Busca

Categoria

amigos

O mesmo jardim

O MESMO JARDIM

A escola passa, ficam os amigos

O trabalho passa, ficam os amigos

A família se modifica, constrói outros laços familiares, ficam os amigos

Infância, adolescência, vida adulta, tudo passa

Mas as relações ali cultivadas sob o adubo das afinidades

Enriquecidas com o húmus do respeito às diferenças

Fortalecidas nos momentos de sorriso ou mesmo de dor

Aquelas alimentadas com carinho, cuidado, bom humor

As regadas na fonte do amor diário

Essas são eternas…

Histórias que passam de vinte anos

Que brotam, minguam, rebrotam, geram mudas

Mesmo que busquem outros canteiros

Sempre farão parte do mesmo jardim

São espécies raras!

Somos abençoadas, somos amigas!

Alda M S Santos

Bom mesmo

BOM MESMO

É bom encontrar abrigo num dia de chuva

Mas bom mesmo é ser abrigo quando a casa cai

É bom ter amigos para sorrir, passear, nos divertir

Mas bom mesmo é ser/ter amigo quando o peito aperta, a alma dói

É bom ter para quem contar nossas alegrias e sucessos

Mas bom mesmo é ter com quem dividir nossas mágoas e angústias

É bom ter em quem confiar quando a subida ao topo é íngreme,

Mas bom mesmo é ser/ter apoio quando as pernas falham nas descidas

É bom ter alguém para amar, cuidar, dar carinho e atenção

Mas bom mesmo é ser digno de amor, de saudades, de boas lembranças

É bom olhar para o passado e relembrar uma vida recheada de delícias e lutas,

Ou para o futuro e ter boas expectativas

Mas bom mesmo é curtir um abraço saudoso no presente

É bom seguir por um caminho iluminado, florido, acompanhado

Mas bom mesmo é não nos perdermos de nós mesmos quando tudo escurecer…

É muito bom ter, mas bom mesmo é ser…

Sempre!

Alda M S Santos

Há quem se divirta…

HÁ QUEM SE DIVIRTA…

Há quem se divirta de todos os modos

Há quem se divirta dançando, cantando, acompanhado

Há quem se divirta numa dança solo

Há quem se divirta dançando em grupos

Há quem se divirta vendo os outros dançarem, conversando

Há quem se divirta instigando os outros a dançarem

Há quem se divirta por estar num meio musical

Há quem se divirta escolhendo ritmos ou dançando todos eles

Há quem se divirta com o prazer das companhias, amigos

Há quem se divirta com os comes e bebes

Há quem se divirta fazendo troça e piada com todos

Há quem se divirta independente das próprias limitações

Há quem se divirta proporcionando diversão ao outro

Há quem se divirta apenas por ver quem ama se divertir

Há quem se divirta por tudo isso ou por nada disso

Mas há quem se divirta por estar vivo, ter saúde, amigos

Há quem se divirta por poder agradecer as bênçãos recebidas

Ainda que nem sempre os “bailes” que a vida nos dá

Sejam tão divertidos…

Vamos nos divertir enquanto pudermos…

Alda M S Santos

Aceita o prazer dessa dança?

ACEITA O PRAZER DESSA DANÇA?

Dançar é deixar-se levar pelo ritmo que a vida nos impõe

É bailar em harmonia, passos leves, em uníssono

É deixar a música invadir nossa alma, internalizá-la

Dançar é poder extravasar de modo prazeroso o que está em nós

É devolver ao meio o que recebemos

É buscar no meio aquilo que precisamos

Dançar é trocar, é doar o que temos de bom

É recebermos aquilo que nos falta

Dançar é resgatar a conexão perdida consigo mesmo

Dançar é conectar-se com o outro, se divertir

Um corpo que dança é bonito

Um corpo que dança em sintonia com a própria alma é divino!

Aceita o prazer dessa dança?

Esse convite deveríamos fazer a nós mesmos

Antes de fazê-lo ao nosso partner.

Alda M S Santos

Vícios do bem

VÍCIOS DO BEM

Encontrei uma amizade querida que há um tempo não via.

Um olhar meio ressabiado, sem saber como agir.

“Como vai você”?

“Tô indo”- “E a família?”

“Estamos bem! Como Deus manda!”

Nos afastamos, a amizade esfriou por problemas diversos, decepção, mágoa, muitas lágrimas derramadas.

Mas por longo tempo nossas vidas caminharam juntas, parceiras, amigas, necessárias.

Um abraço apertado, gostoso, perfumado…

Conversamos um pouco, meio sem jeito, lembranças…

Creio que foi recíproco, aquele olhar investigador, penetrante, nos olhos.

Amizades e amores verdadeiros são como vícios!

Pode-se ficar muito tempo longe, a dependência ser mais tolerada, as crises de abstinência quase superadas,

Mas basta um simples “trago”, “gole”, “encontro” para tudo recomeçar.

Nos despedimos…

Fui embora emocionada, coração apertado, para variar.

Novamente, pensei em que parte algo começou a dar errado.

Mas gostei tanto de reencontrá-la!

Nossos filhos brincaram juntos, cresceram, ela enviuvou, é avó…

Mesmo com tanta decepção o carinho ainda é imenso.

O perdão é característica base das amizades e amores sinceros.

Não gosto de tirar pessoas da minha vida!

Prometi a mim mesma ir até sua casa retomar de onde paramos,

Reaquecimento…nossas vidas são reflexos de nossas atitudes…

Amizades verdadeiras são únicas e eternas…

Alda M S Santos

Umbigo enterrado

UMBIGO ENTERRADO

Diz-se de um lugar que a gente gosta muito

Que nosso umbigo foi ali enterrado

Que não conseguimos nos afastar

Meu umbigo foi repartido e enterrado em vários lugares que amo

E esse é um deles: a escola que completa 30 anos de existência

Dos quais fiz parte de 26 deles…

Aqui fiz do meu trabalho, do meu ganha-pão, a minha alegria

Aqui me diverti, eduquei, fiz amizades maravilhosas

Deixei marcas, fui marcada por crianças e adultos especiais

Meu umbigo está aqui!

Parabéns EMVAM, na pessoa de professores, funcionários, alunos e pais…

Alda M S Santos

Um dia prometemos

UM DIA PROMETEMOS

Um dia prometemos que seria para sempre

Como prometemos tantas outras coisas

Que nunca deixaríamos o papai e a mamãe

Que nunca gostaríamos de um menino ou menina

Que beijar na boca é “eca”, que nunca faríamos isso

Que aquela amizade da infância nunca acabaria

Que os confidentes da adolescência seriam eternos amigos

Que aquela vocação seria nossa profissão

Que o primeiro namorado seria amor infinito…

Que o casamento seria até que a morte os separasse…

Que criaríamos nossos filhos para o mundo…

Na verdade o que realmente queríamos dizer é que gostaríamos que assim fosse

O que sentíamos como eterno naquele momento

O que se eternizou em momentos maravilhosos e inesquecíveis

Mas para tudo ser igualzinho ao momento da promessa

O tempo precisaria parar, e isso não acontece

Gira, rápido ou devagar, pessoas e situações mudam

E muitas vezes nos culpamos ou culpamos os outros…

Creio que a promessa que deveria valer para cada um de nós seria:

Acompanhar juntos os giros do mundo, não estacionar

Sendo fiel a nós mesmos, aos nossos sentimentos

Sem desrespeitar os sentimentos de ninguém…

Entendendo que mesmo que o amor se modifique, não diminui necessariamente

Que para mantê-lo saudável precisamos renová-lo, hidratá-lo, nutri-lo, cuidá-lo

Como fazemos com tudo que é vivo…

Um dia prometemos…

Alda M S Santos

Manuais

MANUAIS

Não quero manuais, não quero receitas

Tampouco tutoriais ou passo a passo

Eles são bons para os outros

Ou assim acreditamos

Na prática, para nós mesmos, são cansativos

Nunca funcionam!

Inexperiência, impaciência ou desejo de aprender fazendo

Não importa!

Funcionariam para seres iguais, medidas idênticas, habilidades idem

Somos diferentes, a começar pelas digitais, DNA atesta e confirma

Prefiro ir na base da tentativa e erro

Aperto daqui, vou, volto, sigo

Acrescento ingredientes, deixo em repouso, boto para crescer

Escrevo, apago, refaço, reescrevo minha história

Ainda que fique borrada onde não foi possível apagar marcas deixadas

Capítulos inacabados, páginas viradas, personagens perdidos, sem destino

É tão simples que se torna complexo

Nenhum manual saberia guiar individualidades

Manuais lidam com acertos, não preveem erros

Aqueles nos quais ficamos dependurados, tentando nos equilibrar para não cair

E a vida acontece quase sempre entre um erro e outro…

Alda M S Santos

A um abraço de distância

A UM ABRAÇO DE DISTÂNCIA

Para que precisamos buscar tantas coisas?

Para que nos desgastamos tanto para adquirir objetos que nem necessitamos

Roupas, carro, casa, passeios

Para quê?

Para que lutamos tanto por pessoas ou situações que não são nossos

Não precisam de nós, não nos querem

Se tudo isso sozinho de nada vale e traz sofrimentos

Para quê?

Se tudo que nos faz bem, nos faz felizes

Se tudo que acalenta nossa alma carente de verdades e simplicidade

Enternece nosso coração, alarga nosso sorriso

Não estiver a um abraço de distância

Ao alcance de nossos braços quentes

Cuidado com carinho em nossa mente e coração?

Alda M S Santos

#carinhologos

Somos músicas

SOMOS MÚSICAS

Somos músicas na vida uns dos outros

Músicas de todo tipo, ritmos e duração

Suaves, bem românticas, de dançar agarradinho

Bem quentes, agitadas, de suar e liberar a energia

Umas para cantar e ouvir bem alto, junto dos outros

Outras para curtir sozinhos e silenciosos

Ou aquelas de letra marcante, verdadeira declaração de amor

Vestem como uma luva nosso estado de espírito

Podemos ser daquelas da parada de sucesso

Chegam rápido, fazem o maior auê

E se vão tão velozes quanto chegaram

Ou daquelas que se tornam clássicas pela beleza e poesia

Como canto incessante de pássaros

Nunca se perdem no tempo, relíquias, preciosas, saudosas

Podem ter décadas e décadas, e de “vez em sempre” voltam

Chegam devagarzinho, grudam na nossa mente

E mesmo depois que passam nos pegamos cantarolando

Ainda que apenas em nosso interior…

E há aquela que é nossa verdadeira música, nossa trilha sonora especial

Aquela gravada no vinil da nossa alma

Que toca na nossa vitrola, com agulha personalizada, sensível

Músicas e pessoas são marcantes

São melodia, são poesia na vida da gente.

Alda M S Santos

É preciso ter amigas!

É PRECISO TER AMIGAS!

Amigas são primeira necessidade, a mais duradoura

Fazem -nos rir de nossas lágrimas

Ao nos mostrar que elas não minam só de nossos olhos

Brincam com nossas mazelas, nossas fragilidades

Nossas rugas de dentro e de fora, nossos cabelos brancos ou humor negro

Entendem nossos silêncios gritados, nossos gritos calados

Aqueles que à primeira palavra dita fazem jorrar lágrimas

Compartilham dos mesmos medos, talvez culpas

Pelos filhos, companheiros, pais e familiares

Entendem nossa necessidade de falar e aliviar, rir e chorar

A dor por uma unha quebrada, cabelo que cai, uma cintura que não afina ou uma ingratidão

A saudade que nutrimos por tempos bons ou nem tanto

Não veem nossas angústias como tempestade em copo d’água

Sabem que podemos sentir raiva mesmo de quem amamos

Principalmente de quem amamos…

Dividem conosco a ansiedade de querer fazer tudo pelos outros

E a angústia de estar sempre sobrecarregada, mas não conseguir ser diferente

Reconhecem a frustração de nem sempre podermos salvar quem amamos apenas com nosso amor e esforços

Aliviam nossos pesos apenas com um sorriso de “estou aqui”

Capazes de puxar a orelha quando percebem uma má escolha

Ou de se unirem em bando para “vingar” quem machuca uma delas

Ora uma está mais forte, ora outra, revezando auxílio

Num rodízio de amor vamos alimentando umas às outras

Amigas não retiram nossos problemas,

Mas nos ajudam a desnutri-los

Alimentando nossas qualidades e pontos fortes

Protegem- nos até de nós mesmas

Quando acreditamos que não somos nada e erramos em tudo…

Companheiros, pais, filhos são muito importantes

Mas há coisas que só outra mulher, e amiga, é capaz de entender

Por nossa sanidade, é preciso ser e ter amigas…

Alda M S Santos

Nutrição

NUTRIÇÃO

Cuidar da nutrição é nossa obrigação, nossa responsabilidade

Tudo que em nós prevalece, realça e encanta

É aquilo que mais temos alimentado

A depressão e tristeza alimentam-se dos traumas, das sombras do isolamento

A alegria e o sorriso alimentam-se de disposição, ânimo, fé, coragem

Os medos preferem as culpas, prato quente da revolta ou frio da vingança

A baixa autoestima nutre-se de falsos amigos, espelhos quebrados

O amor- próprio, por sua vez, gosta de sinceridade, carinho, autoconhecimento, olhar terno

A derrota prefere a inércia, o desânimo, a recidiva em erros já conhecidos, a covardia

A vitória busca o prato saudável da autoconfiança, fé, persistência e esperança

A infelicidade alimenta-se de muitos pratos de desconfiança, discórdias e mau-humor

A felicidade nutre-se da amizade, dos bons e saudáveis relacionamentos, da união da família

A família alimenta-se do carinho, da confiança e afeto entre seus membros

E carinho e afeto são ingredientes de pratos que se monta e se mantém com amor verdadeiro

Uma família alimentada com amor verdadeiro todos os dias não definha

Fica bem nutrida, forte e vacinada contra antígenos e outros vírus quaisquer…

Que temos alimentado em nós?

Alda M S Santos

De tudo um pouco fazemos nosso tudo

DE TUDO UM POUCO FAZEMOS NOSSO TUDO

Um pouco de tudo, de tudo um pouco

Recheamos de amor, sorrisos

Compreensão, abraços, beijos, solidariedade

Troca de calor, de empatia, de lágrimas, doação de amor

Prazer na presença, nas companhias

De pouco em pouco, de muitos poucos,

Amizade embebida de amor, carinho, saudade

Embrulhamos na embalagem do amor e nos fazemos felizes…

Um pouco de tudo, de tudo um pouco

Tornam, assim, parte de nosso tudo…

Alda M S Santos

#carinhologos

#carinhologossolidarios

Há-braços, abraços…

HÁ-BRAÇOS, ABRAÇOS…

Sinceridade que desarma, carinho que surpreende

Afeto que toca, sorriso que encanta

Há braços, abraços…

Quentes, longos, pipoca

Na pontinha dos pés, perfumados

Encolhidinhos no peito, de ladinho

Receosos, no colo, sensuais,

Apertadinhos, ou que não querem largar…

Acompanhados de doces palavras, silenciosos,

Qualquer que seja ele, necessário!

Há braços, abraços

Marcantes, inesquecíveis, saudosos…

Que possamos oferecê-los

Que saibamos recebê-los!

Alda M S Santos

Troco

TROCO

Troco meu sorriso por suas lágrimas

Meu bem-estar pela sua dor

Minha energia pelo seu desânimo

Minha alegria pela sua tristeza

Minha saúde pelos seus males

Minha paz por seu desassossego

Não é que eu seja boazinha ou tola

Talvez seja até egoísmo

É porque sei lidar melhor com as lágrimas, a dor, o desânimo

A tristeza, os males, o desassossego

Quando estão em mim

Do que quando estão naqueles que amo!

Troco, inclusive, meu amor por seu “desamor”

Quem sabe nessa troca a gente não se equilibre melhor?

Alda M S Santos

Um milhão de amigos pra quê?

UM MILHÃO DE AMIGOS PRA QUÊ?

Roberto e Erasmo quiseram ter um milhão de amigos

Se tiveram eu não sei.

Verdadeiros? Tampouco!

Sou mais simples, não me importo com a quantidade

Quero poucos, porém verdadeiros

Com os quais possa interagir, confiar, abraçar

Sorrir e chorar junto!

Assim, canto mais forte, cantamos mais forte!

Mas não dispenso um lindo verso, entre tantos, da canção:

“Quero levar o meu canto amigo

A qualquer amigo que precisar…”

Assim, eu canto, e nos encantamos!

Alda M S Santos

Amigos e inimigos

AMIGOS E INIMIGOS

Podemos ser nossos maiores inimigos, 

Pois conhecemos melhor que ninguém nossas fragilidades

E, muitas vezes, as entregamos de bandeja ao adversário.

Também podemos ser nossos melhores amigos,

Visto que só nós mesmos podemos acionar nossas forças capazes de combatê-las.

Resta saber de que lado vamos lutar:

Contra ou a favor! 

E isso não é tão simples quanto possa parecer,

Vivemos nos jogando de cara na lona, qualquer que seja nossa categoria! 

1, 2, 3… E levantando…

Será nocaute dessa vez? 

Alda M S Santos

Momentos

MOMENTOS

Fogueira, flauta, 

Violão, voz, música,

Amigos, primos, 

Simplicidade, sintonia,

Frio? Fica longe!

Corações aquecidos…

Momentos…

Que valem uma alegria

Alegrias que compõem uma vida…

Alda M S Santos

Registros

REGISTROS 

92 anos e dando uma lição: 

“O que mais vale nessa vida é fazer amigos, 

Nossos irmãos perante o mesmo Pai, que está no céu,

Aquele que cuida de todos nós” 

A memória já falhando, muitos beijinhos e carinhos

Registrou meu nome no livrinho que carrega

Com capricho na letra e doçura no olhar.

Eu a registrei em meu coração: Arlette.

Lição reafirmada: amigos são especiais na vida da gente.

Alda M S Santos

Feliz dia de nosso melhor amigo: nós mesmos

 FELIZ DIA DE NOSSO MELHOR AMIGO: NÓS MESMOS 

Somos seres humanos bem diversos e, por mais que nos conheçamos, sempre haverá algo que irá nos tocar e surpreender, positiva ou negativamente, nos outros ou em nós mesmos. 

A maneira de lidar com essas “surpresas” é que fará toda a diferença. 

Esse modo especial de lidar com aquilo que nos torna mais humanos, ou até mesmo desumanos, é que nos torna amigos dos outros, amigos de nós mesmos. 

Ter amigos é algo especial. 

Ser amigo é mais especial ainda. 

E aprendemos a ser amigos dos outros sendo primeiro amigos de nós mesmos! 

Sem egoísmos!

Feliz dia da minha melhor amiga: eu mesma. 

Alda M S Santos

FELIZ!!! 500 seguidores

FELIZ!!! 500 seguidores, 10 meses de blog!

Tão grande quanto o prazer de escrever

É ter cada um de vocês aqui!

Muito obrigada pelo carinho

E pela presença!

Beijos! 

Dia de domingo

DIA DE DOMINGO 

Sol ou chuva, frio ou calor,

No tempo ou debaixo do cobertor…

Domingo é dia de tudo absorver, internalizar. 

É dia de tudo distribuir, compartilhar…

É dia em que tudo é potencializado em nós: bom ou ruim.

O sorriso é mais alegre,

Ou a tristeza é mais atroz.

A energia para realizar é mais intensa,

Ou a preguiça existente aumenta.

A saudade dói mais, 

Ou o desejo do reencontro satisfaz.

Os parceiros podem ser verdadeiros companheiros, 

Ou a solidão ser a melhor companhia.

Dúvidas e ressentimentos podem tomar conta,

Ou deixamos o amor falar por si só.

Somos nós que escolhemos a vida que queremos, que merecemos, 

E nela colocamos nossa fé, nossas ações, 

Não só aos domingos, mas de segunda a segunda! 

Alda M S Santos

Amigos especiais 

AMIGOS ESPECIAIS 

Qual o amigo mais sensível que temos?

Pelo nosso caminhar percebem nosso humor,

Pelas nossas poucas palavras sabem que precisamos de sossego,

Pelo nosso cheiro sabem que queremos colo,

Pelo nosso toque, ficam ao nosso lado,

Sabem que podem ficar ali, pertinho,

Que precisamos deles, mesmo em silêncio, 

Que isso quase sempre basta…

Tentam “conversar” conosco, dão umas lambidas, olham com carinho,

Se fossem humanos nos abraçariam…

E fariam tudo ficar bem!

Ou será que a humanidade os deturparia? 

Alda M S Santos

Carinhos

CARINHOS 

Qualquer dor torna-se menos doída

Se vier acompanhada de um toque

Um abraço, um olhar, um beijo…

Qualquer dor se desfaz aos poucos
No calor de um colo ou palavra amiga.

Alda M S Santos

Abrigos

ABRIGOS

Uma mansão num paraíso tropical,

Uma cobertura num país europeu,

Uma casinha branca na serra,

Uma choupana num vale no outono,

Uma cabana numa montanha bem alta,

Um barraco num aglomerado qualquer…

Todos são residências! Todos!

Não importa em qual delas estaremos,

Pois o verdadeiro abrigo é aquele que encontramos

No coração daqueles que trilham conosco essa estrada.

Esses, podemos encontrar num barraco ou numa mansão.

Sem qualquer distinção!

E fazer ali nossa verdadeira morada.
Alda M S Santos

Cheiro de Amor

CHEIRO DE AMOR
Olfato cria lembranças marcantes e eternas
Mais que qualquer outro sentido
Cheiro de mãe, cheiro de colo, de casa de vó,
De infância, de escola, de domingo, de Natal,
Cheiro de praia, de roça, de rio, de mata,
De namoro, de amigos, de filhos,
De abraços quentinhos, de cheiro no cangote,
De beijos molhados de chuva, de suor…
De muitos cheiros se faz minha memória.
Um único comum a todos:
Cheiro de amor.
Alda M S Santos

Ovos de Páscoa

OVOS DE PÁSCOA

Dentro da sacola enorme, uma caixa grande

Dentro da caixa, água com açafrão, chá e vinagre,

Mergulhados na água, cascas inteiras de ovos, sem o conteúdo.

Depois de andar 2km, com muito cuidado,

Tudo isso do colo pro chão no metrô lotado.

Ao final, serão ovos coloridos recheados de brigadeiro.

Uma pequena “arte” para alegrar a Páscoa no Lar dos Idosos.

Se interceptada, pode ser acusada de “bruxaria” ou terrorismo…

Imaginar a alegria deles vale qualquer “esforço”.

