SOMOS FILHOS DO MESMO PAI?

“En que mundo vives? Fe en esto? Anda ya…”

Fui questionada num blog ao defender a fé em Deus.

Caminhando numa avenida movimentada, observando tudo a minha volta, lembrei-me disso.

Armava uma chuva forte, céu escuro, ventos fortes.

Um ser humano “qualquer” estava enrolado nos lençóis sob uma marquise.

Uma madame desceu de um carro com seu cachorrinho no colo todo agasalhado.

Vendedores de guarda-chuvas gritavam seu produto.

Ambulantes de ocasião, ofereciam seus serviços.

Em carros escuros e com ar condicionado executivos negociavam nos tablets e nos arranha-céus.

Num ponto de coletivos pessoas se espremiam pra caber num ônibus já lotado.

Um táxi embarcava um único passageiro.

Vários homens de terno e sapatos finos passavam sem ver outros de bermudas e chinelos.

Um casal de pedintes fumava e namorava num cantinho.

Na porta do hospital um médico com roupa verde de bloco cirúrgico tomava um suco no carrinho de lanches.

Na recepção do pronto socorro público cada semblante mais carregado de dor que o outro.

Crianças vestidas de adultas eram levadas por babás em seus carros de luxo.

Outras, quase nuas, esmolavam junto às mães debaixo de uma árvore.

Um senhor velhinho, tal qual caracol, sentado sob seus cobertores e apetrechos, carregava “sua casa”.

Outro juntava todos os lixos que recolhia num carrinho para vender.

Um casal idoso, de mãos dadas, apoiava um ao outro em suas bengalas e limitações.

Um “louco” deitado num canto falava coisas desconexas sobre a guerra das ruas.

Alguns riam, outros ignoravam.

Fiquei olhando um tempo e ele disse: “porque tá chorando, moça bonita?”

Sequer percebi que chorava…

“Vai passar, sou assim mesmo”- respondi sorrindo.

“Vá com Deus, e sorria, menina”!

Tanta desigualdade! Será que somos mesmo todos filhos do mesmo Pai?

O quanto será que cada um ali já lutou nessa vida?

Respondo à pergunta que me foi feita:

“É nesse mundo que vivo!”

Mesmo as pessoas mais desvalidas têm fé!

Sem ela não somos nada nem ninguém!

Segui meu caminho, entrei num hospital público para consulta.

A chuva já caía…mas eu já estava molhada mesmo…

Alda M S Santos