INDO…
Indo…

Sem saber para onde, sem saber o porquê

Apenas aquela vontade louca de seguir

Sempre em frente, sem retornos ou marcha à ré

Indo…

Cabelos ao sabor do vento, música que embriaga,

E uma estrada que parece pouca

Para a distância que se quer percorrer

Indo…

Olhos à frente, mãos distraídas, óculos escuros

Que escondem as lágrimas claras que insistem

Em descer e se alojar no peito que sobe e desce…

Indo…

Sem saber o caminho, sem conhecer o destino

Sempre em frente, engolindo quilômetros e soluços,

Construindo a própria estrada, abrindo espaços,

Na certeza que chegará onde deveria estar

Desde sempre…

Indo…

Alda M S Santos