época saudosa, refinada seleção

Que tragam boas lembranças e animação

Que despertem desejo de cantar, de dançar pelo salão

Que haja poesia nos versos singelos e amorosos da canção

Que sequer se importem com qualquer limitação

Que a gente perceba em cada voz que vibra o pulsar do coração

Em cada sorriso que se abre a luz que brota da gratidão

Em cada palavra terna a sincera satisfação

Em cada abraço, a troca do amor precioso, o amor irmão!

Alda M S Santos

#carinhologos

É bom?

É BOM?

É bom quando nos torna pessoas do bem, quando desperta nossa melhor versão,

Mas se é algo que nos impede de ser ou fazer o que gostamos

Se é algo que nos desestrutura, mais entristece que alegra

Não é bom!

É bom quando aumenta nossa fé em Deus e na humanidade, aproxima pessoas e nos orgulhamos em fazer parte,

Mas se é algo que nos envergonha, frustra, amedronta

Não é bom!

É bom quando nos desperta para o amor e a solidariedade, a compaixão e a fraternidade,

Mas se nos faz criar “dívidas” sociais, familiares e emocionais muito pesadas,

Não é bom!

É bom quando queremos e podemos divulgar em “rede nacional”, contagiar a todos e levar a paz, amor e segurança que sentimos,

Mas se nos afasta dos outros, daqueles que amamos e nos querem bem

Mas, principalmente, se nos leva para longe de nós mesmos,

Para um lugar dúbio e sem volta

Se nos distancia daquilo que sempre tivemos orgulho em ser e fazer

Não! Definitivamente não é bom!

Oscilando entre o que é bom e o que não é, vamos vivendo

Caindo menos, derrubando menos ainda, ajudando, aprendendo, seguindo…

Viver é bom quase sempre!

Alda M S Santos

#carinhologos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: