AMOR DE NARCISO

É muito fácil conviver com “iguais”,

Mas nada instigante!

O conforto aparente acaba por se tornar cansativo.

Sermos iguais na integridade, no caráter, 

Na bondade, na dignidade,

Isso é fundamental! 

Mas bom mesmo é conviver com as diferenças, 

Ainda que seja difícil, desafiador.

Não para torná-las semelhantes a nós, 

Não para nos impor a elas,

Mas para aprendermos a tolerância, o respeito, o amor.

O diferente de nós nos completa, 

Necessidade básica, 

Por isso, o diferente é atraente.

Somos iguais na maneira de sermos diferentes! 

Por mais sutil que seja, toda diferença é convidativa.

Gêmeos, geneticamente idênticos, completam-se nas diferenças.

Um buquê de rosas possui cores diferentes, mas harmônicas…

Não há supremacia de um sobre o outro, apenas diferenças. 

Amar apenas o igual é amar a si mesmo em excesso. 

É apenas buscar o próprio reflexo, aplausos, autoafirmação.

É olhar e admirar-se num espelho como Narciso, meio doentio.

Estamos aqui para sermos bons e cada vez melhores, 

Não que os outros, mas que nós mesmos.

Essa possibilidade encontra-se nos nossos relacionamentos,

Naqueles que possam nos “transformar no melhor que pudermos ser”.

Alda M S Santos