NASCENTES

Observando um olho d’água, uma pequena mina

Surgindo da terra tantas vezes árida

Mas sempre, sempre cercada de vegetação

Percebo o quanto há de belo nisso tudo!

Pequenas gotas que brotam vão se agigantando

Seguem, sempre em frente

Contornando os obstáculos

E formando nossos grandes rios. 

Somos terra, somos férteis

Se não cortarmos nossas “matas ciliares”, 

Sempre poderá brotar de nós algo de bom, de gota em gota

E que poderá irrigar a todos a nossa volta.

Natureza sábia que sempre nos ensina. 

Alda M S Santos