MATA VIRGEM

Amar é adentrar numa mata virgem

Sem qualquer conotação sexual,

Ou pode ter, se assim o preferir. 

É desbravar, abrir trilhas, descobrir espaços secretos

É passar por espaços iluminados, outros escuros

É ter momentos de dor, de cansaço, de frio e calor, 

É ter prazer nos oásis, na maciez de uma cama de folhas, 

É encontrar itens encantadores, outros perigosos, 

É ter apenas uma ideia do que se quer

É saber que nem toda surpresa será boa

É, sobretudo, ter certeza que vale a pena desbravá-la,

Porque não há modo de conhecê-la de fora,

Projetar ou resolver problemas sem nela adentrar.

Uma mata virgem, assim como o amor

São convites a curiosos e corajosos. 

Alda M S Santos