Alda M S Santos

E quando tudo parecia perdido

E QUANDO TUDO PARECIA PERDIDO
E quando tudo parecia desabar
Surge aquela presença querida, que ilumina
Aquele sorriso entre lágrimas que diz:
“Tenho nada não, mas estou aqui”.
E quando tudo parecia escuro, frio
Surge aquele abraço amigo, apertado
Forte, que enlaça o corpo todo, que aquece a alma.
E quando tudo parecia perdido
Surgem amigos, que ouvem, que se solidarizam,
Que riem, que choram, que se calam,
Que, sobretudo, falam, e percebemos que Ele nos fala.
É quando tudo parece perdido que Ele mais nos aparece
E nos mostra uma constelação de estrelas e possibilidades
Aí percebemos tudo de maravilhoso que temos.
Alda M S Santos
Foto Everaldo Alvarenga

Eternidades

ETERNIDADES
“Até que a morte nos separe”, “Love you forever”,
“Você vai estar para sempre dentro do meu coração”,
“E cada verso meu será, pra te dizer que eu sempre vou te amar, por toda a minha vida.”
“Te amarei de janeiro a janeiro até o mundo acabar”…
São tantas as promessas de eternidade! Tantas!
Basta ligar o rádio e ouvir algumas canções.
Ou ouvir algumas histórias por aí…
Mas elas se esvaem na fumaça do fogo, ou do gelo, que as consome.
Mudemos a sintonia do rádio para um canal de notícias,
E perceberemos como terminam muitos amores eternos.
Ou nas próprias canções:
“Você jogou fora o amor que eu te dei, os sonhos que sonhei,”
“Saiu sem dar razão, ficou na solidão, alguém que só te deu valor,”
“Não aprendi dizer adeus, mas tenho que aceitar que amores vêm e vão”…
Valem para qualquer tipo de amor ou amizade.
Amizades e amores verdadeiros não precisam de juras, promessas,
Palavras são lindas, mas são apenas palavras!
Atitudes é que são eternas e conquistam o amor dia-a-dia.
Alda M S Santos

Adaptações💔

ADAPTAÇÕES 💔

Sempre me impressionou a capacidade de adaptação dos seres humanos.

Quantas mutilações podem sofrer e continuar em frente.

Transferem a tarefa ou função perdida para outra área, outro membro, outro órgão.

Perdem pés, pernas, mãos, braços, articulações, órgãos diversos.

Usam outros em substituição, adaptam-se, sobrecarregam outra área. Basta ver uma paraolimpíada. 

Diminuem a capacidade, arrefecem a vitalidade, mas a vida continua.

A vida sempre se impõe!

Até o cérebro pode “perder” certas partes e continuar ativo.

Mas se existe uma parte cuja adaptação é complicada é o coração.

Transplanta-se coração, tudo bem. O músculo coração pode ser substituído.

Porém, seu conteúdo, aquele gravado na alma, não se substitui facilmente.

Um filho, os pais, irmãos, amigos, amores…

Quem perde algo ou alguém importante tem sérias dificuldades para continuar.

Aqueles cuja alma já registrou como parte de si,

Quando se vão, saem levando um pedaço da própria alma em que grudou.

Substituição ou complementariedade de alma eu nunca vi.

A saudade até tenta compensar, mas não faz um trabalho muito bom.

Ao mesmo tempo em que pode alegrar, pode também ferir.

Esse tipo de adaptação o ser humano ainda precisa aprender.

Alda M S Santos

Amor/amigo

AMOR/AMIGO

O que se espera de um amigo/a?

Mais ainda do que se espera de um amor.

Pois a amizade é um amor especial, diferente, mais leve,

Sem tantas cobranças, ciúmes ou desatinos.

Amizade tem confiança, confidências, lamentos, congratulações.

Não há necessidade de impressionar, há naturalidade, transparência.

Há ouvidos atentos, braços abertos, ombros largos, expressão calorosa.

A alegria na companhia do outro salta aos olhos de qualquer um, por mais diferentes que sejam entre si.

Onde há ao menos dois amigos/as juntos há risadas, gargalhadas, zombarias. 

Também há papos sérios, conselhos, 

puxões de orelhas, lágrimas, logo enxugadas pelo outro. 

Há carinhos, abraços, toques, sorrisos…

Acima de tudo, os amigos acreditam uns nos outros.

Defendem-se perante tudo e contra todos. 

Conhecem todos os seus defeitos e qualidades.

E tudo faz parte do mesmo pacote de amor. 

Qualquer coisa boa ou ruim que lhes aconteça pensam logo nos amigos/as. Sabem que nunca os decepcionarão. 

Torcem pelo sucesso um do outro e as competições, se houver, são saudáveis! 

Um amor para ser completo precisa ser um amor/amigo.

Já a amizade basta por si só, pois o amor incondicional é sua essência.

Amizade verdadeira assim é coisa de alma!

Muito raro de encontrar!

Alda M S Santos

Tá tudo bem?

TÁ TUDO BEM?
Quantas vezes ouvimos essa pergunta?
Quantas vezes a formulamos?
Praticamente 100% das vezes a resposta é: “sim, e você”?
Na maioria delas não passa de pro forme.
Quase nunca respondemos sinceramente.
Não nos dão, ou não damos tempo para uma resposta sincera.
Aquela que demandaria explicação, tempo, atenção, ouvidos, talvez ombros.
As palavras dizem uma coisa e os olhos dizem outra.
Mas quem tem tempo ou disposição para investigar, sequer perceber?
Os olhos dizem “não, estou no meu limite”, “não, estou muito down”!
“Não, preciso de ajuda”, “não, quero colo” ou “não, gostaria de sumir do mapa”.
Se realmente respondêssemos assim, qual seria a reação de nossos interlocutores?
Qual seria a nossa reação, se ouvíssemos respostas como essas?
Certo é que se a pessoa é amiga, próxima, íntima, nem precisaremos perguntar.
Basta notar suas ausências, seu silêncio, seu olhar.
Em todos esses casos, apenas um carinho, um abraço resolveria.
Ou ao menos amenizaria bastante o problema.
Queremos estar bem!
Alda M S Santos

Num lar

NUM LAR

A vida inteira num lar

Com pais, irmãos, avós, primos

Companheiros, filhos, sobrinhos…

Ou uma vida dedicada à família dos outros, 

Que cresceram, se foram, não precisam mais deles

De repente, não há mais lar, ou familiares, ou amigos…

A solidão é a fiel companheira

E surge um novo lar…

Cuidados, novas pessoas, talvez novas amizades…

Algumas atividades, visitas esporádicas…

Pra que ainda estou vivendo?- alguns se perguntam.

Tenho onde morar, estou aqui porque quero!-dizem outros.

Meu sobrinho quer vir me ver, a mulher dele que não deixa! – afirma outra.

Gosto de vocês aqui, alegram nosso dia!- diz outra sorridente a cantar.

E assim a vida segue…

85, 99, 102 anos de idade.

O que querem? O que esperam? 

Algo que o dinheiro não compra:

Atenção, um toque, um carinho, ouvidos, ombros… 

Só isso! 

Que possamos cuidar de nossos idosos!

Que tenhamos quem cuide de nós quando chegar nossa vez.

A maior pobreza é a falta de carinho. 

Alda M S Santos 

De quantas histórias se faz nossa história? 

DE QUANTAS HISTÓRIAS SE FAZ NOSSA HISTÓRIA?

Rimos de chorar esses dias, minhas irmãs e eu!

Extremamente prazeroso lembrar episódios da infância

As artes, as birras, as surras, a cumplicidade de irmãos

As rixas, os ciúmes, as dificuldades, o amor acima de tudo.

Ou da adolescência, as incertezas, os medos, a baixa autoestima,

A incerteza do ser adulto ou ser infantil, espremido entre ambos.

Os amigos confidentes, os primeiros beijos e paixonites

A vida adulta, os compromissos, as responsabilidades…

Tantas são as histórias! Tão ricas de emoções!

Relembrá-las é viver de novo, com uma nostalgia boa

Sem os sofrimentos! Se possível com quem as viveu conosco.

Estes, mesmo se lembrados, já não doem tanto.

O que ficou foi a certeza de ter vivido algo especial

Com pessoas especiais,

Ainda que não façam mais parte do nosso convívio!

Minha história é feita de muitas histórias,

E muitos e valiosos personagens!

E a de vocês?

Alda M S Santos

Entrega

ENTREGA 

A maioria de nós é muito dona de si mesma.

Autoconfiante, sabe de seus próprios valores, não se deixa intimidar facilmente pela opinião alheia. 

Muitas vezes tida como uma qualidade, pode vir a se tornar um limitador de alegrias, de prazer, de vida.

Os autoconfiantes têm muita dificuldade para confiar em algo além si mesmos. 

Normalmente, os donos de si não adquirem a capacidade de entrega, tão necessária em momentos de prazer, de êxtase.

Fechados em si mesmos, incapazes de se abrir, impedem que o outro chegue, se aproxime, entre.

Acreditam ser um ato de fraqueza precisar ou depender do outro.

Temem se expor à avaliação, à crítica, à dor.

Pode também ser o contrário. Autoestima tão baixa que preferem não se arriscar. 

Um pouco de autocuidado e autopreservação não fazem mal a ninguém.

Porém, uma das maiores alegrias da vida consiste em compartilhar o que temos, o que somos…

Entregar-se, abrir-se para o outro, para o mundo, para a vida pode realmente trazer dores, mágoas e decepções, mas também traz muito amor e alegrias.

A outra alternativa pode ser tranquila demais, morna demais, uma quase morte, uma semivida.

Que tenha sorrisos e lágrimas, amor e decepções…

Que tenha vida!

Alda M S Santos

 

Nossos anjos

NOSSOS ANJOS 

Se passarmos um filme em retrospectiva de nossas vidas

Poderemos observar algo que irá sempre se repetir

Mudam o local, o cenário, os atores, a trilha sonora, até o roteiro

Porém, a história é a mesma em várias versões

Desafios e obstáculos superados.

Talvez não pareça vitória ou superação,

Mas, entre as opções existentes, nos saímos bem.

Muitos foram os buracos em que caímos, 

Os vãos em que nos esprememos.

Inúmeros desvios de obstáculos, 

Incontáveis escorregadas em falsos amigos,

Bastantes as vezes em que corremos do amor ou para o amor,

Ou nos sentamos, choramos, reabastecemos energias,

Restauramos as forças…

Veremos que em todos esses momentos havia alguém especial conosco

Enviado por Ele para nos fortalecer. 

Como essa é uma história aberta, em construção,

Quais são os obstáculos de agora, nossos “inimigos” atuais?

Quem é nosso anjo especial? 

Nunca estamos sós! 

Alda M S Santos

Amizade

AMIZADE

A cada vez que estamos juntas

O sorriso flui solto

A gargalhada não é contida 

As conversas ora são sérias

Ora amenas, ora divertidas

A preocupação com as outras é sincera

A disposição para ajudar, idem. 

Desejo de estar sempre perto

Trocar ideias, ver que nem tudo é tão sério

Encontrar juntas uma saída 

Há simplesmente um prazer incomparável em estar juntas

Em fazer parte da vida da outra 

Amizade é isso…

Ter a certeza que não foi por acaso que Deus nos aproximou. 

Amo minhas amigas! 

Alda M S Santos

Amigo Oculto?

AMIGO OCULTO?

Estamos em tempo de amigo oculto, amigo secreto, amigo da onça…

Muitas são as variações.

Você sorteia, é sorteado, fala características de seu amigo, presenteia, abraça, esquece.

Isso se não ganhou algo de extraordinário: bom ou ruim. Assim, lembra pra sempre!

O que vale mesmo é a brincadeira, a confraternização com pessoas que dividiram espaços de trabalho, de estudo, de vida.

Brincadeiras à parte, gosto mesmo é de amigos declarados, às claras, revelados.

Amigos de verdade nem conseguem se esconder, não precisam.

Basta um olhar que todos já sabem: são amigos.

E presenteiam-se todos os dias com aquele abraço gostoso, aquele olhar que compreende nosso interior.

Aquele puxão de orelhas, alertas de perigo, sinal de fogo.

Amigo que grita, que sussurra, que gargalha, que chora junto.

Amigo que passa sms, que conta que sonhou contigo, que perde no jogo pra gente, ou ganha e a gente nem se importa.

Amigo que sabe seu número de roupas e calçado, que diz que você emagreceu ou que está com o cabelo desgrenhado… E você sabe que tudo é carinho.

Amigo que a gente empresta o marido ou esposa…bem, nem tão amigo assim.

Até aceito um amigo oculto de vez em quando…

Mas bom mesmo é brincar de amigo declarado a vida toda.

Alda M S Santos

Anjos

ANJOS

Parece que algumas pessoas estão previamente determinadas a fazer parte da vida umas das outras. 

Isso explicaria o porquê de algumas pessoas distantes serem mais próximas, importantes e necessárias do que outras com as quais convivemos horas e horas por dia.

Com essas nada há em comum, nada se sabe ou se quer saber delas. São dispensáveis!

Já aquelas, ahhh! 

Elas são como gotas de chuva numa tarde quente…

Um chá quente na noite fria…

Um raio de sol na janela ao despertar. 

Um luar para os amantes.

Um copo d’água que mata nossa sede.

Um abraço caloroso que aquece nossa alma e restaura nossas forças. 

São a prova do amor e cuidado de Deus! 

Ele sempre nos manda exatamente aquilo que precisamos.

São anjos disfarçados de gente.

Obrigada aos meus anjos de todos os dias! Por estarem sempre por perto. 

Eles sabem quem são, pois os agradeço incansavelmente. 

Alda M S Santos

Bálsamos

BÁLSAMOS

Há dias em que nos sentimos muito sós, 

Queremos estar sós, ou pensamos assim…

 Ficamos à espera da ajuda divina.

Clamamos por Ela, mesmo que silenciosamente.

Sequer notamos um amigo que se aproxima, 

Um familiar que fala com carinho, 

Um sorriso ou abraço de um colega. 

Uma brincadeira de nosso amor…

Há pessoas que são bálsamos em nossas vidas. 

Vê-las, tocá-las, falar com elas, 

Até mesmo pensar nelas,

Nos acalma, nos alegra, 

Nos conforta, nos alenta, nos orienta…

Retomamos nosso rumo, nosso prumo! 

Percebemos que a ajuda pedida está ali. 

Deus atua através de nós mesmos.

Somos instrumentos do bem em Suas mãos.

Há mais bálsamos por aí que pensamos.

Buscamos bálsamos,

Somos bálsamos sem perceber! 

Alda M S Santos

Atropelados pela vida

ATROPELADOS PELA VIDA
Tantas vezes somos atropelados pela vida. Caídos, outros “veículos” ainda passam por cima, caçoam, “filmam”, chutam cachorro morto. Quando tudo que queremos é um jornal para nos cobrir!
É, a vida pode ser cruel, às vezes. Imunidade baixa, todos os nossos monstros internos ganham força. Por isso parece que tudo vem ao mesmo tempo: desemprego, desilusão amorosa, brigas familiares, saúde frágil, caixa em baixa, amigos ausentes…
Pensamos em desistir… Entregar os pontos, jogar a toalha, aceitar o game over.
Tudo torna-se seco, cinza, sem vida! Fechamo-nos para o mundo.
Aí aparecem as almas caridosas com os velhos conselhos: vai passar, sacode a poeira, levante-se, chorar não vai adiantar…
E nossa vontade é gritar: pare, deixe-me com minha dor! Eu quero chorar, quero me entregar, quero ficar afundado nesse sofá por quanto tempo me aprouver!
Esse momento de “luto” é importante. Nele processamos o que perdemos, o que restou, o que devemos buscar. Fazemos nosso balanço interno antes de reabrir as portas para o público.
E nossa força, aos poucos, ressurge. E vai crescendo.
De onde vem essa força? O que a aciona? Quem dispara esse gatilho?
Cada um é cada um, mas vamos aprendendo técnicas para lidar com o sofrimento. Cada qual busca a sua: família, leituras, passeios, atividade física, chocolate, músicas, orações…
Duas ajudas são fundamentais e universais.
Primeiro: os amigos, aqueles mesmos, os dos velhos conselhos. Não sejamos tão duros com eles, não fazem por mal, do seu jeito, querem apenas ajudar.
Segundo: Deus. Ele é um só e olha por todos, independente do tamanho do nosso problema. Se nos incomoda, se pedirmos, Ele nos ajuda e nos atende.
Quando estivermos derrubados no meio da estrada, mesmo que seja difícil, tentemos lembrar disso. Pode diminuir o período de luto e irrigar a força. Ela brotará mais rapidamente.
Alda M S Santos

Barreiras emocionais

BARREIRAS EMOCIONAIS
Ao longo de nossas vidas, para nos protegermos dos outros ou de nós mesmos, vamos criando barreiras que cerceiam nossa natureza, nossas emoções, nosso modo de ser.
Alguns de nós mudam tanto que já nem se reconhecem. Somos apenas cópias autenticadas uns dos outros. Originalidade zero. Para agradar a todos, deixamos de ser nós mesmos, nos afastamos de nossa essência.
Existem barreiras e diques que formamos com bases tão fortes, tão resistentes, tão impregnadas que já foram absorvidas, são parte de nossa razão e acabam por estagnar as águas de nossas emoções…
Água parada não tem muita vida. Até parece bela, mas pode putrefar, não se renova, não circula o oxigênio que alimenta a vida que a mantém.
Barreiras e diques são importantes para haver um certo controle emocional, possibilitar nosso crescimento como seres humanos, evitar grandes estragos, mas é preciso manter ativos os vertedouros e abrir um pouco as comportas vez ou outra.
Nossos familiares e amigos mais próximos são essenciais e excelentes vertedouros.
Vamos usá-los! Uma barreira ou dique que se rompe, dependendo do momento, deixa ir embora muita coisa boa.
Alda M S Santos

Só tem amor quem sabe amar “

“SÓ TEM AMOR QUEM SABE AMAR”
Quantas vezes na vida nos entristecemos, choramos, lamentamos um amor ofertado e não devidamente recebido, valorizado ou correspondido? Isso nos acontece desde a infância, quando nosso amigo preferido escolhe brincar com outro e ficamos emburrados.
Aprendemos? Não. Apenas aprimoramos o modo de lidar com a dor e a frustração para que não nos derrube.
Disfarçamos, buscamos outros interesses, olhamos para frente, tentamos ignorar aquela angústia lá no fundo de nós e partir para outra.
Por isso tantas pessoas mudam, tornam-se amargas, fechadas, desconfiadas, inseguras, resistentes ao amor e às demonstrações de carinho e afeto. É a autoproteção.
Outras, porém, permanecem do mesmo jeito. Amam, se entregam, demonstram carinho, são sinceras, sensíveis.
Não importam os envolvidos no ato de amar: entre pais e filhos, entre irmãos, entre amigos, entre casal.
Até podem sofrer por um tempo, mas percebem, sabiamente, que quem ama nunca perde. O amor é sublime, soberano, mágico. Quem o sente é privilegiado. Quem não soube receber é que ficou no prejuízo.
Nunca lamentemos por amar! A vida sem amor é vazia e seca. Não tem cor nem brilho. Amor é bumerangue! Amor se autoabastece. Quem não ama não sabe acolher o amor que bate à sua porta.
“Só tem amor quem sabe amar”!
Alda M S Santos

Mais ímãs, menos esponjas

MAIS ÍMÃS, MENOS ESPONJAS

Ao longo de nossas vidas, algumas vezes agimos como esponjas, outras vezes como ímãs.
Quando esponjas, absorvemos tudo à nossa volta, sem critério: sentimentos, lugares, situações e pessoas das mais variadas formas e tipos.
Quando ímãs, atraímos nossos afins, o que nos agrega, nos completa, nos realiza: sentimentos bons, pessoas encantadoras, lugares maravilhosos, situações agradáveis, ou seja, atraímos a luz e repelimos o que representa a tristeza, a escuridão.
A esponja logo, logo fica cheia, pesada e se arrasta, cai. Já o ímã, bem seletivo, se mantém intacto.
Cuidemos para ser mais ímãs do que esponjas em nossas vidas…
Bom diaaa!
Alda M S Santos

Aprendendo a pescar 

APRENDENDO A PESCAR

Nossa vida é uma grande pescaria. Numa hora pegamos um peixe tão pequenino que, insatisfeitos ou compadecidos, o devolvemos ao rio.

Noutra, passamos um tempão na beira do lago, gastamos empenho e paciência para pescar um grandão e nos decepcionamos.

Há ainda as vezes em que sequer percebemos os peixes que, insistentes, mordem nossa isca, e os ignoramos.

Também existem aqueles que nos oferecem, gratuitamente, mas, orgulhosos, dispensamos.

Ter a paciência para esperar e identificar o peixe certo morder nossa isca é habilidade de poucos.

Saber qual peixe devolver ao rio, num ato “caridoso”, também!

Estar atento para não deixar passar em branco aqueles insistentes é importante. Pode ser o “peixe” de nossa vida!

Pescar é divertido, mas dispensar o peixe gratuito, salvo se não for de boa procedência, pode não ser muito inteligente.

Nessa grande pescaria que é a vida, as oportunidades, as pessoas, as situações, são os peixes. Somos apenas um entre milhões de pescadores. Todos queremos pescar!

O rio é grande, nem sempre limpo ou caudaloso, mas há peixes para todos que têm paciência e habilidade.

Devemos nos concentrar em nossa cesta e esquecer a cesta do pescador vizinho. Ela não melhorará nossa pescaria.

Finalmente, lembrar que também somos peixes pode ser muito útil na hora de pescar.

Qualquer dúvida, há grandes lições do maior pescador de almas que já houve: Jesus. Encontram-se num “manual” chamado Bíblia!

Boa pescaria a todos!

Alda M S Santos 

Disque Emergência

DISQUE EMERGÊNCIA
Temos números de emergência para quase tudo: SAMU, Polícia Militar, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Procon, Direitos Humanos, Delegacia da Mulher, Hospitais e tantos outros.
Mas e se a nossa emergência for mais íntima: uma alegria extrema, uma novidade deliciosa, uma dor profunda, uma saudade doída, um amor proibido, uma decepção tremenda ou uma simples vontade de dar um abraço? Qual número discamos? Quem atende nossas emergências cotidianas?
Quanto mais “códigos numéricos” tivermos a quem recorrer, melhor estaremos servidos.
São, os donos desses números, as preciosidades de nossas vidas. Nosso refúgio, nosso colo, nosso aconchego, nosso porto seguro.
A elas devemos nossa gratidão e amor incondicionais todo o tempo, principalmente àquela cujo código para a acionarmos é a oração: Deus.
Àqueles que atendem minhas emergências diárias, todo o meu carinho e amor.
Bom dia!
Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: