Busca

Eclipse total, e daí?

ECLIPSE TOTAL, E DAÍ?

Eclipse total do Sol, a estrela maior

A que mais brilha, a que possibilita a vida

Muitas superstições surgem

Inúmeros cuidados de observação são apontados

Acostumados a ignorar os próprios eclipses,

A observar a olho nu os eclipses totais ou parciais do outro,

Sequer notá-los, atravessá-los, indiferentes

Estarão todos já com os olhos protegidos com o filtro necessário,

Afinal, é um simples eclipse solar!

Quem está no escuro, nada vê!

Quem tem a luz, sabe que ela retornará!

Alda M S Santos

E se…

E SE…

E se pudéssemos escolher

Entre o poder e o dever

Entre o ficar e o partir?

E se pudéssemos escolher

Entre o parar e o andar

Entre o chorar e o sorrir?

E se pudéssemos escolher

Entre estar só ou acompanhado

Entre viver ou deixar-se viver,

Ativo ou passivo, autor ou personagem?

E se pudéssemos escolher?

Sempre podemos, mas a cada escolha, uma renúncia

A cada renúncia, uma possível dor…

Alda M S Santos

Mochileiros

MOCHILEIROS

Nas viagens dessa vida, alguns vão de primeira classe,

Tantos de econômica, muitos outros de carona, na garupa.

Alguns são hóspedes especiais, em hotéis cinco estrelas,

Outros se instalam em pousadas ou chalés

E há ainda aqueles que usam os abrigos coletivos.

Alguns têm grande bagagem,

Outros apenas o básico e aqueles que quase nada levam.

E, o mais importante, alguns parecem saber exatamente o destino e quando retornar,

Outros viajam a esmo, deixam-se levar

Param onde se agradam, ficam pelo tempo que lhes apetecer

Retornam ou seguem viagem quando lhes convier,

São os mochileiros!

Quem realmente sabe o que quer?

Quem é mais feliz?

Alda M S Santos

Muito exigente?

MUITO EXIGENTE?

Como saber quando somos exigentes demais para com os outros,

Ou quando somos condescendentes demais para com as nossas necessidades?

Como saber?

Egoístas demais ou altruístas demais?

Como saber?

Será que o hábito de nos colocar no lugar do outro pode responder,

Ou precisamos justamente do contrário?

Aprender a olhar mais para dentro de nós mesmos,

Do quanto realmente necessitamos,

Se precisamos buscar no outro,

Ou se só encontraremos em nosso interior?

Alda M S Santos

Viver para amar

VIVER PARA AMAR

Há quem viva, porque ama!

E há quem ame, porque vive!

A diferença só percebe quem vive

E quem ama!

Alda M S Santos

Há muitas montanhas paradas

A fé não move montanhas

A fé move pessoas

Pessoas movem montanhas

Há muitas montanhas inertes

Para poucas pessoas de fé!

Alda M S Santos

Labirintos

LABIRINTOS

Não encontrar a saída

Não conseguir voltar ao início

Andar em círculos, avaliar

Revisitar espaços, tontear

Buscar a infância perdida

Ora estar feliz, ora triste

Até esse labirinto se tornar

A única realidade palpável

A morada mais próxima de um lar

Que existe dentro de si mesmo!

Alda M S Santos

Espaço e conteúdo

ESPAÇO E CONTEÚDO

Viver é estar sempre em busca de plenitude!

Muitas vezes somos muito espaço para pouco conteúdo

Tantas outras somos muito conteúdo para pouco espaço

Ambas insatisfatórias!

Por isso buscamos o outro

Neles fazemos essa troca

Essa transferência espaço/conteúdo em busca de equilíbrio!

Alda M S Santos

Mentiras

MENTIRAS

De quantos “tudo bem” se faz uma mentira?

De quantas mentiras se faz uma falsa alegria?

De quantas falsas alegrias se faz uma felicidade?

De quantas “felicidades” se faz ou se desfaz uma “vida”?

Alda M S Santos

Loucura e Sanidade

LOUCURA E SANIDADE

Cada dia confio mais na pouca sanidade dos loucos

E aumenta, na mesma proporção, meu medo da loucura dos sãos!

A sanidade dos sãos se prende a um fio tenso

A loucura dos loucos é leve e livre!

Tensão e leveza!

Prisão e liberdade!

Loucura e sanidade!

Estou louca?

Alda M S Santos

Ídolos não morrem?

ÍDOLOS NÃO MORREM?
Tudo bem, admirar um cantor, um ator, um artista qualquer
Pelas habilidades ou dons que possua,
Pelos diferenciais, pela capacidade de cativar e encantar,
Até aí é compreensível! 
Mas até que ponto é preciso ser bitolado para se ter um ídolo?
Para se colocar em risco?
Para realizar loucuras ou se expor a situações ridículas?
Idolatrar outro ser humano!
Passar recibo de pouca inteligência, acreditando piamente que seu ídolo não morreu!
Sem qualquer prova racional, apenas pela emoção!
E não é viver na obra, não!
Literal mesmo!
Elvis Presley não morreu!
E está aí com mais de 80 anos!
Pois existe gente assim! Que ainda busca “provas”!
Posso chamar a isso de que?
Encantamento de massas, ou loucura coletiva?
E dura 40 anos!
Nada contra o Elvis Presley, cujos filmes muito assisti,
cantor e dançarino muito original e avançado para a época.
Mas deixou alguns admiradores parados no tempo.
Elvis vive nas músicas, nos filmes, na lembrança dos fãs!
O resto é falácia de admiradores inconformados!
Alda M S Santos
Imagem AMP- EBC

Bagagem de mão

BAGAGEM DE MÃO

Na viagem para dentro de nós mesmos

A saudade vai na bagagem de mão

Livre e fácil acesso

Junto ao chocolate e um batom

Enquanto estes alimentam e embelezam o corpo

Aquela “satisfaz” e encanta a alma! 

Alda M S Santos

Emendas

EMENDAS

Rasgar o verbo pode ser um modo inteligente

De ter um bom motivo para remendar a própria vida

Alda M S Santos

Guinadas 

GUINADAS

As pequenas ou grandes guinadas de nossas vidas

Sempre dependerão, além

de nossa capacidade interna, 

Dos estímulos externos que recebermos.

Acreditar que aquele emprego é melhor,

Que aquela mudança de cidade seria mais produtiva,

Que aquela faculdade é mais a nossa cara,

Que o momento é adequado para ter um filho,

Ou para viajar, sumir de circulação por uns tempos,

Que aquele projeto cabe na nossa pauta,

Que aquela amizade nunca terá fim, 

Que aquele amor é mais completo ou verdadeiro.

Tudo dependerá da nossa capacidade de acreditar e agir!

Alda M S Santos

Gota de Sabedoria

GOTA DE SABEDORIA? 

Buscar sempre aquilo que se quer

Assim que estiver claro o que se quer

E a possibilidade de se obter

Tentar a satisfação com meras substituições

Levam a perda de tempo, de energia e muitas frustrações! 

Alda M S Santos

No mesmo quarto

NO MESMO QUARTO

Basta uma breve, mas atenta observação,

Para perceber que, quase sempre, terminamos como começamos.

Frágeis, delicados, emocionais,

Dependentes dos outros, necessitados de carinho e atenção.

E, muitas vezes, dividindo um quarto cheio de camas:

Numa casa de repouso, num lar para idosos,

Num hospital ou na casa de parentes.

Quem se esqueceu como era o convívio quando criança,

Ou não aprendeu como é viver em grupo,

Tem nova chance para aprender.

Dividir os sonhos, os segredos, as histórias,

Ou os medos debaixo do mesmo cobertor.

Se houver o desejo por uma guerra de travesseiros, que se faça e aproveite! 

Devemos ser gratos por essa nova oportunidade!

Alda M S Santos

Na dúvida

NA DÚVIDA

Quando a dúvida paira

O carinho é a melhor resposta

É o único que nunca erra

Desarma qualquer um

Vence qualquer obstáculo

Agrada a todos os corações 

Alda M S Santos 

Pais Heróis

PAIS HERÓIS

Sempre ouvimos de nossos pais: quando tiverem seus filhos irão entender o que é ser pai e mãe.

E é verdade! Desde que fui mãe entendo melhor meus pais.

Quando crianças eles são nossos super-heróis, vencem os inimigos e nos defendem de tudo e todos, nos protegem.

Quando adolescentes ou jovens essa capa de herói cai e os criticamos. Até odiamos, às vezes! 

Nos sentimos frustrados por eles nos terem enganado!

Não vencem tudo, percebemos! Não podem nos defender de tudo! São frágeis e errados em muita coisa! Contraditórios, falíveis! 

Não podem mais tirar os monstros de debaixo da cama! 

Tudo fica mais difícil!

Quando somos pais, o dia-a-dia vai nos mostrando e reconstruindo a capa dos pais-heróis novamente. 

Não têm super poderes, visão de longo alcance, peito de aço, velocidade flash, super carros, aviões ou qualquer coisa do tipo.

Têm uma visão que antecipa nossos sofrimentos ou sucessos, um peito paradoxal, forte e frágil, que aguenta nossas alegrias e lágrimas, a velocidade da luz e da oração para nos amparar.

Usam as próprias pernas, o próprio corpo apenas e um único super poder: o amor incondicional.

Esses super-heróis nos dão “quase nada”, podemos pensar, mas nos dão tudo que têm. 

E como qualquer super-herói, nos dariam a vida se preciso fosse.

Sempre serão nossos super-heróis, para sempre, com 30 ou 90 anos!

E, se olharmos bem, os olhos deles têm o alcance que precisam: nossa alma! 

A todos eles, os pais, os “pães”, meu abraço e agradecimento.

Alda M S Santos

Duas vidas

DUAS VIDAS

Vivemos duas vidas por aqui, quase sempre.

Aquela que entra em

nossos pulmões todos os segundos, 

Que corre em nossas veias e irriga todos os órgãos,

Que nos faz andar, falar, pensar, existir,

Que acontece involuntariamente, repetidamente.

E há aquela outra vida que precisamos buscar

Aquela que precisamos conquistar

Que nos leva de um objetivo ao outro

Que conecta um coração ao outro

Uma emoção à outra, independente ou, até mesmo, por causa das diferenças.

Muitos de nós cuidam apenas da primeira.

Óbvio que ela é fundamental, mas cuidar da segunda é prolongar e enriquecer a primeira.

Uma existência plena possibilita a coexistência de ambas.

Quando essas “duas vidas” em nós são harmônicas, 

Permitem o encontro com outras “duas vidas”, e tudo fica mais intenso! 

Somente assim…

Alda M S Santos

Ser ou estar atraente

SER OU ESTAR ATRAENTE

“Tenho 50 anos, porque tenho que estar sempre atraente” -pergunta Salma Hayek

Não temos, se não quisermos estar por nós mesmas, não para o outro.

 E não é por ter 50, 40, 30, 20 ou 80 anos…

Cada idade traz sua beleza, leveza, desejo de estar bem.

 E é a isso que devemos dar importância.

Cuidar de nós como um todo deve fazer parte em qualquer idade. 

O corpo é apenas uma parte desse todo.

Ele pode estar belo e malhado.

 A pele macia como pêssego.

O rosto liso, sem rugas…

Cabelos brilhantes e longos.

Mas,  e o brilho do olhar, a bondade do coração, a clareza mental, a paz na alma?

Estar atraente faz bem para a autoestima. 

Porém, se precisar estar atraente fisicamente para manter esses daí, que realmente são fundamentais, algo está ligeiramente distorcido.

Ser atraente envolve algo muito além do corpo! 

Alda M S Santos
http://cenapop.virgula.uol.com.br/2017/08/10/138423-aos-50-anos-salma-hayek-desabafa-ao-falar-sobre-boa-forma-por-que-tenho-que-estar-sempre-atraente/

Esperança

ESPERANÇA

Esperança: sentimento nobre,

Importantíssimo e corajoso 

Que nos faz acreditar, 

Lutar e seguir em frente, 

Ainda que tudo pareça não valer o esforço.

Quase sempre, confundido com inércia,

Mas caminha ao lado da fé

E de um bom coração!

Alda M S Santos

Foto Deva Daya

Advertência

ADVERTÊNCIA 

Ministério da Saúde adverte:

Abuse do vício do amor,

Em suas mais diferentes apresentações. 

Vício em amar prolonga a vida

Aumenta a serotonina, a oxitocina

Melhora o humor, alivia o estresse, regula a pressão arterial

Acelera o coração,

E provoca crises de alegria.

Sem contraindicações! 

Alda M S Santos

Foto de Deva Daya

Ame sem moderação!

AME SEM MODERAÇÃO! 

Se for beber, ame

Se for dirigir, ame

Se for beber e dirigir, ame

Se não souber dirigir ou beber, ame também! 

Amor não tem impedimentos 

Ame sem moderação! 

Alda M S Santos

Blindagem

BLINDAGEM

Blindar, revestir de armadura 

Usar couraça visível ou invisível

Visando proteger a si mesmo

Dos “torpedos” que vêm de fora 

Daquilo que é considerado negativo 

Ou além das próprias forças.

Autoproteção!

Via perigosa, mão dupla

Todo cuidado e atenção são poucos!

Blindagem deve ser muito bem escolhida,

Ela deve proteger, porém não pode

Impedir a entrada do positivo, 

Reduzir a capacidade vital,

Ou não deixar sair o que machuca.

A autoproteção errada também pode matar, ferir

Fechar o olhar e o coração para o belo

Zerar a capacidade de encanto 

Ou deixar sérias cicatrizes e sequelas.

Alda M S Santos

Irrigando com lágrimas

IRRIGANDO COM LÁGRIMAS 

Todo jardim precisa de água, sol e cuidados 

Como levamos tudo isso para nossos jardins internos?

Sol, levamos com sorrisos e carinhos

Cuidados, levamos com amor e amigos

Uma dúvida surge: como irrigar? 

Água das lágrimas servem para irrigá-los? 

Ou acabarão por matá-los?

Alda M S Santos

Amigos e inimigos

AMIGOS E INIMIGOS

Podemos ser nossos maiores inimigos, 

Pois conhecemos melhor que ninguém nossas fragilidades

E, muitas vezes, as entregamos de bandeja ao adversário.

Também podemos ser nossos melhores amigos,

Visto que só nós mesmos podemos acionar nossas forças capazes de combatê-las.

Resta saber de que lado vamos lutar:

Contra ou a favor! 

E isso não é tão simples quanto possa parecer,

Vivemos nos jogando de cara na lona, qualquer que seja nossa categoria! 

1, 2, 3… E levantando…

Será nocaute dessa vez? 

Alda M S Santos

Nascer e morrer 

NASCER E MORRER

Quantos somos?

Quantos de nós vêm de fábrica?

Quantos de nós morrem a cada dia, a cada dor, a cada decepção, a cada amor?

Quantos de nós nascem nessas mesmas circunstâncias?

Qual o saldo? 

Como saber quantos de nós restam? 

Olhando fundo nos olhos

Talvez haja um prognóstico, 

Se houver algum brilho, alguma faísca

A luz se renovará, e nova vida nascerá….

Até quando?

Alda M S Santos

Ser humano

SER HUMANO

Ser humano é mais que pertencer à espécie homo sapiens

É mais que fazer jus ao que designa o latim: homem sábio

Ser humano é mais que ter um cérebro desenvolvido

Andar ereto ou possuir uma linguagem

Sequer ser humano é apenas dotar de capacidade de raciocínio abstrato, 

Resolver problemas ou manipular máquinas,

Ser humano é, além de tudo isso, ser dotado de emoções 

São elas que verdadeiramente nos diferenciam

Nos fazem capazes de nos ocupar com o outro

De nos doar pelo outro, de amar acima de tudo

De nos preservar enquanto espécie

De preservar as demais espécies.

Temos sido humanos?

Alda M S Santos

BARULHOS

Não há barulho maior, mais retumbante

Mais incômodo ou danoso

Que aqueles que vêm de dentro de nós

Aqueles que gritam, mas só nós ouvimos.

Causam dores intensas, tristeza, alheamento do mundo, 

Principalmente se tentarmos ignorá-lo. 

Mas são eles os que mais têm potencial produtivo 

Aqueles diante dos quais devemos nos silenciar

Buscar respostas no nosso interior, nos ouvir

Apesar ou por causa deles,  

Podemos crescer, evoluir, 

Sairmos em paz, levar a paz! 

Alda M S Santos

Quando somos fortes?

QUANDO SOMOS FORTES?

Quando somos fortes?

Quando não temos dúvidas ou questionamentos, ou quando buscamos as respostas?

Quando somos pacientes e esperamos, ou quando vamos atrás do que queremos?

Quando somos fortes?

Quando resistimos às lágrimas, ou quando as deixamos rolar e lavar a alma?

Quando somos abertos e transparentes, ou quando nos escondemos atrás de nuvens cinzentas ou céu anil?

Quando somos fortes?

Quando confiamos, acreditamos, nos emocionamos, sofremos, ou quando, simplesmente, apagamos, mandamos embora, nos mantemos de pé? 

Quando somos fortes?

Quando sabemos que podemos cair e seguimos o caminho, ou quando evitamos certas vias para fugir dos tombos?

Quando sentamos e choramos esperando a dor passar, ou quando seguimos, na certeza que a vida corre, não espera a gente se recompor?

Quando somos fortes? 

Quando a fragilidade chega…

Alda M S Santos

Fazer falta

FAZER FALTA

Sentir falta de nós mesmos

É tão doloroso quanto sentir falta do outro

Do que fomos, do que somos,

Do que o outro foi ou se tornou

Saber fazer falta para nós mesmos,

É tão importante e necessário

Quanto conhecer a falta que fazemos para o outro.

Quem disse que faltas não são importantes?

Preenchê-las, idem.

Não fazer falta, nem para si, nem para o outro

É não existir…é nos desfazer aos poucos, como neblina…

Alda M S Santos

(Ar)tesão

(AR)TESÃO

Artesão, ar, arte, tesão!

Ar, oxigênio, necessidade vital

Faltou, morte certa.

Tesão, sem ele não há vontade,

Sem ele não há prazer, 

Sem ele não há objetivos.

Ar-tesão, sem ele nada se constrói,

Sem ele não há arte,

Sem ele há vazios, brechas

Tesão é ar de nossos dias, 

Amor que se quer, que se busca, que se faz!

Quanto mais profundo melhor,

Quanto mais puro, mais luz, 

Quanto mais natural, mais completo!

Artesão, ar e tesão, a arte, a base de nossas estruturas, 

Vontade que gera ação,

Ar, tesão de nosso interior…

Alda M S Santos

Como se mede o amor?

COMO SE MEDE O AMOR?

Como se mede o amor?

É maior o que tem mais carinho

Mais cuidado, mais ciúmes?

É maior o que mais deseja, se expressa mais no corpo, 

No contato, no sexo?

É maior o que mais se expõe, mais se arrisca, 

Mais tem a perder?

É maior o que mais demonstra, mais dedica, mais busca,

Mais está presente?

É maior o que mais admira, mais confia, mais é confiável?

É maior o que mais respeita, mais se entrega, mais se doa?

Como medir o amor?

Simples!

É maior aquele que nos satisfaz, que mata nossa sede! 

Aquele que nos deixa felizes, 

Na nossa medida e necessidade individuais! 

Alda M S Santos 

Fazer de conta

FAZER DE CONTA 

A criança vive e experimenta o mundo

Num constante faz de conta

Faz de conta que é princesa, 

Mamãe, professora, veterinária

Príncipe, super-herói, aviador,

Cientista ou astronauta…

Os idosos voltam ao faz de conta

Fazem de conta que toda dor e saudade não existem

Que decepções e abandono não doem

Que as boas lembranças bastam

E aproveitam qualquer forma de amor e carinho que se apresentam

A natureza é sábia ao apagar da mente deles muita coisa que fere

Será que fazer de conta que está tudo bem

Nesse “pequeno” intervalo entre infância e velhice

Apagar o que faz mal, desfocar o que dói 

Não seria um modo sábio de viver?

Alda M S Santos

Loucura e sanidade

LOUCURA E SANIDADE

A vida oscila sempre

Entre a sanidade dos loucos

E a loucura dos sãos…

Quem se prende a um lado 

Sente-se incompleto.

Só o amor nos permite 

Ter trânsito livre entre elas:

Mergulhar na sanidade e na loucura…

Alda M S Santos

Santo de Casa

SANTO DE CASA

Santo de casa não faz milagre, afirma o dito popular

Será que o mesmo vale para o amor “de casa”?

De qualquer modo, acredito que se santo de casa pode ser insistente

E conseguir milagres

O mesmo vale para o amor

Se verdadeiro, de casa ou de fora, faz maravilhas! 

Alda M S Santos

Guerras

GUERRAS

Em nossas guerras internas

Entre certo e errado, razão e emoção

Entre o bem e mal, loucuras e sanidade

Entre paz e tormento, solidão e convivência

Entre ir, ficar ou se deixar levar

Vale o uso de qualquer arma.

Mas, como toda guerra, 

Torna-se mais desumana e inglória,

Se “atingir” civis inocentes,

Lutadores sem farda de suas próprias causas.

Alda M S Santos

FELICIDADE ARTIFICIAL?

Nunca devemos incomodar uma “felicidade”, 
Mesmo que pareça artificial,

Se não pudermos oferecer algo verdadeiro 

E melhor em troca.

Alda M S Santos

Costurando

COSTURANDO

Nossas vidas se fazem de muitas costuras e bordados

Algumas pessoas já recebem a linha pronta para tecer

Outras precisam fiar ou até mesmo plantar o algodão

Nesse constante costurar, tecer ou bordar da vida

Com boas agulhas, máquinas e linhas 

Vamos costurando em linha reta, curva ou zig-zag

Tecendo com pontos diversos Grandes ou curtos, frouxos ou justos, 

Alinhavando sentimentos, arrematando pessoas e emoções

Muitas vezes, a linha embola, arrebenta,

A agulha quebra, a linha fica frágil

Os ajudantes desaparecem

A máquina apresenta defeito…

Como bons costureiros, temos que arrematar, cortar e recomeçar a costura chamada vida.

Ao final sempre há um bordado lindo e bem original! 

Alda M S Santos

Felicidade plena?

FELICIDADE PLENA?

Felicidade é quando encontramos correspondência no outro

Não só para nossas lágrimas e tristezas

Mas sobretudo para nossas alegrias e sorrisos.

Há quem não suporte esses

Mas há quem não tolere também aqueles.

Felicidade plena é corresponder ao outro nestes ou naqueles.

Felicidade é ter suporte, é dar suporte.

Mesmo quando, aparentemente, estamos secos. 

Apenas o amor verdadeiro lida bem com ambos. 

Alda M S Santos

Nossas casas

NOSSAS CASAS

Casas trazem em si as marcas dos que ali viveram

Uma foto antiga dos patriarcas na parede

Um assoalho surrado, uma porta gasta e encerada pela gordura da pele

Marcos das portas com linhas sinalizando alturas medidas ali

Uma toalha de crochê antiga na mesa

Batentes de janelas escritos a canivete sob o tom cinzento do fumo

Um crucifixo sobre um oratório com Nossa Senhora e uma vela acesa 

Uma Bíblia sempre aberta nos Salmos  

Uma gangorra que já muitos balançou

Numa árvore centenária muito querida

Caixas antigas com fotos e cartas amareladas

Um livro com uma rosa especial desidratada entre as páginas…

Somos uma casa de muitas moradas

Infinitas marcas trazemos em nós

A começar com o rosto sulcado de rugas 

Quantas histórias, quanta vida! 

Valorizemos as marcas deixadas em nossa “casa”.

Alda M S Santos

Amamos assim

AMAMOS ASSIM

Amamos as pessoas pelo modo como nos vemos nelas refletidos

Pela receptividade à nossa “aparência” externa e interna que emitem

Pela capacidade de nos fazer sentir queridos

Pela aceitação das nossas qualidades e defeitos

Por não usarem dois pesos e duas medidas em qualquer avaliação

E, se e quando o fizerem, que o peso maior seja o do amor

Pelo carinho e cuidado conosco

Quer estejamos fortes ou frágeis…

Por existirem de “verdade”, 

E por se mostrarem presentes, mesmo distantes.

Esse amor é eterno…

Alda M S Santos

Bolhas de Sabão

BOLHAS DE SABÃO 

Lindas, leves, coloridas e perfumadas.
Bolhas de sabão…

Absorvem a luz, refletem a luz, numa troca incessante.

Grandes ou pequenas, redondas, ovais, sem forma…

Flutuando lá em cima ou cá embaixo

Duráveis ou fugazes, elas explodem.

Por vezes, bem passageiras, se desfazem, se vão…

Mas cumprem seu propósito de atrair, divertir e encantar.

Como as pessoas, como a vida…

Alda M S Santos 

Imagem Pinterest 

Autoproteção

AUTOPROTEÇÃO

Somos uma “máquina” inteligente

Cuja essência é a autoproteção

A preservação da vida

A saúde física e mental

À nossa revelia ela age, reage

Luta ou se recolhe 

Quando entendemos isso,

Paramos de lutar conosco mesmos,

E deixamos nossa inteligência

Emocional, racional ou “irracional” agir,

Lavar corpo, mente e alma.

Há tempo para tudo no nosso interior…

Observar isso leva-nos ao autoconhecimento,

Leva-nos à vida plena!

Alda M S Santos

Amo Brasil(ia), sim! 

AMO BRASIL(IA), SIM! 

Eu ❤️ Brasília, afirmei, complementando

Referindo-me à declaração contida na imagem.

“Como pode amar Brasília?”

-questionaram-me

“A podridão está naquele lugar!”

Simples! Brasília é uma miniatura do Brasil

Concentra uma população mista e que representa várias cidades do país

Traz consigo um povo lutador, honesto, sonhador, de fé, guerreiro

Também concentra desonestos, corruptos, aproveitadores e preguiçosos,

Como toda localidade do país.

Eu amo a Brasília do povo,

Como amo qualquer canto minúsculo do Brasil,

Com gente imperfeita e que se aperfeiçoa a cada dia.

A Brasília que se aproveita dos outros, que retira direitos, que corrompe, eu repudio

Como repudiaria o paraíso se ele assim agisse.

O amor contém e aceita imperfeições diversas,

Só não sabe lidar com a maldade. 

Alda M S Santos

Despedida

DESPEDIDA

Despedida sempre gera um pouco de angústia

Antecipamos os bons momentos que irão gerar saudades

Até os animais sabem disso

Sentem quando quem amam se vai

Quando retornam, comemoram

E agem como se não tivessem ido…

Sabem que mora melhor quem mora dentro de nós

Independente de onde estejam! 

Façamos morada nos corações uns dos outros! 

Alda M S Santos

Os vários tons de nós

OS VÁRIOS TONS DE NÓS

Somos feitos em cores, brilhantes ou opacas

Amarelo, azul, vermelho 

Verde, laranja, branco, 

E as refletimos por aí…

Laranja é vida que grita

Cinza também é cor. 

Cinza é cor que se cala. 

É a cor da introspecção

A cor de quando estamos em nós

De quando queremos sossego

De quando “brigamos” com cores que nos invadem

Cinza é repouso, reflexão, 

De onde iremos brotar com novos tons

Renascidos! Mais fortes!

Fomos criados para “evoluir” do cinza. 

Buscar outros tons.

A mistura com outras cores permite isso.

Com respeito e amor às nossas cores,

Às cores do outro…

Cinza com cinza, laranja com laranja sao úteis. 

Mas é a mistura de todas elas

Que nos faz viver nosso arco-íris 

Em nós, nos outros…

Uma vida multicor a todos nós!

Alda M S Santos

Multiverso

MULTIVERSO

Fazer parte de um multiverso

Sentir-nos parte 

Sendo, ao mesmo tempo,

Tão pequenos perante tudo

Tão grandes e importantes 

Perante nós mesmos

De onde flui qualquer mudança significativa.

Somos fundamentais, mas não maiores que nada!

Alda M S Santos 

Espinhos

ESPINHOS

Nada atraente, puro espinho

Porco-espinho

Se chegar perto, machuca

Humanos-espinho

Que não se aproximam, que repelem

Ferem a si mesmos, ferem ao outro

Porcos ou animais, independe!

Sempre há um jeito de se aproximar

Sempre é possível ajudar

Um ponto acessível sempre há

Para quem tem sensibilidade,

A vida agradece!  

Alda M S Santos

Foto de Deva Daya

Momentos

MOMENTOS

Fogueira, flauta, 

Violão, voz, música,

Amigos, primos, 

Simplicidade, sintonia,

Frio? Fica longe!

Corações aquecidos…

Momentos…

Que valem uma alegria

Alegrias que compõem uma vida…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: