Busca

Categoria

Casal

Presente

PRESENTE

“Abre bem as portas do seu coração

E deixe a luz do céu entrar…”

A harmonia é conquistada no dia a dia

Na fé e na esperança que se demonstra

No carinho compartilhado, nas bênçãos recebidas

Na capacidade de doação e entrega

No respeito mútuo e na aceitação do que somos, do que temos

Deus nos presenteia todo o tempo

Muitas vezes com o mesmo presente, que tantas vezes desconhecemos

Vamos abrir nosso embrulho diariamente

Nossa família, nossa vida, nosso amor…

Alda M S Santos

Um dia prometemos

UM DIA PROMETEMOS

Um dia prometemos que seria para sempre

Como prometemos tantas outras coisas

Que nunca deixaríamos o papai e a mamãe

Que nunca gostaríamos de um menino ou menina

Que beijar na boca é “eca”, que nunca faríamos isso

Que aquela amizade da infância nunca acabaria

Que os confidentes da adolescência seriam eternos amigos

Que aquela vocação seria nossa profissão

Que o primeiro namorado seria amor infinito…

Que o casamento seria até que a morte os separasse…

Que criaríamos nossos filhos para o mundo…

Na verdade o que realmente queríamos dizer é que gostaríamos que assim fosse

O que sentíamos como eterno naquele momento

O que se eternizou em momentos maravilhosos e inesquecíveis

Mas para tudo ser igualzinho ao momento da promessa

O tempo precisaria parar, e isso não acontece

Gira, rápido ou devagar, pessoas e situações mudam

E muitas vezes nos culpamos ou culpamos os outros…

Creio que a promessa que deveria valer para cada um de nós seria:

Acompanhar juntos os giros do mundo, não estacionar

Sendo fiel a nós mesmos, aos nossos sentimentos

Sem desrespeitar os sentimentos de ninguém…

Entendendo que mesmo que o amor se modifique, não diminui necessariamente

Que para mantê-lo saudável precisamos renová-lo, hidratá-lo, nutri-lo, cuidá-lo

Como fazemos com tudo que é vivo…

Um dia prometemos…

Alda M S Santos

ECC: o terceiro elemento

ECC: O TERCEIRO ELEMENTO

Não é para passar receitas, tampouco trocar figurinhas

É para possibilitar um retiro para dentro de si, para dentro do outro

É permitir reflexões, orações, um espaço para o casal

É dar-se tempo para reavaliações individuais, aos pares

É poder se colocar no lugar do parceiro

É buscar o que muitas vezes está perdido dentro de si

Em meio às tempestades do dia a dia

É, acima de tudo, abrir espaço para enxergar o terceiro elemento essencial numa relação: Jesus Cristo

Esse é o Encontro de Casais com Cristo

Que Ele esteja conosco!

Alda M S Santos

Enquanto existir o amor

ENQUANTO EXISTIR O AMOR…

Enquanto existir o amor, existirá vida

Casamentos acontecerão, igreja, vestidos de noiva, beijos,

Valsas, alianças, damas, bolo e bouquets, luas de mel

Alguns descrentes a zombar, o amor a ignorar

Haverá união, sonhos, famílias…

Esse ciclo do qual fazemos parte, girando e criando

Fazendo, crendo, desfazendo, amando

Muitos dizem ser o matrimônio uma instituição falida

Mas ele se perpetua há séculos

Ainda que o “para sempre” não seja até que a morte os separe

Ou que a morte realmente os separe antes do fim

Ou tantas outras coisas a dificultar, a por o amor à prova

O encontro de duas almas que se querem e se desejam

Que se atraem, lutam para estarem juntas se completam e se enriquecem

Duas pessoas que decidem juntas, ao menos a princípio,

E querem de verdade que seja além da morte

Sempre farão valer boa parte dessa viagem chamada vida…

Alda M S Santos

#casamentonatiefred

Eu digo sim

EU DIGO SIM

Eu digo sim para o amor

Para o amor que seja amigo, que seja irmão

Não precisa saber ou ser tudo

Não almejo perfeição, ela não existe na fase terrena

Quase sempre é embromação

Espelho de reflexos retorcidos de nós mesmos

Além de ser impossível a retribuição

Eu digo sim para a o amor

Para o amor que celebre comigo a vida, entre sorrisos ou lágrimas

Com água ou Champagne, num cruzeiro pelo mundo ou numa casinha na montanha

Que valorize estar comigo

Eu digo sim para o amor

Para o amor que desperte sorrisos, que seja brincalhão

Que entenda lágrimas e silêncios

Que não seja 100% em tudo, mas que se dê 100% de corpo, alma e coração

Eu digo sim para o amor

Para o amor que abrace forte, que me tire o ar, sem me sufocar

Mas que me devolva o oxigênio quando o peito apertar

Eu digo sim para o amor

Para o amor que mate meus monstros, que acenda minha luz

E diga que tudo não passou de um pesadelo

Que me torne sua prioridade, e que se faça prioridade para me amar

Eu digo sim para o amor

Para o amor calor, para o amor tesão, para o amor paixão

Mas que saiba também ser carinho, doçura, afeto, aceitação

Que seja recíproco e não se envergonhe em expressar, seja de que modo for, o amor que carrega no coração

Eu digo sim para o amor

Para o amor vivido por inteiro, sem preocupação, sem afobação

Amor que saiba que caminhantes são mais importantes que caminhos

Aqueles que estarão por perto quando tudo for céu

Mas, sobretudo, não nos abandonarão quando a ponte da vida sofrer deterioração

E tiverem que ser nosso chão…

Eu digo sim para o amor!

Sim, por favor!

Alda M S Santos

Termodinâmica

TERMODINÂMICA
O olhar não se vê, calcula-se, o sorriso, brincalhão
Caminhos percorridos… conhecem-se?
Buscam um no outro, mesmo sem perceber
A parte humana com toque “divino” que lhes falta
Doam um ao outro por termodinâmica
Até o que nem imaginam possuir
Principalmente o que não sabem possuir
Os silêncios partilhados cheiram ora a paz, ora a conflito
O brilho dos olhares ou a sombra deles denuncia tudo
O encanto dos sorrisos cega os céticos
As lágrimas satisfazem os invejosos
As brincadeiras alegram o ambiente
O toque das mãos dá cor à vida
Sinestesicamente…
Os abraços divididos selam a paz, perdoam defeitos
Do outro, mas principalmente de si mesmos
Humanos, falhos, tentando acertar sempre
A fé num propósito divino para tudo que há preenche vazios
As lágrimas despertadas ou enxugadas os tornam mais humanos
Conviver, viver com, viver para
Para si, para o outro, para amar
E as almas viverão para sempre
Até mesmo quando duvidarem disso…
Alda M S Santos
 

 

 

Gosto assim…

GOSTO ASSIM…

Gosto de olhos que tocam docemente com carinho

Quando a autoconfiança inala a frieza ácida da tristeza e da dúvida

Gosto de silêncios com sabor adocicado de mel

Ou de palavras que apaguem o calor destrutivo do fel

Gosto de pessoas letradas em ler o brilho molhado que vaza nos olhos

Quando eles estão embaçados pelo vapor amargo das decepções

Gosto do perfume doce, macio e inebriante dos abraços, da proteção amorosa que aquece

Que anestesiam qualquer grito perturbador e confuso que se cala na alma

Gosto de quem ouve o não-dito nas palavras, não acusa, acolhe

De quem lê e entende o que não está escrito em letras

De quem fala por sorrisos, compreende os não sorrisos da distância

Gosto de sentir vibrar na pele o som do amor que arrepia,

Que nasce nos pequenos desejos feito cachoeira na serra

E cresce, alimentado e protegido pelas matas ciliares do cuidado

Desce feito rio manso e cada vez mais caudaloso

Abastecido pelas águas poderosas da reciprocidade

Segue seu curso certeiro, sem guias, rumo ao mar

Exalando perfume suave de alfazema em suas cores quentes de fim de tarde

E, na imensidão do oceano, se mistura, mesmo escondido, vive e se faz infinito e eterno

Alda M S Santos

Ser namorados

SER NAMORADOS

Ser namorados é encontrar felicidade no sorriso do outro

É chorar e sofrer perante a dor do outro

É encontrar calor num corpo que não é seu

É deixar o coração bater noutro peito e não morrer

É buscar alegria e satisfação fora de si mesmo

Ser namorados é descobrir que o mundo gira melhor

Quando se faz translação emocionalmente, e não só rotação todo o tempo

É curtir cada estação advinda daí

E sentir prazer na tontura que provoca

Ser namorados é entregar para o outro sua tetra-chave

E confiar que ele saberá usá-la para te salvar

Te “levar”, sem te roubar

Te ter, sem te prender

Te permitir ser o que é, e ainda assim te amar

Ser namorados é sentir-se, paradoxalmente, forte quando se é fraco

É encher-se na mesma medida em que se esvazia, se doa e confia

É abrir mão do que te faz bem, mas que talvez possa fazer mal ao outro

Ser namorados é fazer amor, é ser amor, é doar amor

É fazer da vida um grande, eterno e emocionante primeiro encontro…

Alda M S Santos

Não precisa ser…

NÃO PRECISA SER…

Não precisa ser tão grande, basta que nos preencha

Não precisa ser tão forte, basta que envergue sem quebrar

Não precisa ser luxuoso, basta que nos faça sentir especial

Não precisa ser rico, basta que seja precioso

Não precisa ser engraçado, basta que nos faça sorrir

Não precisa impedir nossas lágrimas, basta que nos ajude a enxugá-las

Não precisa ter ombros tão musculosos, basta que caiba nossa cabeça

Não precisa ter sorriso de comercial de creme dental, basta que ilumine os olhos ao nos ver

Não precisa ser perfeito, basta que nos dê o melhor de si

Não precisa ser o príncipe do sonho de todas, basta que seja nossa realidade

Não precisa ser só alegria, basta que seja amor mesmo na dor

Não precisa ser amor de novela, basta que seja verdadeiro

Não precisa ser o mais inteligente, basta saber priorizar o que é importante

Não precisa ser o mais romântico, basta ser sensível e carinhoso

Não precisa ser super-herói, basta que nos livre dos monstros e não nos cause medos

Não precisa ser espetacular e louco, basta que seja mágico e leve como borboleta

Não precisa ser infinito, basta que seja eterno e intenso enquanto for amor…

Basta ser você e eu!

