MEMÓRIAS 

Somos uma caixinha de memórias e lembranças

Todas bem guardadinhas!

Há uma certa ordem nessa arrumação.

A cada vez que uma delas é lembrada e revivida, ela fica por cima, na superfície.

Como numa busca virtual, mais fácil de ser acionada.

Aquelas que quase nunca mexemos ficam lá no fundo, últimas.

Quanto mais se mexe, mais se lembra.

Quanto mais se lembra, mais se vive. 

Daí a importância de lembrarmos das coisas boas.

Momentos de alegria e vitórias,

Lembranças de amor e prazer,

Períodos de amizade e carinho…

Instantes de abraços apertados e sorrisos falantes…

E estaremos formando novas boas lembranças.

Deixando as dores, medos e traumas submergirem.

Quando assustarmos, as coisas negativas quase não virão à tona.

Estarão no fim da busca, no fundo da caixa,

Sufocadas pelo poder da alegria e do amor. 

Um domingo frio, neblina, amor e cobertor,

Um sábado de sol, clube e amigos 

Ou uma segunda-feira de cansaço, risadas e trabalho,

Se tornarão deliciosas rotinas reais e da memória.

Se a busca na caixinha for feita com alguém que se ama, mais rica ela será.

Alguma lembrança boa?

Alda M S Santos