JANELA DE MADEIRA

Na rua, uma casa simples

Na casa simples, uma janela de madeira,

Debruçada na janela de madeira, 

Uma pessoa a olhar a rua,

Onde passam muitas pessoas,

Quase todas queridas e aparentadas,

Que cumprimentam com um aceno, algumas palavras,

Muitas vezes, entram para tomar uma xícara de café recém-coado,

Comer uma bolacha ou uma quitanda.

E a vida transcorre simples, tranquila, feliz…

Até que alguém se vai…

E as saudades passam a apertar o peito de quem se foi, 

E a entristecer os olhos de quem ficou, 

A olhar pela janela de madeira…

Alda M S Santos