Busca

Encontre!

ENCONTRE!

Encontre aquilo que você precisa

Busque, vá atrás, olhe bem, avalie

Não fique parado, aja, reaja!

Você precisa encontrar o caminho

Caminhando, ora sozinho, ora acompanhado

Sequer sabe o que precisa?

Não tem problema!

Quando encontrar você saberá

Será invadido por uma sensação de tranquilidade

Consciência leve, confiante, recheada de amor-próprio

Principalmente de uma alma em sintonia com o outro

Irá se sentir completo, pleno

Poderá até transbordar…

Mas para isso precisa caminhar

Por lugares bem simples, sem interdições

A vida acontece onde a gente menos espera

Algumas vezes pode até bater em nossa porta

Mas teremos que levantar para abri-la!

Encontre! Encontre-se!

Alda M S Santos

Anjos existem

ANJOS EXISTEM

Eu acredito em anjos

Creio que estamos cercados por eles

Basta um pouquinho de atenção para notarmos

Não têm asas ou auréolas

Mas têm braços, abraços, sorrisos, ternura

São aqueles que nos estimulam com uma palavra

Nos acolhem com um sorriso

Nos aquecem num abraço

Nos amparam com toda leveza

Secam nossas lágrimas num toque de pureza

Nos aplaudem num verso

Nos corrigem no reverso

Dizem sim, dizem não, sem embromação

Nos amam num simples olhar

Anjos estão em todo lugar

Enviados para nossa proteção

Deixam saudades quando resolvem voar…

Somos também anjos para alguém

Nosso papel aqui é ser e fazer o bem…

Como Ele nos ensinou…

Alda M S Santos

Se ele bate em harmonia…

SE ELE BATE EM HARMONIA…

Aprender a ouvir o próprio coração

Tudo que de melhor possa haver fica ali

Está lá guardado, “batendo” todo o tempo

Como em código morse para decifrarmos

É através dele que Deus fala conosco

Através dele sabemos quando estamos no caminho certo

Se não dói, se está leve, se fica em harmonia com o outro

Se não há culpas, medos ou traumas

Se ao menos conseguimos ouvi-lo bater em paz

Está tudo na direção correta

É Deus dizendo para seguir em frente…

Alda M S Santos

Muito ou pouco?

MUITO OU POUCO?

É muito dinheiro nas mãos de poucos, pouco nas mãos de muitos

São muitos necessitados para tão poucos doadores

É muita estrada para tão poucos caminhantes

É muito cordão para tão pouca pérola

É muito futuro para tão pouca esperança

É muita destruição para tão pouca reconstrução

São muitos corações para tão pouco amor

É muito tanto faz para o amor de verdade

São muitos finais para poucos recomeços

É muita falação para tão pouca ação

É muita “razão” para tão pouco coração

É muito “irmão”, para tão pouco dar-se as mãos

É muita indiferença diante do que realmente faz a diferença…

Alda M S Santos

Deixe as águas rolarem

DEIXE AS ÁGUAS ROLAREM

Deixe as águas caírem e rolarem

Sejam das nuvens, das cachoeiras ou dos olhos

Águas represadas por muito tempo

Geram dores, malefícios, ficam ácidas, apodrecem

Águas paradas causam tragédias e destruição

E o que poderia ser uma chuvinha fina, uma garoa bem vinda

Torna-se um furacão perigoso e assustador

Deixe as águas rolarem

Elas sempre lavam o que está sujo

Elas sabem e encontram o caminho a seguir…

Alda M S Santos

Quanto tempo temos?

QUANTO TEMPO TEMOS?

As chamas intensas lambem monumentos centenários

As águas ruidosas das tempestades levam encostas, derrubam árvores e edificações

Vendavais arrastam tudo que encontram pela frente

Estruturas firmes sobre vigas e concreto “implodem” e soterram vidas

Nada está a salvo na terra, no ar ou no mar…

Tragédias, devastação, destruição… são tantas!

A vida como um todo se rebela, se revela frágil

Gritos de alerta que imploram por socorro

Todas elas deixam algo aterrador: sentimentos

Sentimentos de impotência e tristeza

A dor da destruição, da perda, da incapacidade de reagir

A angústia das histórias que “apagam” em nós

Que tentam deletar de nossa memória

Que acontecem além do oceano

Ou bem aqui ao nosso lado

E provocam curto-circuitos internos

Incendiando o que temos de bom

Ou acionando um sistema parado

Quanto tempo resistiremos

Sem ter nossa base, nossa estrutura abalada

Nossa liga emocional estremecida

Sem desmoronarmos também?

Quanto tempo temos?

Alda M S Santos

Ferida

FERIDA

Aquela ferida que todos carregamos

Causada por um machucado doloroso

Relíquia de um tombo inesquecível

De bicicleta, da escada, do galho de uma árvore

De um sonho, do alto de uma esperança, de uma ilusão

Escorregando de um colo ou despencando de um coração qualquer

Ferida que está disfarçada, coberta por uma cicatriz

Para não chamar a atenção dos curiosos

Para não assustar os mais sensíveis

Para que se evite cutucar

Para que não sangre tudo outra vez

Para que cure, se cure, se cuide

Cicatrizes servem para nos lembrar que sobrevivemos

E que saudade é a bonita cicatriz da vida que doeu, sangrou

Que nos ensinou pela alegria e pela dor

Que ela pode ser bela

Mesmo com nossos machucados…

Alda M S Santos

Fraternidade: eu faço parte

FRATERNIDADE: EU FAÇO PARTE

Queremos um mundo novo!

Onde abraços possam aquecer

Famílias com menos brigas, mais união

E o medo não nos impeça de crescer

Queremos um mundo novo!

Onde haja esperança e afeto

Humanos mais solidários e bondosos

E que todos tenham direito a um teto

Queremos um mundo novo!

Onde o amor possa livre reinar

Um mundo com justiça social

Onde o pão seja para todos

E sorrisos possam cativar

Queremos um mundo novo!

Onde a violência seja eliminada

A caridade seja o novo lema

Nenhuma arma seja usada

A não ser um belo poema

Queremos um mundo novo!

Onde a vida seja prioridade

Ninguém seja excluído por qualquer condição

Que a lei seja a igualdade

E que Jesus more em cada coração

Queremos um mundo novo!

Mas percebi que um mundo novo depende de mim

Depende também de você

Fraternidade: eu faço parte!

E você?

Queremos um mundo novo!

Alda M S Santos

Apresentação na Matriz São Sebastião e Santa Edwiges- BH

As folhas que perdemos

AS FOLHAS QUE PERDEMOS

Uma grande e frondosa árvore

Quantas folhas produziu, quantas flores e frutos gerou

Quantas folhas secaram, caíram, “perderam-se”?

Mas a cada folha seca que caiu

A cada estação ou jornada que enfrentou

Ela engrossou tronco, aumentou galhos

Fortaleceu e aprofundou raiz

Tornou-se mais copada e bela, mais resistente às intempéries

Não controlamos as folhas ou frutos que perdemos

Mas, como acontece com as árvores,

Onde folhas, flores e frutos

Caem aos seus pés, viram húmus e as nutrem através do solo

O mesmo se dá conosco…

Cada folha perdida, chorada, sentida ou não

Nos fortalece, firma nossa emoção

Nutre nossa alma e nos abastece de amor…

Na verdade, nenhuma folha se perde

Nunca!

Quanto mais folhas e frutos “perdemos”

Deixamos cair, irem “embora”

Mais fortes nos tornamos…

Somos árvores!

Alda M S Santos

Buraco negro

BURACO NEGRO

Um grande abismo gravitacional

Que atrai para si tudo que se aproxima

Como um buraco negro na galáxia

A anos-luz de distância da terra

Alimenta-se, absorve, suga para si tudo que passa perto

Bom ou ruim, produtivo ou não

Quantas vezes somos assim?

Sugando sem critério a sorte ou o azar do outro

Suas alegrias e tristezas

Sua energia positiva ou negativa

Sua luz, sua escuridão, seus lixos existenciais

No buraco negro do espaço tudo desaparece lá dentro

Não sei o que isso causa com o tempo

Quanto a nós, chega o momento do basta

Muita coisa negativa absorvida e não processada

Não desaparece em nós, não some

Causa explosões, reverte-se em doenças físicas e emocionais

Transtornos diversos na alma

Morte em vida…

Precisamos de critério ao absorver energias alheias

Receber apenas o que pudermos processar e devolver em forma de luz…

Não somos um buraco negro!

Alda M S Santos

Descartáveis

DESCARTÁVEIS

Num mundo onde prevalece a lei do menor esforço

Onde se opta pelo que dá menos trabalho

Os descartáveis estão em alta

Copos, pratos, papéis, objetos diversos

Usou, não precisa lavar, descarta-se, joga fora

Nessa mesma onda, nessa avalanche descartável

Estão sentimentos, emoções, pessoas, relações

Se exige um pouco mais de atenção

Se cobra reflexão, valorização, tempo, reciprocidade

Ah, dá muito trabalho!

Deixa pra lá, passa a vez…

A fila anda!

Amizades, famílias, dons, aptidões, fé

Joga-se fora lares e o que tem dentro dele

Joga-se fora familiares

Reutilizar, renovar, para quê?

Joga fora e compra-se um novo

Pega, toma ou empresta de alguém!

Tudo que exige atenção, dedicação, cuidado diário

É perda de tempo…

E vamos nos enchendo de lixos descartáveis

Entupidos, pesados, cansados, doentes…

Mais vale uma taça de cristal que se lava a cada uso

Um amor que se irriga e se renova todo dia a cada beijo

Que a troca desenfreada para obter algo novo

Tudo de bom nesse mundo é o que nos empenhamos para ser duradouro

Para se eternizar em nós…

Alda M S Santos

Distribuindo responsabilidades

DISTRIBUINDO RESPONSABILIDADES

Depois de apontarmos diversos culpados

Pelo que somos, fazemos ou deixamos de ser ou fazer

Pela situação em que nos encontramos

Pais, filhos, cônjuges, amigos, familiares, chefes

A escola, o emprego, o clima, a igreja, Deus

Depois de apontados diversos responsáveis pelos nossos entraves

Nossos erros e acertos

Depois de termos nos dado os devidos descontos

Que fica de verdade para nós mesmos?

Qual a responsabilidade que assumimos pelo que somos

Pelo que fizemos com a vida que nos foi oferecida

Pelas escolhas que foram nossas?

Pelo bem ou mal que causamos?

Quem ainda pode ser responsabilizado

Além de nós mesmos?

Tendo tudo isso esclarecido e assumido

Fica mais fácil prosseguir evitando cair nos mesmos buracos

Fugindo da escuridão e da falsa luz que ofusca…

Alda M S Santos

Amor

AMOR

Amor é assim, vai, multiplica-se

Volta redobrado…

Amor que cura, que se cura

Que é luz lá e cá

Amor que é Páscoa

Amor que é vida nova!

#carinhologos

Páscoa no Lar Santa Zita

Em prece

EM PRECE

Que meu sorriso seja, como o sol

Capaz de atravessar as densas nuvens emocionais do outro

Que minhas palavras, como preces

Possam atingir corações cansados ou machucados pela vida

Que meus abraços, como cobertores

Possam aquecer aqueles que padecem do frio da indiferença

Que toda eu, corpo, mente e alma, seja apenas um ser

Colocado aqui para ser luz na vida de alguém

E que todos possam ser luz para mim também

Amém!

Alda M S Santos

Ninguém te ama como eu

NINGUÉM TE AMA COMO EU

Amo você assim do jeitinho que és

Coração bondoso, estopim curto, acelerado, mas paciente

Sorriso tão fácil quanto as lágrimas

Energia a mil, dificuldade de dizer NÃO

Esforço grande para não melindrar pessoas

Amo você assim do jeitinho que és

Tão falante e tão introspectiva, ao mesmo tempo

Sua capacidade de doação, de perdão

De compreensão das falhas alheias mais que das próprias

Sua necessidade de amor, sua fragilidade

Que tantas vezes não percebe como força

Amo você assim do jeitinho que és

Falhas, erros, persistência na caminhada

A sabedoria em usar o que conseguiu conquistar

A revolta quando tiro seu “doce” para evitar que adoeça

Ou a tristeza por perder aquilo que afasto de você por proteção

Amo você assim do jeitinho que és

Ego meio problemático, emoções conflituosas

Mas isso não me impede de querer que você cresça

Que seja melhor a cada dia

Que te puxe as orelhas e te oriente

Para que possas ser o sol e as estrelas

Para si mesma e para os outros

Ninguém te ama como Eu, assim do jeitinho que és

Do jeitinho que Eu te criei

Amo você e Sempre Estarei Contigo

Para o que sempre precisar…

A mais linda declaração de amor que poderia ouvir

E veio num lindo sonho…

Alda M S Santos

Fragilidade

FRAGILIDADE

Um pequeno sopro, uma brisa qualquer

E ela se desfaz, se desmancha

Morre, deixa de existir aqui

Para virar mil novas mudas de si por aí

Espalha-se por todos os lados

Levada pelo que, aparentemente, veio para destruir

Mas renasce noutros cantos,

Em terrenos propícios, terra boa

Tão bela quanto antes

Força que vem da fragilidade

Leveza que tem razão de ser

Em cada ser da criação

Força ou fragilidade é só uma questão de ponto de vista

De tempo, de fase, de estação…

Alda M S Santos

Quem não dança…

QUEM NÃO DANÇA…

Quando o fato é incontestável

Contesta-se quem o divulga

Quando a pessoa é indefensável

Ou a mentira é clara e cristalina

Arruma-se outro assunto

Outro crime ou criminoso

Para ocupar seu lugar

Nessa luta de vítimas e réus

Condenados e absolvidos

A “plateia” sempre leva a pior

É o público a ser manipulado

Porque, no fundo, não importa a verdade

O que vale é aquele que melhor manipula

E faz de qualquer mentira uma verdade

Que apaga o que quer, reescreve como acha melhor

Mexendo habilmente os pauzinhos dos cordões de seus bonecos

E as marionetes dançam conforme a música que tocam

Quem não dança, não gosta dessa música

Ou dança diferente

É considerado louco…

Quero dançar diferente, prefiro ser louca!

Alda M S Santos

Espetáculo da vida

ESPETÁCULO DA VIDA

Quiséramos uma sincronia assim perfeita para a vida

Entre pliés, tendus e frapés

Solo, duplas, grupos, coletivamente

Seguir sempre a coreografia

Ora girando, abaixando, grudando, leveza total

E num grande jeté sermos lançados para o alto

Na certeza que não nos deixarão cair

Que haverá um partner a nos recolher

No ritmo da música, lindamente…

Que iremos girar e girar e girar

Sem tontura, sensualmente brilhar

E o próximo passo seguirá perfeito

Exaustivamente treinados como num grande espetáculo

Todos cumprindo bem seu papel

Um sonho: que a vida fosse assim

Um ballet onde ninguém cai

Todos sabem sua participação ali

A hora certa de entrar, se apresentar, brilhar

E também de sair de cena…

Porque tudo que temos aqui é um grande teatro

Bem ou mal representado, apresentado

Não há plateia, apenas autores e atores…

Alda M S Santos

Voltar no tempo

VOLTAR NO TEMPO

Deliciosa sensação de voltar no tempo

Renascer noutra década, lá atrás

Refazer caminhos, cantar alto músicas gravadas na memória

Estilo e figurinos de época

Dançar, dançar e dançar

Não por desprezar a década de hoje

Mas por valorizar aquela que fez de nós o que somos

E que fixou morada em nosso coração

Valorizar o passado, inclusive o que não foi tão bom

Fazer as pazes com nossas misérias

É imprescindível para o bem viver no hoje

E para as expectativas que criamos para o amanhã

Somos a soma de um ontem saudoso

Um hoje meio ansioso, ainda que prazeroso

E um futuro desejado e (in)certo…

Isso se chama vida!

Alda M S Santos

Quando apreciamos a solidão

QUANDO APRECIAMOS A SOLIDÃO

Um longo caminho a se percorrer

Como seres sociais que somos, sempre buscando companhia

Até gostar verdadeiramente da solidão

Não de estar só, pois isso nunca iremos gostar

Mas de estarmos conosco mesmos e apreciar isso

Não na fuga para um filme, um livro, um jogo

Mas bater um papo com nosso ser de ontem, de anteontem

Colocá-los frente a frente com o eu de hoje

Sem desviar os olhos no espelho, com vergonhas escancaradas e encaradas

Fazer as pazes com nossas escolhas, erros e acertos

Uma troca de autocompreensão e perdão

Para podermos nos ver amanhã, no futuro

Sem medos, ansiedades ou arrependimentos

Na certeza que demos nosso melhor como ser humano

E essa consciência só é possível na solidão, no autoconhecimento

Quando nos sentamos com a criança, o jovem e adulto que fomos, e somos

Pois todas elas ainda estão em nós

Só assim estaremos aptos a ter boas companhias…

Alda M S Santos

De frente

DE FRENTE

Encarar a vida de frente

Mesmo que ela não seja sempre

Como uma tarde na praia, ao sol poente

E tantas vezes a brisa não seja tão gostosa

Daquelas que balançam nossos cabelos

Ou arrepiam suavemente nossa pele

Mas a ventania nos arraste para caminhos esburacados

E jogue areia em nossos olhos

Dificultando o ver, o prosseguir

Encarar a vida de frente

Não ignorando os percalços e entraves

Mas nos reabastecendo sempre

De amor, de sorrisos, abraços e beijos

Ainda que nas lembranças e esperança

De uma tarde na praia ao sol poente…

Alda M S Santos

Fotógrafos

FOTÓGRAFOS

Há poetas das imagens, os fotógrafos

Eles andam por aí com seus lápis a mão

Ops! Com suas máquinas

E eternizam momentos em sua lente

Que ficariam apenas em sua mente

Se não fossem esses segundos capturados em sua objetiva

Instantes de poesia que perceberam no ar, num olhar

Leveza, alegria, dor, tristeza, esperança

Sensualidade, amor, prazer de viver, gratidão…

Uma história registrada numa imagem

Tão perfeita que quase se nota o frescor da brisa

O carinho no olhar, o medo nas expressões

O cansaço, o pedido de socorro, a paz

Há foto que grita, que toca fundo, que comunica

Como os poetas eles “escrevem” sua poesia

E cada leitor ou admirador a receberá de um modo

Fará sua interpretação desse flash natural

Capturado num momento carregado de emoções e sentimentos

Baseado no contexto, nos pré-requisitos que traz dentro de si

Imagem que fala ao seu observador/leitor

Que atinge sua mente, seu coração, sua alma

Há fotografias e poemas que mostram o lado de dentro

Fotografia é poesia instantânea

Compartilhada com quem ama poesia…

Alda M S Santos

A paz que buscamos

A PAZ QUE BUSCAMOS

Buscamos sempre a paz

Mas muitas vezes vamos armados

Escondidos atrás de nossas próprias barricadas

Andando entrincheirados por sentimentos negativos

A paz que buscamos

Às vezes passa pela guerra

Não uma guerra com o outro

Mas uma guerra interior

Até entendermos que estar em paz

Não depende da nossa relação com o meio, com outros seres

Isso vem depois…

Estar em paz é construir uma relação harmoniosa

Entre nossos vários “eus”

É quando levantamos a bandeira branca para nossos monstros e inimigos internos

E passamos a notá-la em todos a nossa volta

A levá-la a quem de nós se aproximar

Essa é a paz que buscamos e nem sempre encontramos

Perdendo tempo procurando-a em caminhos fora de nós…

Alda M S Santos

Choro por nós

CHORO POR NÓS

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade que se desumaniza

Que promove mais discórdia que concórdia

Que destrói o meio em que vive

Que transforma vida em morte

Eu choro por todos nós

Choro por pessoas que sofrem

Por pessoas que nada fazem para amenizar o sofrimento alheio

Que se acreditam superiores

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade que tanto tem

Que ignora o que falta ao semelhante

Mas que prefere reclamar

Opta por brigar pelo que não tem

Escolhe invejar o que é do outro

Eu choro por todos nós

Choro pela humanidade tão manipulada

Que, por opção, ignorância ou alheamento,

Escolhe o ódio pensando buscar o amor

Eu choro por todos nós

Choro por toda humanidade

Particularmente por quem tem o poder de fazer a diferença para o bem

E escolhe danificar a vida de tantos

Ou mesmo de um alguém

Eu choro…

Chorando, vou buscando um caminho diferente…

Alda M S Santos

#carinhologos

Será que sou daqui?

SERÁ QUE SOU DAQUI?

Tantas vezes olho para cima

Um céu noturno, salpicado de estrelas

Uma lua de tantas fases e faces

Nuvens pesadas separando os mundos

Ou um lindo sol a uni-los

Um infinito de possibilidades

Uma via láctea ali estampada e convidativa

E sinto que não pertenço a esse mundo

Um mundo tantas vezes cruel e injusto

Desigual e repleto de males do corpo e da alma

Sinto que não sou daqui

Que há uma força a me atrair

Será que de lá eles olham para cá

E têm a mesma impressão?

Será que cada estrela não é um ente querido que se foi

Como falamos para as crianças?

Será que há uma porção minha do lado de lá

Que quer me levar embora daqui?

Ou sou eu que carrego comigo uma porção delas

E esteja querendo atraí-las para cá?

Será que temos algo a trocar, a compartilhar?

Sei que esse mundo é muito maior que isso aqui

E há muito a aprender, a ensinar

A pedir, a oferecer…

Quero voar, subir, encontrar com outros seres

Iguais ou não, encontrar com Ele

Correr sobre as águas, sentar num banco de nuvens

Bater um papo longo, ganhar um colinho

Quem sabe assim a gente se complete

E construa um mundo mais justo

Lá e cá?

Sinto que não sou daqui

Mas enquanto estiver aqui tentarei fazer o melhor…

Alda M S Santos

Puro encanto

PURO ENCANTO

O galho, frágil ainda, quebrou

Tombou, ficou ali dependurado

Carregando na ponta um botão fechado, interrompido

Os espinhos não a protegeram

A violência venceu a fragilidade

Bem que tentou manter-se de pé, mas em vão

E ali ficou, lutando para sobreviver, desabrochar

Usando de energia reserva

Buscando a luz, a vontade de viver

Enfim, numa bela manhã

Abriu-se para a vida, para o amanhecer

Com perfume, cor, encanto

Ressurgiu, renasceu

E embelezou a vida no seu entorno

Só secou, morreu, se entregou, depois de cumprir seu papel

De fazer deste um mundo mais belo

Linda roseira minha…

Alda M S Santos

Legado

LEGADO

Sempre deixaremos um legado por aqui

Passar por esse local, tempo e espaço

Não nos permite ficar incólumes

Algo sempre ficará de nós para os demais

Temos por obrigação deixar o melhor de nós

Deixar mais do que recebemos

Processar tudo que vier para nós

Do ontem e do hoje e construir algo inovador

Transformar dores e angústias em crescimento

Mágoas e desrespeito em esperança

Amor em mais amor…

Não podemos perpetuar o mal, o negativo

Um mundo melhor se constrói

Não desconsiderando o que de ruim nos aconteceu

Mas usando esse aprendizado para não causar o mesmo mal

Naqueles que amamos ou convivem conosco

Ou também nos demais que partilham esse tempo terreno

Somos responsáveis simplesmente por estar aqui

Quanto mais sabemos, maior nossa responsabilidade!

Alda M S Santos

Conselheiros

CONSELHEIROS

Se quisermos saber se nosso conselho é bom mesmo,

Se nossas lições são dignas de serem colocadas em prática,

Se nossas críticas são válidas e construtivas

Basta pensar se o conselho serve para nós mesmos, de verdade

Se praticamos nossas próprias lições

Se as críticas não poderiam ser aplicadas também a nós

Porque opinar sobre a vida alheia é fácil

“Sentar no próprio rabo e puxar rabo alheio”- diria minha avó

Mas se tudo isso só vale para o outro

É melhor nos abstermos, recolhermos ao nosso canto e ficarmos em silêncio

Praticar em nossa vida nossos próprios conselhos

Só falar quando nós mesmos estivermos em condições para tal

Quando já tivermos escalado os galhos da árvore da sabedoria

Assim como “de boas intenções o inferno está cheio”

O mundo também está abarrotado de bons conselheiros…

Alda M S Santos

Quando você deixa de ser você

QUANDO VOCÊ DEIXA DE SER VOCÊ

Um dia te levam uma moeda, você deixa

Era apenas uma moeda…

Noutro levam um objeto, sua bolsa, esvaziam seus bolsos

Não faz mal, você conquista outros

Tiram um direito, mais outro, substituem por deveres

E você vai cumprindo todos eles fielmente

Logo estão levando outros valores

Suas ideias, sua liberdade, seu sorriso, seus sonhos, sua essência

Seus ideais estão perdidos nesse mundo nublado

Não há mais brilho ou cor, você está opaco

Você sente um vazio, um desconforto

Não se reconhece no espelho

Não consegue reagir…

Mas segue acreditando que é por uma boa causa

“Para melhorar tem que piorar”-dizem

A quota de sacrifícios é de todos- propagam

Levam pouco a pouco até sua história

E te convencem que você sempre esteve enganado

Apagam tudo que um dia você foi

Quando percebe estão esvaziando sua alma

E a preenchendo com aquilo que eles querem

Com aquilo que não é você

Então, você deixa de ser você

Quando isso acontece você já morreu

Você tornou-se apenas um deles

Apenas uma cópia que caminha na multidão…

Reaja! Não deixe te roubarem de você!

Alda M S Santos

Ovelhas: qual delas é você?

OVELHAS: QUAL DELAS É VOCÊ?

Ovelhas brancas, negras, “coloridas”

Qual delas é você?

A quem você aponta como ovelha negra

Da família, do trabalho, da igreja, das amizades

Já pensou no que ela significa pra você?

No que tem a te ensinar, proporcionar

No que você tem perdido por só criticar

Por se achar melhor, superior

Por ignorar ou, simplesmente, se afastar?

Ovelhas negras têm missão especial

Foram escolhidas a dedo por Ele

Seu trabalho por aqui é (des)equilibrar o meio

É mexer em estruturas tão firmes, intactas e castradoras

Aparentemente corretas, mas cruéis e paralisantes

Aquelas que te provocam raiva, dor, vergonha ou compaixão

O diferente instiga, cutuca, sofre, faz sofrer

Se devidamente aproveitado em seu meio

Provocará mudanças evolutivas

Nos outros, em si mesmo

Quanto mais diferente a ovelha negra for

Quanto mais excluída e excludente

Maior e mais importante seu trabalho por aqui

São as ovelhas negras que ousam mudar

Que se contrapõem ao “certo” de todos

Que agem “errado” por questionar padrões cruéis e ultrapassados

Que encaram os desafios, que abrem e despertam sorrisos

Que gritam e se rebelam, se revelam, nos revelam

E dão um pontapé naqueles que delas fazem pouco

Mesmo que entre lágrimas…

Que ovelha é você?

Alda M S Santos

Parceira da felicidade

PARCEIRA DA FELICIDADE

A mentira se veste e reveste

Se cobre, se enfeita e se recobre

Brilhos, sons, manhas e artimanhas

Faz de tudo para parecer bela e envolvente

Precisa tapar aquilo que no fundo é bem feio e assustador

Verdade não precisa de vestimentas ou artifícios

Apresenta-se nua e crua, não se envergonha

Preferir estar “vestido” à nudez nem sempre é por pudor

Pode ser por ser tão feio que prefira estar “encoberto”

Mesmo que possa machucar, a verdade é cheia de carinho

Não precisa se cobrir ou disfarçar

Ser verdadeiro já é por si só cheio de beleza

O encanto está em ser real, autêntico

A boniteza está na clareza, na transparência

A maravilha está na naturalidade

Verdade traz alegria, cedo ou tarde

Simplicidade e verdade são parceiras da felicidade…

Alda M S Santos

Aborto: (in)coerência?

ABORTO: (IN)COERÊNCIA?

Defendes tanto direitos femininos

Igualdade, equidade, equiparação social, profissional

Direitos e deveres iguais e tal

Como pode ser contra o aborto?

O corpo não é dá mulher, afinal?

Não é “meu corpo, minhas regras?”

Não é muito incoerente?- questionaram-me

Usando argumentos em defesa da vida da mãe

Do futuro da criança que é indesejada

Tudo bem, acontece uma distração ou descuido

Mas deve-se arcar com a responsabilidade do ato

Defendo direitos do ser humano: homens ou mulheres

Nenhum é mais ou melhor que o outro

Simplesmente por ser homem ou mulher

Talvez pelas lutas e conquistas …

E a mulher é historicamente inferiorizada e desrespeitada

Injustamente!

Defendo a preservação da vida, de todos, para todos

E aborto é assassinato, pensado e calculado

Uma vida interrompida precocemente

Sem ter direito qualquer de defesa

E não é a mulher que aborta

Todo aborto inclui, no mínimo, pai e mãe

São ambos responsáveis da mesma forma

“Meu corpo, minhas regras”

Não pode ser superior à vida de um inocente

A partir do momento que a manutenção de direitos próprios

Envolve e fere outra vida

Que não pode responder por si

Esses direitos caem por terra

A vida é prioridade! Sempre!

Devemos defendê-la a qualquer custo

Se ela estiver dentro de nós

Somos mais responsáveis ainda!

Eu tive o direito de nascer, gerei vidas que amo

Não tenho o direito de impedir o nascimento de outro ser

Sou coerente com o amor e a vida que prego

A todos os seres humanos!

Por isso digo NÃO a homens e mulheres que abortam

Legalmente ou não…

Alda M S Santos

Na onda

NA ONDA

Onda que chega, pesada, crescente

Forte, carregada de opiniões e palpites

Cega, radical, violenta, destrutiva

Daquelas com as quais não compactuamos

E querem nos arrastar consigo

Contra nossa vontade ou desejo

Naquela avalanche de negativismo

Precisamos fincar pé, lutar, nadar contra a corrente

Ou, simplesmente, deixar-nos levar

Não desperdiçar energia

Ver até onde dá pra ir sem nos ferir

E escolher o melhor momento para sair fora

Nadar de volta e retomar do local onde fomos arrastados

Encontrar o ponto essencial

Aquele que não fere nossos princípios e nossa consciência

Aquele que nos torna humanos

Uma hora toda onda passa e se desfaz…

Alda M S Santos

Da minha varanda

DA MINHA VARANDA

A vista da minha varanda

Sou eu quem faço

Dizem que são sempre as mesmas árvores

As mesmas casas inacabadas, as mesmas aves

O mesmo vento, o mesmo sol, a mesma chuva

O mesmo céu…

Mas sou eu quem pinto esse quadro

Sou eu quem dou o tom, a intensidade

Sou eu quem estilizo, dou o brilho a cada cor

Personalizo meu quadro diário

Sou eu quem “fotografo” com e para a alma

Tudo que há de belo ali

Posso tornar tudo fosco, cinza, preto e branco

Ou posso pintar tudo multicolorido

Tudo dependerá das cores que houver em mim

Naquele momento que minha “objetiva” captar a imagem

Não há monotonia, não há rotina

Cada dia nova imagem que me absorve

Com encanto e magia…

Alda M S Santos

Com as mesmas armas?

COM AS MESMAS ARMAS?

Se quisermos vencer o que nos faz mal

Não será usando as mesmas armas que conseguiremos

Armas carregadas e recarregadas

Pentes repostos, violência sem fim

Mesmo que a arma seja o verbo desenfreado

A intolerância, a impaciência, o desamor

A palavra má e cortante que flui infinitamente

O bate-boca maléfico e improdutivo

Acusações e calúnias paralisantes

São tão fatais quanto um fuzil

O bom combate é feito no antagonismo

Silêncios em resposta a gritos

Paciência e sabedoria se contrapondo a ignorância

Tolerância e resiliência para enfrentar a rigidez e radicalismo

Bem nos ensina a oração de São Francisco de Assis

“Onde houver ódio que eu leve o amor”

Oh, mestre, ajudai-nos!

Alda M S Santos

Estilingues e vidraças

ESTILINGUES E VIDRAÇAS

Estica bem, encaixa a pedra, prepara

E, ajeitando a pontaria, lança ao alvo

Certeiro ou não, sempre atinge alguém

Machuca, fere, opera ou não mudanças

Vidraças parecem tão seguras de si, “inatingíveis”

Vidraças trincadas, arranhadas, quebradas, atingidas

Tentam parecer fortes, se proteger, blindar-se

Mas as pedras sempre chegam

Estilingues são cruéis, nunca estão “satisfeitos”

Estilingues ou vidraças?

Qual nossa posição e olhar?

Somos alvo, peito aberto, vidraça, à mercê dos estilingues?

Somos estilingues lançando as pedras?

A visão de quem já foi estilingue

Muda sua postura quando vidraça?

Quais temos sido e como temos nos portado

Nessa luta incessante entre estilingues e vidraças?

Alda M S Santos

Com vocês

COM VOCÊS

Desde que a gente esteja junto

Podemos ir para qualquer lugar

Não há fera que possamos temer

Enfrentamos dragões e a fúria do mar

Nenhuma ferida irá, por muito tempo, nos fazer sofrer…

Desde que a gente esteja junto

É belo e pacífico o escuro da noite sem luar

Certos que um abraço gostoso irá nos aquecer

E trará sempre um sorriso para nos acalmar

Somos diversão, trabalho, oração, prazer…

Desde que a gente esteja junto

Nenhum trabalho ou carga irá nos abater

Somos um time escalado por Ele para vencer

Somos presentes, pedimos responsabilidade, cuidado e proteção

Do início ao fim, juntos,

Somos uma família, uma equipe do coração…

Alda M S Santos

Dia da verdade

DIA DA VERDADE

Dia da mentira não tem mais graça

Não é mais uma brincadeirinha divertida

São tantos os dias da mentira

Que primeiro de abril deveria ser o dia da verdade

Só para variar…

A política, a vida pública, desconhece o que é verdade

Mente-se no trabalho, na igreja, na família, na amizade

Não há local em que ela não esteja!

Mente-se até para si mesmo

A mais danosa mentira de todas

Pois impede a mudança, o auto crescimento

Só não se mente para Deus

Ele sabe tudo, tudo de nós…

Vamos brincar de dia da verdade?

Comecemos por não mentir para nós mesmos:

Quem somos nós de verdade?

Alda M S Santos

Barreiras físicas

BARREIRAS FÍSICAS

Barreiras físicas não impedem um sonho

Muros, cercas, barricadas não barram um ideal

Barreiras físicas, quando muito, retardam o objetivo

Dificultam a travessia, tornam a chegada mais valorizada e especial

Mas quando o sonho e a esperança são grandes e valiosos

Não há barreira física que impeça o avanço

Daquilo que é pura emoção…

Sonhos possuem asas, voam alto e atravessam qualquer obstáculo!

Alda M S Santos

Fazendo a diferença

FAZENDO A DIFERENÇA

Fazer a diferença na vida de alguém

Levar a paz, a alegria, o bem

Sonhos de todos nós ao amanhecer

Ao ver o sol despontando no horizonte

E fazer uma oração a Ele

Usar aquilo que temos de bom

Material, sim, mas principalmente emocional

Para tornar a vida de alguém melhor

Ser a palavra de afeto que alguém carece

O abraço que ampara na fragilidade

A liga que une pessoas, que harmoniza famílias

O sorriso que perdoa e acolhe os necessitados

Fora de nossas casas, mas especialmente dentro delas

Fazer a diferença na vida de quem vive conosco

Cônjuge, filhos, pais, irmãos, familiares

Eles não estão nas nossas vidas por acaso

São presentes que Deus nos enviou

Para que possamos neles tocar e fazer a diferença

Sermos por eles tocados e ser melhores a cada dia

Fazer a diferença no mundo começa em nossos lares

Fazendo a diferença em nossa família!

Alda M S Santos

Que nunca se aceite

QUE NUNCA SE ACEITE

Que nunca se aceite a submissão humana

Seja por qualquer razão ou alegação

Raça, cor, credo, gênero, cultura, opção sexual

Ideologia política, condição social ou financeira, títulos, religião

Que nunca se aceite a hierarquização humana

Aquela que gera opressão, fome, tortura, segregação

Medos, traumas, prisões, guerras, morte, exclusão

Que nunca se aceite que se humilhe e desumanize seres humanos

Sob o lema falso de Deus, da lei, da ordem e do progresso

Porque quando se submete a essas “leis”

Quando se aceita esse tipo de perversidade inócua

Quando não mais nos incomodamos, quando há omissão

Grande parte de nós já se afastou de Deus, já deixou de ser humano

Já deixou de ser coração…

Que nunca se aceite! Nunca!

#ditaduranuncamais

Alda M S Santos

Fotos Google

Respeitável público

RESPEITÁVEL PÚBLICO

Respeitável público

Bailarinas ficam tontas, desequilibram, caem

Sem nunca perderem o encanto

Palhaços choram, fazem sorrir, gargalham e se entristecem

Sem nunca perderem a graça

Mágicos engolem e cospem fogo, duplicam objetos, fazem aparecer e desaparecer coisas, menos o sofrimento

Sem nunca perderem a magia

O circo da vida é assim

Bailarinas, palhaços e mágicos

Com encanto, graça e magia

Tudo fazem para animar o respeitável público

Do qual também fazem parte

Mesmo que nem sempre esse público seja tão respeitável assim…

Alda M S Santos

Lições infantis?

LIÇÕES INFANTIS?

Se bagunçar, arrume, deixe melhor que encontrou

Se não pode ou não sabe arrumar, não mexa

Ande, se correr poderá cair

Não pegue o que não é seu, nem tudo é coletivo

Não derrube o “castelo” de seu irmão, construa o seu

Não fale com estranhos, nem todos são amigos

Confie sempre na sua família, ela sempre estará contigo

Não procure briga, mas não apanhe

Aprenda com seus erros para não repetí-los

Se cair, levante, engula o choro, receba um carinho e siga

Nem toda porta aberta te cabe, não entre sem ser convidado

Respeite o espaço do outro, cultive o seu

Seja grato!

Lições infantis?

Talvez retomar essas lições

Nos salve de nossos próprios atropelos

De atropelar nosso irmão

Nos salve uns dos outros…

Lições infantis?

Alda M S Santos

Impotência

IMPOTÊNCIA

Impotência diante de um mundo que parece girar tão rápido

Mas em tantas outras vezes parece tão estacionado

Impotência diante da dor do outro

Quando só nos cabe oferecer um abraço

Impotência diante de perdas irreversíveis

Quando só nos resta a dolorosa saudade

Impotência diante da esperança desbotada, sem cor

Quando falta tinta para pintá-la, renová-la, sem pudor

Impotência diante da própria inércia

Quando, cansados, quase desistimos

Quase caímos, quase entregamos os pontos

Quase…

Mas preferimos, como Fernando Sabino, fazer

“Da queda um passo de dança”

E seguir…

Alda M S Santos

Tragédia anunciada

TRAGÉDIA ANUNCIADA

Uma parede torta, trincada

Um céu de nuvens negras, pesadas

Uma raiva intensa, acumulada

Pessoas falantes quando caladas

Tragédia anunciada!

Hipertensão, colesterol alto, glicemia elevada

Medos e traumas não vencidos

Uma vida sedentária, muito parada

Falhas e erros conhecidos, repetidos

Tragédia anunciada!

Uma encosta pesada, encharcada

Bêbados descontrolados aos volantes

Uma represa não fiscalizada, sobrecarregada

Aquela vida falsa e secreta dos “amantes”

Tragédia anunciada!

Um planeta tão maltratado, explorado

Bomba-relógio armada, um perigo

Um futuro não valorizado, ignorado

Não há como manter intacto esse abrigo

Tragédia anunciada!

BUM!

Alda M S Santos

Seja sorriso

SEJA SORRISO

Tímido, contido, amarelado ou disfarçado

Aberto, rasgado, gargalhado ou meio acabrunhado

Sempre iluminado!

Dê à vida seu melhor sorriso

É mais difícil magoar quem sorri

É mais difícil desnudar quem se veste de sorriso

É mais difícil derrubar quem carrega a leveza de um sorriso

É mais difícil humilhar quem traz a força de saber sorrir

É mais difícil enganar quem faz do sorriso sua verdade

É mais difícil apagar o brilho de quem traz um sorriso nos olhos

É mais fácil confiar em quem traz a alma expressa no sorrir

Até as lágrimas cessam nos olhos de quem sorri

É impossível não sorrir

Para aquele que nos presenteia com um lindo sorriso

Seja vida, seja um vencedor, seja amor

Seja verdade, seja sorriso!

Alda M S Santos

Não foi

NÃO FOI

Não pode dizer que foi barco

Aquele que só ficou atracado no porto

Não pode dizer que foi pássaro

Aquele que viu a vida por trás das grades da gaiola

Não pode dizer que foi borboleta

Aquela que não saiu do casulo

Não pode dizer que foi gente

Aquele que ficou no porto, não voou, não saiu do casulo…

Não foi humano aquele que não soube ser terno

Aquele que mais destruiu que construiu

Que mais invejou que conquistou

Que não soube ser fraterno

Não soube ser amor…

Alda M S Santos

Quantos degraus?

QUANTOS DEGRAUS?

Quantos degraus até o céu?

A escada é sinuosa, rolante, escorregadia, antiderrapante?

Quem pode subir, há restrições, limites de entrada?

Podemos levar alguém, sermos levados por alguém?

E se nos cansarmos no caminho, tropeçarmos, cairmos?

Podemos voltar a subir ou perdemos a vez?

Os últimos serão os primeiros?

Quantos degraus até o céu?

A entrada é franca? Paga-se com quê?

Qual a “moeda” de troca?

Muitas perguntas… Sei lá!

Enquanto isso vou fazendo do agora o meu céu

Tal qual crianças a brincar, a pular amarelinha

Continuo subindo até o céu…

Alda M S Santos

Que inteligência é essa?

QUE INTELIGÊNCIA É ESSA?

Que inteligência é essa

Que produz máquinas e armas de destruição

Mas que não cura um câncer, um mal do coração?

Que inteligência é essa

Que num simples acionar de um botão

Pode lançar um míssel nuclear e nos reduzir a pó

Mas deixa morrer de fome um irmão?

Que inteligência é essa

Que nos leva à guerra, ao terreno do outro, por insanas disputas emocionais ou materiais

Mas não enxerga a vida que míngua bem nos seus quintais?

Que inteligência é essa

Que viaja em naves e foguetes pelo longínquo campo do espaço sideral

Mas não acha o caminho da paz e do amor dentro de si, de seu tão próximo campo emocional?

Que inteligência é essa?

Alda M S Santos

Linda aura

LINDA AURA

Linda, sorridente, costureira, bordadeira

Lindaura: LINDA AURA

Sempre mexendo, parecia uma formiguinha

Vaidosa, amava se enfeitar de cores e flores

Música, dança, abraços, carinhos e mimos

Ela nos fazia felizes, nos tornava especiais para si

De tudo participava, sempre animada, ignorava limitações

Que vamos fazer hoje? -perguntava

Já passando mal foi para junto de todos nós neste sábado

Um sábado de colorir, um sábado colorido

Um sábado para se despedir…

Que de repente perdeu as cores

Um olhar muito meigo e profundo

Um olhar que sorria…

E que hoje nos desperta lágrimas de saudade

Abracei, beijei, conversei, fiz carinho

Demos o que sabíamos dar: amor, atenção, tempo

Nos despedimos sem querer, sem saber…

Agora foi enfeitar o céu com seu largo sorriso

E seus laços e tiaras coloridas, seu olhar brilhante

Aqui ficamos tristes, mas com a sensação que fizemos sua vida mais colorida

Vá em paz, Lindaura, com sua linda aura, missão cumprida!

Dê aquele seu lindo sorriso e abraço gostoso para Ele em nosso nome

O tempo que pudemos desfrutar de sua companhia foi maravilhoso

Amamos você!

Sentiremos imensas saudades…

Alda M S Santos

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: