Busca

O grito que não se cala

O GRITO QUE NÃO SE CALA

Há em nós um grito que não se cala

Um grito que luta contra tudo de mau e errado que há por aí

Mesmo que seja um grito sem barulho

Um grito feito de silêncio, de lágrimas ou de sorrisos

O grito feito de abraços, de acalento, de amparo

O grito feito de mãos estendidas

O grito feito de colo, de compreensão, de gratidão

O grito que não se esconde na covardia

O grito que não se esconde na saudade de tempos idos

O grito que não se esconde na saudade de tempos que não vieram

Mas um grito!

Um grito que impulsiona e não se cala

Um grito que se lança na frente para proteger familiares, amigos ou qualquer necessitado

Um grito que não aceita fazer ou ser o mal

Um grito que se expõe na defesa do outro

Num mundo tão individualista e desumano

Sejamos o grito que falta!

Alda M S Santos

Planeta Azul

PLANETA AZUL

Entre vegetais, minerais, animais

Astros e estrelas

Água, terra, ar, fogo, coração

Um gigante repleto de seres (des)animados solto no espaço

Nosso planeta azul não é mais tão azul assim

E somos a parte pensante por aqui

Somos a parte coração

Aquela capaz de amar, construir e destruir

A si mesmo e aos seus semelhantes

Só não sei afirmar ainda

Se essa é a notícia boa ou ruim

Para nós e para o planeta…

Alda M S Santos

Meu Primeiro e-book

QUANDO NÃO ESTOU EM MIM

Um sonho realizado…

Vem aí meu primeiro e-book

Logo, logo…

Luto, por isso luto

LUTO, POR ISSO LUTO

Luto, só temos visto isso

Tristeza, dor, corpos levados em redes, dependurados nos helicópteros

Lágrimas e mais lágrimas, revolta, injustiça, impunidade

Tragédia de Brumadinho…

Números!

Desaparecidos, mortos, identificados ou não

Vítimas que se foram, morreram

Vítimas que ficaram, sentindo-se morrer por dentro

Histórias…

Quais as mais sofridas?

Pessoas que puderam se falar pouco antes

Ou se despedir, mesmo sem saber

Outras que não tiveram chance…

Quantas estavam brigadas, chateadas?

Quantas não se falavam direito, não se davam o devido valor?

Quantos arrependimentos, distanciamentos?

O que mais aperta o coração de quem se foi?

O tempo desperdiçado, não aproveitado?

E de quem ficou?

E quem foi salvo da tragédia por motivos simples?

E as que deveriam estar lá e não estavam?

Qual o alerta deixado para todos nós?

A vida é fugaz!

Não tem data e hora para acabar!

Vamos viver de maneira justa e honesta,

O mais intensamente que pudermos,

Fazendo sempre o bem, sem tirar nada de ninguém,

Agradecer aqueles que estão conosco, curti-los, amá-los

A morte não teve critério algum

Levou gente de toda classe, idade, gênero, bichos, natureza…

Enquanto não chega nossa hora

Independente do luto, devemos lutar e seguir…

Mesmo doendo…

Em luto por todos eles, pela humanidade tão perdida

Por isso eu luto todo o tempo…

E espero que possa chegar do outro lado

Sem muitas dívidas a pagar ou do que me envergonhar…

Alda M S Santos

(Fotos: Adriano Machado/Reuters)

Ilusão da vaidade

ILUSÃO DA VAIDADE

Acreditar-se bom, importante, valorizado, especial

Inteligente, belo, leal, amigo, companheiro, humano…

Ser tudo isso é de valor inestimável

Desde que não seja ilusão da vaidade…

Quando a vaidade nos cega

Acaba por nos fazer superestimar o que temos ou somos

Quase sempre em prejuízo da realidade

Além de, muitas vezes, machucar os outros

Isso nos leva para um destino certo: a decepção

O que atrasa e torna áspero o caminho para o aprendizado…

Buscar cada dia nos tornarmos melhores é sabedoria

Melhor que fomos ontem, menos do que podemos ser amanhã

Mas nunca para superar este ou aquele indivíduo

Nossa “disputa” deve ser interna

E se for bem trabalhada já nos tomará bastante tempo

E a vitória e o sucesso serão bem mais doces e reais …

Alda M S Santos

Momentos ilha

MOMENTOS ILHA

Há momentos que somos mar

Imensidão encantadora e perdida

Há momentos que somos céu

Voo e livre imaginação

Há momentos que somos terra

Pés no chão, dor no coração

Há momentos que somos fogo

Irritabilidade e inconstância, desejo de mudança

E há momentos em que somos ilha

Isolados em nós mesmos em busca de nós

Sem perceber o que nos cerca

Que em nossos momentos ilha

Estejamos cercados do bem

Por todos os lados…

E que a gente possa se afinar com ele…

Alda M S Santos

Que não doa tanto ser gente

QUE NÃO DOA TANTO SER GENTE

Algo errado, muito errado, desumano

Que acaba por acionar angústias e tristezas represadas em nós

Nossas comportas também se rompem

Sensação de não pertencimento a esse lugar

Desvalorização da vida, dos sentimentos, das conquistas

Vidas hierarquizadas, sem critério algum

Saudades de outros tempos, de outras pessoas

De uma época em que sabíamos valer algo

Talvez nem valêssemos, mas não percebíamos assim

A ignorância dos fatos é, muitas vezes, uma bênção

Pessoas lançadas umas contra as outras

Por questões políticas, religiosas, sociais, financeiras

Não se sabe mais ao certo o que é importante

Uma barragem se rompe lá e estoura algo aqui dentro da gente

Saudades…

Saudades de um tempo bom

Em que não éramos apenas números

Uma imagem embaçada na memória, um retrato na estante

Ou do que éramos noutro tempo

Quando não matávamos tudo, até sentimentos

Esse tempo existiu mesmo?

Quero um mundo novo, mais humano

Quero um lugar novo, onde não doa tanto ser gente

Quero ir embora daqui

Quero reencontrar a esperança e a capacidade de sonhar

E afastar o pesadelo da realidade…

Alda M S Santos

Seres especiais

SERES ESPECIAIS

Queremos ser especiais

Especiais para alguém, especiais para Deus

Especiais para nós mesmos

Que isso seja uma bênção e não um peso

Queremos ter alguém especial

Que goste dessa condição de ser especial para nós

Que sinta-se confortável sendo nossa prioridade

E que possa haver reciprocidade

Isso é inerente ao ser humano

Não é egoísmo ou egocentrismo

É apenas a necessidade humana de valorização, de amor

É o equilíbrio da razão e emoção

É pré-requisito da felicidade

Queremos ser especiais!

Alda M S Santos

Renovando…

RENOVANDO…

A vida nem sempre é como a gente quer

As pessoas e situações quase nunca correspondem às nossas expectativas

A dor muitas vezes se impõe, as forças minam

Sentimo-nos excluídos, esquecidos, desvalorizados, preteridos

Mas brota lá de dentro uma semente, a da sobrevivência

E a gente cuida, rega, aduba, se deixa cuidar e adubar

Enquanto formos capazes de levar um abraço, um cuidado

Enquanto formos capazes de respeitar e cuidar de toda vida existente

Enquanto formos capazes de sorrir um para o outro

Para nós mesmos, a despeito de todo e qualquer sofrimento

O amor prevalecerá, a vida se renovará

Cada dia mais bela e promissora…

Alda M S Santos

Também somos responsáveis

TAMBÉM SOMOS RESPONSÁVEIS

Quando não ouvimos os gritos que imploram por socorro

Também somos responsáveis

Quando não entendemos o olhar que nos implora atenção

Também somos responsáveis

Quando nos calamos diante do silêncio sugestivo e de alerta

Também somos responsáveis

Quando ignoramos um pedido de perdão

Também somos responsáveis

Quando fechamos os olhos para a escuridão que se avizinha

Também somos responsáveis

Quando usufruímos do objeto/produto que possa causar dor ao outro

Também somos responsáveis

Quando não gritamos, não entendemos, não agimos

Quando somos tomados pelo comodismo e pela inércia

Também somos responsáveis

Não importa de onde venha a lama ou a tragédia

Ou de onde os escombros caiam

Se ocorre no trabalho, na igreja, na vizinhança

Em nosso próprio lar ou dentro de nós mesmos

Somos, no mínimo, corresponsáveis

Que cada qual possa assumir sua cota de culpa

E mudar…

Alda M S Santos

A alma chora e agradece

A ALMA CHORA E AGRADECE

Fadigado o corpo luta para sobreviver à lama

Esgotada a alma chora

Chora por aqueles que se foram

Chora pelo descaso, pela insignificância da vida

Chora por si mesma…

Ao redor tudo é destruição

Quanto ouro vale uma vida?

Mais especificamente, quantas vidas são necessárias

Para pagar pela mineração?

Fundão, Feijão, decepção, repetição

Não foi aprendida a lição?

E a alma estremece, quase desiste, chora

E se entrega, agradecida, nos braços daquele que a acolhe

Uma alma que entende outra alma

Corações em sintonia, dor, alegria

E a alma chora, agradece…

Alda M S Santos

Construindo história

CONSTRUINDO HISTÓRIA

Tudo tem história, tudo produz história

Algumas admiradas, escritas, lidas por todos

Retratam crescimento, luta, coragem, sobrevivência

Vontade de reviver, sentir os mesmos aromas, ouvir os mesmos sons

Outras que nos envergonham, nos fazem querer pedir perdão

Apagar, deletar da memória, dos registros oficiais ou não

Voltar lá atrás e consertar um momento, uma página, um capítulo

Que poderia ter produzido vidas diferentes a muitas pessoas

Uma humanidade menos desumana

Aí percebemos que a história já construída não permite muito

À história passada só nos cabe isso: aprender com ela

Quer tenha sido boa ou não, deixado saudades ou decepção

Possibilita apenas muito aprendizado para a história que será lida ou admirada amanhã

Aquelas que hoje escrevemos

Que ainda estão em processo de construção dentro da gente

Somos como uma cidade histórica

Carregamos em nós um passado bonito e de lutas

Mas a cidade não para, assim como nós

E não serve apenas para admiração

A história continua…que valha a pena ser lida!

Alda M S Santos

Quero a verdade

QUERO A VERDADE

Quero toda e qualquer verdade

Aquela que é escondida atrás de um sorriso

Ou disfarçada num olhar fosco e vago

Quero a verdade que tentamos deletar da memória

Que possa magoar ou nos ferir fundo

Vinda num silêncio tenso ou num grito angustiado

Quero a verdade doce que traz alegrias ou esperanças

Capaz de curar qualquer dor

Quero a verdade amenizada nos eufemismos

Ou revestida e clareada nas metáforas

Quero a verdade que ficou perdida nos buracos do caminho

Aquela que foi acovardada nos medos e decepções

Quero a verdade que nos move, que dá o brilho ao olhar

Aquela que nos impulsiona sempre para frente

A despeito de qualquer entrave, obstáculo ou subterfúgio

Quero a verdade mesmo que cause vergonha, traumas ou culpas

Aquela que soterramos nos escombros de nós mesmos

Quero a verdade sempre, ofereço a verdade sempre

Mesmo que ela termine com um “perdoe-me”, “te amo”, “tenho orgulho de você”

A verdade deve ser sempre a liga de todo tipo de relação saudável

De amizade, de trabalho, de amor

Quero a verdade sempre!

Alda M S Santos

Meu céu sou eu quem faço

MEU CÉU SOU EU QUEM FAÇO

Meu céu sou eu quem faço

Escolho o que quero ver

Foco no azul intenso, na liberdade dos pássaros a voar

Admiro a pipa que parece livre

Dança para lá e para cá

Sob o comando de uma linha, controlada

Sobe e desce ao sabor do vento

Meu céu sou eu quem faço

Se me desagrada finjo não ver

Coloco meus óculos de sol, escondo as lágrimas

Quando as nuvens escuras imperam

Abro um sorriso para atrair cores

Meu céu sou eu quem faço

Crio histórias onde o amor vence sempre, capto a poesia

Uso o filtro que me cabe

Com a sutileza da alma

Acreditando sempre que a magia só acontece

Quando acreditamos em milagres…

Alda M S Santos

Lavando a alma

LAVANDO A ALMA

No Sol que irradia e aquece a pele

Nas pedras que massageiam e acariciam os pés

Na água da cachoeira que refresca e limpa corpo e mente

Na chuva que inunda e fecunda ideias

Na Lua que cresce, diminui, some e volta, nunca desiste

Nas estrelas que brilham na escuridão do firmamento

No som do silêncio que desperta saudades

No carinho e cuidado daqueles que me cercam

Que precisam de mim, que deles necessito

Em tudo lavo minha alma, pouco a pouco

Pois a alma precisa de um sabonete especial chamado amor

E ele só encontramos naquilo que Ele criou…

Lavando minha alma sigo buscando a paz…

Alda M S Santos

Meu tempo

MEU TEMPO

Meu tempo já não é mais o mesmo

Menos ansiedade ou afobação

Um leque maior de opções, sem tanta obrigação

Correria só por lazer ou diversão

O número de coisas a adquirir importa cada vez menos

É preferível despertar emoções saudáveis e bons sentimentos

Já aceito melhor a qualidade em detrimento da quantidade

Aprecio novos lugares, mas sei bem que “com quem” vale mais do que “onde”

Já não tenho tempo a perder remoendo raivas, ciúmes

Sofrendo culpas, me martirizando pelo que não tenho controle

Sei que dar soco em ponta de faca só fere a mim mesma

Prefiro me encontrar nos sorrisos, nos abraços

No carinho sincero, no amor declarado mesmo no silêncio

Assumo o produto de minhas escolhas, erros e acertos

Para o bem ou para o mal

Aceito melhor os tempos das outras pessoas diferentes de mim

Valorizo o amor que se apresenta

Não cobro, não peço, não imploro nada

Doar o que temos é o melhor modo de conquistar o que precisamos

Estou aprendendo que nadar contra a corrente suga a energia

Mas não é pior que seguir um curso indesejado e indefinido

Que quase sempre não leva a lugar algum …

Meu tempo não é mais o mesmo

Mas ainda estou aprendendo a lidar com ele

Qualquer hora dessas eu consigo

E atinjo todas essas metas!

Alda M S Santos

Liberdade

LIBERDADE

Não quero um dia mundial da liberdade

Quero a liberdade mundial todos os dias

Começando pela liberdade de cada indivíduo

Repudio qualquer tipo de prisão

Aquelas a que somos submetidos contra a nossa vontade

Independente de quais trancas se use

Físicas, psicológicas, financeiras, religiosas…

Quero a liberdade de ir e vir

Sem cerceamento ou controle

Quero a liberdade de ter ou ser

Sem precisar prestar altas contas disso

Quero a liberdade de sentir ou agir

Sem ser atormentado por traumas ou culpas

Quero a minha liberdade

Desde que ela não se interponha à liberdade do outro

Quero liberdade, mas não abro mão da responsabilidade

Aquela que possibilita leveza nas asas para voar

Satisfação pela habilidade e encanto pelo amplo espaço a desbravar

Pois liberdade pesada é pior que prisão

As asas têm técnica, mas perderam o prazer de voar…

Quero a liberdade para viver!

Alda M S Santos

Coleções

COLEÇÕES

Há coleções de todo tipo

De figurinhas, de selos, de joias

De carros, de jogos, de souvenir

De roupas, calçados, discos e livros

Há até quem colecione pessoas

Coleções para diversão, para exibição

Há coleções menos “concretas”

Coleções de sorrisos, de lembranças, de lágrimas

De delicadezas, de cores e perfumes

Há coleções de olhares, de poemas, de fotografias

Há coleções para serem exibidas

Há coleções para serem guardadas e protegidas no coração

Aquelas nos fazem “grandes” perante o outro

Estas nos fazem grandes perante nós mesmos…

Alda M S Santos

Minha idade não permite

MINHA IDADE NÃO PERMITE

A única coisa que a idade não permite

Seja ela pouca ou muita, iniciando ou já avançada

Masculina ou feminina, é a infelicidade

Se a felicidade pede, não é a idade que deverá impedir

Se a felicidade pede, não é o olhar maldoso do outro que irá impedir

Se a felicidade pede e não fere a consciência

Se a felicidade pede e não está retirando nada de ninguém

Se a felicidade pede e não põe em risco a felicidade do outro

Não é a idade que poderá impedir

Corpo e mente devem estar em uníssono, em sintonia

Para ouvir o que a alma precisa realmente para ser feliz

E não abrir mão da felicidade por preconceitos próprios ou alheios

A idade, seja ela qual for, não só permite

A idade pede, exige que façamos o que nos faz bem

A idade apenas nos mostra que o tempo tá passando veloz

E cabe a nós fazê-lo correr o mais prazerosamente possível

Para nós e para os outros

Enquanto há vida…

Minha idade não me permite ser infeliz!

Alda M S Santos

Sabedoria da areia

SABEDORIA DA AREIA

Viver a sabedoria da areia

Absorver o que é bom, que cabe em si

Deixar de fora, na superfície, o que não dilui, não flui

Aceitar sobre si diferentes tipos de vida

Ser apoio, refrescância, acolhimento, calor

Viver a sabedoria da areia

Deixar-se moldar pelas ondas

Parecer desabar, desfazer-se e persistir

Na certeza de que nada é eterno

Nem a tormenta, nem a calmaria…

Alda M S Santos

Depende do nosso olhar

DEPENDE DO NOSSO OLHAR

Mesmo estando muitas vezes entre o Sol e as nuvens

Entre a luz e a escuridão, entre a brisa ou o vendaval

Entre o ir ou ficar, entre o fazer ou deixar rolar

Nosso lugar é só nosso…

Podemos deixar outros brilhos nos acender ou ofuscar

Outras águas nos hidratarem ou inundarem nossos recantos secretos

Outras estrelas iluminarem nossa noite

Lidar com outras sombras além da nossa

Mas nosso lugar aqui é só nosso

E por ele respondemos sempre

Não podemos desistir da vida…

Diante dessa imensidão

Da beleza da Criação Divina

Tudo torna-se pequeno, ou não.

Depende do nosso olhar…

Alda M S Santos

Panorâmica

PANORÂMICA

Quero uma panorâmica da minha vida

Que capture tudo do início ao fim em 360 graus

Cores, diversos matizes, claros e escuros, foscos e brilhantes

Pontos em relevo, reentrâncias, 3D, transparências

Áreas secas, outras molhadas, oásis e desertos

Com direito a giros, emoções, sorrisos e lágrimas

Liberdade para extasiar, tontear, sem desabar

Quero nela todos aqueles que fizeram parte do meu viver

E revelar num grande mosaico

A minha simples passagem por aqui

Quero uma panorâmica da minha vida…

Alda M S Santos

Se eu puder escolher

SE EU PUDER ESCOLHER

Se tudo na vida nos rouba tempo

Que eu possa escolher como ser roubada

Que meu tempo seja subtraído

Fazendo coisas que me dão prazer

Que dão prazer aos outros, aos que me fazem bem

E quando eu não puder impedir lágrimas e decepções

Que ao menos possa ter quem enxugá-las

E, para cada lágrima que porventura eu venha despertar em alguém,

Que tenha, em contrapartida, deixado a lembrança de um sorriso, um abraço, um beijo, um cuidado

Que logo roube seu lugar e faça o tempo ser precioso

Se eu puder escolher

Escolho focar e ficar no que fez e faz bem

De perto ou de longe…

Alda M S Santos

Sempre em busca

SEMPRE EM BUSCA

Viver é estar sempre em busca

Ainda que não se saiba exatamente de quê

Mesmo que todos o vejam como preenchido

Aquele a quem nada falta

Por mais que sinta gratidão à vida

A tudo que foi permitido ter, ao que aprendeu a ser

Aquilo que foi conquistado, mantido, até mesmo aquilo que foi perdido

Aquilo que te fez o que hoje é

Tudo só foi e é possível por ter estado sempre em busca

Por nunca ter desistido ou estacionado na aparente completude

Só você sabe os motores que te movem

As necessidades que te (des)orientam, seus medos

Só você sabe seu tempos, suas urgências, suas carências

Ainda que não sejam verbalizadas ou compreendidas

São elas que te mantêm sempre em busca

São elas que dão a aparência de alguém a quem nada falta

Apesar de toda sua inquietude…

Todos veem “tudo” que você tem

São suas buscas e lutas que nem todos veem

Quem está vivo está sempre a buscar…

Alda M S Santos

Namastê

NAMASTÊ

O Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em você

E quando isso ocorre só coisas boas podem acontecer

O belo que existe em mim saúda o belo que existe em você

Minha essência humana saúda sua essência humana

Minha porção divina saúda sua porção divina

A partir daí somos imbatíveis, invencíveis

Porque ao acionarmos o bem que há em cada um de nós

Não sobra espaço para o mal, o negativo fica sem lugar

As sombras não causam medo, os monstros não atemorizam

A escuridão é iluminada pela luz

Aquela que, mesmo escondida, mora dentro de mim, dentro de você

Basta acender!

Namastê!

Alda M S Santos

Faça amor com a vida

FAÇA AMOR COM A VIDA

Chegue lentamente, tire as sandálias

Caminhe devagar, sinta a maciez da areia fina

Deixe seus pés se afundarem

Abra os braços, tire os óculos, feche os olhos

Inspire, expire!

Inspire energia, expire o cansaço

Inspire o calor, expire toda dor

Dê um giro sobre si mesmo, olhe para o alto

Dê um grito de paz, mesmo em seu silêncio, se preferir

Corra para o mar, mergulhe, lave toda negatividade

Seja esponja do bem, seja grato, tenha bons pensamentos

Sinta a brisa, a pele se arrepiar, o prazer em estar vivo

Sorria, abrace, beije, faça amor com a vida…

Viva e deixe viver!

Alda M S Santos

As tochas estão acesas

AS TOCHAS ESTÃO ACESAS

“Bruxas” expulsas de algum “paraíso”

Julgadas e condenadas à fogueira

Onde ardiam a queimar o ”mal”

Junto dos livros subversivos, e todo seu material

Conhecimento sempre foi problema

Para quem, sem argumentos, precisa de fantoches

É mais fácil dobrar um povo alienado

Que aceite se curvar, ser manipulado

Proíbem uma fala, um jeito de ser, uma expressão

Logo será um livro, um jeito de trabalhar, uma profissão

Quando assustarmos já estará acesa a “fogueira”

Na qual arderão os conhecimentos das “bruxas” de plantão

As tochas estão acesas…

Alda M S Santos

Ao sabor do vento

AO SABOR DO VENTO

Um barco, uma âncora, uma bandeira a balançar

Seus olhos observam, sua alma voa

Ao sabor do vento navegam no oceano

Leva para lá e traz de volta para cá

E nesse constante remexer, nessa brisa refrescante

Ora é paz, calmaria, ora é tempestade, inconstância

Tenta encontrar seu lugar, se encaixar

Ser barco, ser âncora, ser vento, ser pouso…

Joga água salgada no rosto, aquece-se ao sol

Tenta lavar e aquecer também a alma

E o barco balança, a âncora repousa

O porto está longe e a bandeira balança ao sabor do vento

Fecha os olhos e, como ela, solta-se, entrega-se, deixa-se levar…

Alda M S Santos

Gosto de gente

GOSTO DE GENTE

Gosto de gente

De barulho de gente silenciosa

De silêncio de gente barulhenta

De ter gente por perto

Ainda que não interaja com elas

Gosto de observar, de aprender com o que vejo

Gente me inspira, me faz refletir, me atrai

Gosto de gente que acerta, que erra

Sobretudo que aprende com os erros, que se desculpa

Gosto de gente malucona, fora dos padrões

Gosto de conversar com gente de verdade

Gente que é real, instável ou insegura

Gente imperfeita como eu, meio fora de órbita

Mas conectada em outras “gentes”

Gosto de imaginar uma história para cada um que vejo

Tenho até vontade de confrontar dados

Ou seja, gosto de gente que não se envergonha de ser gente

Gosto de gente que se comunica com o olhar

Gosto de imaginar o que o olhar diz

Gosto de gente que não passa por cima de gente em hipótese alguma

Gosto de gente que respeita gente, que dá as mãos

Gosto de um pouco de solidão também

De caminhar sozinha à beira-mar ou no meio do mato

E ruminar tudo que vejo e sinto

Assim fica mais fácil lidar com gente que mora dentro da gente

Inclusive as muitas de nós…

Gosto de gente!

Alda M S Santos

Minúsculos grãos de areia

MINÚSCULOS GRÃOS DE AREIA

Uma imensa galáxia composta de muitos corpos celestes

Uma esfera terrestre cheia d’água, mares e rios

Fauna, flora, minerais…

A balançar nesse infinito espaço sideral

Que nunca se derrama ou cai

Dentro dessa esfera estamos todos nós

Minúsculos grãos de areia com a liberdade cerceada

Mantidos “presos” ali pela lei da gravidade

Unindo-nos uns aos outros para não cair

Dando-nos as mãos para nos sentirmos menos sós

E fazer da nossa esfera mental uma galáxia menos complexa, mais livre

Até poder escapar desse planeta e atingir o multiverso lá fora

Do qual somos parte, mas muitas vezes nos sentimos excluídos…

Alda M S Santos

Precisamos nos armar de amor

PRECISAMOS NOS ARMAR DE AMOR

Já estamos armados!

Fomos aos poucos sendo armados com a navalha da intolerância

Temos posse do sentimento de superioridade de todo tipo

Portamos conosco o veneno social e fatal do preconceito

Carregamos no bolso sem trancas ou cuidados a revolta e angústia contra males sofridos

Nossa aptidão para uso e manuseio está determinada pela pontaria

Exames psicológicos atestam nossa normalidade e direito à “defesa”

Tudo isso junto torna as armas de fogo apenas detalhes letais

Facas, espadas, revólveres e quaisquer outras armas

São apenas instrumentos do motor da intolerância que já trazemos licenciados em nós

Tendo esse motor uma pedra, um pau, uma garrafa

Até mesmo nosso corpo são armas letais

Com o motor do preconceito e da superioridade liberados

A diferença entre a posse e o porte de armas é circunstancial

Fica a cargo da raiva ou humor que você carrega no momento

De quem tiver atravessado seu caminho

Em casa, no trânsito, no trabalho, nas relações “amorosas” ou sociais

Já estamos armados!

Se quisermos mudar algo precisamos nos armar de amor…

Alda M S Santos

Fronteiras

FRONTEIRAS

Do lado de lá ou do lado de cá

Uma linha invisível a separar

Fronteiras a nos impor limites

A nos deixar de lados diferentes do front

Tal qual a linha no horizonte

A dividir o que é céu e o que é mar

Do lado de lá ou do lado de cá

Aquele traço suave quase apagado a separar

O amarelo fosco do entardecer e o cinza chumbo do anoitecer

As águas doces de um rio que se encontram com o sal do mar

A terra seca da chuva prata que a inunda

Do lado de lá ou do lado de cá

Nem sempre enxergamos a linha tênue a separar

O que é efêmero do que é eterno

O que é certo do que parece certo

O que é bom do que é ruim

O que é verdade ou o que é saudade

O que é nosso do que pensamos que fosse

O que é amor do que são só palavras

Do lado de lá ou do lado de cá

A fronteira a dividir esse front

Não é enxergada nem na luz nem na escuridão

Mas é sentida a cada passo

Em cada grito ou silêncio de dor ou alegria

Em cada pegada deixada nas areias dessa estrada chamada vida…

Alda M S Santos

Meu barquinho

MEU BARQUINHO

Bom mesmo é navegar

Com a força dos braços nos remos

Com as velas empurradas pelos ventos

Ou motores fortes a rasgar as águas

O que vale é navegar…

Desbravar nossos mares escuros

Irrigar nossa esperança de novas descobertas

Cuidando para evitar naufrágios

E, se acontecer, saber sobreviver, resistir e seguir

O que vale é navegar

Mas encontrar um porto seguro para descansar

Repor as energias e agradecer

É tão importante quanto…

Sigo navegando e atracando

Com meu pequeno barquinho

Ora sendo apoio, ora buscando apoio…

O que vale é seguir o curso…

Alda M S Santos

Belezas

BELEZAS

A beleza de dentro

Admira a beleza de fora

Uma abastece a outra

É uma magia que vibra

Encanta e irradia…

A beleza de fora

Invade e preenche

Os vazios da beleza de dentro

Uma complementa a outra

É um espetáculo ímpar

Que gera vida, amor que contagia

Que ousa curar os males de fora

Que se atreve a sanar os males de dentro…

Alda M S Santos

Aparências, nada mais…

APARÊNCIAS, NADA MAIS…

Não é porque parece sujo que não limpa

Ou limpo que não esteja sujo

Não é porque sorri que esteja sempre feliz

Ou chorando que seja um infeliz

Não é porque está vestido que tem pudores

Ou nu que seja despudorado

Não é porque seja tão belo e brilhante por fora

Que também o seja por dentro, lá pode estar fosco

Não é porque grite que tenha muito a dizer

Ou silencie que não esteja sufocando algo

Não é porque caminhe por caminhos diferentes

Que tenha mudado a rota original da própria vida

Não é porque desanime ou tantas vezes queira desistir

Que não seja grato ao amor e à vida…

Aparências, nada mais…

Apenas um bom olhar percebe o que vai dentro

Além da superfície!

Alda M S Santos

Felizes para sempre

FELIZES PARA SEMPRE

Quem disse que o “felizes para sempre” não existe?

Simplesmente ele é entremeado de vários momentos infelizes

Contos de fada terminam no ponto do “foram felizes para sempre”

E vida real não para! Segue!

E tem muitas quedas e entraves, decepções, mágoas

Aqueles nos quais pensamos que é o final do “sempre”

Mas o sempre é até a morte, talvez além dela

A vida é um contínuo, um fluxo constante

Mesmo que a gente pareça estacionados…

Existem vários felizes para sempre

Vários motivos vão se impondo

Vários começos, vários fins

Muitos recomeços

Quando vamos nos redescobrindo dia a dia

E, em nós, infinitos felizes para sempre

Só precisamos observar bem…

Alda M S Santos

Perseverança

PERSEVERANÇA

É preciso perseverar!

Férias não duram para sempre

Festas têm fim, lazer tem prazo determinado

Paz e tranquilidade não são eternas

Mas podem oscilar menos dentro de nós

Para manter algo de bom

Conquistado em momentos ímpares

É preciso perseverar!

Saber usar a bateria que foi recarregada

A emoção que foi bem trabalhada

A alma que se abasteceu transbordando encantos e cuidados

É preciso perseverar!

Se quisermos manter a cor e o tom do verão

O dourado bonito da pele que atinge a alma e faz brilhar o sorriso

A leveza, a tranquilidade e doçura de uma brisa marinha

Ou vivermos para sempre em lua de mel com a vida

É preciso perseverar!

Enfrentar com energia e paciência os outonos e invernos

Curtir também o que de bom podem oferecer

Não se pode desesperar

É preciso perseverar!

Alda M S Santos

Energias

ENERGIAS

Energia que vem da luz solar, de seu calor

Ecologicamente correta, vivência autossustentável

Energia que vem do petróleo, da água, dos recursos naturais escassos

Uma vida em risco, tempo contado, extinção

Preocupações válidas…

Energia que vem de dentro, das emoções

De uma mente saudável, sem culpas, sem medos

De um corpo forte, vigoroso, ativo

Particularmente de um coração pulsante, amoroso

E de uma alma em paz consigo mesma…

São todas energias… interdependentes

Qual delas se faltar nos leva mais rapidamente à extinção?

Precisamos da energia do sol, da água, dos ventos

Precisamos da energia do amor…

Alda M S Santos

Fotossíntese

FOTOSSÍNTESE

Enquanto houver sol

Enquanto ele despontar reinando no horizonte

Seremos alimentados por seu brilho e calor

Por sua capacidade de gerar vida

Quando ele se for

Estiver encoberto por nuvens escuras

Ou ceder lugar para a noite

Auxiliados pelo que ele deixou

Buscaremos luz e calor em nosso interior

Faremos nossa própria fotossíntese

E manteremos a vida saudável em nós…

Alda M S Santos

O último raio de sol

O ÚLTIMO RAIO DE SOL

Os últimos raios de sol estão brilhando no horizonte

Irradiam e refletem todo o trabalho de um dia nas águas do oceano

Descansam ali toda a energia despendida em forma de luz e calor

Deitam nele suas esperanças de um novo amanhecer

Um olhar ao longe também repousa

Ela acalma o seu coração diante desse espetáculo gratuito a lhe dizer:

A vida é cíclica, tudo vai, tudo volta

Tenha calma na alma

Que a paz reinará!

Alda M S Santos

(A)mar cura toda amargura

(A)MAR CURA TODA AMARGURA

A ciência comprova que praia cura muitos males

Inúmeros!

O sorriso no rosto corrobora a ciência

Pelo simples fato de estar ali, independente de toda a química envolvida

Banhar-se naquelas águas salgadas

Sentir o sol, a brisa, a areia, a maresia é rejuvenescedor…

Mas cura mesmo é porque deixa a mente menos carregada

O coração mais leve, mais cheio de saudade boa

A vida mais suave…

Dizem que é de graça

Não é bem assim!

Chegar até ele e se manter ali tem um preço

Mas vale a pena ser pago…

Saber se livrar do negativo exige uma certa habilidade

Para conectar-nos com nossa mais rica natureza

Venham todos!

Há mar!

Amar cura todo o tipo de amargura!

Alda M S Santos

O mar e ela

O MAR E ELA

Parece o tempo todo em ebulição

Faz barulho, movimenta-se continuamente

Ora ritmadamente, ora em confuso compasso

Às vezes parece que para, silencia

Mas está apenas a buscar mais energia do fundo

Não se aquieta, borbulha, ferve

Espuma, transborda, encanta-se

E se desmancha na areia…

O mar ou ela?

Ah, tanto faz! São a mesma coisa…

O mar e ela…

Alda M S Santos

Procuramos

PROCURAMOS

Somos um entre bilhões, um a mais na multidão

Aqueles que tentam ver, serem vistos ou passarem despercebidos

Num ir e vir frenético, procuramos…

Por um alguém especial, alguém a nós destinado,

Ainda não encontrado, apenas imaginado

Ou já encontrado, não valorizado, perdido…

Procuramos por um rosto específico, um jeito de andar

Um modo distraído, concentrado ou estabanado de ser

Aqueles cabelos rebeldes, vestes despojadas

E aquele sorriso, aquele olhar,

Únicos no mundo, brilho especial, alvo certeiro…

Esses é que darão a conexão ímpar: de almas

Procuramos…

Mas são tantas as almas!

Onde estará aquela especial?

Trombará conosco na rua, derrubará nossos livros no metrô

Comerá nossa pipoca ou enxugará nossas lágrimas no cinema

Molhará conosco numa chuva de verão numa praia lotada

Dançará conosco numa festa, daremos uma carona amiga

Ou simplesmente chegará dizendo “oi, desculpe pelo atraso”?

Andamos, observamos

Olhamos bem os detalhes

Uns encontram, guardam com carinho, grudam para sempre

E os outros continuam

Procurando…

Alda M S Santos

Sobre as águas

SOBRE AS ÁGUAS

Queria ser capaz de correr sobre as águas

Com toda a confiança de nunca afundar

Até chegar do outro lado do horizonte

Onde o mar se encontra com o céu

Ou sobrevoar as águas tal qual pássaro

E mergulhar vez ou outra em busca de um peixe

Num barco também não seria nada mal

Numa maré baixa deixar-me levar

Debruçar sobre ele e jogar água para todos os lados

Sei lá!

Sinto uma atração irresistível pela água

Uma atração que causa-me medo e prazer

Parece que ela me chama todo o tempo

Será que se eu atendesse esse chamado seria capaz de voltar?

Conseguiria? Quereria?

Daqui fico a observar, a sonhar, a imaginar

Com os pezinhos na areia

Na beira do mar…

Alda M S Santos

Quem sou eu?

QUEM SOU EU?

Como se forma uma raça pura?

O que a define?

A mistura de características e genótipos descaracteriza a pureza?

Sou tataraneta de português por parte materna

Ascendência paterna certamente tem negros e índios

Sou uma mistura de raças…

Isso me tornaria impura ou sem raça definida?

Não sou negra, nem Índia, tampouco branca

Sou uma raça nova que se originou a partir dessa mistura

Com tudo de bom ou ruim que possa advir disso aí

Física, psicológica, social ou emocionalmente

Sou brasileira, com orgulho!

Meu fenótipo e meu genótipo o dizem

Mas minha alma é que avaliza e confirma!

Sou pura e simplesmente brasileira!

Alda M S Santos

Esperas

ESPERAS

Vida de esperas incessantes

Esperamos por algo, por um lugar, por alguém

As horas e minutos contados vão se esgotando

Os sonhos se realizando, outros sendo minados

Vida de esperas boas ou vãs

Vida de esperas incessantes…

Esperas por um momento, que dura poucos minutos

Que valem todo o existir

Vida de esperas incessantes…

Mal uma se realiza, outra já toma seu lugar

São motivadoras, motores do existir

Quanto mais depender de nós mesmos

Mais felizes e realizados seremos

Vida de esperas incessantes

Esperando…

Enquanto isso, vivendo…

Alda M S Santos

Aqui tem brasileiros

AQUI TEM BRASILEIROS

Brancos, negros, índios

Deliciosa e encantadora miscigenação

Sangue guerreiro, sangue vermelho, sangue brasileiro

Cultura ímpar, sem igual, que se eterniza em cada um de nós

Que se solidariza, se humaniza, se enraíza

Mulatos, mamelucos, cafuzos

Confusos… mas sempre brasileiros

Do Oiapoque ao Chuí…

Dos fios de cabelos loiros, negros, crioulos, sarará

O coração bate no ritmo da alegria, da esperança

Independente da cor da pele, do que carrega no bolso ou no coração

Ou das batidas dos tambores ou atabaques da vida

A cor da alma é a cor do amor…

Aqui tem brasileiros, aqui tem raça!

Alda M S Santos

Além do horizonte

ALÉM DO HORIZONTE

Além do horizonte tudo parece mais belo

Mesmo que inalcançável, inatingível

Ainda que fique apenas no mundo das ideias

Pode ser atrás de uma densa mata

Além do mar, no alto de uma montanha

Sentindo o doce cheiro de natureza

A terra úmida, a areia quente, a clorofila ou a maresia

Levando-nos ao nosso estado humano natural

Apesar de estarmos meio desconectados do todo

Respiramos profundamente, mergulhamos fundo nessa imagem

Aquela que nos instiga a alçar voo

Ainda que seja apenas nas asas da imaginação…

Vamos?

Alda M S Santos

Misturados

MISTURADOS

A capacidade de misturar

Pernas, pés, braços, corpos, ideias, corações

E manter-se individual, separado

A habilidade de caminhar junto

Ainda que por caminhos diferentes

E se encontrar no mesmo ponto

O jeitinho especial de ser duo

Sem perder a unidade

A perícia de estar dentro, mesmo estando longe

O prazer de voar juntos

Cada qual com suas asas

A satisfação de escolher a quais elos quer estar atado

Sem perder os próprios movimentos

Sem mudar a própria essência, sem ferir a alma

Potencializando a habilidade e a coragem de voar

Preservando a liberdade de viver e amar…

Alda M S Santos

Sorrindo vai chorar

SORRINDO VAI CHORAR

“Um dia a areia branca seus pés irão tocar”

Te farão lembrar que nem tudo na vida é dureza

Que a alegria pode estar em apenas poder caminhar

Numa areia macia, refrescante

Sentir o vento nos cabelos, a brisa que arrepia a pele

Que desperta boas sensações

“E vai molhar seus cabelos a água azul do mar”

Você irá correr feito criança sapeca

Chutar água, mergulhar, saltar ondas

Irá lavar-se de toda negatividade

Purificar a alma, guardar apenas o que é bom

Buscar um abraço que acalenta, que arrepia

“E ao se sentir em casa sorrindo vai chorar”

E vai querer ficar…

Alda M S Santos

 

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: