SEM FRONTEIRAS

Voam na imensidão do azul do céu

Não têm limites, não têm fronteiras

Sozinhas, em pares ou em grandes grupos

No céu dançam um lindo ballet

Em silêncio ou cantando, se comunicando

Simplesmente, voam…

Sem destino? Não sei!

Parecem livres, despretensiosas

Pousam numa árvore frondosa

Fazem muito barulho

Será uma reunião de revisão de rota?

Algum perigo? Temem algo?

Ou será apenas uma pausa para descanso?

Param todas na beira de um lago

Molham-se, hidratam-se, banham-se

E seguem seu caminho no espaço…

Haverá algo que possa interromper seu curso, seu voo?

Vão e voltam, fazem estações

Sem fronteiras….

Daqui de baixo a tudo observo, invejo tal liberdade de ser, de pouco precisar

Voo com elas… vou longe… e volto…

Pés no chão, coração no espaço…

Alda M S Santos