AUTOIMAGEM

O que move nosso existir? O que se fosse tirado pesaria mais?

A saúde, a lucidez, os filhos, os pais, o cônjuge? 

Talvez a família, a paz, o respeito e admiração dos amigos, o amor, o trabalho, a casa, a fé em Deus? 

Fazer esse exercício nos dá a verdadeira dimensão do quanto temos, do quão valioso é nosso existir.  

Quando algo vai mal, temos a tendência a listar todas as coisas negativas para justificar nosso mau humor, mal estar, raiva ou desprazer. 

Pensando nas coisas boas, estabelecemos prioridades, valorizamos o que tem verdadeiro valor, tiramos o foco do que não é tão importante. 

Não é que o problema vá desaparecer, mas deixará de ser o mais importante, deixará de nos tirar o sono. 

Respondendo a pergunta inicial, de tudo que podemos perder, penso que o mais grave é o amor próprio, o autorrespeito, a autoestima. Isso é saúde mental.  

A autoimagem, a coragem de se olhar nos olhos no espelho, não sentir vergonha de si mesmo, isso nunca podemos perder. 

Tais coisas são essenciais para nos manter de pé para enfrentar qualquer problema e manter ou conquistar qualquer objetivo. 

Cuidemos de nossa autoimagem! 

Alda M S Santos