LUTO, POR ISSO LUTO

Luto, só temos visto isso

Tristeza, dor, corpos levados em redes, dependurados nos helicópteros

Lágrimas e mais lágrimas, revolta, injustiça, impunidade

Tragédia de Brumadinho…

Números!

Desaparecidos, mortos, identificados ou não

Vítimas que se foram, morreram

Vítimas que ficaram, sentindo-se morrer por dentro

Histórias…

Quais as mais sofridas?

Pessoas que puderam se falar pouco antes

Ou se despedir, mesmo sem saber

Outras que não tiveram chance…

Quantas estavam brigadas, chateadas?

Quantas não se falavam direito, não se davam o devido valor?

Quantos arrependimentos, distanciamentos?

O que mais aperta o coração de quem se foi?

O tempo desperdiçado, não aproveitado?

E de quem ficou?

E quem foi salvo da tragédia por motivos simples?

E as que deveriam estar lá e não estavam?

Qual o alerta deixado para todos nós?

A vida é fugaz!

Não tem data e hora para acabar!

Vamos viver de maneira justa e honesta,

O mais intensamente que pudermos,

Fazendo sempre o bem, sem tirar nada de ninguém,

Agradecer aqueles que estão conosco, curti-los, amá-los

A morte não teve critério algum

Levou gente de toda classe, idade, gênero, bichos, natureza…

Enquanto não chega nossa hora

Independente do luto, devemos lutar e seguir…

Mesmo doendo…

Em luto por todos eles, pela humanidade tão perdida

Por isso eu luto todo o tempo…

E espero que possa chegar do outro lado

Sem muitas dívidas a pagar ou do que me envergonhar…

Alda M S Santos

(Fotos: Adriano Machado/Reuters)