Busca

Categoria

balanço da vida

Degustação

DEGUSTAÇÃO

Numa analogia com um grande restaurante

A vida teria uma quantidade diversa de clientes

Glutões, famintos, anoréxicos, bulímicos

Aqueles que comem de tudo sem critério ou medida

Os que não ingerem quase nada por medo de peso extra

Os que engolem de tudo desenfreadamente e logo vomitam, descartam

Aqueles cujo organismo não dá conta de processar muito bem o alimento

Os que querem apenas variedade, sem qualidade

Os que ficam pegando rebarbas dos pratos alheios

Os que preferem somente a degustação, não pagam o preço do “prato”

Passam fome…

E aqueles sábios e experientes que sabem o que querem

Buscam exatamente o que precisam para se alimentar

Não se encantam mais só pela apresentação ou aroma do prato

Buscam prazer e valor nutritivo num prato que seja seu

Que tenham plantado ou pescado

Querem alimento para o corpo e para a alma

Estão sempre bem alimentados

Sabem que degustação por degustação não traz satisfação…

Alda M S Santos

Nossa bagunça

NOSSA BAGUNÇA

Uma ampla sala arejada com poltronas aconchegantes

Um quarto quentinho, macio e acolhedor

Uma cozinha receptiva, com aroma de café e pão de queijo

Uma rede na varanda com uma vista da Serra

Um quintal com flores, frutos e balanço na goiabeira

Um gramado para brincar, dançar, se exercitar

Um sótão para guardar as bagunças e ferramentas…

Cada qual tem seu sonho de casa, de moradia

Mas para um lar todos têm o mesmo desejo

Que seja amoroso, pacífico, harmonioso

E isso independe da casa em que se mora

Depende muito de com quem se mora

E da sabedoria em manter organizados nossos ambientes internos

Nossa “casa” não é sempre um amplo espaço arejado

Mas também não pode ser toda ela um sótão bagunçado

Um lar “arrumado”, ou não, está diretamente ligado

Ao modo como cada pessoa presente ali

Lida com a bagunça que traz dentro de si

E com a bagunça que o outro traz consigo

Alda M S Santos

Algoz

ALGOZ

Não existe maior algoz que a própria consciência

Quase tão grande quanto o maior amor: o divino

Se ela funciona bem a luz de alerta se acende

Aprendizados acontecem, erros passam, a vida evolui

Se ela falha o maior amor entra em ação, poderoso

E permite novas oportunidades para recuperação

Se parecermos estacionados nos mesmos erros

As mesmas falhas repetindo -se infinitas vezes

É Deus agindo

A lição não foi aprendida

Se a consciência doer, ouça

Se tudo parecer se repetir, aproveite

O Maior e Melhor Professor está sempre a nos ensinar

Incansavelmente…

Alda M S Santos

Nas batalhas

NAS BATALHAS

Batalha pelo pão que alimenta o corpo

Batalha pelas águas claras que hidratam o ser

Batalha pelo chão firme sob os pés

Batalha pelo céu azul que possibilita voos livres

Batalha pelo abraço gostoso que une os seres afins

Batalha pelos bons relacionamentos que enriquecem o viver

Batalha pelo amor recíproco que alimenta a alma

Batalha para sentir-se membro dessa nau

Batalha para ter onde repousar corpo, mente e coração

E viver um sonho real

De amor e compaixão…

Nas constantes batalhas para nos firmar como gente

Devemos nos cuidar para não perdermos nossa humanidade

Nas batalhas da vida precisamos, às vezes, nos render

Pedir uma trégua, talvez até nos sentir meio presos

Para poder sermos verdadeiramente livres e vitoriosos

E seguir em paz quando chegar o momento de voltar para casa

Alda M S Santos

Te carreguei no colo

TE CARREGUEI NO COLO

Criados para suportar toda adversidade

Nosso corpo é flexível

Nossa mente é adaptável

Nossa alma é renovável

Nosso coração é elástico, capacidade ilimitada

Muitas vezes desconhecemos esse fato

Constantemente colocados à prova

Numa análise preliminar

Pensamos tombar facilmente

Numa avaliação mais minuciosa

Em retrospectiva, descobrimos nossa força

A força que vem do Criador

Que olha por nós e nos ampara todo o tempo

Que nunca nos abandona, mesmo quando estamos muito pesados

Pelas dores e adversidades do viver

“Nos momentos mais difíceis de sua vida

Eu te carreguei no colo”…

Alda M S Santos

Como determinar?

COMO DETERMINAR?

Por quanto tempo certas perdas irão doer

Por quanto tempo algumas pessoas farão falta

Como determinar?

Por quanto tempo elas serão lembradas sob lágrimas

Quando a lembrança será apenas saudade boa?

Como determinar?

Depende do tempo que se passou juntos

Da profundidade do que foi vivido, das marcas deixadas?

Como determinar?

Doerá menos se não restaram dívidas a quitar

Se não ficaram mágoas ou algo a perdoar?

Como determinar?

Por quanto tempo quem ficou para trás

Ainda se sentirá sem chão ou perdido

Como determinar?

Há como calcular o tempo de cura?

Em quanto tempo os vazios deixados serão novamente preenchidos?

Tantas pessoas se vão todos os dias

Tantas pessoas ficam para trás

Tantas dores que não sabemos se têm fim

Ou se são apenas anestesiadas, amortizadas

Tantas perdas, tantas mortes

Até quando quem as sofreu

Irá querer voltar no tempo para ter de volta quem se foi,

Para consertar algo?

Como determinar?

A vida é um piscar de olhos

Aproveitemos esse intervalo antes do cerrar definitivo das pálpebras!

Alda M S Santos

Instituto Inhotim -Brumadinho

Preste atenção

PRESTE ATENÇÃO

Olhe para o que te falta, busque

Mas veja aquilo que você tem de verdadeiramente seu

Olhe devagar, absorva o positivo, o divino

Preste atenção!

Inspire fundo, sinta o perfume doce da paz

Mesmo que precise inspirar muitas vezes

Sinta-se vivo! Preste atenção!

Olhe no seu entorno

Natureza viva, ar puro, brisa suave, calor humano

Entregue-se! Delicie-se!

Veja quem te estende a mão, quem te cuida

Quem te abraça, te acolhe, te ama

Quem reza por você, pensa em você

Quem sempre te coloca como prioridade

Preste atenção!

Veja com um novo olhar tudo aquilo que está dentro de você

Demore-se um pouco nesse olhar, tenha calma

Preste atenção! Sinta-se!

Ainda que seja apenas você mesmo

Olhe! Veja de verdade! Preste atenção!

E valorize! Valorize-se!

Onde você se encontra, também se encontra Deus

A vida é aquilo que fazemos dela…

Alda M S Santos

Porteira fechada

PORTEIRA FECHADA

A vida nos é dada de porteira fechada

Como propriedades negociadas com tudo que carregam porteira para dentro

Recebemos ao nascer um pacote pronto, sem escolhas

Mas não precisa ser assim para sempre

Aos poucos vamos “negociando” o que ela nos deu

Fazendo trocas, descartes, novas aquisições

Vamos fazendo valer nossas escolhas, desejos

Descobrindo o que nossa “terra” produz melhor

Ou aquilo que ela não é boa em cultivar

Adubando o que cresce, enriquece, matando pragas

E dando a essa “propriedade” chamada vida

Que é só nossa, querendo ou não

A nossa cara, nossas características

Tudo que temos ou somos é resultado de nosso trabalho

Na propriedade que recebemos a princípio

Há alguns anos ou décadas…

A porteira veio fechada

Abri-la e fazê-la crescer cabe a cada um de nós…

Alda M S Santos

Antes de morrer

ANTES DE MORRER

Revendo minha lista de coisas a fazer antes de morrer

Já teve pouquíssimos itens, aumentou muitos

Agora sofre perdas e substituições

Uns são simplesmente apagados por inadequação

Por acreditar que o tempo não será suficiente

Por maturidade, decepção e/ou cansaço

Ou por pura covardia mesmo…

Nesse ínterim, outros itens mais “adequados” são inseridos

Menor exigência, maior fé, mais autoconhecimento

Mais autoproteção, menos ansiedade, mais sabedoria

A cada item alcançado, um novo é acrescentado

Afinal, o tempo ainda não parou

A areia desce na ampulheta invisível da vida

Tento acompanhá-la no meu ritmo

E a lista está ali, pedindo para ser completada

Antes de morrer…

Alda M S Santos

Talvez

TALVEZ

Talvez um dia eu possa me arrepender

Talvez no futuro tudo venha a ser diferente

É até bom mesmo que seja, que mude

Mudança gera força, crescimento

Mas, hoje, é o que tenho

E, hoje, posso agir, escolher um caminho do qual me orgulhe

Talvez não saiba ao certo como agir

Mas sigo minha intuição, meu coração

Se ele dói, se aperta, é porque o caminho não é o melhor

Tem pedras, buracos, posso cair, me machucar

Ou não conseguir impedir a queda de alguém querido

Mudo a rota, a altitude, o voo

Balanço, fico insegura, nem sempre tranquila, tenho medos

Mas sigo em frente no hoje, mantendo o equilíbrio

Talvez amanhã nem esteja mais aqui

Mas quero levar comigo e deixar por aqui

A lembrança de alguém que fez tudo que pôde por amor

Talvez o amanhã mude, ou seja ainda melhor

Creio nisso e sigo…

Talvez…

Alda M S Santos

Que não doa tanto ser gente

QUE NÃO DOA TANTO SER GENTE

Algo errado, muito errado, desumano

Que acaba por acionar angústias e tristezas represadas em nós

Nossas comportas também se rompem

Sensação de não pertencimento a esse lugar

Desvalorização da vida, dos sentimentos, das conquistas

Vidas hierarquizadas, sem critério algum

Saudades de outros tempos, de outras pessoas

De uma época em que sabíamos valer algo

Talvez nem valêssemos, mas não percebíamos assim

A ignorância dos fatos é, muitas vezes, uma bênção

Pessoas lançadas umas contra as outras

Por questões políticas, religiosas, sociais, financeiras

Não se sabe mais ao certo o que é importante

Uma barragem se rompe lá e estoura algo aqui dentro da gente

Saudades…

Saudades de um tempo bom

Em que não éramos apenas números

Uma imagem embaçada na memória, um retrato na estante

Ou do que éramos noutro tempo

Quando não matávamos tudo, até sentimentos

Esse tempo existiu mesmo?

Quero um mundo novo, mais humano

Quero um lugar novo, onde não doa tanto ser gente

Quero ir embora daqui

Quero reencontrar a esperança e a capacidade de sonhar

E afastar o pesadelo da realidade…

Alda M S Santos

Renovando…

RENOVANDO…

A vida nem sempre é como a gente quer

As pessoas e situações quase nunca correspondem às nossas expectativas

A dor muitas vezes se impõe, as forças minam

Sentimo-nos excluídos, esquecidos, desvalorizados, preteridos

Mas brota lá de dentro uma semente, a da sobrevivência

E a gente cuida, rega, aduba, se deixa cuidar e adubar

Enquanto formos capazes de levar um abraço, um cuidado

Enquanto formos capazes de respeitar e cuidar de toda vida existente

Enquanto formos capazes de sorrir um para o outro

Para nós mesmos, a despeito de todo e qualquer sofrimento

O amor prevalecerá, a vida se renovará

Cada dia mais bela e promissora…

Alda M S Santos

Também somos responsáveis

TAMBÉM SOMOS RESPONSÁVEIS

Quando não ouvimos os gritos que imploram por socorro

Também somos responsáveis

Quando não entendemos o olhar que nos implora atenção

Também somos responsáveis

Quando nos calamos diante do silêncio sugestivo e de alerta

Também somos responsáveis

Quando ignoramos um pedido de perdão

Também somos responsáveis

Quando fechamos os olhos para a escuridão que se avizinha

Também somos responsáveis

Quando usufruímos do objeto/produto que possa causar dor ao outro

Também somos responsáveis

Quando não gritamos, não entendemos, não agimos

Quando somos tomados pelo comodismo e pela inércia

Também somos responsáveis

Não importa de onde venha a lama ou a tragédia

Ou de onde os escombros caiam

Se ocorre no trabalho, na igreja, na vizinhança

Em nosso próprio lar ou dentro de nós mesmos

Somos, no mínimo, corresponsáveis

Que cada qual possa assumir sua cota de culpa

E mudar…

Alda M S Santos

Lavando a alma

LAVANDO A ALMA

No Sol que irradia e aquece a pele

Nas pedras que massageiam e acariciam os pés

Na água da cachoeira que refresca e limpa corpo e mente

Na chuva que inunda e fecunda ideias

Na Lua que cresce, diminui, some e volta, nunca desiste

Nas estrelas que brilham na escuridão do firmamento

No som do silêncio que desperta saudades

No carinho e cuidado daqueles que me cercam

Que precisam de mim, que deles necessito

Em tudo lavo minha alma, pouco a pouco

Pois a alma precisa de um sabonete especial chamado amor

E ele só encontramos naquilo que Ele criou…

Lavando minha alma sigo buscando a paz…

Alda M S Santos

Meu tempo

MEU TEMPO

Meu tempo já não é mais o mesmo

Menos ansiedade ou afobação

Um leque maior de opções, sem tanta obrigação

Correria só por lazer ou diversão

O número de coisas a adquirir importa cada vez menos

É preferível despertar emoções saudáveis e bons sentimentos

Já aceito melhor a qualidade em detrimento da quantidade

Aprecio novos lugares, mas sei bem que “com quem” vale mais do que “onde”

Já não tenho tempo a perder remoendo raivas, ciúmes

Sofrendo culpas, me martirizando pelo que não tenho controle

Sei que dar soco em ponta de faca só fere a mim mesma

Prefiro me encontrar nos sorrisos, nos abraços

No carinho sincero, no amor declarado mesmo no silêncio

Assumo o produto de minhas escolhas, erros e acertos

Para o bem ou para o mal

Aceito melhor os tempos das outras pessoas diferentes de mim

Valorizo o amor que se apresenta

Não cobro, não peço, não imploro nada

Doar o que temos é o melhor modo de conquistar o que precisamos

Estou aprendendo que nadar contra a corrente suga a energia

Mas não é pior que seguir um curso indesejado e indefinido

Que quase sempre não leva a lugar algum …

Meu tempo não é mais o mesmo

Mas ainda estou aprendendo a lidar com ele

Qualquer hora dessas eu consigo

E atinjo todas essas metas!

Alda M S Santos

Coleções

COLEÇÕES

Há coleções de todo tipo

De figurinhas, de selos, de joias

De carros, de jogos, de souvenir

De roupas, calçados, discos e livros

Há até quem colecione pessoas

Coleções para diversão, para exibição

Há coleções menos “concretas”

Coleções de sorrisos, de lembranças, de lágrimas

De delicadezas, de cores e perfumes

Há coleções de olhares, de poemas, de fotografias

Há coleções para serem exibidas

Há coleções para serem guardadas e protegidas no coração

Aquelas nos fazem “grandes” perante o outro

Estas nos fazem grandes perante nós mesmos…

Alda M S Santos

Minha idade não permite

MINHA IDADE NÃO PERMITE

A única coisa que a idade não permite

Seja ela pouca ou muita, iniciando ou já avançada

Masculina ou feminina, é a infelicidade

Se a felicidade pede, não é a idade que deverá impedir

Se a felicidade pede, não é o olhar maldoso do outro que irá impedir

Se a felicidade pede e não fere a consciência

Se a felicidade pede e não está retirando nada de ninguém

Se a felicidade pede e não põe em risco a felicidade do outro

Não é a idade que poderá impedir

Corpo e mente devem estar em uníssono, em sintonia

Para ouvir o que a alma precisa realmente para ser feliz

E não abrir mão da felicidade por preconceitos próprios ou alheios

A idade, seja ela qual for, não só permite

A idade pede, exige que façamos o que nos faz bem

A idade apenas nos mostra que o tempo tá passando veloz

E cabe a nós fazê-lo correr o mais prazerosamente possível

Para nós e para os outros

Enquanto há vida…

Minha idade não me permite ser infeliz!

Alda M S Santos

Panorâmica

PANORÂMICA

Quero uma panorâmica da minha vida

Que capture tudo do início ao fim em 360 graus

Cores, diversos matizes, claros e escuros, foscos e brilhantes

Pontos em relevo, reentrâncias, 3D, transparências

Áreas secas, outras molhadas, oásis e desertos

Com direito a giros, emoções, sorrisos e lágrimas

Liberdade para extasiar, tontear, sem desabar

Quero nela todos aqueles que fizeram parte do meu viver

E revelar num grande mosaico

A minha simples passagem por aqui

Quero uma panorâmica da minha vida…

Alda M S Santos

Se eu puder escolher

SE EU PUDER ESCOLHER

Se tudo na vida nos rouba tempo

Que eu possa escolher como ser roubada

Que meu tempo seja subtraído

Fazendo coisas que me dão prazer

Que dão prazer aos outros, aos que me fazem bem

E quando eu não puder impedir lágrimas e decepções

Que ao menos possa ter quem enxugá-las

E, para cada lágrima que porventura eu venha despertar em alguém,

Que tenha, em contrapartida, deixado a lembrança de um sorriso, um abraço, um beijo, um cuidado

Que logo roube seu lugar e faça o tempo ser precioso

Se eu puder escolher

Escolho focar e ficar no que fez e faz bem

De perto ou de longe…

Alda M S Santos

Sempre em busca

SEMPRE EM BUSCA

Viver é estar sempre em busca

Ainda que não se saiba exatamente de quê

Mesmo que todos o vejam como preenchido

Aquele a quem nada falta

Por mais que sinta gratidão à vida

A tudo que foi permitido ter, ao que aprendeu a ser

Aquilo que foi conquistado, mantido, até mesmo aquilo que foi perdido

Aquilo que te fez o que hoje é

Tudo só foi e é possível por ter estado sempre em busca

Por nunca ter desistido ou estacionado na aparente completude

Só você sabe os motores que te movem

As necessidades que te (des)orientam, seus medos

Só você sabe seu tempos, suas urgências, suas carências

Ainda que não sejam verbalizadas ou compreendidas

São elas que te mantêm sempre em busca

São elas que dão a aparência de alguém a quem nada falta

Apesar de toda sua inquietude…

Todos veem “tudo” que você tem

São suas buscas e lutas que nem todos veem

Quem está vivo está sempre a buscar…

Alda M S Santos

Ao sabor do vento

AO SABOR DO VENTO

Um barco, uma âncora, uma bandeira a balançar

Seus olhos observam, sua alma voa

Ao sabor do vento navegam no oceano

Leva para lá e traz de volta para cá

E nesse constante remexer, nessa brisa refrescante

Ora é paz, calmaria, ora é tempestade, inconstância

Tenta encontrar seu lugar, se encaixar

Ser barco, ser âncora, ser vento, ser pouso…

Joga água salgada no rosto, aquece-se ao sol

Tenta lavar e aquecer também a alma

E o barco balança, a âncora repousa

O porto está longe e a bandeira balança ao sabor do vento

Fecha os olhos e, como ela, solta-se, entrega-se, deixa-se levar…

Alda M S Santos

Fronteiras

FRONTEIRAS

Do lado de lá ou do lado de cá

Uma linha invisível a separar

Fronteiras a nos impor limites

A nos deixar de lados diferentes do front

Tal qual a linha no horizonte

A dividir o que é céu e o que é mar

Do lado de lá ou do lado de cá

Aquele traço suave quase apagado a separar

O amarelo fosco do entardecer e o cinza chumbo do anoitecer

As águas doces de um rio que se encontram com o sal do mar

A terra seca da chuva prata que a inunda

Do lado de lá ou do lado de cá

Nem sempre enxergamos a linha tênue a separar

O que é efêmero do que é eterno

O que é certo do que parece certo

O que é bom do que é ruim

O que é verdade ou o que é saudade

O que é nosso do que pensamos que fosse

O que é amor do que são só palavras

Do lado de lá ou do lado de cá

A fronteira a dividir esse front

Não é enxergada nem na luz nem na escuridão

Mas é sentida a cada passo

Em cada grito ou silêncio de dor ou alegria

Em cada pegada deixada nas areias dessa estrada chamada vida…

Alda M S Santos

Aparências, nada mais…

APARÊNCIAS, NADA MAIS…

Não é porque parece sujo que não limpa

Ou limpo que não esteja sujo

Não é porque sorri que esteja sempre feliz

Ou chorando que seja um infeliz

Não é porque está vestido que tem pudores

Ou nu que seja despudorado

Não é porque seja tão belo e brilhante por fora

Que também o seja por dentro, lá pode estar fosco

Não é porque grite que tenha muito a dizer

Ou silencie que não esteja sufocando algo

Não é porque caminhe por caminhos diferentes

Que tenha mudado a rota original da própria vida

Não é porque desanime ou tantas vezes queira desistir

Que não seja grato ao amor e à vida…

Aparências, nada mais…

Apenas um bom olhar percebe o que vai dentro

Além da superfície!

Alda M S Santos

Fotossíntese

FOTOSSÍNTESE

Enquanto houver sol

Enquanto ele despontar reinando no horizonte

Seremos alimentados por seu brilho e calor

Por sua capacidade de gerar vida

Quando ele se for

Estiver encoberto por nuvens escuras

Ou ceder lugar para a noite

Auxiliados pelo que ele deixou

Buscaremos luz e calor em nosso interior

Faremos nossa própria fotossíntese

E manteremos a vida saudável em nós…

Alda M S Santos

O último raio de sol

O ÚLTIMO RAIO DE SOL

Os últimos raios de sol estão brilhando no horizonte

Irradiam e refletem todo o trabalho de um dia nas águas do oceano

Descansam ali toda a energia despendida em forma de luz e calor

Deitam nele suas esperanças de um novo amanhecer

Um olhar ao longe também repousa

Ela acalma o seu coração diante desse espetáculo gratuito a lhe dizer:

A vida é cíclica, tudo vai, tudo volta

Tenha calma na alma

Que a paz reinará!

Alda M S Santos

Esperas

ESPERAS

Vida de esperas incessantes

Esperamos por algo, por um lugar, por alguém

As horas e minutos contados vão se esgotando

Os sonhos se realizando, outros sendo minados

Vida de esperas boas ou vãs

Vida de esperas incessantes…

Esperas por um momento, que dura poucos minutos

Que valem todo o existir

Vida de esperas incessantes…

Mal uma se realiza, outra já toma seu lugar

São motivadoras, motores do existir

Quanto mais depender de nós mesmos

Mais felizes e realizados seremos

Vida de esperas incessantes

Esperando…

Enquanto isso, vivendo…

Alda M S Santos

Abalando muralhas

ABALANDO MURALHAS

Aquelas tempestades que vêm e derrubam tudo

As que todos tememos e olhamos com desconfiança

Enxergando nelas apenas destruição e tragédias

Podem ser exatamente o que precisamos para recomeçar

Há muros que construímos ao redor de nós

Realidades que carregamos como verdades absolutas

Construídas sobre rochas aparentemente fortes

Que só uma boa tempestade para abalar suas estruturas

Mostrar sua real fragilidade e inconsequência

E nos permitir reconstruir, recomeçar

Mas há algumas construções que nenhuma tempestade derruba

São verdadeiras, reais, fortes, divinas

Construídas sobre a rocha do amor…

Muitas muralhas algumas tempestades conseguem derrubar e permitem reconstrução

Outras, é preciso cuidado, só com amor é possível derrubar

Pois carregam consigo estruturas que nos sustentam por inteiro

E que precisam ser resguardadas

Pois são impossíveis de serem reconstruídas…

Alda M S Santos

Vamos recomeçar?

VAMOS RECOMEÇAR?

Percorremos tantos caminhos na vida, em várias direções

Em busca de realização profissional, harmonia familiar

De uma vida recheada de amores sinceros, amizades verdadeiras

Em busca de um Deus que nos acolha, oriente, perdoe e ampare

Mas qual deles nos leva a nós mesmos?

Alguns sabemos que nos afastam de nós, precisamos retornar

Recomeçar da estaca zero, se possível, mais sábios, talvez mais fortes

Tudo dependerá de nosso olhar e ação sobre as curvas e entraves do caminho

Da perícia em saber a hora de voltar

Qual delas poderá nos redirecionar em busca de nós mesmos?

É preciso estar consciente das próprias pegadas para caminhar

Um caminho que nos afasta de nós mesmos e daquilo que mais prezamos não é uma boa escolha

Um caminho válido é aquele que nos leva ao aprendizado, ao autoconhecimento

Pois, por incrível que pareça, estamos sempre a nos surpreender

E nisso consiste a beleza do existir…

Vamos recomeçar?

Alda M S Santos

Vestidos de amor

VESTIDOS DE AMOR
Não importa se usaremos branco
Amarelo, vermelho ou rosa
Se pularemos sete ondas, se comeremos lentilhas
Ou o que guardaremos na carteira
Nada disso nos trará amor, paixão, sorte, dinheiro ou paz…
Devemos nos vestir de amor, bondade, esperança
E ir à luta, se quisermos um ano novo melhor!
Vista o que quiser, coma o que lhe aprouver ou tiver
Dê as mãos a quem sempre te acompanha
Estenda-as a quem precisa de apoio
E, se possível, não guarde muita coisa na carteira
Opte por encher o coração, a alma de levezas
Partilhe, faça feliz, seja feliz…
Feliz 2019!
Alda M S Santos

Brotos de amor

BROTOS DE AMOR
A chuvinha está como a gente, vez ou outra
Será que está a nos copiar?
Cai intensa, forte, contínua, dura uns bons minutos
E para…
O tempo abre, o sol aquece, também dura pouco tempo
E a chuvinha volta a cair intensa…
Parece conosco quando temos muito a chorar
A alma para lavar, muitas mágoas presas a soltar
E, fortes, insistimos em manter nosso sorriso aberto
Algumas recaídas, mais lágrimas e soluços
E novamente sol, sorrisos…
E nesse troca-troca a vida se renova
Se abastece de água e calor, de lágrimas e sorrisos
Irrigando a semente de um amanhã promissor
Que brota insistente nas terras onde se plantou amor…
Alda M S Santos

Retrospectiva

RETROSPECTIVA

Em retrospectiva analiso os últimos 365 dias

O que se destacou nesse ano que merece ser relembrado

As alegrias vividas, os sofrimentos superados

Outros jogados para um cantinho escuro

A força que surgiu de onde parecia ser só fragilidade

Os sorrisos que brotaram em meio a decepções

As lágrimas, os apertos e medos, mudanças e renovações

Quantas vezes fui salva do mal ou da morte sem saber

Quantas outras fui salva da vida por escolher

A quantos pude salvar, levar amor, compaixão

Ou apenas um pouco de alegria, um pedaço de pão

O quanto pude construir para mim, para os outros

Causei algum mal, destruí algo, derrubei muros, construí pontes?

Como água, soube desviar de obstáculos ou entrei onde não devia?

A bagagem que hoje carrego pesa mais que antes

Ou tem mais levezas, menos traumas ou culpas?

Uma coisa é certa: não desisti

Que posso levar para o próximo ano?

Quem estará comigo?

Independente de quem ou do que estiver comigo

Sei que Ele estará, não me desampara nunca

Nele está minha gratidão, minha fé, minha coragem

Que venha 2019!

Que seja feliz para todos nós!

Alda M S Santos

Sob nova direção

SOB NOVA DIREÇÃO

“Mudamos para novo endereço”

“Aluga-se”, “Vende-se”

“Passa-se o ponto”

Perdedores, desistentes, fracassados?

Ou corajosos, persistentes, lutadores, guerreiros?

“Sob nova direção”

Novos proprietários ou os mesmos

Sob nova roupagem, novo layout?

“Sob nova direção”

Alguém que retomou as rédeas de sua montaria

O leme de sua embarcação

O manche de seu voo

O volante de sua estrada

O curso de sua vida…

Sob nova direção

Revista, atualizada, aprovada

Inspirada…e a vida segue…

Com novo rumo, mais certo, mais seu

Aproveitando os aprendizados adquiridos

Fazendo seu próprio caminho…

Alda M S Santos

Fechado para balanço

FECHADO PARA BALANÇO

Tempo de balanço, de averiguar saldos

Entradas e saídas, déficits e superávits

Faturamento, prejuízos, reposições e trocas

Todo bom negócio realiza para equilibrar a balança comercial

Todo bom ser humano precisa para equilíbrio da balança emocional

Tempo de levantamento de dados na mente

Os excessos ou faltas que causaram curtos-circuitos

Hora de sondar o coração

Aquelas batidas aceleradas ou quase paradas

Verificar o que gerou ganho para a alma

Remanejar o que não possibilitou crescimento

Manter e aumentar o estoque do que fez bem

Descartar só em último caso

Pois tudo que fez parte de nós sempre há como reaproveitar

E portas abertas novamente

Seguindo corajosamente no sinal verde,

Brecando sabiamente no vermelho

E muita, muita atenção ao amarelo

A vida que está em nós precisa girar…

O amor precisa fluir, sem destruir …

Alda M S Santos

É possível?

É POSSÍVEL?

Para mudar algo, fazer diferente

Alcançar objetivos, bater metas

Melhorar, crescer, evoluir

Vencer, não ao outro, mas nossas próprias batalhas

Transformar divergências em convergências

Alguns princípios básicos devem ser obedecidos

Novas estratégias se impõem:

Aumentamos a intensidade da luta

Mudamos as armas ou as táticas

Ou trocamos os objetivos…

Só assim é possível um resultado diferente

Em qualquer esfera da vida

Que a sabedoria e o amor estejam presentes…

Alda M S Santos

Bandeira branca

BANDEIRA BRANCA

Se houver paz dentro

Não há guerra cá fora que interfira

Que mude esse status

Mas se dentro for batalha atrás de batalha

A paz exterior pouco terá efeito

Levante a bandeira branca dentro de si

Peça uma trégua a sua alma

E deixe a guerra cá fora entender

Que a paz que todos almejamos

Nasce primeiro em cada um de nós

Em cada coração disposto a amar, perdoar

Acreditar, e seguir em frente…

Alda M S Santos

All the time…

ALL THE TIME…

É sempre assim, todos que estiveram conosco

Que fizeram parte de nossas vidas

Sempre estarão conosco

All the time…

Não importa de que modo

Se estarão ao nosso lado conversando

Num abraço apertado, aquele sorriso gostoso

Reclamando do atraso, do barulho

Fazendo piadas com as situações difíceis

Nos animando ou encorajando

Entregando um presente, sendo presença

Brincando com as crianças ou quietinho num canto

Falante como sempre ou num silêncio de paz

Sempre haverá pessoas distantes que são próximas

Assim como haverá pessoas próximas que são distantes

All the time…

Quer a gente queira ou não, estarão aqui ao lado

Ou estarão nas boas ou más lembranças

Numa mensagem de texto, numa foto

Naquela saudade que ainda dói ou machuca

Ou talvez já tenha se tornado uma lembrança gostosa de reviver…

Todos nós iremos embora um dia

O que deixamos e o que levamos é o que importa…

Isso acontece todo o tempo

Apenas no Natal se evidencia mais…

Alda M S Santos

Um bom roteiro, um bom filme

UM BOM ROTEIRO, UM BOM FILME

Um filme, uma história, obra aberta

Aquela que tem princípio, meio e fim

Mas ainda desconhecidos pela grande “plateia”

Podemos nele agir, mudar o roteiro, editar

Assim é o filme de nossas vidas…

Não podemos apagar cenas já gravadas e “exibidas”

Essas sempre irão existir, boas ou más, com mocinhos ou vilões

Mas podemos inserir novos takes

Mudar a participação especial de alguns personagens

Aumentar ou diminuir a importância de coadjuvantes

Torná-lo uma obra mais romântica, menos dramática

Fugir de takes de polícia ou terror

Gravar mais comédia e ação para dar mais “vida” à história

Retirar o foco de personagens que têm apenas participação pequena e especial

Fazem parte de outro filme, outra história

Tudo pode ser feito nesse filme

Exceto, apagar cenas ou mudar o protagonista

Esse sempre seremos nós mesmos!

E o sucesso de bilheteria importa menos

Que o prazer do próprio autor em vivenciar essa história

Bom filme!

Alda M S Santos

Metas

METAS

Compromissos firmados conosco mesmos

Aquelas metas com prazos estabelecidos ou não:

Começar uma atividade física, realizar um trabalho social

Economizar, viajar mais, relaxar, dedicar mais tempo à família

Trocar de emprego, fazer uma faculdade, ter um filho

Arranjar um novo amor, frequentar uma igreja…

Planos para melhoria física, mental, social, financeira

Ou, simplesmente, mudanças no modo de ser e de agir

Quer dizer, nem tão simples assim…

Metas de mudanças comportamentais são sempre difíceis

Todos temos metas, planos, objetivos, simples ou complexos

E só esse balanço interior de levantamento de nossas prioridades

É que nos tornará aptos a atingir nossas metas

Mesmo que muitas não dependam só de nós …

Bons planos e realizações é o que todos precisamos!

Alda M S Santos

Somos presente!

SOMOS PRESENTE!

O passado não muda, não volta

Todos sabemos!

Independente se foi florido ou esburacado

Se fomos felizes ou nem tanto

Se queremos esquecer ou voltar, reviver

Tanto faz! Ficou lá atrás!

Mas o modo de olhar para ele

Aquilo que ele deixou em nós, reciclado

A maneira que interfere no hoje

O jeito de nos mover ou de nos paralisar

As expectativas frustradas ou não que cria para o futuro

A maneira que o trabalhamos em nós faz toda diferença

No presente que abrimos todas as manhãs

No futuro que vislumbramos e aguardamos em expectativa a cada anoitecer

Nosso presente fica melhor e nosso futuro mais interessante

Quando fazemos as pazes com nosso passado

Não o esquecemos, não o ignoramos

Aprendemos com ele e somos gratos àquilo que nos tornou

Mas o deixamos onde deve ficar: guardado lá atrás

Somos presente!

Há sempre barcos indo, barcos chegando

Barco não nasceu para ficar atracado no porto.

Alda M S Santos

Na varanda

NA VARANDA

Sentada na varanda ela vê a vida passar noutro ritmo

Com uma trilha sonora diferente, rica

Cantos, sem vozes, algazarra e encantos

Sob cores fortes, intensas, naturais

Observa o enredo matutino que se desenrola no telão da vida

Tudo ali fala, o silêncio grita, há comunicação

As palavras são supérfluas, desnecessárias

Canarinhos entram e saem do ninho sob o telhado

Conversam entre si, renovam e festejam a vida de seus ovinhos

Calangos passam correndo, saracuras idem

Beija-flores se refestelam e passeiam de flor em flor no jardim

Borboletas e joaninhas fazem a polinização

Lagartas sapecam quem ousa encostar nelas

A cadelinha se estira na grama macia e úmida

O sol reina sobre todos, debaixo de um céu de intenso azul

Cada qual sabe bem seu papel e o executa com alegria

E ela ali, a observar…

Busca dentro de si aquela mesma harmonia

Aquela “certeza” leve de também executar bem seu papel

Na tantas vezes complexa trama da vida…

Alda M S Santos

Verde-vivo

VERDE-VIVO

A chuva fora torrencial, derrubara árvores, ninhos e sonhos

Pássaros saíam a cantar, comemorando o que restou de bom

Humanos se fechavam a reclamar, contabilizando o que perderam

A chuva ainda insistia, agora leve, fininha

Mas o sol se infiltrava, sem pedir licença, soberano, dono da vida

Renovando calor e colorindo de verde-vivo a esperança

Como alguém que tenta sorrir banhado em lágrimas

Formando um arco-íris maravilhoso escorrendo no rosto

Como a árvore que brota sob o corte do machado

É a vida mostrando sua força, suas faces e fases

É a natureza vital se impondo…

Se não fomos o “machado” que destruiu a vida

Que derrubou florestas inteiras ou jardins

Ou até mesmo uma flor

Sempre mais fácil seguir

Se fomos, vamos reconstruir…

A vida sempre se impõe!

Alda M S Santos

Hora de partir…

HORA DE PARTIR…

Era chegada a hora de partir

Para onde não sabia

Apenas sentia, ouvia o chamado

Um chamado incessante de um novo lugar

Desconhecia o caminho, o destino

Sabia apenas que precisava ir…

Sequer tinha conhecimento se teria companhia

Mas era chegado o momento

Despiu-se do passado, foi nua

As novas vestes viriam com o tempo

As únicas vestimentas que levaria consigo

Seriam aquelas que acalentaram, aqueceram a alma

Tornando-a sensível e forte

Ou aquelas que iriam clarear e perfumar sua nova trilha

Jogou para trás as velhas sandálias

E seguiu nua, calçada de coragem

Em busca de novo destino…

Alda M S Santos

Defeitos

DEFEITOS

Aqueles dias que só conseguimos enxergar nossos defeitos

Sequer temos vontade de sair do quarto

Cabelos rebeldes, rugas, dores aqui e ali

Olhos úmidos, ausência de brilho no sorriso

O espelho diz verdades desagradáveis…

Uma avaliação mais profunda mostra sensações ruins

Tristeza com ingratidões, ciúmes, mágoas, desesperança

Saudades de tempos idos, de tempos não vindos

Melhor voltar para a cama e cobrir-se toda

Na expectativa de esconder o que dói

Dormir, talvez sonhar com um “amanhecer” melhor

Buscar lá dentro, bem lá no fundo

O equilíbrio da balança entre qualidades e defeitos

Aquela coragem que sempre faz tudo seguir, sempre em frente

A autoestima necessária para nos tornar melhor para os outros

Mas, especialmente, para nos fazer melhor para nós mesmos

Uma atitude de bondade e compaixão deve começar pelo mais próximo:

Nós mesmos!

Alda M S Santos

Trocas imperceptíveis

TROCAS IMPERCEPTÍVEIS

Tantas trocas quase imperceptíveis

Gentilezas por sorrisos, grosserias por afastamento

Doação por gratidão, negligência por saturação

Respeito por admiração, superioridade por antipatia

Sinceridade por empatia, abraços por beijos, doces por queijos

Interesse por aproximação, desrespeito por violência, mentira por desconfiança

Atenção por carinho, ingratidão por inimizades

Descuidos por tanto faz…

A vida nos devolve aquilo que oferecemos

Muitas vezes sequer percebemos

Atraímos o que emitimos

A reciprocidade advém da sintonia de pensamentos e ações

Sintonia é coisa de alma…

Alda M S Santos

Humanos aranhas

HUMANOS ARANHAS

Somos humanos aranhas a tecer

Alguns tecendo teias fortes como o aço

Outros teias frágeis, mas impregnantes

Há os que tecem, sem objetivos de captura, apenas proteção

E ainda aqueles que sequer são capazes de construir teias

Esses, especialistas em se tornar presas de outras aranhas

Grudados em outras teias…

Há também as “aranhas” que buscam presas em outras teias

Já capturados por outras aranhas

Estamos, de todo modo, presos em alguma teia

De seda ou de aço, não importa

Cuidando da que construímos e de quem “capturamos”

Ou nos adaptando à teia em que fomos capturados

A liberdade consiste em escolher a “prisão”

A teia na qual estaremos nos fazendo de livres…

Alda M S Santos

Depois das tempestades

DEPOIS DAS TEMPESTADES…

Todo pássaro canta feliz depois da tempestade

A noite pode ter sido de muita chuva, barulhos e destruições

Mas eles saem felizes a cantar ao amanhecer

Ao surgirem os primeiros raios de sol…

Eles olham para a frente, para a vida que ainda existe

Não olham para trás, agradecem cantando

E seguem…

Talvez por terem ciência da finitude da vida

Que de uma hora para outra tudo pode se acabar

Não perdem tempo a lamentar

Vivem… e cantam…

Celebram como a dizer

Enquanto houver vida, cantarei…

Minúsculas, lindas e sábias criaturas,

Me levem a dar um voo cantante com vocês?

Alda M S Santos

Nos lugares errados

NOS LUGARES ERRADOS

Muitas vezes encontramos entre os loucos mais saúde mental e alegria

Que entre os tidos como normais, sem qualquer anomalia

Muitas vezes notamos mais carinho num abraço entre amigos saudosos

Que entre irmãos de sangue e familiares, tantas vezes maldosos

Muitas vezes há mais amor e cuidado na distância

Que entre aqueles que caminham lado a lado sem se dar importância

Muitas vezes há mais vida num leito hospitalar

Que entre aqueles que a desperdiçam entre brigas e lamúrias no lar

Muitas vezes há mais sinceridade num sorriso doloroso que acolhe

Que numa lágrima que se pretende solidária, mas se recolhe

Muitas vezes nota-se mais a presença de Deus entre pagãos e ateus a trabalhar

Que entre religiosos de joelhos diante de um altar

Muitas vezes há mais paz num grito de liberdade para o mundo

Que num silêncio que fere a alma, corta fundo

As coisas estão mesmo nos lugares errados

Ou somos nós que não sabemos procurar?

Alda M S Santos

O que você é hoje?

O QUE VOCÊ É HOJE?

Quantos anos você tem hoje?

Trinta, quarenta, cinquenta, setenta?

Volte lá atrás, à metade disso…

A sua vida de hoje corresponde àquela que propôs para si?

O que você realizou é o que sonhou décadas atrás?

Vida pessoal, profissional, familiar, social?

Tem a família, os amigos, o trabalho, a saúde, o lar que sonhou?

Colocando na balança as oportunidades que teve

E aquelas que deixou passar, não soube aproveitar

As vezes em que tiraram seu chão

Ou aquelas que não soube flutuar

Qual o saldo? Está inteiro? Faltam partes, mantém a essência?

Qual sua responsabilidade nisso tudo?

Qual sua perspectiva para o futuro?

O que você é hoje pode ser diferente do que imaginou para si

Pode até ser meio frustrante para o jovem sonhador que foi

Mas no equilíbrio entre sonhos e realidade

O saldo certamente é bom

E, se não for, a boa notícia é que a vida continua

Dá para tentar fazer diferente de agora em diante

Boa caminhada para todos nós!

Alda M S Santos

Entre céu e inferno

ENTRE CÉU E INFERNO

O céu e o inferno existem em nós, coexistindo

Transitamos de um para o outro todo o tempo

Daquela parte que nos faz mal, que nos faz sofrer, que machuca

Para aquela que nos faz bem, alegra, anima, vitaliza, acaricia

Algumas coisas ou pessoas do meio nos instigam, nos levam

A sair de um para o outro, do inferno para o céu e vice-versa

E é a isso que devemos estar atentos

Fugir de pessoas “inferno”, que nos dificultam o trânsito para nosso céu

Buscar pessoas “céu”, que nos deixam em nosso paraíso

Bom mesmo é quando nosso céu se conecta ao céu do outro

Aí fica mais difícil, quase impossível, o trânsito para o inferno

Um céu conectado a outro céu é mais forte, mais iluminado

E não deixa a escuridão do inferno prevalecer …

Céu conectado a outro céu é repleto de anjos bons

E que fazem a vida ser mais linda…

Alda M S Santos

Atrás de um sorriso

ATRÁS DE UM SORRISO

Atrás de todo sorriso há uma história

Nem sempre bonita como possa parecer para alguns

Nem sempre iluminada pelo modo que contagia a outros

Nem sempre sedutora como outros pensariam

Nem sempre mal-intencionada como uns maldosos poderiam crer

Nem sempre alegre e encantadora como todo sorriso deveria ser

Mas atrás de todo sorriso que se dispõe a brilhar num rosto

Mesmo que ele não chegue aos olhos

Ainda que não venha de um coração feliz

Existe uma alma corajosa, grata e disposta a lutar

Sabedora de que um sorriso pode não resolver os problemas

Mas também ciente de que sua ausência pode fazer tudo piorar…

Um sorriso sempre faz bem!

A quem dá, a quem recebe…

Se vier com sinceridade atinge a alma…

Alda M S Santos

#carinhologos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: