PURO ENCANTO

O galho, frágil ainda, quebrou

Tombou, ficou ali dependurado

Carregando na ponta um botão fechado, interrompido

Os espinhos não a protegeram

A violência venceu a fragilidade

Bem que tentou manter-se de pé, mas em vão

E ali ficou, lutando para sobreviver, desabrochar

Usando de energia reserva

Buscando a luz, a vontade de viver

Enfim, numa bela manhã

Abriu-se para a vida, para o amanhecer

Com perfume, cor, encanto

Ressurgiu, renasceu

E embelezou a vida no seu entorno

Só secou, morreu, se entregou, depois de cumprir seu papel

De fazer deste um mundo mais belo

Linda roseira minha…

Alda M S Santos