Busca

Quem disse que palhaços não choram?

QUEM DISSE QUE PALHAÇOS NÃO CHORAM?

Que dizer a uma pessoa que perde alguém querido?

Que dizer a uma mãe que perde o filho jovem tragicamente,

Uma amiga Carinhóloga, doce, engraçada, divertida e solidária?

Que dizer? O de sempre nessas ocasiões?

Que eles não mereciam, que não parece certo, que não é certo!

Que ele agora está com o Pai, que aos poucos ela aprenderá a lidar com a saudade?

Que Deus sabe o que faz, que a vida é assim mesmo, que tem direito de chorar?

Que deve ser forte e confiar nos desígnios do Alto?

Parece tudo vazio por ser verdadeiro, mas nada trazer alento…

Que dizer? Tudo isso? Nada disso?

Que imaginamos a dor, mas que não temos o poder de tirá-la com as mãos?

Que mães não têm poder de segurar a vida do filho

Quando o Pai o chama de volta?

Quem disse que palhaços não choram?

Que fazer para o sorriso voltar a brilhar?

Não sabemos! Não sei!

Podemos te abraçar, te beijar, dar carinho, chorar e orar junto.

Estar disponíveis, ser colo, ser ombro, ser alma afim,

Ser irmãos, enfim.

E aguardar juntos a dor arrefecer…

Somos todos pequenos, impotentes,

Mas, estou aqui, estamos aqui!

Conte conosco,somos palhaços Carinhólogos

Nos sorrisos, nas lágrimas, nos abraços…

Alda M S Santos

#carinhologos

Sinto, logo…

SINTO, LOGO…

Sinto tanto, sinto muito, sinto com força

Dor, tristeza, mágoa, decepção

Sinto, logo…sofro!

Sinto tanto, de todas as formas e grandezas

Vontades, desejos, saudades, lembranças

Sinto, logo…espero!

Sinto tanto sem querer, por querer, quase desisto

Descrença, desânimo, desalento, descaso

Sinto, logo…resisto! Choro, sorrio…

Sinto tanto a qualquer hora, a qualquer tempo, a todo tempo

Cheiro de flor, cheiro de amor, de encanto, de alegria e fé

Sinto, logo…vivo!

Alda M S Santos

Quando abraço cura

QUANDO ABRAÇO CURA

Quando enxugar a lágrima do outro

Reduz o fluxo delas nas nossas faces

Quando um olhar de apreço ao outro

Aumenta nosso apreço por nós mesmos

Quando se atentar para o problema do outro

Tira o foco de nossos próprios problemas

Quando levar um abraço solidário e fraterno

Nos mostra que um carinho ameniza muitos males

Principalmente a indiferença, o descaso e o desamor

Pode não matar a fome do corpo

Mas sacia parte da fome da alma

Aumenta nossa autoestima, agiganta a fé na humanidade

E dá energia e esperança em dias melhores…

Abraços bons são os gratuitos e verdadeiros

Porque vêm com carinho de alma para alma…

Alda M S Santos

#AbraçosGrátis #CarinhólogosSolidáriosDeBH #Carinhólogos

Em preto e branco

EM PRETO E BRANCO

Preto e branco é lembrança nostálgica

De um extremo ao outro, o claro ou escuro

Da “ausência” total de cores do preto

À presença total de cores do branco

A brincadeira do p&b, fusão, união, composição

Sobreposição perfeita que encanta e instiga os olhos

Que os obriga a um olhar mais demorado para “colorir”

E dar nova leitura ao que parece ilegível

Nova compreensão ao antes incompreensível

Não se sabe o que é cor, tudo é cor

E nessa deliciosa pintura da vida, da natureza

Vamos colorindo nosso mundo…

Alda M S Santos

Feminicídio: quando o amor adoece e mata

FEMINICÍDIO: QUANDO O AMOR ADOECE E MATA

Amor adoece, morre, tem fim

Ou se morrer nunca foi amor?

Mais sério ainda: amor adoece, mata, se mata?

Crimes passionais, feminicídios ou simplesmente falta de amor?

Tudo que tem vida pode adoecer, morrer.

Nessa perspectiva, amor nasceria, cresceria, multiplicaria, definharia e morreria.

Mas amor precisa de um habitat para viver, um coração para o acolher.

Necessita de um ninho quentinho e aconchegante para ser protegido e alimentado.

Para crescer e gerar bons frutos precisa de uma alma receptiva.

E se esse habitat não for apropriado, se estiver doente,

Ele infecta o amor, o adoece, ameaça, violenta

Agride, mutila, mata, se mata…

Não é o amor que morre ou mata!

Somos nós, como habitat, doentes, que o matamos ou morremos…

Amor não é doença, não é patologia!

Amor é medicação, é vacina, é cura!

E se não houver em nós força, fé e bondade suficientes,

O efeito pode não ser o esperado e morrermos na tentativa,

Ou matarmos!

Amor é saúde, é proteção, é cuidado de si e do outro,

Amor é vida!

Feminicídio é o mais alto grau da doença do amor: a posse!

E como toda doença, apresenta sinais e sintomas para ser combatido a tempo.

Cuidemos da saúde de nossos corações, de nossa alma,

Cuidemos da saúde de nosso amor!

Alda M S Santos

#feminicidio

No fundo de um olhar

NO FUNDO DE UM OLHAR

Atravessar a grossa camada de gelo que o separa do mundo

Passar pela névoa densa que o protege, deixando-o opaco e sem brilho

Mergulhar na espessa, escura e profunda liquidez

No fundo de um olhar

E lá ficar…

Sondar espaços e ambientes, enxergar nesgas de luz

Buscar um novo ângulo, nova perspectiva, nova compreensão

Estender a mão, o abraço, um amasso, o perdão

No fundo de um olhar

Arriscando não mais voltar…

Perder-se em obscuridades e labirintos confusos

Vencendo saudades, medos, culpas e inseguranças

Reconstruir trilhas desfeitas, derrubadas

No fundo de um olhar

E novamente se encontrar…

Trazer à luz a paz retida no fundo da alma

Abrir as persianas que sombreiam a retina

Iluminar o verde da esperança que Ele nos dá

No fundo de um olhar

Resgatar a alegria

Fazê-lo novamente brilhar!

Alda M S Santos

A culpa é dos contos de fadas

A CULPA É DOS CONTOS DE FADAS

Um príncipe, uma princesa, um casamento real

E os olhos de todo o mundo concentram-se em Londres

Todos querem conhecer e acompanhar essa história

Uma plebeia moderna, estrangeira, afro-americana, divorciada

Cuja história de vida foge aos padrões da nobreza

Conquistou o sorriso, o olhar e o amor do príncipe tão cobiçado

O coração da rainha, as graças da família real e todos os seus súditos

Tanto protocolo, tanto luxo, tantos sonhos são sacudidos

Imagens invadem nossas mentes adormecidas

Berço onde os contos de fadas da infância foram acalentados

E uma leve nostalgia ou forte dose de realidade toma conta de nós

Uns, mais “reais” que a família real, concentram-se em seus borralhos

Outros, ousam sonhar com o “felizes para sempre” de um príncipe e uma princesa…

E cada qual olha para o que tem de “real”, verdadeiro, amoroso

Construído dia a dia na labuta familiar de príncipes e princesas “reais”

Agradece ou continua a sonhar com o lindo, forte e amoroso príncipe no cavalo branco

Talvez numa Ferrari, um olhar de puro amor, gentilezas de gentleman

Ainda que o sapatinho de cristal não caiba em nossos pés calejados pelas estradas sinuosas percorridas

E anseiem com o “felizes para sempre” de um amor perfeito e sem esforço …

A culpa é dos contos de fadas “escritos nas estrelas” que brilham no céu das nossas almas infantis…

Alda M S Santos

Doação ou escambo

DOAÇÃO OU ESCAMBO?

Doação é alegria, bondade cedida a alguém por prazer

Desejo que nasce do fundo da alma, que irriga o coração

Não há nada que pague, sequer há como desfazer

Um broto que cresce, vira árvore, dá flor e fruto, inunda a imaginação

Ainda que não nos faça mais sombra, independente do querer

Foi algo feito por amor, por carinho, por opção

Se houver qualquer cobrança ou mostras de se arrepender

Foi troca, escambo, venda ou similar, mas não foi doação

Coração amoroso e bondoso se autoabastece na distribuição,

Mesmo sem nada receber…

Alda M S Santos

Aprendendo a pescar

APRENDENDO A PESCAR

Pode ser prazeroso receber um peixe delicioso nas mãos, sem esforço

Prontinho para ser degustado, saboreado

Mas nada se compara ao prazer de pescar o próprio peixe

O sabor é outro: de satisfação, de vitória, aprendizado, superação dos limites…

Mesmo porque, nada dura para sempre

Cedo ou tarde, se faltar o fornecedor do peixe, precisaremos nos virar…

Somente se compara ao prazer de pescar

O ato de ensinar alguém a fazê-lo, vibrar com a conquista do outro

Pescar juntos, no mesmo barco, enfrentando os ventos contrários,

As marés desfavoráveis, a restrição da piracema, esperar novo momento

Saborear juntos um pescado desejado

Isso é divinamente lindo!

Alda M S Santos

Oportunidades perdidas

OPORTUNIDADES PERDIDAS

Para onde vão as oportunidades perdidas?

Será que existe uma caixa de oportunidades perdidas e achadas guardada por aí,

Onde a gente pode ir e recuperar a nossa?

Quem sabe escolher uma no nosso número e medida?

Ouvi certa vez que não há oportunidades perdidas.

Nós perdemos, mas sempre há quem as aproveite.

Por medo, ignorância, vaidade, incompetência, excesso de cuidado ou falta de fé,

Deixamos passar boas e raras oportunidades…

Mas também aproveitamos algumas que outros deixaram passar.

Quase sempre inadequadas ao nosso modo de ser…

Insistir numa oportunidade que passou rápido demais, endureceu,

Envelheceu, murchou, encolheu ou é imatura demais, não convém!

É como insistir em calçar um sapato 37 ou 33 num pé 35.

Nunca ficará bonito ou confortável!

Nessa circularidade da vida, qualquer hora surge uma oportunidade só para nós,

Sem “deformações” causadas por outros pés,

Sob medida…e estaremos maduros o bastante para aproveitá-la!

Alda M S Santos

Fake news, fake peoples

FAKE NEWS, FAKE PEOPLES

Querem nos “treinar” para identificar facilmente as maléficas fake news!

Melhor seria se pudéssemos identificar melhor as fake peoples.

Como as fake news, que utilizam certos artifícios para parecerem verdadeiras,

As fake peoples também têm inúmeros artifícios para cativarem fãs e conquistarem seguidores.

Uma “estampa” atrativa, mas à base de tecidos podres,

Uma capa colorida e bonita, mas de conteúdo duvidoso,

Um sorriso “sedutor”, mas que não chega aos olhos,

Palavras treinadas e ensaiadas para parecerem o anjo salvador que caiu do céu,

Prestabilidade excessiva e “afinidades” forjadas para ludibriar pessoas de boa fé…

E, com certeza, essas pessoas falsas são as maiores criadoras das fake news.

Quando soubermos identificá-las, usando nosso faro, intuição

Nosso sexto sentido, ficando imunes a elas,

Melhor identificaríamos as fake news!

Ou seja, mais importante que identificar notícias falsas, num mundo quase sempre falso

Onde ser autêntico é quase ser um ET,

É identificar olhares, sorrisos, expressões, palavras e atitudes falsas…

Alda M S Santos

#fakenews

Morrer, como será?

MORRER, COMO SERÁ?

Como será o momento da morte?- perguntou-me o idoso meio curioso, amedrontado.

Não sei!-respondi! Nunca morri!- brinquei.

Mas você viverá muito ainda! Não se preocupe com isso, viva a vida- aconselhou-me.

Certamente tudo que a gente fez nessa vida passa pela nossa mente- continuou.

As oportunidades perdidas, os erros “humanos” cometidos,

Os que conseguimos ajeitar, ou aqueles que causaram danos irreversíveis.

Acho que temos medo é das contas a prestar- falou meio sorrindo.

Se passa tudo pela mente, o melhor modo é nos concentrar nas coisas boas que fizemos,

Naqueles que amamos, que nos amaram- falei para ele

E quando assustarmos, nossos olhos terão se fechado aqui,

E só se abrirão do outro lado- sorri e fiz um gesto teatral.

Talvez mais alegre e colorido que esse mundo cinzento- ele disse por trás de seus olhos também cinzentos…

Ou não! -finalizou!

Esse é um caminho cuja travessia fazemos sozinhos….

Como será o momento final?

Alda M S Santos

Insanas produções

INSANAS PRODUÇÕES

Sofrer é um modo louco, insano de viver

Foge ao controle de qualquer ser humano

Cada qual lida como consegue, como suporta

Compulsivamente, muitas vezes, amargamente, noutras

Fechando-se em si mesmos, usando alucinógenos variados

Exigindo muito de si, fisicamente, em atividades esportivas

Hibernando, mergulhando no mais escuro e profundo do ser

Criando, desenhando, pintando, compondo

Plantando ideias de amor, de fé, de compaixão

Sofrimento insano gerando obras de artes

Plásticas, da literatura, da música…

O quanto de lindo deixado para a posteridade não é fruto de sofrimento produtivo

Como ostra produzindo lindas pérolas

Como lagartas em casulo transformando-se em borboletas leves e coloridas?

Não temos como fugir ao sofrimento

Inclusive ao sofrimento de quem amamos, que dói muito também em nós

Mas podemos usá-lo como combustível, inspiração, força

Escolher o que queremos fazer com ele:

Insanas e lindas produções artísticas

Ou loucas produções bélicas, destruições próprias e alheias…

Na verdade, fingir que o sofrimento não existe

É que é o modo mais insano, doloroso e improdutivo de sofrer…

Alda M S Santos

Verdades e mentiras

VERDADES E MENTIRAS

Uma mentira repetida muitas vezes

Continua sendo uma mentira

Mesmo sendo uma mentira “benéfica”

Uma verdade ignorada muitas vezes

Nunca deixará de ser uma verdade

Ainda que seja uma verdade dolorosa

Porém, a mentira atrai os falsos, os de caráter duvidoso

A verdade é ímã para o que é autêntico e real

Isso nós podemos escolher…

O que ser para nós e para os outros

O que manter ou atrair para perto de nós!

Alda M S Santos

#carinhologos

Sonhos…

SONHOS…

Sonhos…tão nossos, só nossos…

Sonhos “presos” no âmbito do in(consciente)

Estão protegidos em sua irrealidade

Trancados atrás das telas frias da impossibilidade

A partir do momento que ousam ser compartilhados

Cruzam uma fronteira perigosa e audaciosa

Passam a correr dois riscos:

Tornar-se reais, ainda que diferentes do sonhado

Transformando-se em realidades lindas, leves e doces como voo de beija-flor

Ou morrerem, em pesadelos escabrosos, sufocados pela grossa nuvem de poeira do mundo real

De um modo ou de outro deixam de ser sonhos

Daí tantos humanos cautelosos preferirem manter sonhos como sonhos

Guardadinhos na mente, na alma, no coração, protegidos…

Alda M S Santos

Deus nos quer crianças

DEUS NOS QUER CRIANÇAS

Na infância somos crianças autênticas e felizes

Encontramos alegria nas pequenas coisas…

Um bichinho de estimação, uma brincadeira qualquer…

Crescemos, buscamos felicidade onde não se encontra

Esquecemos o quanto é simples ser feliz

Deus nos torna pais e mães para nos relembrar

O quanto a felicidade se encontra no brilho de um sorriso puro e inocente

Os filhos crescem…

Deus manda os netos, sobrinhos-netos, para exercerem o mesmo papel

Renovarem a fé, alegria e esperança

Uma aula de reforço de simplicidade e pureza

Quando não conseguimos mais notar ou acompanhar as crianças

Nós mesmos nos tornamos crianças na velhice…

Deus quer pra nós a alegria, pureza, simplicidade, confiança e inocência das crianças…

Ele sabe o que é bom para nós!

Alda M S Santos

Amor inexplicável

AMOR INEXPLICÁVEL!

Quando uma mulher se torna mãe

Sua vida, que julgava sua, deixa de lhe pertencer

Suas alegrias passam a depender da felicidade dos filhos

Suas lágrimas escorrem na mesma proporção que as dos filhos

Sua vontade de viver, medo de morrer

Tem tudo a ver com a vida que julga ser dependente da sua

Quando, na verdade, a vida de toda mãe é que é dependente da vida do filho

Seu coração bate em outros peitos que não o seu

Torna-se capaz de realizar as maiores loucuras para protegê-los

De abrir mão de loucos desatinos em benefício deles, visando seu bem estar

Para que no futuro, fortes, confiantes e corajosos

Eles possam recomeçar novo ciclo de vida

Cometendo suas próprias “loucuras” e desatinos

Sendo felizes…

Amor de mãe, em grandeza, forma, incondicionalidade

O amor mais próximo do amor de Jesus: inexplicável!

Amo vocês além do infinito, eternamente…

Alda M S Santos

Por que Nossa Senhora?

POR QUE NOSSA SENHORA?

-“E quem não é devoto de Maria?”

A maioria quase absoluta dos idosos do Lar Santa Zita é de católicos

Mas é o que menos importa, todos são filhos ou mães

E numa homenagem às mães

Aquela escolhida por Deus para ser a mãe de Jesus, Nosso Salvador,

É a homenageada principal!

Ninguém é obrigado a participar, respeitamos

Como em qualquer outra atividade

Mas a quase totalidade que tem Maria como Nossa Senhora, mãe de todos nós

Merece também respeito e consideração!

Quem conhece e ama o Filho, ama a Mãe

Sabe que Maria nos leva a Jesus, que nos leva ao Pai…

Coração de mulher, de mãe, que confiou nos desígnios de Deus para nos salvar

Sofreu a maior dor que uma mulher pode sofrer: perder o próprio filho

É uma honra poder chamá-la de Minha Mãe, de Nossa Senhora

E tê-la para interceder por nós todo o tempo

Nossa Senhora, rogai por nós e por todas as mães,

Amém!

Alda M S Santos

#carinhologos

Amor nunca fica velho

AMOR NUNCA FICA VELHO!

Pode ter 70, 80, 90 anos, nunca envelhece!

Nunca fica velho(a), aquele(a) que passou conosco os anos

Que esteve ao nosso lado enquanto uma ruga se prendia lá, dona do pedaço

E uns fios brancos brotavam cá, rebeldes

Que foi se encurvando enquanto dividia conosco os pesos de nossas dores

Ou as batidas do coração já fraco de tanto pulsar por nossas alegrias, tristezas e medos

Nunca fica velho aquele olhar que menos vê

Mas ainda brilha por nós, enxerga, percebe, identifica

Não envelhece um corpo que nos aqueceu, nos acolheu

Nos deu colo, nos empurrou para frente, nos amou…

Nunca fica velho aquele que caminha mais lentamente

Ou não ouve mais tão bem, fala pouco

Mas ainda caminha conosco mesmo de longe, escuta melhor nossos silêncios

Canta conosco baixinho nossa trilha sonora

Nunca envelhecem aqueles que amamos: cônjuges, pais, irmãos, amigos, filhos, não importa

Nunca estão velhos o bastante para irem embora, nos deixar

Nunca estamos velhos o bastante para saber perdê-los

Simplesmente, porque amor não envelhece, tem fases, renova-se

E, se envelhecesse, seria como vinho, cada dia melhor

E nos embriagaríamos!

Alda M S Santos

Não faz sentido?

NÃO FAZ SENTIDO?

Quando estivermos meio perdidos

Sem conseguir encontrar o sentido da vida

Talvez estejamos procurando no lugar errado

Melhor afastar um pouco o foco de nós mesmos

Lançar o olhar para fora, para o outro, perto ou longe de nós

O sentido pode estar no que podemos fazer por eles

E encontrando-o ali, como mágica

O encontramos novamente em nós

Tudo volta a fazer sentido…

Alda M S Santos

#carinhologos

Portas trancadas

PORTAS TRANCADAS

Portas trancadas só fecham-nos dentro de nós mesmos

Se for alguém do mal, arromba

Não conseguimos impedir…

Se for alguém do bem, abre pelo carinho

Não queremos impedir…

E quem quiser sair

Sairá do mesmo modo que entrou, à nossa revelia

Não podemos impedir…

Alda M S Santos

Pouco vale uma torcida

POUCO VALE UMA TORCIDA

Pouco vale uma torcida

Por maior, mais forte e fiel que seja

Quando o que precisamos

É de um jogador a mais em campo

Que vista nossa camisa em qualquer jogada

No combate corpo a corpo

Nos lances espetaculares, nas faltas

No ataque ou na defesa, nas contusões

Nas bolas fora e nos gols

Nas derrotas sofridas, nas vitórias vibrantes

Ou nos empates chocos

Que não tire a camisa quando ela parecer feia ou rasgada

Mas conosco…sempre…

Alda M S Santos

Fugia…

FUGIA…

Ela apertava fundo o acelerador, fugia

Rodovia escura e muito curva, chovia

Um ou outro farol em sentido contrário, sequer percebia

Nas lágrimas que sem cessar, refletiam

Escapara mais uma vez, vida salva, coração acelerado

Mas o medo persistia…

E fugia!

Para onde? Não sabia!

Queria fugir para qualquer lugar

Onde o medo não imperasse

Onde a dor não reinasse

Mas sabia…

A única fuga que permite reencontro consigo

Capaz de matar ou neutralizar qualquer monstro

É a fuga consciente para dentro de si mesma

Onde pudesse novamente se fortalecer, se reencontrar

Respirar, viver, agradecer

Ficar livre de pesadelos e ter apenas bons sonhos

Ainda que irreais…

Seria utopia?

Alda M S Santos

Amor: costurado e bordado a dois

AMOR: COSTURADO E BORDADO A DOIS

Pedimos a Deus mais paciência

Mas ignoramos as situações nas quais Ele nos coloca para desenvolvê-la

Pedimos a Deus corpo e mente saudáveis

Mas intoxicamos nosso organismo com os venenos dispensáveis do dia a dia

Pedimos a Deus um trabalho bem remunerado e prazeroso

Mas não buscamos estudar e nos aprimorar

Pedimos a Deus mais justiça e paz nos nossos convívios

Mas brigamos no trânsito, nos irritamos nas filas de banco, no transporte coletivo

Pedimos a Deus que nos proteja de todo mal

Mas muitas vezes dispensamos os anjos enviados para nos proteger

Pedimos a Deus que nos perdoe de nossas falhas, que nos dê nova chance

Mas insistimos em navegar em canoas furadas, cometendo os mesmos erros

Pedimos a Deus relacionamentos verdadeiros, que nos aceitem e valorizem como somos

Mas a recíproca de nossa parte nem sempre é verdadeira

Pedimos a Deus um amor só nosso, na nossa medida

Mas não somos capazes de nos flexibilizar para crescer e amar

Ignoramos que amor na medida é construção diária, costurado e bordado ponto a ponto, a dois

É preciso buscar, não se encontra em pronta-entrega, tampouco há delivery…

Mas somos sortudos e abençoados

Deus nunca desiste de nós!

Alda M S Santos

Vida ou morte?

VIDA OU MORTE?

Às vezes parece que temos ido mais a velórios que a maternidades…

Percebido mais mortes que nascimentos perto de nós

Será mesmo?

Ou nosso olhar tem focado mais num do que noutro?

Avaliado mais um “evento” do que outro?

Saber que ambos fazem parte da vida é importante

Até mesmo essencial para prosseguirmos com mais serenidade e ânimo

Ter essa visão cíclica da vida, o quanto ela é rotativa

Ora estamos aqui, ora estaremos do outro lado

Isso pode gerar desejo de fazer o melhor possível o quanto antes

Ou avaliar que, por mais que se faça, nada mudaria o final

E se “entregar” à inércia do acaso…

Vida ou morte, nascimento ou sepultamento?

Até em nós mesmos fazemos isso todo o tempo

Nascem e morrem em nós emoções, sentimentos, necessidades, alegria, dores

Nem sempre temos controle do que vive ou morre em nós

Tentamos deixar brotar o que nos faz bem, sepultar o que já não está vivo

Ou que poderia vir a nos matar…

Nascer e morrer…

As únicas certezas que temos

No intervalo tudo pode acontecer, boa parte depende de nós…

Alda M S Santos

Vale ouro

VALE OURO

Juntamos diplomas, títulos, medalhas, troféus, taças

Para nos apresentarmos bem quando percebemos chegado o “julgamento final”

Mas não são aceitos quaisquer desses itens

Há critérios importantes a se considerar

De nada valerão diplomas, mestrados, doutorados, títulos e honrarias terrenas

Se não serviram para fazer uma vida melhor, salvar alguém

Despertar sorrisos, fazer brotar o amor e a compaixão

Especialidades, conhecimentos variados, medalhas, bens materiais nada são por si só

Tudo que terá peso positivo é como foram utilizados

Vidas que foram salvas, amor que foi doado

O bem praticado, a luz emitida

E isso a alma é quem transmite

A alma de quem doou, de quem soube receber

Não são necessárias palavras…

Tampouco malas ou bagagens

O que vale ouro mesmo nesse acerto de contas

Vai em nosso espírito, em nossa alma leve, numa consciência em paz…

Alda M S Santos

Brincar de ser feliz

BRINCAR DE SER FELIZ

Brincar…de ser feliz

Dançar, pular, correr

Chupar picolé até se lambuzar

Sorrir até a barriga doer

Despertar um sorriso em alguém

Brincar…pra ser feliz

Sentar no chão, gargalhar

Voltar a ser criança, confiar

Agarrar um bichinho de estimação

Aspirar o perfume de uma rosa

Brincar…de ser feliz

Namorar, abraçar, beijar, amar

Pedir colo, ser colo, fazer amor

Ser o amor de alguém

Chorar se der vontade, inútil engolir o choro

Dormir de conchinha, sonhar

Ler um livro, escrever um poema, ser a poesia

Brincar… pra ser feliz

Mergulhar numa cachoeira gelada

Cantar alto, rezar baixinho

Tomar um banho quentinho

Assistir filme no tapete, debaixo de edredom

Se empanturrando de pipoca

Brincar… de ser feliz

Declarar o amor, apaziguar a dor

Responder a um bom dia, contar uma piada

Rir de si mesmo, sorrir para o outro

Retirar os pesos das costas, ser leve

Perdoar, acreditar que ainda vale a pena…

Brincar de ser feliz…

Brincar pra ser feliz…

Brincar para fazer feliz…

Alda M S Santos

Sangrando

SANGRANDO

Tão bela, tão delicada, tão perfumada

Singela, encantadora, frágil

Frágil? Às vezes!

Sabe se defender, tem espinhos, fere

Resiste às tempestades constantes

Perde folhas, galhos, flores, para manter a raiz

Assim são as roseiras, assim são as pessoas…

A diferença é que elas não ferem a si mesmas

Humanos ferem-se com os próprios espinhos

Se atrapalham, se automutilam, confundem-se

Machucam seus amigos, quem lhes quer bem,

Afastam o essencial, sangram…

Sangrando buscam um caminho menos nebuloso, menos árido

Mais aconchegante, tranquilo, pacífico, alegre

Para colorir, florir, encantar, viver, amar…

Alda M S Santos

Culpas e responsabilidades

CULPAS E RESPONSABILIDADES

Qual sua responsabilidade na atual situação em que você se encontra?

Essencial nos perguntarmos isso antes das acusações de praxe.

O outro não teve paciência, o chefe não pagou o devido, a igreja não ajudou, os filhos exigiram demais,

O cônjuge não foi compreensivo, os médicos não fizeram o diagnóstico correto…

Ou ainda a vida foi “madrasta”, os amigos desapareceram, as leis não foram justas, o país é corrupto, Deus não existe…

Responder a essa pergunta com coragem e sinceridade exige maturidade, ainda que no silêncio de nossos corações.

Amei o bastante, me dediquei o suficiente, segui as regras, obedeci as leis, confiei,

Fui paciente com as diferenças, respeitei o outro, cuidei da saúde, acreditei que podia fazer melhor?

Qualquer situação que nos aconteça de sucesso ou derrota, temos responsabilidade, não sozinhos, mas temos.

E a única em que podemos agir e mudar é a que nos cabe.

Sempre há algo que podemos mudar para melhorar e eliminar o mal que sofremos ou causamos.

Atribuir responsabilidade aos outros e fugir da nossa só nos levará a cair nos mesmos erros, reclamar dos mesmos insucessos e infelicidades.

Viver não é fácil, acertar sempre não existe,

Mas a tentativa constante de sucesso sem nos fazer mal leva ao aprendizado

Transitar por caminhos conhecidos ajuda muito

Aceitar novos caminhos ou olhá-los com novo olhar é essencial

Somos feitos disso tudo: culpas, responsabilidades, fracassos e sucessos

Só não vale parar…

Alda M S Santos

Prazer ou loucura?

PRAZER OU LOUCURA?

Prazer ou loucura, alegria ou insanidade

Quem define isso em nossas vidas

Excessos, maluquices, vícios

Ou o bem estar de ir além dos próprios limites

A cada quilômetro vencido, vento no rosto, sol ou chuva

Suor quase tão intenso quanto as dores nas pernas

Preparação, frio na barriga que antecedem a empreitada

Aclives muito íngremes, amigos de décadas em seu encalço, pedalando…

Mesmos gostos, mesmas “loucuras”

E o prazer compartilhado de chegar ao topo

O frio na barriga e as dores musculares ficam esquecidos

Diluídos na sensação de euforia pelo propósito alcançado

E, na magia de uma vista deslumbrante,

Agradecem à vida, a Deus, ao prazer de se ter amigos…

E logo planejam a próxima…

Parafraseando Caetano “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”…

Alda M S Santos

Pôr do Sol

PÔR DO SOL

Hora mais linda do dia, hora do sol se recolher no horizonte

Sereno, colorido e vibrante

Beleza poderosa, calmante, extasiante, reflexiva

Em meio à simplicidade e soberania da natureza

Só nos lembra do quanto somos pequenos e privilegiados

Perante tão grandiosa obra divina

Não importa como foi o dia, se sorrisos se abriram

Ou se lágrimas prevaleceram

Se foi de fé ou descrença, não importa

Sempre há esperança ao admirarmos o pôr do sol

É preciso saber se recolher, ceder a vez, adormecer

Para retornar em nova aurora, como novo presente recebido, nova energia

Independente se, encantados e sensibilizados, observamos ou não

Porque até mesmo para enxergar, apreciar e entender tal maravilha

Precisamos tê-lo aceso dentro de nós…

Alda M S Santos

Uma nova chance

UMA NOVA CHANCE

Uma vida ameaçada, uma vida em risco

Uma arma de fogo, um olhar de sangue, triste, mau

Lágrimas, desespero, pedidos de clemência

E tudo ficou escuro…

Quanto tempo? Não se sabe…

Um ano se foi…a lembrança fica

A vida foi poupada- por quem, por quê?

Por quem a ameaçou, sim

Por Deus, com certeza!

Para entender seu amor e constante proteção!

O escuro ainda retorna, incomoda, dói

Uma nova chance foi dada

E precisa ser aproveitada!

Quantas vezes temos a vida poupada sem percebermos

Quantas novas chances foram-nos dadas e não aproveitadas

Quantos anjos Deus já nos enviou e nos salvaram de perigos iminentes apenas por amor

Quantos “anjos” agem de longe por nós, para nós, machucam-se, sem sequer notarmos?

Que o escuro que ainda aparece e amedronta

Seja apenas para fazer a luz ser mais brilhante…

Que o amor e bondade vençam sempre!

Em todos os corações…🙏😇

Alda M S Santos

Fazemos o bem, proclamamos o bem

FAZEMOS O BEM, PROCLAMAMOS O BEM

“A mão direita não deve saber do que faz a esquerda”

“Não se deve fazer propaganda do bem que se faz”- ouvimos

A TV, jornais, outdoors, rádios, web, toda a mídia, em tudo se vê o mal propagado

Por que o bem deveria ficar calado, se esconder?

O mal tem vencido muitas vezes e adquirido adeptos, porque é amplamente divulgado

O bem precisa “aparecer” para poder contagiar…

Calado, inerte, compactua com aquilo que nada de bom produz

O Carinhólogos Solidários de BH divulga seu trabalho, sim!

E é assim que conseguimos doadores e ajudantes para nossos idosos

Atraímos novos membros, sensibilizamos corações…

Concordo, em parte, em manter sigilo, se a divulgação for apenas por vaidade pessoal

Mas se for para contagiar e propagar o bem

Nossa mão direita faz, alicia a esquerda, contamina de amor o corpo todo

Contagia a alma, grita aos quatro ventos

E agora convida você, suas duas mãos

Apela para o seu coração:

Vamos ajudar?

@carinhologossolidarios

@carinhologos

Alda M S Santos

Muros e flores

MUROS E FLORES

Muros, duros, íngremes, sem vida, arames farpados

Criam obstáculos, impõem limites, machucam

Separam, demarcam espaços

Flores, cores, leveza, beleza

Desconhecem limites, brotam em bons terrenos

Crescem, encantam, invadem, enfeitam

Formam uma cortina harmônica e perfumada

E até os muros ficam bonitos

Ainda que continuem muros

Mesmo ainda delimitando espaços…

Flor e amor são assim, transformam onde passam

Vencem pelo carinho, persistência, boa essência

Bem cuidados, têm o dom de tornar tudo belo e se eternizar…

Alda M S Santos

Somos amor

SOMOS AMOR

Somos amor todo o tempo

Como numa fogueira, nós o mantemos em diferentes graus de combustão

Quer seja Eros, Filios ou Ágape

Amor físico, amor amigo, amor caridade

Alguns em labaredas, outros em brasas, como vulcão ativo

Há aqueles que estão em cinzas, reservadas num cantinho

Há os que, ainda verdes, esperam sua vez de queimar

Alguns descobrem o ponto certo da combustão

Mantendo uma leve fervura todo o tempo

Somos o oxigênio da compreensão que os alimenta

O combustível da admiração que os aquece

O sopro do respeito que os ativa

Ou a água fria da distância que os desaquece

O cobertor da indiferença que os abafa

O vento forte da dúvida que o deixa em fase terminal

Todos são amor, todos somos amor!

Dura mais aquele melhor alimentado

Cinzas são reativadas, fumaças diluídas, brasas apagadas, labaredas reduzidas

E o ciclo de vida se mantém…

Uma vez amor, se verdadeiro e bem alimentado, sempre amor

E nunca será capaz de morrer…

Alda M S Santos

Era um lar…

ERA UM LAR

“Uma casa não se assenta sobre a terra, mas se assenta sobre a mulher”- provérbio mexicano.

Até há bem pouco tempo foi um lar alegre, colorido, apaixonado

Pareciam uma família italiana

Grande, diversa, barulhenta, vibrante, animada

Amorosa, com brigas, atritos, silêncios e reconciliações

Firmadas numa base forte: a mulher, a mãe, a matriarca

Agora ela se foi, não teve escolha, foi levada

E o lar virou apenas uma casa

Cheia de paredes que não abafam os gritos constantes

Tijolos e concreto que evidenciam a dureza dos corações

Cores que não combinam e estão tão desbotadas quanto o desamor em escala cinzenta

Teto que não mais abriga as almas solitárias

Tristeza molhada que causou a queda das vigas de sustentação

Já foi todo tipo de comércio, descaracterizou-se

E de seus habitantes só se ouve berros raivosos

Os silêncios são conflitantes, tortuosos

Reconciliações? Ficaram perdidas entre as paredes derrubadas do lar

E misturadas aos destroços dos corações…

Uma casa linda, mas que não abriga corações!

Uma casa, bonita ou feia, grande ou pequena, para ser um lar precisa de um Morador Especial

E ouso completar o provérbio mexicano:

Um lar se assenta num tripé: uma mulher feliz, com Deus no coração, e uma família amorosa!

E fica a questão: que será de nossos lares quando formos embora?

Ou mesmo quando parecemos apenas sombra dentro dele?

Qual a base, a liga que une seus membros, a harmonia de sustentação?

A reconstrução de uma casa qualquer empreiteiro pode fazer

A reconstrução de um lar exige especialização

Em amor, respeito e doação !

Alda M S Santos

Pares im(perfeitos)

PARES IM(PERFEITOS)

Não somos pés de meia ou sapatos

Não há necessidade de sermos iguais

É até preferível quando não somos

Para sermos pares, basta que combinemos

Que nos encaixemos bem, nos façamos bem

E que mesmo quando apertados ou com frio

Não causemos bolhas, calos ou resfriados

Mas que aproveitemos para nos aproximar e nos aquecer

E formar o melhor par imperfeito do mundo…

Alda M S Santos

Amar não é fácil!

AMAR NÃO É FÁCIL!

Amor é apontado como uma das melhores coisas da vida

Talvez a mais importante, fruto de vida e felicidade

Mas também é o causador das maiores tragédias pessoais e coletivas

Ao menos o apontam como motivador de grandes guerras e disputas

Amor possessivo por pessoas, bens materiais, até por Deus…

Amar e aceitar o outro como é, respeitando sua individualidade

Sabendo o momento certo de se calar, de falar, de se doar, de cuidar, de proteger, se recolher

Mesmo quando o outro não parece merecer, principalmente nesses casos,

Em muitos momentos nós também não merecemos

E é quando mais precisamos

Respirar fundo, perdoar, orar pelo outro…

Amar é a melhor coisa do mundo, sim!

Desde que nos torne melhor do que somos

Desde que torne quem amamos melhores do que são

Um amor que faça os envolvidos mais humanos, solidários, compreensivos e felizes…

Amor que constrói , que abre um novo olhar

Pois amor que destrói o que quer que seja não é amor!

E sempre cobra um preço alto.

Alda M S Santos

Na própria pele

NA PRÓPRIA PELE

Não dá para dimensionar o que se passa com o outro

Se sensíveis formos, apenas podemos especular, ter uma ideia

Mas, saber mesmo, só sentindo na própria pele

Só chorando as mesmas lágrimas

Só pisando e se cortando nos mesmos cacos de vidro

Só queimando sob o mesmo sol ou frio

Só desanimando na mesma queda ou escorando nas mesmas porteiras entreabertas da esperança

Só ardendo o peito com as mesmas angústias

Só aguentando as mesmas faltas, lidando com as mesmas falhas

Só sofrendo as mesmas perdas

Só estando sob o jugo das mesmas ameaças

Só tendo suportado o peso doloroso da mesma arma

Só sufocando pelos mesmos medos ou aflições…

Só assim sabemos, só assim não permitimos aos outros o mesmo mal

Só assim protegemos a quem amamos

Só assim nos humanizamos mais e mais…

Alda M S Santos

Estruturas frágeis

ESTRUTURAS FRÁGEIS

Nem todo mal, dano ou dificuldade

Daqueles que abalam as nossas vidas

Devastam tudo, destroem, “roubam” o que temos de mais valioso

Chegam de uma só vez, como uma tragédia da natureza

Derrubando tudo como furacões ou tsunamis

Muito do que abala nossa estrutura física, mental, emocional

Chega devagarzinho, vai dando pequenos sinais

Nem por isso o mal é menor ou menos doloroso

Como um vazamento subterrâneo de água

Ou um formigueiro que cria buracos no solo

Que, se não interrompido a tempo, derruba uma casa inteira, uma via pública, uma cidade

Aparecem trincas, ignoradas, afundamentos, não percebidos

Abalos sísmicos, não considerados…

O físico, a mente, as emoções também dão sinais quando nossas estruturas internas estão em risco

Dores, febres, esquecimentos, angústias, tristezas excessivas

Sono que não passa ou insônia constante

Insatisfação com tudo, falta de estímulo, desânimo, vícios

Tudo precisa ser considerado para manter firmes nossas estruturas

Somos um prédio com várias conexões interligadas e interdependentes

Muitas vezes com outras estruturas de outros prédios dependentes de nós

Uma delas que falha pode comprometer e ruir tudo

E tornar difícil ou impossível a recuperação

Ao vermos um belo prédio não enxergamos a estrutura que o sustenta

Se está suficientemente forte ou cheia de trincas

Ou se apenas um sopro pode derrubá-lo

Pois talvez o mal esteja comprometendo justamente a percepção dos sinais, do perigo que nos ronda

E costumamos enxergar melhor falhas nos outros que em nós mesmos

Saibamos cuidar de nós mesmos e, melhor ainda, identificarmos isso nos outros

Assim, evitamos criar rachaduras comprometedoras nas estruturas alheias..

Alda M S Santos

Blindagem

BLINDAGEM

Não existe blindagem que ofereça proteção total

Que permita exposição ao risco e aos “tiros” da vida

Quer seja a animais peçonhentos, às intempéries da natureza

Ou à maldade e irracionalidade humanas,

Particularmente quando se trata de blindagem emocional

Existe autoconfiança, amor próprio, fé em Deus

Fé no amor e respeito do outro

Mas o que nos mantém minimamente protegidos

É o cuidado e respeito que temos conosco mesmos

Baseados no autoconhecimento, sabedores de nossos limites e fragilidades

No aprendizado adquirido com os erros, as quedas sofridas ou causadas

Ninguém está livre de ser atingido pelas mágoas e decepções

Pela confiança excessiva no outro, na humanidade, pelas perdas dolorosas

Pelos percalços que só quem não tem medo de viver enfrenta

A melhor blindagem é conhecer mais e mais o mundo e seus habitantes, seu habitat, hábitos

Mas, principalmente, conhecer a nós mesmos

Saber onde pisar, onde andar, até onde voar, quais limites respeitar

Para não nos ferir e tampouco ferir ao nosso próximo…

Alda M S Santos

Gaiolas para quê?

GAIOLAS PARA QUÊ?

Não precisamos prender

Joguemos fora nossas gaiolas

Se quisermos manter perto de nós

Conquistemos a confiança, cuidemos, alimentemos

Para atrair e manter perto quem amamos

Não cortemos as asas, não silenciemos o canto

Mostremos admiração, respeito, amor, cuidado

E sempre estarão ao alcance de nossas mãos, de nossos corações

Em plena sintonia…

Alda M S Santos

Puro encanto

PURO ENCANTO

São tantas as flores, tanta beleza, tanto perfume

Cores e formas diversas, umas mais frágeis e delicadas

Outras fortes e de perfume intenso

Sob o orvalho, frio, sol, tempestades…

Algumas florescem todo o tempo, outras são sazonais

Morrem, “hibernam” e retornam mais lindas

Há as que preferem a sombra de um recanto do jardim

Outras se adaptam ao centro do canteiro, muito ar, sol e exposição

Qual irá nos atrair mais?

A mais simples e delicada, a mais forte e resistente

A mais parecida conosco que nos tranquiliza

A mais diversa de nós que nos instiga

Todas elas, nenhuma delas

Ou irá depender de nossa fase da vida

Do nosso estado de espírito ou carência de afeto e beleza?

Insetos e pássaros se regalam,

Uns sabem bem o que querem, alimentam-se, alimentam-nas

Outros, perdidos e encantados, insaciáveis e volúveis, se servem de todas

E nessa vida de puro encanto

Todos acabam por deixar um pouco de si,

E levam muito de cada uma…

Alda M S Santos

Enquanto houver vida

ENQUANTO HOUVER VIDA

Enquanto houver vida quero seguir meu caminho

Posso parar à beira da trilha para reabastecer energias

Sob sol intenso ou sombra de uma árvore frondosa, enxugar o rosto

Sorrir ou chorar, nunca desistir, confiar sempre

Entre flores ou espinhos, terra ou pedras

Receber uma dose de ânimo, um abraço de amor, uma palavra de confiança

Uma mão, um sorriso de carinho, esperança e amizade

Daqueles que Ele envia para me interpelarem…

Só não posso fechar os olhos, ignorar Seu cuidado

E agradecer, retribuindo tanto amor, estando disponível sempre

Vencendo medos e culpas, erros e tropeços

Sem autoacusações ou autoflagelos, com aprendizado

Sendo aquela que Ele envia para iluminar o caminho de outros

Em qualquer circunstância, valorizando e protegendo a vida, sempre

Até o reencontro com Ele, em casa…

Alda M S Santos

Ao pó voltarás

AO PÓ VOLTARÁS

“Do pó viestes, ao pó voltarás”

No intervalo, vamos nos divertindo, gerando vida

Arando a terra ora dura , ora macia de nossos corações

Semeando o amor, plantando flor, ressecando dor

Com pés no chão, na terra

Mas sem abrir mão das asas

Flutuando entre nuvens brancas ou cinzentas

Escolhendo caminhos menos tortuosos

Regando, adubando, colhendo

Espalhando mudas e sementes

Do pó viestes semente

Ao pó voltarás flor…

Alda M S Santos

Aceito em mim

ACEITO EM MIM

Vou-me construindo dia a dia, parte a parte

À medida que, paradoxalmente, me desconstruo

Dermes e epidermes que se desgastam e se refazem

Pelo a pelo que cai e a vida se renova em cada bulbo

Tal qual fruto que, podre, se desfaz

E em semente recomeça…

Vida e morte convivendo lado a lado

Em variadas fases de viço e secura

Tal qual roseira que carrega em seus galhos, ao mesmo tempo,

Morte, vida, renascimento…

Aceito em mim a morte do que já não vive

Celebro a vida do que ainda tem brilho e perfume

(Des)construindo dia a dia um novo ser…

Alda M S Santos

Cadê o sorriso que tava aqui?

CADÊ O SORRISO QUE TAVA AQUI?

Vamos brincar?

Cadê o sorriso que tava aqui?

A angústia levou.

Cadê a angústia?

Amigou com a tristeza.

Cadê a tristeza?

Foi dormir com a escuridão.

Cadê a escuridão?

Foi aliciar a alma.

Cadê a alma?

Acendeu uma luz.

Cadê a luz?

Iluminou o sorriso.

Cadê o sorriso?

Encontrou o amor.

Cadê o amor?

Tá procurando você…

Então lá vai o amor pegar você

Lá vai o amor pegar você…

Pegou! ❤️😇

Alda M S Santos

Que aroma tem sua história?

QUE AROMA TEM SUA HISTÓRIA?

Comida de fogão a lenha tem cheiro de casa de vó, de infância na roça

Plástico novo tem cheiro de surpresa, de expectativa, de brinquedo no Natal

Fumo de rolo tem cheiro do vovô, com seu lindo sorriso e olhos verdes por detrás da fumaça

Cachaça e rapadura têm cheiro da venda do meu tio, de homens cansados e suados

Velas queimando cheiram à igreja, ritos e celebrações

Terra molhada tem aroma de brincadeiras na rua até tarde

Alfazema tem aroma de sonhos da adolescência, de banho recém-tomado

Hortelã tem aroma e gosto de beijo, de timidez

Almíscar tem aroma de amor, de abraço, de entrega

Cheiros, perfumes, aromas e fragrâncias fazem nossa história

Nada fica tão marcado na memória como o que se assimila pelo olfato

Tudo isso remete a pessoas, lugares, tempos ou situações,

E atinge direto a emoção, boa ou ruim.

Ativa o coração, a alma.

São memórias, são histórias, são saudades,

Que a gente revive, querendo ou não…

Que aroma tem sua história?

Alda M S Santos

Como um rio

COMO UM RIO

Quero viver como um rio quando “morto”

Não somente quando possui águas calmas, mornas, convidativas

Ou quando as águas furiosas e geladas arrebentam tudo a abrir caminhos

Mas quero, como o rio, viver no que deixar de mim depois de partir

No que deixou de si depois de seco

Na terra que irrigou, silenciosamente

Nas plantas que hidratou e gerou vida

Nos frutos do qual foi núcleo e a tantos alimentou

Nos corpos amantes que banhou sob o sol ou a lua

Nos rostos lavados, sorrisos despertados, saudades deixadas

Quero ser como o rio morto

Porque depois de morto, apenas o que deixou de vida,

Ainda que em diferentes formatos, com ou sem reconhecimento, é que fica,

Sem cobranças, avaliações ou acusações

O rio morre…

Mas a vida que salvou, que perpetuou pelo caminho

Seguirá silenciosa até desaparecer por completo…

Alda M S Santos

Pingos nos “is”

PINGOS NOS “IS”

Racionalizar tudo que nos acontece, esclarecer

Colocar todos os pingos nos “is” da nossa história

Começo, meio e fim, se possível com “felizes para sempre”

A conta precisa bater, um mais um precisa ser dois, noves fora

Ler tudo, interpretar, fazer uma releitura dos fatos

Das faltas cometidas, das bolas fora, dos gols

Dos amores, desamores, mágoas causadas e sofridas

Histórias interrompidas antes do fim, pendentes

Mal explicadas, não compreendidas, não aceitas

Essa é nossa tendência: matematizar tudo

Mas nem tudo é débito ou crédito, ônus ou bônus

Podemos estar bem no vermelho, mal no azul

E há belas histórias sem nexo, sem fim, perdidas no tempo

Valorosas, sofridas ou tristes, alegres ou saudosas

Como aquelas em que o livro termina

E a história continua dentro da gente

Criando, inventando, mudando cenários, imaginando, sonhando…

Nem todo ponto final sinaliza um fim

Talvez seja apenas uma nova página, um novo recomeço…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: