DOADORES E RECEPTORES UNIVERSAIS

 Podemos notar nitidamente ao observar as pessoas aquelas que são doadoras e as que são recebedoras. 

Umas distribuem sorrisos, abraços, carinhos.

Dão atenção, conversam, oferecem colo, trabalho e habilidades.

Choram junto, dão apoio moral, financeiro.

Cedem o último biscoito, o assento no metrô, a janela do ônibus, o lugar na fila, o guarda-chuva, o sorriso na rua.

São assim. Natureza de grupo O-, doador universal. Como numa transfusão de sangue passam para o outro parte de si. 

E há aquelas que são esponjas, absorvem, sugam tudo, quase não doam: carinho, amor, trabalho ou dinheiro. 

São as receptoras universais: grupo AB+. Doam apenas para seus iguais.

Quase sempre as doadoras vivem cercadas de recebedoras. 

Amigos, casais, irmãos, filhos… 

Todos eles são formados, quase sempre, por um doador e um recebedor. 

Para os doadores, ter por ter não é prazeroso! 

O prazer delas está no doar. Não que não gostem de receber, gratuitamente, mas têm retorno no doar. 

Às vezes nem sabem muito bem receber.

Se as receptoras universais percebessem isso e doassem também, ao invés de querer acumular, seriam mais felizes! 

Os relacionamentos ideais são aqueles em que doadores e recebedores se revezam. 

Receber também é aprendizado. Ambos se beneficiam. 

Crescem no ato de dar e receber.

Crescem na troca.

Crescem no amor. 

Alda M S Santos