VOCABULÁRIO

Três jovens conversavam no metrô

Fiquei deveras encabulada com a riqueza do vocabulário

“Catiando, pagar vecha, cair na pilha, pera, os cana, fulerage”

Fiquei na dúvida se era mesmo o português que falavam!

Tudo bem! Se eu estivesse envolvida no papo,

Se o contexto me dissesse algo, até poderia entender.

Alguns vocábulos eram mais comuns:

“Tá ligado, sacô, birita, mina, pinta, carango, pela saco…”

Mas “sapeco, larica, cabrito, bobó…”

Desisto!

Dois rapazes e uma moça se faziam entender.

Riqueza de vocabulário? Talvez!

Fiquei a me perguntar se conseguiriam se comunicar de modo mais “normal”,

Ou se, na verdade, eu é que estava fora do padrão.

Olhei para os lados, ninguém parecia se importar.

Fones nos ouvidos, olhos fechados, digitando nos celulares…

O trem parou e um rapaz saiu:

“Dá um rolé, seco numas marola”!

“ Vá lá noiado”!

Tchau, até mais, adeus, até a próxima…

Alda M S Santos