FRONTEIRAS

Do lado de lá ou do lado de cá

Uma linha invisível a separar

Fronteiras a nos impor limites

A nos deixar de lados diferentes do front

Tal qual a linha no horizonte

A dividir o que é céu e o que é mar

Do lado de lá ou do lado de cá

Aquele traço suave quase apagado a separar

O amarelo fosco do entardecer e o cinza chumbo do anoitecer

As águas doces de um rio que se encontram com o sal do mar

A terra seca da chuva prata que a inunda

Do lado de lá ou do lado de cá

Nem sempre enxergamos a linha tênue a separar

O que é efêmero do que é eterno

O que é certo do que parece certo

O que é bom do que é ruim

O que é verdade ou o que é saudade

O que é nosso do que pensamos que fosse

O que é amor do que são só palavras

Do lado de lá ou do lado de cá

A fronteira a dividir esse front

Não é enxergada nem na luz nem na escuridão

Mas é sentida a cada passo

Em cada grito ou silêncio de dor ou alegria

Em cada pegada deixada nas areias dessa estrada chamada vida…

Alda M S Santos