Alda M S Santos

Pares im(perfeitos)

PARES IM(PERFEITOS)

Não somos pés de meia ou sapatos

Não há necessidade de sermos iguais

É até preferível quando não somos

Para sermos pares, basta que combinemos

Que nos encaixemos bem, nos façamos bem

E que mesmo quando apertados ou com frio

Não causemos bolhas, calos ou resfriados

Mas que aproveitemos para nos aproximar e nos aquecer

E formar o melhor par imperfeito do mundo…

Alda M S Santos

Metades?

METADES?

Eles caminhavam de mãos dadas na avenida movimentada numa manhã ensolarada e fria.

Andavam devagarzinho entre apressados, agasalhos quentinhos quase tanto quanto a cena.

Cabelos brancos como neve brilhavam sob a luz forte.

Uma bengala numa das mãos dele, uma sombrinha grande fechada na dela.

Corpos meio encurvados somando umas quinze décadas…

Vez ou outra trocavam uma palavra, mas os olhares se comunicavam melhor.

Um bueiro aberto à frente, aquele cuidado de desviá-la do cone sinalizador do perigo.

Quantas vezes desviaram um ao outro do caminho interrompido?

Quantas vezes limparam as feridas das quedas nos bueiros da vida ou frustraram-se por não poderem fazê-lo?

Quantos segredos compartilhados ou guardados para proteção?

Quantos momentos de dor superados, fraturas coladas, perdão oferecidos, lágrimas misturadas?

Quantas marcas trazem nos joelhos, nos corações, nas almas?

São metades complementares, despareadas?

Não, são inteiros afins, falhos, com cicatrizes!

Contudo, dispuseram-se a caminhar juntos, a aceitarem-se e diminuírem essas falhas.

Quem vê conclui: “que lindo, que vida perfeita”.

Não, não são perfeitos e, por isso, ajudam-se em suas imperfeições e crescem.

Perfeitos não precisam do outro, de ninguém, não toleram imperfeições.

Lindo, sim! Não pela perfeição, mas pelo amor que cultivaram, que sobrevive às imperfeições.

Se estão unidos ainda assim, de mãos dadas, como a dizer “te aceito”, é exatamente por saberem-se imperfeitos!

Quantos de nós almejamos tudo isso, seguimos no barco da vida, remando sozinhos sem saber nos expressar?

Um viva às nossas imperfeições, melhorando a cada dia,

Sem desgastadas pretensões de alcançar a perfeição…

Alda M S Santos

Um amor e uma cabana?

UM AMOR E UMA CABANA?

Com amor basta uma cabana!

Uma cabana torna-se palacete

Quando há nos olhos o filtro dos bons sentimentos

No teto há estrelas, no chão há “pedrinhas de brilhantes”

Um palacete torna-se uma prisão de ouro

Se nos corações não há alegria

Se a alma não reflete o amor

Há cabanas e cabanas, palacetes e palacetes

Mas, cabanas e palacetes à parte

O que torna verdadeiramente valioso um lugar

São as companhias que carregamos conosco

Aquelas que fazem parte de nós,

Que “são” verdadeiramente da gente, que gostam de ser da gente

E trazemos conosco e nos levam com elas

Na mente, na alma, no coração…

Alda M S Santos

Queria apenas saber

QUERIA APENAS SABER

Queria apenas saber

Qual o amor “mais” verdadeiro

Aquele pelo qual produzimos mais lágrimas

Ou o que mantém vivos nossos sorrisos?

Queria apenas saber

Qual o amor “mais” verdadeiro

Aquele que sente necessidade de proximidade

Ou o que nos preenche mesmo de longe?

Queria apenas saber

Qual o amor “mais” verdadeiro

Aquele cuja ausência nos causa a “morte”

Ou aquele cuja simples existência é vida?

Queria apenas saber…

Alda M S Santos

Emparelhar

EMPARELHAR

Andar lado a lado, sintonizar

Emparelhar com alguém

Tarefa tão difícil quanto desejada

Encaixar, harmonizar,

Buscar pontos comuns é tão importante

Quanto valorizar o que é diferente

Preto ou branco, grande ou pequeno

Audaz ou receoso, falante ou introvertido

Carinhoso ou contido, animado ou quieto

Aceitar e respeitar o diferente é ser humano

Nas diferenças há também harmonia

Se o coração sintonizar no amor…

Alda M S Santos

O que ganhamos e o que perdemos

O QUE GANHAMOS E O QUE PERDEMOS

Livros, filmes, poemas e canções

Grandes clássicos da literatura ou da música

A lamentar o amor que se doou a quem não mereceu, não valorizou

Amores pagos com sangue ou sofrimento

Ou aqueles vividos da abnegação, da proteção ao outro

As tragédias são muitas,

Os contos de fada também…

Pode ser triste e doloroso

Mas, pior que amar quem não soube corresponder

É não ter amado o bastante quem mereceu, precisou e foi digno

Amor existe mesmo para ser doado…

Quem ama sempre perde menos! Sempre!

E amor de verdade nunca se apagará, nunca!

Lágrimas e sorrisos, saudades e dores

São apenas efeitos colaterais

São “apenas mais uma de amor”

“O que eu ganho e o que eu perco

Ninguém precisa saber…”

Canta, sabiamente, Lulu Santos

Alda M S Santos

O chiado do amor

O CHIADO DO AMOR
Um maravilhoso pôr do sol se iniciava e ele começou:
-“Um dia o sol se apaixonou pelas águas do mar,
Elas eram tão lindas, refrescantes, de um azul tão intenso
Que ele não foi capaz de resistir”…
-…”As águas do mar sentiram os braços longos e quentes do sol
Durante todo o dia a acariciá-la e acabou por corresponder àquele amor”- ela continuou.
-“Porém, era um amor impossível, tão diferentes! Tão distantes!
Era inconcebível que ficassem juntos!”- ambos disseram.
-“Mas não conheciam a força e poder do amor, daqueles que queriam realmente ficar juntos.
Para poder ter o prazer de se encontrar com as águas do mar, o sol todas as tardes
Descia devagarzinho e deixava-se morrer para o mundo, por uma noite inteira,
Para ter o prazer de mergulhar e viver abraçado àquelas águas tão queridas”!
-“Por isso o pôr do sol é o símbolo dos casais apaixonados.
Dizem que casais que se amam de verdade são capazes de
Ouvir o chiado de prazer do sol ao tocar o mar quando se põe.”
– Pena que hoje morrer de amor e matar por amor tenham
uma conotação tão ruim!
-Isso porque o que chamam de amor pode ser tudo, menos amor!
E aquele casal que repetia esse ritual há quase 60 anos,
Levantou-se daquele banco à beira-mar e saiu de mãos dadas.
O sol começava a se encostar nas águas do mar e eles, sorrindo,
Ouviram: ttttssssssss, o chiado do amor!
Alda M S Santos

A fila anda!

A FILA ANDA!

Frase preferida das pessoas recém saídas de relacionamentos

E o que se constata é que quase sempre anda para trás.

Na necessidade de “estar” sempre com alguém

Acabam por se envolver com pessoas-problemas da mesma maneira:

Ciumentas, possessivas, com baixa autoestima, desonestas,

Complexo de vítimas, imaturas, comprometidas…

Não se dão um mínimo tempo de reclusão para autoanálise

Não se permitem sofrer ou estar consigo mesmas, repetem os mesmos erros.

Enquanto não avaliarem e mudarem algo em si mesmas,

O “problema” que todos têm e que dificulta as relações, 

Acabarão atraindo ou sendo atraídas pelas mesmas pessoas- problemas.

Pegar qualquer um que está na fila é andar para trás

Entrar nessa fila é fazer pouco de si!

Não se dar um tempo é violentar a si mesmo

É fazer pouco do amor que viveu

É desvalorizar o que ainda poderia chegar de bom.

Se ficasse fora dessa tão falada fila

E da premente necessidade de mostrar que não está só,

Talvez um amor de verdade pudesse ser vivido com plenitude.

Alda M S Santos 

Amor multiplicado

AMOR MULTIPLICADO

A importância que temos ou tivemos na vida de alguém

Sempre fica impressa em seu modo de ser e agir

Os conselhos, mesmo calados, que soube ouvir,

Os cuidados que passou a ter diante da vida

A coragem em enfrentar certas situações ou fugir de outras

O momento de saber se recolher e esperar

O respeito ao que o outro é  e  considera certo ou errado

O cuidado em não magoar por bobagens

Vemos o amor que o outro soube receber

Quando notamos um pouco de nós impresso neles

Nós nos multiplicamos naqueles que amamos

E que souberam nos amar…

Alda M S Santos

Será que ainda pensa em mim?

SERÁ QUE AINDA PENSA EM MIM?
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Faz tempo que parece que fui embora…
Será que ainda procura pelo meu bom dia para iniciar o seu
Pelas conversas sérias ou brincadeiras bobas
Pelos papos sem nexo ou silêncios complexos
Pelas brigas tolas, pelos abraços na pontinha dos pés…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Consegue enxergar meus olhos, meu sorriso
Minha alegria contagiante ou energia exagerada
Meu jeito desafinado de cantar, sensual de dançar
Profundo de escrever, agitado de andar
Sincero de dizer “amo você para sempre”…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Do meu jeito único de me vestir ou maquiar
Do meu perfume, dos meus cabelos revoltos,
Dos vestidos rodados, das roupas de ginástica
Do jeitinho acelerado de tudo fazer
Da maneira de rir de suas rabugices…
Será que ainda consegue se lembrar de mim?
Ainda bem que não me deixou ir…
Mesmo que não queira você mora em mim
E eu morarei dentro de você para sempre…
Alda M S Santos

Quando o amor diz: afaste-se!

QUANDO O AMOR DIZ: AFASTE-SE!

Sempre imaginamos o amor como algo que une

Aquele sentimento poderoso capaz de atrair vidas

Uma emoção acima de qualquer mal

Ou seja, quem ama nunca fica longe!

Sempre entende e aceita o modo de ser do outro.

Certo?

Falácia!

O amor puro sim, esse é soberano, mas raridade.

Poucos chegam nesse nível de amor incondicional.

O amor que quase sempre lidamos carrega agregados.

Muitas vezes é amizade, carinho, respeito, admiração,

Mas, noutras, os agregados não são bem vindos:

Ciúme, inveja, possessividade, opressão

Cobranças, desconfianças, ameaças e medos

Se tivermos paciência, sabedoria e amor suficientes, vamos vencendo um a um

Caso contrário, o amor pondera e diz: afaste-se!

Mesmo que seja por uns tempos

Por um, por ambos…

Proteção, cuidado, maturidade!

Se o amor for forte o bastante

Ele certamente voltará: sinto saudades, preciso de você,

Você é importante para mim…

Estar longe nem sempre é sinal de desamor,

Pode ser justamente o contrário!

Pra isso estamos aqui nessa nau

Para amar e crescer ajudando e aprendendo uns com os outros.

Alda M S Santos

Te amarei para sempre

TE AMAREI PARA SEMPRE

Amo você para sempre…

Que pensa uma pessoa que diz tais palavras?

É possível afirmarmos isso? Acreditarmos nisso?

Como saber até quando vai o “para sempre”?

Num mundo de sentimentos fugazes,

Em que as emoções são atestado de fraqueza,

Em que a razão ou falta dela é que comandam o espetáculo,

O que pensa quem diz isso?

Pouco pensa, muito sente: ama de verdade!

Para sempre? Não tem como saber!

Essa parte se atribui à intensidade do amor,

Ao desejo imperioso de que assim seja.

Se o sempre for daqui a um ano, dez, trinta ou cinquenta anos,

O que vale é o amor.

Quem ouve é privilegiado, quem diz é afortunado,

Quem diz e ouve, abençoado!

Alda M S Santos

Sorte e sabedoria

SORTE E SABEDORIA
Por onde formos,
Saber escolher é necessário,
Deixar-se escolher, importante,
Combinar ambos é sorte, 
Dirão alguns descrentes
Combinar ambos é sabedoria,
Dirão outros mais sagazes,
Escolher e ser escolhido em perfeita sintonia
É combinação rara
Quase tanto quanto aliar sorte à sabedoria.
Alda M S Santos

Saber amar

SABER AMAR

Saber amar é uma arte!

Uma arte tão simples que muitos não entendem

Complicam, distorcem, deturpam, confundem

Não construímos algo para amar

Amamos algo já existente,

Ou não…

Ainda que exista apenas em nossa mente,

Apenas os descobrimos,

E, irremediavelmente,

Amamos…

Alda M S Santos

SUJEITOS DO AMOR

SUJEITOS DO AMOR

No amor há vários tipos de sujeitos:

Sujeitos comuns, aqueles que em nada diferem uns dos outros, amam igual a todos, seguem todas as normas e regras estabelecidas. Vida tranquila.

Sujeitos simples, aqueles que veem o amor em todos os lugares, do modo mais fácil, leve e alegre possível. Sorriem e se entregam. São felizes.

Sujeitos ocultos, aqueles que amam escondido, com medo, achando que algo sempre pode dar errado. Amam sofrendo.

Sujeitos compostos, aqueles que amam juntinhos, em pares, duplos, quase um só. Muito felizes!

Sujeitos indeterminados, aqueles que não assumem que amam. Não gostam de amar. Negam até a morte o amor. Muito racionais. Nunca aparecem. Vegetam.

Sujeitos são aqueles que devem exercer a ação de amar.

É preciso se sujeitar ao amor.

É preciso viver!

Alda M S Santos

Como se mede o amor?

COMO SE MEDE O AMOR?

Como se mede o amor?

É maior o que tem mais carinho

Mais cuidado, mais ciúmes?

É maior o que mais deseja, se expressa mais no corpo, 

No contato, no sexo?

É maior o que mais se expõe, mais se arrisca, 

Mais tem a perder?

É maior o que mais demonstra, mais dedica, mais busca,

Mais está presente?

É maior o que mais admira, mais confia, mais é confiável?

É maior o que mais respeita, mais se entrega, mais se doa?

Como medir o amor?

Simples!

É maior aquele que nos satisfaz, que mata nossa sede! 

Aquele que nos deixa felizes, 

Na nossa medida e necessidade individuais! 

Alda M S Santos 

Amamos assim

AMAMOS ASSIM

Amamos as pessoas pelo modo como nos vemos nelas refletidos

Pela receptividade à nossa “aparência” externa e interna que emitem

Pela capacidade de nos fazer sentir queridos

Pela aceitação das nossas qualidades e defeitos

Por não usarem dois pesos e duas medidas em qualquer avaliação

E, se e quando o fizerem, que o peso maior seja o do amor

Pelo carinho e cuidado conosco

Quer estejamos fortes ou frágeis…

Por existirem de “verdade”, 

E por se mostrarem presentes, mesmo distantes.

Esse amor é eterno…

Alda M S Santos

Quantos?

QUANTOS?

De quantos sorrisos, lágrimas

Abraços, beijos, cuidados,

Ou palavras doces se faz um amor? 

A quantidade não importa, 

O que o torna real e duradouro

É que seja recíproco e prazeroso! 

Alda M S Santos

Dois corações

DOIS CORAÇÕES

Pode-se dizer que evoluiu na compreensão humana 

Não só aquele que entende o que o outro sente

Tampouco aquele capaz de avaliar a fundo o que se passa consigo,

Mas aquele que compreende os sentimentos que envolvem dois corações humanos.   

Alda M S Santos

Quando a alma chora

QUANDO A ALMA CHORA

Quando perdemos alguém que amamos, 

nosso corpo chora

Quando nos perdemos em

alguém que amamos, 

Nossa alma chora…

Alda M S Santos

Diga que a ama

DIGA QUE A AMA

Diga que ela é maluca, que é a personificação de seus medos, 

Mas que ainda assim, a ama

Diga que ela é o centro das atenções, o oposto de tudo que você é,

Mas que ainda assim, a ama

Diga que ela é expansiva demais, falante demais, sorridente demais,

Mas que ainda assim, a ama 

Diga que ela é inteligente em demasia, questionadora em excesso,

Mas que ainda assim, a ama

Diga que ela é um caminho desconhecido e temerário,

Mas que ainda assim, a ama

Diga que ela é sensualidade que constrange, carinho e entrega incompreensíveis, 

Mas que ainda assim, a ama

Diga que ela é tudo que você nunca pensou querer,

Mas que ainda assim, a ama

Parafraseando Pedro Chagas Freitas, 

“Há muitos amores difíceis de explicar e outros facilmente explicáveis,

Sendo que só os primeiros são amores de verdade.” 

Alda M S Santos

Beija-flor

BEIJA-FLOR

O que te alimenta beija-flor?

Por que voa de flor em flor a sugar?

Uma flor não lhe basta em néctar,

Ou é a variedade que te satisfaz?

Talvez permaneça insatisfeito

E fique sempre a se empanturrar, 

Gota em gota, doçuras, encantos…

De hibiscos para camarões e para flamboyants  

Volta para os hibiscos e assim sucessivamente…

Quem sabe não se encanta com tantas flores

Cores, perfumes e sabores? 

Tão volúvel, tão maravilhoso

Tão maravilhado, tão perdido!

Ou seu destino é se agradar de todas, polinizar, se refestelar

E encontrar seu pouso em todo o jardim?

Lindo e encantador beija-flor!

Alda M S Santos

Amar é precisar! 

AMAR É PRECISAR

Amar é precisar, é também se sentir necessário.
Sem essa que é preciso ser completo para amar.

Por essa perspectiva, ninguém amaria,

Posto que ninguém nunca está completo!

Sempre há algo no outro que encaixa direitinho em nós, 

Ou seja, incompletos! 

É diferente de colocar no amor do outro

Toda a razão do nosso viver, da nossa felicidade.

Isso é dependência emocional patológica.

Amar é precisar do outro, sim.

É querê-lo perto, é necessitar de carinho,

É precisar de colo, é ansiar por um abraço,

É carecer de palavras de conforto, de intimidade,

É sentir ciúme, é brigar vez ou outra,

É gostar de caminhar lado a lado numa estradinha de terra ,

Ou em qualquer lugar, desde que juntos.

Amamos, precisamos, e precisamos ser necessários,

Caso contrário, podemos precisar,

Mas podemos “desprecisar” também,

Visto que amor bom é amor recíproco.

Alda M S Santos

Um mais um é igual a dois

UM MAIS UM É IGUAL A DOIS

Há quem junte um mais um e forme três, 

São aqueles que ao se unirem formam uma terceira pessoa, completamente diferente, nem esse, nem aquele.

Há quem encontre resultado um,

São aqueles que se anulam pós-união, passam a “administração” de si mesmos a outro. Passa a existir um só ser em dois corpos.

Mas há quem encontre a soma dois,

São aqueles que se unem, absorvem o que há de melhor no outro, cedem a ele o que têm de mais valioso, mas continuam sendo individuais.

Coabitam, corpo e alma, agregam, acrescentam, se amam, mas continuam sendo individuais.

Continuam a existir, mesmo cedendo, mesmo abrindo mão, sendo cada vez maiores e melhores.

Só dá pra “dois serem uma só carne” se continuarem a existir como pessoas individuais que são e que nunca devem deixar de ser. 

Manter a individualidade sendo dual é um desafio constante ! 

Alda M S Santos

Words

WORDS

Palavras…

Muitas são ditas, muitas mesmo!

Pensadas, impensadas, mal pensadas.

Amargas, raivosas, ciumentas, chorosas, cansativas,

Daquelas que a gente desliga a atenção.

Ou inspiradoras, imaginativas, inteligentes.

Sedutoras, pacíficas, amorosas, puro deleite!

Daquelas que a gente liga tudo, alta voltagem.

Como diz a belíssima canção do Bee Gees:

São apenas palavras, e palavras são tudo

Que eu tenho pra ganhar seu coração!

E viva o amor!

Alda M S Santos

São assim

SÃO ASSIM
Um claro, o outro escuro,
Um dia, o outro noite,
Um terra, o outro mar,
Um “exatas”, o outro “humanas”
Um é energia, o outro sossego,
Um quer beijo, o outro colo
Um pede amor, o outro sexo,
Um fala, o outro se cala,
Um se abre, o outro se fecha,
Um é grito, o outro sussurro,
Um é tempestade, o outro calmaria,
Um lê livro, o outro a vida,
Um escreve, o outro aprecia,
Um ora e pede, o outro agradece,
Um aparece, o outro se esconde,
Como Sol e estrelas, revezam-se,
Revezando-se, completam-se,
E se amam…
Alda M S Santos

Falando em amar

FALANDO EM AMAR

Amar é ter as respostas 

sem precisar fazer as perguntas, 

Ou se não as tiver, apenas confiar

 que tudo está como deveria estar…

Alda M S Santos 

Olhar de amor

OLHAR DE AMOR

Diferente de qualquer outro olhar

O olhar de amor é único e inconfundível.

Alguns olhares até tentam se passar por ele:

De respeito, de admiração, de inveja, de ciúmes,

De desejo, de carinho, de compaixão, de solidariedade.

Mas o olhar de amor junta todos eles num só.

É um olhar profundo, úmido, brilhante, acolhedor

Penetrante, corajoso, terno, que não se desvia.

Não se embaraça por ser amor,

Pois amor de verdade não se envergonha,

Quer mesmo é se mostrar.

Quer mesmo é ser amor.

Alda M S Santos

Quero colo

QUERO COLO

Quero colo, mas não qualquer colo

Quero colo que me aqueça, que eu me sinta protegida.

Quero colo que me faça cócegas, que me desperte risadas.

Quero colo, que me traga palavras doces e sábias, que me convença que tudo vai passar, ficar bem.

Quero colo que me conheça, que beije minha testa, que me despenteie os cabelos e que aceite quando eu “reclamar”. 

Quero colo que me abrace forte, que me enlace, que não me deixe escapar.

Quero colo que me desconheça, que me descubra, que me torne especial, única. 

Quero colo que me beije o nariz, a boca, o rosto todo, que se lambuze de mim.

Quero colo que me acalme, que me faça cafunés, e que me faça, confiante, adormecer. 

Quero colo que lá esteja quando eu despertar…

Quero esse colo! Tenho esse colo!

Alda M S Santos

Um amor leve

UM AMOR LEVE

Todos queremos um amor,

Mas não aquele amor pesado, que entristece, 

Que mais causa lágrimas que sorrisos.

Queremos um amor leve como as asas de uma gaivota,

Que flutue sobre os pesos e reveses,

Que pouse apenas onde queira. 

Que caminhem de mãos dadas na praça,

Que se lambuzem de pipocas e beijos no cinema,

Que corram juntos na praia, que se molhem na chuva,

Ou que se escondam abraçadinhos no mesmo guarda-chuva…

Um amor que entenda o olhar, frio ou quente, que nunca seja indiferente, 

Que dancem na sala, que festejem com champagne qualquer coisa e, de “pilequinho” caseiro, apaguem grudados no sofá.

Que dialoguem, que riam das próprias bobagens, que compartilhem silêncios tranquilos, 

Que troquem num beijo uma bala de hortelã, 

Que se aqueçam debaixo de um cobertor de lã.

Que joguem paciência, que se joguem nos abraços, 

Que leiam juntos, que escrevam poemas, ou sejam a própria poesia, a inspiração.

Que lavem juntos o banheiro, que se banhem juntos no chuveiro, 

Que o amor encha nosso dia, que não nos abandone nos sonhos,

E que aguarde nosso amanhecer pra dizer “bom dia, com você! 

Alda M S Santos

Bem-me-quer, malmequer

BEM-ME-QUER, MALMEQUER 

Bem me quer ou mal me quer? 

Quem é que poderá avaliar além de meu próprio sentimento?

Mal me quer quem me produz lágrimas ou as ignora,

Bem me quer quem, produzindo-as ou não, as identifica e as enxuga.

Mal me quer quem não vê o que se passa comigo,

Bem me quer quem se interessa, vê além da superfície e, se não vê, investiga.

Mal me quer quem não me inclui no que faz, não se interessa pelo que faço, não participa do meu dia.

Bem me quer quem, de perto ou de longe, participa da minha vida, me incentiva, me completa, me anima, faz parte de mim! 

Mal me quer quem quase não me nota, exceto quando conveniente,

Bem me quer quem, ainda que não me veja, me sente em todos os momentos de sua vida. 

Mal me quer quem não valoriza e aceita o que sou,

Bem me quer quem, nem sempre me aplaude, mas me incentiva a ser cada dia melhor, sem imposições! 

Mal me quer quem, proibitivo, me diz, “não vá”! 

Bem me quer quem segura minhas mãos e, cuidadoso, diz, “vá com cuidado”! 

Bem me quer melhor ainda quem me dá as mãos e diz, “vou contigo”! 

Mal me quer quem é incapaz de demonstrar amor, por palavras ou ações, 

Bem me quer quem diz “amo você” com os olhos, as palavras, as atitudes. 

Bem me quer ou mal me quer?

Não há quem bem me queira ou mal me queira todo o tempo,

Mas sempre haverá quem se sobressaia por um ou por outro querer. 

E isso sempre determinará quem será especial em minha vida.

Alda M S Santos

Quando se ama…

QUANDO SE AMA…

Quando se ama, o sorriso do outro aciona o interruptor do nosso mundo interior, para acender ou apagar.

Quando se ama, o olhar do outro tem mais brilho, mais calor, aquece nosso coração.

Quando se ama, nosso corpo nos abraços do outro se aconchegam, pois eles são capazes de afastar qualquer mal que nos acometa,

Quando se ama, os beijos tocam muito além dos lábios, atingem fundo o corpo, a alma, 

Quando se ama, a presença ou ausência do outro determinam nosso estado de espírito,

Quando se ama, as atitudes do outro, boas ou más, têm peso gigante,

Quando se ama toda realidade compartilhada é um sonho, todo sonho é real.

Quando se ama, as palavras do outro, como tudo que se faz, podem restaurar ou destruir nosso mundo…

Quando se ama, fica-se, de certa forma, à mercê do outro, 

Quando se ama, apenas quer também ser amado. 

Amar exige entrega, exige coragem,

Amar não é para qualquer um. 

Alda M S Santos

Amar é…

AMAR É…

Amar é sentir-se junto, mesmo distante,

A um cômodo de distância ou a um oceano.

É ocupar espaços ociosos, é estar dentro.

Dentro dos pensamentos, da imaginação, da emoção,

Sem, contudo, ser invasão, apenas ser bem-vindo.

É ter necessidade, é tornar-se necessário, imprescindível.

Amar é compartilhar, partilhar, ser parceiro.

De momentos sérios ou bobos, de qualquer coisa.

É Matemática emocional: dividir o tudo ou o nada.

Amar é não sufocar o outro, não se sentir sufocado, tampouco limitar.

Amar é estar disponível, é encontrar disponibilidade no outro,

Por prazer, com prazer, para um sorvete, um filme,

Para fazer amor ou para mudar o mundo.

Amar é aquecer o outro, é aquecerem-se juntos,

As mãos, o abraço, o corpo todo…

Mas, principalmente, aquecer a alma.

Amar é ser indivíduo, é sentir-se ímpar,

Mas saber que nosso melhor se encontra quando somos pares.

Alda M S Santos

 

 

 

Prova de amor

PROVA DE AMOR

Prova de amor não se pede

Mas o verdadeiro amor se prova a todo momento

Algumas vezes com palavras

Mas a maioria delas nas pequenas atitudes:

De carinho, de cuidado, de desejo de estar junto.

O amor verdadeiro e recíproco

Nota-se e se faz notar,

Não se questiona,

Apenas se ama e se faz amar.

Com e por prazer. 

Infinitamente…

Alda M S Santos

Parcerias

PARCERIAS
Parcerias…
No jogo, no amor, na vida…
São elas que determinam nossas conquistas.
E nosso parceiro primeiro somos nós mesmos
Não podemos desistir de nós
De nossos gostos e vontades.
Esses que fazem com que estejamos inteiros para os outros
Para que possamos ser parceiros do outro.
Alda M S Santos

Quando até respirar dói

QUANDO ATÉ RESPIRAR DÓI

Quando a alma está machucada

E até respirar dói

Só as lágrimas limpam e lavam o caminho

Para encontrarmos o remédio

No silêncio de nós mesmos. 

Alda M S Santos

Coração na mão

CORAÇÃO NA MÃO

Onde bate seu coração?

No próprio peito, tranquilo e em paz?

Na mão, temeroso e ansioso? 

Em trânsito, corajoso e perdido, em busca de abrigo?

Noutro peito, como inquilino provisório, sempre em dívida?

Dividindo morada, batendo aqui e lá, ao mesmo tempo, em sintonia, em uníssono?

Coração é forte, mas quando bate junto é insuperável! 

Escolha onde quer deixar que o seu bata! 

Alda M S Santos

Causando

CAUSANDO
Causar, abafar, abalar, agitar!
Entre tantas novas ondas,
Que vão e que vêm, que fazem barulho, que se esvaem,
Prefiro ser aquela água fresca que chega devagar
Refresca e deixa-se absorver pela areia
E, sem qualquer estardalhaço, unem-se
Como dois amantes,
Tornando a paisagem mais linda!
Alda M S Santos

Ser amor

SER AMOR
Ser amor é ser sorriso
Sem desvalorizar as lágrimas
É ser abraço, beijo,
Quando tudo parecer ruir.
É ser estímulo, sem negar o colo.
É ser companhia, participação, interatividade,
Sem negar-se a si mesmo e às suas vontades.
É ser admiração, respeito, confiança, intimidade,
Sem fechar os olhos para os defeitos,
Mas mantê-los bem abertos para o essencial
Que encanta, aquece e amortece qualquer mal
Simplesmente por existir e estar ali.
Alda M S Santos

Amar é…

Amar é…
Desafiar a lei da gravidade
É viver em constante suspensão
É tornar o sonho, realidade
Ignorando a força que vem do chão.
Alda M S Santos

Beijos, linguagem universal

BEIJOS, LINGUAGEM UNIVERSAL

Beijos são linguagem universal, vários tipos, vários significados.

Há o beijo na testa, representa cuidado e proteção.

O beijo na mão quer dizer respeito e admiração.

O beijo rápido no rosto é de alguém que se apresenta para o outro.

O beijo nas bochechas, cujas mãos seguram a cabeça, um abraço se segue, fazem um carinho, é o que diz: tudo bem, estou aqui, conte comigo!

O beijo de nariz é o beijo da cumplicidade e bom humor.

O beijo selinho, toque rápido de lábios com lábios, é cumprimento mais íntimo e carinhoso, de almas afins.

O beijo na boca, sempre acompanhado de abraços, carícias, é o encontro das almas numa só morada, onde gostariam de habitar para sempre. 

Beijo é linguagem de um idioma só:

O Amor.

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: