Busca

Categoria

Intensamente

Orquestra

ORQUESTRA

Muitos são os tipos de instrumentos

Violões, pianos, violinos, teclados e baterias

Saxofones, oboés, flautas, tambores

Tão diferentes entre si, mas com o mesmo propósito

Produzir um som melodioso e harmônico

Cativar, encantar, maravilhar…

Não importa qual tipo de instrumento é:

De corda, de sopro, de percussão…

Todos são importantes, todos podem fazer uma bela “apresentação”

O que dá o diferencial numa orquestra é a harmonia entre os instrumentos

A afinação e sintonia que fazem uma bela canção

Sob a batuta do maestro experiente que extrai o melhor de cada um

E os utiliza nos momentos mais adequados

Graves ou agudos, grandes ou pequenos, altos ou baixos

Todos são essenciais…

Entendêssemos e aplicássemos essa complementariedade de uma orquestra às nossas relações

Usando a batuta de modo harmônico às diferenças dos “instrumentos” de nossa vida

Teríamos um viver mais belo, em sintonia e harmônico

Mais feliz e encantador…

Alda M S Santos

*foto: meu filho Pablo tocando

Cenas da cidade

CENAS DA CIDADE

Burburinho de gente na estação do metrô

Corre e corre para pegar o ônibus integração

Trem lotado, perfumes misturados, smartphones

Alguns conversam, um casal abraçado, um senhor idoso, de pé, é ignorado

Entra e sai constante a cada estação

Uma multidão atravessa no semáforo aberto

Outros correm entre os carros mesmo

Caminho na larga calçada sem muita pressa

De um lado da avenida o Parque Municipal, árvores, lagos, brinquedos e edificações tombadas

No meio, o Ribeirão Arrudas canalizado, águas sujas

Do outro lado, prédios e mais prédios

Um ambulante vende loterias: “hoje é dia da sorte”

Outros vendem biscoitos, salgados gordurosos, variedades

Outro grita: “moça bonita que sorrir não paga…”

E a gente ri, não da piada antiga, mas da expressão do vendedor

Pessoas apressadas, umas sorriem, dizem bom dia

Outras ainda dormem nos bancos, ao lado de lixeiras

Enroladas em seus cobertores, provavelmente doações

Debaixo de árvores ou nos cantos das ruas

Ruas que são suas casas…

Bens públicos e bens privados usados inadequadamente

Tantos rostos, tantas histórias…

Vontade de perguntar a cada uma delas o que se passa

Mas eu também sigo, também tenho uma história, sou parte da cena da cidade.

Refletindo sobre a vida, entro no hospital, desejo “bom dia”

“Posso ajudar?”- um porteiro solícito pergunta

Quero gritar: “acordem todos”!

Mas falta-me a voz, a coragem

“Onde marco cirurgias”?

“Siga em frente, moça, até o fim”!

Parece profético!

“Pode deixar, seguirei…”- ele sorri

“Obrigada! Bom trabalho”!

“Boa cirurgia, Deus abençoe!”-alguém que não é indiferente.

Da janela do andar lá em cima observo as cenas da cidade…

Como será que somos vistos do Alto, por Ele?

Esse louco formigueiro humano disputando espaço

Atrapalhadamente, vivendo…

Alda M S Santos

Infiltrações

INFILTRAÇÕES
Trincas nas paredes, rachaduras nas calçadas
Buracos no asfalto, aberturas nos canteiros
Fendas nos quintais, fissuras nos jardins
Permitem a entrada gradativa de água 
Possibilitam infiltrações e o lento, nocivo
E quase imperceptível ceder do terreno
Abalam as estruturas, derrubam edifícios
Jogam ao chão monumentos, grandes construções
Como as rachaduras em nossa emoção
Aquelas pequeninas, que quase ninguém vê
Uma decepção aqui, uma indiferença ali, um descaso acolá
Frestas que nem nós notamos
Vão deixando entrar elementos perigosos
Que abalam nossas estruturas
Derretem a liga que nos sustenta
Urge tapar essas gretas: na rua, nos quintais, nos lares, em nós
Deixar apenas a abertura suave das persianas e dos sorrisos
Por onde entra ou sai a luz do sol e do amor
Que nos aquece, nos mantém inteiros, de pé
E de braços abertos para a vida!
Alda M S Santos

O dia em que a terra não parou…

O DIA EM QUE A TERRA NÃO PAROU…

Quando não nos posicionamos perante a vida

Quando não escolhemos caminhos ou não fazemos opções

Por inércia, ignorância, covardia, dúvidas ou medos

A vida não deixa de acontecer, o planeta não deixa de girar

A Terra não para pra nos esperar

As pessoas seguem as trilhas que escolheram

A vida se impõe, alguém “escolhe” por nós

E somos “obrigados” a aceitar a escolha de outros que caiu em nosso colo

O caminho a nós imposto, bonito ou feio, plano ou cheio de aclives

Sem nossa análise, avaliação ou aprovação

Delegamos a outros, por inércia ou inaptidão, o controle de nossas vidas

E percebemos que aquele “dia em que a Terra parou”

Existiu apenas na canção, nos sonhos loucos de Raul Seixas

Ela seguiu em ensandecida rotação e translação e fomos lançados fora de órbita

Para um lugar melhor ou pior…

A Terra, indiferente à nossa “preguiça”, continuou a girar…

A Terra continua a girar…

Alda M S Santos

Placas tectônicas

PLACAS TECTÔNICAS
O movimento das placas tectônicas causa graves acidentes na superfície do planeta
Terremotos, maremotos, tsunamis e vulcões assustam
Mas são sinais da vida ativa no interior da Terra
A cada vez que elas se movimentam
Grandes desastres naturais são gerados resultando em morte, terror, destruição
Uma nova posição elas tomam, nova organização se dá: sobrevivência
Quem está melhor preparado sabe o que fazer, como lidar, seleção natural
Nem sempre os mais altos e bonitos edifícios mantém-se de pé
Muitas vezes são os primeiros a ruir e tombar ao chão,levando consigo muitos outros
O que vale é a estrutura firme, a base forte, a flexibilidade das colunas
Desconsiderar a força da vida interna que se rebela e se revela não é sábio
Nos terremotos naturais os sobreviventes conhecem a regra: o tripé da vida
Apoiar-se em algo sólido e firme, abaixar-se, proteger-se
E esperar a lava quente, a fumaça tóxica, os destroços serem levados oceano afora …
Nesse grande planeta azul, somos dele pequenas miniaturas
Onde estamos nos apoiando quando nossas placas tectônicas se movimentam perigosamente?
Alda M S Santos

 

Saiu sem saber que não voltaria

SAIU SEM SABER QUE NÃO VOLTARIA…

Uns voltando para casa, outros a passear

Uma rodovia de tráfego intenso, fim de tarde

Famílias inteiras em férias, caminhoneiros no trabalho

Ônibus lotados, escuridão total, alguns invadem a contramão, ansiosos

Todos parados num gigantesco engarrafamento

A PRF alerta: acidente grave com vítima fatal próximo a BH

Quatro veículos envolvidos, colisão frontal ocupando ambas as vias

Sirenes de ambulâncias e resgates passam velozes

Vários motoristas fora dos veículos a conversar

Alguns a fumar ou alongar as pernas

Passageiros impacientes no interior dos veículos

Muitos lamentando a perda de tempo

Outros, a família que perdeu um ente querido

Alguém que saiu de casa sem saber que não voltaria

Imprudência, má sorte, era chegada a hora, muitos a opinar

A lua aparece na serra devagarzinho, como a espiar o que aconteceu

Waze oferece rotas alternativas impossíveis

Penso que poderíamos estar já em casa

Mas lembro de quem não mais poderá chegar

Partiu de volta para a origem

Saio do carro, tiro uma foto da lua que está maravilhosa

E faço uma oração de agradecimento por quem se salvou

Mas, mais ainda, bênçãos a quem se foi e respectivas famílias

Que Deus nos proteja a todos!

Alda M S Santos

Foto de Pablo Vinicius Silva Santos

Enquanto houver vida

ENQUANTO HOUVER VIDA

Enquanto houver vida quero seguir meu caminho

Posso parar à beira da trilha para reabastecer energias

Sob sol intenso ou sombra de uma árvore frondosa, enxugar o rosto

Sorrir ou chorar, nunca desistir, confiar sempre

Entre flores ou espinhos, terra ou pedras

Receber uma dose de ânimo, um abraço de amor, uma palavra de confiança

Uma mão, um sorriso de carinho, esperança e amizade

Daqueles que Ele envia para me interpelarem…

Só não posso fechar os olhos, ignorar Seu cuidado

E agradecer, retribuindo tanto amor, estando disponível sempre

Vencendo medos e culpas, erros e tropeços

Sem autoacusações ou autoflagelos, com aprendizado

Sendo aquela que Ele envia para iluminar o caminho de outros

Em qualquer circunstância, valorizando e protegendo a vida, sempre

Até o reencontro com Ele, em casa…

Alda M S Santos

Metades?

METADES?

Eles caminhavam de mãos dadas na avenida movimentada numa manhã ensolarada e fria.

Andavam devagarzinho entre apressados, agasalhos quentinhos quase tanto quanto a cena.

Cabelos brancos como neve brilhavam sob a luz forte.

Uma bengala numa das mãos dele, uma sombrinha grande fechada na dela.

Corpos meio encurvados somando umas quinze décadas…

Vez ou outra trocavam uma palavra, mas os olhares se comunicavam melhor.

Um bueiro aberto à frente, aquele cuidado de desviá-la do cone sinalizador do perigo.

Quantas vezes desviaram um ao outro do caminho interrompido?

Quantas vezes limparam as feridas das quedas nos bueiros da vida ou frustraram-se por não poderem fazê-lo?

Quantos segredos compartilhados ou guardados para proteção?

Quantos momentos de dor superados, fraturas coladas, perdão oferecidos, lágrimas misturadas?

Quantas marcas trazem nos joelhos, nos corações, nas almas?

São metades complementares, despareadas?

Não, são inteiros afins, falhos, com cicatrizes!

Contudo, dispuseram-se a caminhar juntos, a aceitarem-se e diminuírem essas falhas.

Quem vê conclui: “que lindo, que vida perfeita”.

Não, não são perfeitos e, por isso, ajudam-se em suas imperfeições e crescem.

Perfeitos não precisam do outro, de ninguém, não toleram imperfeições.

Lindo, sim! Não pela perfeição, mas pelo amor que cultivaram, que sobrevive às imperfeições.

Se estão unidos ainda assim, de mãos dadas, como a dizer “te aceito”, é exatamente por saberem-se imperfeitos!

Quantos de nós almejamos tudo isso, seguimos no barco da vida, remando sozinhos sem saber nos expressar?

Um viva às nossas imperfeições, melhorando a cada dia,

Sem desgastadas pretensões de alcançar a perfeição…

Alda M S Santos

Aquela tela branca

AQUELA TELA BRANCA

Aquela tela que parece branca

Onde imaginamos muito espaço para pintá-la a nosso modo

Traz consigo cores sensíveis ou vibrantes

Claras, fortes, foscas, disfarçadas, aparentes ou nem tanto

E foi desse jeitinho que ela nos atraiu

Querer que ela se apague, que torne-se inócua

Para receber novas cores a nosso bel prazer

Seria desfazer o que ela tem de próprio e belo

Seria desfazer o que nós temos de nobre e original

Somos, às vezes, tão narcisos que só mergulhamos fundo

Se virmos no outro a nossa imagem refletida

Artista e tela precisam se harmonizar para produzir uma bela obra de arte

EU e TU precisam gerar uma nova obra

EU e TU que gera NÓS, sem descaracterizar ninguém

Essa é a obra perfeita…

Alda M S Santos

Caminhos da alma

CAMINHOS DA ALMA

Os caminhos de nossa alma são abertos devagarzinho

Uma gentileza aqui, um cuidado ali, um sorriso, um abraço, uma atenção mais à frente

Trilhas, esquinas, curvas, recônditos secretos, o prazer de um balancinho

Neles transitamos, claro ou escuro, sorrindo ou chorando, diariamente

Só é capaz de neles trafegar quem os ajudou a construir

Ainda que involuntariamente, sem perceber, sem desejar

E, uma vez conhecido o caminho, mesmo sem o possuir

Será sempre alguém capaz de ali fazer a luz se acender ou se apagar…

Alma possui caminhos com vias só de entrada…

Alda M S Santos

Quanto vale uma vida?

QUANTO VALE UMA VIDA?

Uma pergunta difícil : quanto vale uma vida?

Uma vida vale tudo, mas não há nada que pague.

Também não vale nada, visto que não há valor material que possa sustentá-la

E tantas vezes parece estar presa a um único fio…e perdura

E outras, parece forte… e se perde

Vale o tamanho do nosso amor, da dor que fica

Da ausência deixada, da lacuna não preenchida

Como amor não tem medida, a vida também não tem…

Qualquer vida que se perde

Que permitimos que se vá

Que não conseguimos impedir a partida

É uma perda irreparável,

Independente de quem foi

Sexo, idade, classe social, instrução, religião, profissão…

É sempre um projeto de Deus interrompido…

E uma vida nunca pode substituir a outra

Cada vida é única e especial

Algumas são mais preciosas para a gente que outras

São aquelas que Deus nos entregou nas mãos e disse

“Cuida, confio em você”!

São aquelas pelas quais seremos cobrados

São aquelas que trazem tudo de bom que temos

Que fazem a nossa própria vida ser preciosa

Que nos alimentam de sorrisos e lágrimas

Que nos fazem acender, manter e fazer valer nossa porção divina…

Alda M S Santos

Coisificando

COISIFICANDO
Substituir, esse é o lema moderno, a nova ordem
Estragou, avariou, deu problema, preocupação, trabalho
Jogue fora, troque, substitua!
Mundo do descartável! 
Pode ser um copo, um eletrodoméstico, eletrônico, objetos pessoais, pessoas…
Nada se conserta mais!
Nem amizades, nem amores, nem família: substitui-se!
Pessoas estão sendo transformadas em coisas, em objetos
Estão sendo coisificadas!
Nada errado em ter novas pessoas na vida, em acolher,
Em ser acolhido, amparado
Mas pessoa não pode substituir pessoa
Pessoas descartadas também poluem o ambiente
Danificam a si mesmas, ao outro
Pessoas não se joga fora e fica-se bem
Como se tivesse trocado de celular
Cada qual tem seu lugar, seu espaço
Se a rotatividade de pessoas estiver grande demais
Estamos nós mesmos a um passo de nos transformar em coisas!
Alda M S Santos

Emparelhar

EMPARELHAR

Andar lado a lado, sintonizar

Emparelhar com alguém

Tarefa tão difícil quanto desejada

Encaixar, harmonizar,

Buscar pontos comuns é tão importante

Quanto valorizar o que é diferente

Preto ou branco, grande ou pequeno

Audaz ou receoso, falante ou introvertido

Carinhoso ou contido, animado ou quieto

Aceitar e respeitar o diferente é ser humano

Nas diferenças há também harmonia

Se o coração sintonizar no amor…

Alda M S Santos

Malas prontas

MALAS PRONTAS

Não importa para onde vamos

Se é logo ali ou atravessando o oceano

Malas arrumadas é fundamental

O que vai, o que fica,

Quem vai, quem fica?

Malas cheias, coração abarrotado…

Expectativas de diversão e alegria

Se necessário, mudamos o destino final(?),

E que possamos trazer mais que levamos

Uma alma mais leve, em sintonia com as demais

Em paz…

Vamos?

Alda M S Santos

Verdade ou mentira?

VERDADE OU MENTIRA?

Tantas verdades inquestionáveis

Que passamos a colocar em xeque!

Será que tudo não passou de uma mentira?

Tantas mentiras que elevamos ao patamar das verdades!

Será que avaliamos bem?

Verdade ou mentira?

Dizem que a verdade é apenas uma,

E que as mentiras são muitas…

Verdades também podem ser várias,

Se forem avaliadas sob o prisma dos pontos de vista, das opiniões, dos sentimentos

Esses são flexíveis, regridem, mudam ou evoluem.

Assim, cada qual tem sua verdade…

Verdade ou mentira?

Nesse vai e vem o que era verdade torna-se mentira

O que era mentira vira verdade

Independente das nossas vontades

Ou até mesmo por nossos desejos ou amadurecimento.

Verdade ou mentira?

Quisera podermos escolher, sem qualquer dano, o que doesse menos!

Alda M S Santos

Catapulta

CATAPULTA

Não é preciso nem um extremo nem outro

Não preciso sorrir todo o tempo, tampouco chorar

Posso ter energia bastante para lutar

Mas posso querer hibernar por uns tempos

A alegria pode ser rara, a tristeza também

Mas não preciso nem um extremo e nem outro

Não quero viver na zona de confronto todo o tempo

Mas a zona de conforto também não é satisfatória

O amor não necessita ser daqueles de contos de fadas

Mas também não precisa ser de conto policial

Não preciso nem um extremo e nem outro

O trabalho pode ser intenso e prazeroso

Mas a inércia também pode fazer parte, ser necessária

Ou posso optar por deixar-me levar pela letargia

Vez ou outra preciso me desligar de tudo

Antes que tudo se desligue de mim

Não é preciso nem um extremo nem outro

Mas se chegar a qualquer dos extremos

Que eu possa me encontrar em qualquer um deles

E ser catapultada de volta ao prumo!

Alda M S Santos

Em letra cursiva

EM LETRA CURSIVA

A vida é tecida em letras cursivas

Sobe, gira, desce, desce mais, faz uma volta

Um laço, um nó, curvas, círculos, segue em frente

Volta, faz um corte aqui, coloca uns pingos acolá

As letras são as mesmas, mas a escolha delas difere

E o modo de traçá-las também.

Infinitas palavras, frases, textos e histórias

Vão sendo compostos com a nossa marca

As nossas digitais, a nossa caligrafia original

Algumas letras são mais caprichadas

Outras até mesmo ilegíveis, até para quem escreve

Uns textos são mais longos, histórias mais complexas

Uns bem simples e fáceis de ler…

O importante é que isso é tarefa intransferível

Nós selecionamos, nós compomos, nós vivemos,

Ainda que o único leitor sejamos nós mesmos…

Alda M S Santos

A dor

A DOR

A dor é o óleo que deixa

As engrenagens do coração lubrificadas

E o tornam sensível e propício para viver

As posteriores alegrias intensamente,

Sem trepidações ou danos à sua mecânica.

Cuidado com a falta ou o excesso do óleo!

Alda M S Santos

Por quê?

POR QUÊ?

Por que conseguimos ajudar a tanta gente

E não conseguimos ser tão úteis aos mais próximos de nós?

Por que conseguimos estender uma mão que é acolhida por tantos

E aqueles que mais amamos a ignoram ou não veem nela o conforto?

Por que o abraço do “desconhecido” aquece mais?

Por que as palavras mais sábias vêm de fora?

Santo de casa não faz milagre?

Será que veem em nós a obrigação de amar e acolher?

Por quê?

Será que somos vistos com nossas falhas e incapacidades

Aquele lado por demais humano, normal, corriqueiro

E não pelas nossas qualidades e capacidade de acolhimento?

Por que será que é tão mais simples ajudar os outros, aconselhar

Que conseguir ajudar, inclusive, a nós mesmos?

Por quê?

Alda M S Santos

Amor à vida

AMOR À VIDA

Folhas velhas, seca, repouso

Aparente morte…

Gotas d’água, lágrimas, brotos

Renascimento…

Folhas novas, botão, rosa.

Fases da natureza,

Fases de nós…

Esperança, respeito, fé.

Isso é amor à vida!

Alda M S Santos

Chuva, chova!

CHUVA, CHOVA!
Chuva, chova!
Só faltava você, seu cheiro
Seu tilintar no meu telhado
Seu pinga, pinga na minha janela
Para embalar meu sono,
Para encantar meus sonhos…
Mas venha com bastante calma,
Pois posso ficar tentada,
A ir aí pra fora
Fazer bagunça junto a ti…
E adeus sono….
Alda M S Santos

Sou feita, não perfeita!

SOU FEITA, NÃO PERFEITA!

Sou feita de tudo aquilo que me cerca

Dos carinhos que recebo, das lágrimas que verto

Da luz que emito, da escuridão em que me meto,

Das emoções que compartilho, dos sonhos desfeitos,

Das esperanças que nutro, das decepções que engulo,

Dos topos que atinjo, dos tombos que levo…

Sou feita, estou sendo feita!

Sou feita, não perfeita!

Alda M S Santos

(In)dependência

(IN)DEPENDÊNCIA

Nunca ninguém é independente

Nem uma pessoa, tampouco uma nação.

A questão é oscilar e, se possível, escolher, vez ou outra,

Entre ser dependente de alguém

Ou ter alguém dependente da gente,

Conscientemente!

Manter esse equilíbrio é ter a falsa sensação de liberdade

De estar temporariamente independente.

Independência é utopia!

Sempre seremos (in)dependentes,

Aquela dependência do eu que vive dentro de nós,

E, vez ou outra, foge…

Alda M S Santos

Expectativas

EXPECTATIVAS

Segunda ou sexta-feira?

Quarta-feira ou domingo?

O que difere um dia do outro, um mês do outro?

A expectativa que neles colocamos, certamente!

Levantar da cama disposto para o trabalho

O passeio, a família, o namoro

Faz com que qualquer dia tenha a “cara” de sábado.

Levantar com rabugice e mau humor dá a todo dia o tom da preguiça característica da segunda- feira!

Quero sete dias na semana com aparência de disposição, energia e amor!

Vamos levantar! Boa semana!

Alda M S Santos

Foto de Sílvia Helena Brito

Decepções

DECEPÇÕES

Decepções são como nuvens escuras, carregadas

Passam, deixam uma tempestade de lágrimas

Vão embora, o Sol volta a brilhar

Mas nunca mais sobre as mesmas criaturas!

A tempestade lava a inocência

O Sol vem para secar as má(aguas)

E manter a vida em curso…

Alda M S Santos

Eclipse total, e daí?

ECLIPSE TOTAL, E DAÍ?

Eclipse total do Sol, a estrela maior

A que mais brilha, a que possibilita a vida

Muitas superstições surgem

Inúmeros cuidados de observação são apontados

Acostumados a ignorar os próprios eclipses,

A observar a olho nu os eclipses totais ou parciais do outro,

Sequer notá-los, atravessá-los, indiferentes

Estarão todos já com os olhos protegidos com o filtro necessário,

Afinal, é um simples eclipse solar!

Quem está no escuro, nada vê!

Quem tem a luz, sabe que ela retornará!

Alda M S Santos

Ídolos não morrem?

ÍDOLOS NÃO MORREM?
Tudo bem, admirar um cantor, um ator, um artista qualquer
Pelas habilidades ou dons que possua,
Pelos diferenciais, pela capacidade de cativar e encantar,
Até aí é compreensível! 
Mas até que ponto é preciso ser bitolado para se ter um ídolo?
Para se colocar em risco?
Para realizar loucuras ou se expor a situações ridículas?
Idolatrar outro ser humano!
Passar recibo de pouca inteligência, acreditando piamente que seu ídolo não morreu!
Sem qualquer prova racional, apenas pela emoção!
E não é viver na obra, não!
Literal mesmo!
Elvis Presley não morreu!
E está aí com mais de 80 anos!
Pois existe gente assim! Que ainda busca “provas”!
Posso chamar a isso de que?
Encantamento de massas, ou loucura coletiva?
E dura 40 anos!
Nada contra o Elvis Presley, cujos filmes muito assisti,
cantor e dançarino muito original e avançado para a época.
Mas deixou alguns admiradores parados no tempo.
Elvis vive nas músicas, nos filmes, na lembrança dos fãs!
O resto é falácia de admiradores inconformados!
Alda M S Santos
Imagem AMP- EBC

Felicidade Artificial

FELICIDADE ARTIFICIAL?

Nunca devemos incomodar uma “felicidade”,
Mesmo que pareça artificial,

Se não pudermos oferecer algo verdadeiro

E melhor em troca.

Alda M S Santos

Truco e outros jogos

TRUCO E OUTROS JOGOS

Num jogo de cartas vence aquele que mais sabe esconder o jogo

Aqueles que são mais abertos e mostram suas cartas

Quase sempre são os perdedores. 

No jogo da vida há poucas diferenças,

Porém, os de cartas escondidas são pessoas mais pesadas,

Os de cartas na mesa são pessoas mais leves.

Mas os vencedores e os perdedores não tem como saber,

Há que se avaliar….

E o jogo segue à nossa revelia.

Quer a gente mude de parceiros na mesa, ou não, 

Com cartas abertas ou marcadas, 

Com bons adeptos e jogadores ou não, 

Até que alguém grite “truco”!

E, game over.

Alda M S Santos

É melhor…

É MELHOR…

Melhor que adormecer é fazê-lo suavemente nos ombros de alguém

Melhor que sorrir, é ter alguém especial para oferecer nosso sorriso

Melhor que acordar, é ter a luz do olhar de alguém a nos desejar bom dia

Melhor que nos aquecer numa xícara de chá quente, é ter alguém que nos aqueça num abraço

Melhor que não correr riscos, é ter alguém que nos ofereça proteção e cuidados, 

Melhor que ser forte, é nos dar o direito de fragilizar, de ter onde nos apoiar

Melhor que não cair, é encontrar um ponto de equilíbrio em qualquer situação

Melhor que levantar para a vida, é ter alguém que nos dê um bom motivo para viver…

Mas melhor mesmo que tudo isso, 

É termos a nós mesmos,

Sermos nosso melhor motivo para viver…

Alda M S Santos

Quando a luz cega

QUANDO A LUZ CEGA
A escuridão dificulta a visão que a luz possibilita,
 Todos temos isso como certo.

Mas e quando é a luz que nos impossibilita de ver?

Pouca escuridão nos permite enxergar melhor,

Que o excesso de luz…

Um amor bem dosado é mais valioso,

Em todos os seus tons e matizes,

Que seus excessos: para mais ou para menos.

Se é que pode-se chamar de amor essa versão…

Excessos, sejam quais forem, podem ser danosos,

Simplesmente, porque prejudicam nossa capacidade

De visão e análise!

Alda M S Santos

É preciso sorrir

É PRECISO SORRIR

Um sorriso opera milagres

Em quem sorri, em quem recebe o sorriso

Vi num outdoor, não lembro qual marca

“Vamos mudar o mundo: um sorriso de cada vez”!

Acho muito válido!

Mas o nosso precisa estar incluído

Como causa ou consequência! 

É preciso sorrir, para fazer sorrir os outros.

Alda M S Santos

#carinhologos

Ventos

VENTOS

Brisa, ventinhos, ventanias, tempestades, tornados…

Alguns agradáveis como a brisa suave ou os ventinhos, 

Encantadores como as ventanias,

Toleráveis como as tempestades,

Assustadores e destruidores como os tornados…

Todos têm como base os ventos, 

A intensidade com que acontecem. 

Quase sempre temos que enfrentar todos eles em nossas vidas,

Podemos ser cada um deles em momentos diferentes! 

Há pessoas brisas, ventanias, tempestades e tornados.

Vamos aprendendo a identificar os sinais, os alertas,

Com os quais podemos lidar, 

E quando sair para o tempo e curtir, 

Ou nos fecharmos dentro de abrigos subterrâneos 

E aguardar nova calmaria.

A vida vai ensinando…entre sorrisos e lágrimas…

Alda M S Santos

Dia dos Namorados: Troca-se! 

DIA DOS NAMORADOS: TROCA-SE! 

Troca-se um jantar romântico do dia dos namorados por um lanche juntinho todas as noites.

Troca-se um bouquet de rosas vermelhas por um beijo gostoso todas as manhãs.

Troca-se uma joia cara por um abraço bem apertado e cheiroso a qualquer hora.

Troca-se uma ida ao cinema por um cineminha no tapete da sala quase todas as noites.

Troca-se uma bebida cara num restaurante fino por um vinho tinto na mesa da sala ou na cama.

Troca-se uma noite numa boate por um diálogo a dois na rede. 

Troca-se a esticadinha num motel 5 estrelas por um passeio ao luar, diante de zilhões de estrelas, amando na relva.

Troca-se um eu te amo dito por um eu te amo demonstrado todos os dias…

Preferível é ter tudo isso! 

Se não for possível, troca-se de namorado! 

Alda M S Santos

Namorados insubstituíveis

NAMORADOS INSUBSTITUÍVEIS

Alguns dizem repetidamente a um certo alguém, algo que soa como ameaça: “você é minha vida, não vivo sem você”! 

Outros, felizes, alardeiam o fato de serem insubstituíveis para alguém. 

Somos seres únicos, nesse aspecto somos todos insubstituíveis.

Deixando de existir, fim por aqui!

Porém, elevar alguém a tal patamar em nossas vidas é algo complicado. 

Querer ser insubstituível na vida de alguém, idem.

Ter alguém insubstituível, sem o qual não vivemos, é colocar na conta do outro dívidas que são nossas. 

Ser insubstituível para alguém é carregar conosco o peso da vida do outro. 

Devemos almejar ser insubstituíveis apenas para nós mesmos.

Se pudermos arcar com nossos ônus e bônus, sorrisos e lágrimas, vitórias e derrotas, teremos feito bastante.

E isso não é egoísmo, 

É dar conta de algo que é só nosso e não deve ser delegado a outros: 

Nossa vida! 

Alda M S Santos

Equilibrando

EQUILIBRANDO

Equilíbrio: habilidade de manter-nos de pé e estáveis

Quando tudo parecer desabar

Ficar apoiados num pé só ou sobre duas rodas

E ainda assim não perder a linha, a graça, o encanto.

Capacidade de abrir um sorriso, oferecer colo

Quando lágrimas escorrem

Ou quando tudo que se quer é pedir arrego.

Equilibrando, seguindo, vivendo…

Alda M S Santos

 

 

Inspiração

INSPIRAÇÃO
INS= em, PIRA= onde arde o fogo, AÇÃO= atitude
Inspiração: fogo em nós que aquece a vontade
Chama que gera e consome energia
Ação que possibilita criações.
Criações que produzem vida
Vida que aquece outras vidas…
De onde vem sua inspiração?
Alda M S Santos

Felicidade

FELICIDADE

A verdadeira paz e felicidade consistem

 Na aceitação e equilíbrio entre 

O que se quer, o que se precisa

O que se pode e o que se tem.

Alda M S Santos

NOSSO PRÓPRIO PARTO

NOSSO PRÓPRIO PARTO

Quando o espaço já está pequeno,

E já não nos cabe mais

É preciso renascer…

Retirar as camadas que nos envolvem

E, aparentemente, nos protegem

E dar a luz a nós mesmos.

Alda M S Santos

 

Coma Induzido

COMA INDUZIDO

Procedimento: Indução de um coma atemporal

Indicação: Proteção de circuitos importantes

Retorno à consciência de dentro pra fora

Quando for capaz de processar estímulos externos sem dor,

Quando a alma estiver em paz consigo mesma.

Alda M S Santos

Tempos de amor e paz

TEMPOS DE AMOR E PAZ

Paz…amor…

Almejados para o futuro

Reconhecidos no passado

Pouco percebidos no presente.

Paz…amor…

É aqui e agora que se faz!

Alda M S Santos

Oxigênio

OXIGÊNIO

Ficar nos espremendo num pequeno espaço,
Levantando a cabeça, fugindo do afogamento,

Buscando pequenas bolhas de ar para respirar

Não é viver, é evitar a morte.

Queremos, precisamos de oxigênio à vontade

Merecemos ar puro,

Respirar fundo e livremente,

Viver!

Alda M S Santos

Nude

NUDE
Em tempos de nudes, quase tudo se vê, nada se imagina.
Corpos nus, bronzeados, “bombados” e “preenchidos”.
À mostra, na vitrine, expostos para deleite, quase uniformes.
Competição acirrada, muitas ofertas, grandes negócios.
E se a nudez solicitada fosse a da alma?
Haveria tanta oferta, tanta competição?
Almas escondidas, vazias, murchas, quase inexistentes.
Onde poderiam ser bronzeadas, bombadas, preenchidas?
Lugar algum!
Alma não aceita acessórios ou aditivos.
Alma simplesmente é! Como a natureza!
E há muitas almas lindas escondidas em corpos nada uniformes por aí.
Procurando é que se acha!
Alda M S Santos

Você (es)colhe!

VOCÊ (ES)COLHE!
“Você (es)colhe o que planta”. Parece simples.
Escolhe bem, planta e colherá o que plantou…
Felicidade certa. Afinal, ninguém escolhe plantar semente ruim.
Mas na verdade não funciona bem assim.
Quando escolhemos entre uma semente entre tantas, nem sempre temos clara como se dará a germinação e o crescimento.
Muitas são as sementes. Muitas são as variáveis que atuam nesse processo: terreno infértil, aridez, seca, geada, tempestades…
Daí tantas vezes a colheita ser perdida, mirrada ou insatisfatória.
Quando escolhemos ser professores e não médicos, entre viajar ou comprar um carro, entre ter uma profissão ou um filho, entre um amor e não outro, entre casar ou ficar solteiro, estamos escolhendo o que nos parece melhor no momento.
Dizemos sim para uma semente e não para a outra.
Se ela será produtiva só o tempo e os cuidados que receberá poderão dizer.
Felizmente, Deus, nosso maior “agricultor”, sempre nos ajuda a nos desfazer da colheita ruim, permite-nos escolher novas sementes, possibilita-nos novos terrenos, nova colheita, com os conhecimentos adquiridos anteriormente.
Ele é a videira que nunca morre, que sempre produz.
A única semente certa, pois é a semente do mais puro amor.
Vamos (es)colher Jesus! Sempre!
Alda M S Santos

Labaredas ou cinzas

LABAREDAS OU CINZAS?

Pequena chama, altas labaredas

Apenas brasas, fumaça, cinzas…

Somos fogo, todos, em suas várias etapas de combustão:

Eclodindo, propagando,

Em continuidade, se extinguindo…

E cada etapa de nossa vida pode estar num desses estágios.

Podemos estar eclodindo profissionalmente,

Nos propagando em âmbito familiar, em continuidade amorosamente,

Nos extinguindo em outras áreas. 

Claro é que fogo não se mantém onde não há combustível e comburente.

E para se propagar e ser contínuo o fogo necessita de condução.

Somos nós que podemos iniciar uma reação em cadeia,

E levar chamas para onde é quase cinzas. 

E, assim, manter o calor em todas as áreas de nossas vidas. 

Alda M S Santos

Divina

DIVINA 

Frio, neblina, mata, chuviscos,

Caminhada ao entardecer. 

Muitos definiriam a imagem como sinistra

Macabra, surreal, cabulosa, apocalíptica.

Vejo como inspiradora, acalentadora, reflexiva, mágica, 

Apaziguadora, divina, linda! 

Como me faz bem! 

Alda M S Santos 

Vício trocado não dói

VÍCIO TROCADO NÃO DÓI
-“Você tá viciado nisso hein, cara? Músculo demais mata!”
-“Tô nada! Vício é por coisa ruim. Tava viciado naquela “mina” e ela me ferrou… Ferro por ferro, puxo esse que me faz bem”.
Observando o debate, concluí que tendemos a achar que só coisas negativas sejam viciantes como drogas, álcool, jogos.
Porém, o hábito repetitivo de algo, por melhor que seja, pode ser degenerativo ou prejudicial para nós ou para quem nos cerca.
Coisas boas em excesso também viciam e podem ser prejudiciais: trabalho, esportes, religiosidade, sexo, amor…
Vício é dependência e dependência é negativa. Sempre.
Há pessoas dependentes de determinadas pessoas! Dependência “química” e/ou emocional.
O amor não deixa de ser um vício também, quando nos faz crer que não sobreviveríamos sem o outro.
E como disse o rapaz na academia, “todo mundo tem algum vício, o melhor é escolher o que causa menos mal!”
E em matéria de pessoas, de amizade, de amor, só vale o vício trocado.
Vício trocado não dói!
Alda M S Santos

Esconde-esconde

ESCONDE-ESCONDE
Sabem aquela sensação de estar sempre só
Em meio a tantas pessoas?
Sentimento de não ser compreendido ou aceito,
De não encontrar seu reflexo em ninguém?
Tal culpa ou responsabilidade
Não pode ser imputada a ninguém.
Ninguém, exceto a nós mesmos.
Quando não nos encontramos em nós,
Não “permitiremos” que ninguém nos encontre.
Não chega a ser dolo, apenas culpa.
Não há intenção de nos esconder de nós mesmos,
Tampouco dos outros.
Apenas falta perícia para nos fazermos achar,
Habilidade de nos refletirmos em nós mesmos,
Para encontramos nosso reflexo no outro.
Brincadeira de esconde-esconde de adulto
Nem sempre é divertida!
Alda M S Santos

Galáxia Interior 

GALÁXIA INTERIOR

Numa galáxia em constante movimento

Estrelas, planetas, satélites, meteoros, astros diversos

Que giram em torno de si mesmos, dos outros, no espaço sideral

Sentimentos, emoções, sensações, 

Também não param

Ficam à deriva, perdem-se, chocam-se, caem, morrem

Causam até um big-bang

Movem-se, modificam-se, mudam de rota, de morada.

Obtêm luz, se aquecem, ficam na escuridão, sem oxigênio,

Transitam dos nossos para outros corações.

Não encontrando guarida, giram em torno de si mesmos

E, mesmo tontos, cambaleantes, continuam nesse movimento incansável

Em busca de algum pouso, de algum repouso, de um espaço só seu nessa Via Láctea,  

Ainda que temporário. 

Esse é o movimento da vida,

Nossa galáxia interior…

Alda M S Santos

Banho

BANHO
Quero um banho profundo e demorado
De banheira, chuveiro, rio, mar, lago ou cachoeira.
Mas quero um banho que me lave por dentro
Que saiba o que levar e o que deixar
Que saiba o que renovar, hidratar, dar brilho
E deixar um delicioso perfume de gente boa
E de vida nova…
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: