QUANDO DEUS CRIOU O MUNDO

Quando Deus criou o mundo e tudo que nele há, Ele resolveu mandar todos os sentimentos descerem para irem se adaptando.

A tristeza quis logo voltar, achou tudo muito triste. A alegria queria aproveitar tudo, encantada com tanta maravilha. O pessimismo disse que nada criado em sete dias poderia ser mesmo bom. O otimismo achava que tudo era perfeito e possível, sem problemas.

A calma achava que teria toda a eternidade para tudo conhecer. A impaciência conheceu tudo em apenas meio dia. 

A paz sobrevoava e a tudo observava do alto das nuvens.

A vida seguia e todos esperavam que Deus aparecesse. 

A mentira vivia soando alarmes falsos.

Quando todos estavam cansados, alguém propôs uma brincadeira de pique-esconde para distrair. 

A loucura logo quis contar. Como todos sabem que mais louco é quem discute com louco, deixaram-na contar. 

E ela começou a contagem. 1, 2, …49, raiz de 77, 17…

A impaciência escondeu-se pertinho. Não tinha paciência para procurar outro lugar. A dúvida não conseguiu se decidir onde esconder, ficando um tempão no caminho. A mentira fez até mapa, mas escondeu-se noutro canto.

A alegria procurou um lugar bem alto nas árvores amando a brincadeira e a todos cumprimentando. A paz escondeu-se nas nuvens.

E a loucura contava: 100! Lá vou eu! O que estou fazendo aqui mesmo? E recomeçou a contagem. 

Quando acabou, logo a impaciência se entregou cansada e reclamando da brincadeira chata.

E a loucura, mesmo louca, foi encontrando um a um. A traição ajudou entregando vários esconderijos. A alegria se apresentou quando viu tantos sentimentos juntos.

Quando todos perceberam que faltava o amor. E, procura daqui, procura dali e nada. 

Ela fez ponta num galho de árvore e foi à caça do amor. 

E nada de encontrá-lo! Até que viu uma moita que se agitava. O amor certamente se divertia ali.

 Louca, desconfiada, a loucura foi apanhá-lo. E fincou com força o galho pontudo na moita. 

Logo, o amor levantou-se com os olhos ensanguentados e cego. 

“Veja o que fez comigo, loucura! Deus me encarregou de entrar em cada coração humano, por mais duro que fosse. E você me cegou! ”

A loucura, apesar de insana, foi criada com a bondade e o perdão, e quis fazer algo para se redimir. Disse ao amor para pedir qualquer coisa que ela faria.

O amor pediu: ande sempre comigo, que seja meu guia e esteja comigo ao entrar em cada coração. 

E assim foi feito! Onde o amor entra, a loucura está junto. Todo amor carrega consigo a loucura, a ausência de razão. Não há amor sem loucura.

…..

O amor e a loucura estão lado a lado na educação. Sejam amorosas, sejam loucas, mas amem! 

A todas vocês, especialmente à Alda que encerra sua carreira e usou e abusou do amor-louco, meu abraço! 

….

História contada por Pablo Simões na formação de professoras EMVAM.

MUITO OBRIGADA! 

Alda M S Santos