ÁREA DE TURBULÊNCIA

 “Senhores passageiros, pedimos que permaneçam sentados, poltronas na vertical, cintos de segurança afivelados e compartimentos de bagagens fechados.

Estamos atravessando uma área de turbulência.”

Faltou apenas dizer: se possível, não pensem, não respirem, ou poderão ser tragados.

Tantas turbulências na vida… 

Será que essas regras de voo valem para todas? 

Podemos querer deitar e dormir.

Correr, chorar, gritar…

Ficar livres, voar pra longe, sem nada a nos afivelar…

Enfrentar a turbulência, aguardá-la passar…

Ou nos deixar levar por ela.

Uns solavancos e frios na barriga podem até fazer bem!

Nos voos aceitamos! 

Fora deles, cada um de nós define as regras de “segurança” mais adequadas à própria turbulência.

Não precisaremos de aviso que a área de turbulência passou.

Isso todo mundo sabe!

“Obrigada por voar conosco”.

Por nada! 

Alda M S Santos