Busca

Silêncio barulhento

SILÊNCIO BARULHENTO

No meu silêncio barulhento acalmo meus gritos

No meu barulho silencioso afogo minhas angústias

Silêncios que gritam, gritos que calam

Pacífico tormento…

Nas minhas angústias molhadas rego meus solitários momentos

Desses momentos (re)nascem traumas e sonhos

Dessa solidão bem nutrida colho as mudas de esperança

E descarto os medos já crescidos

Feito mato entre flores, enfrentamento

As esperanças viçosas e perfumadas tal qual rosas vermelhas

Alimentam e alegram meu viver nesse jardim, puro renascimento

E quanto mais as distribuo por aí

Mais elas crescem e perfumam em mim…

Alda M S Santos

Que seja o bem

QUE SEJA O BEM

Se for para se esforçar

Que seja com o peso do bem

Se for para sorrir ou chorar

Que seja por motivos do bem

Se for para se apaixonar

Que seja pela graciosidade do bem

Se for para se perder ou se encantar

Que seja pelos caminhos do bem

Se for para se encontrar

Que seja nos recantos do bem

Se for para repousar

Que seja no colo do bem

Se for para copiar

Que seja o que dá certo no bem

Se for para confiar

Que seja naqueles que propagam o bem

Se for para amar

Que seja para transformar o mal em bem…

Alda M S Santos

Deixe o vento levar…

DEIXE O VENTO LEVAR

Se está difícil fique contra o vento

Sem medos ou anseios

Abra os braços, a alma, sem lamento

Deixe o vento levar…

Feche os olhos, deixe-se tocar

Arrepiar, arrancar todo o tormento

Não segure nada que machuca ou angustia

Deixe o vento levar…

Forte ou frágil, seja resistente, sem ressentimento

Se só traz dor ou impede seu crescimento

Deixe o vento levar…

Inspire fundo, expire, libere todo o sentimento

O que for bom retornará para ti

Sem prejuízos ou arrependimento

Deixe o vento levar…

O que ficar vale uma vida, ainda que por breve momento…

Alda M S Santos

Fim

FIM

Do princípio ao fim

Ou do fim ao princípio

Tantas questões dentro de mim

Chego só, volto só

Enfim, qual é o propósito

Disso tudo, Serafim

Será o fim?

Aterrisso sem nada saber

Tenho tanto ainda para aprender

E já começo a voltar

Para casa regressar

Perco a mobilidade, a habilidade

A memória e, por vezes, a consciência

Não é uma incongruência

Disso tudo, Serafim?

Tudo que amealhei por aqui

Não mais me pertencerá

O que me acompanhará é aquilo que ganhei ou perdi

Conquistei ou doei, e que poderei também deixar

Com quem esteve comigo do princípio ao fim

Chego nua, volto vestida de Lua, perfume de jasmim

Várias fases, brilho e luz…

Um ciclo que se fecha em mim e me conduz…

Alda M S Santos

Sobras

SOBRAS

O que sobra aqui, falta lá

O que sobra lá, falta aqui

Espiritual, material, emocional

É preciso contrabalançar

Vivemos para tentar equilibrar

Fazer com que sobre menos

Lá e cá …

Diminuir as carências

De lá e de cá…

Equalizar essa balança

E fazer dessa dança existencial

Mais do que um solo que encanta

De preferência, um dueto emocionante

Um espetáculo sem igual…

Alda M S Santos

E o frio chegou…

E O FRIO CHEGOU…

E o frio chegou…

Tempo de desembaraços, de criar laços

De acertar os passos

E se aquecer em abraços

E o frio chegou…

Hora de fogueira ou lareira

Tempo de filme, pipoca e edredom

Na vitrola um nostálgico som

Luz baixa, química alta, tudo de bom

E o frio chegou…

Tempo de hibernar, reservar energia

Buscar intensamente uma calmaria

Numa taça de vinho encontrar a magia

E diante disso tudo entregar-se à vida

Que a tantos contagia…

E o frio chegou…

Alda M S Santos

Estar perto

ESTAR PERTO

Quando algo incomodar a quem se ama

Nem sempre é preciso expor, falar, dialogar

Um simples silenciar pode ajudar

Às vezes nada concreto falta

Talvez apenas uma angústia no existir

Uma saudade de não se sabe o quê

Uma mágoa qualquer do viver, do porvir

Uma esperança por um sonho difícil

Pode ser uma preocupação excessiva

A fé que esqueceu de se fortalecer

Algo bom que deixou de acontecer

Ou apenas uma fase de muito cansaço

Dores emocionais, carência pessoal

Para qualquer uma dessas coisas

Basta ficar pertinho, estar ali, bem sentimental

Um toque, uma presença, um carinho especial

É um remédio sem erro, de eficácia total!

Alda M S Santos

Fascinação

FASCINAÇÃO

Não há fascínio tão grande

Quanto aquele diante do mar

Tanto faz se é a primeira

A segunda ou a vigésima vez a olhar

Um mundo de mistérios que amedronta e encanta

Beleza que se move, aquieta, envolvente

Dispara o coração, aciona a imaginação

E nos atrai para si, lentamente

Águas calmas ou revoltas

Numa dança contínua e sensual, cativante

Vai e volta, canta, silencia, conquista

Aos nossos pés repousa, apaixonante…

Entregues ficamos

Fascinante…

Alda M S Santos

Espaços em branco

ESPAÇOS EM BRANCO

Ninguém precisa ter todos os espaços preenchidos

Ninguém precisa preencher “falhas”dos outros

Ou ter todos os seus “quadros” pintados

Precisamos de telas em branco

Para fazermos dia a dia nossa obra de arte

Todos nós necessitamos desse espaço livre dentro de nós

Para que haja oxigenação, livre transitar

Para que a imaginação cresça, o amor floresça

Para que a luz penetre, aqueça

Para que não soframos de excessos

Para que encontremos aquilo que procuramos

Para podermos acolher o que nos fizer crescer

Para que as emoções possam livremente se expressar

Para que não se crie bolor por falta de uso

Tampouco grandes feridas por fricção e uso inadequado

Para que quando voltarmos para casa

Tenhamos usufruído de todas as nossas possibilidades…

Alda M S Santos

Põe na conta

PÕE NA CONTA

Aquele sorriso amarelo e sem graça

Aquela angústia que machuca e o peito amassa

Aquela vontade de chorar que não passa

Põe na conta das tristezas que nos fazem crescer

Aquele sol que nos acorda com alegria

Acompanhado de um beijo de bom dia

E de um café quente que anestesia

Põe na conta dos encantos que nos fazem florescer

Aquele sonho bom do qual não queremos acordar

Aquela lembrança ou saudade gostosa que nos faz vibrar

Aquele abraço e cuidado que só o amor é capaz de proporcionar

Põe na conta das esperanças que nos fazem viver…

Alda M S Santos

Sem pretensões

SEM PRETENSÕES

Não quero ser a mais inteligente que entende tudo de tudo

Ou que ignora pensadores e construtores do saber

Nem a mais culta ou sociável que agrada a todos

Tampouco a mais bela, a que para o trânsito

Ou a perfeitinha e boazinha que a todos atende

Aquela totalmente maleável, pacífica, que nunca se enerva

Sorrindo sob o peso do andor

Que molda-se ao gosto do freguês

Nem mesmo a madame mais chique ou luxuosa

Não quero! Impossível!

Não tenho essa pretensão

Seria impossível conquistar, pesado manter, difícil sustentar

E totalmente desnecessário…

Quero apenas ser eu mesma

Prefiro as imperfeições que vão sendo aparadas

Nas dificuldades e decepções diárias

Quero ser inteligente o bastante para sempre evoluir

Sabendo até onde ir

Sem contudo me afastar dos outros

Culta e sociável o suficiente para atrair boa gente

Bela o bastante por fora,

Mas de um modo a não ofuscar ou distorcer o que vier de dentro

Coração bondoso a ponto de me colocar no lugar do outro

Na medida exata para poder ajudar, ser útil, sem ser tola

Flexível, resiliente, mutável

Sem ferir meus princípios e essência

Aquela que procura sorrir sempre, mas que chora, que se enerva

Que ama, que sente saudade, que namora

Que às vezes quer sumir…

Chique o suficiente a ponto de trocar

Qualquer programa ou prato sofisticado

Por um banho de rio, um livro na rede e uma pizza gigante…

E sempre irei amar quem me aceitar como sou

Ainda que não seja desse jeitinho aí…

Tudo mais é pura falácia!

Alda M S Santos

Faça seu pedido

FAÇA SEU PEDIDO

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Algo material, profissional, familiar, emocional

Que pedir?

Será que algum desejo será impedido

Ou a fé que tenho nele

É o bastante para ser validado?

A quem vou dirigir meu desejo

Onde vou cobrar resultado?

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Águas transparentes, belas e convidativas

Busco lá dentro algo que prove

Que tudo isso não é embromação

Que tenha mesmo poderes de realização

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Descrente, mas com vários desejos no coração

Debruço-me para melhor enxergar e não me enganar

E tudo que vejo é meu reflexo distorcido a me encarar

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Enfim, entendo o que realmente é a fonte dos desejos

A fonte que tem poder de nos despertar

Mostrar que qualquer desejo é possível

Que só depende de nós mesmos realizar…

Fonte dos desejos: faça seu pedido

Jogue uma moeda, por desencargo de consciência

Corra atrás dele, tenha paciência

Mas nunca desista de sua existência…

Alda M S Santos

Uns e outros

UNS E OUTROS

Há quem prefira encurtar caminhos

Outros optam por alongar-se nas distâncias

Há quem prefira devorar um biscoito

Outros o degustam saboreando pedacinho a pedacinho

Há quem prefira tomar e levar

Outros preferem conquistar e serem levados

Há quem prefira ganhar no grito

Outros gostam da suavidade encantadora de um sorriso

Há quem alce voos longínquos e inimagináveis

Outros preferem manter-se perto, não se afastar dos demais

Há quem prefira viver na segurança dos nados na superfície

Outros mergulham em busca de encantos escondidos

Há quem prefira ter fama, sucesso e veneração alheias

Outros contentam-se em não perder a própria admiração

Há uns e outros…

Todos lutando por um espaço!

Alda M S Santos

Overdose

OVERDOSE

Overdose de informações

Contradições e imposições

Sobra mentira, falta verdade

Sinto-me grogue

Chuva de insanidade

Cataclismas de infortúnios

Perdas, roubos, assalto da individualidade

Sinto-me em curto-circuito

Overdose apocalíptica, letal

Meteoros destruidores, esse é o intuito

Queda de princípios, choque anafilático

Como combater esse mal?

Overdose, excessos, povo fanático

Vou-me embora, fugir desse quartel general

Preciso da alegria e da paz do meu quintal…

Alda M S Santos

Válvula de escape

VÁLVULA DE ESCAPE

Uma válvula para aliviar a pressão

Para relaxar de toda tensão

Uma corrida no fim de tarde

Uma conversa com toque de saudade

Um cineminha de mãos dadas ao anoitecer

Um sorvete na praça da igreja para espairecer

Um livro na rede ao luar

Dançar num baile até cansar

Ou uma caminhada à beira-mar

Seja qual for sua válvula de escape

Nunca a deixe de ativar

Não aliviar a pressão

Pode causar grande confusão…

Alda M S Santos

Marqueteiros do amor

MARQUETEIROS DO AMOR

Deixe-se contagiar, não se vacine

Não feche as portas do coração

Distribua “quentinhas”, abraços, remédios

Faça arte, cante, dance, pinte, doe carinho

Espalhe esperança num mundo melhor

Baixe a guarda, deixe-se atingir

Abra sua alma, deixe esse “vírus” do bem te pegar

Ele te imuniza contra tristeza

Afasta a angústia e desesperança

Abastece suas reservas emocionais de alegria

Cria uma barreira bem visível contra o mal

Há muitos vírus do ódio e da indiferença por aí

Assim como também há vírus do amor e da esperança

Apenas o mal é mais divulgado, mais propagado

Seu merchandising tem sido melhor

Pulverize o bem, contagie alguém

Seja marqueteiro do amor

Amor é contagiante!

Alda M S Santos

#carinhologos

Na medida exata

NA MEDIDA EXATA

Cresçam o tanto que crescerem

Busquem o que buscarem

Estejam onde estiverem

Alcancem alturas que eu não alcance

Conquistem Deus, a terra e o mar

Meu colo sempre vai aqui estar

Nunca será pequeno para os abrigar e acolher

E o coração, ah esse…

Esse é mágico, distende-se e encolhe-se

Na medida exata daquilo que os alegra ou machuca

Bate na mesma proporção do coração daqueles que gerou

E viu crescer…

Pelos quais aprendeu a, de joelhos, orar

A amar incondicionalmente

E a ficar mais próxima de Deus!

Alda M S Santos

Mamãe

MAMÃE

Não sei o que seria da minha vida sem ter a senhora por aqui

Sempre aí, mesmo demorando a atender essa campainha

Meio rabugentinha, lindinha, amorosa do seu jeito

Minha pequetita, cada vez menor, mais baixotinha

Que tudo é capaz pelos filhos, referência do nosso existir

Base e lembrança de tudo que somos

Muitos choram hoje a ausência de sua mãe

Por ela estar longe ou já noutro plano

Deus permita que possa estar aqui conosco para sempre

E, muito, muito obrigada por existir e ter escolhido ser minha mãe!

E peço a ele que me permita retribuir tão grande amor!

Te amo muito, muito, minha Bulita!

Alda

Colo e coração

COLO E CORAÇÃO

Posso esconder a criança que fui dentro de mim

Posso deixar a jovem inquieta para trás

Posso aposentar em mim uma profissional

Posso ser uma ex-sonhadora

Uma ex-atleta, até uma ex-esposa ou dona de casa

Posso ser ex quase tudo

Mas duas coisas nunca deixarei de ser:

Filha e Mãe

Não existe ex-filho

Não existe ex-mãe

Essas são condições e “funções” eternas

Estejam filhos e mães onde estiverem

Colo e coração nunca se acabam numa mãe

Mãe ama, filho sente

Não importa a distância física

São incumbências humanas e divinas ao mesmo tempo

Relacionamento abençoado por Deus

Amor que permite a circularidade da vida

A permanência do existir

Amor eterno:

Amor de mãe, amor de filho

Amor que vem de Deus!

Te amo mãe! Te amo filhos!

Alda M S Santos

Pontes

PONTES

Há pontes que nos levam

Outras nos trazem de volta

Tão bom ir, desbravar

Conhecer, buscar, se inteirar

Descobrir mundos e pessoas

Amar, aprender, ensinar, saberes trocar

Mesmo que nos causem medo de transitar

Mas bom mesmo é aquela ponte

Que pegamos para voltar

E é só nossa essa travessia

Esse delicioso, por vezes, doloroso caminhar

Quase sempre cansativo retornar

Pontes que nós mesmos (des)construímos

Não ficam prontas a nos esperar

Mas que são erguidas com maestria

Quando impera o desejo de regressar

E descobrir, finalmente, que ali é nosso lugar…

Alda M S Santos

Uma festa

UMA FESTA

A vida é uma festa, independente da magnitude dela

Se uma pequena reunião ou um grande baile

Só precisamos nos situar

E saber em qual parte dela estamos

Na fase da preparação

Planejamento, expectativa, ansiedade, preocupação

No auge, a hora em que ela rola, pura emoção

É só curtição, alegria, brilho, animação

Mas se for fim de festa, quando todos vão embora

É cansaço, limpeza, organização

Aí vem a fase do “vazio”

Aquele que existe entre o fim de uma festa

E a preparação de outra

Fase do repouso e descanso, fase de germinação

E uma festa não acontece sem passar por cada etapa

Aproveitar o que cada uma oferece é essencial

Saber que o fim de uma festa

Não é o fim da vida ou da alegria

É início de outra fase de preparação

Novas festas sempre virão

Até o fechar definitivo do salão…

Alda M S Santos

A casa só para nós

A CASA SÓ PARA NÓS

A casa tão pequena antes

Para tanto barulho e bagunça

Hoje parece grande e silenciosa

Vocês não estão aqui a correr

A disputar nossa atenção, nosso colo

A cair pelos cantos, a pedir “brinca comigo”

Queríamos tanto um espaço para nós

Que só vinha tarde da noite

Quando o sono já nos derrubava

Hoje a casa é toda para nós

Não há brinquedos pelo chão

Não há riscos na parede

Tudo arrumadinho e organizado

Não há risadas altas, choros dengosos

O cobertor não está no sofá da sala

A TV nos desenhos animados e vídeo-game

Os primos não vêm dormir juntos e fazer bagunça

Cadernos e livros não estão sobre a mesa

Aguardando a lição ser feita

Temos a sala, os quartos, cozinha, banheiros e quintal só para nós

Hoje essa casa que é toda para nós

Parece estranha aos nossos olhos saudosos

Podemos dormir, tomar banho, namorar quando quisermos

Sem sermos interrompidos por um pedido qualquer

Não precisamos sair correndo a levá-los para a escola

Para o futebol, o inglês a informática

Podemos dormir a noite toda

Vocês não vêm se infiltrar entre nós na cama

Fugindo dos pesadelos que curávamos com beijinho

Entregamos o cuidado de vocês a Deus

Cuja proteção está em toda parte

Já não saímos mais os quatro juntos para tudo

Hoje temos a casa toda para nós

Vocês estão buscando o mundo que tanto ensinamos

Com sabedoria, amor, bondade e responsabilidade

Estamos imensamente felizes e gratos a Ele

Peito inflado de amor e orgulho

Casa vazia, só para nós…

Agora o que queremos é um tempo só com vocês

A casa cheia de vocês…

Felizes ficamos quando vocês a preenchem novamente

Hoje somos nós que pedimos

“Brinca comigo”?

Mas sabemos que “nós quatro” sempre estaremos juntos

Ainda que em espaços, casas ou momentos diferentes

Casa feliz é casa cheia de amor

De gente que compartilha as dores e alegrias do viver…

Alda M S Santos- uma mãe

Viver de quê?

VIVER DE QUÊ?

Busca por razões de viver

Algo que motive, instigue

Que faça tudo isso valer a pena

E nessa desenfreada busca

Atropela-se tudo, passa-se por cima dos outros

Das razões de viver do outro, inclusive de si mesmo

Sua própria vida vazia é soberana

Vale mais do que todas as outras

Automutilação, autoextermínio

Viver de quê, para quê, para quem?

Enquanto não se perceber que uma vida não se constrói

Destruindo outras vidas

Sendo governo, povo, instituição, indivíduo ou o escambau

Qualquer busca será em vão

Será inócuo qualquer estender de mão

Precisamos viver das boas ações, do amor

Da esperança que um mundo melhor começa em nós

Mas que nunca exclui o mundo do outro

Buscamos por razões de viver

Que façam com que a dor e a alegria

Tenham razão de ser, não sejam em vão…

Precisamos viver da fé

“Só não se sabe fé em quê”

Alda M S Santos

Escondidos

ESCONDIDOS

Quantas palavras não ditas

Um silêncio sufoca?

Quantas questões e dúvidas dolorosas

Uma sabedoria esconde?

Quantas angústias e lágrimas intermitentes

Um sorriso camufla?

Quanta inteligência e bondade

Uma simplicidade carrega?

Quantos medos e traumas

Uma coragem disfarça?

Quantas loucuras e desatinos

Uma sanidade “sossega”?

Quanta esperança e fé

Um orgulho embaça?

Quanto companheirismo e amizade

Uma distância destrói?

Quanta evolução e aprendizado

Uma soberba apaga?

Quanto carinho e amor

Uma indiferença mata?

Quanta vida feliz

A inércia impossibilita?

Quanta coisa boa anda escondida

Nos recônditos secretos de nós mesmos

Aguardando para ser revelada

E navegar no barco da vida?

Alda M S Santos

Antídoto

ANTÍDOTO

Estar preparados, munidos de antídotos

Para quando a profilaxia não funcionar

E desencadear um mal em larga escala

Soro antiofídico contra picada de cobra

Fumacê contra aedes aegypti

Educação contra ignorância

Chá quente contra influenza

Bons argumentos contra má influência

Sorrisos largos contra rabugice

Família contra descrença e desamor

Amizade sincera contra solidão

Abraços ternos contra tristeza

Colo quente contra decepção

Fé e esperança contra desânimo e violência

Passeios contra o tédio e decadência

E amor, o antídoto universal

Contra todo e qualquer mal…

Alda M S Santos

Um atalho

UM ATALHO

Se a estrada estiver longa e interminável

Se o destino parecer inalcançável

Pegue um atalho, corte caminho

Se a trilha mansamente escurecer

Se o cansaço quiser te abater

Pegue um atalho, corte caminho

Se o terreno for pura aridez

E o humor total acidez

Pegue um atalho, corte caminho

Se a solidão for a sua companhia

Ofereça-a sua mão, viva essa magia

Pegue um atalho, corte caminho

Se um dia quiser desistir, exausto demais para prosseguir

Pegue um atalho, concentre-se no entorno, na natureza

Inspire, expire, encontre sua própria beleza

Quando a chegada parecer distante, quase invisível

Construa seu atalho, acredite, torne-a possível!

Alda M S Santos

Amplitude emocional

AMPLITUDE EMOCIONAL

Um pico de extrema alegria, prazer, euforia

Outro de grande tristeza, dor, apatia

Qual a amplitude emocional

A distância média que separa os picos opostos?

Oscilação emocional que causa choques e rachas

Como reduzir a amplitude emocional

O morno que tempera o quente e o gelado

A companhia que é meio termo entre a solidão e a multidão

O amor que quebra o gelo do tanto faz

A paz que equilibra esses extremos

Onde encontrar?

Alda M S Santos

Porque escolhi viver

PORQUE ESCOLHI VIVER

Vou sempre buscar um sorriso

Mas não negarei as lágrimas

Não fugirei das batalhas que surgirem

Terei coragem, mas não me deixarei abater pelos medos

Serei aquecida, feliz, pelo calor energizante do sol

Mas aproveitarei também quando o que vier do céu for chuva

Plantarei um jardim de preciosidades para morar

Mas deixarei espaço para borboletas e beija-flores virem me visitar

Correrei na areia à beira-mar na claridade intensa do dia

E na escuridão me deitarei e repousarei sob a luz das estrelas

Serei primavera perfumada e colorida

Sabendo aproveitar o repouso necessário dos invernos

Caminharei tendo bons amigos a me animar

Mas não estacionarei quando o que deixarem for a solidão ou o vazio

Serei iluminada pelo amor precioso que for merecedora

Mas não abro mão do amor em qualquer situação…

Isso porque escolhi viver

E a vida se impõe sempre, é presente

E o que a gente faz dele é escolha nossa

Eu escolhi viver!

Alda M S Santos

Não compro

NÃO COMPRO

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Vitrines abarrotadas de produtos reluzentes

Enchem os olhos, agradam, atraem

Compradores seduzidos e ávidos

Hipnotizados diante de “seu” objeto de desejo

Pagam qualquer preço pelo seu sonho de consumo

Estoques lotados de mercadorias devolvidas

Consumidores insatisfeitos

Com felicidade vendida, embrulhada em bonitos pacotes

Feita em formas, em série, massificadas

Numa medida que não é da gente

Não compro essa “felicidade” que se vende por aí

Que não é feita no meu número, no meu manequim

Que precisa de reformas e retoques

Que deforma o que tem de belo na gente

Alegria fugaz à base de porcaria

Conteúdo feio em embalagem atraente

Sorriso que se desmancha na primeira ventania

Coração que sofre e chora dentro de um modelo apertado

Uma alma que perde o encanto, a magia

Não compro esse modelo de felicidade

Na verdade não quero nem doado

Bom mesmo é escalar a própria alegria na simplicidade

A felicidade deve ser feita sob medida

De cada alma, de cada coração…

Alda M S Santos

Sabores

SABORES

Somos temperos dando sabor à vida

Ora azedos como limão, ora amargos como fel

Tantas vezes doces como mel

Noutras uma deliciosa mistura de sabores

Temperando os nossos e os pratos alheios

Colhendo sabores na fonte, no pé

Distribuindo-os in natura a quem souber degustar

Mas há quem prefira ser sempre amargo

Não sabe ser doce, tampouco agridoce

Nem para si, nem para os pratos alheios

Insiste em colocar um toque de amargor excessivo

Ou um falso doce

E desandar pratos que antes eram dos deuses

A vida necessita de bons chefs…

Alda M S Santos

Pacto sagrado

PACTO SAGRADO

Apesar de parecer uma coisa só

Certas coisas não estão necessariamente ligadas

Ter uma igreja e ser uma igreja não são a mesma coisa

Ter Deus no coração e nas atitudes é diferente

É possível ter Deus sem frequentar qualquer igreja

E ser, racionalmente, ateu ou agnóstico

Assim como é possível estar dentro de um templo todos os dias

E não ter Deus em si mesmo

Na vida diária junto aos outros

O ideal seria aquele pacto sagrado

Que fazemos conosco mesmos:

Ter Deus em nós e em nossas ações

Independente do que acontece a nossa volta

De quem nos cerca, do ambiente profano que se agiganta

Ou do falso sagrado que se propaga

De quem usa Seu nome para se autopromover

Mas O mantém longe de si

Deus está em nós quando se reflete nas nossas atitudes

Façamos este pacto sagrado:

Levar e refletir Deus em nós e em tudo que fizermos

Alda M S Santos

Prescreveu?

PRESCREVEU?

O crime prescreve, o mal idem

A dor, a angústia, a decepção

Até o amor prescreve

Deixa de fazer sorrir

Passa o tempo e tudo prescreve

Deixa de fazer sentido, deixa de fazer sentir

Certo? Talvez!

Não prescreve o que é reescrito

Dia após dia, continuamente

Grafado com a pena e o tinteiro do eterno

Pintado com cores vivas, tinta a óleo

Emoldurado com arte, cuidado e beleza

Assinado com letras firmes e legíveis

Pendurado nas paredes centrais de nosso existir

Prescreve?

O que é verdadeiro nunca prescreve!

Alda M S Santos

Vá!

VÁ!

Vá! Sempre em frente

Não importa o meio de transporte

Sobre duas rodas, vento no rosto

Ou deslizando na água suavemente, refrescando a alma

Vá! Não desista!

Submerso, dentro de um submarino, dentro de si mesmo

Pedalando uma bike nas trilhas perigosas

Vá! Insista!

No conforto de uma limusine tomando Champagne

Num ônibus lotado de gente tão maluca quanto você

Numa aeronave veloz além das nuvens

A pé numa estradinha de piso batido e flores nas margens

Caminhando ou correndo

Nas asas da imaginação…

Vá! Não fique parado!

A vida não espera por ninguém

O tempo não perdoa quem estaciona

Ele passa e te deixa para trás

E quando vê, a vida passou…

Vá! Sempre em frente!

Alda M S Santos

A pedra

A PEDRA

Uma pedra sendo todo dia lapidada

Martelo, formão, espátulas, lixas

Assim seguimos nós

Transformando-nos dia a dia numa escultura

Numa joia brilhante e preciosa, ou nem tanto

Mas de maior encanto e valor

Cuidando para não perder partes importantes

Retirando excessos e áreas pontiagudas

Aparando arestas, dando forma

Tratando cada detalhe com perícia e amor

Fazendo-nos uma obra de arte ímpar

Perante Aquele que nos criou

E nos observa e aguarda nosso retorno…

Alda M S Santos

Plano B

PLANO B

Não é bom ter um plano B, um substituto

Tampouco ser um plano B, uma reserva

A simples existência de um segundo plano

Aponta o descrédito que se tem no primeiro

E a não-entrega total a ele

Planos B sugam energias que deveriam ser aplicadas ao plano A

Quando se investe o bastante num “plano A”

Não há qualquer necessidade de plano alternativo

Ou prêmio de consolação

É preciso termos planos bons, originais

Dedicarmos a ele todo nosso potencial

E a cada vez que não funcionar

Recomeçar…

Ter um plano B não é ser precavido

É ser desconfiado, inseguro

Não faça de ninguém seu plano B

Não seja plano B de ninguém

Além de ser desrespeito com o outro

É desrespeito com seu próprio plano de vida

É desrespeito consigo mesmo!

Alda M S Santos

Quero voar

QUERO VOAR

Não quero voar muito alto

Não quero atingir grandes altitudes

Tampouco alcançar outros planetas ou galáxias

Atingir pontos nunca alcançados

Se estiver sozinha…pesada

Prefiro voar baixo, plainar na altura das nuvens

De onde possa ver todos que voam também

Que ajeitam suas asas, que lutam

Que traçam um plano de voo e o seguem

Ou que precisam mudar por danos ou condições climáticas

Que ajudam a fortalecer as asas de outro “pássaro”

Que não ficam atrapalhando a rota

De quem já sabe voar

Não quero voar muito alto

Se para isso estiver “empatando” voo alheio

Se estiver pesando as asas de alguém

Se não puder levar comigo aqueles que amo…

Quero voar, mas quero levar vocês comigo!

Alda M S Santos

Censura poética

CENSURA POÉTICA

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Convém virar poema

Poderia ser mal interpretado

Traduzido do modo errado

Não condizente com o real

E tornar-se um grande mal

Censura poética…

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Seria recebido como poesia

Transmutada em palavras

Em versos, em rimas, em beleza, em magia

Censura poética…

Nem tudo que se quer

Percebe, capta ou sente

Pode ser gritado ou calado nos versos de um poema

O amor e a dor seriam confundidos

A alegria e tristeza mesclados

A esperança e a saudade exaltados

O erro ou o dolo perdoados

Censura poética…

Pura bobagem,

Não há censura que cale a voz da alma de um poeta

Não há censura que impeça a conexão com o leitor

Ou que tape seus ouvidos para o canto de um belo poema, faça-me o favor…

Censura poética? Que horror!

Alda M S Santos

Um dia

UM DIA

Um dia ainda vamos entender

O bem que poderíamos ter feito

E não fizemos

O mal que poderíamos ter evitado

E não evitamos

Aquela dor que causamos a nós e aos outros

E não precisaríamos ter enfrentado

O novo rumo que poderíamos ter tomado

E não tomamos

Todos os avisos e alertas que recebemos

E ignoramos

As oportunidades de crescimento e renovação

E fechamos os olhos

As chances de fazer um movimento pelo amor e pela paz

E ficamos inertes

As famílias que poderíamos ter ajudo a construir

E destruímos

A vida que poderia ter sido bem vivida

E matamos…humanamente!

Mudar, construir o mundo grande lá de fora

Começa por não destruir o mundo pequeno no nosso entorno

Abrir as porteiras e deixar a luz nos iluminar de dentro para fora

Um mundo melhor precisa de cada um de nós!

Um dia pode ser tarde demais…

Alda M S Santos

O telefone do céu

O TELEFONE DO CÉU

Quero o telefone do céu

Preciso ligar para lá

Quem sabe passar um SMS

Dizer que preciso falar

Pedir que mandem o GPS

Quem sabe não vou visitar?

Quero o telefone do céu

Preciso resolver umas pendengas

Solicitar bons conselhos, conquistar amizades

Quem sabe não tem sinal

E posso matar umas saudades?

Quero o telefone do céu

Preciso muito me conectar

Mas se um outro meio existir

Não vou me importar ou cansar

Quem sabe um contato especial, não dá pra desistir

E talvez eu possa logo subir e lá morar?

Alguém tem o telefone do céu?

Alda M S Santos

Dia do trabalho

DIA DO TRABALHO

Dons, ofícios, trabalho

Habilidades recebidas, desenvolvidas, dedicação

Ação diária, suor do rosto,

A serviço: corpo, mente, alma, coração

Trabalho, dons, ofícios, dedicação

Inexiste dom ou trabalho superior

Obrigação que se torna prazer, lazer, diversão

Não há juízo de valor

Trabalho, dons, ofícios, habilidades, vocação

Que nunca nos falte a gratidão

Pelo ofício que realizamos com amor

E, em contrapartida, nos garante o pão…

Alda M S Santos

Névoa

NÉVOA

Névoa fina e densa que amanhece

Como aquela que vez ou outra desce e fica dentro da gente

Que invade todos os espaços

Adentra cada cantinho escondido

Não aquece, esfria, não ilumina, escurece

Mas é o sinal de um tempo passado, que esmorece

Prenúncio de chuvas, tempestades

Ou de sol forte mais tarde?

Quem sabe resquícios, sobras, lembranças

Daquilo que um dia foi sólido

E, em forma de nebulosidade, retorna

E logo se condensa em nós

Névoa fina que cai

Em forma de saudade…

Alda M S Santos

Feito menina

FEITO MENINA

Feito criança pequenina quero receber a vida

Acolher com prazer o amanhecer que ela me oferece

Como menina, abrir os grandes olhos brilhantes e sorrir

Não me importar com os cabelos ou a vida bagunçados

Andar descalça, correr na grama, cair, esfolar os joelhos

Aceitar os cuidados que me forem ofertados

Desembrulhar o dia como um grande presente

Aproveitar o sol e quintal lá fora para brincar

Sentir o frio na barriga do calor de viver

Feito menina quero curtir cada minuto que tiver

Sabendo que o entardecer chega, o anoitecer idem

Mas ser leve, sem preocupações excessivas

Chorar quando sentir vontade

Mas nunca deixar de sorrir, de sonhar, de acreditar

Confiante que novo amanhecer chegará

E tudo se repetirá, ou não, (in)finitamente

Mas que ele sempre será bom como tem que ser

E, feito menina, confiar e balançar ao sabor da vida…

Alda M S Santos

É mágico

É MÁGICO

É mágico caminhar sobre o tracejado feito pelo coração

As linhas retas, as curvas sinuosas

Perfazer trilhas aconchegantes e arborizadas

Subir encostas escorregadias e perigosas

Naquelas partes mais difíceis do caminho

Abrir os braços buscando equilibrar-se

Valer-se do olhar de incentivo e aquiescência do outro

E, se cair, que seja nos braços daquele que nos acompanha

É mágico

Caminhar nas marcas deixadas pelo coração

Sem tirar os pés do chão, tampouco deixar de voar e sonhar

É mágico trocar um sorriso de paz e “estou aqui”

Com quem divide conosco esse tempo e trajeto

Nas mãos dadas pelo companheirismo

Nas mentes em sintonia pelo respeito

Nas almas que cantam em uníssono a alegria de viver

E de estar juntos…

É mágico!

Alda M S Santos

Sem referencial

SEM REFERENCIAL

Cenário de catástrofe: terremoto, tsunamis, vendavais

Entulhos e mais entulhos, escombros

Nada mais de pé, sequer uma árvore, uma edificação

Nada que possa ser reconhecido, identificado

O banco da praça, a igreja

Uma torre de energia, um restaurante

A padaria da esquina, a casa de um amigo

Não há ruas, esquinas ou quarteirões

Apenas um todo de destruição

Perdidos, sem referencial…

Tantas vezes as ruínas estão em nós

Como encontrar alguém ali?

Como se encontrar ali?

Buscar em si aquele ponto de luz

Algo que permaneça inalterado

Que seja firme como rocha

Que nada nem ninguém consiga mudar

E ali se alojar aguardando as forças brotarem

Indicando um caminho para continuar

Um novo referencial

Para recomeçar…

Alda M S Santos

Miniaturas

MINIATURAS

Somos miniaturas do mundo lá fora

Dessa bela natureza e vasto universo

Tudo em nós está em movimento

Somos perda e reparação

Somos destruição e reconstrução

Entre atração e repulsão

Formamos nossa galáxia interna

Nesse mundo interior tão cíclico

É necessário haver espaço para a dor de perder

Para a alegria de renascer

É preciso juntar os pedaços de nossa alma

Cada uma tem um lugarzinho especial nesse nosso multiverso

E é de extrema importância nesse nosso “passeio” por aqui

“Na (nossa) natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma…”

Alda M S Santos

Dança comigo?

DANÇA COMIGO?

Dança comigo esse ritmo louco

Que nos tira do chão, faz bater o coração

Ou aquele que nos enlaça, nos abraça,

Nos atrai, nos une num olhar, nos acalma, nos instiga…

Dança comigo a dança do passado ou a do momento

Que gira, que prende, que enleva, que lança para o alto

Que nos tira de órbita, nos aquece

Que faz suar, que faz sorrir…

Dança comigo a música que a vida toca

Que faz sofrer, que faz vibrar, doer e chorar

Que faz cair e levantar…

Mas dança comigo a canção que eu canto

Aquela que vem da minha alma e toca fundo

E que expresso no meio jeito de dançar

E se com a sua música eu sintonizar

Seremos um eterno e belo par…

Dança comigo uma dança nova

Que nos leve para outro lugar

Para um mundo real, porém doce e suave

Onde dançar seja apenas mais um delicioso modo de amar…

Alda M S Santos

O som do silêncio

O SOM DO SILÊNCIO

Silêncio fala, silêncio grita

Na linguagem universal da dor

Da saudade ou do amor…

No entanto nem todos ouvem

Som em altíssima frequência

Quem ouve e não entende se incomoda

Busca um refúgio, faz barulhos diversos

Quer tirá-lo desse transe de comunicação

Tenta de outro modo algo dizer

Silêncio…

O som do silêncio é calmante

Para quem sintoniza na mesma frequência

Silêncio…

O som do silêncio é estressante

Para quem só ouve o nada que tanto diz

Silêncio…

Silenciando vamos tudo dizendo

Àqueles que sabem ouvir…

Alda M S Santos

Outon(ando)

OUTON(ANDO)

Cores amarronzadas, folhas secas, leves, caídas

Levadas pelo vento friozinho que arrepia a pele

Deixo-me levar suavemente

Tal qual folha caída da gigante árvore

Busco um repouso num cantinho qualquer

Encolhimento, proteção, recolhimento

Tempo de hibernar, dormir, voltar para dentro de si

Repor energias, reabastecer o corpo

Tudo é silêncio, cuidado, organização do caos

Aquecendo a alma e o coração vou outon(ando)

Aguardando um casulo crescer, a borboleta se formar

Linda e necessária estação

Lá fora e cá dentro…

Até um novo florescer…

Alda M S Santos

Não vale!

NÃO VALE!

Não vale sufocar, tirar o ar

Não vale enterrar viva uma raiva

Um sentimento ou uma emoção

Não é saudável engolir as lágrimas, engolir em seco

Expresse-se!

Chore, gargalhe, grite, perdoe, peça perdão

Cultive apenas o que faz bem, ame!

Tapar uma ferida não cicatrizada

É cultivar uma infecção que pode ser fatal

Deixe rolar, deixe sair, purgar, ir embora

Represas super lotadas se rompem

Baús estufados mofam, trancas enferrujam

É preciso liberar espaço para o bem circular

Para o sorriso aquecer, a vida fluir…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: