BLINDAGENS
São tantos os projéteis, armas, mísseis
Inúmeros os morteiros inimigos, fogo amigo
Petardos de força inexplicável
Minas terrestres, bombas de gás
E as blindagens cada dia mais comuns
Acabam isolando do exterior
Nada deixam entrar, nada deixam sair
Tornamo-nos tão duros e secos
Que, com ou sem blindagem, somos a mesma coisa
Inertes e alheios ao que se passa além de nós.
Quanto mais frágil o ser
Mais forte faz-se necessária a blindagem
Isolados do mundo, da vida
Morremos por doença autoimposta
Morremos por asfixia emocional.
Alda M S Santos