NO TRIBUNAL DO AMOR…

Parecia uma grande catedral e várias pessoas estavam sentadas em semi-círculos

Jovens e velhos, homens e mulheres, de todas as raças e classes

Religiosos, ateus, políticos, cientistas, pensadores e trabalhadores braçais

Apenas as crianças passavam direto por uma catraca

E a pergunta que estava gigante num telão era: o que você fez com sua vida?

A princípio, as pessoas ficavam num burburinho nervoso

Em seguida, silenciavam contritas

Novas perguntas se desenrolavam no telão:

Como você usou os dons divinos que recebeu?

Soube amar e proteger a sua família?

“Desinquietou” as famílias dos outros inserindo a discórdia, traição, desconfianças, medos, drogas?

Soube usar o amor como Eu lhes ensinei?

Muitas e muitas perguntas se desenrolavam…

E cada uma despertava desculpas ou auto-acusações nos presentes.

Choros, tristezas e arrependimentos de alguns

Revolta, rebeldia e autopromoção de outros

Uma imagem de puro amor surgiu no telão

Os olhos brilhavam e atravessavam as pessoas ali hipnotizadas

Olhos silenciosos: “nada precisam dizer, pois Eu conheço os vossos corações

Não há necessidade de desculpas, não necessita defesas, Eu os conheço!“

Uma mulher se levantou: “existe algo que possa jogar uma vida inteira de amor por terra?

Ou algo que possa salvar uma vida de discórdia?”

“Somente o se doar por amor, valorizar a vida, a família…”

Respondeu um homem mais velho, chorando…

Na balança desse tribunal não havia barganha

Mas o amor que se doou era “moeda” capaz de neutralizar certas coisas ruins…

Somente o amor poderia ser usado em defesa própria, somente ele! -concluíram.

As ações realizadas por amor, com amor, em favor do amor.

E cada qual teve seu próprio veredicto nesse tribunal.

Tudo que reinava e ficou ali foi a verdade e o amor…

Os demais foram embora!

Alda M S Santos