Busca

A culpa é minha

A CULPA É MINHA

Estava numa dimensão intermediária entre a terra e o céu

À beira de um abismo, via que ele sofria do outro lado, prestes a cair

Tentava alertá-lo, gritava “te amo”, pedia para sair de lá, para não se arriscar

Encolhido, olhos opacos, distantes, não parecia me ouvir

Chorei, implorei que o salvassem, que trouxessem para mim, tirassem dele a dor que o torturava

Ouvi uma voz firme me dizendo: “ele pode cair, mas voltará mais forte”

“Transfiram para mim o que o machuca, a culpa é minha”- eu pedia chorando

A resposta veio logo “não, ele escolheu, ele quis viver, aprenderá”

“Mas sou mais experiente, podia ter impedido, alertado”

“Não é mais experiente, tudo isso é novo e perigoso para ambos, afaste-se daí”

Eu estava tão à beira do abismo quanto ele

Mas a queda dele era mais assustadora para mim que a minha

Abaixei, em prantos, rezei por ele, quando não mais o vi…

Acordei chorando, mas amedrontada e com fé, continuei as orações…

Alda M S Santos

Para viver é preciso sonhar

PRA VIVER É PRECISO SONHAR

Não há vida sem sonhos, há apenas a seca sobrevivência

Pra manter-se vivo de verdade, vibrante, é preciso sonhar

Mas há que se ter equilíbrio, saber dosar a água e o fubá

Um sonho sozinho não se sustenta por muito tempo

Desfaz-se feito nuvens negras em dias de verão

Tampouco a dura realidade se mantém íntegra sem a liga dos sonhos

Quem vive sem sonhos amarga duras realidades

Quem vive só de sonhos amarga dolorosas decepções

Até mesmo um sonho precisa de umas pitadas de realidade, vez ou outra

Para temperar a vida,

Para poder sobreviver…

Alda M S Santos

Areias da praia

AREIAS DA PRAIA

Há acontecimentos, ou pessoas, na vida da gente

Que são como as ondas do mar molhando nossos pés na praia, suavemente

Parecem trazer apenas frescor, alegria, paz e união

Porém, levam a areia de debaixo de nossos pés quando se vão

Tiram nosso chão, nossa segurança e autoconfiança

Levam consigo quase tudo que trouxeram, inclusive o amor e esperança

Mas sempre deixam a lembrança do frescor

E a certeza que outras ondas virão, outra cor

E estaremos mais firmes sobre nossos próprios pés

Mais fortes, experientes e sábios para encarar novo revés…

Alda M S Santos

Enxurrada

ENXURRADA

Desce os morros, nos cantos, a princípio

Espalha-se pela rua toda, clara em alguns pontos

Muita água corre nessa enxurrada

Está tão suja, barrenta!

Veio lavando muita sujeira pelo caminho

Ainda assim, parece convidativa

Uma enxurrada, ou desperta a criança em nós,

Desejo de andar naquelas águas, molhar-se, molhar o outro, dar gargalhadas

Ou desperta um adulto frustrado e triste, resmungão

Daqueles que têm medo e nojo de tudo, amargurados

Sob o risco de contaminação por uma doença qualquer

Ainda prefiro ser o adulto/criança que brinca na enxurrada

A ser aquele adulto que já matou a criança em si

E sofre de uma outra patologia mais grave: o medo de viver…

Alda M S Santos

Janela respingada

JANELA RESPINGADA

Dia cinzento, chuva fina, janela respingada

Corpo e mente pedem cama

Olha lá fora, a vida parece apagada

Entregar-se ao repouso, ao ócio é tudo que sua alma clama

Liga a TV, busca um filme, navega nos canais

Nada encontra de instigante, tudo nostálgico, reprisado

Vai à estante, busca um livro, encontra cartões, fotos, poemas, postais

Num armário abarrotado de memórias, por segurança emocional, poucas vezes visitado

Lembranças começam a jorrar, chover sobre ela, não há como fugir agora

Entrega-se, deixa-se molhar, se encharcar

Combinação perfeita com o tempo lá fora

Entra nesse barquinho de memórias, vai longe, tenciona mergulhar

Prepara remos, snoker, quer sentir tudo de novo, intensamente

Abre comportas, sorri, se compadece, no seu rosto lágrimas conhecem de cor o caminho

A janela e ela, ambas molhadas, respingadas, resignadamente

Toca-a com os dedos, sopra, no vapor desenha um coração, e se deixa levar nesse redemoinho…

Alda M S Santos

Caminhos da alma

CAMINHOS DA ALMA

Os caminhos de nossa alma são abertos devagarzinho

Uma gentileza aqui, um cuidado ali, um sorriso, um abraço, uma atenção mais à frente

Trilhas, esquinas, curvas, recônditos secretos, o prazer de um balancinho

Neles transitamos, claro ou escuro, sorrindo ou chorando, diariamente

Só é capaz de neles trafegar quem os ajudou a construir

Ainda que involuntariamente, sem perceber, sem desejar

E, uma vez conhecido o caminho, mesmo sem o possuir

Será sempre alguém capaz de ali fazer a luz se acender ou se apagar…

Alma possui caminhos com vias só de entrada…

Alda M S Santos

Condicionamento

CONDICIONAMENTO

Nossa vida é feita de muitos condicionamentos

Somos “treinados” todo o tempo: corpo e mente

Disciplina, rotina, ordem, para tornar a vida mais “fácil”, mais segura

Temos horário para tudo: dormir, acordar, alimentar, trabalhar…

O corpo fica condicionado e “pede” sono, alimento, descanso, atividade, repouso

Nossa mente é um pouco mais complicada para treinar

Pudéssemos manter apenas bons pensamentos ou lembranças

Barrar entrada de pessimismo, tristeza e medos

Conservar bons sentimentos, apagar os ruins, afastar o que machuca…

Nossa mata interna fica, por vezes, escura, fria, sem vida

Abrir frestas para entrada do sol é importante, criar trilhas de fuga

A mente mantém ativo aquilo que não está resolvido

Enquanto não for trabalhado e solucionado

Inútil tentar condicionar!

Alda M S Santos

Deus em nós

DEUS EM NÓS

Como Deus se apresenta em nós?

Onde Ele está?

Certo é que somos templos do Divino, onde quer que estejamos: no deserto ou no oásis

Como deixamos que Ele se manifeste em nós?

Deus está na beleza física, na música, na arte, nas nossas condições financeiras?

Na solidariedade, na bondade, no trabalho, nos relacionamentos, no amor?

Deus tudo criou!

Ele está em todo tipo de beleza, nas artes, nas lágrimas e no dinheiro,

Tanto quanto pode estar no amor, na solidariedade ou na bondade.

Nada é bom ou mau por si só.

A diferença entre um e outro estará no uso que deles fizermos.

A beleza, a arte, o dinheiro podem ser utilizados para o bem, para tocar alguém, salvar alguém

Assim como em nome do “amor”, com um sorriso, muito de negativo pode ser feito também

Pessoas, famílias, vidas serem prejudicadas ou destruídas,

Inclusive a de nós mesmos…

Como temos deixado Deus agir em nós?

Alda M S Santos

Dores

DORES

Ponho-me a observar uma borboleta que borboleteia feliz no jardim

Os pássaros que cantam em total diversão e voam dos galhos das árvores para o comedouro

Cachorros cochilando na varanda, ora correm, ora saltam, balançando o rabo, alegres e fiéis

Irracionais, parecem não ter qualquer tipo de dor ou angústia

Concluo que deve haver algo de muito sagrado nas dores humanas

Posto que não há humano que viva sem elas

Certamente é uma forma de “purificação” a que os animais estão isentos

Estamos sempre a lutar contra uma delas

As dores físicas, orgânicas, são inúmeras

As famosas cefalalgias e diversos tipos de “algias”

Aquelas que sabemos apontar onde dói e medicar

Há ainda as dores de tristeza, de angústia, de saudade, de desamor

Dores que ferem lá no fundo e não identificamos a origem

Dores psicológicas, mentais, emocionais, existenciais

Aquelas que o médico não encontra no RX ou na tomografia

As mesmas que a maioria das pessoas olha e diz

“Fulano é feliz, não tem problemas, sempre sorrindo”…

Há ainda as dores do outro que carregamos como nossas

São do outro, mas ele está tão dentro da gente,

Que dói em nós também…

Por essa perspectiva, se tudo que dói em nós

Dói naqueles que nos amam

Dá pra calcular o sofrimento de Jesus

Ao sofrer com nossas dores

Particularmente aquelas autoinflingidas, que nós mesmos buscamos

Por desconhecimento, ignorância, descuido, ou autoflagelo…

Sei lá!

Mas que às vezes dá vontade de ser uma borboleta

Ah, isso dá!

Alda M S Santos

Escritora?

ESCRITORA?

“Nossa, você é escritora! É a primeira que conheço!”

Ouvi certa vez, sem perceber ao certo, se era crítica ou apreço

Já fui acusada de excessivamente romântica

Até mesmo piegas, pura semântica

Apontada por outros como extremamente sensível, poética e habilidosa

Pois “não é pra qualquer um escrever poema ou prosa”

Questionada de vários modos de onde vem tanta inspiração

Digo apenas que tudo é despertado, fruto da emoção, da imaginação

Com o veredicto de maluca, pois ninguém gosta de fazer redação se não for obrigação

Aceito qualquer penalidade, desde que o hospício permita caneta e papel à mão

Trocadilhos, brincadeiras, versos e rimas à parte

Quem escreve sabe bem, escrever é nossa mata, nosso oxigênio, sabe-se dependente, não consegue viver sem a catarse dessa arte

Escrever é apenas mais um modo de respirar, de amar, de viver, de se comunicar

Nem melhor, nem pior, correndo ainda o risco de se decepcionar

Tudo que é dito através das palavras cantadas pela alma, nada mais suplanta

O que a alma diz, a razão pode até interpretar, mas é o coração que compreende,

É outra alma afim que se encanta…

Alda M S Santos

Queria voltar àquele tempo

QUERIA VOLTAR ÀQUELE TEMPO

Queria voltar àquele tempo

Onde os desejos eram simples e facilmente satisfeitos

Chupar bala puxa-puxa, subir em árvores, andar descalça, brincar na rua, tomar banho de bacia, dividir a cama com o irmão

Tempo de sentimentos puros e perfeitos…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amigos eram menos virtuais, mais reais

Estavam do outro lado da cerca de bambu

A apenas um abraço de distância

Tempo de amigos leais…

Queria voltar àquele tempo

Onde os amores eram mais verdadeiros

Confidências, sorvete na pracinha, beijos roubados, “pegas” no portão

Tempo de amores mais parceiros…

Queria voltar àquele tempo

Onde as músicas eram pura poesia

Dançantes ou não, tocavam corpo e alma

Tempo de melodias que refletiam o que a gente sentia…

Queria voltar àquele tempo

Onde até sofrer era uma forma “doce” de viver

Sem precisar recorrer a antidepressivos

Tempo de magia, encanto e prazer…

Queria voltar àquele tempo,

E me sentir plenamente reviver…

Alda M S Santos

Confissões

CONFISSÕES

Quantas confissões são necessárias para a leveza de nossa alma?

Ao diretor espiritual, aos pais, aos amigos, ao cônjuge, aos filhos, a desconhecidos

Ao terapeuta, a Deus, ao travesseiro, apenas a nós mesmos?

Quantas confissões são verdadeiras, corações rasgados,

Regadas a lágrimas, alma nua?

Admitir um erro, uma fragilidade, uma raiva, uma inveja, um amor

Quase nunca é fácil!

Assumir e confessar a responsabilidade num fracasso

Ou a inabilidade em lidar com algo ou alguém

É humanamente difícil!

As confissões que envolvem sentimentos e emoções são as mais complicadas!

Posso não ter amado ou me dedicado o suficiente a alguém

Demonstrado dificuldade ao admitir ou confessar o amor

Mas nunca disse amar, sem ter amado verdadeiramente

Nunca deixei que outro assumisse um erro que era meu

Mesmo assim, erros, medos e fragilidades confesso mais ao travesseiro…

Essas confissões nos deixam nus perante o outro

São difíceis, porém, as mais importantes

Esse “peso” retirado da alma, dividido com alguém, ainda que conosco mesmos

Nos faz mais leves para seguir em frente

Com mais sabedoria para aceitar a nós mesmos e ao outro

Com as qualidades e defeitos inerentes a todo ser humano

Procurando acertar mais que errar

Fugindo das canoas furadas que já conhecemos

E buscando, ainda que inadvertidamente, os melhores caminhos…

Alda M S Santos

O máximo

O MÁXIMO

Ser “o máximo”, ou identificar o máximo em alguém,

É uma questão de perspectiva, de percepção

De referencial, de pontos de vista, de preferências

Ou de amor…

Podemos ser o máximo para uns, o mínimo para outros

Podemos ser o máximo ou o mínimo até para nós mesmos

Dependendo do momento ou da situação

E, por mais que dermos de nós mesmos,

Sempre será pouco para alguém, para algumas pessoas

Sempre haverá quem não saiba valorizar, identificar o que de bom recebeu:

O máximo de alguém…e deixou ir embora

Em contrapartida, para outras, um mínimo de nós ou delas é o bastante

Para fazê-las felizes, para nos fazer felizes

Isso não é se contentar com pouco

É saber identificar o que é precioso, gratuito

Verdadeiro, imprescindível, único

Para poder corresponder com o nosso máximo, e conservar…

Alda M S Santos

O amor na ausência

O AMOR NA AUSÊNCIA

O amor é sentimento tão ímpar

Que é sempre identificado

Ainda que na sua ausência.

Onde ele encontra morada

Tudo é luz, brilho, resplandecer

Cor, forma, contágio, alegria

Visível até aos mais incrédulos

Onde ele não é percebido

Notamos as pegadas de sua ausência:

Secura, tons acinzentados, amargor

Opacidade, escuridão, tristeza

Lágrimas, espaços vazios, vácuos

Mas ele está lá, em forma de semente

Pronta para germinar à primeira gota d’água

Ao calor do primeiro raio de sol

Ao cuidado de um mínimo gesto de reciprocidade

Vira broto, desenvolve raiz, cresce

Torna-se flor, árvore frondosa

Sem precisar fazer sombra ou derrubar outras “árvores”…

Alda M S Santos

Ninhos vazios?

NINHOS VAZIOS?

Um ninho vazio, aparentemente um emaranhado, muito bem tecido

Fios, fiapos, pequenas linhas e folhas, galhos, tudo bem escolhido

Montado com o máximo capricho e cuidado

Amor e proteção em cada mínimo detalhe

Para realizar desejos, receber bênçãos, dar vida ao que foi sonhado

Há pouco eram só penugem, fome, pios, bicos abertos

Carinho ao alcance das mãos, ou melhor, dos bicos famintos

E logo se transformaram em penas, força, canto, asas, voo

Inseguro, a princípio, raso, baixo, assustado

Seguido de força, coragem, beleza e encanto

Proporcionando muito orgulho àqueles que no ninho ficaram

E, paradoxalmente, uma alegria salpicada de tristeza, de saudade

O amor tem o dom de alimentar quem trata de alimentar o outro

E o alimento parece faltar a quem não tem mais os alimentandos

Aquele ninho não é mais útil, não os cabe mais

Não para a mesma finalidade, ficou apertado para o tamanho de suas asas

O alimento dali já não é nutritivo o bastante

Mas quem aprendeu a se alimentar nesse bico

Quem cultivou o amor no pulsar desse coração

Quem ali desenvolveu os músculos das asas e alçou o primeiro voo

Não se esquece…

E se lembrará quando novo ninho for tecer

Com o mesmo amor e cuidado

Vida e amor se renovam

E mantêm os ninhos sempre cheios…

Alda M S Santos

Ruínas

RUÍNAS

Mergulhar no que acreditamos serem nossas ruínas

Limpar áreas empoeiradas de nossa alma

Quase nunca visitadas, negligenciadas, até temidas

Pode nos levar a encontrar objetos esquecidos

Partes importantes de um quebra-cabeças que julgávamos perdido

Uma figurinha que faltava no nosso álbum de vida

Uma flor desidratada dentro de um livro que irriga nossos olhos

Uma dedicatória significativa e estimulante, que injeta ânimo e coragem

Coisas que julgávamos mortas e sepultadas que ressuscitam

Como uma criança que revisita o quartinho de brinquedos velhos

E volta de lá feliz com muitas coisas “novas” ou perdidas

Para voltar a brincar…

Ruínas podem ser muitas vezes

Apenas partes de nós

Que, se bem avaliadas e cuidadas ,

Podem voltar à vida e brilhar tanto ou mais do que antes…

Alda M S Santos

Hipoteticamente

HIPOTETICAMENTE

Hipoteticamente, poderíamos ser proprietários de uma indústria internacional com milhares de funcionários

Mas preferiria exercer com amor e tranquilamente a profissão que escolhi

Hipoteticamente, poderíamos viajar e conhecer o mundo inteiro

Mas me contentaria em viver num lugar que gostasse e conhecer poucos outros que me fizessem feliz

Hipoteticamente, poderíamos conquistar todos os amores do mundo

Mas preferiria um único, só meu, verdadeiro, real, que me tivesse como alguém especial

Hipoteticamente, poderíamos ter milhares de amigos a nos saudar todos os dias

Mas preferiria apenas alguns que de perto me abraçassem e me acariciassem com palavras, com o olhar

Ou de longe pensassem em mim com carinho e me dedicassem orações sinceras

Hipoteticamente, poderíamos viver com familiares numa mansão luxuosa no primeiro mundo

Mas me bastaria uma casinha simples no meu país com uma família amorosa e presente

Hipoteticamente, poderíamos ajudar e fazer o bem a milhares de pessoas

Mas ficaria feliz se conseguisse ajudar aos mais próximos e não prejudicasse a vida de ninguém

Hipoteticamente…deixemos pra lá

Sonhar é bom, mas fazer da realidade nosso sonho mais lindo é carícia na alma.

Alda M S Santos

Eis-me aqui

EIS-ME AQUI

Na simplicidade de uma criança a balançar na gangorra na mangueira

Na singeleza da rosa que equilibra em suas pétalas o orvalho da manhã

No remanso do rio e no caminho que percorre o pescador

Ele está!

Na chuva que cai torrencial sobre a terra como maná

No sol que se levanta e se põe na hora certinha, brilha, aquece e gera vida

No amor infinito da mãe que acalenta seu rebento

Nos olhos saudosos e cansados dos idosos

Ele está!

Na alegria que nasce nos corações daqueles que amam

Na tristeza que mina as forças, que gera rios de lágrimas

Na vida que nasce a cada amanhecer ou morre a cada entardecer

Na sinfonia dos pássaros a procriar

Nas águas insistentes da cachoeira a moldar as pedras

No manto escuro salpicado de estrelas que cobre a noite

Ele está! Ele é perfeito!

Ele é pai e, sabendo que Ele está, sei que estou aqui, que sou aceita…

Sou filha! Sou imperfeita!

Filha de muitas alegrias, dores, vitórias, derrotas,

Angústias, saudades, erros, acertos, amores e desamores…

Eis-me aqui…

Alda M S Santos

Mal acostumados?

MAL ACOSTUMADOS?

Um dia, aguando o jardim fui alertada a reduzir a irrigação

“Não pode molhar todos os dias, vão se acostumar e sentir falta depois…”

Quantas vezes usamos esse raciocínio para a vida?

O quanto de bom somos privados para não ficarmos mal acostumados?

Um alimento, um passeio, noites de sono, descanso

Companhias, risadas, carinho, amor…

Claro, toda mudança é sentida

Particularmente quando algo de bom é retirado

Cuidar para não criar dependência do que é impossível manter é sábio

Mas privar-se de algo prazeroso pra não sentir falta depois

Não me parece muito inteligente.

E as flores recebiam felizes a água que eu as oferecia diariamente,

Amanhã é outro dia. Incerto.

Se precisarem buscarão reservas no solo

Como nós buscamos reservas em nossa alma quando precisamos

Se ela estiver bem nutrida,

A vida segue florida…

Alda M S Santos

Bosque particular

BOSQUE PARTICULAR

Se nossa vida fosse resumida num bosque, numa mata

Como ela seria?

Quantas árvores frondosas, antigas

De copa acolhedora, troncos maciços, galhos grossos e retorcidos teríamos conservado?

Seria fechada, cheiro de terra úmida, cantos de pássaros

Insetos, vento soprando suavemente?

Teria nesgas de luz do sol a passar insistente entre os galhos e iluminando o chão repleto de folhas e frutos?

Haveria árvores novas crescendo felizes entre as matriarcas?

Seria uma mata convidativa ou amedrontadora?

Teríamos arrancado alguma árvore antiga ou impedido uma nova de crescer?

A majestade de uma mata está na diversidade, na segurança

Na capacidade de acolhimento que nos fornece gratuitamente

Conservar árvores antigas é manter a possibilidade de se recostar e descansar

Cultivar árvores novas é a capacidade de seguir em frente, de nos renovarmos sempre

Natureza que sempre ensina…

Alda M S Santos

Eterno

ETERNO

Em nossa finitude humana pretendemos a eternidade

Nos tornarmos eternos é nossa “necessidade”

Queremos o que é eterno, o que de nós for duradouro, infinito

No que há de mais real, profundo e verdadeiro,

Somos eternos na parte de nós viva em nossos filhos

Sentimo-nos eternos no olhar do amor infinito de alguém que repousa sobre nós

Somos eternos nos pais que têm nossas feições gravadas na mente

Somos eternos nas marcas profundas feito ferro em brasa que deixamos naqueles para os quais fazemos o bem

Também somos eternos, infelizmente, naqueles que fazemos o mal.

Encontramos eternidade apenas nos relacionamentos

Essa necessidade de eternidade guia nossas vidas

Mas só somos realmente eternos naqueles que amamos, que nos amaram

Nos recantos dentro deles onde transitamos, estacionamos

Somos eternos quando Ele nos olha e Se vê nos nossos olhos,

Mas principalmente quando nos enxerga no que deixamos de bom dentro dos outros…

Alda M S Santos

Nossos horizontes

NOSSOS HORIZONTES

O tamanho de nossos horizontes,

A distância que eles se encontram de nós

As possibilidades que nos apresentam

Dependem muito dos caminhos que percorremos primeiro dentro de nós

A princípio, o horizonte pode ser extenso, lindo, colorido

Mas com o tempo pode ir se reduzindo, perdendo a beleza, as cores

Quando nos prendemos demais nos caminhos tortuosos dentro de nós mesmos

Podemos nos perder, nossos horizontes parecerão menores, mais distantes, impossíveis

Vão diminuindo, se amiudando…

Para enxergar as possibilidades que o horizonte nos oferece

É preciso tirar o foco de nossos labirintos internos

E olhar ao longe…

Alda M S Santos

Subversivo

SUBVERSIVO

Quando estiver num ambiente e faltar amor

Seja o subversivo: ame!

Espalhe o amor, plante o amor

Subversivos têm facilidade para atrair seguidores

Para contagiar, impregnar

E não há vacina que resolva!

Alda M S Santos

Para onde voltar

PARA ONDE VOLTAR

Ter pra onde ir, mesmo sem saber ao certo o lugar, é bom

Abrir caminhos nessa imensidão, com a precisão da lâmina afiada da foice da nossa ansiedade

Com a velocidade e força da vida que pulsa e corre em nossas veias

Desejo de conhecer o mundo além de nossas porteiras fechadas

Conquistá-lo, vencê-lo, fazer história,

Atrelar nossa história à história de alguém,

Deixar nossas boas sementes plantadas para a posteridade

Colher bons frutos, chorar pelos que não vingaram

E chega a hora de querer voltar…

Voltar pra onde?

Temos para onde voltar?

Aquela porteira de outrora abrirá para nós novamente?

Irá nos reconhecer?

Pais, avós, amigos, nós mesmos, o quanto nos distanciamos?

Caberemos lá dentro, agora que os sonhos foram satisfeitos ou esquecidos

As angústias controladas, os medos vencidos

E a vida já não pulsa tão forte em nós quanto águas de cachoeira na serra

Mas na tranquilidade das águas de um rio que segue seu curso, seu remanso

Sabendo-se vida para tantos…

Queremos sempre voltar em algum momento

Como se algo precioso tivesse ficado lá atrás

Alguém a quem prestar contas do que foi vivido, uma avaliação

Voltar para nós mesmos, nos reconhecer, é um bom começo

Olhar naquele espelho da casinha simples de adobe que muitas vezes buscamos

Ver nos olhos que aquele espelho reflete os olhos Dele a nos receber

E poder nos dizer “que bom que está aqui e, apesar de mudado, reconheço você, sua essência se preservou”

Alguém que encontrou o retorno dentro de si mesmo

E não tem do que se envergonhar, ou quase não tem

Isso é ter pra onde voltar…

E sem medo de não ser bem recebido!

Ter pra onde ir é muito bom

Ter pra onde voltar é maravilhoso…

Alda M S Santos

Tempestade se armando

TEMPESTADE SE ARMANDO

Nuvens escuras se atropelam no céu

Numa corrida frenética e assustadora

Pássaros se recolhem desarvorados

Mulheres correm a recolher roupas na cerca

Folhas parecem ter asas na forte ventania

Crianças brincam nos redemoinhos de poeira felizes

Beija-flores fazem uma refeição na flor que balança

Um pai chama o filho para dentro

Um boi muge ao longe, cães procuram abrigo

Macacos gritam na mata, uma seriema passa correndo

As árvores sabiamente dançam ao sabor do vento,

Sabem que não adianta resistir…

Relâmpagos riscam o céu, trovões gritam sua força

E a água cai forte e certa do que está fazendo…

Molha, lava e leva tudo numa beleza impressionante

A terra absorve o que dá conta e deixa ir o que sobra

Confia que tudo está em seus devidos lugares…

Quiséramos ter a sabedoria da natureza!

A tudo observo maravilhada, sinto-me parte

Levanto da rede, deixo o livro, e vou passar um café…

Aceitam?

Alda M S Santos

No contrafluxo

NO CONTRAFLUXO

Estradas cheias, acidentes

Corpos e mentes em ebulição, expectativas

Marchinhas, samba, dança, folia, abadás

Fantasias, plumas e paetês

Mata, estrada de terra, bichos, rede na varanda

Fogão à lenha, cachoeira, rios, pássaros a cantar

Uns no fluxo, outros no contrafluxo

Nesse carnaval cada qual

Escolhe o fogo que quer acender…

E que a diversão seja certa!

Alda M S Santos

Estradas

ESTRADAS

Avistar uma estrada é vislumbrar caminhos

Antecipar destinos, sonhar com o novo, o inesperado

É ser atraído para novas conquistas, desbravamentos

É ter a alma rasgada, exposta

É ter sonhos costurados com a linha verde da esperança

Pode ser uma estrada pavimentada, moderna, movimentada, esburacada

Uma estrada de terra, isolada, cercada de mata nativa e alguns cavaleiros

Uma estrada no ar, entre a magia, brancura e maciez das nuvens de algodão

Uma estrada nas águas, sobre ou sob elas, submersos em expectativas, nadando de braçadas rumo aos sonhos

Uma estrada de ferro, com a fumaça e o apito do trem a traduzir nossa trilha sonora

Pouco importa…

Estamos numa estrada todo o tempo

A estrada da vida…

Tendo ou não consciência dela,

Nós a transitamos dia após dia

Estamos em paralelas com a estrada de alguns, cruzamos a estrada de outros,

Ajudamos, às vezes atrapalhamos o trânsito de algumas

Mas seguimos, fazendo nosso caminho…

Não saber o que vem à frente, qual o destino

Ou quando pode ser bruscamente interrompida

São motivos bastantes para fazê-la valer a pena…

Alda M S Santos

Precisamos acreditar em nós

PRECISAMOS ACREDITAR EM NÓS

Precisamos acreditar que tudo podemos se lutarmos

Mas não nos abater tanto quando algo não sair como o planejado

Precisamos acreditar que há amizades verdadeiras, amores eternos, vivos dentro da gente, que não caem ao primeiro vento

Mas não desistir da vida e dos relacionamentos se uma amizade ou um amor, por motivo qualquer, se for

Precisamos acreditar que construímos nossos caminhos, que fazemos nossas escolhas

Mas não nos punirmos ao ser preciso voltar quando um caminho se mostrar sem saída, ou uma escolha não for apropriada

Precisamos agradecer por sermos importantes, a “vida” de alguém, por termos pessoas importantes, nossas vidas

Mas não estacionarmos quando precisarem viver suas vidas além de nós

Precisamos acreditar nas cores da vida, no brilho, na sua capacidade de nos atrair

Mesmo quando enxergamos apenas cinza, através do brilho das lágrimas, da saudade ou da desilusão

Precisamos acreditar que tudo passa, bom ou ruim, cedo ou tarde

E que nossa flexibilidade perante os acontecimentos nos torna mais aptos a enfrentá-los

Precisamos acreditar que os melhores caminhos são os abertos a ferro e fogo, ou com carinho, em nossas rochas internas, que levam a recantos secretos, mágicos

São eles que precisamos percorrer quando algo se complica, por onde passam as águas que nos trazem vida

E é de onde buscamos forças para prosseguir

Precisamos aceitar que somos seres errantes, imperfeitos, que estamos aqui para aprender

Precisamos acreditar em nós!

Alda M S Santos

Pontes

PONTES

Pontes são convites, são chamados

Elos a permitir a ida de um lugar a um ainda não-lugar

Aquele que vemos apenas pelas frestas das persianas de nossa mente

Apresentar o desconhecido ao conhecido

Possibilitar o novo, encorajar

Passarelas ou pinguelas, as físicas ou as mentais

Assustadoras para muitos, paralisantes

Fundamentais para tantos…

Necessárias onde há falhas no caminho, obstáculos, interrupções

Rios, mares, montanhas, abismos

Aqueles da natureza ou dentro da gente

Não vale é ficar parado onde já esgotou possibilidades

Ou no meio da ponte a impedir o caminho dos outros

Ou ainda esperando até as forças faltarem para a travessia

Encontrar pessoas ponte, pessoas pinguela

A nos dar as mãos, acalmar nossos medos

Encorajar cada passo na pinguela

“Em frente, não olhe para baixo”

“Um passo de cada vez, tá quase lá, estou aqui”

São ouro num mundo tão cheio de muros…

Alda M S Santos

Ele sempre volta

ELE SEMPRE VOLTA

Estava escondido, encoberto, mas sempre lá

Sabe que é necessário, às vezes, ceder lugar, recolher-se

Deixar a natureza agir, molhar-se, hibernar

Confia em sua capacidade de resistir, de aquecer, mesmo entre nuvens

Ou debaixo de chuva constante

Sabe que tem seu lugar conquistado

Volta quente, lindo, brilhante como nunca

Alguns estranham, ficam ofuscados sob tanto brilho e calor

Outros, aceitam e saúdam o Sol em suas vidas

“Que bom que você voltou, senti falta do seu brilho e calor”

Quem soube aproveitar a chuva,

Se irrigar, abastecer seus mananciais

Lidar bem com a ausência do Sol

Saberá recebê-lo de braços abertos

Aquecer-se novamente, sabendo que somos assim mesmo

Nossa natureza é feita de presenças e ausências

De Sol e chuva, dia e noite, luz e sombras, sorrisos e lágrimas

Vive melhor quem aprende a lidar com elas

A estar preparado para esse constante vai e vem

Fácil? Nunca!

Mas a vida se impõe e vale cada aprendizado!

Alda M S Santos

Contradições (des)humanas

CONTRADIÇÕES (DES)HUMANAS

Silenciar, quando o desejo é gritar

Conformar-se, quando a sombra deixada pede luz

Acreditar, quando há tantos incrédulos e mentirosos

Justificar um erro, apoiado em erros alheios

Agir de modo contrário ao que se apregoa

Querer o que é eterno, destruindo eternidades

Gostar de jardim florido, mas não regar, não cuidar da terra

Mascarar para si mesmo o que está óbvio para todos

Insistir no mesmo erro infinitas vezes

Apontar no outro uma falha que é sua

Querer colher aquilo que não plantou

Plantar ou construir em terreno que não é próprio, que não pode colher

Fazer ao outro o que não aceitaria que fizessem consigo

Confiar, gerando desconfianças

Querer mudanças, sem ações concretas, sendo sempre o mesmo

Amar, mesmo sendo derrubado infinitas vezes.

Viver, mesmo que a “morte” se insinue todo o tempo

Somos assim, humanos carregados de desumanidades, em evolução…

Alda M S Santos

Rachaduras

RACHADURAS

Somos feitos de gretas, falhas, rachaduras, frestas

Pelas gretas é que entram os amores, desavisadamente

Num momento de distração ou fragilidade, tomam posse

E são a liga que une o que há de melhor em nós ao outro

Mantendo-nos estáveis, mesmo sob constantes balanços

Pelas rachaduras é que saem as decepções, amarguradamente

Quando estão nos sufocando buscam ar, aos goles, aos borbotões

E deixam extravasar os excessos, permitindo novo respirar, sobrevivência

Pelas frestas podemos antecipar maremotos e nos preparar

Essas falhas em nossa rocha permitem a água passar sem grandes danos

Tapar nossas gretas e rachaduras não é muito sábio

Uma estrutura sem gretas, sem rachaduras, sem frestas, sem “falhas”

Que permitam que nosso prédio interno se ajeite, se estabilize, se reorganize, dilate

Nos balanços das grandes tempestades

Pode ruir, implodir, explodir, desmoronar…

Alda M S Santos

Em casa

EM CASA

Sinto-me em casa quando posso ser quem sou

Sem constrangimentos, andar descalça, descabelada, ou não

Nua em pelo, de corpo e alma

Ou num moletom desbotado e nada sexy

Sem temer julgamentos ou represálias, sem falsos pudores

Com a certeza de ser aceita como sou

Dizer tudo que aprouver, ouvir sem resistência, com prazer

Ou silenciar, sem causar lacunas desagradáveis

Usar aquele baby-doll confortável que mais parece um abraço

Aqueles chinelos gastos como as memórias

Ouvir e cantar a música preferida bem desafinada, não importa

Esparramar na rede, ler um bom livro,

Entregar-me às boas memórias, às saudades, aos sonhos

Assistir um filme no sofá com um pote grande de pipoca

Ouvindo a chuva cantarolar feliz no telhado

Numa sintonia perfeita com minha alma

Aceitação total de quem sou, sem amargar culpas

Aceitando as pedras que aparecerem como oportunidade de superação

Sem ferir ou machucar ninguém, ajudando, se possível

Sabendo que Alguém lá em cima me ama e olha por mim

Isso é estar em casa!

Qualquer lugar ou pessoa que nos faça ser ou sentir diferente disso

São, no máximo, tolerados…

Estar em casa é um estado de espírito de graça

De simplicidade, harmonia e paz…

Alda M S Santos

Quando lagartas

QUANDO LAGARTAS

Difícil quem ache nelas beleza

Nas atemorizantes e assustadoras lagartas…

Amam as borboletas, matam as lagartas

Sem elas, contudo, não há o leve voo de extrema delicadeza

Das lindas e coloridas borboletas…

Somos muito assim

Nossa fase lagarta muitas vezes amedronta

Aos outros, a nós mesmos

Outras vezes não queremos sair, como afronta

E estacionamos na fase lagarta, no estágio casulo nos prendemos

Sentimos falsa proteção no “conhecido”

Não deixamos a vida fluir

Impedimos a metamorfose

E perdemos a beleza que cada fase tem

Se quisermos apreciar uma borboleta, sermos uma borboleta

Precisamos encarar de frente e com coragem nossas lagartas…

Alda M S Santos

Quanto vale uma vida?

QUANTO VALE UMA VIDA?

Uma pergunta difícil : quanto vale uma vida?

Uma vida vale tudo, mas não há nada que pague.

Também não vale nada, visto que não há valor material que possa sustentá-la

E tantas vezes parece estar presa a um único fio…e perdura

E outras, parece forte… e se perde

Vale o tamanho do nosso amor, da dor que fica

Da ausência deixada, da lacuna não preenchida

Como amor não tem medida, a vida também não tem…

Qualquer vida que se perde

Que permitimos que se vá

Que não conseguimos impedir a partida

É uma perda irreparável,

Independente de quem foi

Sexo, idade, classe social, instrução, religião, profissão…

É sempre um projeto de Deus interrompido…

E uma vida nunca pode substituir a outra

Cada vida é única e especial

Algumas são mais preciosas para a gente que outras

São aquelas que Deus nos entregou nas mãos e disse

“Cuida, confio em você”!

São aquelas pelas quais seremos cobrados

São aquelas que trazem tudo de bom que temos

Que fazem a nossa própria vida ser preciosa

Que nos alimentam de sorrisos e lágrimas

Que nos fazem acender, manter e fazer valer nossa porção divina…

Alda M S Santos

Qual seu barato?

QUAL SEU BARATO?

Em tempos dos mais variados alucinógenos

Das mais complexas e temidas doenças mentais e emocionais

Fugas são sempre um modo de reagir ao que incomoda

Os “baratos” são meios de tornar mais leve o que é pesado

Drogas de todo tipo dão a ilusão de paz

A falsa sensação de leveza que acaba por tornar-se mais pesada

Qual meu “barato”?

Leitura: viajo muito, de graça, sem sair do lugar

Natureza: encontro com o que tenho de mais natural

Música: a preferida, bem alta, com risos ou lágrimas e possibilidade de catarse mental

Escrita: divido com os outros o que nem eu mesma entendo

Atividade física: extravaso energia

Qual seu barato?

Alda M S Santos

No livro da minha vida

NO LIVRO DA MINHA VIDA

Quem sou no livro da minha vida?

Autora, protagonista, coadjuvante,

Ou apenas mera figurante?

Qual a trama que me envolve

Fujo dela, enfrento, busco novos cenários

Encontro outros núcleos importantes,

Ou sou fechada em mim mesma?

Possuo par romântico, sonhos e ideais compartilhados

Ou sou autossuficiente e basto a mim mesma?

Sou daquelas mocinhas românticas e sonhadoras

Ou a “bandida” que faz mal aos outros e a si mesma?

Tenho trilha sonora própria e melodramática

Ou sou lutadora, guerreira, corajosa, humana

Mesmo sem perder a feminilidade, a doçura?

Sou um livro aberto, claro e cristalino

Ou daqueles cheios de suspense e mistério

Onde ninguém sabe o que esperar do próximo capítulo?

Quem sou eu no livro da minha vida?

Mesmo redescobrindo a cada dia quem sou

Fundamental é não desistir nunca dessa história

Sou responsável por essa edição, sucesso ou não!

E você, que personagem é?

Alda M S Santos

Céu e inferno

CÉU E INFERNO

Ansiamos pelo céu, tememos o inferno

Mas ambos estão muito pertinho de nós

Na verdade, ambos estão dentro de nós, ou nós dentro deles

Estamos no paraíso quando experimentamos boas sensações

Amor correspondido, amizade sincera, família unida

Corpo e mente saudáveis, paz conosco mesmos

Tudo lá fora torna-se lindo, colorido, brilhante, mesmo com raios e trovões, gelo ou nuvens pesadas…

Isso é paraíso.

Experimentamos o inferno quando não temos sintonia conosco, com os outros

Quando faltam empatia, amor, amizade, sossego

Quando sobram culpas, autoflagelos, dores, males físicos e mentais

Autopiedade, desconfianças, desamor, escuridão

Lá fora pode ser um espetáculo maravilhoso, sol quente, amor, natureza viva

E nós de olhos cerrados nos sentindo destruídos …

Isso é inferno.

O céu e o inferno, se fossem um lugar específico

Se tivessem que ser localizados num mapa

Seriam dentro de nossa própria mente, de nossa consciência

No mais íntimo de nossa alma

E depende de nós entrar ou sair de cada um deles

Fazer malas, mudar, deixar pra trás o que fere, ainda que com sofrimento

Mudanças sempre são dolorosas

E não precisamos morrer para isso…

Alda M S Santos

De tudo um pouco fazemos nosso tudo

DE TUDO UM POUCO FAZEMOS NOSSO TUDO

Um pouco de tudo, de tudo um pouco

Recheamos de amor, sorrisos

Compreensão, abraços, beijos, solidariedade

Troca de calor, de empatia, de lágrimas, doação de amor

Prazer na presença, nas companhias

De pouco em pouco, de muitos poucos,

Amizade embebida de amor, carinho, saudade

Embrulhamos na embalagem do amor e nos fazemos felizes…

Um pouco de tudo, de tudo um pouco

Tornam, assim, parte de nosso tudo…

Alda M S Santos

#carinhologos

#carinhologossolidarios

Muitas maneiras de estar sozinho

MUITAS MANEIRAS DE ESTAR SOZINHO

Um dos grandes temores de todos nós: a solidão

Tantas são as maneiras de se estar só

Cercados de gente, numa festa ou num bar

No trabalho, na academia, no lar ou na igreja

Pode-se estar mais só que sozinho no quarto,

No alto de uma montanha, num hospital, numa casa de repouso ou numa praia deserta

Solidão é estado interior, é negação da própria presença

Se dentro estiver vazio ou mal preenchido

Se não houver amor próprio e boas lembranças

Consciência limpa e fé no caminhar, no porvir

Podemos nos cercar de tudo e de todos

Que a sensação de solidão persistirá

Antes de buscar superar a solidão com companhias

Transferir para o outro a responsabilidade de nos preencher, que é nossa

Precisamos estar bem com nossa própria pessoa,

É com ela que sempre poderemos contar…

Alda M S Santos

Sim ou não

SIM OU NÃO?

Se é sim tudo é animação

Se é não quase sempre é frustração

Mas não se deixe enganar, meu irmão

O sim quando precisa ser não

Ou o não quando deveria ser sim

Fazem muita confusão na mente de qualquer Cristão

Sim ou não?

Pergunte ao seu coração

E o ouça com ajuda da razão

Sim ou não?

Porque em quase toda situação

É você quem paga o alto preço, ouve o sermão

E aguenta-se nos rochedos a forte arrebentação…

Alda M S Santos

Perpetuando a espécie

PERPETUANDO A ESPÉCIE

Sempre tão ágeis, ariscos e espertos

Instinto de autopreservação aguçado

Quase nunca conseguimos nos aproximar

Basta o amor…

E a vida se põe em risco!

Não veem o perigo se aproximar

Disfarçado de turista, pescador

Ou simples admirador das belezas naturais…

Perpetuar a espécie também é se preservar

Cuidar de si, do outro

Viva o amor!

Alda M S Santos

Iemanjá e a fé

IEMANJÁ E A FÉ

Fé: cada qual tem a sua, tão particular, tão individual

Outras vezes tão radical, extremista, excludente

Fugindo, assim, à razão de ser de toda fé

Nos tornar melhores pessoas, mais tolerantes, mais humanas, mais felizes…

Não importa se cremos na proteção da Nossa Senhora dos Navegantes,

Em Iemanjá, a rainha do mar,

Se ofertamos oferendas ou não

Ou se em nada disso cremos

Importante é respeitar a fé de todos

E que nossas atitudes perante a vida

Sejam sempre “oferendas” de amor e paz…

Basta de “guerras santas”!

Alda M S Santos

Medo de não ter medo

MEDO DE NÃO TER MEDO

Sentir medo é uma sensação desagradável

Hormônios liberados como a adrenalina causam mal estar e ansiedade

Medo de perder pessoas amadas

Medo de ser roubado, invadido

Medo de perder a saúde

Medo de não se sentir amado ou querido

Medo de fazer mal aos outros

Medo de não se encantar perante a beleza da natureza ou um ato de bondade

Medo de não amar, não sentir saudade

Não se sensibilizar perante os sofrimentos alheios

Medo de perder a fé em Deus

São muitos os medos que podem nos assolar…

Mas, mesmo desagradáveis,

Meu pior medo é o de não sentir qualquer medo

Seria sinal de que nada tenho de valioso a perder

Indiferença perante a vida

Esse sim é um medo perigoso

Isso seria quase morrer…

Alda M S Santos

Reclamações

RECLAMAÇÕES

Não podemos reclamar das flores murchas no jardim

Se não formos bons e zelosos jardineiros

Não podemos reclamar da destruição das tempestades

Se nós mesmos ignoramos as advertências da meteorologia

Não podemos reclamar da solidão

Se nós mesmos não cultivamos bons e saudáveis relacionamentos

Não podemos reclamar da saúde

Se negligenciamos cuidados mentais e físicos

Não podemos reclamar do tédio da vida

Se não buscamos algo de útil para nos ocupar

Não podemos reclamar do sol que nos castiga a pele

Se nós mesmos derrubamos as árvores que nos dariam sombra

Não podemos reclamar de dores físicas

Se nós mesmos criamos a carga a pesar nossos ombros

Não podemos reclamar pelo que não temos, por ausência de amor

Se nós mesmos que fizemos nossas escolhas

E não cultivamos o bom que se apresentou

Até podemos reclamar, mas que as reclamações se convertam em mudanças

Necessário é que deixemos o que faz mal ser levado,

Que possamos receber de braços abertos o novo, o correto, que faz bem

Buscar ações que partam de dentro de nós mesmos,

E nos tornem, a nós e aos outros, mais felizes…

Alda M S Santos

Viver não é fácil

VIVER NÃO É FÁCIL!

Maior que a satisfação de ficarmos e nos fazermos bem

É a responsabilidade de fazermos felizes aqueles que caminham conosco

Que dividem o mesmo espaço conosco nessa dimensão

Quer sejam filhos, pais, irmãos, cônjuge, amigos…

Viver é mais do que cuidar de nossa própria felicidade

É estar atento para não descuidar da vida daqueles que nos foram confiados

E cuja felicidade está diretamente ligada a nós

Somos responsáveis por nossos atos

E, de certa forma, pelos atos que viermos a despertar nos outros: bons ou ruins, leves ou pesados

Vidas se entrelaçam e se interdependem

Viver é, além de buscar pela nossa felicidade,

Cuidar para não bagunçar a felicidade dos outros,

Se possível, fazendo felizes aqueles que de nós se aproximarem

Quem foi que disse que viver é fácil?

Alda M S Santos

Sobras de um amor

SOBRAS DE UM AMOR

Pequenos pedaços de fotos queimadas

Um sorriso numa, um beijo noutra, abraços rasgados ao meio

Partes de uma paisagem linda

Porta-retratos quebrados, cartões de aniversário amassados

Souvenirs, uma pulseira com o símbolo do infinito

CDs de músicas, filmes, poemas, vidros de perfume,

Entre as cinzas de uma fogueira, partes de uma história

Tentativa vã de apagar o amor vivido queimando símbolos

Ao rasgar, queimar, destruir as “provas” do vivido

Espera-se esfriar o que queima e machuca por dentro

Um modo de dizer: fim, acabou

Logo percebe-se que o que ocupou 100% de seus dias

Não se finda numa fogueira, não vira cinzas tão facilmente

Enquanto não se fizer as pazes consigo mesmo, com sua história

Aquela que está registrada nos corações, na alma

Permanecerá em fogo brando

Ainda que tudo tenha sido queimado lá fora…

Alda M S Santos

Gratidão

GRATIDÃO

Gratidão: uma das mais raras e complexas virtudes

Exige uma alma evoluída e em paz consigo mesma

É tão necessária para conquistarmos o que almejamos

Para seguirmos em frente, acertando o passo conosco mesmos

Saber olhar para trás e ser gratos ao que ficou lá,

Ao que recebemos de variadas fontes ou pessoas,

Mesmo que ainda faça falta,

Entender que foi bom, foi útil, foi saudável

Nos possibilitou alegrias, amor, autoestima

E ficará guardadinho num espaço especial de nossos corações,

Lembranças para serem ativadas nos momentos de fragilidade

O bom deixa saudades, o ruim deixa aprendizado

Ser grato e respeitoso à vida que se apresentou

É um combustível excelente a mover nossos motores

Rumo à felicidade…

Alda M S Santos

Dia da Saudade

DIA DA SAUDADE?

Dia da saudade não existe

Existe motivo da saudade

E esse é apenas viver

Quem vive sente saudades

Deixa saudades,

E isso acontece dia após dia

Até sermos apenas saudade…

Alda M S Santos

O amor é autoexplicativo

O AMOR É AUTOEXPLICATIVO

O amor, se verdadeiro, ensina sempre, se autoexplica

Ensina a leveza, mesmo sob pressão

A sorrir, mesmo com lágrimas nos olhos

A abrir mão, a proteger, a querer o bem do outro

Amor que é amor não se impõe, não invade espaço alheio

Não consegue se esconder,

Não tem necessidade de se esconder

Brilha, irradia, ilumina tudo

Nada exige, ao contrário, se doa, sem medidas

Democrático, contempla a todos,

Independente de raça, credo, sexo, espécie ou qualquer coisa…

Amor nasce em ambientes inóspitos, floresce,

Se bem cuidado nos faz crescer como pessoas

Amor constrói pontes, derruba muros, cria asas

Não se firma ou cresce sob bases frágeis ou falsas, confia

Pode quase tudo, mas não faz propaganda enganosa

Não precisa de autopromoção, aceita o outro como ele é

Não faz promessas vazias,

Amor supera obstáculos, encontra caminhos, abre trilhas

Amor constrói famílias, une pessoas, nunca destrói, renasce das cinzas

Amor traz bem estar, nunca culpas, não se envergonha

Se machuca muito, se machuca o outro

Ou se depende de derrubar quem quer que seja,

Certamente está distorcido.

Amor que é amor está firmado em bases fortes e duradouras

Naquelas que Ele, o mestre do amor, nos ensinou…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: