Busca

Quando o ímã é o carinho

QUANDO O ÍMÃ É O CARINHO

Nenhum ser vivo se aproxima de outro por acaso

Quando o ímã é o carinho

Não importa a espécie, classe filo, gênero

Origem, ordem, reino, família, habitat

Se anda, voa, se arrasta ou se não sai do lugar

Criatura atrai criatura

Vegetal ou animal, racional ou irracional

Afinidades que apenas são sentidas

Não se explica, se curte se sente falta!

Alda M S Santos

Bela panorâmica

BELA PANORÂMICA

Vista abrangente, vista definitiva, vista bela e encantadora

Olhar distante, até onde a vista alcança

Capacidade relaxante e revigorante

Uma vista panorâmica nos permite ver a beleza distante e nos abstrair dos problemas

Ou focar em pequenas partes sem perder a visão geral

E do quanto somos apenas parte de um todo,

Do quanto somos interligados, mas apenas um

Nesse maravilhoso multiverso!

Alda M S Santos

Tanto faz!

TANTO FAZ!

Tanto faz se é dia ou se é noite, se faz chuva ou se faz sol

Se as horas correm ou se arrastam-se

Tanto faz se rimos ou se choramos

Se o outro nos machuca ou nos faz bem

Tanto faz se ontem foi bom, se hoje não é

Ou se o amanhã é pura incerteza

Tanto faz se exercitamos o amor no outro ou se o guardamos apenas em nós

Tanto faz como tanto fez!

Modo estranho de viver,

Se esse “tanto faz” se aliar à indiferença e descaso…

À ausência de tesão pela vida!

Ideal seria se o tanto faz se devesse sempre ao prazer de viver

Independente do externo

Pois o que é bom e nos mantém vivos de verdade

Brota de dentro de nós como flores em dias de chuva…

Como o amor que não carece de nada

Apenas de existir para já fazer o bem…

Alda M S Santos

Amor sazonal?

AMOR SAZONAL?

O amor quando é real e verdadeiro

Não é amor sazonal

Pode até se intensificar em algumas épocas

Mas é amor de todo o tempo

É amor que dura, que perdura

Que se multiplica em qualquer estação!

Alda M S Santos

#carinhologos

Entre Belas e Feras

ENTRE BELAS E FERAS

Na dicotomia entre extremos: Belas e Feras

E a perfeição e imperfeição física e de atitudes

Há, na verdade, muitas Feras e muitas Belas

Que “amam” e não aceitam o modo de ser do outro

Que “amam” e querem se impor ao outro

Não somos só Belas ou só Feras

Somos Belas Feras e Feras Belas, humanos!

Com o “encanto” do viver

Cheios de erros e acertos, lutas e desencontros

Bailes e reencontros

Na tarefa árdua e prazerosa de aprender, se quisermos…

Alda M S Santos

Como palmeira

COMO PALMEIRA

Como os galhos de uma palmeira

Ao sabor da brisa leve ou vento forte

Vou deixando-me levar…

Ora me envergo toda para um lado,

Ora quase caio para o outro

Na tentativa constante de manter o prumo

Uma palmeira se fortalece diante das tempestades que enfrenta

E que ninguém sente, sequer percebe

Apenas admira sua beleza e força frente à natureza

E a palmeira cumpre seu propósito de produzir e encantar…

Alda M S Santos

E a vida segue…

E A VIDA SEGUE…

Dia: sol, luz, insegurança, amor, coragem, expectativas,

Vida que segue…na leveza ou peso do que somos

Noite: escuridão, medos, perseguições, ameaças, desconfianças, acusações…

Morte que tudo interrompe…na leveza ou peso do que carregamos

Sonhos e pesadelos…

Tudo cinzento e cruel!

Alegrias que fortalecem

No brilho do amor e amizade

Lágrimas que lavam a alma

Força que renasce da coragem e fé

E a vida segue…

Na linha tênue que a separa da morte!

Alda M S Santos

Museu do amanhã

MUSEU DO AMANHÃ

Museus carregam em si objetos de valores inestimáveis,

Aqueles cuja humanidade quer conservar, estudar

Expor, valorizar, eternizar

Museus do amanhã são as pessoas…

Acumulamos em nós para o amanhã tudo que nos é caro

Pessoas, emoções, sentimentos, lembranças

Mas, diferentemente dos museus,

Alguns desses itens não são expostos, ou o são com critério

O que não lhes reduz o valor

Ficam guardadinhos numa sala secreta de acesso especial

Isso nos torna museus vivos, que interagem

Que se valorizam nesse trânsito de sentimentos

De dor, saudade, alegria, amor,

Que ora se mostram, ora se escondem…

Alda M S Santos

Saudades

SAUDADES…

Saudades…

Sentimento ambíguo, pois só se tem saudade do que é ou foi bom

Mas que dói, maltrata, machuca

Nostalgia, tristeza, desejo do reencontro

Bom mesmo é quando podemos saciá-la

Aí é euforia, prazer, êxtase!

Caso contrário, as lembranças tentam suprir a falta

Saudade vive da expectativa do reencontro

Saudade rima com esperança

Esperança rima com amor!

Alda M S Santos

Sorria: você está sendo vigiado

SORRIA: VOCÊ ESTÁ SENDO VIGIADO

Localizados, filmados, protegidos, vigiados…

Sorria!

São tantos os meios tecnológicos, digitais, virtuais de localização e fiscalização

Para sua “segurança”!

Celulares, satélites, ondas de rádio

Cartões de crédito, GPS, Waze, drones…

Basta ter um chip e você está protegido, será localizado!

Sorria!

Você está sendo filmado todo o tempo!

Num mundo digital, virtual, online, onde todos são encontrados

Nunca houve tantas pessoas perdidas, precisando de bússolas internas,

Perdidas de si mesmas…

E a ordem é clara: sorria!

Alda M S Santos

Por nós, pelos outros

POR NÓS, PELOS OUTROS

O quanto fazemos por nós mesmos, nós sabemos

A real importância daquilo que fazemos pelos outros, imaginamos

Mas e o quanto os outros fazem por nós, silenciosamente

Dias e noites de sono “perdidos”, de lágrimas, agitação, preocupação, amor

O quanto investem em emoção, coração, oração

O quanto abdicam de parte de sua própria alegria por nós,

Saberíamos calcular?

Alguém que já fizemos algum bem no passado

E que hoje ora por nós, nos protege de longe

Que tem um pensamento de alegria, de positividade, de esperança

Que seria nosso anjo defensor aqui ou do outro lado

Saberíamos dizer?

Deus tem um modo todo especial de estar conosco

Quantas pessoas estarão a nos proteger, sem que a gente saiba,

Exatamente nesse momento?

Quantas?

Alda M S Santos

Pontos, laços e nós

PONTOS, LAÇOS E NÓS

Entre tantos esforços para se entender

Antever, planejar o futuro ou sofrer por ele

Ficamos perdidos no presente que é onde tudo acontece

Numa simples voltinha ao passado fazemos conexões

Só permitidas e compreendidas pós-vivido

Pontos são ligados, laços refeitos, nós desfeitos

E a trama do presente torna-se mais bonita

Consequentemente, a do futuro deixa de importar tanto

Aprendemos a ir desfazendo ou evitando novos nós…

Nosso viver é um constante ir e vir, retornar e prosseguir

Na vida não há estacionamentos, apenas vias de tráfego

E a velocidade, o veículo e a via somos nós que escolhemos

Mesmo quando parecemos estar apenas estacionados.

Conhecemos a via que deixamos para trás, a que transitamos

Mas o que tem lá na frente, nem teria graça se soubéssemos,

Pois a única certeza é que ela chega ao fim!

Alda M S Santos

Aprendendo a viver

APRENDENDO A VIVER

Quantas vezes é preciso cair para aprender a ficar de pé?

Quantas vezes precisamos passar pelo escuro para valorizar a luz?

Quantas vezes passaremos pela mesma pedra no caminho até aprender a dela desviar?

Quantas vezes cometeremos o mesmo erro até evitá-lo?

O cachorro chega devagar o focinho num canto onde foi sapecado por lagarta e se afasta veloz

Um bebê olha ressabiado para a tomada em que levou um choque

Quantas vezes precisamos passar por algo para entender?

Deus disse que deve-se perdoar 70 vezes 7

Supõe-se que se erre o mesmo tanto

Mas não precisa ser necessariamente o mesmo erro!

Isso se chama autoproteção, maturidade, experiência!

Nem é preciso muita racionalidade ou inteligência, apenas instinto, medo!

E assim a vida segue…

Deus tirando as pedras, a gente sendo atraído por elas

Entre erros, acertos, cuidado e proteção

Da gente mesmo, dos outros…

Vamos aprendendo a viver!

Alda M S Santos

Dia Internacional do Voluntariado

DIA INTERNACIONAL DO VOLUNTARIADO

Temos certeza que é algo trabalhoso de realizar

Que exigirá disponibilidade de tempo e dedicação

Sabemos que é algo bom e até fundamental para quem recebe

Muitas vezes, sendo o pouco com que podem contar

Imaginamos que seja prazeroso para quem realiza,

Mas que o trabalho voluntário é viciante

Só descobrimos quando começamos…

E queremos ajudar mais e mais e mais!

Chegamos a um ponto em que, se pararmos

Sofreremos de grave crise de abstinência

E percebemos que o tempo aparece, a dedicação aumenta

Ajudar, ser voluntário, fazer parte de algo assim

Levar carinho, atenção, distração

Em forma de doações materiais e emocionais

Nos faz valorizar muito o poder do carinho, de um abraço…

Nos faz valorizar ainda mais a vida

A nossa, a dos outros…

Alda M S Santos

#carinhologos

Reflexos de uma vida

REFLEXOS DE UMA VIDA

Diante do espelho um olhar a encara

Lança-lhe uma pergunta silenciosa: quem é você?

Finge não ver, disfarça, não devolve o olhar

-Psiu! Onde está a juventude e alegria que moravam aí outro dia?

Ajeita o cabelo que cai nos olhos, alisa uma ruga aqui, outra ali

-Posso ver aí dentro! O tempo passa independente de você!

Passa um protetor solar, um batom, coloca os brincos.

– Olhe para dentro de você! Não precisa correr tanto!Vai chegar!

Ela encara aquele olhar que vai se umedecendo aos poucos.

Respira fundo, olha lá dentro daqueles olhos brilhantes…

Quase em 3D, atinge a alma que reflete de volta.

Os olhos captam sua resposta silenciosa e se entendem.

Ela ensaia um sorriso, uma piscadela, lança um beijo,

E sai correndo a cuidar da vida…

Da dela, daqueles que se importam com ela

Da dos outros, daqueles que dela precisam…

Alda M S Santos

Dor da ausência

DOR DA AUSÊNCIA

Ela queria um novo CD do meu aniversário

Gosta muito de cantar, tocar, voz linda, muito afinada

É deficiente visual, percepção auditiva muito apurada

“Sabe, tia Alda, cantar manda a tristeza embora, alegra a alma”!

Isso mesmo, tem toda razão!- digo admirada.

“Quando a gente tem a dor da ausência, da saudade, cantar cura!”

E a gente ainda pensa que criança não sabe o que diz!

Nem precisa ser afinadinho, não, basta cantar!

Se quiser chorar, chore! Não tem problema, lava tudo!

Muita umidade a gente corrige com humildade

Mudando de posição, girando, pedindo ajuda…

Alda M S Santos

Famintos

FAMINTOS

Eis que estou a sua porta e bato

Se você abrir, entrarei e cearemos juntos…

Eu sou aquele que te faço falta, sou seu vazio

Por vezes, sou seus excessos

Posso ser sua alegria ou sua tristeza

Depende se saberá me ouvir, me notar

Eu sou aquele por quem você clama…

Todos os dias bato a sua porta

Nem sempre visto o melhor traje

Minha aparência externa é variável, muitas vezes

A interna tem mais brilho e calor

Posso ser sua felicidade, te completar

Mas precisa me aceitar, aceitar-se perante mim

Se você me perceber, me ouvir, posso entrar

Cearei contigo e você comigo

E nossa fome de toda espécie será saciada,

Eu sou aquele que você busca e não ouve

Que precisa e nem sempre enxerga

Eu sou o Amor!

Alda M S Santos

Amor incondicional

AMOR INCONDICIONAL

Viemos uns dias, ficamos um mês sem aparecer

Quando volto, sou recebida com um carinho sem igual

Demonstra de todas as formas o prazer em nos ter de volta: corre, salta, gira, vai e volta, lambe…

Se falasse diria: estive com saudades, que bom que está aqui

Nada de cobranças pelo que passou, pela falta que sentiu

Apenas a alegria do reencontro

Cadelinha de todos, companheirinha fiel nas aventuras na mata

Cachorros sentem o amor, aproximam-se de quem gosta deles

E quando vamos embora, deita-se na porteira,

Recebe o cafuné de despedida

Segue o carro por um pedacinho de chão

E Luana parece se conformar:

Eles voltarão…

Quem dera que humanos fossem simples assim!

Alda M S Santos

Nunca me canso!

NUNCA ME CANSO!

Difícil não nos emocionarmos,

Trabalhoso conter as lágrimas algumas vezes

Prazeroso sorrir junto, partilhar amor

Com eles a gente retoma o passado, vislumbra o futuro

Reorganiza o presente, tenta ajeitar a própria vida…

São um dos extremos do viver

Aquele no qual todos esperamos chegar…

Dizem que voltamos a ser crianças…

Pode ser na dependência física e emocional

Mas idosos carregam uma história rica, quase completa

Cheia de muitos percalços, lutas, saudades

Nem sempre feliz…

Mas estarmos juntos nos faz felizes, ainda que por momentos,

A eles e a nós!

E aguardamos ansiosos a próxima visita…

Prazer sem fim!

Alda M S Santos

#carinhologos

Rastros

RASTROS

Se nós não estivéssemos mais aqui

E alguém se dispusesse a escrever nossa história

Seguir nossos rastros, fazer nossa biografia

Como se fôssemos alguém famoso,

Ou que muito fez pela humanidade,

A quem deveria procurar?

Pais, irmãos, namorados, amigos, cônjuge, filhos, companheiros de trabalho…

Extrair deles nosso modo de ser e agir frente aos problemas

Diante do amor, das alegrias, das dificuldades…

Seria uma história real, completa? Verdadeira até que ponto?

Se não pudessem falar diretamente conosco, seria verídica?

Quem sabe tudo ou tanto assim de nós?

Há alguém que nos ame ou conheça tão a fundo?

Sei não!

Mas uma coisa é certa: não precisamos ser famosos

Ou termos feito muito pela humanidade

Nossa biografia, ainda que incompleta, ou mesmo não tão fiel

Estará escrita naqueles que amamos muito

Nos quais confiamos e compartilhamos vida

E também nos que nos amaram, com todos os nossos defeitos

Nossos rastros precisam estar neles,

Em quem dividiu conosco o amor

O resto não é tão importante!

Alda M S Santos

Neblina

NEBLINA

Neblina: parece que o mundo sinaliza para a introspecção

Lá fora está tudo fechado e escuro

“Volte para dentro de si, encontre-se”!

“A luz que precisa acende-se primeiro em você”!

Olhamos lá fora, tentamos identificar algo

Mas nada tem nitidez, tudo é sombra

As flores gostam, abrem-se viçosas para o dia

Os passarinhos não se importam

Cantam, felizes! Têm luz própria!

Alguns de nós voltam para dentro e se encasulam

Outros, descem as escadas e enfrentam a neblina

“Neblina na serra, chuva na terra”

“Neblina baixa, sol que racha”

Independente da hora que for, sol ou chuva

A vida não espera por ninguém…

Alda M S Santos

Se eu faltar pra você…

SE EU FALTAR PRA VOCÊ…

Se eu faltar pra você, quanto tempo sofrerá por mim?

Ficará revoltado, achando que a vida foi injusta, que merecia mais?

Será daqueles que mergulham em histórias e mais histórias pra esquecer minha partida?

Escreverá um livro contando nossa história para relembrar, não me apagar da sua mente?

Sentirá falta do quanto te amei, de minha companhia diária, do quanto nos fizemos bem?

Ou será do tipo que procuraria exatamente por quem disse que nunca faria, por pura rebeldia?

Seria capaz de me responsabilizar pelo que não foi culpa minha?

Saberia ser agradecido a Deus pela vida que compartilhamos, ou revoltado pelo fim?

Seguirá em frente, amará outra mulher logo, pois acostumou-se a uma vida de amor?

Não sei o que você faria…

Soubesse com antecedência da minha partida poderia até levar você…

Mas não seria justo! Você tem direito à sua vida!

Afirmo apenas que levaria você comigo para sempre:

No coração e na alma para qualquer dimensão…

Alda M S Santos

Quando?

QUANDO?

Quando um mal agudo se transforma em crônico?

Quando não dói mais ou quando aprendemos a conviver com a dor?

Quando a tempestade passou?

Quando limpamos a sujeira e estragos ou quando conseguimos admirar o arco-íris que surge?

Quando uma ferida curou?

Quando não deixou marcas ou quando restou uma cicatriz que não mais sangra, mas está ali?

Quando um monstro não mais assusta?

Quando ignoramos sua presença no escuro da noite

Ou quando de peito aberto o enfrentamos e dizemos

“Sou real e, mesmo com medo, sou mais forte que você”!

Quando?

Alda M S Santos

Flores e matinhos

FLORES E MATINHOS

Estive a cuidar de meu jardim

Não sou jardineira muito boa

Amo flores e jardins, mas não sei cuidar muito bem

Molho, admiro muito, cuido razoavelmente

Tenho dificuldade em identificar o que é mato ou erva daninha

Trato a todos, a princípio, como flores ou folhagens

Muito matinho com cara inocente se passando por flor…

E o jardim fica abarrotado, uns sufocando os outros

Disputa acirrada por espaço, por oxigênio, por luz

Até aparecer uma alma caridosa e me dizer o que podar, arrancar, jogar fora

Sobra quase nada! Que pesar!

Aí a gente cuida da terra e replanta tudo!

O mesmo vale para nossos jardins internos

Muitas vezes passamos pelas mesmas dificuldades…

E precisamos de um bom jardineiro ao nosso lado!

Alda M S Santos

Uma mãozinha

UMA MÃOZINHA

Percebemos o quanto o simples gesto de tocar as mãos, o rosto

Pode ser importante e valioso

Quando seguramos as mãos de pessoas carentes

Carentes de atenção, de carinho, de uma simples conversa

Não querem largar nossas mãos, nos soltar

Abrir mão de nossa presença

Fixam nossos olhos, os seus cheios de saudades, lembranças

Contam-nos histórias…

Reais ou imaginárias, ricas em detalhes

Pudessem, nos “prenderiam” ali

Onde, muitas vezes, sentem a vida indo embora aos pouquinhos…

Ainda assim, dizem rezar por nós!

E a gente se sente feliz por fazer parte dessa história

De um capítulo ao qual nossa vida chegará um dia…

Alda M S Santos

#carinhologos

Somos uma fraude?

SOMOS UMA FRAUDE?

Quantas vezes nos decepcionamos nessa vida

Com os outros, conosco mesmos?

Aquelas vezes em que a realidade é cruel

Diante do que esperamos dos outros ou de nós…

Quando esperamos coragem e nos acovardamos,

Quando esperamos audácia e fraquejamos,

Quando esperamos alegria e entristecemos,

Quando esperamos parceria e não encontramos,

Quando esperamos força e sucumbimos,

Quando queremos colo e ele nos falta,

Quando esperamos fé e a montanha não se move…

Somos uma fraude? Para os outros, para nós mesmos?

Talvez sejamos como crianças grandes emburradas porque perderam o doce…

Ou somos apenas seres humanos errantes e temerários

Em busca de aprendizado, evolução e amor?

Somos uma fraude quando mais precisam de nós?

Somos uma fraude quando mais precisamos de nós?

Alda M S Santos

Rituais de passagem

RITUAIS DE PASSAGEM

Andar, falar, nos expressar além do choro

Nossos primeiros rituais de passagem

Da primeira para a segunda infância

Ler, escrever, descobrir o mundo alfabetizado

Outro importante ritual de passagem

Descobrir o sexo oposto, nos apaixonar

Sofrer, achar que o mundo despencou

Também é outro ritual que nos leva para a vida adulta

Uma vocação, uma profissão, o trabalho

Amar, se envolver, casar, ter filhos

Não necessariamente nessa ordem, dirão alguns,

Mas vários são os rituais de passagem nessa vida…

Qual é o ritual que nos leva para a velhice?

Aquele ao qual se chega e pensa: “é, mudei de fase”!

“Atravessei uma ponte que não tem mais volta”

Será que existe essa ponte, essa travessia?

Será tão importante identificá-la? Atravessá-la?

A vida é uma continuidade, sempre algo ficará para trás

Mas enquanto houver sonhos, a vida continuará

Não há esse e o outro lado!

Independente de atravessarmos ou não essa ponte imaginária

O caminho continua…com aquilo e aqueles que levarmos conosco

E somos nós que o tornaremos belo, ou não!

Alda M S Santos

Ela é…

ELA É…

Ela é … uma criança levada

Que brinca nos jardins, que sobe nas árvores

Que se esconde nos lugares mais óbvios

Ela é … um beija-flor que suga o néctar

E repousa suave, num minúsculo galho

A tudo observar, leve como uma pluma

Confiante em suas próprias asas

Ela é … uma mãe que acolhe seu filho

Que limpa a ferida, que a cura com beijinhos

Ela é … um casal apaixonado

Que mergulha num rio gelado

Que se aquece no calor de um abraço

Ela é … a tranquilidade que acomete a velhice

Cujo tempo não se mede mais em relógios

Onde a vida acontece em meio à saudade

Junto às lembranças que, como ela,

Se fazem vida…

Ela é a Poesia, que não se esconde,

Mas, ainda assim, poucos a encontram…

Alda M S Santos

Desfocada

DESFOCADA

Como você me vê?

De perto ou de longe, como enxergar?

Se corrijo a visão de longe, embaço a de perto

Se corrijo a de perto, desfoco a de longe

A vida já é bastante difícil de entender

Para se ter visão monofocal

Se foco muito em mim, corro o risco de não ver os outros

Se foco muito nos outros embaço a visão de mim mesma

Quero uma visão multifocal!

Quero equilíbrio!

Preciso enxergar o mundo!

Preciso me enxergar!

Como você me vê?

Alda M S Santos

Em letra cursiva

EM LETRA CURSIVA

A vida é tecida em letras cursivas

Sobe, gira, desce, desce mais, faz uma volta

Um laço, um nó, curvas, círculos, segue em frente

Volta, faz um corte aqui, coloca uns pingos acolá

As letras são as mesmas, mas a escolha delas difere

E o modo de traçá-las também.

Infinitas palavras, frases, textos e histórias

Vão sendo compostos com a nossa marca

As nossas digitais, a nossa caligrafia original

Algumas letras são mais caprichadas

Outras até mesmo ilegíveis, até para quem escreve

Uns textos são mais longos, histórias mais complexas

Uns bem simples e fáceis de ler…

O importante é que isso é tarefa intransferível

Nós selecionamos, nós compomos, nós vivemos,

Ainda que o único leitor sejamos nós mesmos…

Alda M S Santos

Cubro-me

CUBRO-ME!

Cubro-me com palavras faladas

Lidas, ouvidas, cantadas ou escritas

Cubro-me de silêncios profundos

Mudos, sussurrados ou gritados

Cubro-me de lembranças

Boas, ruins, adoráveis, com ou sem interação

Cubro-me de esperança, fé e confiança

Como um cacto espinhento que nos surpreende com lindas flores

Cubro-me de amor e amizade

Para que não possa sentir o frio da dor

Coberta, estou sempre protegida

Da vida ou da ausência dela…

Alda M S Santos

Reencontro

REENCONTRO
Em sonhos, encontrei-me com uma amiga
Que há muitos anos não via
Parecíamos, fisicamente, diferentes uma para a outra
Mas nossa essência e carinho não haviam mudado
Amigas de segredos, de intimidades, de adolescência
De primeiro “amor”, de descobertas, de medos e planos
E a conversa fluiu tão natural que parecia não ter havido distância
Cada qual com sua vida, sua família, uns planos realizados
Outros que ficaram apenas na vontade, decepções
Mágoas, vitórias e conquistas, novos planos…
Aquela história dividida debaixo de um pé de amora
E que quase sempre a gente chora…
Tudo na verdade se resume aos nossos sonhos, sempre.
E pensamos em quanto tempo tínhamos ainda pela frente.
Sensação maravilhosa reencontrar alguém que foi especial
Que fez parte de um capítulo importante de nossa história
E que ficou guardadinho lá no fundo aguardando
As voltas da vida e os propósitos de Deus!
Saudades! Amei rever você, ainda que em sonhos…
Alda M S Santos

Nas asas da imaginação

NAS ASAS DA IMAGINAÇÃO
Estava em campo aberto, uma área gramada e pequena
Para todos os lados havia arame farpado,
Cerca eletrificada, concertinas, muros, grades…
Seu corpo estava preso das mais variadas formas
Limitação de espaços e de movimento
Para qualquer lado que tentava não era possível se mexer
Sequer conseguia falar ou se expressar
No fim das forças, cansaço extremo, deitou-se na grama
Olhou para o alto e viu uma ave voando no lindo céu
E descobriu que havia asas, que possuía asas e,
Voou, voou, voou…
Nas ainda possíveis asas da imaginação….
Alda M S Santos

Os grandes beneficiados

OS GRANDES BENEFICIADOS
Receber um certificado é sempre bom
Ter o trabalho social e voluntário reconhecido é prazeroso
Além de estimular outras pessoas a fazerem o mesmo
Mas, o maravilhoso, o que não tem preço, 
É o que nosso coração sente
Ao ouvir um idoso dizer: “que bom que vocês vieram”,
“Vocês alegram a nossa vida”,
“Quando vocês voltam?”
Ou uma pessoa num corredor de hospital
Ao receber um “Abraço Grátis” dizer em prantos, às vezes:
“Eu precisava tanto desse abraço”!
A verdade é só uma, ajudamos, sim,
Mas os maiores beneficiados somos,
Sem sombra de dúvida, nós mesmos!
Alda M S Santos
#carinhologos

Apelidos

APELIDOS
Apelidos podem ser marcantes
Quase sempre o são, sejam os carinhosos, pela delicadeza
Sejam os depreciativos, pela crueldade
Tanto faz se colocados pelos pais, amigos ou amores
Inimigos ou desafetos quaisquer
Doçura, princesa, gata, sapeca, anjinha, fadinha
Expedita, encrenca, pequena, “aldaciosa”
Baixinha, pretinha, branca, vida…
Príncipe, gato, amor, rei, anjo, tesouro, preto…
Sempre nos remeterão a alguém ou alguma situação
E nos levarão para lugares revisitados dentro de nós…
Alda M S Santos

Constelação

CONSTELAÇÃO

Tudo ainda parecia muito real dentro dela

Deitada na rede lá fora, encolhida, rosto banhado em lágrimas

Rezava, tomava um copo d’água e tentava afastar aquilo da mente

Pesadelos não são reais, repetia para si mesma sem parar

São apenas sua mente tentando trabalhar o que te faz mal, insistia ela

Na tentativa de neutralizar aquela imagem ruim.

Sabia que precisaria de tempo para voltar à realidade

Entender que pessoas que a amavam não seriam capazes daquilo.

Tentava identificar as constelações no céu

Eram tantas e tantas estrelas…

E como quando criança, queria acreditar que uma delas, apenas uma

Era alguém querido que lá de cima olhava por ela

E a protegia de todo mal.

Aos poucos ia se acalmando, despedia daquela estrela

Que de repente parecia brilhar mais que todas,

E voltava para dentro para dormir…

Alda M S Santos

Nem me despedi

NEM ME DESPEDI…

E aquela pessoa querida se foi…

Foi chamada para uma vida melhor que essa

Choramos, lamentamos, quase sempre exclamamos:

Sequer pude me despedir!

Gostaríamos mesmo?

Dar um adeus, não um tchau ou um até mais,

Um adeus! Sabendo que não haverá volta.

Um adeus! Até não sei quando ou onde…

Teríamos estrutura?

Momento para o qual nunca estaremos preparados

Não fomos ensinados a abrir mão de quem amamos

A nos afastar de quem queremos por perto

Mesmo sabendo da finitude da vida e das relações.

Melhor mesmo é fazer valer cada segundo dessa vida

Pois ele pode ser um adeus

E a gente nem ter se despedido…

Alda M S Santos

Chuva e lágrimas

CHUVA E LÁGRIMAS

Escorria ininterruptamente no para-brisas sem cessar

O limpador passava rapidamente, meio furioso e limpava

Escorria intermitente no rosto dela o tempo todo

Ela sequer pensava em limpar, deixava escorrer…

Chuva e lágrimas, o carro e ela

Embaçando o vidro, embaçando dentro dela

O mundo lá fora seguia seu curso

Uma linda canção parecia traduzir tudo

Que se passava no exterior e no interior

Do carro e dela…

Combinação cinzenta harmônica e perfeita

Chuva e lágrimas insistentes lavando, limpando, irrigando

Na esperança de desembaçar e trazer novo brilho

Nova vida…

Alda M S Santos

ResPIRAR!

ResPIRAR!
Um simples observar de nossa respiração
Nos mostra nossa reação a algo ou alguém
Por vezes, o ar se prende, se solta lentamente
Outras vezes, é apenas um respirar leve e suave
Passando por uma respiração forte e entrecortada
Ou uma falta de oxigênio total,
Além daquele susPIRAR profundo…
Esse resPIRAR constante nos mostra
A raiva, a ansiedade, a alegria, a tristeza
A tranquilidade, a saudade, o desejo
A empatia, a antipatia, a compaixão
O amor…que pessoas e situações nos despertam.
Cuidado para respirar, sem pirar!
Alda M S Santos

Transbordando

TRANSBORDANDO

Transbordar remete a algo além da conta

Acima das bordas, sobrando, derramando

Dentro da gente, tudo pode vir a transbordar:

Saúde, alegria, esperança, fé, bondade, amor,

Tristeza, lágrimas, mágoas, decepções, rancor, melancolia

De todo modo, é bom transbordar

Se coisas boas, alegra a todos a nossa volta…

Se coisas ruins, aquelas que a gente costuma prender,

Permite derramar até se esgotar…

Não dá é pra manter represado

Pois uma gota só pode ser suficiente

Para arrebentar comportas e causar estragos!

Alda M S Santos

Amor é um trem doido

AMOR É UM TREM DOIDO
O amor comanda um trem de muitos vagões
Nunca vem só! Todos encaixadinhos!
Em cada vagão, um sentimento ou emoção que o acompanha
Que faz com que o trem ande mais rapidamente,
Devagar ou até estacione!
Amor é um trem doido! São muitos os vagões!
Alguns o aceleram: empatia, sinceridade, confiança, lealdade, respeito, admiração…
Outros o atrasam: ciúmes, possessividade, intolerância, impaciência, desrespeito…
Mas se houver amor, sempre há jeito de mantê-lo em movimento
Mas se o amor não for o comandante,
Tudo descarrilha, tomba e se perde…
Alda M S Santos

Bagunça em mim

BAGUNÇA EM MIM

Há dias que estou tão bagunçada

Como aqueles jardins em que todas as flores disputam espaço

Perfumes, cores e formas se misturam…

Como um quarto de adolescente com livros, eletrônicos, roupas, calçados e pratos e talheres para todo lado

Nada se encontra ali…

Como uma criança numa loja de brinquedos deslumbrada com tudo, quer tudo

Não consegue se decidir…

Quando a bagunça é muita, não basta uma faxina

Precisa reorganização total e alguns descartes

Minha casa anda tão bagunçada,

Que tropeço em mim mesma, caio, machuco, choro,

Quase desisto! Quase!

Alda M S Santos

Qual a cor da sua consciência?

QUAL A COR DA SUA CONSCIÊNCIA?
Consciência branca, negra, amarela, multicor?
Qual a cor da sua consciência?
Enquanto essa pergunta for feita
É sinal que alguma delas está sendo preterida
Excluída, discriminada, maltratada
Qual a cor da sua consciência?
Minha consciência tem a cor do amor
Aquele que, se verdadeiro, nada exclui
Minha consciência tem a cor da saudade
Aquela de algo ainda não vivido
Aquela em que todos são diferentes e belos
Iguais no jeito de ser diferentes!
E amados principalmente por suas diferenças.
Minha consciência é multicor, como o amor!
Alda M S Santos
#carinhologos

Que imagem carrega consigo?

QUE IMAGEM CARREGA CONSIGO?

Qual imagem carrega consigo na tela do celular,

Na carteira, no bolso, na bolsa, na mochila, tatuada na pele,

Entre as páginas de um livro como uma rosa eternizada?

Aquela que ao encarar sorri para você, por você,

Que tira você do eixo, do prumo, do esquadro,

Que fez da sua vida uma bagunça, sinalizou com uma reviravolta

Te ensinou a fazer malabarismos, a viver na corda bamba

Te fez acreditar que tudo pode ser melhor,

Te colocou numa via, tantas vezes, de mão-dupla, perigosa

Outras, mão-única, sem retorno

Que você deixou em casa, no trabalho, na escola,

Ou simplesmente jogada por aí em qualquer lugar?

Aquela imagem que não precisa de celular,

De carteira, bolso, bolsa, mochila ou livro,

Pois essa imagem você carrega gravada na mente,

No coração, na alma…

Qual imagem carrega consigo e é sua fonte vital?

Alda M S Santos

CHUVA E ALGUÉM

CHUVA E ALGUÉM

Chuva! Seu tamborilar no meu telhado é calmante, nostálgico

Instiga pensamentos saudosos, longínquos,

Simplicidade e doçura de alguém…

Suas gotas em minha mangueira e jardim são refrescantes,

Remetem à natureza de alguém…

Olhando ao longe, a cidade acesa, outros telhados,

Quantas impressões, quantas sensações?

Sua umidade nas ruas, debaixo das marquises,

Telhados de alguém,

Pode vir a ser deprimente…

Sua força nos barracos em áreas de risco,

Lares de alguém,

Pode se tornar desesperadora!

A mesma situação pode gerar diferentes emoções.

Qualquer sentimento em nós despertado por algo ou alguém

Sempre irá depender da posição emocional, física ou social em que estivermos…

Somos sempre um alguém dependendo de outros alguéns,

Num mundo que parece tantas vezes não ter ninguém!

Alda M S Santos

Maldade ou infelicidade

MALDADE OU INFELICIDADE?

As décadas eram muitas, quase dez

E as mãos trabalhavam lentamente numa arte

“Não deu para arrumar isso aqui, mãe”

Um par de olhos úmidos o encarou, questionadora

“Está velho, esgarçado, puído, sabe o que é isso?”

Mais uma vez ela o observou, silenciosa,

Calmamente colando florzinhas na árvore de Natal.

“Está velho, coisa velha a gente joga fora, não compensa arrumar!”

Os olhos dela me encararam com muita tristeza e vergonha

Abaixou a cabeça, resignada e triste, continuando a colar…

Ele, me notando por perto, logo arrematou:

“Claro que é para coisas, não pessoas!”- e foi-se embora

“Depois a gente conversa!”

Mas o estrago já estava feito.

Frase maldosa ou infeliz?

Palavras não foram necessárias para traduzir

O que o olhar dela já havia dito: vergonha e decepção

Estava acostumada àquele tratamento.

O quanto vale nossas vidas?

Haverá mesmo alguém a cuidar de nossos idosos

De nós, quando chegarmos lá,

Com amor e bondade?

Alda M S Santos

O chiado do amor

O CHIADO DO AMOR
Um maravilhoso pôr do sol se iniciava e ele começou:
-“Um dia o sol se apaixonou pelas águas do mar,
Elas eram tão lindas, refrescantes, de um azul tão intenso
Que ele não foi capaz de resistir”…
-…”As águas do mar sentiram os braços longos e quentes do sol
Durante todo o dia a acariciá-la e acabou por corresponder àquele amor”- ela continuou.
-“Porém, era um amor impossível, tão diferentes! Tão distantes!
Era inconcebível que ficassem juntos!”- ambos disseram.
-“Mas não conheciam a força e poder do amor, daqueles que queriam realmente ficar juntos.
Para poder ter o prazer de se encontrar com as águas do mar, o sol todas as tardes
Descia devagarzinho e deixava-se morrer para o mundo, por uma noite inteira,
Para ter o prazer de mergulhar e viver abraçado àquelas águas tão queridas”!
-“Por isso o pôr do sol é o símbolo dos casais apaixonados.
Dizem que casais que se amam de verdade são capazes de
Ouvir o chiado de prazer do sol ao tocar o mar quando se põe.”
– Pena que hoje morrer de amor e matar por amor tenham
uma conotação tão ruim!
-Isso porque o que chamam de amor pode ser tudo, menos amor!
E aquele casal que repetia esse ritual há quase 60 anos,
Levantou-se daquele banco à beira-mar e saiu de mãos dadas.
O sol começava a se encostar nas águas do mar e eles, sorrindo,
Ouviram: ttttssssssss, o chiado do amor!
Alda M S Santos

Quando foi a última vez que chorou?

QUANDO FOI A ÚLTIMA VEZ QUE CHOROU?

Qual a última vez que as lágrimas foram suas companheiras?

Muita gente sequer lembra, pois quase não chora.

Não porque não tenham motivos ou sejam insensíveis,

É porque costumam lidar de modo diferente com as dores e frustrações.

Alguns choram escondido, ou porque não querem preocupar o outro ou não confiam o bastante neles.

Outros já choram por quase tudo, emocionam-se e choram muito!

Não precisam estar infelizes, é um meio de expressar a emoção.

Choram por emoções boas: uma vitória, um amor correspondido, uma gentileza, um pôr do sol, uma tempestade,

Uma amizade reencontrada, um desejo satisfeito, um carinho gratuito, uma lembrança boa…

Ou pelas emoções tristes mesmo: decepções, saudades, desamor, dores diversas,

Perda de algo ou alguém, problemas de saúde…

Há ainda as que choram pelas dores e males dos outros, das pessoas queridas e amadas

Ou até mesmo pelos males da humanidade.

Lágrima também é vida!

Acho que tenho vivido muito ultimamente!

Alda M S Santos

Inspire, expire!

INSPIRE, EXPIRE!
Inspire o ar que te cerca, rico em oxigênio
Expire o ar de dentro de si, carregado de gás carbônico
Inspire a luz e a energia boa à sua volta
Expire a escuridão e o medo lá de dentro
Inspire confiança, sabedoria, fé
Expire a raiva, a decepção e a desesperança
Inspire amor e amizade em forma de sorrisos e abraços
Expire a tristeza e a desilusão junto às lágrimas
Inspire, expire! Expire, inspire!
Às vezes tudo parece se inverter
Inspiramos dor, desamor, desconfianças e medos
Somos frágeis, somos humanos, erramos, sofremos…
Temos o direito de não sermos sempre fortes!
Mas como humanos não desistimos, insistimos
E acabamos, cedo ou tarde, aprendendo a respirar corretamente.
Em qualquer lugar que estiver…
Inspire, expire!
Alda M S Santos

E o niver passou…

E O NIVER PASSOU…

Questionada porque não fiz nada,

– Não quis nada!- respondi

-Justo você que sempre organiza comemorações para todos?

-Não tive vontade!

Não é que seja mal agradecida!

Algumas pessoas queridas longe,

Muitas de perto e de longe, que se importaram, enviaram palavras belas e votos de felicidade,

Foi o bastante para uma segundona!

A Deus agradeci a vida e tudo que Ele me proporcionou até hoje,

E que me permita viver o que julgar necessário para ajudar os que se aproximarem de mim.

Que a minha estrela, meu sol interno, mesmo quando houver nuvens

Possam brilhar para mim e para aqueles que amo,

De perto ou de longe!

Que as más águas passem, que levem o que for ruim

E que novas águas tragam sempre coisas boas!

Preciso só disso!

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: