DESPERTAR

Despertar…soninho depois do almoço.

Não basta acordar, abrir os olhos, ouvidos, Atenção! shshshsh…

É preciso acordar a alma! 

Tudo se ouve, tudo se vê, tudo se sente…

Família de canários que canta agitada sobre mim, batendo as asinhas,

Uma motosserra cruel ao longe, 

Um bando de maritacas escandalosas que sobrevoa pertinho,

Uma mãe que grita “Pedroooo”!

“Um dia a areia branca, seus pés irão tocar…”, Roberto Carlos canta romântico no sítio afastado,

Por aqui, um assiste baixinho, ao mesmo tempo, um filme no tablet e ao compacto do desfile das Escolas de Samba do carnaval,

Outro treina músicas no teclado usando fones,

Há aquela que, dedicada, cuida do jardim com seu alicate de poda, 

Um galo canta forte no quintal ao lado, 

O vento que anuncia chuva balança as árvores,

Mangas caem do pé num som seco, 

Calangos disputam corrida no telhado, 

Galinhas d’angola propagam sua fraqueza,

A cadelinha de todo mundo tenta lamber meus pés e emite ganidos querendo atenção,

Cigarras nervosas cantam anunciando- será sol ou chuva?

Um beija -flor barulhento e lindo beija a flor ao lado da minha rede. 

Isso aqui é um local de silêncio.

Quietinha e recém desperta, pude identificar cada som, em poucos minutos de observação,

Inclusive os silêncios que se agitam em mim.

Exercício de atenção!

Ao identificar os barulhos à nossa volta,

Treinamos para identificar os barulhos internos.

Fazemos sua classificação: descartar, ignorar, reavaliar, melhorar, dar mais atenção…

Alda M S Santos