VÍCIO TROCADO NÃO DÓI
-“Você tá viciado nisso hein, cara? Músculo demais mata!”
-“Tô nada! Vício é por coisa ruim. Tava viciado naquela “mina” e ela me ferrou… Ferro por ferro, puxo esse que me faz bem”.
Observando o debate, concluí que tendemos a achar que só coisas negativas sejam viciantes como drogas, álcool, jogos.
Porém, o hábito repetitivo de algo, por melhor que seja, pode ser degenerativo ou prejudicial para nós ou para quem nos cerca.
Coisas boas em excesso também viciam e podem ser prejudiciais: trabalho, esportes, religiosidade, sexo, amor…
Vício é dependência e dependência é negativa. Sempre.
Há pessoas dependentes de determinadas pessoas! Dependência “química” e/ou emocional.
O amor não deixa de ser um vício também, quando nos faz crer que não sobreviveríamos sem o outro.
E como disse o rapaz na academia, “todo mundo tem algum vício, o melhor é escolher o que causa menos mal!”
E em matéria de pessoas, de amizade, de amor, só vale o vício trocado.
Vício trocado não dói!
Alda M S Santos