SOBREVIVÊNCIA

Após toda tempestade fazemos um levantamento minucioso dos prejuízos, verificamos o que não foi levado pelo vento ou pelas águas, o que ficou de pé, intacto, ou apenas com pequenas avarias.

Buscamos o que sobrou, o que precisa ser reconstruído e o que não vale a pena trazer de volta.

Queremos encontrar sobreviventes.

Nas nossas próprias tempestades acontece o mesmo.

Como náufragos, sós, buscamos o que restou.

Tentamos sobreviver!

Boas pessoas são levadas. Tantos bons sentimentos parecem morrer, se extinguir, deixam de existir ou não são aparentes mais…

Como em toda tempestade, o que é forte e verdadeiro fica, não é levado pelas águas ou circunstâncias alheias a nós.

Podem sofrer danos, se arranhar, machucar, tornar-se fosco, mas um pouco de limpeza, atenção e cuidado trará o brilho novamente. Pode ser um móvel, imóvel, pessoa, amizade, amor…

Não adianta tentar salvar o que está danificado demais ou que não quer ser salvo. Perda de tempo e energia.

Toda tempestade tem seu propósito. Uma casa, carro, pessoas ou sentimentos que não enfrentaram tempestades, não tiveram sua força e resistência postas à prova. Não têm garantia de durabilidade.

O que não queremos que seja levado pela tempestade fortalecemos suas bases, alimentamos suas raízes.

Importante saber que toda tempestade deixa algo de bom, irriga nossas emoções, aproxima do que é verdadeiro.

O que não nos mata nos fortalece, nos torna mais fortes e sábios para as próximas tormentas.

Somos sobreviventes!

Alda M S Santos