ENTRE PINGAS E RESPINGOS

São oito horas da manhã, terça-feira

Descalço, sem camisa, bermuda suja, larga e caindo

Pernas abertas, cambaleia de um lado a outro pela padaria

Fala alto, ri, ininteligível, fala para si mesmo. 

Tenta alcançar uma água tônica na prateleira

Trabalho difícil, exige muita concentração e equilíbrio

Itens em falta!

Quase cai sobre mim

Alcanço a água tônica e a entrego a ele

Sorri, sorriso vazio, de dentes e de alegria.

Um senhor o interpela

“Bêbado a essa hora, José?”

Ao que ele retruca alto e sorridente:

“Bê-ba-do, não! Tô fe-liz”! 

E sai porta afora medindo os cantos da rua.

Entre pingas e respingos vai vivendo 

Não tem sexo, idade, trabalho ou identidade, é um bêbado.

Tudo perdeu…

Mas, “tô feliz”!

Que tipo de vida ruim tem uma pessoa para se considerar melhor assim? 

Tô triste! Respinga em mim! 

Alda M S Santos