Busca

Ele sempre está presente

ELE SEMPRE ESTÁ PRESENTE!

Quando a gente sente a proteção Dele

Numa curva qualquer da estrada

Num ambulatório hospitalar,

Nas palavras pronunciadas com sabedoria,

Ou até mesmo com raiva,

No silêncio oportuno dentro da gente,

Nas lágrimas que caem e quase tudo levam,

E deixam o que tem de valioso em nossa alma,

Aparente, ou não…

Na resposta sempre providencial,

Ainda que não nos pareça a mais adequada,

Ele está!

Basta confiar em Seu amor!

Deus tem modos especiais de nos manter perto Dele,

De Sua bondade, de Seu perdão.

É preciso confiar e agradecer!

Alda M S Santos

Questões

QUESTÕES

Sempre tidas como afirmativas

Algumas questões ainda são levantadas:

O amor em tudo crê mesmo,

É capaz de suportar qualquer coisa,

Aventura-se por mares desconhecidos,

Não desiste, persiste, se entrega,

Busca colo, oferece colo,

Arrisca a vida, desafia a morte?

Afirmativas ou negativas,

Tudo vai depender de quem ama ou desama.

Até mesmo o amor é processado de modos diferentes,

Dependendo de sua morada,

Pois todo telhado é posto à prova nas tempestades.

Alda M S Santos

Que tens a oferecer?

QUE TENS A OFERECER?
Que tens a oferecer?
A cola que alucina, a esmola paliativa,
Ou a mola que impulsiona e leva pra frente?
Que tens a oferecer?
O pão, a fruta, o doce que alimentam o corpo
Ou a doçura, a base que acalentam
E encorajam a buscar algo produtivo?
Que tens a oferecer?
Uma roupa que não quer mais, um calçado que aperta,
O cobertor puído, qualquer descarte,
Ou a atenção que busca dentro de si e entrega com prazer?
Que tens a oferecer?
Um coração para amar, um sorriso para alegrar,
Ou uma lágrima para enxugar, um ombro para chorar?
Pureza, amor solidário, saudade, tristeza, alimento
O que vier, se vier do coração,
Recarrega e abastece a alma…
Que tens a oferecer?
Alda M S Santos

Bomba-relógio

BOMBA-RELÓGIO
Vida contada, morte anunciada
O que é viver sob uma espada
Na expectativa do fim, e nada temer?
Tantos vivem assim, esperando apenas 
Que o relógio chegue a 00:00:00
Se dói, a dor irá embora.
Não temer o fim é sinal que a vida valeu
Ou que de nada vale?
Alívio total!
Alda M S Santos

Quarto vazio

QUARTO VAZIO

Um quarto vazio a mais na casa

Um espaço “desocupado” na alma

Daqueles desocupados que ocupam muito espaço

E que parecem estar mais cheios que os demais.

Um quarto vazio a mais na casa

Um quarto vazio dentro de mim

Olho para ele, fecho a porta, prefiro não ver.

Dói menos.

Olho novamente, sou atraída,

Abro a porta, entro, sento na cama,

Relembro, sorrio, é bom, saudades…

E choro. Dói também.

Qualquer espaço vazio é muito ocupado

Preenchido por inúmeras lembranças.

Tatuadas na alma da gente

No quarto vazio dentro de nosso coração.

Alda M S Santos

Ping pong

PING PONG

Energia e animação: 10

Boa vontade e doação: chego lá

Autoconfiança e autoestima: já foi 0, chegou a 10, anda oscilando.

Amor e carinho: doado ou recebido?

Sexo: rsrsr, feminino

Amizade: a que se fortalece na diferença

Ídolo: Jesus, o Cristo

Música: a que desperta

Esporte: dança da vida

Vício: pessoas

Faz sorrir: amor

Faz chorar: amor

Tolerância: evoluindo

Sinceridade: não vou te magoar?

Confiança em terceiros: 11

Grau de burrice: depende dos envolvidos

Decepção: vide nota anterior

Fé: na humanidade

Sonhos: mudá-los de status

Saudade: dói

Lugar: natureza, sempre!

Capacidade de aprendizado: crescente até a morte

Alegria maior: viver

Alda M S Santos

Abandono

ABANDONO

Qualquer abandono é compreensível

Até mesmo aceitável com o tempo,

Pais, filhos, amigos, familiares,

Aqueles nos quais mais confiou na vida.

Apenas um abandono não é aceitável nunca,

Sob pena de morte em vida:

O abandono de si mesmo!

Alda M S Santos

Poesia

POESIA

Toda poesia é despertada no silêncio de um coração,

Pois toda poesia finca raiz e brota nas dores, nas mágoas

Nas alegrias, nas tristezas,

Na profundidade do olhar, na intensidade das emoções.

Daí estende galhos e flores para todos os cantos…

Os que têm poesia dentro de si,

Enxergam todo esse encanto

Colhem e repassam

E enfeitam a vida por aí…

Alda M S Santos

O que pesa mais?

O QUE PESA MAIS?

O que pesa mais,

A culpa por algo que fez,

Ou o arrependimento pelo que deixou de fazer?

O que pesa mais,

O amor que foi poupado,

Ou o ódio que foi exagerado?

O que pesa mais,

A ingênua confiança,

Ou a excessiva desconfiança?

O que pesa mais,

Um afeto cheio de problemas,

Ou um desafeto todo “light”?

O que pesa mais,

Uma morte que se “escolhe” e aceita,

Ou uma vida ou morte determinada pelos outros?

O que pesa mais?

Alda M S Santos

Caminhos controversos

CAMINHOS CONTROVERSOS

Para se encontrar talvez o melhor caminho

Seja esconder ou ignorar certas partes de si

Bloquear algumas trilhas ou atalhos

Fechar algumas caixas secretas que insistem em se abrir.

Há caminhos que se apresentam para confundir,

Quando não se está preparado para trilhá-los.

Há peças que não se encaixam no jogo.

Há encaixes que no momento não parecem se adequar.

Há jogos feitos para ganhar, outros para perder

E aqueles feitos apenas para jogar…

Alda M S Santos

Morrer por amor?

MORRER POR AMOR?

Nada de Romeu e Julieta,

Esse romantismo exacerbado,

Amor impossível, que se mata para permanecer “junto”.

Mas que há muitos que se envenenam dia a dia,

Pelo outro, para o outro,

Isso não se pode negar!

A cada vez que você se nega,

Que deixa de lado algo que ama,

Que abre mão, que cuida, que se descuida,

Que tolera coisas que não gosta,

Que deixa espaços vazios,

Que se conforma com a falta de algo,

Que “cede” sua felicidade para proteger o outro,

Para ver o outro bem,

Um pouco de “veneno” é ingerido.

Há muitas maneiras de “morrer” para manter vivo a quem se ama!

Há muitas maneiras de “viver” para não matar a quem se ama.

Alda M S Santos

Aprendizados

APRENDIZADOS

Entre as coisas mais difíceis que existem

Estão saber a hora de ouvir, de falar e de se calar.

Quase tudo na vida envolve esses três atos,

Para ajudar a nós mesmos ou para ajudar os outros.

Depois disso decidido, ainda há o melhor meio de fazê-lo.

Aí é aguardar os resultados, as consequências.

Mas fazer aquilo que acredita certo,

Confiar na própria consciência,

Ainda que os resultados não sejam os melhores,

Que seja criticado ou incompreendido,

É, sem dúvida, o melhor meio de agir.

O menor dos saldos ainda é valioso: o aprendizado

Alda M S Santos

É preciso emagre(ser)!

É PRECISO EMAGRE(SER)!

A toda e qualquer criatura, masculina ou feminina,

Se for perguntado sobre o próprio corpo,

Maioria estará insatisfeita e certamente dirá:

Gostaria de emagrecer uns quilos,

Perder a barriga, uns culotes, ganhar músculos!

Os motivos são sempre estéticos: cuidar da aparência.

Pouquíssimos estarão preocupados com a saúde,

Ao contrário, fazem até procedimentos que a colocam em risco.

Num mundo em que uma boa “estampa”, uma boa imagem valem quase tudo,

É até compreensível que todos queiram cuidar do físico.

Estar bem com o próprio corpo, cuidar da autoestima,

É um modo de nos conectar melhor com nosso interior.

É preciso emagrecer, sim, se for nossa vontade, retirar os excessos do corpo pode fazer bem!

Mas é fundamental emagre(ser), retirar os excessos que engordam a alma,

Que nos impedem de nos amar e amar os outros.

Essa “gordura” é a mais difícil de perder.

Alda M S Santos

Doar-se é egoísmo?

DOAR-SE É EGOÍSMO?

Receber, ganhar, são sensações muito boas, bem sabemos!

Mas perdem para o prazer de doar, de se doar, de oferecer o que temos, o que somos…

Qualquer bem a qualquer um!

Será que tudo não passa de uma atitude egoísta, afinal?

Doar para fazer bem a si mesmo?

Que seja!

Doando, se abrindo, enfeitando, florindo por aí,

Ao menos o prazer é compartilhado!

Alda M S Santos

É de adoecer!

É DE ADOECER!

O que é capaz de nos adoecer?

Um vírus que nos manda pra cama,

Uma bactéria mais resistente que a gente,

Um fungo insistente e causador de males e alergias?

Sim! Tudo isso!

Doenças curáveis com drogas alopáticas ou homeopáticas.

Mas e quando o mal dói,

Corrói, invade, aperta,

Você sabe que ele existe,

Porém, não sabe onde ele nasce,

Tampouco como se alastra do corpo para a alma,

Ou da alma para o corpo?

E o principal: não encontra a medicação adequada,

Ou um modo de curá-lo?

Até onde a Ciência é capaz de ajudar?

Quando a ajuda está no fundo de nós mesmos?

Alda M S Santos

Casa cheia

CASA CHEIA

Casa cheia é sempre bom

Lotação total, nos divertimos, sorrimos

Interagimos, distraímos

Quase não nos notamos, perdidos em meio a tudo e todos.

Em “casa cheia” acabamos escondidos de nós mesmos,

E quando todos se vão,

Em meio à nostálgica solidão, nos vazios de uma “casa cheia”,

Podemos nos reencontrar

Ou ao menos tentar fazê-lo,

E ser felizes, ou não…

Alda M S Santos

Sou feita, não perfeita!

SOU FEITA, NÃO PERFEITA!

Sou feita de tudo aquilo que me cerca

Dos carinhos que recebo, das lágrimas que verto

Da luz que emito, da escuridão em que me meto,

Das emoções que compartilho, dos sonhos desfeitos,

Das esperanças que nutro, das decepções que engulo,

Dos topos que atinjo, dos tombos que levo…

Sou feita, estou sendo feita!

Sou feita, não perfeita!

Alda M S Santos

Furacões

FURACÕES

Felizmente não temos furacões no Brasil!- comemoram alguns otimistas.

Troco qualquer furacão categoria cinco por toda a corrupção aqui existente!

-afirmam outros desiludidos e pessimistas.

A questão é: qual tempestade podemos controlar,

Aquela advinda das intempéries da natureza,

Ou a que nasce de nossos vendavais internos,

Dos egos inflados, das índoles duvidosas,

Das razões intransigentes, das emoções oscilantes?

-perguntam os mais realistas.

Temos, sim, muitas tempestades, vendavais e furacões no Brasil, nos brasileiros.

Quem ainda não notou pode estar chafurdado com a cabeça na lama

De si mesmo ou dos outros, como avestruzes.

Quem poderá condená-los?

Cada qual se defende como pode e com os recursos que tem.

Alda M S Santos

Prisão domiciliar

PRISÃO DOMICILIAR

Pode-se dizer que estão em prisão domiciliar

Aqueles que de dentro deles não saem?

Que dia e noite estão trancados em si mesmos

Aguardando a condenação final?

Quem sabe uma pena alternativa

Como doar tempo e amor a outro sofredor

Não os livre dessa dívida pessoal e social?

Alda M S Santos

Imagem google

Poetas do amor

POETAS DO AMOR

Falar de amor é quase sempre controverso

Posto que muitos não amam ou amam de modos diversos.

Mas escrever sobre o amor pode ser polêmico

Visto que uma parte considerável nunca entende os versos, ou o amor que se mostra,

Acham brega, piegas ou algo qualquer similar.

E há ainda os que colocam em questão o poeta:

É algum frustrado que não ama- afirmam!

Ou talvez seja alguém que ama escondido -acusam!

Pois ninguém normal fala assim de amor-concluem!

E de questão em questão

Os poetas do amor vão observando e escrevendo

Sentindo, amando e compondo,

À revelia dos que sequer entendem o amor,

Pois para entendê-lo, ou fazer dessa linda poesia um poema,

É preciso mergulhar, se molhar por inteiro, vivê-lo, ou ao menos tê-lo vivido,

Intensamente!

Alda M S Santos

(In)dependência

(IN)DEPENDÊNCIA

Nunca ninguém é independente

Nem uma pessoa, tampouco uma nação.

A questão é oscilar e, se possível, escolher, vez ou outra,

Entre ser dependente de alguém

Ou ter alguém dependente da gente,

Conscientemente!

Manter esse equilíbrio é ter a falsa sensação de liberdade

De estar temporariamente independente.

Independência é utopia!

Sempre seremos (in)dependentes,

Aquela dependência do eu que vive dentro de nós,

E, vez ou outra, foge…

Alda M S Santos

Assédios sexuais

ASSÉDIOS SEXUAIS

Não sei qual é pior, ser homem ou ser mulher

Em tempos de assédios sexuais.

Um olhar, um abraço ou um beijo, roubados ou cedidos,

Uma esbarrada no transporte coletivo, proposital ou não,

Até uma ejaculação, certeira ou não, consentida ou não,

Não há como definir a intenção ou veracidade,

Tudo pode ser estupro ou apenas constrangimento moral.

Sei lá!

Esse mundo anda muito errado para as pessoas certas

E muito certo para as pessoas erradas.

Na dúvida, não olhe, não beije, não abrace, não encoste, não goze,

Ou siga sua consciência, faça tudo isso, e aguente as consequências: morais, imorais ou legais!

Alda M S Santos

Um ano de blog: Happy birthday to us! Thanks!

UM ANO DE BLOG: HAPPY BIRTHDAY TO US! THANKS!

“Tudo era apenas uma brincadeira que foi crescendo, crescendo, me absorvendo…

E de repente eu me vi assim completamente tua…”

Um ano se passou!

O que começou como uma brincadeira tornou-se uma grande necessidade.

O prazer de poder colocar aqui meus sentimentos, meus versos, minha prosa,

Poder criar, extravasar o que vai dentro de mim, o que percebo do mundo a minha volta, é uma catarse.

Encontrar uma imagem que corresponda ao escrito também é outra tarefa estimulante.

Poder “usar” a todos vocês, que se dispõem a me acompanhar, como receptáculos de minha criação,

Tantas vezes sendo dela a inspiração, me salva da loucura que ronda continuamente a todos nós.

O hábito de escrever diariamente, ter acesso ao que vai dentro de vocês também, o retorno que me dão, nos torna um pouco conhecidos, um pouco amigos, um pouco irmãos.

Quem escreve sabe bem interpretar o que está por trás de cada inspiração transformada em palavras, em versos.

Quem ousa compartilhar sabe o quanto isso pode ser aterrorizante e, ao mesmo tempo, estimulante, viciante e benéfico.

Muito obrigada a cada um de vocês!

Feliz aniversário a nós!

Vida, intensa vida a todos!

Alda M S Santos

É que um carinho às vezes(sempre) cai bem

É QUE UM CARINHO ÀS VEZES (SEMPRE) CAI BEM!

Tudo pode parecer ruir e o mundo estar nublado

E querermos apenas a nós mesmos num cantinho qualquer

Acreditando que nada irá mudar.

Mas nada, nada mesmo nessa vida

Tem o poder de derrubar qualquer muralha

Furar qualquer blindagem

Enxugar ou amenizar o fluxo de qualquer lágrima,

Reduzir cansaço ou tristeza crônica

Despertar a força interior

Fazer abrir um sorriso,

Que um abraço, um beijo, uma palavra doce, um olhar terno.

Mesmo os mais durões e resistentes sabem e aceitam:

“É que um carinho às vezes (sempre) cai bem!”

Abraços grátis a todos!

Alda M S Santos

No mesmo compasso

NO MESMO COMPASSO

As melhores danças da vida quase nunca são solo

São danças aos pares, em grupos, grandes ou pequenos

Bem coreografadas ou livres

Mas sempre acompanhadas.

Manter o mesmo compasso é fundamental

Para uma boa apresentação

Nesse grande palco chamado vida.

Alda M S Santos

Amor tatuado

AMOR TATUADO

Tatuagens têm a fama de serem eternas

Uma vez tatuado, sempre tatuado

Retirar é deixar outra marca muitas vezes bem feia

Tatuar por cima apenas disfarça a imagem anterior

Os amores de nossas vidas são assim

Uma vez amor, sempre amor

Pode apagar que fica lá uma sombra leve

Pode reescrever que usa as mesmas linhas

Talvez até as mesmas palavras, nuances, cores

Bom mesmo é deixar tatuado

Marcas do que viveu, do quanto amou

Algumas “tatuagens” são tão profundas que só a gente nota

E nunca gostaríamos de apagar!

Alda M S Santos

Saber amar

SABER AMAR

Saber amar é uma arte!

Uma arte tão simples que muitos não entendem

Complicam, distorcem, deturpam, confundem

Não construímos algo para amar

Amamos algo já existente,

Ou não…

Ainda que exista apenas em nossa mente,

Apenas os descobrimos,

E, irremediavelmente,

Amamos…

Alda M S Santos

Distribuir amor

DISTRIBUIR AMOR

Distribuir amor é como plantar flor

Cedo ou tarde a flor bem regada e cuidada

Nasce, cresce, enfeita e alegra o mundo

Cedo ou tarde o amor doado,

Bem irrigado com sorrisos, lágrimas, sinceridade

Cresce, encanta, preenche e transborda

E retorna pra dentro da gente.

Ainda que a flor pareça perecer,

Ainda que o amor pareça morrer,

Apenas recolhem-se por pequenos períodos

Para voltar mais lindos, mais fortes!

Alda M S Santos

No olho do furacão

NO OLHO DO FURACÃO

Quando se está no olho do furacão

Tudo gira, sobe, desce, cai

Se atrapalha, se confunde, se perde…

E quando se acostuma a tamanha pressão

Ele se desfaz,

E tudo que estava no seu centro

É lançado para longe,

E torna-se sem sentido…

Alda M S Santos

SUJEITOS DO AMOR

SUJEITOS DO AMOR

No amor há vários tipos de sujeitos:

Sujeitos comuns, aqueles que em nada diferem uns dos outros, amam igual a todos, seguem todas as normas e regras estabelecidas. Vida tranquila.

Sujeitos simples, aqueles que veem o amor em todos os lugares, do modo mais fácil, leve e alegre possível. Sorriem e se entregam. São felizes.

Sujeitos ocultos, aqueles que amam escondido, com medo, achando que algo sempre pode dar errado. Amam sofrendo.

Sujeitos compostos, aqueles que amam juntinhos, em pares, duplos, quase um só. Muito felizes!

Sujeitos indeterminados, aqueles que não assumem que amam. Não gostam de amar. Negam até a morte o amor. Muito racionais. Nunca aparecem. Vegetam.

Sujeitos são aqueles que devem exercer a ação de amar.

É preciso se sujeitar ao amor.

É preciso viver!

Alda M S Santos

Preenchimento e impenetrabilidade

PREENCHIMENTO E IMPENETRABILIDADE

Manter em nós todos os espaços preenchidos

Preferencialmente por sentimentos positivos,

Pessoas queridas e ações boas

Evita que sentimentos ruins,

Pessoas impróprias e atitudes negativas se apossem.

É a lei de Newton da impenetrabilidade:

Dois corpos não ocupam, ao mesmo tempo, o mesmo lugar no espaço!

Alda M S Santos

Confusão

CONFUSÃO

Emoções em ebulição

Dúvidas em questão

Angústias na contramão

Silêncios sem razão

Atitudes sem reflexão

Geram vidas em confusão!

Faz-se necessário, equilíbrio sem senão!

Alda M S Santos

Ampulheta

AMPULHETA

Viemos de fábrica com uma ampulheta invisível

Cada qual com uma diferente

Com um tempo já contado

Mas vale o mesmo para todos

Se fixarmos nela nossas vistas, nossas energias, nossas preocupações

No tempo que ainda nos resta

Não conseguiremos segurá-lo ou fazer com que passe mais devagar, ou mais depressa

Apenas o tempo não terá qualidade, não será devidamente aproveitado.

Certo é que ele passa, a vida passa

Quem fica parado ou muito preocupado está tentando segurar a ampulheta.

E perdendo um tempo valioso de amor e alegrias!

Alda M S Santos

Imagem google

Barreiras

BARREIRAS

Quantos muros construímos em torno de nós?

Quantas muralhas mantêm afastados os “inimigos”?

Quantas barreiras impedem que nos vejam como realmente somos?

Atrás de quantos sorrisos se esconde uma tristeza?

No fundo de quantos olhares ternos está entocada uma angústia?

O quanto a simpatia aparente é capaz de esconder?

Brechas se abrem por uns tempos, não entendidas, logo se fecham.

Não somos habituados a tentar transpor barreiras, derrubar muros ou enxergar além deles.

As maiores muralhas que nos afastam dos outros e de nós mesmos

São aquelas invisíveis ou disfarçadas de porteiras abertas.

Alda M S Santos

Toques que entocam

TOQUES QUE ENTOCAM

Magia do toque que toca fundo

Sequer precisa usar a pele

Usa as palavras ternas que arrepiam

O olhar sincero e amigo que enternece

Os ouvidos que acolhem e atraem

A disposição para colher com amor nossas dores

E transformá-las em motivo de prazer e alegria.

Toques que tocam a alma

São toques que entocam nossos corações

E não deixam ir embora!

Alda M S Santos

Expectativas

EXPECTATIVAS

Segunda ou sexta-feira?

Quarta-feira ou domingo?

O que difere um dia do outro, um mês do outro?

A expectativa que neles colocamos, certamente!

Levantar da cama disposto para o trabalho

O passeio, a família, o namoro

Faz com que qualquer dia tenha a “cara” de sábado.

Levantar com rabugice e mau humor dá a todo dia o tom da preguiça característica da segunda- feira!

Quero sete dias na semana com aparência de disposição, energia e amor!

Vamos levantar! Boa semana!

Alda M S Santos

Foto de Sílvia Helena Brito

Deleite

DELEITE

Deleite: Aquilo que agrada aos sentidos

Do primeiro ao quinto

De preferência atinge até o sexto sentido

São razões pelas quais vale viver.

Pois os nossos sentidos:

Visão, olfato, paladar, tato, audição, intuição

São apenas canais que levam o belo até nossa alma

E a tornam terna e completa!

Alda M S Santos

Foto de Sílvia Helena Brito

Rosas

ROSAS

Maravilhosas são as rosas

Perfeitas em sua delicadeza,

Cores, perfumes, formas…

São quase unanimidade,

Quase!

Há os espinhos, necessitam muitos cuidados,

Poda, adubo, água, luz solar

Algumas cores não agradam também,

Uns incomodam-se com os insetos que elas atraem,

E têm curta durabilidade…

Prefiro ater-me às lindas cores

Delicadeza e perfume!

Espinhos? Todas têm!

Todos temos!

Mas somos belos e encantadores

Como criaturas do mesmo criador!

Alda M S Santos

Abraços Grátis

ABRAÇOS GRÁTIS

Quem precisa pode até não identificar

Apenas sente falta de algo, um vazio

Mas quando recebe aquele abraço

Carregado de carinho e amor

De energia boa, de doação

Percebe claramente que faltava calor humano

E que pode não resolver tudo

Quase nada, aparentemente

Mas é capaz de ativar a força que está lá dentro

Afogada naquelas lágrimas represadas.

Ou num sorriso escondido atrás dos problemas e correria do dia-a-dia…

Abraço liberta! ❤️

Alda M S Santos

#carinhologos

Dó Maior

DÓ MAIOR

Em dó maior, em mi menor

Não importa!

Sem dó, sem mimimi,

Precisamos é fazer essa orquestra funcionar

Tocar a mais harmoniosa de todas as melodias,

Na afinação que nos cabe,

Tocar o maior número possível de corações!

Alda M S Santos

Decepções

DECEPÇÕES

Decepções são como nuvens escuras, carregadas

Passam, deixam uma tempestade de lágrimas

Vão embora, o Sol volta a brilhar

Mas nunca mais sobre as mesmas criaturas!

A tempestade lava a inocência

O Sol vem para secar as má(aguas)

E manter a vida em curso…

Alda M S Santos

Remédio ruim é que cura!

REMÉDIO RUIM É QUE CURA!

Remédio ruim é que cura, diziam nossos avós

Numa tentativa meio besta de nos fazer tomar certas poções.

E era cada coisa amarga e intragável,

Quase pior que o próprio mal que visava combater.

Bem ou mal, acabávamos mesmo curados!

Resta saber se pelo malfadado chá ou se pelo tempo transcorrido.

Mas disso tudo ficou uma lição:

Remédio ruim cura, sim!

Desde unha encravada, passando por gripe forte, dor de dente, mau olhado, até dor de cotovelo!

Mas se ele vier acompanhado de uma canja de galinha,

Uma cama quentinha, um cafuné e muitos cuidados de amor,

O convalescente fica pronto pra outra rapidinho!

Alda M S Santos

Deixar-se amar

DEIXAR-SE AMAR

Que aprende-se a amar, todos sabemos

Mas aprende-se também a deixar-se amar

Ambas as ações se conectam, se interligam

Quem não sabe amar, não sabe aproveitar o amor que recebe

Amor bem dado e amor bem recebido se multiplicam

Aprende-se a receber amor, doando amor

E aprende-se a doar amor, amando, na prática.

Não há manuais ou receitas, talvez algumas experiências.

Ambas as vozes do amor são ativas

Não existe passividade no amor

Amor passivo é vida inativa!

Alda M S Santos

Um milhão de amigos pra quê?

UM MILHÃO DE AMIGOS PRA QUÊ?

Roberto e Erasmo quiseram ter um milhão de amigos

Se tiveram eu não sei.

Verdadeiros? Tampouco!

Sou mais simples, não me importo com a quantidade

Quero poucos, porém verdadeiros

Com os quais possa interagir, confiar, abraçar

Sorrir e chorar junto!

Assim, canto mais forte, cantamos mais forte!

Mas não dispenso um lindo verso, entre tantos, da canção:

“Quero levar o meu canto amigo

A qualquer amigo que precisar…”

Assim, eu canto, e nos encantamos!

Alda M S Santos

Não somos o bastante!

NÃO SOMOS O BASTANTE!

Nós não somos o bastante.

Nunca seremos!

Nem para nós mesmos, nem para o outro!

Ainda que estejamos no topo do mundo!

Tampouco encontraremos alguém que seja o bastante para nós!

Simples: o ser humano é incompleto!

Essa incompletude faz parte de sua essência.

Mas isso não o impede de tentar,

E de sofrer com isso.

Essa busca desenfreada para se sentir inteiro

Também faz parte da essência humana.

Alda M S Santos

Sensibilidade e Amor

SENSIBILIDADE E AMOR

Sensibilidade é a capacidade de perceber, participar, se alegrar, se condoer

Com os sentimentos e modo de ser daqueles que se parecem conosco

Amor é a capacidade de fazer tudo isso,

Mas, particularmente, com aqueles que são diferentes de nós!

Alda M S Santos

Até onde a vista alcança

ATÉ ONDE A VISTA ALCANÇA

Longe, muito longe podemos ver

Até onde a vista alcança…

Céu, terra, montanhas e mares

Até onde a vista alcança podemos ver!

Vales, rios, Lua e estrelas,

E o que não vemos podemos imaginar…

Perto, muito perto nem sempre conseguimos ver

Em nós mesmos, nos outros

Perto, muito perto, quanto mais perto

Menos conseguimos enxergar, entender, aceitar…

Mal, mal imaginar!

Pessoas, sentimentos, desejos, dores e amores

Perto, muito perto

Nem sempre a vista alcança!

Alda M S Santos

Cicatrizes reabertas

CICATRIZES REABERTAS

Cicatrizes aparentes costumam ser grosseiras, ásperas, rígidas

Cicatrizes escondidas são mais finas e delicadas

Ambas demonstram força e fragilidade

Fragilidade por ter se machucado,

Força por ter sobrevivido

Mas ambas deixam o indivíduo com medo do risco,

Sem coragem de andar “descalço”

Cicatriz reaberta demora mais a fechar,

Cicatriz reaberta é a dor de hoje potencializada,

Pela dor de ontem no hoje,

Pelo medo do hoje no amanhã!

Alda M S Santos

Cuidados

CUIDADOS

Para a palavra atrair mais que repelir

Para o sorriso alegrar mais que diminuir

Para o silêncio acalmar mais que irritar

Para o desejo de ser leve não pesar uma tonelada

Para o amor doer menos que o bem que proporciona…

Alda M S Santos

Eclipse total, e daí?

ECLIPSE TOTAL, E DAÍ?

Eclipse total do Sol, a estrela maior

A que mais brilha, a que possibilita a vida

Muitas superstições surgem

Inúmeros cuidados de observação são apontados

Acostumados a ignorar os próprios eclipses,

A observar a olho nu os eclipses totais ou parciais do outro,

Sequer notá-los, atravessá-los, indiferentes

Estarão todos já com os olhos protegidos com o filtro necessário,

Afinal, é um simples eclipse solar!

Quem está no escuro, nada vê!

Quem tem a luz, sabe que ela retornará!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: