Busca

Categoria

Autoimagem

Seja ímpar!

SEJA ÍMPAR!

Seja maluco, louco

Mas daqueles que encontram alegria na própria insanidade

Seja saudável, cuide de si

Mas ajude a cuidar dos outros

Seja sincero, seja honesto

Mas nunca use isso como desculpa para grosserias

Seja curioso, interessado, gentil

Mas cuidado ao se intrometer na vida de alguém

Seja infantil, seja criança, volte a ser pequeno

Mas seja grande na pureza e inocência

Seja intenso, alegre ou triste

Mas seja profundo, não aceite superficialidade no que é essencial

Seja contido, introspectivo

Mas não deixe de transmitir o que pensa ou sente

Seja luz, seja brilho, seja cor

Mas respeite quando tudo for sombra

Seja romântico, seja até mesmo piegas

Mas não seja frio ou indiferente

Seja original, seja único, seja ímpar

Mas respeite o modo ímpar de ser dos outros

Seja a esperança de um mundo melhor que começa em você!

Alda M S Santos

Os olhos que me veem

OS OLHOS QUE ME VEEM

Gosto de olhos que falam

As palavras ditas pelos olhos não são falsas

Podem até não agradar

Mas a linguagem do olhar é verdadeira

Alguns olhos são treinados

Aprendem a desviar, pestanejar

Mas não enganam outro olhar também treinado

A ler o que diz o olhar desviado

Gosto de olhos que me veem inteira

Sem aumentar ou diminuir

Sem enaltecer ou depreciar

Gosto de olhos que dizem

“Eu te entendo, estou aqui”!

Gosto de olhos perspicazes a me olhar

Que me olham sem esperar demais de mim

Tampouco sem diminuir-me perante si

Gosto de olhos que acolhem, não julgam

Gosto de olhos que realmente me veem como sou

De dentro para fora…

Alda M S Santos

Florescendo, flores(sendo)…

FLORESCENDO, FLORES(SENDO)…

Sob sol, sob chuva, sob tempestades

Florescendo, flores sendo…

Acolhendo abelhas, borboletas e beija-flores

Ensurdecendo com o canto das cigarras

Florescendo, flores sendo…

Sob o entardecer, sob o luar ou a aurora

Dividindo espaço, multiplicando belezas

Queimando e perdendo pedaços para as formigas

Florescendo, flores sendo…

Alimentando-me de brisa, de doçuras, de toques delicados

Fazendo minha fotossíntese

Purificando o ar, espetando os dedos com espinhos

Molhando a raiz de lágrimas salgadas

Florescendo, flores sendo…

Nascendo, crescendo, perfumando a vida, encantando, morrendo…

Florescendo, flores sendo…

Alda M S Santos

Nunca desistir de mim

NUNCA DESISTIR DE MIM

Seguir em frente, lutar sempre

Essa é minha promessa

Nem sempre fácil de manter

Curtir um dia de raios de sol que me aquecem

Mas também aceitar quando meu sol se esconder

Amar sob um céu estrelado e inspirador ou sobre nuvens de algodão

Mas aproveitar quando a Lua não aparecer e tudo for escuridão

Dançar na chuva entre abraços apertados e beijos molhados, aquecida

Mas saber suportar as fagulhas ameaçadoras das tempestades de gelo, sofrida

Enquanto nova alvorada não surge em mim, renascida

Retribuir o amor e carinho daqueles que me cercam e apoiam

Mas aceitar e respeitar o direito daqueles que não me querem por perto, não me amam

Sobretudo, amar a mim mesma, sempre

Ainda ou principalmente quando outros me abandonarem

Mesmo em minhas fragilidades, medos e carências

Ainda que erre, caia e não consiga levantar tão facilmente

Ou que nem sempre seja minha maior fã

E queira ficar escondida debaixo das cobertas…

Pois a promessa fundamental é, independente do que acontecer,

Cuidar do meu coração

E nunca desistir de mim mesma!

Alda M S Santos

Universo inexplorado

UNIVERSO INEXPLORADO

O universo que carregamos em nós

Por mais desbravado e explorado que tenha sido

Por mais terras, luas e planetas descobertos em nós

Sempre haverá aquela estrela escondida

Aquele meteoro veloz não acompanhado

Aquele cometa tão aguardado

Aqueles asteroides desconhecidos e esquecidos…

Somos um universo ainda muito inexplorado

Inclusive por nós mesmos

Cada um de nós carrega em sua galáxia interior

Regiões obscuras e carentes de luz e vida

Necessitando de uma remexida intergaláctica para ser ativada

E mostrar todo seu potencial…

Alda M S Santos

Mergulhos

MERGULHOS

Água: um delicioso e assustador mistério

Oceanos, mares, lagos, lagoas, rios, cachoeiras, poços

Caindo do céu, escorrendo nas pedras, formando lençóis freáticos

Minando da terra, evaporando no ar

Abastecendo a terra de vida nesse ciclo sem fim…

Leves, pesadas, fortes ou tempestuosas

Convidativas ao mergulho, a nelas se aventurar

E ali, deslizando suavemente, cada vez mais longe

Se perder…ou se encontrar…

Alda M S Santos

O melhor amigo

O MELHOR AMIGO

O melhor amigo te olha nos olhos

Encara, enfrenta, diz a verdade

Diz que tem saudade do que você era

Daquilo que você tem deixado de ser

O melhor amigo não desvia os olhos

Fala onde você errou, te ampara nos seus medos

Ralha com você, mas te dá carinho e atenção

O melhor amigo não te deixa desviar o olhar

Está presente, não foge, te cobra presença

Diz que se orgulha de você, não te deixa esmorecer

O melhor amigo sabe tudo de você

Não te deixa se tornar seu pior inimigo

Tampouco permite que você faça gol contra

Ou que seja atingido por fogo amigo

O melhor amigo te alertará se fizer mal aos outros

Mas, sobretudo, se fizer mal a si mesmo

O melhor amigo, se você permiti-lo agir, nunca deixará você cair

E, se isso acontecer, não te deixará lá por muito tempo

Ele te ajudará a se reerguer e seguir

Olhe para ele, não se esconda!

Seu melhor amigo está diante de você

Naquele espelho que você se olha todos os dias

E nem sempre se vê…

Dê um abraço apertado nele

E aquele sorriso que faz tudo se renovar…

Diga com convicção e sinceridade:

Eu te amo para sempre e nunca te abandonarei…

Alda M S Santos

Fases e faces

FASES E FACES
Fases, faces, brilho e sombra
Prerrogativas da Lua, das pessoas
Minguante, minguando, definhando em C invertido
Um ser recolhido perdendo luz, abraçando sombras, até ser Nova
Sombra total, escuridão, brilho oculto na outra face
Aquela escondida de todos, preservada, um ser em tempo de esperas
Sol, Lua, céu, pessoas…
Fases: construção do novo, maré, podas, plantação
Crescente, crescendo expectativas, alimentando esperancas, recebendo luz até ser Cheia, redondamente linda
Cheia de si, de brilho e orgulho, transparência
Sol, Lua, céu, pessoas…
Fases… dos seres vivos, dos amantes
Toda sombra esconde um brilho
Todo brilho esconde uma sombra
Fases, faces, brilho e sombra
Prerrogativa da Lua, das pessoas
Minguando, se escondendo, crescendo, aparecendo
Enquanto houver céu e sol
Dentro e fora de nós…

Alda M S Santos

Inteiros

INTEIROS

Numa mansão numa ilha paradisíaca,

Numa casinha branca à beira do rio

Numa gangorra na roça, descalça

Num barracão no morro do cafezal

Pilotando uma lancha veloz,

Um barquinho de pescador

Ou na suíte de um transatlântico

Não importa… o local é secundário

Prioritário é estarmos em nós mesmos

Estarmos bem encaixados em nossos direitos e avessos

Lidando bem com feridas e cicatrizes

Aceitando nossas imperfeições e inadequações

Nos perdoando de confiança excessiva, exposição exagerada de sentimentos

Ou de medos e traumas que nos travam

Sabendo que, independente dos outros,

Nós precisamos nos entender e aceitar

Destrinchar alegrias e dores, mágoas e regozijos

Onde estivermos por completo, inteiros

Onde nos sentirmos em total sintonia conosco

Sem máscaras, sem falsas alegrias ou autopiedade

Onde pudermos ser verdadeiramente

Corpo, mente, alma, coração

É que estaremos bem de verdade…

Alda M S Santos

Camuflagens

CAMUFLAGENS

Habilidade de passar despercebido onde quer que esteja

Meio de se proteger, assemelhando-se ao ambiente para não chamar a atenção

Tornar-se um igual a tantos outros iguais

Apagar algum brilho ou cor, acender outras

Gritar onde se grita, silenciar onde tudo é silêncio,

Ser cinza onde tudo é cinzento, desligar-se onde tudo está em off

Mexe daqui, mexe dali, e…pronto!

Tudo homogêneo, nada se destaca, todos uniformizados

Um bloco de iguais!

O risco é acabar esquecendo o que se é

E, na tentativa de se autoproteger ou agradar aos outros,

Acabar por não ser mais nem um e nem outro…

Pior, perder até o prazer de ser o que se é!

Alda M S Santos

Mata adentro

MATA ADENTRO

Quanto mais para dentro da mata, mais queremos entrar

Mata adentro as trilhas diminuem

O caminho torna-se mais difícil

É preciso abrir espaços à foice

Mas o desejo de mergulhar no silêncio é grande

A pureza do ar quase sufoca, as árvores tornam-se mais grossas

A impressão de estar sendo vigiado aumenta

A sensação de invadir o desconhecido é animadora e aterradora

Nesgas de luz passam por entre os galhos e copa das árvores

Anjos e fantasmas se apresentam, a gente escolhe

A gente se abraça ou se enfrenta

O céu azul e branco continua lá em cima a insistir: prossiga!

Não se sabe o que buscar, apenas que é preciso seguir

Quando for chegado o que procura, saberá

E poderá descansar em paz!

Alda M S Santos

Quem está aqui dentro da caixa?

QUEM ESTÁ AQUI DENTRO DA CAIXA?

Aqui dentro está uma pessoa muito importante e especial

É uma pessoa muito linda!

Ela é muito importante para todos nós!

Sem ela esse mundo não seria digno de ser vivido.

É uma pessoa forte, guerreira e muito lutadora.

Já passou por muita coisa nessa vida e nunca desistiu.

Já ganhou, já perdeu, e ainda está aqui com muita fé.

Eu amo conviver com essa pessoa maravilhosa e tê-la em minha vida.

Para o mundo ser melhor essa pessoa nunca poderia ser deixada de lado.

Ela é a pessoa mais importante da sua vida.

Adivinha quem é?

 (A reação de cada um ao se ver no espelho)

Alda M S Santos

#carinhologos

Enigmas

ENIGMAS

Sou feita de barulhos e de silêncios

Ora sou um, ora sou outro

Ambos necessários em mim…

Há quem goste dos barulhos

Há quem prefira os silêncios

Há quem não compreenda nem um, nem outro

Há quem desperte barulhos intensos

Há quem provoque silêncios profundos, tranquilos ou dolorosos

Há quem não saiba lidar com nenhum dos dois

Há quem consiga fazer a travessia de um para o outro

Sou feita de contrários, de antagonismos

E nessa luta frenética em mim

Vou desvendando meus enigmas

Tornando-me mais eu…

Alda M S Santos

Acendendo nossa luz

ACENDENDO NOSSA LUZ

Dons que todos temos, mas que pouco desenvolvemos

Acender ou apagar, ligar ou desligar

A energia necessária para viver e fazer nossa luz propagar

Uns encontram uma faísca de luz num completo breu

Outros apagam até um holofote

Uns transformam nossos cacos de vidro em diamante

Nossas pedras em ouro, nossas dores em esperança

Outros, apagam nosso sorriso com críticas, veem nossa alegria como algo irritante

Uns buscam o que há de bom até nos defeitos

Outros, ao contrário, querem, a todo custo, encontrar o que há de ruim nas qualidades

Na triste incapacidade patológica de verem qualidades em si mesmos

Tentam também não enxergá-las nos outros

Pior, enaltecem apenas o ruim dos demais e até de si mesmos

Visam apagar tudo que o outro tem e o faz um ser único, especial

Inconscientemente, acabam apagando a própria luz

E, talvez, um possível gerador de luz e brilho que o outro poderia vir a lhe ceder…

Alda M S Santos

O máximo

O MÁXIMO

Ser “o máximo”, ou identificar o máximo em alguém,

É uma questão de perspectiva, de percepção

De referencial, de pontos de vista, de preferências

Ou de amor…

Podemos ser o máximo para uns, o mínimo para outros

Podemos ser o máximo ou o mínimo até para nós mesmos

Dependendo do momento ou da situação

E, por mais que dermos de nós mesmos,

Sempre será pouco para alguém, para algumas pessoas

Sempre haverá quem não saiba valorizar, identificar o que de bom recebeu:

O máximo de alguém…e deixou ir embora

Em contrapartida, para outras, um mínimo de nós ou delas é o bastante

Para fazê-las felizes, para nos fazer felizes

Isso não é se contentar com pouco

É saber identificar o que é precioso, gratuito

Verdadeiro, imprescindível, único

Para poder corresponder com o nosso máximo, e conservar…

Alda M S Santos

Em casa

EM CASA

Sinto-me em casa quando posso ser quem sou

Sem constrangimentos, andar descalça, descabelada, ou não

Nua em pelo, de corpo e alma

Ou num moletom desbotado e nada sexy

Sem temer julgamentos ou represálias, sem falsos pudores

Com a certeza de ser aceita como sou

Dizer tudo que aprouver, ouvir sem resistência, com prazer

Ou silenciar, sem causar lacunas desagradáveis

Usar aquele baby-doll confortável que mais parece um abraço

Aqueles chinelos gastos como as memórias

Ouvir e cantar a música preferida bem desafinada, não importa

Esparramar na rede, ler um bom livro,

Entregar-me às boas memórias, às saudades, aos sonhos

Assistir um filme no sofá com um pote grande de pipoca

Ouvindo a chuva cantarolar feliz no telhado

Numa sintonia perfeita com minha alma

Aceitação total de quem sou, sem amargar culpas

Aceitando as pedras que aparecerem como oportunidade de superação

Sem ferir ou machucar ninguém, ajudando, se possível

Sabendo que Alguém lá em cima me ama e olha por mim

Isso é estar em casa!

Qualquer lugar ou pessoa que nos faça ser ou sentir diferente disso

São, no máximo, tolerados…

Estar em casa é um estado de espírito de graça

De simplicidade, harmonia e paz…

Alda M S Santos

Flertando

FLERTANDO

Viver na superfície, sentado num banco, confortavelmente

Observando as belezas à nossa volta, nada a nos surpreender

É uma opção suave e tranquila de vida…

Viver no entorno, entrar na mata, nadar nas lagoas, enfrentar espinhos

Pescar, refrescar a si e aos outros

É uma opção mais ativa, porém, mais riscos…

Viver de mergulhos profundos, buscando sempre o novo

Esbarrando nas paredes mais escuras do lago

É uma opção mais complicada!

Nós somos esse lago atraente, convidativo

Só nos conheceremos a fundo se mergulharmos

Nas profundezas obscuras de nós mesmos

Se flertarmos conosco, desvendarmos nossos mistérios sem medos

Em busca do melhor que pudermos ser,

Para nós, para os outros,

E sermos mais felizes…

Alda M S Santos

Aquela que passa

AQUELA QUE PASSA
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Ora alegre, apressada, andar sensual
Ora compenetrada, sorridente, simpática, atenciosa,
Outra vez desligada, distraída, alheia a tudo, noutra dimensão
Pode ainda ser leve, em paz com a vida, consigo mesma,
Ou triste, cabisbaixa, solitária, perdida, querendo sumir
Ela pode não ser o que você vê
Mas o que prefere que você veja naquele momento
Ou talvez seja aquilo que não conseguiu esconder…
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Ou talvez até seja, mas você nunca irá saber
Pois até mesmo ela ainda se perde nas muitas de si mesma
Provável que todas lá dentro sejam verdadeiras, buscando equilíbrio
E, no meio de tantas, almeja se encontrar
Aquela que passa pode não ser o que você vê
O que se passa dentro daquela que passa, só ela sabe
Aquela que passa pode não ser o que você vê
Mas é o que ela, autêntica, consegue ser…
Alda M S Santos

O que que a mineira tem?

O QUE QUE A MINEIRA TEM?

Um dia Caymmi perguntou:

O que que a baiana tem?

Tem acarajé, vatapá, tapioca e caruru…

Será que sabe responder:

O que que a mineira tem?

Tem pão-de-queijo, frango com quiabo, canjiquinha, queijo com goiabada…

O que que a baiana tem?

Tem gingado, tem pimenta e tem sabor…

O que que a mineira tem?

Tem carinho, tem jeitinho acanhado e tem calor…

O que que a baiana tem?

Tem mar que vem do horizonte,

Tem orixás e Senhor do Bonfim…

O que que a mineira tem?

Tem cachoeira que nasce na serra, escorre nas pedras

Tem uma fé em “Nossinhora”…

Mas o que que a baiana tem?

O que que a mineira tem?

Ânsia de viver, muito a oferecer à vida, ambas têm!

Oxente! Melhor deixar escondidinho…

Porque nem tudo é pra todos saberem, uai!

Mas, misturando as duas é um trem doido, “bichin”…

Alda M S Santos

Em casa

EM CASA

Verdadeiro fascínio, admiração, encanto pelas árvores

Preciso delas para viver

E não me refiro a oxigênio ou alimentação

Tenho necessidade emocional

Posso ficar horas sob algumas

Apenas a observar os detalhes, o movimento

E não há nenhuma que não me desperte o desejo

De subir, escalar seus galhos e troncos

Se um dia eu me perder,

Física ou emocionalmente de mim mesma,

Que seja entre árvores frondosas,

De alguma forma estarei em casa…

Alda M S Santos

Apelidos

APELIDOS
Apelidos podem ser marcantes
Quase sempre o são, sejam os carinhosos, pela delicadeza
Sejam os depreciativos, pela crueldade
Tanto faz se colocados pelos pais, amigos ou amores
Inimigos ou desafetos quaisquer
Doçura, princesa, gata, sapeca, anjinha, fadinha
Expedita, encrenca, pequena, “aldaciosa”
Baixinha, pretinha, branca, vida…
Príncipe, gato, amor, rei, anjo, tesouro, preto…
Sempre nos remeterão a alguém ou alguma situação
E nos levarão para lugares revisitados dentro de nós…
Alda M S Santos

Bagunça em mim

BAGUNÇA EM MIM

Há dias que estou tão bagunçada

Como aqueles jardins em que todas as flores disputam espaço

Perfumes, cores e formas se misturam…

Como um quarto de adolescente com livros, eletrônicos, roupas, calçados e pratos e talheres para todo lado

Nada se encontra ali…

Como uma criança numa loja de brinquedos deslumbrada com tudo, quer tudo

Não consegue se decidir…

Quando a bagunça é muita, não basta uma faxina

Precisa reorganização total e alguns descartes

Minha casa anda tão bagunçada,

Que tropeço em mim mesma, caio, machuco, choro,

Quase desisto! Quase!

Alda M S Santos

Devolve meu interruptor

DEVOLVE MEU INTERRUPTOR

Há caminhos que trilhamos sozinhos

Entre luzes e sombras

Precisa ser assim!

Apenas nossa luz interior o ilumina

Mas é necessário ficarmos atentos.

Para não caminharmos na escuridão,

Precisamos tirar o interruptor das mãos dos outros.

Nossa luz precisa depender mais de nós mesmos!

Alda M S Santos

Retirando camadas

RETIRANDO CAMADAS

Muitas vezes precisamos retirar todas as camadas

Que recobrem nossa mente, nossa alma

Como alguém que retira peça por peça de roupa

Inclusive as íntimas, totalmente despidos

Para ficar mais leve na balança

Com menos pesos adicionais.

São muitas as coisas que podem pesar:

Culpas, fracassos, sonhos perdidos, desejos impossíveis.

Ainda que seja apenas na frente do próprio espelho

É preciso começarmos a nos despir

Retirar tudo, jogar no chão, deixar lágrimas rolarem

Mostrar nossa verdadeira face para nós mesmos,

Antes da coragem de mostrá-la ao mundo

Ou não!

E nos sentirmos verdadeiramente leves…

Alda M S Santos

Irrigando com lágrimas

IRRIGANDO COM LÁGRIMAS 

Todo jardim precisa de água, sol e cuidados 

Como levamos tudo isso para nossos jardins internos?

Sol, levamos com sorrisos e carinhos

Cuidados, levamos com amor e amigos

Uma dúvida surge: como irrigar? 

Água das lágrimas servem para irrigá-los? 

Ou acabarão por matá-los?

Alda M S Santos

Autoproteção

AUTOPROTEÇÃO

Somos uma “máquina” inteligente

Cuja essência é a autoproteção

A preservação da vida

A saúde física e mental

À nossa revelia ela age, reage

Luta ou se recolhe 

Quando entendemos isso,

Paramos de lutar conosco mesmos,

E deixamos nossa inteligência

Emocional, racional ou “irracional” agir,

Lavar corpo, mente e alma.

Há tempo para tudo no nosso interior…

Observar isso leva-nos ao autoconhecimento,

Leva-nos à vida plena!

Alda M S Santos

Ultrassensível

ULTRASSENSÍVEL 

Aqueles dias que você sente que bastariam

A última gota d’água

Uma única faísca

Uma simples palavra 

Um breve olhar

Um suave toque, 

Um abraço singelo,

Para você: 

Cair no choro, na gargalhada

Querer sumir no mundo, desaparecer,

Explodir de raiva 

Alegria ou prazer…

Alda M S Santos

Melhor companhia do mundo

MELHOR COMPANHIA DO MUNDO
Viver é a habilidade de nos refazer sempre
Curtir cada momento, eternizando-os
Ou transformando-os em algo tolerável,
Que não nos machuque, não nos domine.
Viver é a capacidade de mergulhar em todos os sentimentos,
De neutralizar alguns, refazer outros, transformar outros tantos.
É manter-nos de pé, enquanto a roda da vida gira forte
Ou levantar, quando cair, mesmo que ainda tonto.
Viver é, principalmente, quando se está no chão, sofrido,
Ainda ser capaz de estender a mão e ajudar.
Viver é saber valorizar as companhias que se tem, todas elas,
Mas, essencialmente, estar acompanhado, ainda que só,
É encontrar em si mesmo a melhor companhia do mundo.
Alda M S Santos

Original

ORIGINAL

O que é ser diferente, ser original?

É se destacar entre iguais?

Quem determina o que é igual ou diferente?

Quem estabelece o que é original e o que é comum? 

Depende sempre do referencial de cada um.

Pode-se ser muito original para alguém,

Muito comum para a grande maioria. 

O temível e terrível é estabelecer valores, 

Melhores ou piores, pelas diferenças que se percebe.

Todos podemos ser diferentes ou iguais, depende sempre do olhar que nos observa! 

Vale mesmo é ser autêntico, respeitar a si mesmo, sem desrespeitar os demais.

E sempre consideraremos especiais quem nos admirar da forma que somos. 

Alda M S Santos

Espelhos

ESPELHOS
Nossa vida parece aqueles espelhos de parque de diversões.
Aquele que chamam Palácio do Riso.
Onde aparecemos distorcidos: muito gordos, muito magros, deformados, superestimados…
Sorrimos, nos divertimos.
A diferença é que aqui fora não tem graça.
Esses espelhos que tanto nos distorcem são os olhares que recebemos.
Olhares que nos enaltecem, que nos depreciam,
Que nos fazem melhores, esperando muito de nós.
Ou que nos fazem piores, nos desencorajando.
Quando encontramos um olhar real, verdadeiro, até estranhamos.
Queremos guardar esse espelho só pra nós.
Espelho, espelho meu, existe alguém mais tola do que eu?
O segredo é fazer da vida nosso palácio do riso
E sorrir, sempre…
Até encontrar um espelho fiel!
Alda M S Santos

Nossa luz

NOSSA LUZ

A luz que brilha em nós

Ou as sombras que a interceptam

Só nós permitimos que se apaguem

Só nós podemos fazê-las voltar a brilhar. 

Alguns podem até tentar,

Mas só conseguirão se autorizarmos

Ou dermos licença para tal.

A força que brilha em nós 

É forte e soberana, 

Sempre terá supremacia!

Alda M S Santos

Nude

NUDE
Em tempos de nudes, quase tudo se vê, nada se imagina.
Corpos nus, bronzeados, “bombados” e “preenchidos”.
À mostra, na vitrine, expostos para deleite, quase uniformes.
Competição acirrada, muitas ofertas, grandes negócios.
E se a nudez solicitada fosse a da alma?
Haveria tanta oferta, tanta competição?
Almas escondidas, vazias, murchas, quase inexistentes.
Onde poderiam ser bronzeadas, bombadas, preenchidas?
Lugar algum!
Alma não aceita acessórios ou aditivos.
Alma simplesmente é! Como a natureza!
E há muitas almas lindas escondidas em corpos nada uniformes por aí.
Procurando é que se acha!
Alda M S Santos

Coragem

CORAGEM
É preciso coragem para ser autêntico
Para se assumir como é, para se amar.
É preciso coragem para dizer, mesmo sem palavras,
A alguém que se ama: “eu sou assim”!
“Será que tem coragem para me amar assim?
Ou se acovarda e se esconde em medos,
Em padrões pré-estabelecidos
Que já provaram nada valer”?
É preciso coragem para crer, aceitar
Que não existe um único e correto modo de ser,
Que existem infinitas maneiras de ser gente,
De ser e fazer feliz!
A vida exige coragem!
Alda M S Santos

O prazer de aprender

O PRAZER DE APRENDER
Em casa, na escola, na igreja
No trabalho, num lar de idosos
Não importa onde ou quando
Com 8, 18 ou 80 anos,
Descobrir as letras, alfabetizar-se,
Aprender sempre será uma descoberta prazerosa
Presenciar esse prazer é extasiante.
Alda M S Santos
#carinhólogos

Amar é…

Amar é…
Desafiar a lei da gravidade
É viver em constante suspensão
É tornar o sonho, realidade
Ignorando a força que vem do chão.
Alda M S Santos

Soltemos as amarras

SOLTEMOS AS AMARRAS

Quando me sinto frágil e incapaz, pra baixo, sempre me lembro daquela história de um elefante preso pelo pé por uma corda a um tronco fraco. 

Todos se admiravam dele não se libertar dali. 

Desde pequenino foi colocado lá, preso.

Tentou sair inúmeras vezes e não conseguiu. 

Forças esgotadas, resignou-se.

Perdeu a crença em si mesmo. 

Cresceu, mas a corda e o tronco permaneciam os mesmos. 

Poderia arrancá-los num único movimento, mas perdeu a fé em sua capacidade. 

Sequer tentava mais. Acreditava que a corda e o tronco eram invencíveis.

Precisamos analisar se o que nos limita é real ou forte o bastante.

Se o inimigo é mesmo tão poderoso e assustador.

Há pessoas e situações que nos colocam uma corda, um tronco. Minam nossa fé em nós mesmos.

Fazem com que desacreditemos na maior mola propulsora que existe: a autoconfiança. 

Alguém pode nos alertar, mas só nós mesmos podemos fazer o movimento para arrancá-las! 

Soltemos as amarras! 

Que o voo seja livre e leve! 

Alda M S Santos

Sentinelas

SENTINELAS

Reclamamos muito dos juízes e carrascos da vida, que não são poucos!

Porém, muitas vezes, somos nós mesmos que nos julgamos, condenamos e executamos a pena: juízes, jurados e carrascos.

Por medo, preconceitos, desconhecimentos, falta de habilidade ou tato, por preguiça ou covardia, nos excluímos da vida.

Aquele curso, trabalho, empreendimento, ou proposta interessante que recusamos.

Uma atividade física que melhoraria nossa saúde e humor e não fazemos.

Uma viagem, um passeio, um convívio familiar dos quais não tomamos parte.

Novas amizades ou amores que abrimos mão, que fugimos, julgamos não merecer.

Nós mesmos abrimos mão, desistimos de algo que nos faria apenas o bem.

Somos nós mesmos, com nossa mente conturbada e volúvel, ora leão feroz e corajoso, ora ratinho amedrontado e covarde, que fazemos os caminhos de nossa vida.

Muitas vezes nós, como carrascos, não matamos de imediato, apenas somos sentinelas da cela nas quais nos colocamos.

Alda M S Santos

Diante do espelho

DIANTE DO ESPELHO

Diante do espelho eis a questão:

Quem é essa que me retribui o olhar?

Que olha além do brilho úmido, do tom castanho?

Dos cílios negros, do piscar intermitente?

Que tenta atravessar, ver em 3D, do outro lado?

O que vê? O que quer? Do que precisa?

Corajosa, mantém o olhar fixo em mim.

Mergulho profundamente, navego ali, temo me perder.

Vasculho recantos escondidos, cutuco pontos doloridos

Áreas obscuras, fechadas, há muito trancadas.

Retiro descartes jogados num canto, recupero itens da lixeira,

Troco “objetos” de lugar, demoro-me junto a alguns sentimentos

Sento, converso com eles, negocio, tento compreendê-los,

Aceitá-los, aproveitá-los, reativá-los ou descartá-los.

Tanta gente que já se foi e está ali. Reencontros, sorrisos. Para sempre serão amadas.

Vejo muito, vejo tudo, entendo tanto!

Hora de voltar!

Ela continua a me olhar. Lágrimas escorrem ali…

Lubrificaram o caminho difícil.

 Encaram-se. Sorriem.

Não foi difícil encontrar o caminho de volta.

Bastou seguir o amor, como migalhas de pão, deixado nas trilhas.

Apesar de tudo, são vitoriosas.

Lembram de um verso que leram:

  “Perdoa o que tiver que perdoar, abrace o que tiver que amar e o resto deixa, que a vida se encarrega de afastar”- (Tati Zanella)

Ou trazer de volta. 

Alda M S Santos

Ventos

VENTOS

Uma brisa, um ventinho leve, uma ventania

Aprecio seus efeitos estimulantes ou calmantes.

Se felizes, senti-lo na pele é extremamente prazeroso.

Causa euforia, animação, energia.

Se tristes, tem o poder de relaxar, de acalmar.

Um desânimo, uma alma angustiada, um coração apertado

Uma saudade, uma mente inquieta, um corpo cansado…

Na sacada, no alto de um prédio,

No alto de uma montanha, sentados na relva.

Na rede, na varanda, de madrugada, olhando a lua

Pedalando furiosamente numa estrada qualquer

Numa motocicleta, sem capacete, com cuidado.

No lombo de um cavalo trotando em trilhas na mata.

Num carro, vidros abertos, música alta, velocidade máxima…

Apertando o pé e seguindo em frente.

Sentindo o vento secar as lágrimas insistentes

Desarrumando os cabelos já rebeldes.

Levando embora o que é ruim, trazendo o que é bom!

Arrumando as gavetas da alma e do coração…

Alda M S Santos

Nem tudo que reluz é ouro

NEM TUDO QUE RELUZ É OURO

Quando queremos valorizar algo falamos que reluz

Que brilha, que tem o tom certo, que ofusca os demais

Gostamos de brilho!

Porém, nem tudo que reluz é ouro. 

Há muito caco de vidro por aí se fazendo passar por diamante.

Devemos tomar cuidado, não nos entusiasmar demais. 

Muito entusiasmo pode botar tudo a perder

Cegar nossa percepção visual, emocional

Impedir de ver o brilho e valor interno

Há pedras preciosas foscas aos montes

E, quase sempre, são mais valiosas

Que os cacos de vidro por aí.

Estejamos atentos!

Alda M S Santos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Quando não conseguirmos ver as cores da vida

Apreciemos o preto e o branco

São únicos, extremos

Têm suas belezas, seus tons, suas escalas…

Nosso olhar pode ver o encanto, o brilho

Em preto e branco, em sua mesclagem

Em todas as suas matizes

Porque somos nós que damos o tom que queremos

 Ao que nos é apresentado…

E os tornamos belos! 

Alda M S Santos

Aceita uma máscara?

ACEITA UMA MÁSCARA?

Nós, humanos, temos o dom do aprendizado constante

Nascemos aprendendo e vamos fazê-lo até a derradeira hora

Mesmo os mais turrões.

Eu mesma tenho aprendido muito nos últimos tempos

Nos últimos meses bati meu recorde

Após esse carnaval, então, aprendi a última

Vendo tanta gente retirar as máscaras de foliões

E recolocar as máscaras do dia-a-dia

Esconder-se atrás de máscaras gélidas, sorrisos botox

Percebi o quanto elas são úteis em várias ocasiões

Podem evitar certos desgastes e estresses.

A máscara do sorriso, da satisfação, do “dane-se”

A máscara da simpatia, a máscara da aprovação…

Nunca fui dessas! Só de olhar para mim percebem o que vai lá dentro.

Mas isso traz sofrimento, angústias, tristezas.

Nem sempre estar abertos e de cara lavada nos livra do mal.

É a munição que o inimigo usa contra nós.

Para os jogadores, mostrar todas as cartas não é muito inteligente.

Ao verem meu rosto e minhas palavras viam o baralho inteiro.

Viam!… A partir de hoje usarei algumas máscaras e maquiagens.

Disfarçar alguns sentimentos, bons ou ruins, é autopreservação.

Não se assustem! Provavelmente demorarei a me adaptar a elas.

Só sairei às ruas quando estiver bem “trajada”.

Quem precisa que eu use não notará diferença.

Quem realmente me conhece não será “enganado”.

Estarei “escondida” em meus olhos, em meu sorriso.

Neles não cabe máscara alguma.

Quem se ocupar de olhá-los merecerá a verdade.

Alda M S Santos

Ponto de Equilíbrio

PONTO DE EQUILÍBRIO 

Quando tudo parecer desabar, pode procurar!

Um, ou vários, dos pontos de equilíbrio, nosso centro de apoio 

Estará empenado, ruindo ou já despencou.

É preciso observar e nos perguntar:

Em quais pontos se apoiam nossa segurança?

Nossa alegria, nosso sorriso, confiança, fé, prazer de viver?

O que ou quem perdemos?

Em quem ou em que não podemos mais confiar?

Precisamos identificar e reconstruir as bases desse tripé:

Amigos? Amores? Família?

Trabalho, saúde, fé?

Cada qual tem o seu. 

Ainda que precisemos nos apoiar em dois pés desse tripé por um tempo.

Sobrecarregá-los temporariamente nos ajudará a reconstruir o outro.

É preciso recuperar a alegria de viver, a autenticidade, a autoestima,

Sem elas, o restante corre sério risco de desabar tudo de uma só vez! 

Alda M S Santos

Culpas e responsabilidades

CULPAS E RESPONSABILIDADES

Todos nós somos acometidos por elas em algum momento da vida.

Quanto mais regras e normas de conduta carregamos, 

Quanto mais corretos e precavidos tentamos ser, mais o risco de as carregarmos em nossas bagagens.

Ninguém está livre ou isento, posto que somos humanos!

Errar, machucar, machucar-se, consertar, tentar de novo, errar outra vez, sempre fará parte de todo aprendizado. 

Análises, julgamentos, veredictos: culpados!

Nós mesmos prevemos grandes punições e sanções.

Acreditamos que os outros merecem,

Acreditamos merecê-las! 

Temos em mente a lei do retorno, da colheita, do “aqui se faz, aqui se paga.”

Vale lembrar que o grande Mestre do amor apregoa o perdão.

Se Ele é capaz de nos perdoar, após arrependimentos e mudança de atitudes,

Deveríamos ao menos ser mais complacentes com os erros dos outros, 

E, particularmente, com os nossos, e tentar de novo, sempre.

O tempo vai nos ensinando de quais perigos nos manter afastados ou vigilantes: animais, situações, pessoas…

Por mais bonitos ou convidativos que possam parecer.

Bagagens carregadas de culpas atrasam nossa caminhada,

Não são bons materiais de construção,

Impedem vivências ricas e maravilhosas. 

Peso inútil, descartável!

Alda M S Santos 

Apenas uma gotinha

APENAS UMA GOTINHA

Somos apenas uma gotinha infinitesimal 

Em meio aos mais de sete bilhões de habitantes desse planeta.

Somos apenas mais um em meio a povos famintos de alimentos, de água, de saberes, de saúde.

Somos apenas mais um em meio a povos “evoluídos” intelectualmente, financeiramente, culturalmente…

Somos apenas mais um em meio a povos “religiosos” que se matam em nome de um Deus que acreditam obedecer.

De uma ponta a outra dessa Terra, podemos ser tão diferentes que nem pareceremos humanos uns perante os outros.

Mas uma coisa nos iguala: a necessidade de ser importante na vida de alguém.

Todos, todos nós buscamos isso, queremos isso, fazemos qualquer coisa por isso.

Passar por aqui e não ficar impresso na alma de alguém é ser finito.

Essa característica básica deveria ser capaz de nos aproximar mais uns dos outros, ao invés de nos afastar.

Selecionamos tanto, escolhemos tanto, afastamos muitos! 

Uma coisa é certa: não somos melhores que ninguém!

Apenas uma gotinha num vasto oceano.

Mas ser importante para alguém nos torna o próprio oceano.

Alda M S Santos

Simplesmente, pessoas

SIMPLESMENTE, PESSOAS

Algumas pessoas são tranquilas, absortas em si mesmas, mundo particular, aparentemente desligadas do cosmo ao redor delas.

Quase nada as atinge.

Outras, sérias, demonstram aparente repugnância por tudo à sua volta. São nobres, “superiores”.

Não se misturam aos mortais.

Há aquelas que, alegres, se envolvem com todos. Empáticas, simpáticas, sorridentes, extrovertidas. Exalam amor.

Querem abraçar o mundo. Atraem a todos.

Também existem aquelas que são “astros”, possuem brilho próprio, encantam, encantam-se.

Muitos se sentem como satélites orbitando em volta delas.

Causam atração em muitos, inveja à maioria. 

Todos querem, de algum modo, como todo satélite, refletir parte de seu brilho.

Finalmente há aquelas de fases, como a lua. 

São todas pessoas, afinal! 

Nessa imensa galáxia, há lugar para todos. 

Todos têm importância e valor para a beleza e amplitude cósmica.

Interação aumenta a beleza. 

Perceber o lugar dos outros nos faz encontrar o nosso próprio espaço mais facilmente.

Alda M S Santos

Loucuras?

LOUCURAS? 

Quero ser um caracol, fechar-me dentro de mim mesma

Sair apenas quando a luz de fora entrar

Ou a de dentro conseguir iluminar tudo lá fora

Quero brincar de esconde-esconde

Encontrar um esconderijo bem original

E lá ficar até ser encontrada por alguém com a mesma ideia.

Quero inspirar fundo, bem fundo, sufocar-me em coisas boas

E expirar, jogando fora tudo que faz mal 

Quero correr, correr muito, sem direção, até esgotar todas as forças e não sentir mais nada.

Quero ser uma bolha de sabão, subir, subir nas árvores, nas nuvens, encantar e desaparecer. 

Quero mergulhar, sem máscaras ou snookers, sentir tudo, descobrir tudo

Afogar-me, se preciso for, e renascer.

Loucuras? 

Às vezes são necessárias para se manter a sanidade.

Alda M S Santos

Contradições

CONTRADIÇÕES
Frágil em sua força, forte em sua fragilidade
Sorriso que ilumina ou que se apaga,
Lágrimas de alegria ou profunda tristeza
Palavras que nem sempre conseguem expressar o que quer, gritando ou sussurrando
Silêncio que grita o que vai no fundo, mas não é compreendido
Ora sozinha entre tantos,
Tantas vezes acompanhada de si mesma.
Um baú de possibilidades, de emoções,
Cheia de “vazios”, vazia de espaços.
Amor sem medidas, amor em excesso
Mas que tantas vezes não é o bastante.
Um poço de contradições, como todo ser humano.
Só quer viver e amar!
Alda M S Santos

Os outros e nós

OS OUTROS E NÓS

Quando quero saber de um amigo o que ele gosta de ler

Se gosta de esporte, de poesia, de filme, de jogos

Quais passeios aprecia, como lida com a introspecção,

Que tipo de música curte, como reage às frustrações

Como aceita as perdas, com quais sentimentos interage melhor

Porque eles são tão rígidos e até duros com algumas coisas,

Tão extrovertidos, brincalhões ou “infantis” com outras

Descobrimos que há muitas coisas que admiramos e outras não.

Sem querer passar por psicóloga de botequim,

Apenas, sozinha, avaliando experiências próprias e observando os outros,

Percebo que quando analisamos o que não apreciamos em nossos semelhantes

E buscamos em nós a resposta para essa “aversão”,

Quase sempre descobrimos que parte do problema está em nós também.

Muitas vezes temos dificuldade em lidar com determinado sentimento

Não porque ele existe no outro, mas por seu antagonismo em nós.

O que o outro é desperta reações negativas em nós

Talvez porque nos alerte para alguma falta, ou nos aponte alguma falha.

Coisas que gostaríamos que não fossem expostas nem para nós mesmos.

Queríamos ser diferentes? Iguais a eles? Talvez sim, talvez não.

E ninguém é completo, melhor ou perfeito.

Somos todos diferentes, e isso é extremamente rico.

Vale lembrar que todos temos algo a desenvolver.

Conviver com o diferente de nós possibilita receber algo, oferecer algo.

E nessa troca se dá o autoconhecimento, o mergulho em nós mesmos.

A melhor maneira de conhecermos e aceitarmos a nós mesmos

É buscar conhecer e aceitar o outro.

A verdadeira aceitação do que somos e do que o outro é com respeito.

“Aceita-me tal como eu sou. Só então poderemos descobrir-nos um ao outro.”(Federico Fellini)

Aprendizagem longa, difícil, nem sempre vitoriosa, porém necessária e prazerosa.

Alda M S Santos

Respire!

RESPIRE! 

“Respire! Você não sabe respirar!”

Ah, sim, obrigada! Devo ter esquecido! 

“Inspire fundo, distenda o abdômen, expire e contraia, suavemente!”

Tão simples, ato involuntário, mas deficiente e esquecido. 

Logo pensei: isso aqui não vai prestar!

Sou agitada, gosto de movimento. Suavemente? Pois, sim!

“Devagar, tudo lentamente, você está ansiosa!”

E eu persisto, sei que preciso! 

Ok, suavemente, lentamente, devagar, calma: novas palavras para o meu dicionário.

Percebo, aos poucos, que a respiração profunda e suave

Permite, além da oxigenação do sangue,

Um melhor domínio da mente, muito importante, 

O maior controle das emoções, essencial 

Sentir cada parte do próprio corpo viva

Contrair e alongar todos os músculos tensos

E, aos poucos, ir relaxando é muito prazeroso.

Após 4 aulas de yoga, começo a entender que nem tudo está perdido: Há jeito para mim! Até aprendi a respirar! 

Suavemente, chego lá!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: